Your SlideShare is downloading. ×
Classificacao dos custos
Classificacao dos custos
Classificacao dos custos
Classificacao dos custos
Classificacao dos custos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Classificacao dos custos

2,217

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,217
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
40
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. CUSTOS DIRETOS E INDIRETOS - APURAÇÃO CUSTOS DIRETOS É aquele que pode ser identificado e diretamente apropriado a cada tipo de obra a ser custeado, no momento de sua ocorrência, isto é, está ligado diretamente a cada tipo de bem ou função de custo. É aquele que pode ser atribuído (ou identificado) direto a um produto, linha de produto, centro de custo ou departamento. Não necessita de rateios para ser atribuído ao objeto custeado. Ou ainda, são aqueles diretamente incluídos no cálculo dos produtos. Exemplos de custos diretos: -Matérias-primas usados na fabricação do produto -Mão-de-obra direta -Serviços subcontratados e aplicados diretamente nos produtos ou serviços. Os custos diretos tem a propriedade de ser perfeitamente mensuráveis de maneira objetiva. Os custos são qualificados aos portadores finais (produtos), individualmente considerados. Os CUSTOS DIRETOS constituem todos aqueles elementos de custo individualizáveis com respeito ao produto ou serviço, isto é, se identificam imediatamente com a produção dos mesmos, mantendo uma correspondência proporcional. Um mero ato de medição é necessário para determinar estes custos. APROPRIAÇÃO DOS CUSTOS DIRETOS Para conhecer o consumo de materiais, basta a empresa manter um sistema de requisições, de modo a saber sempre para qual produto foi utilizado o material retirado do Almoxarifado. Para conhecer o consumo de mão-de-obra direta, é preciso, a empresa mantenha um sistema de apontamentos, por meio do qual se verifica quais os operários que trabalham em cada produto (ou serviço) no período (dia, semana, mês) e por quanto tempo (minutos, horas). Nas empresas de serviços, normalmente se faz o acompanhamento da ordem de serviço, anotando os custos alocados diretamente (mão de obra, materiais aplicados e serviços subcontratados). 1) - CUSTO FIXO: Sabidamente, não existe custo ou despesa eternamente fixos: são isso sim, fixos dentro de certos limites de oscilação da atividade a que se referem, sendo que, após tais limites, aumentam, mas não de forma exatamente proporcional, tendendo a subir em “degraus”. Assim, o custo com a supervisão de uma fábrica pode manter-se constante até que se atinja, por exemplo, 50% da sua capacidade; a partir daí, provavelmente precisará de um acréscimo (5,20 ou 80%) para conseguir desempenhar bem sua função. Alguns tipos de custos podem mesmo só se alterar se houver uma modificação na capacidade produtiva como um todo, sendo os mesmos de 0 a 100% da capacidade, mas são exceções (como a depreciação, por exemplo). Podemos começar por verificar que uma planta parada, sem atividade alguma, já é responsável pela existência de alguns tipos de custo e despesas fixos (vigia, lubrificação das máquinas, depreciação, etc...).
