0
TEORIA DA ATIVIDADE (ta)<br />TA se estrutura na teoria Sociocultural  de Vygotsky, que tenta explicar o desenvolvimento d...
Segundo Vygotsky, o indivíduo se relaciona com os objetos através de um contexto com a mediação de artefatos, ferramentas ...
Engeström (1999) inclui na representação o resultado esperado da atividade.<br />Meios mediacionais (ferramentas)<br />Suj...
Segundo Leffa (2009, p.39), “for the individual to interact with the community, he or she has to do something (action), th...
2. GERAÇÃO - Leontiev<br />Instrumentos Mediadores<br />Sujeito(s)<br />Objeto/Motivo -> resultado(s)<br />Regras<br />Div...
Segundo Leffa (2005)<br />A capacidade do sujeito em ligar conscientemente um aspecto com outro é uma das preocupações bás...
Segundo Leffa (2009, p.48)<br />For the community to subsist, a set of rules must be created, dividing responsibilities be...
3. GERAÇÃO - Engeström<br />Segundo Daniels (2003, p.118), a terceira geração, por sua vez, é caracteriza pelo foco no est...
Tomaremos como modelo os exemplos apresentados por Carelli, 2003 e Russell, 2002)<br />Sistema de atividade 1:<br />Ensina...
Cinco Princípios da Teoria da Atividade<br />Três níveis da estrutura hierárquica da atividade proposta por Leontiev (1978...
São orientadas por condições de realização. São comportamentos rotineiros automatizados<br />OPERAÇÃO – nível inferior<br ...
Toda atividade é orientada a objetos. O objeto incorpora o motivo da atividade.<br />2. Orientação a objetos<br />Object c...
Toda atividade é mediada por artefatos, sejam eles materiais e ou imaginários (símbolos, signos, procedimentos, normas, fe...
A Teoria da Atividade requer que a atividade seja analisada dentro do contexto de desenvolvimento.<br />5. Desenvolvimento...
Conforme proposto por Engestrom (1999, 2001) e discutido por Motta (2004), Tavares (2004) e Daniels (2001/2003), há cinco ...
4. Contradições como fontes de mudança e desenvolvimento.<br />As contradições são tensões estruturais historicamente cumu...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Teoria da atividade_Ana Lucia Segadas

1,094

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,094
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
35
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Teoria da atividade_Ana Lucia Segadas"

  1. 1. TEORIA DA ATIVIDADE (ta)<br />TA se estrutura na teoria Sociocultural de Vygotsky, que tenta explicar o desenvolvimento do indivíduo a partir do seu relacionamento social. Com os estudos sobre consciênca, nas décadas de 20 e 30 surge o termo TEORIA DA ATIVIDADE.<br />Para a TA consciência é social<br />Engeström (1987, 1997, 1999, 2011)<br />identificou três gerações na evolução da TA.<br />
  2. 2. Segundo Vygotsky, o indivíduo se relaciona com os objetos através de um contexto com a mediação de artefatos, ferramentas ou signos culturais. (Fialho, 2005, p.29)<br />GERAÇÃO - Vygotsky<br />Artefato Mediador<br />Sujeito<br />Objeto<br />
  3. 3. Engeström (1999) inclui na representação o resultado esperado da atividade.<br />Meios mediacionais (ferramentas)<br />Sujeito<br />Objeto/Motivo -> resultado (s) <br />A motivação do sujeito está na transformação do objeto em um resultado com a ajuda de diversas ferramentas (Russell, 2002).<br />
  4. 4. Segundo Leffa (2009, p.39), “for the individual to interact with the community, he or she has to do something (action), through some of mediation (tool).<br />Barab (2004, p.201) revela…<br />“Throughout history, humans have constructed and transformed tools that influence their transformation and likewise tools embedded in social interactions have triggered (provocado) human development. In essence, humans and their environment mutually transform each other in a dialectical relationship. Culturally, these tools and the knowledge pertinent to their continued use are passed from generation to generation.<br />The only place where changes are possible is in the artifacts we use: books, learning activities, computer software. If we want to change the way students learn, we have to change the artifacts they use. (LEFFA, p.44)<br />
  5. 5. 2. GERAÇÃO - Leontiev<br />Instrumentos Mediadores<br />Sujeito(s)<br />Objeto/Motivo -> resultado(s)<br />Regras<br />Divisão de trabalho<br />Comunidade<br />(modelo da segunda geração da TA, reformulado por Engeström (1987, p.78)<br />“…behind the object here always stands a need or a desire, to which [the activity] always answers (LEONTIEV,1974).”<br />“Activity Theory is not merely doing something, it is doing something that is motivated either by a biological need, such as hunger, or a culturally constructed need, such as the need to be literate in certain cultures”.<br />Assim, fome não é um motive até as pessoas decidirem buscar comida; similarmente, alfabetização (aprender ler e escrever) não torna um motivo até pessoas decidirem aprender ler e escrever.<br />
