Gravuras portuguesas vitor_oliveira_jorge

527 views
448 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
527
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Gravuras portuguesas vitor_oliveira_jorge

  1. 1. Gravuras portuguesas VÍTOR OLIVEIRA JORGE0. INTRODUQAO outra lógica e porque desconhecemos o tecido ideo- lógico que lhes dava todo o sentido. E preciso par- As manifestagoes de arte rupestre pré-histórica tir do principio geral de que as figuragoes rupestresportuguesa, abstraídos os dois únicos casos datando sao normalmente o resultado de urna actividadedo Paleolítico superior (Escoural, no Alentejo, e simbólica, fortemente padronizada, e sujeita aMazouco, em Trás-os-Montes), inserem-se em tres regras que escapam ao dominio do consciente; agrandes «mundos»: o megalítico, o da pintura em sua abordagem científica exige, assim, um tratamentoabrigos sob rocha, e o das gravuras em rochedos ao sistemático que nos permita establecer a sintaxe daar livre. Trata-se de urna classificagáo cómoda, mas linguagem que essas manifestagoes constituem, co-mais «arqueológica» do que «pré-histórica», pois, mo base para a tentativa de compreensáo da respec-como é evidente, em cada momento e em cada cul- tiva semántica.tura o homem pode ter-se expressado de diferentes Em Portugal estes estudos, em moldes moder-formas, que nada obriga a que sejam mutuamente nos, estáo praticamente no seu inicio. A descoberta,exclusivas; antes pelo contrario, tudo indica que em 1971, da arte rupestre do vale do Tejo, veioaqueles tres grupos de mifestagoes possam ter tido acordar para a importancia da renovagáo das pes-relagoes entre si, pelo menos em determinadas fa- quisas, permitindo a formagáo de alguns investiga-ses ou aspectos em que se concretizaram. dores metodológicamente actualizados, entre os Os estudos de arte pré-histórica —um dos cam- quais é justo destacar Antonio Martinho Baptista;pos mais difíceis e sujeitos a interpretac5es subjecti- entretanto, a publicagáo recente do corpas de artevas da nossa ciencia— tém sofrido, particularmente megalítica de E. Shee Twohig contribuíu tambémem Portugal, de graves insuficiencias metodológicas para o repensar dos problemas das gravuras e pin-e, amiúde, de um grande primarismo interpretati- turas dolménicas no contexto mais geral da artevo. A inexistencia, em muitos casos, de levanta- pré-histórica do nosso territorio.mentos rigorosos e completos, base indispensável Portugal participa com elementos de importan-da investigagáo, somou-se a decifragáo casuística do cia muito desigual para o estudo de arte pré-significado de motivos isolados, a procura de para- histórica ibérica pós-paleolítica, consoante se consi-lelos desgarrados do seu contextos, ao estabeleci- dere um ou outro dos tres ámbitos atrás anun-mento de esquemas de evolugáo unilinear clara- ciados. No dominio megalítico tal contributo é as-mente violadores da complexidade dos factos. É saz importante, pois é no Ocidente hispánico quepreciso reconhecer, em muitos casos, o primado da encontramos a maior densidade de manifestagoes,composigáo (mais ou menos descritiva ou abstracta) com destaque para a originalidade das pinturas pa-sobre a acumulagáo anárquica de figuragoes, que só rietais dolménicas. Já no que diz respeito, pornos parecem anárquicas porque pertencem a urna exemplo, a arte dos abrigos pintados, o nosso país 1 ELIZABETH SHEE TWOHIG, The Megalitbic Art of WesternEurope, Oxford, Clarendon Press, 1981.ZEPHYRVS, XXXVI, 1983
  2. 2. 54 Vítor Oliveira Jorgepode considerar-se como um territorio marginal, quando incluido em contextos variados. Por outroem cujo interior se encontram os ecos mais ociden- lado, há que ter também em conta o sentido vo-tais de un círculo (ou círculos) artístico pujante- luntariamente ambiguo, e abstratizante, de toda amente representado em Espanha: estamos reduzi- arte esquemática, em que muitos motivos parecedos aos abrigos da Serra dos Lougoes (Portalegre) e, precisamente procuraren! exprimir de forma plásticamais para norte, aos da Pala Pinta, Cachao da Rapa a ambivalencia do real, fundindo formas ou servin-e Penas Róias, todos em Trás-os-Montes. Todavía, do-se de convengoes que sao hoje interpretáveis detemos indicagóes de que outros existem, ainda iné- um ou outro modo conforme a intuigáo do investi-ditos, como, por exemplo, o de Paredes da Beira gador. Trata-se, sem dúvida, de tentativas, por par-(S. Joáo da Pesqueira), com figuras humanas sur- te do homem da Pfé-história recente, de traduzirpreendentemente sub-naturalistas. gráficamente ideias abstractas, que nada tém a ver No que toca as insculturas em rochedos ao ar com a representagao objectiva de elementos do real,livre, possui o territorio portugués um complexo de atomísticamente considerados. Por fim, há que terimportancia qualitativa e quantitativa: o do vale do sempre em linha de conta a existencia de vetda-Tejo, que se estende por cerca de 40 Km, e que deiros universais das formas, que podem aparecerinclui varias dezenas de milhar de gravuras, ainda ñas mais diferentes épocas e latitudes sem qualquerincompletamente publicadas. Desde o