Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Linux
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Linux

  • 254 views
Published

Instrutor Antonio Alves

Instrutor Antonio Alves

Published in Technology
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
254
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
18
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Uma visão geral
  • 2.  O Linux é um sistema Operacionaldesenvolvido por LinusTrovalds. T0do o seu código fonte está disponível sob alicençaGPL 2(General Public License)
  • 3.  Kernel é o nucleo do Sistema Operaciona. O Kernel do linux é distribuido sob a licençade software livre, ou seja: você pode copiá-lo, modificá-lo e redistribuir sem precisarpagar por isso. Possui contribuição de desenvolvedores domundo todo!
  • 4.  Pacote é nome dado aos programas queserão instalados no linux Um gerenciador de pacotes, nada mais é doque um instalador de programas para estesistema operacional
  • 5.  Pacotes Debian - dpkg O dpkg é um programa de computador que é a base do Sistema de Gerenciamento de Pacotes paradistribuiçõesGNU/Linux baseados em Debian.Criado por Ian Jackson em 1993, o dpkg é usado para instalar, remover efornecer informações sobre os pacotes .deb.O dpkg é uma ferramenta em linguagem de baixo nível. Front ends de alto nível são exigidos para buscar pacotes emlugares remotos ou ajudar no solucionamento de conflitos nas dependências dos pacotes. Para esta finalidade, o Debianfornece o aptitude.O apt largamente conhecido não deve ser utilizado com este propósito, uma vez que é um protótipo enão realiza o gerenciamento de pacotes tão bem quanto o aptitude Pacotes RedHat – RPM O RedHat Package Manager - RPM é um sistema de gerenciamento de pacotes para sistemas GNU/Linux baseados emRedHat. Ele instala, atualiza, desinstala e verifica softwares. Originalmente desenvolvido pela RedHat Linux, é agorausado por muitas distribuições como Novell-Suse que possui sua própria versão£o de RPM.Atrás do gerenciador de pacotes está¡ o banco de dados RPM. Ele consiste de uma lista duplamente ligada que contémtodas as informações de todos os RPM instalados. O banco de dados lista todos os arquivos que são criados oumodificados quando um usuário instala um programa e facilita a remoção destes mesmos arquivos. Se o banco de dadosfica corrompido (o que acontece facilmente se o cliente de RPM é fechado subitamente), as ligações duplas garantes queeles possam ser reconstruídos sem nenhum problema. Em computadores com sistema operacional RedHat instalado, estebando de dados encontra-se em /var/lib/rpm.Uma vantagem que o RPM possui sobre o DEB é que possui algumas ferramentas de verificação criptográfica com o GPG eo md5, além de verificação de integridade dos arquivos já instalados.
  • 6.  Memória swap MemóriaVirtal
  • 7.  O sistema de memória virtual do Linux éresponsável pelo uso do espaço deendereçamento de cada processo. Esse sistemaaloca espaço de memória virtual sob demanda egerencia a transferência de páginas entre o discoe a memória, quando necessário. No Linux, oadministrador de memória virtual usa duasvisões do espaço de endereçamento de umprocesso: como um conjunto de regiõesseparadas e como um conjunto de páginas.
  • 8. Aplicação da MemóriaVirtual e ComentáriosO Linux é um sistema operacional com memória virtual paginada, isto quer dizer quepodemos ter programas em execução cujo tamanho é maior que a memória físicadisponível para executá-los. O sistema operacional passa a ser responsável por manter namemória as partes dos programas efetivamente em uso, deixando o resto no disco rígido.Por exemplo, um programa de 16MB pode ser executado em uma máquina de 4MB dememória, com o sistema operacional selecionando os 4MB do programa que deverão sermantidos na memória a cada instante, com as suas partes sendo copiadas do disco rígidopara a memória e vice-versa, quando necessário.A utilização da memória virtual torna ocomputador mais lento, embora faça com que ele aparente ter mais memória RAM doque realmente tem.
