A cada livro o seu leitor
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

A cada livro o seu leitor

on

  • 772 views

 

Statistics

Views

Total Views
772
Views on SlideShare
564
Embed Views
208

Actions

Likes
0
Downloads
4
Comments
0

11 Embeds 208

http://bibliotecasemrede.blogspot.pt 142
http://www.bibliotecasemrede.blogspot.pt 21
http://bibliotecasemrede.blogspot.com.br 20
http://bibliotecasemrede.blogspot.com 11
http://www.bibliotecasemrede.blogspot.com.br 6
http://bibliotecasemrede.blogspot.in 2
http://bibliotecasemrede.blogspot.it 2
http://bibliotecasemrede.blogspot.com.ar 1
http://bibliotecasemrede.blogspot.com.es 1
http://bibliotecasemrede.blogspot.fr 1
http://bibliotecasemrede.blogspot.mx 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

A cada livro o seu leitor A cada livro o seu leitor Document Transcript

  • III  JORNADAS  DAS  BIBLIOTECAS  DA  MAIA                18>19  OUTUBRO  2012       "A  cada  livro  o  seu  leitor"    Falar   de   leitura   e   de   leitores   é   muito   complexo.   No   fundo,   é   construir   uma   narrativa  sobre   o   que,   em   determinado   momento   histórico,   se   entende,   institucional   e  socialmente,  como  legítimo  em  termos  de  leitura.    Guerra  Junqueiro,  autor  de  Contos  para  a  Infância,  ao  dar  conselhos  sobre  o  que  as  crianças  deviam  ler  e  aprender,  escreveu:  “Se   a   tua   filha   tem   9   anos,   compra-­‐lhe   livros   instrutivos   e   agradáveis:   ensina-­‐lhe  línguas,   geografia   e   princípios   de   história   natural.   De   arte,   só   a   música,   e   essa   pouca  e   boa.   A   arte   é   um   excitante   poderosíssimo   que   transtorna   e   desequilibra   uma  organização   melindrosa.   Não   se   dá   um   poema   a   uma   criança   pelo   mesmo   motivo  porque   se   lhe   não   dá   uma   garrafa   de   vinho   ao   jantar.”   [Prefácio   à   2º   edição   de   A  Morte  de  D.  João,  um  ano  antes  da  publicação  das  suas  obras  para  a  infância]    Eça  de  Queirós:  “Eu  pergunto  a  mim  próprio  o  que  é  que  em  Portugal  lêem  as  pobres  crianças.   Creio   que   se   lhes   dá   Filinto   Elísio,   Garção   ou   outro   qualquer   desses  mazorros  sensaborões  quando  os  infelizes  mostram  inclinação  para  a  leitura.”    A   verdade   é   que   quando   o   livro   chega   às   mãos     do   leitor,   já   passou   por   inúmeros  crivos   que   são   as   tais   ‘censuras’   que   restringem   as   suas   possibilidades   de   escolha.  Por   que   se   publica   este   e   não   aquele   livro?   A   que   livros   dá   o   livreiro   grande  destaque?   Por   que   a   biblioteca   adquire   este   e   não   aquele   livro?   Por   que   razão   o  professor  sugere  este  e  não  aquele  título?  Por  que  motivo  o  pai  ou  mãe  se  pronuncia  favoravel   ou   desfavoravelmente   sobre   determinada   obra   e   aconselha   ou  desaconselha  a  sua  leitura?  O   editor   tem   uma   política   editorial   definida.   O   livreiro   não   atento   compra   por  catálogo   do   editor,   em   função   dos   pedidos   dos   clientes,   pedidos   dependentes   da  oferta  e  está  instalado  um  ciclo  vicioso.  Alguns  livreiros  restringem  as  suas  ofertas  às  novidades,   aos   ‘best-­‐sellers’   e,   nesta   perspetiva,   nada   oferecem   de   novo,   de  diferente   do   quiosque   da   esquina.   A   forma   como   os   livros   são   dispostos,   exibidos,   Angelina  Maria  Pereira    
  • III  JORNADAS  DAS  BIBLIOTECAS  DA  MAIA                18>19  OUTUBRO  2012  destacados   numa   livraria   também   condiciona,   direciona,   ‘obriga’,   restringe   a  liberdade   escolha.   A   ‘qualidade’   é   aferida   pela   capa   bonita,   vistosa,   pelo   tipo   de  papel,  pela  encadernação,  pelo  tamanho…  As   bibliotecas,   cujo   principal   papel   é   o   de   atrair   leitores,   também   fazem   as   suas  escolhas,   selecionando   ‘bons’   livros   ‘adequados’   às   diferents   ‘faixas   etárias’   (uma  divisão   baseada   nas   idades   e   que   é   tão   subjetiva   quanto   sabemos   que   não   há   2  crianças   de   4,   6   ou   8   anos   com   desenvolvimentos   afetivos,   intelectuais   e   culturais  idênticos,   nem   o   facto   de   se   ter   13   anos   significa   que   todos   os   rapazes   têm   um  derminado   ‘gosto’   e   as   raparigas   outro   diverso…).   