Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Cadernos de Seguro: Segurança de Sistemas Industriais - dimensionamento das perdas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Cadernos de Seguro: Segurança de Sistemas Industriais - dimensionamento das perdas

  • 38 views
Published

Os sistemas industriais são o coração das instalações. As falhas que podem ocorrer têm a possibilidade de causar a interrupção das atividades industriais. As medidas de prevenção e a introdução de …

Os sistemas industriais são o coração das instalações. As falhas que podem ocorrer têm a possibilidade de causar a interrupção das atividades industriais. As medidas de prevenção e a introdução de meios de prevenção são as mais indicadas, A prevenção é a melhor forma de se evitar os acidentes.

Published in Engineering
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
38
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. - -- ---... - .., r---- , , .-", - ..,
  • 2. Casos Fortuitos Auto-Seguro - Técnicas Modernas de Avaliação de Riscos - parteIV E m nossos artigos anteriores procuramos, dentro dos casos fortuitos, analisar algumas coberturas acessórias aplicadas ao Seguro de In- cêndio, sob o prisma da Gerência de Riscos. Neste presente artigo, comen- tamos, de forma sucinta, asvantagens e desvantagens do Auto-Seguro, sob o prisma de análise da seguradora. Desde os primórdios dos tempos, o homem tem convivido com situa- ções nas quais vê-se obrigado a arcar com prejuízos por danos aos seus bens. Por vezes, esseseram tão inten- sos que causavam sua própria ruína. Por outras, eles ocorriam com tal fre- qüência, que infligiam pesadas perdas ao longo dos anos, inviabilizando seus negócios. Com o passar dos tempos, a expe- riência acumulada demonstrou quais eram as perdas mais comuns e os da- nos que essas causavam ao seu ramo de negócios. Sem querer, a idéia do Auto-Seguro foi implantada e até ho- je persiste, em maior ou menor grau. Mas, então, o que significa Auto- Seguro, quais suas vantagens e des- vantagens? O Auto-Seguro nada mais é do que a absorção, pelo proprietário de um 28 FUNENSIG bem, da responsabilidade sobre o mesmo, ou seja, ser o seu próprio se- gurador. Agindo dessa forma, ele as- sume integralmente a responsabilida- de e as conseqüências por todos os danos que afetem seus bens. Essaab- sorção, ou assunção, pode ser plena ou parcial. Plena quando só há o en- volvimento do proprietário, ou seu res- ponsável, e parcial quando existem outros co-responsáveis. O proprietário de um veículo que não faz o Seguro do mesmo, está as- sumindo a responsabilidade por todos os danos que aele possam atingir, tais como a colisão, incêndio e roubo. Em sociedades de economia estável, na qual os bens tenham seus preços constantes, pode-se até pensar em Auto-Seguro. Entretanto, essa é uma das afirmativas que não podemos fa- zer em nosso País.Um veículo que em 1979 custava Cr$ 70.000, custa hoje, em 1986,Cr$ 45.000.000. Isso signifi- ca que em sete anos o mesmo veícu- lo, ao qual não foi feita nenhuma mo- dificação substancial, teve uma eleva- ção de preço de mais de 60.000%. Com uma elevação dessa natureza, fi- ca evidente que um automóvel ao lon- go de sua vida útil é bastante valoriza- do. Com isso, tudo fica mais caro. As técnicas modernas, relaciona- dascom a Gerência de Riscos, têm de- monstrado com algum sucesso a efi- Antônio Fernando Na varro ·Engenheiro Civil .Chefe de Divisão de Engenharia da Nacio- nal de Seguros ·Professor da Funenseg ciência do Auto-Seguro. Porém, percebe-se que, para que esse exista, não se deve aplicar técnicas isolada- mente, mas sim integrá-Ias. As mais comuns são: . Assuncão do Risco (Auto- Seguro); . . Prevencão do Risco (Melhoria das condiçõés); · Repasse do Risco (Seguro); . Afastamento do Risco. Cada uma dessas técnicas é utiliza- da e estudada quando se exercita uma Gerênciade Riscos. Todas têm suas múltiplas características.Entretanto, vamos nos ater, com párticularidade, ao Auto-Seguro. O estudo requer a aplicação de vários critérios e tabelas, não unificadas. As que vamos