• Like
Projeto Redes do Meu Bairro
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

Projeto Redes do Meu Bairro

  • 1,947 views
Published

Projeto apresentado como requisito para conclusão da dsciplina Didática; Faculdade de Educação da Uerj. 2011-1.

Projeto apresentado como requisito para conclusão da dsciplina Didática; Faculdade de Educação da Uerj. 2011-1.

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
1,947
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
19
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Projeto Redes do meu Bairro FACULDADE DE EDUCAÇÃO
  • 2. Integrantes: Antonio Marcos Pozes de Lima Camila Telles França Patricia dos Santos Silva Samara Bastos Tayra Ferreira Thiago Rosalino da Silva Tema: “Internet segura” . Título do projeto: Redes do meu bairro. Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Educação Projeto de Trabalho Didático apresentado como requisito para a conclusão da disciplina “Didática”. Professoras orientadoras: Edméa Santos Rosemary Santos Curso: Pedagogia
  • 3. Introdução Observamos atualmente muitas discussões sobre os problemas do mau uso da internet e o que isto pode provocar na vida de seus operadores. Para pensarmos nosso trabalho de conclusão da disciplina “Didática”, tomamos a seguinte situação hipotética como pano de fundo: Na Escola Municipal Profª Maria Helena Alves Portilho ocorreu um dos problemas mais frequentes: o de assédio de pedófilos aos jovens e crianças que usam a internet para acessar redes sociais. Os jovens que sofrem este tipo de assédio desconhecem ou até mesmo ignoram certas preocupações que precisamos ter para acessar estes tipos de sites ou recursos da internet.
  • 4. Problemática Observou-se na escola o caso de uma aluna que foi aliciada virtualmente. Um homem mais velho fingiu ser um menino apaixonado para que a aluna pudesse expor seu corpo pela webcam e marcasse um encontro com ele. A ciência do ocorrido veio até a escola mediante os pais da aluna. Foi observado também que outra aluna sofreu no início do ano um tipo de violência simbólica conhecida como cyberbullying . Por ser muito aplicada nos estudos e reservada, um grupo de meninas da turma da aluna criou uma comunidade no Orkut com o título “Odeio a M… Ela é muito NERD!!”.
  • 5. Proposta Dada a problemática, a equipe pedagógica da Escola Municipal Profª Maria Helena Alves Portilho, localizada em Santa Cruz, decidiu conceber um projeto que aproximasse os alunos e os pais à escola (havendo assim, integração entre os núcleos aos quais os alunos pertencem) para dialogarem sobre os benefícios e malefícios do uso da internet e de suas tecnologias, que muitas vezes os pais desconhecem ou tem opiniões negativas sobre o assunto. A nossa proposta é a de que este projeto de trabalho seja feito e produzido com os alunos, pelos alunos, com a família e a comunidade, tendo como base a observação empírica da realidade e a intervenção nela.
  • 6. Justificativa
    • O contexto da escola onde será realizado o projeto está situado no interior do bairro de Santa Cruz, no Rio de Janeiro. Esta escola municipal atende crianças a partir da educação infantil (crianças com idade de 4 -5 anos) até 5º ano (antiga 4ª série).
    • O bairro de Santa Cruz tem um dos IDHs mais baixos do Rio. É um bairro predominantemente de classe baixa e média. Apesar disso, o bairro possui sinal de banda larga disponível para a população.
    • Nesta realidade, percebemos que é necessário desenvolver um projeto sobre o uso seguro da internet, com a preocupação de atender principalmente as crianças que estão vulneráveis às conseqüências negativas da utilização da internet sem supervisão de um responsável, desenvolvendo assim atividades que ensinem práticas de uso da internet com segurança, de acordo com o cotidiano de cada aluno.
  • 7. Competências (cognitivo/afetivo/procedimental)
    • Compreender os riscos e benefícios do uso da internet;
    • Adquirir a capacidade de utilizar ambientes públicos da internet, de maneira impessoal;
    • Compreender e fazer uso da ética na internet;
    • Compreender a dimensão de violência e abusos virtuais;
    • Explorar as possibilidades da internet de forma positiva;
    • Aplicar meios de acesso seguro;
