Your SlideShare is downloading. ×
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral

581

Published on

A primeira sessão plenária do IV Encontro de Portos da CPLP, que decorreu na cidade cabo-verdiana do Mindelo, a 17 e 18 de Novembro de 2011, teve como tema “O PAPEL DOS PORTOS NO DESENVOLVIMENTO …

A primeira sessão plenária do IV Encontro de Portos da CPLP, que decorreu na cidade cabo-verdiana do Mindelo, a 17 e 18 de Novembro de 2011, teve como tema “O PAPEL DOS PORTOS NO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO DO ESPAÇO CPLP”.
Nesta sessão, a Eng. Natércia Cabral, Presidente do Conselho de Administração do Porto de Lisboa abordou o tema “CONTRIBUTOS PARA UMA GESTÃO INTEGRADA NOS PORTOS ”.
Publicamos o powerpoint de suporte à apresentação.

Published in: News & Politics
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
581
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
15
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ESTREITANDO RELAÇÕES COMERCIAIS E DE COOPERAÇÃO NO ESPAÇO DA LUSOFONIA O PAPEL DOS PORTOS NO DESENVOLIMENTO ECONÓMICO DO ESPAÇO CPLP “ Contributos para Gestão Integrada” (Porto de Lisboa) Natércia Magalhães Cabral IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011
  • 2. INTEGRAÇÃO Escala / Vantagens Competitivas / Lobbying IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011
    • Integração no âmbito das soluções / modelos de governação em cada porto e entre portos:
    • - Administração Portuária / Orgãos Participativos
    • - Sistemas portuários (nacionais e supra nacionais)/ Modelos Institucionais
    • Integração ao nível dos agentes económicos / Associações Setoriais / Comunidades Portuárias
    • Integração pelas associações de portos (interesse geral ) – APP e APLOP
    • Integração pela associação de portos (interesses específicos / estratégias comerciais) – Portos Portugueses de Cruzeiros
    • Integração em redes de transportes e logísticas – JUP / PCS / JUL / MIELE
    • Integração territorial: Modelos de desenvolvimento Setorial, Económico e de Ordenamento / Dimensão Social (percepção do porto)
    • Integração ambiental / SUSTENTABILIDADE
  • 3. Enquadramento Legal IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 CIMEIRAS OUTROS DISPOSITIVOS DE COOPERAÇÃO E DE REGULAÇÃO TÉCNICA E ECONÓMICA Portos Países Europa Internacional REGULAMENTOS PORTUÁRIOS LEGISLAÇÃO NACIONAL DIRETIVAS EUROPEIAS CONVENÇÕES IMO/ UN 1948/1982
  • 4. Convenção MARPOL – 1973/78 Desmantel. navios Águas de Lastro Hidrocarbonetos Anexo I Carga Anexo II Anexo III Resíduos (lixos) Anexo V Poluição atmosférica Anexo VI Águas residuais (esgotos) Anexo IV Eficiência Energética ANEXO VI (revisão) CONVENÇÃO MARPOL
  • 5. Convenção MARPOL: Anexo VI IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011
    • O Anexo VI da Convenção MARPOL tem vindo a sofrer alterações para responder às preocupações ambientais na área da qualidade do ar , integrando medidas relativas aos poluentes atmosféricos emitidos pelos navios;
    • Adoptado em 1997;
    • Entrada em vigor em 2005;
    • Revisto em 2008;
    • Iniciou nova revisão em 2009;
    • Está em revisão, em 2011 foi introduzido o capítulo 4 (Anexo VI).
  • 6. IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 Convenção MARPOL Anexo VI –2005
    • Define limites de emissão para os principais poluentes atmosféricos contidos nos gases dos navios, SOx e NOx (amostragem/análise das emissões)
    • Tratamento a jusante para limite da poluição.
    • Proíbe a emissão deliberada de substâncias que afectam a camada de ozono (ex. gás de refrigeração/freon);
    • Regula o funcionamento das incineradoras dos navios (zonas em que era proibida a sua utilização. Ex. em porto);
  • 7. Convenção MARPOL Anexo VI – revisão em 2008
    • Estabelecimento de teores máximos de enxofre nos combustíveis marítimos progressivamente menores 2010/2020;
    • Estabelecimento de valores limite de óxidos de azoto libertados pelos motores a diesel 2011/2016;
    • Criação de Áreas de Controlo de Emissão ( ECA’s ) com limites inferiores.
  • 8. IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 Convenção MARPOL Anexo VI – revisão em 2011
    • Introduz medidas obrigatórias para redução das emissões de GEE (Gases de Efeito Estufa) provenientes do tráfego marítimo e é aplicável a partir de 1 de Janeiro de 2013.
    • O novo item – Capítulo 4 – do Anexo VI regula a Eficiência Energética dos navios e introduz duas medidas obrigatórias:
    • - Índice de Design para Eficiência Energética – novos navios