utilizar neste artigo são resultantes de expe- riências acumuladas após mais de 600 análises de Riscos. Como poderíamos saber o que fa- zer em cada situacão? Quais os crité- rios utilizados? Na'Tabela I, fazemos a inter-relação entre freqüência e poten- cial de Risco, resultando em uma sé- rie de decisões. . t TABELAI . ... . Remota Pequena Média Grande Potencial de Risco Desprezfvel Auto-5eguro Auto-Seguro Prevenção Prevenção Prevenção Seguro Seguro Pouco Auto-5eguro Auto-5eguro Prevenção Prevenção Prevenção Prevenção Seguro Seguro Médio Prevenção Prevenção Prevenção Seguro Seguro Seguro Seguro - Acentuado Prevenção Prevenção Prevenção Afastamento Seguro Seguro Afastamento
  • 3. Casos Fortuitos Auto-Seguro - Técnicas Modernas de Avaliação de Riscos - parteIV E m nossos artigos anteriores procuramos, dentro dos casos fortuitos, analisar algumas coberturas acessórias aplicadas ao Seguro de In- cêndio, sob o prisma da Gerência de Riscos. Neste presente artigo, comen- tamos, de forma sucinta, asvantagens e desvantagens do Auto-Seguro, sob o prisma de análise da seguradora. Desde os primórdios dos tempos, o homem tem convivido com situa- ções nas quais vê-se obrigado a arcar com prejuízos por danos aos seus bens. Por vezes, esseseram tão inten- sos que causavam sua própria ruína. Por outras, eles ocorriam com tal fre- qüência, que infligiam pesadas perdas ao longo dos anos, inviabilizando seus negócios. Com o passar dos tempos, a expe- riência acumulada demonstrou quais eram as perdas mais comuns e os da- nos que essas causavam ao seu ramo de negócios. Sem querer, a idéia do Auto-Seguro foi implantada e até ho- je persiste, em maior ou menor grau. Mas, então, o que significa Auto- Seguro, quais suas vantagens e des- vantagens? O Auto-Seguro nada mais é do que a absorção, pelo proprietário de um 28 rUNENSEG bem, da responsabilidade sobre o mesmo, ou seja, ser o seu próprio se- gurador. Agindo dessa forma, ele as- sume integralmente a responsabilida- de e as conseqüências por todos os danos que afetem seus bens. Essaab- sorção, ou assunção, pode ser plena ou parcial. Plena quando só há o en- volvimento do proprietário, ou seu res- ponsável, e parcial quando existem outros co-responsáveis. O proprietário de um veículo que não faz o Seguro do mesmo, está as- sumindo a responsabilidade por todos os danos que aele possam atingir, tais como a colisão, incêndio e roubo. Em sociedades de economia estável, na qual os bens tenham seus preços constantes, pode-se até pensar em Auto-Seguro. Entretanto, essa é uma das afirmativas que não podemos fa- zer em nosso País.Um veículo que em 1979 custava Cr$ 70.000, custa hoje, em 1986, Cr$ 45.000.000. Isso signifi- ca que em sete anos o mesmo veícu- lo, ao qual não foi feita nenhuma mo- dificação substancial, teve uma eleva- ção de preço de mais de 60.000%. Com uma elevação dessa natureza, fi- ca evidente que um automóvel ao lon- go de sua vida útil é bastante valoriza- do. Com isso, tudo fica mais caro. As técnicas modernas, relaciona- dascom a Gerência de Riscos, têm de- monstrado com algum sucesso a efi- Antônio Fernando Na varro ·Engenheiro Civil .Chefe de Divisão de Engenharia da Nacio- nal de Seguros .Professor da Funenseg ciência do Auto-Seguro. Porém, percebe-se que, para que esse exista, não se deve aplicar técnicas isolada- mente, mas sim integrá-Ias. As mais comuns são: . Assuncão do Risco (Auto- Seguro); , . Prevencão do Risco (Melhoria das condiçõés); . Repasse do Risco (Seguro); · Afastamento do Risco. Cada uma dessastécnicas é utiliza- da e estudada quando se exercita uma Gerência de Riscos. Todas têm suas múltiplas características. Entretanto, vamos nos ater, com particularidade, ao Auto-Seguro. O estudo requer a aplicação de vários critérios e tabelas, não unificadas. As que vamos utilizar neste artigo são resultantes de expe- riências acumuladas após mais de 600 análises de Riscos. Como poderíamos saber o que fa- zer em cada situacão? Quais os crité- rios utilizados? Na'Tabela I, fazemos a inter-relação entre freqüência e poten- cial de Risco, resultando em uma sé- rie de decisões. . t TABELAI . . Remota Pequena Média Grande Potencial de Risco Desprez(vel Auto-Seguro Auto-Seguro Prevenção Prevenção Prevenção Seguro Seguro Pouco Auto-Seguro Auto-Seguro Prevenção Prevenção Prevenção Prevenção Seguro Seguro Médio Prevenção Prevenção Prevenção Seguro Seguro Seguro Seguro - Acentuado Prevenção Prevenção Prevenção Afastamento Seguro Seguro Afastamento
