Contabilidade
                                                                                           PROF. Sérgio Adri...
Contabilidade
                                                                                             PROF. Sérgio Ad...
Contabilidade
                                                                                           PROF. Sérgio Adri...
Contabilidade
                                                                                                PROF. Sérgio...
Contabilidade
                                                                                           PROF. Sérgio Adri...
Contabilidade
                                                                                           PROF. Sérgio Adri...
Contabilidade
                                                                                           PROF. Sérgio Adri...
Contabilidade
                                                                                           PROF. Sérgio Adri...
Contabilidade
                                                                                            PROF. Sérgio Adr...
Contabilidade
                                                                                                       PROF....
Contabilidade
                                                                                                            ...
Contabilidade
                                                                                           PROF. Sérgio Adri...
Contabilidade
                                                                                           PROF. Sérgio Adri...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Dva

2,576

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,576
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
41
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Dva"

  1. 1. Contabilidade PROF. Sérgio Adriano Curso Preparatório para Auditores Fiscais, Técnicos, Analistas e Carreiras Afins. www.cursoparaconcursos.com.br Nova Lei Contábil - Lei nº 11.638/2007 Aula sobre DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO – DVA Fonte: OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SNC/SEP Nº. 01/2005 A riqueza gerada pela empresa, medida no conceito de valor adicionado é calculada a partir da diferença entre o valor de sua produção e o dos bens produzidos por terceiros utilizados no processo de produção da empresa. A atual e a potencial aplicações do valor adicionado mostram o aspecto econômico e social que o seu conceito envolve: (i) como índice de avaliação do desempenho na geração da riqueza, ao medir a eficiência da empresa na utilização dos fatores de produção, comparando o valor das saídas com o valor das entradas, e (ii) como índice de avaliação do desempenho social à medida que demonstra, na distribuição da riqueza gerada, a participação dos empregados, do Governo, dos Agentes Financiadores e dos Acionistas. O valor adicionado demonstra, ainda, a efetiva contribuição da empresa, dentro de uma visão global de desempenho, para a geração de riqueza da economia na qual está inserida, sendo resultado do esforço conjugado de todos os seus fatores de produção. A Demonstração do Valor Adicionado, que também pode integrar o Balanço Social, constitui desse modo, uma importante fonte de informações à medida que apresenta esse conjunto de elementos que permitem a análise do desempenho econômico da empresa, evidenciando a geração de riqueza, assim como dos efeitos sociais produzidos pela distribuição dessa riqueza. Dentro dessa visão, a CVM vem incentivando e apoiando a divulgação voluntária de informações de natureza social, tendo, inclusive, já em 1992, apoiado e estimulado a divulgação da DVA, por meio do Parecer de Orientação CVM nº. 24/92. No Ofício Circular CVM/SNC/SEP/ no 01/00, a CVM sugeriu a utilização de modelo elaborado pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras da USP (FIPECAFI). Além disso, fez incluir no anteprojeto de reformulação da Lei nº. 6.404/76 a obrigatoriedade da divulgação da Demonstração do Valor Adicionado e de informações de natureza social e de produtividade. Considerando