“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa

  • 857 views
Uploaded on

A primeira sessão plenária do IV Encontro de Portos da CPLP, que decorreu na cidade cabo-verdiana do Mindelo, a 17 e 18 de Novembro de 2011, teve como tema “O PAPEL DOS PORTOS NO DESENVOLVIMENTO …

A primeira sessão plenária do IV Encontro de Portos da CPLP, que decorreu na cidade cabo-verdiana do Mindelo, a 17 e 18 de Novembro de 2011, teve como tema “O PAPEL DOS PORTOS NO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO DO ESPAÇO CPLP”.
Nesta sessão, o Eng. Adalmir José de Sousa, Representante dos Portos do Brasil, apresentou aos participantes a comunicação “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA”.
A ENAPOR (http://www.enapor.cv/) foi a entidade anfitriã e responsável pela organização do IV Encontro de Portos da CPLP.

Mais detalhes em http://aplop.org

Estamos no Facebook: http://www.facebook.com/aplop.press
Estamos no Twitter: http://twitter.com/aploppress
Estamos no Slideshare: http://www.slideshare.net/aplop/
Visite também www.portosdeportugal.pt
Publicamos o powerpoint de suporte à apresentação.

More in: Business
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
857
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
21
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. IV ENCONTRO PORTOS DA CPLP “ INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” Cidade do Mindelo, 17 e 18 de Novembro 2011 CABO VERDE Eng° Adalmir José de Souza
  • 2. PRINCIPAIS TERMINAIS DE CONTÊINERES MUNDIAIS RANKING PORTO 2009 Milhões de TEUs 2010 Milhões de TEUs PAÍS 1 Shanghai 25,00 29,07 CHINA 2 Cingapura 25,86 28,43 CINGAPURA 3 Hong Kong 21,04 23,70 CHINA 4 Shenzhen 18,25 22,51 CHINA 5 Busan 11,98 14,19 CORÉIA DO SUL 6 Ningbo-Zhoushan 10,50 13,14 CHINA 7 Guangzhou Harbour 11,20 12,55 CHINA 8 Qingdao 10,26 12,01 CHINA 9 Dubai 11,10 11,60 EMIRADOS ÁRABES 10 Rotterdam 9,74 11,14 HOLANDA
  • 3. Dominância dos fluxos Leste-Oeste no comércio global Source: Drewry Shipping Consultants 65% de incidência de transshipment nos 25 maiores portos concentradores
  • 4. LEGISLAÇÃO INTERNACIONAL
    • Na legislação internacional, Transporte Multimodal Internacional foi definido pela Convenção sobre Transporte Multimodal Internacional de Cargas, cujo texto foi aprovado pela UNCTAD, em Genebra, em 24.5.80, porém ainda não está em vigor, pois, para entrar em vigor, necessitaria da adesão de 30 (trinta) países e sòmente conseguiu, até agora, pouco menos de uma dezena.
  • 5. Transporte Multimodal na América Latina e Caribe
    • Como o Transporte Multimodal Internacional ainda não está em vigor, tal como está definido pela convenção da UNCTAD, na prática é adotado hoje em dia o transporte combinado, através da pragmática de acordos comerciais adotados por entidades de reconhecida idoneidade, ainda que não governamentais, como a ICC, a FIATA, BIMCO, ISO, INCOTERMS, que são vinculados a ICC, ICB, e convenções CIM, CIR e TIR.
  • 6. PORTOS DE TRANSBORDO
    • Na terminología marítima se entende normalmente por transbordo a atividade completa de descarregar as mercadorias de um navio, manipulá-las em terra e voltar a carregar em outro navio. Ocasionalmente se utiliza a expressão para descrever a transferência direta entre dois navios ou entre um navio e uma barcaça. Aquí se utiliza o primeiro sentido (e mais corrente) da expressão.
