Your SlideShare is downloading. ×
Romantismo  -slides (2)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Romantismo -slides (2)

421
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
421
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. O Romantismo Momento idealista
  • 2. Romantismo   Movimento artístico, político e filosófico surgido nas últimas décadas do século XVIII na Europa que perdurou por grande parte do século XIX. Caracterizou-se como uma visão de mundo contrária ao racionalismo e ao iluminismo e buscou um nacionalismo que viria a consolidar os estados nacionais na Europa.
  • 3. Marcos    Publicação da obra de Goethe em 1774,Werther, na Alemanha. Bases definitivas do sentimentalismo romântico e do escapismo pelo suicídio. Schiller publica Os salteadores: passado histórico e o drama de Guilherme Tell, herói nacional na luta pela independência da Suíça.
  • 4. Goethe (1749-1832)    Johann Wolfgang Goethe foi um dos mais importantes autores do Romantismo alemão. Seu romance Werther foi um verdadeiro marco no novo movimento literário: romance passional, violentamente romântico; escrito aos 24 anos, em parte autobiográfico. Repercussão em toda Europa; provocador de uma onda de suicídios
  • 5.  "Que a vida do ser humano não passe de um sonho, eis uma impressão que muitas pessoas já tiveram, e eu também vivo permanentemente com essa sensação. Quando observo as limitações que cerceiam as forças ativas e criadoras do homem, quando vejo como toda a atividade se resume em satisfazer as nossas necessidades, que, por sua vez, não visam outra coisa senão prolongar nossa pobre existência; quando percebo que todo apaziguamento em relação a determinados pontos de nossas buscas constitui apenas uma resignação ilusória, uma vez que adornamos com figuras coloridas e esperanças luminosas as paredes que nos aprisionam -- tudo isso, Wilhelm, me faz emudecer. Volto-me para mim mesmo, e encontro todo um mundo dentro de mim!
  • 6.  Novamente, vejo-o mais a partir de pressentimentos e de vagos desejos, muito mais do que nitidamente contornado e povoado de forças vivas. Tudo então passa a flutuar diante dos meus sentidos, e prossigo sorrindo e sonhando na minha jornada pelo mundo. Todos os pedagogos eruditos são unânimes em afirmar que as crianças não sabem por que desejam determinada coisa; mas também os adultos, como as crianças, andam ao acaso pela terra, e, tanto quanto elas, ignoram de onde vêm ou para onde vão; como elas, agem sem propósito determinado e, igualmente, são governados por biscoitos, bolos e varas de marmelo: eis uma verdade em que ninguém quer acreditar, embora ela seja óbvia, no meu entender.
  • 7. Os Sofrimentos do Jovem Werther(1774)      Romance autobiográfico: Goethe troca nomes e lugares Acrescenta algumas partes fictícias, inclusive o final Enredo: O suposto jovem Werther envia por um longo período cartas ao narrador que, no próprio livro, por meio de notas de rodapé, afirma que nomes e lugares foram trocados. O romance é escrito em primeira pessoa e com poucas personagens. Na época ocorreu, na Europa, uma onda de suicídios, de tão profundo que Goethe fora em suas palavras.
  • 8. “Divino guerreiro”   Werther é marcado por uma paixão profunda, tempestuosa e desditosa, ou seja, marcada pelo fim trágico. Com o suicídio do protagonista, devido ao amor aparentemente não correspondido, J. W. Goethe põe um pouco de sua vida na obra, pois ele também vivera um amor não correspondido, apesar de, evidentemente, não ter cometido o ato de se matar. Para o herói, a vida só tem um sentido: Charlotte. E ela o leva à morte, como já dito. Para Goethe, outra Charlotte, dessa vez real, o faria padecer sobre uma das muitas paixões que arrecadou durante sua vida.
  • 9. Inglaterra e França    Início do século XIX: Lord Byron Walter Scott: Ivanhoé – romance histórico França: principal divulgadora do Romantismo
  • 10. Goethe Lord Byron
  • 11. Shchiller Walter Scott
  • 12. Caspar David Friedrich
  • 13. Francisco de Goya Saturno devorando seus filhos – Os duendes
  • 14. Contexto Histórico Segunda metade do século XVIII        O processo de industrialização rompe com as antigas relações econômicas Nova organização política e social Revolução Francesa Culto à liberdade, Igualdade e Fraternidade Valorização do indivíduo Valorização dos direitos naturais
  • 15. Dominantes X Dominados    Ascensão da burguesia ao poder político Duas classes distintas e antagônicas: Dominantes: burguesia capitalista industrial Dominados: proletariado
  • 16. Nelson Werneck Sodré    Romantismo: escola da burguesia, pela burguesia e para a burguesia Seu caráter profundamente ideológico em favor da classe dominante O nacionalismo, o sentimentalismo, o subjetivismo e o irracionalismo não podem ser analisados isoladamente sem se mencionar sua carga ideológica.
  • 17.    Inicialmente apenas uma atitude, um estado de espírito, o Romantismo toma mais tarde a forma de um movimento e o espírito romântico passa a designar toda uma visão de mundo centrada no indivíduo. Os autores românticos voltaram-se cada vez mais para si mesmos, retratando o drama humano, amores trágicos, ideais utópicos e desejos de escapismo. Se o século XVIII foi marcado pela objetividade, pelo Iluminismo e pela razão, o início do século XIX seria marcado pelo lirismo, pela subjetividade, pela emoção e pelo eu. O termo romântico refere-se ao movimento estético ou, em um sentido mais lato, à tendência idealista ou poética de alguém que carece de sentido objetivo.