que as companhias abertas vêm, cada vez mais, aderindo à divulgação de informações de natureza social, principalmente a DVA, e, dentro desse caráter voluntário de divulgação, objetivando orientar e incentivar aquelas empresas que ainda não aderiram, estamos apresentando um modelo simplificado de Demonstração do Valor Adicionado (baseado em modelo elaborado pela FIPECAFI) com instruções para o seu preenchimento. Pode-se verificar, no modelo abaixo, a utilização do critério de cálculo do valor adicionado com base nas vendas, o que torna mais simples a elaboração da DVA e mais fácil seu entendimento, uma vez que, assim, o valor adicionado fica relacionado com os princípios contábeis utilizados nas demonstrações contábeis tradicionais, possibilitando sua conciliação com a demonstração do resultado. Parte-se, desse modo, das receitas brutas e subtrai-se o valor dos bens adquiridos de terceiros que foi incorporado ao produto final alienado ou serviço prestado, para que se conheça o valor efetivamente gerado pela companhia. Deve-se destacar, ainda, que a depreciação de ativos avaliados pelo custo de aquisição deve ser subtraída do valor adicionado bruto para se calcular o valor adicionado líquido, não devendo ser classificados tais valores como retenções do lucro do período. Devemos ressaltar que esse modelo, até mesmo por não se tratar de informação obrigatória, não deve inibir a apresentação de demonstração mais detalhada e melhor adaptada ao segmento de negócio da empresa. Caso a empresa julgue necessário, poderá apresentar essas informações em notas explicativas às demonstrações contábeis, ao invés de incluí-las no corpo do Relatório da Administração. 1
  2. 2. Contabilidade PROF. Sérgio Adriano Curso Preparatório para Auditores Fiscais, Técnicos, Analistas e Carreiras Afins. www.cursoparaconcursos.com.br Demonstração do Valor Adicionado em R$ mil 20X1 20X2 DESCRIÇÃO 1-RECEITAS 1.1) Vendas de mercadoria, produtos e serviços 1.2) Provisão p/devedores duvidosos – Reversão/(Constituição) 1.3) Não operacionais 2-INSUMOS ADQUIRIDOS DE TERCEIROS (inclui ICMS e IPI) 2.1) Matérias-Primas consumidas 2.2) Custos das mercadorias e serviços vendidos 2.3) Materiais, energia, serviços de terceiros e outros 2.4) Perda/Recuperação de valores ativos 3 – VALOR ADICIONADO BRUTO (1-2) 4 – RETENÇÕES 4.1) Depreciação, amortização e exaustão 5 –VALOR ADICIONADO LÍQUIDO PRODUZIDO PELA ENTIDADE (3- 4) 6 – VALOR ADICIONADO RECEBIDO EM TRANSFERÊNCIA 6.1) Resultado de equivalência patrimonial 6.2) Receitas financeiras 7 – VALOR ADICIONADO TOTAL A DISTRIBUIR (5+6) 8 – DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO 8.1) Pessoal e encargos 8.2) Impostos, taxas e contribuições 8.3) Juros e aluguéis 8.4) Juros s/ capital próprio e dividendos 8.5) Lucros retidos / prejuízo do exercício * O total do item 8 deve ser exatamente igual ao item 7. Instruções para preenchimento: As informações são extraídas da contabilidade e, portanto, deverão ter como base o princípio contábil do regime de competência de exercícios. 1 – RECEITAS (soma dos itens 1.1 a 1.3) 1.1 – Vendas de mercadorias, produtos e serviços 2
  3. 3. Contabilidade PROF. Sérgio Adriano Curso Preparatório para Auditores Fiscais, Técnicos, Analistas e Carreiras Afins. www.cursoparaconcursos.com.br Inclui os valores do ICMS e IPI incidentes sobre essas receitas, ou seja, corresponde à receita bruta ou faturamento bruto. 1.2 – Provisão para devedores duvidosos – Reversão/Constituição Inclui os valores relativos à constituição/baixa de provisão para devedores duvidosos. 1.3 – Não operacionais Inclui valores considerados fora das atividades principais da empresa, tais como: ganhos ou perdas na baixa de imobilizados, ganhos ou perdas na baixa de investimentos, etc. 2 – INSUMOS ADQUIRIDOS DE TERCEIROS (soma dos itens 2.1 a 2.4) 2.1 - Matérias-primas consumidas (incluídas no custo do produto vendido). 2.2 - Custos das mercadorias e serviços vendidos (não inclui gastos com pessoal próprio). 