Aprendizagem e comunidades de prática_Silva2008

523 views

Published on

Resumo do texto de Adelina SIva sobre Comunidades de Prática e Educação, 2008

Published in: Education
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
523
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aprendizagem e comunidades de prática_Silva2008

  1. 1. Aprendizagem e Comunidades de Prática Adelina Silva Universidade Aberta de Portugal 2008
  2. 2. - favorecer a aprendizagem colaborativa em rede - criar inteligência coletiva (comunidades de prática) IDEAL MOBILIZADOR DA TECNOLOGIA
  3. 3. ESCOLA, COMUNIDADE E TECNOLOGIA <ul><li>As mudanças que as TIC produzem nas </li></ul><ul><li>formas de distribuição do conhecimento parecem não ter tido grande impacto nas formas de organização pedagógica da instituição escolar. </li></ul>
  4. 4. FUNDAMENTOS DOS NOVOS PROCESSOS DE APRENDIZAGEM: <ul><li>criatividade </li></ul><ul><li>desenvolvimento de conhecimento e competências </li></ul><ul><li>incorporação de novas habilidades e destrezas dos indivíduos </li></ul>
  5. 5. CONHECIMENTO O conhecimento é uma mistura de experiências, valores, informação contextualizada e percepções de um indivíduo que fornecem um enquadramento de avaliação e permitem a incorporação de novas experiências e informação.
  6. 6. IMPORTÂNCIA DO CAPITAL HUMANO <ul><li>É a base das atividades que geram inovação </li></ul><ul><li>Está ligado ao capital social </li></ul>conjunto de redes e capacidade de relacionamento que facilitam a cooperação entre grupos baseada na confiança e na participação
  7. 7. MEDIDA PRIORITÁRIA PARA INCREMENTAR A PRODUTIVIDADE EM PORTUGAL: Por quê? Melhora a qualidade no trabalho Facilita a adoção de novas tecnologias <ul><li>reforço na escolarização do ensino secundário </li></ul><ul><li>qualificação dos trabalhadores </li></ul>
  8. 8. Como? <ul><li>Dedicando especial atenção ao componente técnico e tecnológico da escolaridade </li></ul><ul><li>Introduzindo as TICs no ensino obrigatório </li></ul><ul><li>preparando os cidadãos para a aprendizagem a distância </li></ul>
  9. 9. Situação do e-learning em Portugal <ul><li>Ofertas formativas insuficientes </li></ul><ul><li>Resistência por parte de alguns profissionais em adotá-lo </li></ul>
  10. 10. Curso de jovens adultos em Portugal na modalidade online: problemas <ul><li>Ausência de pessoal qualificado </li></ul><ul><li>Alto investimento financeiro </li></ul><ul><li>Dificuldade para adaptar cursos presenciais à modalidade online </li></ul>
  11. 11. EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: VANTAGENS <ul><li>1. redução de barreiras tempo, espaço, idade </li></ul><ul><li>2. respeito pelo ritmo de aprendizagem do aluno </li></ul><ul><li>3. flexibilidade e individualização do </li></ul><ul><li>processo de ensino-aprendizagem </li></ul><ul><li>4. acesso a uma grande variedade de cursos </li></ul><ul><li>5. alternativa rápida para a atualização </li></ul><ul><li>de conhecimentos </li></ul>
  12. 12. EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: DIFICULDADES NA IMPLEMENTAÇÃO <ul><li>a dificuldade dos educadores em aceitarem a autonomia do aluno </li></ul><ul><li>a descrença na eficácia dos métodos de educação à distância </li></ul><ul><li>a crença no ensino por transmissão </li></ul>
  13. 13. COMUNIDADES DE PRÁTICA <ul><li>Conjunto de pessoas que aprendem, constroem e fazem a gestão do conhecimento </li></ul>
  14. 14. COMPONENTES NECESSÁRIOS PARA CARACTERIZAR A PARTICIPAÇÃO SOCIAL COMO PROCESSO DA APRENDIZAGEM:
  15. 15. Significado : a capacidade para experimentar a vida e o mundo com significado Prática : recursos históricos e sociais compartilhados Comunidade : a participação é reconhecida como competência e as organizações são definidas pelo mérito Identidade : a aprendizagem modifica quem somos e contribui para a formação da identidade da comunidade
  16. 16. 3 dimensões da comunidade de prática: Compromisso múto Empreendimento conjunto Repertório compartilhado
  17. 17. <ul><li>Identidade própria, podendo desenvolver uma linguagem própria que facilita a comunicação e afirmação na identificação </li></ul><ul><li>Colaboração e integração voluntárias </li></ul><ul><li>Necessidade autêntica de aprender através da troca de informações </li></ul><ul><li>Encontros: regulares ou não, presenciais ou virtuais </li></ul>CARACTERÍSTICAS DA CdP:
  18. 18. O CONHECIMENTO COMO ESTRATÉGIA AÇÃO (construção e gestão do conhecimento) PRÁTICA (conhecimento explícito Interiorizado) REFLEXÃO (gestão do conhecimento construído) Essa dinâmica cresce na interação do conhecimento entre os indivíduos
  19. 19. ‘ Conexões significativas podem conduzir os indivíduos a estágios de criatividade muito maior que poderiam alcançar sozinhos.’ (Terra, 2003)
  20. 20. <ul><li>O apoio pedagógico on-line deve estar bem estruturado, enfocando: </li></ul><ul><li>o público a que se destina </li></ul><ul><li>os objetivos que se pretende alcançar e suas estratégias </li></ul><ul><li>os conteúdos a abordar </li></ul>
  21. 21. <ul><li>A aprendizagem como experiência através dos processos de negociação e re-negociação e de significação e re-significação </li></ul><ul><li>as modificações das competências, habilidades / aptidões e saberes individuais que podem interferir no papel do indivíduo na comunidade </li></ul>O que é importante em uma CdP?
  22. 22. CONCLUSÃO <ul><li>Características fundamentais dos novos ambientes de aprendizagem: </li></ul><ul><li>criatividade </li></ul><ul><li>autonomia </li></ul><ul><li>espírito crítico </li></ul><ul><li>cooperação </li></ul><ul><li>colaboração </li></ul>É necessário o estudo de teorias pedagógicas que se enquadrem neste novo paradigma da educação a distância.
  23. 23. CONCLUSÃO Com a emergência das CdP para a educação, o professor deixa de ser a única fonte de informação/conhecimento e passa a criar oportunidades para que o aluno participe de forma mais ativa no seu processo de aprendizagem, sabendo como encontrar e selecionar informação, bem como construir o seu próprio conhecimento.
  24. 24. CONCLUSÃO A educação é insubstituível para constituir sujeitos, mas a escola não o é.
  25. 25. Maria Aparecida Moreira UFF 2011.2

×