  • 9.  No Linux, a memória funciona com prioridade para processos queestão em execução. Quando um processo termina, havendoespaço na memória, o sistema mantém resíduos desse processona memória para que uma possível volta a processo seja maisrápida. Caso essa memória RAM esteja lotada com processos queestão em execução, faz-se uso da memória SWAP (troca).Cada processo do Linux, em uma máquina de 32 bits, dispõe de3GB de espaço de endereçamento virtual para si próprio, com 1GBrestante reservado para suas tabelas de páginas e outros dados donúcleo. O 1GB do núcleo não é visível quando o processo executano modo usuário, mas torna-se acessível quando o processo fazuma chamada ao núcleo. O espaço de endereçamento é geradoquando o processo é criado e sobrescrito em uma chamada aosistema.
  • 10.  O Linux suporta diferentes sistemas dearquivos, cada um com suasvantagens, desvantagens e características.Neste artigo irei descrever como manipularos principais sistemas de arquivos por elesuportado.
  • 11.  Atualmente, uma importante característica dosatuais sistemas de arquivos é o "journaling".Sistemas de arquivos que possuem essacaracterística são preferidos em detrimento aosque não possuem.Journaling é um recurso que permite recuperarum sistema após um desastre no disco (ex.:quando um disco está sujo) em uma velocidademuito maior que nos sistemas de arquivos semjournaling.
  • 12. Ordem de montagem (A partir do boot):1 – O carregador de boot (Grub ou Lilo)carrega o kernel e transmite as informaçõessobre a localização do dispositivo raiz;2 – Com a raiz montada, os demaisdispositivos são montados conforme oarquivo /etc/fstab, o qual contém todos ospontos de montagem do sistema.Obs – São necessárias duas partições nomínimo para montar um sistema de arquivoLinux. São elas a raiz (/) e a Swap, queconsiste em uma área de troca do sistemapara “desafogar” a RAM caso necessário.A Swap é mantida mais por questõeshistóricas do que funcionais, pois quando foicriada os espaços de memória RAM nãopassavam de 64 Mbnecessário.
  • 13.  Segue abaixo uma breve descrição sobre ossistemas de arquivos mais comunsdisponíveis para o Linux:
  • 14.  Ext2O sistema de arquivos ext2 é conhecido como "Second Extended FileSystem". Foi desenvolvidopara ser mais "eficiente" que o sistema de arquivos "Minix", seu antecessor.O Minix era muito utilizado nas primeiras versões do Linux, e foi utilizado por muitos anos.O sistema de arquivos ext2 não possui journaling e foi substituído pelo ext3.Ext3O sistema de arquivos ext3 é uma versão do ext2 com suporte a journaling. Portanto, o ext3 temas mesmas características do ext2, mas com suporte journaling.Essa característica foi uma evolução e tornou o ext3 um sistema de arquivos muito estável erobusto.Como no ext3 só foi adicionado o suporte a journaling, podemos converter um sistema dearquivos ext2 para ext3, adicionado suporte a journaling, e também podemos converter umsistema de arquivos ext3 para ext2, removendo o suporte a journaling.
  • 15.  ReiserFSO sistema de arquivos ReiserFS foi criado recentemente. Mas atualmente quasetodas as distribuições Linux o suportam.Sua performance é muito boa, principalmente para um número muito grande dearquivos pequenos.ReiserFS também possui suporte a journaling.XFSO sistema de arquivos XFS também possui suporte a journaling. Foi desenvolvidooriginalmente pela Silicon Graphics e posteriormente disponibilizado o códigofonte. O XFS é considerado um dos melhores sistemas de arquivos para banco dedados, pois é muito rápido na gravação.XFS utiliza muitos recursos de cache com memória RAM, e para utilizar XFS érecomendado utilizar sistemas que possuem redundância de energia.
  • 16.  SWAPSWAP é um espaço reservado para troca de dados com a memória RAM.Em alguns lugares ele não é mencionado como um Sistema deArquivos, mas resolvi descreveraqui pois faz parte deste artigo.VFATO sistema de arquivosVFAT é também conhecido como FAT32 (M$ Windows).O sistema de arquivosVFAT não possui suporte a journaling. É utilizado normalmente paratransferir dados entre sistemas M$ Windows e o Linux instalados no mesmo disco, pois pode serlido e escrito por ambos os sistemas operacionais.O sistema de arquivosVFAT está longe de ser um sistema de arquivos utilizado para SistemasLinux, exceto para compartilhamento/compatibilidade entre o M$ Windows e Linux.Se você utilizarVFAT no Linux, esteja certo de perder alguns atributos, tais como: permissão deexecução, links simbólicos, entre outras coisas.Ambos os sistemas de arquivos ext3 e ReiserFS são maduros o bastante para serem utilizadoscomo padrão no Linux. Esses dois são os mais utilizados pelas distribuições Linux.