Coesão e coerência textual
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Coesão e coerência textual

on

  • 838 views

 

Statistics

Views

Total Views
838
Views on SlideShare
826
Embed Views
12

Actions

Likes
0
Downloads
32
Comments
0

1 Embed 12

http://arquivodeportugues.blogspot.pt 12

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Coesão e coerência textual Coesão e coerência textual Presentation Transcript

  • COESÃO E COERÊNCIA TEXTUAL
  • 1- FRÁSICA a- Unidade entre os elementos de uma frase. - Ordem sintática das palavras (normalmente a estabelecida é SVO, ou seja, Sujeito – Verbo – Complementos, no entanto pode sofrer alterações. Exemplo: O pintor fazia autorretratos. 2/23
  • 1- FRÁSICA a- Unidade entre os elementos de uma frase. - Concordância em género e número. Exemplo: Os objetos estão espalhados pelo chão. 3/23
  • 1- FRÁSICA a- Unidade entre os elementos de uma frase. - Princípio da regência. Exemplo: Ela gostava de passar horas perto do rio. 4/23
  • 2- INTERFRÁSICA a- Articulação de grupos de palavras e de frases complexas dentro de um parágrafo. - Princípio da regência. - Coordenação. Exemplo: As crianças corriam pela erva verde, no entanto, os pais, já exaustos, esperavam no banco do jardim. 5/23
  • 2- INTERFRÁSICA a- Articulação de grupos de palavras e de frases complexas dentro de um parágrafo. - Princípio da regência. - Subordinação. Exemplo: Sempre que lia aquela história, lembrava-se do seu tempo de criança. 6/23
  • 2- INTERFRÁSICA a- Articulação de grupos de palavras e de frases complexas dentro de um parágrafo. - Princípio da regência. - Conetores / Articuladores discursivos. Exemplo: Passou uma semana sem ver o filho, portanto, mal o viu, correu a abraçá-lo. 7/23
  • 3- TEMPORAL a- Sequencialização dos enunciados de acordo com uma lógica temporal. - Palavras / expressões sequencializadoras. Exemplo: Primeiramente, fez o plano da visita; depois, apresentou-se na reunião. 8/23
  • 3- TEMPORAL a- Sequencialização dos enunciados de acordo com uma lógica temporal. - Advérbios / expressões que apontam para a localização temporal. Exemplo: Antigamente, escrevíamos cartas. Hoje, enviamos correio eletrónico. 9/23
  • 3- TEMPORAL a- Sequencialização dos enunciados de acordo com uma lógica temporal. - Correlação dos tempos verbais. Exemplo: Antigamente, escrevíamos cartas. Hoje, enviamos correio eletrónico. 10/23
  • 4- REFERENCIAL a- Recurso a elementos que se relacionam com a situação de produção do discurso. - Deíticos (pessoais, temporais, espaciais). Exemplo: Vem agora aqui ver o que comprei para ti. 11/23
  • 4- REFERENCIAL b- Recurso a elementos que retomam o discurso anterior. - Anáforas (retomas) lexicais e pronominais. Exemplo: Está aqui o livro que me pediste. 12/23
  • 4- REFERENCIAL c- Recurso a elementos que preparam o discurso posterior. - Catáforas lexicais / pronominais (antecipação de elementos textuais). Exemplo: Já te pedi o livro várias vezes, João. 13/23
  • 5- LEXICAL a- Correferencialidade (relação entre palavras / expressões que remetem para um mesmo referente). - Repetição. Exemplo: O mar era o meu refúgio. O mar, guardava os meus segredos. O mar era o meu mundo. 14/23
  • 5- LEXICAL b- Substituição por: - sinonímia. Exemplo: É uma alegria ver o interesse destes jovens! É uma felicidade saber que estão a fazer um curso. 15/23
  • 5- LEXICAL b- Substituição por: - hiperonímia / hiponímia. Exemplo: Tenho uma paixão por escritores realistas, mas aquele que mais me fascina é Eça de Queirós. 16/23
  • 5- LEXICAL b- Substituição por: - meronímia / holonímia. Exemplo: Repara bem na originalidade da capa, da contracapa e até das folhas deste livro! 17/23
  • 5- LEXICAL b- Substituição por: - nominalização. Exemplo: Relatou os acontecimentos de uma forma imprevista. Fez o relato dos acontecimentos de uma forma imprevista. 18/23
  • A coerência textual resulta da ligação entre as diferentes partes e ideias de um texto, implicando uma determinada ordem e estrutura, assim como da relação do conteúdo informacional dos textos com o conhecimento que o falante possui da realidade. 19/23
  • Ora para um texto ser coerente, é necessário: - haver progressão (isto é, a informação deve ser renovada, partindo da conhecida para a não conhecida); 20/23
  • Ora para um texto ser coerente, é necessário: - não haver contradição (isto é, a informação deve ser renovada de forma a não contradizer a outra já apresentada); 21/23
  • Ora para um texto ser coerente, é necessário: - não haver repetição (isto é, a informação deve ser renovada, portanto, não repetindo a já apresentada). 22/23
  • Conclusão: para que um texto seja entendido como um todo com sentido, é imprescindível as frases manterem uma relação entre si, o discurso ser lógico e as ideias bem organizadas. À medida que o texto progride, deve introduzir-se nova informação que não repita nem contradiga a anterior. Para tal, a coerência e a coesão são fundamentais. 23/23