  • 4. Para a utilizacão da tabela, é con- veniente a definição de alguns termos: ·Auto-Seguro (Assunção ou Ab- sorção) - manutenção da responsa- bilidade integral com o proprietário do bem. · Prevencão (Melhoria do Risco) - aplicação' de recursos necessários à reducão da sinistralidade. · Transferência (Seguro) - repas- se da responsabilidade para uma segu- radora, ficando a cargo dessa o paga- mento dos prejuízos sofridos. Afastamento (Evitamento de Ris- co) - adoção de contramedidas e procedimentos após a determinação da inviabilidde do Risco. · Freqüência - é a incidência de danos ao longo de um período de tem- po determinado. De acordo com a in- cidência, a freqüência pode ser con- siderada. TABELA 11 tiva de danos, através do Da~c . 'a - 110 Provável. Esse tipo de a"'á se além de ser extremameNe sub e:. a conduz a inúmeros erros conce1t~ S e práticos. A análise por meio do Dal"o a:á l- mo Provável pode conduzir a tabe,as como a seguir: TABELA IV - - c c.c; ;.:: :~ - :5":'"':':::.=-~-- -z:.c...:. 1""1--: _- = =-:: -,,:. -- '-"- - - - -' - - - - ~C'=D ';-=.;. .. -~--:~:~: .:...:.-!~-ê -a =e-- - ~..z.=:.":,, -~ ..'?-..;.=.:;se:.~=i:..:. ::as ~~.:. ~: -==:::E - ~- _-~: i=. :.;...:,= ã ér..;...Sê x': -~~ - -.; 3.: .:..:.~-~,~:..:.'"?'~ oas:sa-- ~ ~. Classificação dos Riscos Bom Regular Sujeito a Estudo Especial Passível de Transferência Risco a ser Transferido Freqüência 1 Incidente a cada: Remota 100.000 horas de operação 60.000 horas de operaçãoPequena 20.000 horas de operaçãoMédia 12.000 horas de operação ou menosGrande · Potencial de Risco - definido como a expectativa da extensão de danos, em condições normais. O po- tencial de Risco pode ser avaliado em função do valor dos bens, sujeitos a serem atingidos por um único evento, ou um conjunto de eventos em um tempo determinado. TABELA 111 Com essa simples apresentação, vê-se que assumir um Risco, tecnica- mente, não é tão simples como possa parecer à primeiravista. A solução não pode ser traduzida como" Medida de Economia", pelo fato de não se pagar Seguros. Ou então, por "Sentimen- to", afirmar-se que não se faz Seguro Perda Máxima Admissível (PMA)Potencial de Risco Desprez(vel 0% < PMA~ 5% Pouco 5% < PMA ~ 15% 15% < PMA ~ 30%Médio PMA > 30%Acentuado Outro ponto bastante influente quanto à definição do Auto-Seguro é a análise física, exclusivamente, do Risco, para determinação da expecta- de um item, porque não há Risco (SIC). Atítulo de exemplo, consideramos a investigação a um equipamento, pa- . Vida útil ou perspecu .a de . =.2 útil; · Estado de conservação · Estado de manutençã~ · Regimede trabalro' · Tipode operação; · Condições ambiel"tajsagress- vas (ruído,vibração,tempe<atvas e,- tremas, gases etc.); · Tipo de instalação' · Disposição no La,:out Gerci . Produtividade ...,áxma e -ea · Qualidade dos "'Iater a s ~ gados; · Facilidde de 'epos cão de CQ""'- ponentes; ·Circuitos de protecão Os principais dal"OSpodem ser ~ sultante de: Talvezestejamos pecando pelo pre- ciosismo com tantos itens a analisar, podem estar pensando. O que pode- mos afirmar é que esse e outros itens mais são realmente importantes, quando se quer, tecnicamente, avaliar um risco para definir-se pelo Auto- Seguro. Háde se comentar também a questão financeira, porque, se racio- cinamos com a absorção dos Riscos, temos que considerar que em um de- terminado momento teremos que re- CADERNOS DE SEGURO 29 - :.y- . - 5'c ..J ..,-..:,. """ - =V'P 3.,""'. 30'0 :::V'P .L-'--. D....p J.C- · Acidenteselétricos . Acidentes"'eCâl"'cos: . Explosões; ·Impactos' · Vibraçõesexcessivas; · Ruído; ·Fadiga de materiais; ·Desgaste; . Desarranjosmecânicos; · Pressões extremas; . Temperaturasextremas.
