• Save
Capacitação de Ciências - 1ª parte
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Capacitação de Ciências - 1ª parte

on

  • 4,092 views

Capacitação de Ciências realizada pela SRE Caxambu, Analista Educacional Anjaly Lopes, 1º semestre de 2012.

Capacitação de Ciências realizada pela SRE Caxambu, Analista Educacional Anjaly Lopes, 1º semestre de 2012.

Statistics

Views

Total Views
4,092
Views on SlideShare
3,858
Embed Views
234

Actions

Likes
4
Downloads
0
Comments
1

3 Embeds 234

http://anjalybiologia.blogspot.com.br 224
http://anjalybiologia.blogspot.com 7
http://www.anjalybiologia.blogspot.com.br 3

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Obrigada! amiga valeu quandao der compartilharei com voçê.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Capacitação de Ciências - 1ª parte Presentation Transcript

  • 1. MATRIZ DE REFERÊNCIA, CBC E A PRÁTICAPEDAGÓGICA PIP II IMPLEMENTAÇÃO CBC Anos Finais do EF
  • 2. PAUTA8h30 Abertura e Mensagem8h40 O CBC e a prática pedagógica9h40 Café9h50 Matrizes de Referência do PROEB 9º Ano10h50 Planejamento: CBC x Livro Didático11h30 Almoço13h Atividade com os descritores e habilidades14h Orientações Pedagógicas15h Atividades práticas15h40 Avaliação do encontro16h Café de encerramento
  • 3. O QUE É O CBC?Conteúdos Básicos Comuns – CBCA proposta curricular e, como tal,apresenta descrição dos conteúdos ehabilidades que os alunos devemaprender em cada disciplina.
  • 4. HISTÓRICO DO CBCEm 2003 – elaboração das versões preliminares dos CBC por equipes consultores.Em 2004 – discussão das versões preliminares por 13.000 professores dos GDP de 220 escolas do Projeto “Escolas Referefência” Em 2005 – elaboração de novas versões dos CBC e pesquisa de avaliação pela internet com professores. Lei 9.394/96 LDB (Resolução SEE Nº 666 de 07 de abril de 2005) Em 2006 – revisão dos CBC do Ensino Médio e ordenação dos conteúdos em função da Resolução SEE nº 753/2006.Em 2010 – ordenação e ajustes dos CBC do Ensino Fundamental tendo por base trabalho de especialistas e enquete junto a professores pela internet.
  • 5. O CBC, COMO PROPOSTA CURRICULAR, RESPONDEM AS QUESTÕES: O que Conteúdos, habilidadesensinar? e competências.
  • 6. O CBC, COMO PROPOSTA CURRICULAR, RESPONDEM AS QUESTÕES: As disciplinas são muitoPor que importantes naensinar? formação humana do aluno.
  • 7. O CBC, COMO PROPOSTA CURRICULAR, RESPONDEM AS QUESTÕES: Respeitando o ano deQuando escolaridade,ensinar? ordenamento dos conteúdos e habilidades
  • 8. O CBC, COMO PROPOSTA CURRICULAR, RESPONDEM AS QUESTÕES: Utilizando Como procedimentos,ensinar? metodologias e recursos didáticos.
  • 9. O CBC, COMO PROPOSTA CURRICULAR, RESPONDEM AS QUESTÕES: Prova escrita, atividades Como orais, simulação de júri, Utilizando diferentesavaliar? trabalhos emcomo: e estratégias grupo etc.
  • 10. A ESTRUTURA DO CBC
  • 11. PLANEJAMENTO1. Escolher um eixo temático2. Escolher o tema3. Escolher o tópico4. Selecionar as habilidades5. Verificar qual(is) conteúdo(s) pode(m) ser trabalhado(s) para desenvolver tal habilidade.Obs.: Fazer as escolhas com base na distribuição doCBC por ano escolar.
  • 12. Formulário para organizar o planejamentoEixo/tema Tópico(s) Habilidade(s) Conteúdo Recursos e Avaliação Estratégicas
  • 13. O uso do livro didático no CBCPassos:1º- Selecionar os eixos temáticos e temas, tópicos ehabilidades, referentes ao ano escolar no qual irálecionar.2º- Selecionar do livro didático adotado os textos,mapas, atividades que podem ser utilizadas para aconcretização do conteúdo do CBC.3º- Pesquisar em outros livros didáticos do mesmoano ou anos diferentes e outros materiais, as atividadesque podem ser utilizadas para concretizar as habilidadesselecionadas