    • - Plano de Gestão da Eficiência Energética – todos os navios.
  • 9. IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 Convenção MARPOL Anexo VI – revisão em 2011
  • 10. IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 Emissões gasosas dos navios
    • Poluentes emitidos
    CO 2 /GEE Ácido sulfúrico Acidificação NO x motores CO 2 – dióxido de carbono SO 2 – dióxido de enxofre PM – partículas sólidas NO x – óxidos de azoto
  • 11. IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 IMO - Abordagens para redução das emissões gasosas/Eficiência Energética Abordagem Medida Tecnológica 1. Equipamentos de controlo de emissões 2. Sistemas de propulsão mais eficientes 3. Optimização do design e hidrodinâmica do navio 4. Fontes de energia alternativas 5. Combustíveis limpos Operacional 6. Redução da velocidade 7. Selecção da rota 8. Optimização do tempo e condições de navegação 9. Redução da estadia em porto 10. Fontes de energia alternativa – Cold Ironing Económicos 11. Taxas portuárias diferenciadas 12. Subsídios 13. Outros incentivos económicos 14. Sistemas voluntários
  • 12. IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 IMO - Abordagens para redução das emissões gasosas/Eficiência Energética Abordagem Medida Tecnológica 1. Equipamentos de controlo de emissões 2. Sistemas de propulsão mais eficientes 3. Optimização do design e hidrodinâmica do navio 4. Fontes de energia alternativas 5. Combustíveis limpos Operacional 6. Redução da velocidade 7. Selecção da rota 8. Optimização do tempo e condições de navegação 9. Redução da estadia em porto 10. Fontes de energia alternativa – Cold Ironing Económicos 11. Taxas portuárias diferenciadas 12. Subsídios 13. Outros incentivos económicos 14. Sistemas voluntários
  • 13. IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 Energias alternativas
  • 14. IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 IMO - Abordagens para redução das emissões gasosas/Eficiência Energética Abordagem Medida Tecnológica 1. Equipamentos de controlo de emissões 2. Sistemas de propulsão mais eficientes 3. Optimização do design e hidrodinâmica do navio 4. Fontes de energia alternativas 5. Combustíveis limpos Operacional 6. Redução da velocidade 7. Selecção da rota 8. Optimização do tempo e condições de navegação 9. Redução da estadia em porto 10. Fontes de energia alternativa – Cold Ironing Económicos 11. Taxas portuárias diferenciadas 12. Subsídios 13. Outros incentivos económicos 14. Sistemas voluntários
  • 15. IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 Legislação Europeia: alternativas ao uso de combustível com baixo teor de S
    • Em 2010, a Comissão Europeia decidiu que o LNG pode ser um combustível alternativo e estabeleceu os procedimentos nos navios, que permitem a equiparação aos requisitos da Directiva 2005/33/CE.
    PROJETO COSTA 2011/2014 - Desenvolvido no âmbito da Rede Trans-Europeia de Transportes; OBJETIVOS: - Desenvolver condições para o uso de LNG em navios, nas áreas do Mediterrâneo, Atlântico e Mar Negro - Promover a criação de novas tecnologias e sistemas em linha com o anexo VI da Convenção MARPOL - Promover uma eficiência acrescida das Auto Estradas do Mar, baseada em Tecnologias de Comunicação e Informação
  • 16. IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 Projeto COSTA
      • - A participação portuguesa conta:
      • IPTM; portos de LISBOA, AÇORES e MADEIRA;
      • Ao IPTM cabe desenvolver um Plano Estratégico de LNG que identifique as condições da rede para distribuição e fornecimento deste combustível à navegação no horizonte de 2020 /2030 .
      • - Os portos dos Açores e Madeira posicionam-se como um ponto de abastecimento de LNG privilegiado nas rotas do Atlântico.
  • 17. IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 Projeto COSTA – Porto de Lisboa
    • Integra o conjunto de portos que irão desenvolver o projeto “piloto” aplicável aos equipamentos de movimentação de contentores, com recurso ao LNG.
    • apoia o IPTM no Plano Estratégico ;
    • participa na acção de desenvolvimento das melhores práticas com base em tecnologias e sistemas inovadores, no âmbito das Auto Estradas do Mar .
    • O porto de Lisboa :
  • 18. IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 IMO - Abordagens para redução das emissões gasosas/Eficiência Energética Abordagem Medida Tecnológica 1. Equipamentos de controlo de emissões 2. Sistemas de propulsão mais eficientes 3. Optimização do design e hidrodinâmica do navio 4. Fontes de energia alternativas 5. Combustíveis limpos Operacional 6. Redução da velocidade 7. Selecção da rota 8. Optimização do tempo e condições de navegação 9. Redução da estadia em porto 10. Fontes de energia alternativa – Cold Ironing Económicos 11. Taxas portuárias diferenciadas 12. Subsídios 13. Outros incentivos económicos 14. Sistemas voluntários