  • 2. Exemplos: Mão-de-obra indireta, constas do telefone da fábrica, depreciação das máquinas da produção, aluguel do prédio utilizado para produção da fábrica, etc... 2) - CUSTO VARIÁVEL: Em inúmeras empresas, os únicos custos realmente variáveis no verdadeiro sentido da palavra são as matérias-primas. Mesmo assim pode acontecer de o grau de consumo delas, em algum tipo de empresa, não ser exatamente proporcional ao grau de produção. Por exemplo, certas industrias têm perdas no processamento da matéria-prima que, quando o volume produzindo é baixo, são altas, tendendo a diminuir percentualmente quando a produção cresce. Pode a mão-de-obra direta, noutro exemplo, crescer à medida que se produz mais, mas não de forma exatamente proporcional, devido à produtividade que tenderia a aumentar até certo ponto, para depois começar a cair. Se o pessoal tem oito horas para produzir 60 unidades, quando normalmente levaria seis para tal volume, provavelmente gastará as oito horas todas trabalhando de forma um pouco mais calma (se não estiver o volume por hora condicionado por máquinas). Se o volume passar para 80 unidades, trabalharão as mesmas oito horas; se for de 90 unidades, talvez levem pouco mais de nove horas, em função do cansaço, que faz decrescer a produtividade. Exemplos: Matéria prima, mão-de-obra direta, embalagens, energia elétrica (consumida na fabricação direta do produto)etc... CUSTOS INDIRETOS Indireto é o custo que não se pode apropriar diretamente a cada tipo de bem ou função de custo no momento de sua ocorrência. Os custos indiretos são apropriados aos portadores finais mediante o emprego de critérios pré-determinados e vinculados a causas correlatas, como mão-de-obra indireta, rateada por horas/homem da mão de obra direta, gastos com energia, com base em horas/máquinas utilizadas, etc. Atribui-se parcelas de custos a cada tipo de bem ou função por meio de critérios de rateio. É um custo comum a muitos tipos diferentes de bens, sem que se possa separar a parcela referente a cada um, no momento de sua ocorrência. Ou ainda, pode ser entendido, como aquele custo que não pode ser atribuído (ou identificado) diretamente a um produto, linha de produto, centro de custo ou departamento. Necessita de taxas/critérios de rateio ou parâmetros para atribuição ao objeto custeado. São aqueles que apenas mediante aproximação podem ser atribuídos aos produtos por algum critério de rateio. Exemplos: 1. Mão-de-obra indireta: é representada pelo trabalho nos departamentos auxiliares nas indústrias ou prestadores de serviços e que não são mensuráveis em nenhum produto ou serviço executado, como a mão de obra de supervisores, controle de qualidade, etc. 2. Materiais indiretos: são materiais empregados nas atividades auxiliares de produção, ou cujo relacionamento com o produto é irrelevante. São eles: graxas e lubrificantes, lixas etc. 3. Outros custos indiretos: são os custos que dizem respeito à existência do setor fabril ou de prestação de serviços, como depreciação, seguros, manutenção de equipamentos, etc. CUSTOS SEMIVARIÁVEIS OU SEMIFIXOS : São custos que tem uma parcela variável e outra fixa; por exemplo, um vendedor que recebe um salário fixo e mais comissão sobre vendas, que é variável. Podemos citar a energia elétrica contratada por uma empresa, quando excede o valor da contratação a cobrança do excedente será variável. Podemos dizer que custos tem a parcela fixa e a parcela variável. A terceirização logística aliada a flexibilidade requerida faz com que as empresas contratantes passe a tornar variáveis os seus custos fixos.