2.3 - Materiais, energia, serviços de terceiros e outros (inclui valores relativos às aquisições e pagamentos a terceiros). Nos valores dos custos dos produtos e mercadorias vendidos, materiais, serviços, energia, etc. consumidos deverão ser considerados os impostos (ICMS e IPI) incluídos no momento das compras, recuperáveis ou não. 2.4 - Perda/Recuperação de valores ativos Inclui valores relativos a valor de mercado de estoques e investimentos, etc. (se no período o valor líquido for positivo deverá ser somado). 3 – VALOR ADICIONADO BRUTO (diferença entre itens 1 e 2). 4 – RETENÇÕES 4.1 – Depreciação, amortização e exaustão Deverá incluir a despesa contabilizada no período. 5 – VALOR ADICIONADO LÍQUIDO PRODUZIDO PELA ENTIDADE (item 3 menos item 4). 6 – VALOR ADICIONADO RECEBIDO EM TRANSFERÊNCIA (soma dos itens 6.1 e 6.2) 6.1 Resultado de equivalência patrimonial (inclui os valores recebidos como dividendos relativos a investimentos avaliados ao custo). O resultado de equivalência poderá representar receita ou despesa; se despesa deverá ser informado entre parênteses. 6.2 - Receitas financeiras (incluir todas as receitas financeiras independentemente de sua origem). 7 – VALOR ADICIONADO TOTAL A DISTRIBUIR (soma dos itens 5 e 6) 8 – DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO (soma dos itens 8.1 a 8.5) 8.1 – Pessoal e encargos Nesse item deverão ser incluídos os encargos com férias, 13o salário, FGTS, alimentação, transporte, etc., apropriados ao custo do produto ou resultado do período (não incluir encargos 3
  4. 4. Contabilidade PROF. Sérgio Adriano Curso Preparatório para Auditores Fiscais, Técnicos, Analistas e Carreiras Afins. www.cursoparaconcursos.com.br com o INSS – veja tratamento a ser dado no item seguinte). 8.2 – Impostos, taxas e contribuições Além das contribuições devidas ao INSS, imposto de renda, contribuição social, todos os demais impostos, taxas e contribuições deverão ser incluídos neste item. Os valores relativos ao ICMS e IPI deverão ser considerados como os valores devidos ou já recolhidos aos cofres públicos, representando a diferença entre os impostos incidentes sobre as vendas e os valores considerados dentro do item 2 – Insumos adquiridos de terceiros. 8.3 – Juros e aluguéis Devem ser consideradas as despesas financeiras e as de juros relativas a quaisquer tipos de empréstimos e financiamentos junto a instituições financeiras, empresas do grupo ou outras e os aluguéis (incluindo-se as despesas com leasing) pagos ou creditados a terceiros. 8.4 – Juros sobre o capital próprio e dividendos Inclui os valores pagos ou creditados aos acionistas. Os juros sobre o capital próprio contabilizados como reserva deverão constar do item "lucros retidos". 8.5 – Lucros retidos/prejuízo do exercício Devem ser incluídos os lucros do período destinados às reservas de lucros e eventuais parcelas ainda sem destinação específica. Resolução CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE - CFC nº. 1.010 de 21.01.2005 D.O.U.: 25.01.2005 Aprova a NBC T 3.7 - Demonstração do Valor Adicionado O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade e suas Interpretações Técnicas constituem corpo de doutrina contábil que estabelece regras de procedimentos técnicos a serem observadas quando da realização de trabalhos; CONSIDERANDO que a forma adotada de fazer uso de trabalhos de instituições com as quais o Conselho Federal de Contabilidade mantém relações regulares e oficiais está de acordo com as diretrizes constantes dessas relações; CONSIDERANDO que o Grupo de Trabalho das Normas Brasileiras de Contabilidade, instituído pelo Conselho Federal de Contabilidade, atendendo ao que está disposto no Art. 1º da Resolução CFC nº. 751, de 29 de dezembro de 1993, elaborou a NBC T 3.7 -Demonstração do Valor Adicionado. CONSIDERANDO que por se tratar de atribuição que, para o adequado desempenho, deve ser empreendida pelo Conselho Federal de Contabilidade em regime de franca, real e aberta cooperação com o Banco Central do Brasil, a Comissão de Valores Mobiliários, o Instituto dos Auditores Independentes do Brasil, o Instituto Nacional de Seguro Social, o Ministério da Educação, a Secretaria Federal de Controle, a Secretaria da Receita Federal, a Secretaria do Tesouro Nacional e a Superintendência de Seguros Privados, resolve: 4