  • 5. por o bem. Paraisso, precisaremos nos capitalizar. Como complemento a nossa aná- lise, poderemos considerar que esse equipamento seja um dos componen- tes de nosso Risco, para o qual este- jamos querendo obter o índice de con- fiabílidade. Para simplificar, nosso equipamen- to apresenta quatro falhas em milho- ras de operação. A confiabilidade se- rá determinada por: 4 falhas em 1.000 horas de operação 4 Taxa de falha (~..)= .. nM = 0,004 Tempo médio entre falhas (T) = 1.0..00= 250 horas T = 0,25 x 105horas Tempo de operação (1)=1.000 horas e =2,718 1 1 À=T = 0,25X 105 Confiabilidade (R) = e"Àt = e-4 x 10-5 X 103 = 09608, 4 x 10"5 falhas/hora R = 96,08% Probabilidade de falha (a) =1 -R = 3,92% Isso significa que, se o equipamen- to, durante mil horas de operação, ti- ver quatro falhas, possuirá como com- ponente do sistema uma probabilida- de de falha de 3,92%. Apenas para concluir, imaginemos que nosso equipamento está associa- do a outro, com idêntico percentual de confiabílidade, trabalhando direta- mente acoplados. Aconfiabilidade to- tal do sistema será: Rt = RI x R2 Rt = 0,9608 x 0,9608 = 92,31% A probabilidade de falha do conjun- to será: Ot =1 - Rt = 7,69% Pelo simples fato de termos acres- centado um segundo equipamento, com idênticas características do pri- meiro, elevamos nossa probabilidade de falha de3,92%, para 7,69%. A ca- da novo equipamento acrescido, tem- se uma nova confiabilidade, e, como conseqüência, nova probabilidade de falha. Oque a principionão passava de uma simples passada de olhos por so- bre um equipamento, transformou-se em aplicações matemáticas. 30 rUNMG Por meio da determinação desses coeficientes, chega-se ao traçado da árvore de falhas, tão importante quan- do se quer determinar o grau de assun- ção de Risco. Retomando a nossa li- nha de raciocínio anterior, assumir um Risco, ou parte dele, pelo menos sob o ponto de vista técnico, não é tão simples assim. A simplicidade é redu- zida drasticamente na medida em que os valores aumentam, ou é maior a so- fisticação dos equipamentos; há um total comprometimento da produção etc. Hoje em dia, os critérios utilizados ainda são bastante primários, e de uma maneira geral redundam na redu- ção das importâncias seguradas. Na hora de um sinistro, as seguradoras apuram os verdadeiros valores em Ris- co, com o objetivo de indenizar pro- porcionalmente às responsabilidades assumidas, entrando em cena a abo- minável figura do rateio (SICI. Infelizmente, o Auto-Seguro, da forma como é hoje, é um dos inúme- ros Casos Fortuitos, merecedor de to- da a nossa atenção, mormente porque o maior prejuízo é o que afeta o mer- cado segurador: o "Prejuízo da Imagem". Essa técnica, da forma como hoje é conduzida, é nociva para o segura- do e para a seguradora. (Continua no próximo número)