  • 14. Importante É a habilidade que norteia a organização dasatividades, do conteúdo e da avaliação. Exemplo: Se eu quero que o estudante aprenda acomparar, a atividade planejada precisa propiciar acomparação. O conteúdo será expresso pelo objeto, fato oufenômeno que será comparado. A avaliação deverá contemplar a comparação e oconteúdo.
  • 15. O APOIO AO TRABALHO COM O CBC NO CRVO centro Virtual do Professor – CRV(http://crv.educacao.mg.gov.br) Procurar as Orientações Pedagógicas - OP(s). Procurar os Roteiros de Atividades - RA(s). Divulgar as práticas (voltadas para trabalhar o CBC) de cada professor no STR – Sistema de Trocas de Recursos Educacionais. Participar do Fórum dialogando sobre dúvidas, questionamentos e práticas.
  • 16. O planejamento adequado éa garantia de bons resultados!
  • 17. Em situações difíceis, quem analisa oproblema e cria as melhores estratégias estásempre um passo à frente da concorrência.
  • 18. OFICINA: As Matrizes de Referência do PROEB 9º Ano e suaarticulação com as Disciplinas Curriculares dos Anos Finais do Ensino Fundamental Implementação dos CBC Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Desenvolvimento da Educação Básica Superintendência de Desenvolvimento da Educação Infantil e Fundamental
  • 19. POR QUE AVALIAR?
  • 20. Para que avaliar? Mostrar em larga escala o contexto educacional. Testar a eficácia de um direito fundamental. Implementar ações mais condizentes com a oferta de uma educação de qualidade Promover a equidade de oportunidades educacionais. Melhorar a qualidade do ensino e da aprendizagem nas escolas. Subsidiar políticas públicas educacionais. Trazer práticas pedagógicas mais eficientes.
  • 21.  Para fazer a diferença, uma escola de educação básica deve ser capaz de promover o ensino e a aprendizagem com qualidade para todos. O direito à educação não se resume à vaga na escola; ele só se realiza com o desenvolvimento daquelas habilidades e competências que asseguram ao aluno o ingresso no mundo da cultura e da cidadania.
  • 22. O QUE ÉAVALIAR?
  • 23. É refletir sobre uma determinadarealidade, a partir de dados einformações, e emitir um julgamentoque possibilite uma ação.
  • 24. SIMAVE Sistema Mineiro de Avaliação da Educação Básica PROALFA PROEB PAAEO Programa de Avaliação da O Programa de Avaliação da O Programa de Avaliação daAlfabetização verifica os Aprendizagem Escolar é um Rede Pública de Educaçãoníveis de alfabetização sistema on line de geração de Básica tem por objetivoalcançados pelos alunos do provas e emissão de relatórios avaliar as escolas da rede2º, 3º e 4º anos do Ensino de desempenho por turma. pública no que concerne àsFundamental da rede pública Fornece dados diagnósticos habilidades e competênciase identifica o nível de para subsidiar o desenvolvidas em Línguadesenvolvimento dos alunos e planejamento do ensino e Portuguesa e Matemática.sua dificuldades para que a suas intervenções Avalia alunos do 5º e 9º anosescola promova as pedagógicas. Aplicada, do Ensino Fundamental e 3ºintervenções pedagógicas inicialmente, no 1º ano do ano do Ensino Médio.necessárias. Ensino Médio.
  • 25. O que é avaliado?
  • 26. O que é avaliado no PROEB? construídas a partir de propostas curriculares , pesquisas em livros didáticos e debates com educadores selecionadas Matriz de habilidades Referência: Habilidades passíveis de relevantes eaferição por meio Competências e representativas de testes Habilidades de de cada etapapadronizados de Língua de escolaridade desempenho Portuguesa SAEB (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica) e CBC são usados como base para os testes