  • 19. IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 Cold Ironing (CI)
    • Consiste no fornecimento de energia eléctrica aos navios a partir de terra, substituindo o uso dos motores auxiliares a diesel;
    • Países com portos onde o sistema está implementado: Noruega, Suécia, Holanda, EUA, Japão.
    Infra-estruturas terrestres Navio
  • 20. Cold Ironing: + e -
    • Redução das emissões gasosas em porto;
    • Eliminação do ruído e vibrações;
    • Melhoria das condições de trabalho;
    COV’s Compostos Orgânicos Voláteis
    • Não há redução das emissões em viagem;
    • Só possível se os navios tiverem sistemas de recepção;
    • Equipamentos com custo elevado.
    % de redu ç ão de emissões Medida NO x SO 2 PM COV ’ s CI comparado com combust í vel com teor de enxofre igual a 2,7% - 97 -96 -96 -94 CI comparado com combust í vel com teor de enxofre inferior a 0,1% -97 0 -89 -94
  • 21. IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 IMO - Abordagens para redução das emissões gasosas/Eficiência Energética Abordagem Medida Tecnológica 1. Equipamentos de controlo de emissões 2. Sistemas de propulsão mais eficientes 3. Optimização do design e hidrodinâmica do navio 4. Fontes de energia alternativas 5. Combustíveis limpos Operacional 6. Redução da velocidade 7. Selecção da rota 8. Optimização do tempo e condições de navegação 9. Redução da estadia em porto 10. Fontes de energia alternativa – Cold Ironing Económicos 11. Taxas portuárias diferenciadas 12. Subsídios 13. Outros incentivos económicos 14. Sistemas voluntários
  • 22. IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 Taxas portuárias diferenciadas
    • Porto de Hamburgo :
    • A Autoridade Portuária introduziu uma componente climática no cálculo das taxas de porto, através do índice Environmental Ship Index (ESI), reduzindo as taxas aos navios com menores emissões gasosas.
    • Promove a adopção voluntária de comportamentos ambientais conscientes por parte dos utilizadores do porto.
  • 23.  
  • 24. IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 Iniciativas específicas: MPE MPE “ Meeting Point Environment” OBJETIVOS - Reforçar o perfil ambiental do porto ao longo da cadeia logística; - Criar uma imagem positiva da Comunidade Portuária no que se refere ao compromisso Ambiental. MEMBROS Comunidade Portuária Outros parceiros na cadeia logística
  • 25. IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 CNSS “ Clean North Sea Shipping” OBJETIVOS Redução da emissão de gases pelos navios na Região do mar do Norte MEMBROS Países 6 Parceiros 18 Portos, Carregadores, Companhias de navegação, Individualidades Iniciativas específicas: CNSS
  • 26. IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 WPCI “ World Ports Climate Initiative” PROJETOS
    • Cálculo da Pegada de Carbono
    • Abast. de energia a partir de terra (Cold Ironing)
    • “ Environmental Ship Index” (ESI)
    • Transporte Intermodal
    MEMBROS Europa 25 Ásia 13 Norte América 6 África 6 Oceânia 3 Iniciativas específicas: WPCI OBJETIVOS
    • Levar as comunidades marítimo/portuárias a agir
    • Desenvolver estudos para a redução dos GEE
    • Criar uma plataforma de troca de informação
    • sobre os efeitos das alterações climáticas.
  • 27. Dakar Abidjan Cotonou Lagos Autoridade Portos TRANSNET Autoridade Portos do KENYIA IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 Iniciativas específicas: WPCI
  • 28. IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 Desafios de Cooperação Instrumentos económicos de incentivo ao navio ISO 14001 e Green Award Tarifário de resíduos: Serviço mínimo Projetos Piloto Cooperação com terminais concessionados Parcerias para avaliação do desempenho energético do terminal e aplicação de medidas de melhoria. Boas práticas ambientais Navios/terminais
  • 29. IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 Boas práticas ambientais: navios Emissões gasosas Resíduos sólidos Hidrocarbonetos Águas residuais e de lastro
  • 30. IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 Energias renováveis
  • 31. OBRIGADA www.portodelisboa.pt IV Encontro de Portos da CPLP – Cidade do Mindelo, 17 de Novembro de 2011 LEIXÕES LISBOA LISBOA
  • 32.  

×