  • 7. ACORDOS INTERNACIONAIS
    • Já observamos que a criação de serviços de enlace e de portos de transbordo requerem investimentos e adaptações consideráveis e trás consigo benefícios potenciais para os países, os operadores, os portos e as companhias de navegação, ainda que possibilite riscos para umas partes e sacrificios para outras. Os acordos entre as diferentes partes podem reduzir esses riscos e sacrifícios sem afetar os seus benefícios diretos.
  • 8. TIPOS DE ACORDOS
    • 1) entre um porto e uma companhia de navegação;
    • 2) entre portos;
    • 3) entre governos.
    • O primero teria um objetivo comercial segundo o qual cada uma das partes esperaría obter benefícios graças a um acordo sobre os aspectos financeiros, o trânsito e o serviço.
    • O segundo tería como objetivo, a través da cooperação, evitar os despilfarros innecesarios y repartir os beneficios imediatos do transbordo; podería incluir a eleição de un porto de transbordo e o controle de suas operações, com participação nos compromissos financeirose os seus beneficios.
    • O terceiro proporcionaria uma base estratégica para o fomento de conexõees marítimas mais eficazes, mercê da criação de instalações de transbordo regionais e a participação na sua operação.
  • 9. ELEIÇÃO DE PORTO DE TRANSBORDO
    • Hoje em dia os grandes blocos econômicos são os representantes desses países. Asim sendo, América do Sul através do MERCOSUL e PACTO ANDINO bem como o CARICOM para os países da America Central, seriam os responsáveis pela eleição dos portos de transbordo e de enlace nos oceanos Atlântico e Pacífico do Continente.
    • Como modesta colaboração, mercê de nossa experiência de algumas décadas atuando como engenheiro portuário, professor, aluno e planejador nessa área, apresentaremos algumas sugestões na eleição de portos de transbordo e de enlace para América do Sul e América Central.
  • 10. Transporte Multimodal na América Latina e Caribe
    • Como o Transporte Multimodal Internacional ainda não está em vigor, tal como está definido pela convenção da UNCTAD, na prática é adotado hoje em dia o transporte combinado, através da pragmática de acordos comerciais adotados por entidades de reconhecida idoneidade, ainda que não governamentais, como a ICC, a FIATA, BIMCO, ISO, INCOTERMS, que são vinculados a ICC, ICB, e convenções CIM, CIR e TIR.
  • 11.     MAPA DAS AMÉRICAS (ALCA)
    • Produto Interno Bruto
    • (PIB)≥U$ 9,2 trilhões
    • - 800 milhões de habitantes
    • - 34 países
    • - Mais de 20% do comércio mundial
                
  • 12.
    • População ≥ 550 milhões de habitantes
    • Superficie terrestre – 20,628 milhões de Km 2
    • Costa maritima - 61.019 Km
    • Zona maritima econômica exclusiva – 17.372 Km 2
    • 8,4% da população mundial
    • 5,7% do transporte conteneirizado
    AMÉRICA LATINA E CARIBE
  • 13. PRINCIPAIS PARTICIPAÇÕES PRIVADAS NOS PORTOS
    • LAND LORD – O Estado permanece dono da infraestrutura e o setor privado realiza toda operação e investimentos: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, México, Panamá e Peru.
    • TOOL LORD – O Estado realiza os principais investimentos, administra as operações e o setor privado os trabalhos de estiva e afins: Guatemala, Uruguai e Venezuela.
    • SERVICE – O Estado presta os principais serviços e o setor privado tem uma pequena participação: Nicarágua e El Salvador.
    • PARTNER – O Estado admite a privatização dos serviços, desde que participe como sócio do setor privado: Cuba.
  • 14. AMÉRICA DO SUL
    • Nosso estudo considerou a relação custo-beneficio em termos de localização, infra-estruturas vias multimodais, profundidade das aguas do porto, canal de acesso, condições de abrigo etc. Decidindo-se por dois portos na parte do Oceano Atlântico que poderiam ser Itaguaí no Brasil, e Santa Marta na Colombia. Pelo lado do Oceano Pacífico poderiam ser Arica no Chile, e Guayaquil no Equador.