  • 27. Matrizes de Referência Elemento base de origem dos testes utilizados no PROEB. Garantem legitimidade e transparência à avaliação. São formadas por um conjunto de descritores que, agrupados em tópicos/temas, apresentam as habilidadesconsideradas básicas e possíveis de serem aferidas por meio do instrumento utilizado em avaliações em larga escala.Não abarcam todo currículo escolar. Por isso, não podem serconfundidas com parâmetros curriculares e CBC nem com o conteúdo a ser trabalhado pelo professor em sala de aula.
  • 28. Como a Matriz de Referência dá origem aos testes? Caderno de testes Matriz Tópico/Tema Descritor Item do SIMAVE Agrupamento Agrupa as de Descritores Agrupa os itenshabilidades Representa selecionadospassíveis de Descreve uma subdivisão Avalia para cada cada uma etapa de avaliação de acordo apenas das escolaridade e em um com o habilidades uma única área do teste de conteúdo, habilidade. conhecimento da Matriz. avaliadas peloproficiência competências SIMAVE. de área e LP e MAT habilidades.
  • 29. Elementos que compõem as Matrizes de Referência para Avaliação As Matrizes de Referência para a Avaliação são constituídas por descritores, agrupados em Tópicos,para Língua Portuguesa, e em Temas, para Matemática.
  • 30. Tópico/Tema: Representa uma subdivisão de acordo com conteúdo, competências de área e habilidades. Língua Portuguesa MatemáticaI – PROCEDIMENTOS DE LEITURA I – ESPAÇO E FORMAII – IMPLICAÇÕES DO SUPORTE, DO II – GRANDEZAS E MEDIDASGÊNERO E/OU DO ENUNCIADOR NA III – NÚMEROS E OPERAÇÕES –COMPREENSÃO DO TEXTO ÁLGEBRA E FUNÇÕES IV – TRATAMENTO DAIII – RELAÇÃO ENTRE TEXTOS INFORMAÇÃOIV – COERÊNCIA E COESÃO NOPROCESSAMENTO DO TEXTOV – RELAÇÕES ENTRE RECURSOSEXPRESSIVOS E EFEITOS DE SENTIDOVI – VARIAÇÃO LINGUÍSTICA
  • 31. Descritores:- Como o próprio nome sugere, constituem uma―descrição‖ das habilidades esperadas ao final decada período escolar avaliado, em diferentes áreasdo conhecimento. Estão agrupados em determinadosTópicos/Temas, nas Matrizes, em função dasconvergências entre eles. Originam-se da associação entre os conteúdoscurriculares e as operações mentais efetuadas,traduzidas nas habilidades expressas pelos alunos. Item: - Questão que avalia uma única habilidade.
  • 32. Distratores: - alternativas que, a princípio são vistas como erradas ou incorretas, possuem pontos a seremconsiderados: possíveis hipóteses cognitivas dos alunos para cada uma das alternativas Habilidade: Resolver uma situação- problema de divisão que envolva o significado de repartir.
  • 33. Análise de Itens
  • 34. Exemplo de itemENUNCIADOSUPORTE COMANDO Reconhecer a conservação ou modificação de medidas dos lados, do perímetro, da área em ampliação e/ou redução de figuras poligonais ALTERNATIVAS usando malhas quadriculadas.
  • 35. Exemplo de item de LP que trata assuntos de outras disciplinasENUNCIADOSUPORTECOMANDO ALTERNATIVAS
  • 36. Quais práticas pedagógicas podem serimplementadas na sua escola para a melhoria daeducação e promoção da equidade deoportunidades, tendo em vista cada tema daMatriz de Referência?
  • 37. Há descritores que podem e devem sertrabalhados em todas as disciplinas do currículoescolar, assim, todos estarão contribuindo para odesenvolvimento de competências e habilidadesque são cobrados nas avaliações externas.
  • 38. Ciências pode auxiliar no desenvolvimentodos descritores da matriz de LínguaPortuguesa e Matemática, no entanto, nãopoderemos perder de vista odesenvolvimento das habilidades e o trabalhocom os conteúdos específicos da disciplina.
  • 39. CIÊNCIAS