  5. 5. Contabilidade PROF. Sérgio Adriano Curso Preparatório para Auditores Fiscais, Técnicos, Analistas e Carreiras Afins. www.cursoparaconcursos.com.br Art. 1º Aprovar a NBC T 3.7 Demonstração do Valor Adicionado. Art. 2º Esta Resolução entra em vigor a partir da data de sua publicação. JOSÉ MARTONIO ALVES COELHO Presidente do Conselho ANEXO Ata CFC nº. 867/05 NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC T 3.7 - DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO 3.7.1. CONCEITUAÇÃO E DISPOSIÇÕES GERAIS 3.7.1.1. Esta norma estabelece procedimentos para evidenciação de informações econômicas e financeiras, relacionadas ao valor adicionado pela entidade e sua distribuição. 3.7.1.2. Demonstração do Valor Adicionado é a demonstração contábil destinada a evidenciar, de forma concisa, os dados e as informações do valor da riqueza gerada pela entidade em determinado período e sua distribuição. 3.7.1.3. As informações devem ser extraídas da contabilidade e os valores informados devem ter como base o princípio contábil da competência. 3.7.1.4. Caso a entidade elabore Demonstrações Contábeis Consolidadas, a Demonstração do Valor Adicionado deve ser elaborada com base nas demonstrações consolidadas, e não pelo somatório das Demonstrações do Valor Adicionado individuais. 3.7.2. ESTRUTURA DA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO 3.7.2.1. A Demonstração do Valor Adicionado deve ser apresentada de forma comparativa mediante a divulgação simultânea de informações do período atual e do anterior. 3.7.2.2. A demonstração referida no item anterior, quando divulgada, deve ser efetuada como informação complementar às Demonstrações Contábeis, não se confundindo com as notas explicativas. 3.7.2.3. A Demonstração do Valor Adicionado deve evidenciar os componentes abaixo: a) a receita bruta e as outras receitas; b) os insumos adquiridos de terceiros; c) os valores retidos pela entidade; d) os valores adicionados recebidos (dados) em transferência a outras entidades; e) valor total adicionado a distribuir; e f) distribuição do valor adicionado. 3.7.2.4. No grupo de receita bruta e outras receitas, devem ser apresentados: 5
  6. 6. Contabilidade PROF. Sérgio Adriano Curso Preparatório para Auditores Fiscais, Técnicos, Analistas e Carreiras Afins. www.cursoparaconcursos.com.br a) as vendas de mercadorias, produtos e serviços, incluindo os valores dos tributos incidentes sobre essas receitas, ou seja, o valor correspondente à receita bruta, deduzidas as devoluções, os abatimentos incondicionais e os cancelamentos; b) as outras receitas decorrentes das atividades afins não-constantes da letra "a" deste item, acima, ou não constantes do item 3.7.2.8, a seguir; c) os valores relativos à constituição (reversão) de provisão para créditos duvidosos; d) os resultados não-decorrentes das atividades-fim, como: ganhos ou perdas na baixa de imobilizado, investimentos, etc., exceto os decorrentes do item 3.7.2.8 a seguir. 3.7.2.5. No grupo de insumos adquiridos de terceiros, devem ser apresentados: a) materiais consumidos incluídos no custo dos produtos, mercadorias e serviços vendidos; b) demais custos dos produtos, mercadorias e serviços vendidos, exceto gastos com pessoal próprio e depreciações, amortizações e exaustões; c) despesas operacionais incorridas com terceiros, tais como: materiais de consumo, telefone, água, serviços de terceiros, energia; d) valores relativos a perdas de ativos, como perdas na realização de estoques ou investimentos, etc. 3.7.2.6. Nos valores constantes dos itens "a", "b" e "c" acima, devem ser considerados todos os tributos incluídos na aquisição, recuperáveis ou não. 3.7.2.7. Os valores retidos pela entidade são representados pela depreciação, amortização e exaustão registrados no período. 3.7.2.8. Os valores adicionados recebidos (dados) em transferência a outras entidades correspondem: a) ao resultado positivo ou negativo de equivalência patrimonial; b) aos valores registrados como dividendos relativos a investimentos avaliados ao custo; c) aos valores registrados como receitas financeiras relativos a quaisquer operações com instituições financeiras, entidades do grupo ou terceiros, exceto para entidades financeiras que devem classificá-las conforme descrito no item 3.7.2.4; e d) aos valores registrados como receitas de aluguéis ou royalties, quando se tratar de entidade que não tenha como objeto essa atividade. 