Foi há 36 anos: a revolução do 25 de Abril de 1974

3,110 views
2,870 views

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,110
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
88
Actions
Shares
0
Downloads
73
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Foi há 36 anos: a revolução do 25 de Abril de 1974

  1. 1. Revolução de 25 de Abril de 1974 Fim do regime autoritário do Estado Novo O caminho para a Democracia
  2. 2. Como tudo aconteceu…
  3. 3. Surge o Movimento dos Capitães <ul><li>▄ As dificuldades na guerra colonial levam o Governo a dar regalias aos oficiais milicianos (os que não eram de carreira) que passavam a ter acesso ao quadro permanente do Exército. </li></ul><ul><li>▀ Os oficiais de carreira (formados na escola do Exército), sentindo-se prejudicados, criam o Movimento dos Capitães como forma de protesto, em defesa dos seus interesses. </li></ul><ul><li>▀ Este movimento, que de início apenas visava defender interesses corporativos, transformou-se, passando a ter objectivos políticos. Conscientes do impasse da guerra colonial, começaram a pensar que a solução da guerra podia não ser militar, mas política . Pensaram também que era necessário restaurar as liberdades e a democracia em Portugal. </li></ul>1973
  4. 4. Movimento dos Capitães MOVIMENTO DAS FORÇAS ARMADAS - M. F. A. -
  5. 5. Alguns dos Protagonistas Capitão Otelo Saraiva de Carvalho Capitão Vasco Lourenço Capitão Salgueiro Maia Major Víctor Alves Major Melo Antunes
  6. 6. «Brigada do Reumático» <ul><ul><ul><ul><ul><li>Este movimento contou com o apoio dos </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Generais Costa Gomes e António de Spínola </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>(Chefe e Vice-Chefe do Estado-Maior General </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>das Forças Armadas) que foram demitidos </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>dos seus cargos, por não terem comparecido </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>a uma sessão solene convocada por Caetano </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>que visava demonstrar o apoio das Forças </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Armadas ao Governo. </li></ul></ul></ul></ul></ul>
  7. 7. <ul><li>Acabar com o Antigo Regime; </li></ul><ul><li>Restaurar as Liberdades (de Expressão e de Imprensa, de associação e de manifestação); </li></ul><ul><li>Acabar com a Censura; </li></ul><ul><li>Extinguir a PIDE-DGS (Polícia política); </li></ul><ul><li>Instaurar o Regime Democrático assente na pluralidade de Partidos; </li></ul>OBJECTIVOS DO M. F. A.
  8. 8. <ul><li>Questionar a guerra colonial que angustiava a população portuguesa, procurando uma solução política para o conflito. </li></ul>
  9. 9. Mensagens saudosas de Natal de soldados portugueses na guerra para a família
  10. 10. Data prevista para a revolução: MADRUGADA DE 25 DE ABRIL DE 1974
  11. 11. Operação «Fim - Regime» 22h 55m : O primeiro sinal: A Rádio transmite a canção E Depois Do Adeus , de Paulo de Carvalho 00h 30m : O segundo sinal: A Rádio transmite Grândola, Vila Morena , de José Afonso O Movimento põe-se em marcha As unidades militares saem dos quartéis para cumprirem com êxito as missões que lhes estavam destinadas. Otelo Saraiva de Carvalho, o «cérebro» da revolução
  12. 12. <ul><li>Ocupação das Estações do Rádio Clube Português, da </li></ul><ul><li>Emissora Nacional e da Rádio Marconi. </li></ul><ul><li>Ocupação da RTP. </li></ul><ul><li>Controle do Aeroporto de Lisboa. </li></ul><ul><li>Controle Dos Quartéis Generais das Regiões Militares de </li></ul><ul><li>Lisboa e do Norte. </li></ul><ul><li>Cerco dos Ministérios Militares do Terreiro do Paço. </li></ul><ul><li>Ocupação do Quartel da G.N.R. do Largo do Carmo onde </li></ul><ul><li>se tinha refugiado Marcelo Caetano e alguns ministros. </li></ul>Missões Militares