  • 3. Quanto ao relacionamento com o processo de gestão. Quando falamos em gestão, estamos nos preocupando com o processo de tomada de decisões em logística, sejam elas de natureza estratégica, tática ou operacional, são vários os tipos de custos relevantes a gestão. TERMINOLOGIA BÁSICA DE CUSTOS GASTOS Termo genérico. Representa as transações assumidas pela entidade visando à obtenção de Bens ou Serviços. É importante não confundir gastos com desembolsos. Frequentemente ouvimos as pessoas dizerem “gastei muito dinheiro”. Na realidade, o dinheiro não é gasto, ele é desembolsado. O que é gasto, ou seja, consumido, são os bens de serviços obtidos por meio do desembolso passado, presente ou futuro. Ex.:a aquisição de uma máquina industrial é um gasto classificado como Investimento. O pagamento dos salários do escritório de vendas é um gasto classificado como despesas. DESEMBOLSOS Ocorre quando do pagamento relativo à aquisição de Bens e/ou Serviços. Ex.: Compras de matéria prima, máquinas e equipamentos, etc. PERDA Gastos anormais ou involuntários que não geram um novo bem, serviço ou receita. Geralmente ocorre de fatos não previstos. Ex.: Greve de Empregados; Desperdício de Matéria-Prima por falta de regulagem de máquinas. DESPESAS Gastos com bens e serviços com o objetivo de gerar uma receita e manutenção dos negócios da empresa. CUSTOS Gastos relativos aos bens/serviços (recursos) consumidos na produção de outros bens/serviços. Ex: Materiais, mão-de-obra e outros custos utilizados na produção de bens/serviços; Gera um ativo Ex.: Matéria-Prima (consumo) + Mão de Obra + Outros Custos = PRODUTO PRONTO
  • 4. CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Custo Direto Custo Indireto Custo de Produção Custo Primário Custo de Transformação Custo Fixo Custo variável Custo Semi-variável ou Semifixo Custo Direto: É aquele identificado ou alocado diretamente aos produtos. Matéria-Prima: é o componente principal utilizado na produção. Ex.: Madeira, aço, tecido. Mão-de-obra direta: representa o salário dos operadores das máquinas, ligado diretamente a produção. Ex.: pintor, montador. Componentes adquiridos prontos: São itens utilizados diretamente na produção de alguns bens e que não são fabricados pela empresa. Ex.: O motor usado em uma máquina de lavar, componentes usados nas montadoras de veículos. Custo Indireto Incorrido na produção, no entanto, de difícil alocação aos produtos, sendo necessário a utilização de um rateio. Ex.: Depreciação de equipamentos, Aluguel de fábrica, Manutenção Custo de Produção Identificado com o processo produtivo, sendo composto pela soma dos Custos Diretos e Indiretos (CP = CD + CI) Custo Primário É o total do consumo da Matéria-prima mais a MOD. Custo de Transformação MOD mais a soma dos CI. “São todos os custos de produção exceto Matéria-Prima e componentes adquiridos prontos”. Custo Fixo
  • 5. É aquele que não sofre alteração em relação a quantidade produzida. Ex.: A empresa paga $ 1.500,00 de Aluguel, qualquer que seja a quantidade produzida o valor do aluguel será o mesmo. Custo variável Sofre alteração em relação a quantidade produzida. Ex.: Consumo com Matéria Prima. Quanto maior a produção maior será o custo variável. Custo Semi-variável ou Semifixo É aquele que tem uma parte fixa e outra variável. Ex.: Energia Elétrica, Manutenção dos equipamentos. OUTROS CONCEITOS DE CUSTOS Custos Controláveis – Variam com o volume de esforço de um processo/atividade e devem estar relacionados a um objeto e identificado separadamente, influenciado pela decisão do gestor. Custos Não Controláveis – Não pode ser influenciado pela decisão do gestor. Custos de Oportunidade – É o custo de capital, não implica desembolso de caixa, pois tem natureza econômica. Representa quanto a empresa sacrificou em termos de remuneração por ter aplicado seus recursos em uma alternativa ao invés de outra. Custo do Ciclo de Vida – Abrange os estágios de concepção, desenvolvimento, crescimento, maturidade, saturação, declínio até ser descontinuado. Custo Kaizen – Referente a melhoria Custo de Reposição - É o custo necessário para repor o mesmo produto (Gerencial). Custos Irrecuperáveis (Sunk costs): Custos incorridos no passado e as decisões do presente não pode alterá-los. Custos Incrementais, Marginais ou diferenciais: Custos que se modificam a cada escolha na possibilidade de diversas alternativas. Custos Ocultos (Hidden Cost): Associado ao conceito de perdas, falhas e desperdícios. Custo-Padrão (Standart Cost): Orçado X Realizado. Custo-Meta (Target Cost): A Partir do preço de mercado e margem de lucro, a diferença é o Custo Meta. Custo Unitário do produto que é calculado na fase da Engenharia de Desenvolvimento.

×