Your SlideShare is downloading. ×

Proposta 1

160
views

Published on

Published in: Education

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
160
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. COLÉGIO MARISTA CRICIÚMA Professora: Angélica Manenti Redação ENEM 2013 Proposta #1Com base na leitura dos textos motivadores seguintes e nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação,redija um texto dissertativo-argumentativo em norma padrão da Língua Portuguesa sobre o tema A CRISE DA MÃODE OBRA QUALIFICADA E AS VAGAS NÃO PREENCHIDAS, apresentando proposta de conscientização social querespeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos paradefesa de seu ponto de vista.Falta de mão de obra qualificada faz sobrar vagas no setor privadoEnquanto o serviço público é muito procurado pelos trabalhadores, em alguns setores privados sobram vagas. A faltade mão de obra qualificada é o principal motivo apontado pelos empregadores. Até pequenas empresas estão comdificuldade de contratar.Em São Paulo, duas mil vagas são abertas por mês nas agências de emprego da prefeitura, mas muitas não sãopreenchidas. Algumas não precisam de tanta qualificação, mas mesmo assim tem sido difícil achar pessoal paracontratar.Há vagas, faltam trabalhadores. A frase começa a ficar comum. “Telemarketing eu não quero. Auxiliar administrativopode ser”, afirma uma candidata.Um supermercado tem, em média, 40 vagas por mês que não consegue preencher.“Tem gente que gostaria de ser manobrista e nem carteira de habilitação tem”, afirma Vânia Batista, analista derecursos humanos.A falta de funcionários não é só para o cargo de manobristas. Faltam empacotadores, repositores, atendentes debalcão de frios. “Trabalhar sábado, domingo, feriado, as pessoas não querem mais essas situações. Então, tendo apossibilidade de estudar, ele quer trabalhar de segunda a sexta”, ressalta a analista.Não é porque sobram vagas que o empregador contrata indiscriminadamente. A primeira grande dificuldade éencontrar um candidato que saiba escrever, ler e entender o que leu. “Se você colocar 10 pessoas em uma sala, 4pessoas não sabem o que estão lendo, não têm o discernimento de entender o que é o teste. É um fator dereprovação. Não tem como contratar”, lamenta Vânia Batista.Fonte: www.g1.globo.com (com adaptações)
  • 2. Cresce a participação de mulheres na construção civilCuidado, capricho e atenção aos detalhes somados à falta de mão de obra. Essa combinação está fazendo com que aparticipação das mulheres em um ramo historicamente dominado pelos homens cresça cada vez mais. A construçãocivil atrai mulheres que buscam uma colocação no mercado de trabalho, e também aquelas que veem no segmentouma forma de ganhar mais dinheiro do que nas profissões tradicionalmentes femininas.Segundo a Relação Anual de Informações Sociais (Rais) do Ministério do Trabalho e Emprego, o número de mulheresatuantes na construção civil aumentou 65% na década. Em 2000 elas eram pouco mais de 83 mil entre 1,094 milhãode pessoas empregadas. Já em 2008, elas ocupavam 137.969 vagas em um estoque de trabalhadores de quase 2milhões.Mônica Renata dos Santos há dois anos abandonou o trabalho como diarista para se dedicar exclusivamente àsconstruções. Hoje ela conta que é pedreira. "Desde criança eu gosto de observar obras para aprender. Quando tinhaalguma reforma em casa, meu pai me mandava ir pra dentro, porque ali não era lugar de menina. Mas eu meescondia para olhar”.Mônica está em uma obra e já tem fila de espera de serviços. "Estou realizando meus sonhos por meio daconstrução. Já quitei o meu carro e o próximo passo é construir minha própria casa". Com seu salário de pedreira, elasustenta três filhos e ajuda a mãe. "Meus filhos têm orgulho da minha profissão", conta a pedreira.Fonte: www.g1.globo.com (com adaptações)INSTRUÇÕES:O rascunho da redação deve ser feito antes da versão final.O texto definitivo deve ser escrito a tinta, na folha própria, em até 30 linhas.A redação com até 7 (sete) linhas será considerada “insuficiente” e receberá nota zero.A redação que fugir ao tema ou que não atender ao tipo dissertativo-argumentativo receberá nota zero.A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação terá o número de linhas copiadasdesconsiderado para efeito de correção.