3.7.2.9. No componente relativo à distribuição do valor adicionado, devem constar: a) colaboradores - devem ser incluídos salários, férias, 13º salário, FGTS, seguro de acidentes de trabalho, assistência médica, alimentação, transporte, etc., apropriados ao custo do produto ou ao serviço vendido ou ao resultado do período, exceto os encargos com o INSS, SESI, SESC, SENAI, SENAT, SENAC e outros assemelhados. Fazem parte desse conjunto, também, os valores representativos de comissões, gratificações, participações, planos privados de aposentadoria e pensão, seguro de vida e acidentes pessoais. b) governo - devem ser incluídos impostos, taxas e contribuições, inclusive as contribuições devidas ao INSS, SESI, SESC, SENAI, SENAT, SENAC e outros assemelhados, imposto de renda, contribuição social, ISS, CPMF, todos os demais tributos, taxas e contribuições. Os valores relativos a ICMS, IPI, PIS, Cofins e outros assemelhados devem ser considerados os valores 6
  7. 7. Contabilidade PROF. Sérgio Adriano Curso Preparatório para Auditores Fiscais, Técnicos, Analistas e Carreiras Afins. www.cursoparaconcursos.com.br devidos ou já recolhidos aos cofres públicos, representando a diferença entre os impostos incidentes sobre as vendas e os valores considerados dentro do item "Insumos adquiridos de terceiros". Como os tributos são, normalmente, contabilizados no resultado como se devidos fossem, e os incentivos fiscais, quando reconhecidos em conta de reserva no patrimônio líquido, os tributos que não forem pagos em decorrência de incentivos fiscais devem ser apresentados na Demonstração do Valor Adicionado como item redutor do grupo de tributos. c) agentes financiadores - devem ser consideradas, neste componente, as despesas financeiras relativas a quaisquer tipos de empréstimos e financiamentos com instituições financeiras, entidades do grupo ou outras e os aluguéis (incluindo os custos e despesas com leasing) pagos ou creditados a terceiros, exceto para entidades financeiras que devem classificá-las conforme descrito no item 3.7.2.5; d) acionistas - incluem os valores pagos ou creditados aos acionistas, a título de juros sobre o capital próprio ou dividendos. Os juros sobre o capital próprio apropriados ou transferidos para contas de reservas no patrimônio líquido devem constar do item "Lucros retidos”. e) participação dos minoritários nos "Lucros retidos" - deve ser incluído neste componente, aplicável às Demonstrações Contábeis Consolidadas, o valor da participação minoritária apurada no resultado do exercício, antes do resultado consolidado. f) retenção de lucro - deve ser indicado neste componente o lucro do período destinado às reservas de lucros e eventuais parcelas ainda sem destinação específica. 3.7.3. DISPOSIÇÕES FINAIS 3.7.3.1. Além das informações contidas nos itens 3.7.2.4 a 3.7.2.9, a entidade deve acrescentar ou detalhar outras linhas na Demonstração do Valor Adicionado quando o montante e a natureza de um item ou o somatório de itens similares forem de tal magnitude que a apresentação em separado ajuda na apresentação mais adequada da Demonstração do Valor Adicionado. 3.7.3.2. A Demonstração do Valor Adicionado deve ser consistente com a demonstração do resultado e conciliada em registros auxiliares mantidos pela entidade. 3.7.3.3. A Demonstração do Valor Adicionado deve conter representação percentual participativa. 3.7.3.4. As informações contábeis contidas na Demonstração do Valor Adicionado são de responsabilidade técnica de contabilista registrado no Conselho Regional de Contabilidade. 3.7.3.5. A Demonstração do Valor Adicionado deve ser objeto de revisão ou auditoria se a entidade possuir auditores externos independentes que revisem ou aditem suas Demonstrações Contábeis. 3.7.3.6. Segue modelo exemplificativo da Demonstração do Valor Adicionado. DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO, EM MILHARES DE REAIS. 20X1 % 20X0 % 1-RECEITAS 1.1. Vendas de mercadoria, produtos e serviços xxx xxx 1.2. Provisão para devedores duvidosos xxx xxx 7