  • 40. LP = D20) – Reconhecer diferentes formas de tratar uma informação na comparação de textos quetratam do mesmo tema, em função das condições em que eles foram produzidos e daquelas em queserão recebidos. (9º ano)Texto ICinquenta camundongos, alguns dos quais clones de clones, derrubaram os obstáculos técnicos àclonagem. Eles foram produzidos por dois cientistas da Universidade do Havaí num estudoconsiderado revolucionário pela revista britânica ―Nature‖, uma das mais importantes do mundo.(...) A notícia de que cientistas da Universidade do Havaí desenvolveram uma técnica eficiente declonagem fez muitos pesquisadores temerem o uso do método para clonar seres humanos.O Globo. Caderno Ciências e Vida. 23 jul. 1998, p. 36.Texto IICientistas dos EUA anunciaram a clonagem de 50 ratos a partir de células de animais adultos,inclusive de alguns já clonados. Seriam os primeiros clones de clones, segundo estudos publicadosna edição de hoje da revista ―Nature‖. A técnica empregada na pesquisa teria um aproveitamentode embriões — da fertilização ao nascimento — três vezes maior que a técnica utilizada porpesquisadores britânicos para gerar a ovelha Dolly.Folha de S.Paulo. 1º caderno – Mundo. 03 jul. 1998, p. 16.1- Os dois textos tratam de clonagem. Qual aspecto dessa questão é tratado apenas no textoI?(A) A divulgação da clonagem de 50 ratos.(B) A referência à eficácia da nova técnica de clonagem.(C) O temor de que seres humanos sejam clonados.(D) A informação acerca dos pesquisadores envolvidos no experimento
  • 41. D32 – Associar informações apresentadas em listas e/ou tabelas simples aos gráficos que as representam, e vice-versa.O gráfico a seguir mostra o número de casos de poliomielite (paralisia infantil) no Brasil, de 1986 a 2005. Fonte: Ministério da Saúde.
  • 42. Das tabelas a seguir, qual corresponde aos dados apresentados nesse gráfico?
  • 43. Trabalhando com o CBCde Ciências
  • 44. CBC??? POR QUÊ, PRA QUÊ E COMO? Tendo em vista a necessidade de implementar açõesque venham favorecer e facilitar os professores deCiências, junto ao Conteúdo Básico Comum (CBC),este encontro vem oferecer subsídio metodológico parasua utilização em sala de aula, partindo de cadarealidade escolar. Neste trabalho propomos uma inversão da maneirade olhar as aulas de ciências, gerando recursos criativospara a solução de problemas encontrados, apoiando aprática pedagógica docente com novos impulsos para apreparação dos planejamentos.
  • 45. Para começarmos... Sabemos que o novo sempre assusta,cria inseguranças, mas quandoconseguimos a certeza de que não estamossós e podemos contar com ajuda, tudo semodifica. Estamos aqui justamente para isso,cooperação é a palavra chave de nossotrabalho, queremos ouvi-los e a partir daíchegarmos ao aluno, nosso maior objetivo.
  • 46. Estrutura CBC Eixo Temático I 7 Temas Tópicos HabilidadesCBC Eixo Temático II 3 Temas Tópicos Habilidades Eixo Temático III 4 Temas Tópicos Habilidades
  • 47. EIXO TEMÁTICO:I – AMBIENTE E VIDA
  • 48. TEMA: DIVERSIDADE DA VIDA NOS AMBIENTES.OS SERES RELAÇÕES CADEIAVIVOS E O ENTRE OS ALIMENTARAMBIENTE SERES VIVOS BIOSFERA ECOSSISTEMAS CLASSIFICAÇÃO OS SERES MAIS BIOMAS DOS SERES SIMPLESBRASILEIROS (VÍRUS, MONERA, VIVOS PROTISTA)
  • 49. TEMA: DIVERSIDADE DA VIDA NOS AMBIENTES. REINO ANIMAL: OS INVERTEBRADOS REINO ANIMAL: OS VERTEBRADOS
  • 50. TEMA: DIVERSIDADE DOS MATERIAIS REAÇÕES LIXO QUÍMICAS PROPRIEDADES FÍSICAS E QUÍMICASMATÉRIA E O AR,ENERGIA CONSTITUIÇÃO, PROPRIEDADES
  • 51. TEMA: FORMAÇÃO E MANEJO DOS SOLOS SOLO: COMPOSIÇÃO, CONSERVAÇÃO ROCHAS E MINERAIS
  • 52. TEMA: DECOMPOSIÇÃO DE MATERIAISLIXO CADEIA ALIMENTAR OS SERES MAIS SIMPLES (VÍRUS, MONERA, PROTISTA)
  • 53. TEMA: QUALIDADE DA ÁGUA E QUALIDADE DA VIDA ÁGUA: ESTADOS FÍSICOS, QUALIDADE, PRESSÃO, COMPOSIÇÃO, CICLO DA ÁGUA, DOENÇAS.