  • 18. Características     Individualismo Os românticos libertam-se da necessidade de seguir formas reais de intuito humano, abrindo espaço para a manifestação da individualidade, muitas vezes definida por emoções e sentimentos. “ Este inferno de amar – como eu amo! Quem mo pôs aqui n´alma---quem foi?”
  • 19. Subjetivismo      O romancista trata dos assuntos de forma pessoal, de acordo com sua opinião sobre o mundo. O subjetivismo pode ser notado através do uso de verbos na primeira pessoa. Trata-se sempre de uma opinião parcelada, dada por um individuo que baseia sua perspectiva naquilo que as suas sensações captam. Com plena liberdade de criar, o artista romântico não se acanha em expor suas emoções pessoais, em fazer delas a temática sempre retomada em sua obra. O eu é o foco principal do subjetivismo, o eu é egoísta, forma de expressar suas razões. “ Oh! Que doce era aquele sonhar... “ Quem me veio, ai de mim, despertar?” Almeida Garret – Este inferno de amar
  • 20. Idealização     Empolgado pela imaginação, o autor idealiza temas, exagerando em algumas de suas características. Dessa forma, a mulher é uma virgem frágil, o índio é um herói nacional, e a pátria sempre perfeita. Essa característica é marcada por descrições minuciosas e muitos adjetivos. “ Mulher formosa, que adorei na vida” Cobrem-lhe as formas divinais, airosas” “Singela coroa de virgíneas rosas” (Soares de passos- O noivado do sepulcro)
  • 21. Sentimentalismo Exacerbado       Praticamente todos os poemas românticos apresentam sentimentalismo já que essa escola literária é movida através da emoção, sendo as mais comuns a saudade, a tristeza e a desilusão. Os poemas expressam o sentimento do poeta, suas emoções e são como o relato sobre uma vida. O romântico analisa e expressa a realidade por meio dos sentimentos. Acredita que só sentimentalmente se consegue traduzir aquilo que ocorre no interior do indivíduo relatado. Emoção acima de tudo. “ Esta chama que alenta e consome Que é a vida – e que a vida destrói” Almeida Garret – Este inferno de amar
  • 22. Egocentrismo  Como o nome já diz, é a colocação do ego no centro de tudo. Vários artistas românticos colocam, em seus poemas e textos, os seus sentimentos acima de tudo, destacando-os na obra. Pode-se dizer, talvez, que o egocentrismo é um subjetivismo exagerado.
  • 23. Natureza interagindo com o eu lírico    A natureza, no Romantismo, expressa aquilo que o eu-lírico está sentindo no momento narrado. A natureza pode estar presente desde as estações do ano, como formas de passagens, as tempestades, ou dias de muito sol. Diferentemente do Arcadismo, por exemplo, que a natureza é mera paisagem. No Romantismo, a natureza interage com o eulírico.A natureza funciona quase como a expressão mais pura do estado de espírito do poeta.
  • 24. Grotesco e sublime   Há a fusão do belo e do feio, diferentemente do arcadismo que visa a idealização do personagem principal, tornando-o a imagem da perfeição. Como exemplo, temos o conto de A bela e a fera, no qual uma jovem idealizada, se apaixona por uma criatura horrenda.
  • 25. Medievalismo   Alguns românticos se interessavam pela origem de seu povo, de sua língua e de seu próprio país. Na Europa, eles acharam no cavaleiro fiel à pátria um ótimo modo de retratar as culturas de seu país. Esses poemas se passam em eras medievais e retratavam grandes guerras e batalhas.
  • 26. Indianismo   É o medievalismo "adaptado" ao Brasil. Como os brasileiros não tinham um cavaleiro para idealizar, os escritores adotaram o índio como o ícone para a origem nacional e o colocam como um herói. O indianismo resgatava o ideal do "bom selvagem" (Jean-Jacques Rousseau), segundo o qual a sociedade corrompe o homem e o homem perfeito seria o índio, que não tinha nenhum contato com a sociedade europeia.
  • 27. Byronismo   Inspirado na vida e na obra de Lord Byron, poeta inglês. Estilo de vida boêmio, voltado para vícios, bebida, fumo e sexo, podendo estar representado no personagem ou na própria vida do autor romântico. O byronismo é caracterizado pelo narcisismo, pelo egocentrismo, pelo pessimismo, pela angústia.
  • 28. Eugène Delacroix - La liberté guidant le peuple
  • 29. Comparação entre o Classicismo e o Romantismo              Classicismo Modelo clássico Geral, universal Impessoal, objetivo Antiguidade Clássica Paganismo Apelo à inteligência Razão Erudição Elitização Disciplina Amor e a mulher idealizados racionalmente Formas fixas              Romantismo Não há modelos Particular, individual Pessoal, subjetivo Idade Média Cristianismo Apelo à imaginação Sensibilidade Folclore Motivos populares Libertação O amor e a mulher idealizados sentimental e subjetivamente Versificação livre
  • 30. Meu bem-querer        Meu bem-querer É segredo, é sagrado Está sacramentado Em meu coração Meu bem-querer Tem um quê de pecado Acariciado pela emoção        Meu bem-querer, meu encanto Tô sofrendo tanto Amor E o que é o sofrer Para mim que estou Jurado pra morrer de amor (Djavan)