  8. 8. Contabilidade PROF. Sérgio Adriano Curso Preparatório para Auditores Fiscais, Técnicos, Analistas e Carreiras Afins. www.cursoparaconcursos.com.br 1.3. Resultados não-operacionais xxx xxx 2-INSUMOS ADQUIRIDOS DE TERCEIROS 2.1. Materiais consumidos (xxx) (xxx) 2.2. Outros custos de produtos e serviços vendidos (xxx) (xxx) 2.3. Energia, serviços de terceiros e outras despesas operacionais (xxx) (xxx) 2.4. Perda na realização de ativos (xxx) (xxx) 3 - RETENÇÕES 3.1. Depreciação, amortização e exaustão (xxx) (xxx) 4 -VALOR ADICIONADO LÍQUIDO PRODUZIDO PELA ENTIDADE xxx xxx 5 - VALOR ADICIONADO RECEBIDO EM TRANSFERÊNCIA 5.1. Resultado de equivalência patrimonial e dividendos de investimento avaliado ao custo xxx xxx 5.2. Receitas financeiras xxx xxx 5.3. Aluguéis e royalties xxx xxx 6 - VALOR ADICIONADO TOTAL A DISTRIBUIR xxx 100% xxx 100% 7 - DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO 7.1. Empregados Salários e encargos xxx Y% xxx Y% Comissões sobre vendas xxx Y% xxx Y% Honorários da diretoria xxx Y% xxx Y% Participação dos empregados nos lucros xxx Y% xxx Y% Planos de aposentadoria e pensão xxx Y% xxx Y% 7.2. Tributos Federais xxx Y% xxx Y% Estaduais xxx Y% xxx Y% Municipais xxx Y% xxx Y% Menos: incentivos fiscais (xxx) Y% (xxx) Y% 7.3. Financiadores 8
  9. 9. Contabilidade PROF. Sérgio Adriano Curso Preparatório para Auditores Fiscais, Técnicos, Analistas e Carreiras Afins. www.cursoparaconcursos.com.br Juros xxx Y% xxx Y% Aluguéis xxx Y% xxx Y% 7.4. Juros sobre capital próprio e dividendos xxx Y% xxx Y% 7.5. Lucros retidos/prejuízo do exercício xxx Y% xxx Y% A Cia. Comercial Complexa e Extensa apurou o seguinte Balanço Patrimonial em 01/01/2006: ATIVO R$ PASSIVO + PL R$ Ativo circulante 100.000,00 Patrimônio Líquido 100.000,00 Caixa 100.000,00 Capital Social 100.000,00 Durante o primeiro semestre de 2006, ocorreram as seguintes transações: .Os sócios da Cia. Comercial Complexa e Extensa aumentaram o Capital Social da empresa em $ 100.000,00, da seguinte forma: .R$ 50.000,00 integralizados, imediatamente, em dinheiro; .R$ 30.000,00 integralizados, imediatamente, em um terreno localizado na cidade de Corumbá; e .R$ 20.000,00 a serem integralizados no ano de 2009. _ A Cia. Comercial Complexa e Extensa comprou 50.000 unidades da mercadoria "Dificuldade", por R$1,50 a unidade (desconsidere os impostos). O pagamento ao fornecedor foi realizado à vista. _ A Cia. Comercial Complexa e Extensa vendeu 45.000 unidades da mercadoria "Dificuldade", por R$ 2,00 a unidade (desconsidere os impostos). A venda foi negociada a prazo. _ A Cia. Comercial Complexa e Extensa recebeu de seus clientes metade (1/2) das Duplicatas a Receber. O restante das duplicatas vencerá, ainda, em 2006 (no segundo semestre). _ No início de abril, a Cia. Comercial Complexa e Extensa obteve um empréstimo bancário no valor de R$ 70.000,00. O principal deverá ser pago em 2009, mas os juros mensais de R$ 400,00 devem ser pagos ao final de cada mês. A Cia. Comercial Complexa e Extensa honrou o pagamento dos juros nos prazos acordados (inclusive no mês de abril). _ No início de maio, a Cia. Comercial Complexa e Extensa comprou um caminhão, à vista, por R$ 60.000,00. Espera-se que esse veículo tenha uma vida útil de 5 anos, ao final do qual se reduzirá a sucata, e o método de depreciação adotado é o linear – cotas constantes. A Cia. 9
  10. 10. Contabilidade PROF. Sérgio Adriano Curso Preparatório para Auditores Fiscais, Técnicos, Analistas e Carreiras Afins. www.cursoparaconcursos.com.br Comercial Complexa e Extensa reconheceu a depreciação mensalmente (inclusive no mês de maio). _ A Cia. Comercial Complexa e Extensa incorreu e pagou despesas administrativas de R$ 10.000,00 e despesas comerciais de R$ 5.000,00. Dessas despesas, R$ 8.000,00 eram referentes a Pessoal e Encargos; e o restante, referente a Serviços Contratados de Terceiros. Desconsidere a incidência de qualquer tributo, bem como qualquer outra variável não apresentada neste enunciado. Sabe-se que 25% do lucro do semestre foram provisionados como dividendos, mas ainda não foram pagos. 