  • 54. TEMA: ENERGIA NOS AMBIENTES TEIA E CADEIA MÁQUINASALIMENTAR TRABALHO E ENERGIA RELAÇÕES AS ENTRE OS TRANSFORMAÇÕESSERES VIVOS DA MATÉRIA E DA ENERGIA
  • 55. TEMA: EVOLUÇÃO DOS SERES VIVOS ROCHAS E CLASSIFICAÇÃO SEUS DOS SERES RECURSOS VIVOS. NATURAIS ORIGEM DA VIDA ORGANIZAÇÃO GENÉTICA E DOS SERES HEREDITARIEDADE VIVOS
  • 56. EIXO TEMÁTICO:II – CORPO HUMANO E SAUDE
  • 57. TEMA: DINÂMICA DO CORPO OS SERES MAIS SAÚDE SIMPLES PREVENTIVA (DOENÇAS) SISTEMAS DO CORPO HUMANO DOENÇAS: ANIMAIS SOLO,INVERTEBRADOS AR,ÁGUA (DOENÇAS)
  • 58. TEMA: SEXUALIDADE SEXO EREPRODUÇÃO PUBERDADE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
  • 59. TEMA: INTERAÇÃO DO CORPO COM ESTÍMULOS DO AMBIENTE ÓRGÃOS A DOS NATUREZA E SENTIDOS LUZ AS ONDAS E SOM E LUZ O SOM
  • 60. EIXO TEMÁTICO:III-CONSTRUINDO MODELOS
  • 61. TEMA: O MUNDO MUITO GRANDEMOVIMENTOS ATRAÇÃO GRAVITACIONAL ACELERAÇÃO UNIVERSO FORÇA
  • 62. TEMA: O MUNDO MUITO PEQUENO ÁTOMO E A SUBSTÂNCIAS ECLASSIFICAÇÃO AS MISTURAS ELEMENTOS FUNÇÕES CALOR E SUA QUÍMICOS QUÍMICAS TRANSMISSÃO LIGAÇÕES ELETRICIDADE E QUÍMICAS. MAGNETISMO
  • 63. TEMA: MECANISMO DE HERANÇA. AS BASES DA HEREDITARIEDADE
  • 64. TEMA: PROCESSO DETRANSFERÊNCIA DE ENERGIA.PRESSÃO DA PLANTAS E ÁGUA ALGAS ANIMAIS ANIMAISVERTEBRADOS INVERTEBRADOS
  • 65. E agora... O que fazer? Nas aulas de Ciências precisamos desenvolver noaluno o espírito de busca, utilizando títulosinteressantes. Aulas diversificadas para que várias sejam aspossibilidades de aprendizado.
  • 66. Experiências Júri Simples Biblioteca Filmes Leitura dedidáticos textos de apoio Produção deDesenhos Seminários Apoio do Livro didático Tirinhas e histórias em quadrinhos
  • 67. CIÊNCIAS E AINTERDISCIPLINARIDADE
  • 68. MATEMÁTICA E CIÊNCIAS MATEMÁTICA D1 - Identificar a localização de pessoas e objetos em mapas, croquis e outras representações gráficas. CIÊNCIASNas aulas de Ciências, usamosa pirâmide para indicar aproporção dos alimentos noconsumo de energia em nossocorpo.
  • 69. PORTUGUÊS E CIÊNCIAS CIÊNCIASIdentificar as mudançasde estado físico da águaem situações reais ecíclica das transformaçõesda mesma natureza. PORTUGUÊSAnalisar o cartum etransformá-la em umgênero diferente.D23- Identificar efeitos deironia ou humor em textos
  • 70. GEOGRAFIA E CIÊNCIAS CIÊNCIASEstabelecer relação entreextinção de espécies etransformações nos ambientesprovocadas pela ação humana. GEOGRAFIAImpactos ambientais, relaçãodo homem e a natureza,ecossistemas.
  • 71. HISTÓRIA E CIÊNCIAS CIÊNCIASReconhecer o papel dareprodução sexuada eassexuada na evolução ediversidade das espécies. HISTÓRIAEstudar a Evolução daEspécie humana.
  • 72. ED.FÍSICA E CIÊNCIAS CIÊNCIASIdentificar o alimentocomo fonte de energia. ED.FÍSICACompreender a relaçãoentre a alimentação e aprática de atividadefísica.
  • 73. ARTE E CIÊNCIAS CIÊNCIAS ARTEIdentificar e analisar O professor poderáalguns sistemas ou desenvolver coreografiasórgãos humanos em através de movimentosrepresentações corporais afim defigurativas. trabalhar o corpo, a mente, diminuindo assim o estresse, a obesidade...
  • 74. INGLÊS E CIÊNCIAS CIÊNCIASIdentificar, a partir decaracterísticas de animais evegetais,ambientes brasileirosaquáticos e terrestres. INGLÊSTrabalhar o vocabulário deInglês com os animais emextinção.
  • 75. Concluimos que...Há necessidade além de construção e reconstrução dossaberes , que se pretenda ao desenvolver competências ehabilidades , dedicar tempo para colocá-las em prática.Portanto, é importante que o professor seja atualizado,criativo, orientador e facilitador da aprendizagem.As metodologias utilizadas em sala de aula necessitamser revistas constantemente, procurando estaremcondizentes com as cobranças externas e principalmenteo entendimento do aluno. Assim estaremos atualizados.