  • 15. TRANSBORDO PELO LADO ATLÂNTICO
    • Porto de Itaguaí.
    • Este lugar está localizado no Estado do Rio de Janeiro, na região sudeste do Brasil, e portanto sobre o Oceano Atlântico.
  • 16. Porto de Itaguaí.
  • 17.  
  • 18. Porto de Santa Marta
    • O Porto de Santa Marta localizado na baía de Santa Marta uma das mais belas, profundas e seguras da América, e se encontra em um lugar estratégico que permite relacionar-se com os mais importantes centros de distribuição e consumo do país e do Caribe.
    • Com exceção do terminal de Santa Marta, os portos colombianos apresentam restrições para receber navios tipo Panamax e Pós Panamax, cujo comprimento está entre 259 e 335 m. e possuem um calado entre 11,58 e 14,00 m.
  • 19.  
  • 20. TRANSBORDO PELO LADO PACIFICO
    • Porto de Arica
    • O porto de Arica localizado no Chile, tem una posição impar na costa do Pacifico totalmente voltado para Ásia. Ademais existem infraestruturas ferrovias internacionais que conectam Arica com Tacma (62 km de linha) e outra que conecta o porto com La Paz (430 km de linha).
    • Em termos de rodovia Arica está conectada com a Estrada Internacional Panamericana através de Tacma e outras cidades, unindo o porto com a Bolivia.
    • A infraestrutura aérea é feita pelo Aeroporto de Chacalluta a uma distância de 14 km da cidade
  • 21.  
  • 22. Porto de Guayaquil
    • Localizado no Equador esse porto também pode fazer toda a conecção com outros paises da costa do Pacífico e do interior do país.
    • Com seu eficiente, ágil e moderno serviço portuário Guayaquil está na vanguarda dos portos da costa do Pacifico sul.
    • O porto possui Área de Contêineres com guindastes autopropulsados sobre pneumáticos e sobre trilhos (porteiner y transteiner), cais de carga a granel, depósitos para o armazenamento de carga geral com toda segurança.
    • As instalações estão projetadas de acordo com a técnica moderna para realizar uma operação portuária rápida, segura e econômica .
  • 23.  
  • 24. AMÉRICA CENTRAL E CARIBE
    • Porto de Mariel
    • CUBA
    • Em termos de contribuição entendemos que o Porto de Mariel, com uma localização estratégica em Cuba, possui todas as condições de ser o porto de transbordo da América Central e Caribe, porém são necessários alguns requisitos como por exemplo:
    • Vontade política do governo perante o CARICOM,
    • Investimentos no porto,
    • Atrativos tarifários,
    • - Política de agressividade comercial em termos de “Marketing”, com a contratação de experts na área para trabalhar no país e no exterior.
  • 25.  
  • 26. LONG BEACH LONG BEACH • • NOVA YORK MARIEL •
  • 27. EUROPA
  • 28. A Autoridade Portuária de Roterdam é o gestor, operador e o agente desenvolvedor do porto e sua área industrial. A Autoridade Portuária é uma companhia pública limitada (sigla N.V. na Holanda) com dois acionistas apenas: A Municipalidade de Roterdam e o Estado Holandês. disponibiliza para arrendamentos de longo prazo de áreas portuárias destinadas à exploração de atividades empresariais, especialmente empresas de armazenagem, terminais de carga, indústrias químicas e petroquímicas, incluindo-se produção de energia. PORTO de ROTERDAM
  • 29. É um porto de águas profundas, com profundidades naturais de até 28m., e possui terminais especializados que permitem o movimento de diferentes tipos de mercadorias. Além de ser o principal porto na fachada atlântica de Portugal, devido às suas características geofísicas, é a principal porta de entrada de abastecimento energético do país, como: gás natural, carvão, petróleo e seus derivados Administração do Porto de Sines, S.A. - APS, SA, é uma sociedade anônima de capitais exclusivamente públicos. A APS tem como finalidade administrar o porto de Sines, gerindo a sua exploração econômica, conservação e desenvolvimento, estabelecendo, também, o exercício das competências e prerrogativas de autoridade portuária. PORTO de SINES
  • 30.