1ª Questão (Fiscal do ICMS MS): De acordo com o Ofício-Circular CVM/SNC/SEP 01/06, determine o Valor Adicionado Total a Distribuir da Cia. Comercial Complexa e Extensa, apresentado na Demonstração do Valor Adicionado, apurada em 30/06/2006. a) R$ 4.300,00 b) R$ 13.500,00 c) R$ 14.700,00 d) R$ 20.500,00 e) R$ 21.500,00 Instrução: Para responder à questão 02, considere as informações abaixo. DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO Em R$ mil Receita Operacional Bruta 2.175 (-) Devoluções (75) (-) Impostos s/Vendas (450) (=) Receita Operacional Líquida 1.650 (-) Custo de Mercadorias Vendidas (525) 10
  11. 11. Contabilidade PROF. Sérgio Adriano Curso Preparatório para Auditores Fiscais, Técnicos, Analistas e Carreiras Afins. www.cursoparaconcursos.com.br (=) Lucro Operacional Bruto 1.125 (-) Despesas Operacionais: Vendas e Administração (375) Despesas Financeiras (30) Receitas Financeiras 60 (=) Lucro Operacional Líquido 780 (+) Resultado Não-Operacional: Vendas de Imobilizado 75 (-) Custo do Imobilizado Vendido (30) (=) Lucro antes da Contribuição Social 825 (-) Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (75) (=) Lucro antes do Imposto de Renda 750 (-) Provisão para o Imposto de Renda (105) (=) Lucro depois do Imposto de Renda 645 (-) Participações nos Lucros: Debêntures (64) Empregados (56) (=) Lucro Líquido do Exercício 525 Lucro por Ação 5,25 Outras informações: 1ª)Rubricas que compuseram as Despesas Operacionais: - Encargos Sociais ........................................................................45 - Depreciação e Amortização .........................................................30 - Ordenados e Salários................................................................ 150 - Energia, Água e Comunicações ....................................................22 - Serviços de Terceiros .................................................................30 - Material de Consumo ..................................................................15 - Imposto Predial Territorial Urbano................................................23 - Propaganda e Publicidade ...........................................................60 = Total...................................................................................... 375 11
  12. 12. Contabilidade PROF. Sérgio Adriano Curso Preparatório para Auditores Fiscais, Técnicos, Analistas e Carreiras Afins. www.cursoparaconcursos.com.br 2ª) As receitas e despesas foram oriundas, respectivamente, de aplicações financeiras e de recursos tomados junto a instituições bancárias, destinados a aquisição de ativos fixos. 2ª Questão: O Valor Adicionado Líquido que deverá constar na Demonstração do Valor Adicionado será a) 1.463 b) 1.493 c) 1.522 d) 1.622 e) 2.175 3ª Questão: Determinada empresa comercial apresentou os seguintes dados referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2006: Demonstração do resultado do Valores em R$ mil exercício Receita bruta (vendas de mercadorias) 650 ICMS incidentes sobre as vendas (117) Receita líquida 533 Custo das mercadorias vendidas (*1) (280) Lucro bruto 253 Despesas operacionais (213) - despesas de vendas (*2) (90) - despesas administrativas (*3) (80) - despesas financeiras (43) Lucro operacional 40 Resultado não-operacional 10 Lucro antes de CSLL e IR 50 CSLL (4) IR (8) Lucro líquido 38 12
  13. 13. Contabilidade PROF. Sérgio Adriano Curso Preparatório para Auditores Fiscais, Técnicos, Analistas e Carreiras Afins. www.cursoparaconcursos.com.br *1- O ICMS destacado na compra de mercadorias montou a R$ 48. *2- Composição: - Provisão para devedores duvidosos – R$ 13 - Frete e propaganda – R$ 25 - Comissões de vendedores (pessoas físicas, empregados da empresa) – R$ 52 *3- Composição: - despesas de pessoal – R$ 35 - despesas com tributos – R$ 8 - despesas com depreciação – R$ 12 - despesas com infra-estrutura (energia, telefone, gás e outros) – R$ 25 Considerando apenas os dados informados, o Valor Adicionado Total a distribuir da empresa analisada, em milhares de reais, será: a) 210 b) 227 c) 247 d) 257 e) 305 13

×