  • 76. Professores, o tom dado emsuas aulas é único e muitopessoal.São entregues as “tintas” mas,a obra é sua!
  • 77. Atividade PráticaOficina 1
  • 78. Oficina 1TemaO CBC e a prática da sala de aula naperspectiva interdisciplinar.Objetivoso Oportunizar a reflexão sobre o CBC e a prática da sala de aula na perspectiva interdisciplinar, objetivando a melhoria do ensino
  • 79. o Analisar as interfaces do CBC de Ciências com as Matrizes de Referências do SIMAVE/PROEB 9º ano ensino fundamental.o Discutir e propor práticas pedagógicas para o trabalho interdisciplinar nos anos finais do ensino fundamental de modo a contribuir para a melhoria de desempenho dos alunos na disciplina Ciências e, também, em Leitura, Escrita e Matemática.
  • 80. Material de Apoio• CBC de Ciências• Matrizes de referência do PROEB/9º ano ensino fundamental.• Livros didáticosOrganização da OficinaHorário: 13h às 14hOs participantes serão divididos em seisgrupos e cada grupo deverá eleger umcoordenador com a função de otimizar otempo e de garantir a participação de todos.
  • 81. DesenvolvimentoCada grupo receberá um envelope pararealização desta oficina e:a) Fazer a análise da interface dos Descritores das Matrizes de Referência de Matemática e Língua Portuguesa do PROEB, 9º do Ensino Fundamental com o CBC da Disciplina Ciências;b) Realizar as atividades pedidas;
  • 82. c) Elaborar duas atividades pedagógicas que os professores de Ciências podem contribuir, efetivamente, em favor da melhoria da aprendizagem dos alunos, em Língua Portuguesa e Matemática. Lembre- se, no entanto, de que os professores não poderão perder de vista o desenvolvimento das habilidades e o trabalho com os conteúdos específicos da disciplina Ciências.d) Apresentar as atividades realizadas, no momento da plenária
  • 83. Momento da OficinaAs Matrizes de Referência do PROEB, o CBCde Ciências e as Práticas Pedagógicas.Realizar as seguintes atividades:Análise das interfaces:1- O CBC de Ciências contempla todos osdescritores da Matriz de Referência dePortuguês e de Matemática? Comente,justificando.R.:
  • 84. 2- Escolha uma habilidade do CBC deCiências e desenvolva uma práticapedagógica para o trabalho interdisciplinarcom um dos descritores das matrizes deReferência de Língua Portuguesa e deMatemática. Para isso, consulte livrosdidáticos e as matrizes.R.:
  • 85. Atividade PráticaOficina 2
  • 86. Oficina 2TemaPlanejando uma aula seguindo o CBC.Objetivoso Visualizar várias maneiras de planejar uma aula seguindo o CBC
  • 87. Material de Apoio• CBC de Ciências• Livros didáticos• Textos do gênero Tirinha• Tesoura• Cola• Jornais e revistas• CRV (Orientações Pedagógicas e Roteiros de Atividades)• Papel pardo
  • 88. Organização da OficinaHorário: 15h às 15h40Os grupos já organizados na oficina anteriordeverão elaborar um plano de aulaDesenvolvimentoCada grupo receberá um envelope pararealização desta oficina e:a) Grupos 1 e 2: Elaborar o planejamento de aula para 6º ano, segundo o CBC.
  • 89. b) Grupo 3: Elaborar o planejamento de aula para 7º ano, segundo o CBC.c) Grupo 4: Elaborar o planejamento de aula para 8º ano, segundo o CBC.d) Grupo 5 e 6: Elaborar o planejamento de aula para 9º ano, segundo o CBC.e) Apresentar as atividades realizadas, no momento da plenária
  • 90. Uma dica interessante Usar a sigla ITCAR (Introduzir,Trabalhar, Consolidar, Avaliar, Retomar),que funcionará como um passo a passo nodesenvolvimento do planejamento deaula.
  • 91. PlenáriaApresentação dos trabalhos em grupo;Considerações.
  • 92. Anjaly Lopes