    • 2°) Singapore, CINGAPURA 28,43 milhões TEUs
    • 1°) Shanghai, CHINA 29,07 milhões TEUs
        • 3°) Hong Kong, CHINA 23,70 milhões TEUs
        • 4°) Shenzhen, CHINA 22,51 milhões TEUs
    ÁSIA
  • 31. Shanghai A cidade de Shanghai, cujo nome significa “Sobre o Mar”, é o portão de entrada para a grande bacia do Rio Chang (mais conhecido, fora do País, como Rio Yangtzê). Com uma população urbana e rural de 13 milhões e uma área de 6 341 km², possui o porto mais importante da China e destaca-se como o maior centro econômico e comercial do País, e uma verdadeira revolução urbanística e arquitetônica porque vem passando nos últimos anos.
  • 32. Singapore Cingapura tem uma economia altamente desenvolvida baseada no mercado, que historicamente girava em torno do entreposto comercial, em outras palavras, uma enorme economia de exportação, dependente da exportação de mercadorias para outros países. Foi avaliada como o país com o maior número de empresas de economia familiar em todo o mundo,com milhares de expatriados estrangeiros a trabalhar em empresas multinacionais. Tem um dos portos mais movimentados do mundo e é o quarto maior centro de negociação de câmbio do mundo depois de Londres, Nova York e Tóquio.
  • 33. Hong Kong É uma Região Administrativa Especial da República Popular da China e uma ex-colônia do Império Britânico até 1997. Segundo a política “ um país, dois sistemas”, possui um alto grau de autonomia em todas as áreas, exceto política externa e defesa que são de responsabilidades do governo central de Pequim. Com uma população de 7 milhões de habitantes e uma área de 1.054 Km², Hong Kong é um centro financeiiro internacional, com uma economia capitalista altamente desenvolvida, sendo uma das economias mais liberais do mundo.
  • 34. Shenzhen Era um pequeno vilarejo de pescadores, com 30 000 habitantes, até se tornar, em 1980, a primeira Zona Econômica Especial da China – nome dado a regiões com regime legal diferenciado para abertura de mercado, diversificação da produção e estímulo à exportação. Desde então, o PIB local passou de 400 milhões de dólares para 114 bilhões de dólares – um salto de 284 000%. Com 9.000.000 de habitantes é a maior renda per capita do país, e a cidade que mais cresce no mundo, de acordo com o Serviço de Comércio dos Estados Unidos.
  • 35. ÁFRICA
  • 36. ÁFRICA HUB DE TRANSHIPMENT
    • VANTAGEM
    • Número significativo de operadores globais ainda sem presença em África , na exploração de terminais, como por exemplo:
    • Evergreen, HHLA, Hangin, SSA Marine, APL, NYK Line, Hyndai, TCB, OOCL, MOL, etc.
    • DESVANTAGEM
    • Portos de transbordo já estabelecidas, particularmente Las Palmas, Tanger-Med
    • As empresa APMT, COSCO , e ICTSI já estão investindo 6,2%, 4,0% e 3,7% respectivamente , no Terminal de Tanger-Med
    • Portos com preponderância na distribuição regional para a África Ocidental, tais como Dakar e Abidjan
    • As empresas DPW e HPH já estão investindo 1,1% 0,9% respectivamente, no Terminal de Dakar
  • 37.