E   tão   preocupados   estão   em  orientar   os   leitores   que   chegam   a   colocar   sinalética   nesse   sentido:   ‘Primeiras  Leituras’,  ‘Iniciação  à  Leitura’,  ‘Livros  Infantis’,  Livros  para  a  Infância’,  Livros  dos  8-­‐10,  Livros   dos   10-­‐12,   Livros   para   Adolescentes   e   por   aí   fora.   Numa   bibloteca   escolar,  acresce  o  ‘filtro  pedagógico’  que,  não  raramente,  retira  da  oferta  obras  que  sugerem  estar   fora   do   âmbito   pedagógico.   Os   temas   mais   fraturantes   são   evitados   para  previnir  as  críticas  dos  pares  e/ou  encarregados  de  educação…  Que  espaço  de  liberdade  resta  então  ao  jovem?  Pouca.  É  a  altura  em  que  se  torna  naquilo  que  consensualizámos  chamar  ‘não  leitor’.  Não  lê  nada.  Não  vai  à  biblioteca,  ou  melhor,  não  requisita  livros.  Mas  será  que  não  lê  mesmo  nada?  Ou  será  que  não  encontra  os  livros  e  os  suportes  que,  agora  (nesta  fase  do  seu  desenvolvimento)  que  lhe  suscitam  curiosidade?  Como  se  explica  este  paradoxo  que  é  de  haver  uma  oferta  brutal   (como   nunca   houve   em   épocas   passadas)   de   obras   para   o   denominado  ‘público  juvenil’?  De  facto,  o  que  causa  entropia  neste  aparente  paradoxo,  é  uma  concertada  opinião  do   que   é   cultura,   do   que   são   livros   ‘bons’   em   oposição   aos   livros   ‘maus,   ou   de  qualidade  literária  muito  duvidosa…  A  banda  desenhada  é  boa?  Uhmmmm…  Talvez  o  Tintin,  o  Astérix…  Não  vale  a  pena  comprar…É  leitura  sem  conteúdo.  Os  livros  são  demasiados   caros.   Os   jovens   não   gostam,   também   se   ouve.   Revistas?Jornais?  Também   não   se   investe   nestes   suportes   ou,   pelo   menos,   não   de   forma   assumida  através  de  uma  oferta  variada  em  temas  e  em  atualidade.  Os   ‘clássicos’   são   bons   porque   resistiram   ao   choque   das   gerações   mas   como  podemos  nós  prever  quais  são  as  obras  que  hoje  publicadas  vão  perdurar  e  aquelas  que  são  esquecidas  para  sempre?     Angelina  Maria  Pereira    
  • III  JORNADAS  DAS  BIBLIOTECAS  DA  MAIA                18>19  OUTUBRO  2012    “Um   dos   primeiros   e   mais   emocionantes   livros   que   li   foi   A   Vida   Sexual,   de   Egas  Moniz,  que  descobri,  aos  9  ou  10  anos,  numa  gaveta  do  meu  pai.  Aos  sábados,  lia,  no  Cavaleiro   Andante   histórias   inesquecíveis,   como   o   Tartarin   de   Tarascon   ou   o   Beau  Geste.   No   resto   da   semana,   os   livros   que   apanhava   em   casa   dos   amigos   dos   meus  pais  e  na  Biblioteca  Itinerante  da  Gulbenkian:  romances  ao  acaso  (Tom  Sawyer,  Huck  Finn,  Os  Maias,  O  Homem  Invisível,  policiais…),  livros  de  poemas  ao  acaso  (Pessoa,  Augusto   Gil,   Alexandre   O   ‘Neil,   Thomas   Kim,   Mário   Cesariny…)   e   também   Alice   no  País  das  Maravilhas,  A  Viagem  Maravilhosa  de  Nils  Holgersson  através  da  Suécia  ou  entradas  avulsas  da  Enciclopédia  Verbo.  Em  boa  parte,  eu  sou  feito  de  todos  esses  livros   e   de   muitos   mais   que   vieram   depois”   [Manuel   António   Pina   numa   entrevista   a  JA  Gomes  e  publicada  na  revista  Malasartes  nº  2  de  2000]    “Há   cada   vez   mais   escritores,   grandes   escritores,   a   produzir   obras   para   jovens  leitores.   Classificar   os   escritores,   como   quem   ordena   insectos,   em   diferentes  géneros,   parece-­‐me   uma   tarefa   ainda   mais   vã   e   mais   árdua   do   que   classificar  insectos.   As   fronteiras   são   da   competencia   das   polícias.   Os   grandes   escritores  costumam   ignorá-­‐las.   (…)   também   é   verdade   que   nem   todos   os   clássicos   de  literature  infantil  são  boa  literatura.  É  preciso  reformar  o  Lobo  Mau.  