  13. 13. - Daqui, maior de LIMA DEZOITO … - Aqui ÓSCAR (Otelo) …. A REVOLUÇÃO EM MARCHA …
  14. 14. 4h30 m <ul><li>O MFA difunde o primeiro comunicado no Rádio Clube Português: </li></ul><ul><li>“ Aqui Posto de Comando das Forças Armadas. As Forças Armadas Portuguesas apelam para todos os habitantes da cidade de Lisboa no sentido de recolherem a suas casas nas quais se devem conservar com a máxima calma...” </li></ul>
  15. 15. 9h Uma coluna militar, dirigida pelo Capitão Salgueiro Maia , ocupa o Largo do Carmo, cercando o Quartel do Carmo onde estão refugiados Marcello Caetano e alguns dos seus ministros.
  16. 16. Assim aconteceu…
  17. 17. Marcello Caetano rendeu-se ao General António de Spínola que, entretanto, tinha chegado ao Largo do Carmo, para receber a rendição do assim deposto Presidente do Conselho. ( Marcello tinha pedido ao Capitão Salgueiro Maia a presença de um oficial de alta patente, temendo que «o poder caísse nas ruas »).
  18. 18. Rendição da PIDE/DGS Depois de fazer 4 mortos na Rua António Maria Cardoso (a sua sede) - os únicos da Revolução de Abril -
  19. 19. Formação de uma Junta de Salvação Nacional que deveria exercer o poder político até à formação, a curto prazo, de um Governo Provisório civil. A Junta era formada por 7 oficiais superiores das Forças Armadas. MFA
  20. 20. A Junta de Salvação Nacional Noite 25 para 26 de Abril
  21. 21. Desmantelamento das Estruturas do Estado Novo Destituição do Presidente da República (Américo Tomás) e do Governo. Dissolução da Assembleia Nacional. Extinção da DGS, Legião Portuguesa e Mocidade Portuguesa. Amnistia política de todos os presos políticos. Abolição da Censura e Exame Prévio.
  22. 22. 1968 1974 1974
  23. 23. Medidas no caminho de uma nova ordem democrática • Convocação, no prazo de 1 ano, de uma Assembleia Nacional Constituinte , eleita por sufrágio universal, directo e secreto, segundo uma lei eleitoral a elaborar por um futuro Governo Provisório. • Nomeação, por parte da Junta e de entre os seus membros, de um Presidente da República Portuguesa . • Formação de um Governo Provisório que seria nomeado pelo Presidente da República. Seria composto por personalidades representativas de grupos, correntes políticas e personalidades independentes que se identificassem com o Programa do MFA.
  24. 24. • Decretam-se: - Liberdade para a constituição de Partidos Políticos - Liberdade de expressão e de pensamento - Liberdade de reunião e associação - Liberdade sindical Partidos Políticos
  25. 25. Posição da JSN face ao Ultramar ► Lançamento de uma política ultramarina que conduzisse à paz. ► Reconhecimento de que a solução da guerra colonial era política e não militar. ► Criação de condições para um debate franco e aberto, a nível nacional, para se discutir o problema ultramarino. Seria à Nação a decidir, depois desse debate.
  26. 26. Era a Revolução dos Cravos … Cravos vermelhos que as vendedoras de flores começaram a colocar nos canos das espingardas dos soldados. Gestos que a população repetiu, em muitos lugares de Lisboa…
  27. 27. O APOIO POPULAR À REVOLUÇÃO O povo saiu à rua num dia assim… Para demonstrar o seu apoio à revolução
  28. 28. O I de Maio de 1974 – Dia do Trabalhador Festejado, pela primeira vez, em liberdade, depois de 48 anos de ditadura. Estádio 1º de Maio Mário Soares e Álvaro Cunhal (P.S.) (P.C.P.)
  29. 29. AS PAREDES DA LIBERDADE Depois da revolução de Abril as paredes de Lisboa foram espaços onde as populações exprimiam livremente as suas ideias, depois de terem estado amordaçadas, durante 48 anos, pela censura do Estado Novo.

×