      • PORTO GRANDE – Ilha S. Vicente
      • PORTO DA PRAIA – Ilha de Santiago
      • PORTO DA PALMEIRA – Ilha do Sal
    Cabo Verde HUB DE TRANSHIPMENT 1- Construir Terminal de aguas profundas em Porto Grande e instalações de apoio em sua hinterland 2- Desenvolver trabalho de mercado para atrair pelo menos um grande Operador de Contêineres, como sócio no projeto
  • 38.  
  • 39.  
  • 40.  
  • 41. BRASIL: UMA DAS ECONOMIAS QUE MAIS CRESCEM EM 2010 Source: WEO/IMF Produced by: Ministry of Finance * IMF Forecasts Previsão de crescimento do PIB - países selecionados - em% do PIB China India Brazil Russia Japan Germany United States Euro Zone
  • 42. Tipo de Acondicionamento Países Contentores Sentido Carga Geral Granel Líquido Granel Sólido Ro-Ro Total Brasil – Angola East Bound West Bound 476.269 102.853 7.814 30.116 0 244 0 0 0 0 617.053 244 Brasil – Cabo Verde East Bound West Bound 14.457 13.791 0 0 0 14 0 0 0 0 28.248 14 Brasil – Guiné Bissau East Bound West Bound 20.832* 5.946* 0 0 0 0 0 0 0 0 26.778* 0* Brasil – Moçambique East Bound West Bound 20.530 101 0 0 0 1.091 0 0 0 0 20.630 1.091 Brasil – São Tomé e Príncipe East Bound West Bound 819 0 0 0 0 6 0 0 0 0 819 6 Unidade: Toneladas * Estimativa FORDESI
  • 43.  
  • 44. PORTOS DE ENLACE
    • Considera-se como portos de enlace todos os portos que se localizam na região do “hinterland” do porto de transbordo. Esses portos podem ser fluviais, lacustres e até mesmo os assim chamados de portos secos.
    • O conceito de “hinterland” nesses casos é bastante amplo pois os portos localizados em países vizinhos próximos ou não, que são servidos por linhas regulares de “feeder transport” de apoio aos portos de transbordo ou qualquer outro tipo de transporte multimodal, serão considerados na categoria enlace ou auxiliar.
  • 45.  
  • 46. Evolução e Modernização das Embarcações Portos de Transbordo
  • 47.  
  • 48. NAVIO de 18.000 TEUs ( em construção) Casco em forma de U, representa um incremento de 16% de capacidade em comparação com o casco em forma de V, de outros navios. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: Comprimento- 400 m. Largura- 59m. Calado Max.- 16m. Velocidade Max.-23 nós
  • 49. Evolução e Modernização das Embarcações Portos de Enlace
  • 50. EAV – EMBARCAÇÃO DE ALTA VELOCIDADE (feeder transport) Os navios comerciais de alta velocidade vêm operando internacionalmente de maneira satisfatória, desde o final da década de 50. Alguns exemplos conhecidos são: os monocascos, os hydrofolis e os Hovercraft. Desde os anos 60, a travessia de Dover a Calais, pelo Canal da Mancha, tem sido realizada pelo SR N4 Hovercraft, que pode levar 254 passageiros e 30 automóveis, a uma velocidade de serviço de 65 nós.
  • 51.  
  • 52. Evolução e Modernização dos Terminais de Contêineres
  • 53.  
  • 54.  
  • 55. No início do século XIX, o visionário Simón Bolivar proferiu a seguinte frase: “ É de se fazer notar que a União Européia levou realmente séculos e inúmeras guerras para encontrar-se. Porém, se eles, com diferentes idiomas, religiões e idiossincrasias conseguiram, o que nós estamos esperando, com a mesma língua, o mesmo Deus e tão- somente minúsculas diferenças, para unir-nos?.” Fonte: NEDIN / UFF COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP
  • 56. Eng. ADALMIR JOSÉ DE SOUZA Representante do Brasil / CPLP ( Portaria n° 97/2010 da SEP ) [email_address] Muito Obrigado!