Não  proponho  que   se   escrevam   versões   politicamente   corretas   dos   velhos   contos   infantis   (…)  parece-­‐me   natural   que   as   crianças   prefiram   histórias   do   seu   próprio   tempo.   Aprendi  com   o   meu   filho   que   se   pode   chegar   à   grande   literature   por   muitas   portas.   Mas   a  melhor,  sem  dúvida,  é  através  dos  primeiros  livros”  [Agustina  numa  entrevista  a  J  E  Agualusa  publicada  na  revista  Pública  em  junho  de  2002]    Como  afirma  Nicole  Robine:  “É  ignorar  a  amplitude  do  campo  das  suas  leituras  (dos  jovens)   e   recusar   o   estatuto   de   leitura   a   todos   os   suportes   que   não   estejam   no  âmbito   da   literatura   ‘legítima’.   Na   realidade   os   jovens   lêem,   lêem   até   muito   mais   do  que  os  adultos.  Mas  as  leituras  deles  não  são  reconhecidas  como  tal  porque  o  livro  não   ocupa,   necessariamente,   o   1º   lugar.   Outros   suportes   (imprensa,   ecrãs...outras  formas  de  escrita  –  BD,  programas  informáticos)  contam.  Enfim,  é  tão  falso  falar  de  leitura  no  singular  como  considerar  a  juventude  uma  entidade...  Há  literaturas  para   Angelina  Maria  Pereira     View slide
  • III  JORNADAS  DAS  BIBLIOTECAS  DA  MAIA                18>19  OUTUBRO  2012  jovens,   há   leituras   sempre   em   evolução,   há   crianças,   e   tudo   e   todos   vivem   fases  sucessivas.”  Há   adolescentes   que   lêem   para   além   do   plano   institucional.   São   as   chamadas  ‘leituras   selvagens’   como   lhes   chama   Bernadette   Poulou.   “Trata-­‐se   de   2   circuitos  paralelos  e  sem  qualquer  comunicação  e  que  coexistem  em  perfeita  ignorância  um  dos  outro:  um  existe  em  função  dos  professores  ou  dos  pais,  o  outro  é  autónomo.  Embora   não   circulem   debaixo   de   mão,   o   prazer   que   reside   na   sua   circulação   tem  contudo  este  registo  e  suscita  a  sua  ‘magia’...  A  liberdade  de  ler,    a  liberdade  de  escolher  o  que  ler  é  fundamental  ser  respeitada.  O  jovem  é  um  ser  em  busca  da  sua  autonomia,  está  em  processo  de  crescimento  e  as  leituras   oferecem-­‐lhe   essa   fantástica   oportunidade   de   se   descobrir   e   construir   a   si  próprio.      E  a  terminar...  “  um  livro  é  feito  de  papel  e  tinta.  Ah!  Claro  e  também  de  cola...  Mas  isso  não  é  tudo.  É  feito  de  muitas  outras  coisas.  Um  livro  pode  ser  algo  completamente  distinto.  Um  rio   que   te   leva,   uma   nuvem   em   movimento   na   qual   podes   viajar,   uma   janela   para  outros   mundos.   Num   livro   podes-­‐te   perder,   podes   olhar-­‐te   como   num   espelho,  podes  reconhecer-­‐te.  Há  livros  que  esquecemos  de  imediato  e  livros  que  levaremos  connosco   por   todo   o   lado.   Cada   livro   é   um   começo,   diferente   para   cada   leitor.     A  mim   agrada-­‐me   mas   a   ti   não   te   agrada.   Para   mim   é   perfeito,   para   ti   completamente  inútil.  E  isto  está  bem  assim.  Porque  os  leitores  são  diferentes.  Cada  livro  procura  o  seu   leitor   e   cada   leitor   procura   o   seu   livro.   Um   leitor   que   se   aborrece,   um   leitor  indeciso   ou   dececionado,   é   um   leitor   que   ainda   não   encontrou   o   livro   que   lhe  convém.  Mas  esse  livro  está  aí  algures.  À  espera  do  seu  leitor.  E  quando  o  livro  e  o  leitor   se   encontram,   é   fantástico.   Às   vezes   os   livros   precisam   de   algumas   pessoas  para  chegarem  às  mãos  dos  seus  verdadeiros  leitores,  pessoas  como  o  pai,  a  mãe,  os  avós,   os   bibliotecários,   os   amigos...   É   preciso   ajudar   os   livros   porque   eles   não   têm  pés   para   sair   em   passeio.   Mas,   em   contrapartida,   têm   asas,   e   emprestam-­‐tas  enquanto   os   lês,   durante   o   tempo   que   quiseres.   Há   muito   boas   razões   para   ler:  porque   é   fascinante,   porque   ‘te   remueve’,   porque   te   levam   longe,   porque...   e   outra,  e  outra  pelo  menos  101  razões...”  Beatrice  Masini     Angelina  Maria  Pereira     View slide