  6. 6. Segundo Leffa (2005)<br />A capacidade do sujeito em ligar conscientemente um aspecto com outro é uma das preocupações básicas da TA, incluindo, por exemplo, a relação entre uma determinada ação que o sujeito estiver realizando num determinado momento e a consciência do resultado final para o qual a ação deverá contribuir.<br />O aluno da mesma maneira que o operário numa grande linha de montagem, corre o risco de alienar-se da atividade na qual está envolvido quando não consegue estabelecer a relação entre o que faz num determinado momento e o resultado final a que pretende chegar.<br />a Leontiev (1978) estabeleceu a distinção entre atividade, ação e operação, que se tornou a base do modelo para a teoria da atividade. (Estrutura Hierárquica da Atividade)<br />
  7. 7. Segundo Leffa (2009, p.48)<br />For the community to subsist, a set of rules must be created, dividing responsibilities between its members. When a new tool is introduces it must be mastered by all members in the community, according to the role played by each member (teacher's knowledge of an authoring system, for example, may need to be different from the student's). Any action, any task in the community only makes sense if viewed from a holistic perspective and cannot be separated from its final objective (shared by everybody in the community). <br />
  8. 8. 3. GERAÇÃO - Engeström<br />Segundo Daniels (2003, p.118), a terceira geração, por sua vez, é caracteriza pelo foco no estabelecimento de redes de sistemas de atividade. Ao tentar delimitar um sistema de atividade, percebe-se que os diferentes elementos intercedem com um ou vários outros sistemas de atividades, formando uma rede de sistemas. (Tavares, 2004)<br />Estabelecimento de redes de sistemas de atividade<br />Foco da Teoria da Atividade <br />Dois sistemas de atividades podem compartilhar o objeto, que poderia não ser exatamente o mesmo objeto na perspectiva dos sujeitos de cada sistema. <br />
  9. 9. Tomaremos como modelo os exemplos apresentados por Carelli, 2003 e Russell, 2002)<br />Sistema de atividade 1:<br />Ensinar e aprender online<br />Sistema de atividade 2:<br />Fazer design de curso no online<br />Objeto: Curso online<br />Professor/alunos<br />designers<br />Rede de sistemas de atividade compartilhando o mesmo objeto<br />Conforme mostra Tavares (2004), um “curso on-line” pode ser o objeto de dois sistemas de atividades interdependentes – um que teria como sujeitos os alunos e professores e outro cujos sujeitos seriam os designers do curso on-line. Em outras palavras, dois sistemas de atividade diferentes compartilham o mesmo objeto, mas que, na verdade, não seria exatamente o mesmo, na ótica dos sujeitos de cada sistema.<br />
  10. 10. Cinco Princípios da Teoria da Atividade<br />Três níveis da estrutura hierárquica da atividade proposta por Leontiev (1978), que embasa a TA.<br />1. Estrutura Hierárquica da Atividade<br />Atividade<br />Ação<br />Operação<br />Refere-se às necessidades humanas e é orientada para o objeto<br />ATIVIDADE – 1º nível hierárquico<br />O que distingue uma atividade de outra é seu OBJETO<br />É orientada para as metas a serem alcançadas. São rotinas habituais<br />AÇÃO – nível intermediário<br />Para Leontiev (1978), a atividade humana não existe exceto na forma de ação ou sequência de ações. <br />Actions are goal-directed processes that must be undertaken to fulfill the object. They are conscious (because one holds a goal in mind), and different actions may be undertaken to meet the same goal… (NARDI, 1998, p.34)<br />
  11. 11. São orientadas por condições de realização. São comportamentos rotineiros automatizados<br />OPERAÇÃO – nível inferior<br />Operations are habitual routines associated with an action and, moreover, are influenced by current conditions of the overall activity. (BARAB, 2004, p.202)<br />Inicialmente as operações são ações porque exigem esforço consciente para sua realização; é com a prática e a internalização que elas se tornam mais automáticas[...] São ações automatizadas por humanos ou por máquinas. (TAVARES, 2004)<br />