    • Tornar-se um mediador de conhecimentos entre a escola e a comunidade, fazendo com que seus pais compreendam o problema, interajam e contribuam trazendo soluções para a problemática;
    • Ser capaz de implementar na esfera da comunidade formas de se usar meios globalizados de comunicação de forma consciente e segura.
  • 8. Conteúdos / sequência didática (Conceituais/Procedimentais/atitudinais)
    • Conceituais
    • Segurança;
    • Questão da propriedade e autoria;
    • Conteúdo impróprio – por que é impróprio?;
    • A verdade e a realidade - tudo que está na internet é verdadeiro?;
    • Comportamento responsável e ético - na vida virtual e na vida real.
  • 9. Conteúdos / sequência didática (Procedimentais/conceituais/atitudinais)
    • Procedimentais
    • Saber fazer, tomar decisões e realizar ações de forma ordenada.
    • Atitudinais
    • Trabalhar atitudes relativas ao conhecimento, ao professor, aos colegas, às disciplinas, às tarefas e à sociedade. Compreensão de atitudes, valores e normas. Postura crítica em relação aos valores, dentre eles, os da própria escola. Vivenciar e aplicar o que está sendo aprendido. Estímulo à confiança e ao diálogo com os pais e a família.
  • 10. Atividade 1 – Fórum de debate virtual (laboratório de informática) - Criação de um fórum onde o mediador seria um(a) estagiário(a) graduando(a) do curso de Pedagogia. - Em cada tópico do fórum teremos uma questão geradora de um debate. As questões sempre estarão sempre permeando o contraponto entre a relação do aluno com a internet e a relação do bairro onde mora com a tecnologia. - Esta atividade transcorrerá durante todo o projeto, ficando a sala de informática disponibilizada para os alunos interagirem no fórum. O acesso ao fórum poderá ser feito de qualquer outro local no qual o aluno tenha acesso à internet. - O fórum dará subsídios para o educador pensar, refletir, e se for preciso, reformular as propostas e as atividades, servindo como instrumento diagnóstico, possibilitando conhecer as características do grupo com o qual vamos trabalhar.
  • 11. Atividade 2 – A segurança do meu bairro - Para trabalhar o conceito de segurança, convidaríamos três profissionais para irem até a escola falar para os alunos, a partir de suas vivências, o que entendem por segurança: um(a) bancário(a), um(a) programador(a) e um(a) guarda municipal que atuam na comunidade local. - Trata-se de uma Mesa Redonda para debate e interação dos profissionais com os alunos, respondendo às questões dos mesmos e contando de que forma eles aplicam medidas de segurança em suas atividades. Esses profissionais poderiam ser convidados à participar do fórum de debates.
  • 12. Atividade 3 – Língua Portuguesa (sala de leitura) Trabalharemos com duas reportagens sobre o tema da segurança na internet: “Eu roubei um cartão de crédito” - Revista da Web, e “Crimes virtuais que viraram notícia”(Folha on-line) . - Proposta de produção textual: “Conhecendo a história de Daniele e de outros crimes virtuais, apresente-se, conte suas experiências e proponha as suas medidas de segurança contra os crimes virtuais ”.
  • 13. Atividade 4 – Visita ao local de acesso A partir dos conhecimentos trabalhados nas atividades 1, 2 e 3, seria feita a atividade 4. Para esta atividade, propomos uma visita à lan-house ou biblioteca da comunidade, onde o objetivo seria uma pesquisa sobre a segurança do estabelecimento (entrevista dos alunos, com a comunidade).
  • 14. Atividade 5 - Entrevistas - Pesquisar as formas de lazer e fontes de informação utilizadas pelos nossos pais, avós, outros familiares ou membros da comunidade. Identificar os benefícios e os riscos que eles têm/tiveram. Buscar o conhecimento popular. Debatendo em sala de aula, relacionar com as nossas vivências e identificar transformações e permanências. Formulação de hipóteses através das entrevistas: por que eles não tem acesso que hoje eu tenho? Se eles tem acesso, o acesso deles é seguro? - Com base nas entrevistas : identificar migrações, movimentos urbanos, características do espaço local, atividades econômicas, serviços básicos, e suas relações com a internet e a inclusão digital. Identificar transformações espaciais e geopolíticas ao longo do tempo. (esses conteúdos são relativos às “Origens da cidade e do crescimento urbanístico”, propostos pelos PCNs). Imagens e valores históricos (Fonte: PCNs) identificar o próprio grupo de convívio e as relações que estabelecem com outros tempos e espaços; locais públicos, locais privados e atividades de lazer e informação Identificação de transformações e permanências nas vivências culturais (materiais e artísticas) da coletividade no tempo, lazer e informação. (Fonte: PCNs)
