Didática (Antonio Marcos)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Didática (Antonio Marcos)

on

  • 3,000 views

Apresentação sobre as tendências pedagógicas.

Apresentação sobre as tendências pedagógicas.

Statistics

Views

Total Views
3,000
Views on SlideShare
3,000
Embed Views
0

Actions

Likes
4
Downloads
174
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Didática (Antonio Marcos) Didática (Antonio Marcos) Presentation Transcript

  • Didática Antonio Marcos Pozes de Lima Graduando do Curso de Pedagogia da Uerj Rio de Janeiro 2011
  • O que é a Didática? São técnicas de ensino? São as metodologias? A Didática costumeiramente foi conhecida como a “disciplina que ensina a ensinar”. Porém, não existe uma técnica pronta e acaba para ensinar alguém. E além do mais, o aprendizado muitas vezes se dá fora da escola, sem nenhuma interferência do professor... como dar conta disso? Técnicas, metodologias de ensino... sim, a Didática é tudo isso. Porém, hoje ela é reconhecida como o campo de estudos que tem como objeto os processos de ensino-aprendizagem. Fonte: Blog Cinema & História Fonte: Fórum Momento da Pesca
  • Como todo campo de conhecimento, a didática tem uma história, que pode ser conhecida ao visitarmos as diferentes tendências pedagógicas que foram desenvolvidas e aplicadas em tempos e espaços diferentes. Fonte: Blog AFBEPA Fonte: Café História
  • Pedagogia Tradicional O papel do professor era o de educar a moral e o espírito. Punições e castigos também eram previstos. O aluno era tido como detentor de uma essência universal imutável. Fonte: Apuntes yTips de Pedagogía Educativa
  • http://www.youtube.com/watch?v=e4wTTmdfDyo A repetição, as disputas e o estudo privado são as principais metodologias desta tendência. Trabalhava com uma forma de pensamento dogmático. No Brasil, temos como arquétipos dos educadores desta tendência o Jesuíta, no período de colonização, e o Mestre-escola, no período do Império . Fonte: Educação Jesuítica no Brasil Ilustração: Renato Alarcão
  • A Escola Nova foi uma tendência que despertou no Brasil entre os anos 30 e 60. Teve como principal expoente Anísio Teixeira, inspirado pelas ideias do americano John Dewey. Anísio Teixeira Dewey Pedagogia Escolanovista
  • Fonte: Blog Marizelli Venturelli http://motivarorientando.blogspot.com/ Fonte: Matemáticos na UNEB - http://matematicosemead.blogspot.com/2010/07/importancia-da-didatica-na-formacao-do.html Fonte: Senac São Paulo Anos 50 Diversos outros intelectuais foram adeptos desta tendência. O chamado Iluminismo tardio chega ao Brasil durante a crise mundial do capitalismo. O Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova defendia a universalização da Escola Pública, gratuita e laica. A figura do professor era vista como a de um técnico. A ênfase da tendência era no método de ensino. Este, pela primeira vez foi tido como objeto de pesquisa. O aluno ganhava valorização, sendo reconhecidos seus valores individuais.
  • Pedagogia Tecnicista Fonte: desesadacrianca.net Tendo como embasamento os estudos sobre o comportamentalismo (novas teorias da psicologia americana), foi implantado nas escolas brasileiras como parte do Projeto Desenvolvimentista. A tendência tecnicista chega ao Brasil com o Golpe Militar de 1964.
  • Fonte: Pink Floyd Fonte: Pink Floyd No tecnicismo, o professor é um mero executor de objetivos instrucionais, estratégias e avaliações. Os exames são objetivos, e espera-se que todos os alunos cheguem aos mesmos saberes, o que acaba por fazer o alunado ter o papel de reprodutores.
  • Fonte: Bruno Carrasco A crítica ao tecnicismo diz que é difícil aceitá-lo como prática, visto que nele não existe espaço para a intervenção do professor, tampouco do aluno. No Tecnicismo, a ênfase no processo (instrução) é total .
  • Pedagogia Crítica Paulo Freire Fonte: redesocial.unifreire.org Inflação, desemprego, dívida externa, lutas operárias e demais lutas sociais. Nos anos 80, a Pedagogia Crítica busca trazer para a educação o problema das desigualdades sociais, indo além de métodos e técnicas buscando associação entre a escola e a sociedade.
  • Fonte: Núcleo de Educação Popular Raimundo Reis O educando, dono de uma história prévia e possuidor de conhecimentos passa a ser um interventor do processo de ensino-aprendizagem. A Pedagogia Crítica valoriza o vínculo entre a prática e a teoria, tal como a superação do intelectualismo. Sua principal característica é agregação do engajamento político, onde o processo educativo é visto como um ato político.
  • Construtivismo As bases do Construtivismo datam do início do século 20, com Piaget e Vygotsky. Se disseminou no Brasil nos anos 80, e confundiu-se com a Pedagogia Crítica. Tem traços em comum com esta e com o escolanovismo. Jean Piaget Fonte: blogunivesptv.blogspot.com Vygotsky Fonte: pedagogiaespirita.org Presença mediadora, motivadora e interventora. Estímulo à dúvida e ao raciocínio. Participante ativo do próprio aprendizado, mediante experimentação. Co-piloto da própria aprendizagem Os métodos voltam-se para o foco da lógica do pensamento do aluno. Consideram inútil a prontidão motora. Cooperação entre os alunos. Ideia da aprendizagem significativa. Rejeição do conhecimento pronto, ele não é dado como algo terminado e se constitui pela interação do indivíduo com o meio físico e social. Questão do conhecimento desenvolvido de acordo com a faixa etária. Conhec. não tem sequência rígida e padronizada. Não padronizada. Valorização do erro. Avaliação contínua, de caráter diagnóstico, não punitiva. Significativo ao aluno.
  • Fonte: Escola da Vila No Contrutivismo, o papel do professor é o de mediador e motivador. O aluno é um participante ativo do próprio aprendizado, mediante a experimentação. Os métodos voltam-se para estímulo à dúvida e ao raciocínio, com foco na lógica do pensamento do aluno. Considera-se inútil a prontidão motora e valoriza-se a cooperação entre os alunos.
  • A ideia da aprendizagem significativa é central para a compreen são do Construtivismo. O conhecimento não é dado como algo terminado, e se constitui pela interação do indivíduo com o meio físico e social. As ideias do construtivismo levaram a frente o modelo de conhecimento Fonte: Blog Juarez Firmino desenvolvido de acordo com a faixa etária, porém sem sequência rígida e padronizada. A avaliação é contínua, de caráter diagnóstico, não punitiva. Os materiais utilizados em uma classe construtivista devem ser familiares ao universo do aluno.
  • Conclusão A Didática, como disciplina e campo de estudos, parece acelerar o progresso no sentido de uma autoconsciência de sua identidade e de sua necessária interdisciplinaridade. Conseguir plenamente a autonomia, sem prejudicar suas fecundas relações com disciplinas afins, é um projeto que depende tanto de um esforço teórico e reflexivo, quanto de um avanço no campo experimental. Fonte: CASTRO, Amélia Domingues de. A Trajetória Histórica da Didática .
  • Referências CASTRO, Amélia Domingues de. A Trajetória Histórica da Didática VEIGA, Ilma Passos de Alencastro. Repensando a Didática, 11 edição, Campinas, SP : Papirus, 1996. Vários autores.