  12. 12. Toda atividade é orientada a objetos. O objeto incorpora o motivo da atividade.<br />2. Orientação a objetos<br />Object can be physical things (such as the bull’s eye) or ideal objects (I want to be a brain surgeon). (NARDI, 1998)<br />Internalization is the transformation of external activities into internal ones. Externalization transforms internal activities into external ones.<br />3. Internalização/Externalização<br />Activity theory emphasizes that internal activities cannot be understood if they are analyzed separately, isolation from external activities, because there are mutual transformations between these two kinds of activities. (NARDI, p.35)<br />For example, learning to calculate may involve counting on the fingers, in the early stages of learning simple arithmetic. Once the arithmetic is internalized, the calculations can be performed in the head without external aids.<br />Externalization is often necessary when an internalized action needs to be “repaired”, or scaled, e.g., when a calculation is not coming out right when done mentally, or is too large to perform without pencil and paper or calculator.<br />
  13. 13. Toda atividade é mediada por artefatos, sejam eles materiais e ou imaginários (símbolos, signos, procedimentos, normas, ferramentas etc)<br />4. Mediação<br />First of all, tools shape the way human beings interact with reality. And according to principle of internalization/externalization, shaping external activities results in shaping internal ones.<br /> <br />Second, tools reflect the experience of other people who encountered and solved similar problems and invented or modified a tool to make it effective and efficient. <br />This experience is accumulated in the structural properties of tools (their shape, size, material, and so forth) as well as in the knowledge of how the tool should be used. The use of tools constitutes an accumulation and transmission of social knowledge. Tools influence the nature not only external behavior but also internal mental functioning. NARDI, op.cit, p.36<br />
  14. 14. A Teoria da Atividade requer que a atividade seja analisada dentro do contexto de desenvolvimento.<br />5. Desenvolvimento<br />Os elementos de uma atividade se transformam ao longo de seu desenvolvimento, pois uma atividade é um fenômeno dinâmico construído historicamente.<br />These basic principles of activity theory should be considered an integrated system. A systematic application of any the principles makes it eventually necessary to engage all the other ones, just as we show that mediation calls upon internalization/externalization. (NARDI, 1998)<br />... Activity theory declares that consciousness depends directly and profoundly on the mediation provided by human activity…<br />
  15. 15. Conforme proposto por Engestrom (1999, 2001) e discutido por Motta (2004), Tavares (2004) e Daniels (2001/2003), há cinco princípios básicos para ajudar a resumir o atual estado da teoria da atividade.<br />1. Sistema de atividade coletivo como unidade primária de análise.<br />2. Multivocalidade dos sistemas de atividade.<br />Um sistema de atividade apresenta uma multiplicidade de perspectivas, tradições e interesses da comunidade do sistema. Pela divisão de trabalho, posições e pontos de vista diferentes são atribuídos aos diferentes participantes que, por sua vez, já carregam suas próprias histórias. A multivocalidade se multiplica quando se consideram redes de sistemas de atividade que interagem entre si.<br />3. Historicidade.<br />Os sistemas de atividade assumem forma e são transformados em longos períodos de tempo. Seus problemas e potenciais só podem ser compreendidos com base em sua própria história.<br />
  16. 16. 4. Contradições como fontes de mudança e desenvolvimento.<br />As contradições são tensões estruturais historicamente cumulativas nos sistemas de atividades e entre eles, que geram perturbações e conflitos, mas também renovam tentativas de mudar a atividade.<br />5. Possibilidade de transformações expansivas em sistemas de atividades.<br />Uma transformação expansiva ocorre quando, em decorrência de contradições, o objeto e o motivo da atividade são reconceituados para abraçar um horizonte de possibilidades radicalmente mais amplo do que no modo anterior da atividade.<br />…activity theory says that consciousness is the result of development. What you spend your time doing is what shapes your consciousness… if you design mediating tools for others (such as computer hardware or software), you are also responsible, in part, for the consciousness of others. Our tools make us who we are, says activity theory. (NARDI, p.37)<br />
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×