  • 15. Atividade 6 - As redes do meu bairro - Pesquisa sobre a história da internet. Como, quando ela foi criada e por quê. - Eu X Comunidade: Buscaremos trabalhar no contraponto entre a relação do aluno com a internet e a relação bairro com esta tecnologia. - Como a internet se relaciona com o meu bairro? - Identificar espaços de acesso nas redondezas.
  • 16. Atividade 7 – O Blog da Turma O Blog deverá apresentar o produto de todas as atividades realizadas e dos dados levantados pelos alunos, mostrando todo o processo do desenvolvimento do projeto.
  • 17. Atividade 8 – Lançamento do Blog da Turma A culminância do projeto se daria com o lançamento do Blog da turma. O teatro da escola poderia ser utilizado para a apresentação do blog, que seria nomeado pelos próprios alunos, e a apresentação também ficaria a cargo deles. Seria enviado um convite à família do aluno, e também para os demais sujeitos envolvidos nas etapas do projeto – um convite para a comunidade escolar e não escolar. Deixaríamos em aberto a possibilidade do Blog se tornar um projeto maior, visando uma apresentação na Feira de Ciências.
  • 18. Recursos utilizados
    • Laboratório de informática / sala de leitura.
    • Acesso ao auditório ou pátios para as reuniões com pais e alunos / sala de aula coinvencional / teatro da escola.
    • Dia e horário disponível no planejamento da escola para que os alunos possam visitar bibliotecas comunitárias e lan house para conhecer, observar e levantar informações com os usuários destes locais sobre as dúvidas e conhecimentos sobre os problemas do mau uso e da falta de segurança na internet (pesquisa de campo), mediado por um estudante de Pedagogia, ou profissional do quadro da escola que participa do projeto.
  • 19. Metodologia Através da mediação dos elaboradores do projeto, aplicaríamos as atividades por meio de dinâmicas, de forma atrativa e motivadora, para que todos os alunos participem. Utilizaríamos alguns espaços da escola, como laboratórios de informática, por exemplo. Mas também teríamos atividades de campo, fora do ambiente escolar, como por exemplo: visita a uma exposição sobre tecnologia, visita à lan-house do bairro, fazendo parcerias com a comunidade local.
  • 20. Avaliação
    • Através da produção e manutenção dos blogs, redes sociais para interação, troca de informações e construção de saberes;
    • De cada aluno, uma auto-avaliação por mês;
    • Participações e contribuições dos alunos nos debates, eventos e palestras;
    • Produções de textos;
    • Produções de trabalho em grupo
    • Vivenciar e aplicar o que está sendo aprendido; isso também é um critério de avaliação.
  • 21. Avaliação Os professores das disciplinas envolvidas redigirão notas nas fichas individuais de cada aluno, de forma que nela ficará registrada a sua participação, desenvolvimento de competências, capacidade de intervenção e aplicação do que está sendo aprendido e interesse. Buscaremos não fomentar a dicotomia entre a participação no projeto e nos conteúdos, visto que o objetivo do projeto é ser interdisciplinar, portanto, não há diferenciação entre a avaliação do projeto e a avaliação dos conteúdos.
  • 22. Referências Link do site da Secretaria Municipal de Educação, onde existem informações a respeito da Escola Municipal Maria Helena Alves Portilho: http://webapp.sme.rio.rj.gov.br/jcartela/publico/pesquisa.do?palavraChave=escola+municipal+professora+maria+helena+alves+portilho&cmd=listPorNome   Página da web que contempla o noticiário da Revista Cláudia, a respeito de “pedofilia na internet”: http://claudia.abril.com.br/blog/108049_comente.shtml   Parâmetros Curriculares Nacionais: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12640%3Aparametros-curriculares-nacionais1o-a-4o-series&catid=195%3Aseb-educacao-basica&Itemid=859