inicio do seu relagáo entre si; neste ámbito, as sobrevivencias re-estudo que se tornou patente a impossibilidade de centes de pretensos motivos pré-históricos saoo inserirmos no «grupo galaico-portugués», defini- numerosíssimas, como acentuaram Ferro Couselo,do, em sucessivas tentativas de sistematizagáo e F. Manuel Alves e Carlos Alberto F. de Almeida,periodizagáo, por Obermaier, Sobrino Lorenzo- entre outros.Ruza, E. Anati e diversos outros autores 2. Essa im- Urna tentativa importante de clarificagáo dospossibilidade pode estender-se a varias outras problemas dos petróglifos do Noroeste peninsularmanifestagoes inscultóricas de ar livre do nosso foi feita por Sobrino Lorenzo-Ruza (1952) 4 , ao de-territorio, como desde logo, por exemplo, o grupo finir um grupo de motivos «galego-atlánticos» co-Ridevides (Alfándega da Fé) - Molelinhos (Tondela) muns a varios paises da Europa ocidental, e ao re-- Pedra Letreira (Góis) 3 que, pela matéria-prima do meter para um momento tardio, em grande partesuporte, técnica empregada e temática, nada tem a já da época crista, muitos cruciformes, antescr com as gravuras do chamado grupo «galaico- incluidos por Obermaier (1923, 1925) na sua faseportugués». Justamente, é tempo de rever este con- mais antiga. Avangos significativos, sobretudo pelaceito, e de ultrapassar sistematizagoes grosseiras ba- riqueza da problemática, deram também os tra- 5seadas em compartimentagoes geográficas muito bamos de E. Anati (1968, sobretudo) , que no en-ampias; se existe um «grupo galaico-portugués», há tanto se basearam na periodizagáo em cinco fasesque circunscrever as suas características, a sua área de um ciclo de longa duragáo em grande medidade dispersao geográfica para cada fase evolutiva, concebido em termos evolucionistas unilineares,numa palavra, dar-lhe um conteúdo preciso. É evi- que tém sofrido nos últimos anos justas críticas pordente que tal objectivo tem de partir da análise dos parte dos autores galegos (García Martínez, Váz-testemunhos, nao em termos de temas primarios, quez Valera, Peña Santos). Apesar, porém, do¡solados, mas, repetimos, de conjuntos homogéneos grande esforgo de investigagáo a que se tem assisti-e de quantidades significativas, urna vez que numa do últimamente na Galiza —o qual só agora come-arte fortemente esquemática ou simbólica o mesmo ga a ser levado a cabo no Norte de Portugal— e demotivo, plásticamente falando, pode esconder muitos contributos importantes que lhe sao devi-significagoes muito diferentes, nomeadamente dos, ainda nao foi possível contrapor a 2 4 V. ANTONIO MARTINHO BAPTISTA, «Introdueáo ao estudo SOBRINO LORENZO-RUZA, R., «Origen de los petróglifosda arte pré-histórica do Noroeste Peninsular. 1. Gravuras ru- gallego-atlánticos», Zephyrus, III, 1952, pp. 125-149.pestres do Giáo», Minia, 2 a s, n° 4, 1980, pp. 80-100. Incluí a 5 E. ANATI, Arte Rupestre nelle Regioni Occidentali dellabibliografía fundamental. Penisola Ibérica, Capo di Ponte, Centro Camuno di Studi Preis- 3 J. DE CASTRO NUNES, A. N. PEREIRA e A. M. BARROS, A torici, 1968.Pedra Letreira, Góis, Cámara Municipal, 1959.
  3. 3. Gravuras portuguesas 55teoría de Anati, manifestamente débil, urna nova em que as paredes dolménicas se encontravam pre-visao de conjunto interpretativa. O livro de Peña enchidas de acordó com urna organizagáo harmóni-Santos e Vázquez Várela «Los Petroglifos Gallegos» ca e envolvente, pomos a hipótese de quando esta-(1979) s , organizado por temas artificialmente ¡sola- mos perante urna ornamentagáo gravada mais par-dos, nao questiona suficientemente, quanto a nos, celar esta poder ser o residuo conservado de urnaconceitos-base como o do propio grupo «galaico- decoraeao funeraria que se completaria pela pintu-portugués». ra. A nao ser que encaremos, o que nao é nada Mas é altura de abandonarmos estas questoes impossível, a hipótese de dois modos de conceber agerais; concentrando-nos no tema da nossa expo- organizagáo decorativa dolménica, um mais «exaus-sigáo, fagamos agora urna breve alusao as gravuras tivo» do que outro, em termos de ocupagáo de ummegalíticas para, depois, abordarmos alguns dos espago parietal gravável ou pintável. Afinal, algoconjuntos mais importantes de insculturas de ar que se nota também, por exemplo, na Bretanha,livre do territorio portugués. onde a ornamentagáo própria dos dólmens de corredor está frequentes vezes reduzida a alguns te- mas básicos, enquanto que num dolmen como o de1. GRAVURAS DOLMÉNICAS Gavrinis estes se encontram embebidos numa Na arte megalítica portuguesa coexistem fre- organizagáo decorativa que alguém caracterizou co-quentes vezes, em painéis inequivocamente co- mo de «horror ao vacuo», pois até as faces externasevos, os motivos subnaturalistas ou esquemáticos e dos esteios, cobertas pelo «cairn», se encontram (pe-os elementos geometrizantes e abstractos. Basta ci- lo menos parcialmente) decoradas.tar o caso excepcional do dolmen pintado de Ante- Muitos sao de facto os problemas que a interpre-las (Oliveira de Frades), ou de urna laje pintada tagáo de arte dólmenica levanta, quais sejam assem indicagáo de proveniencia (mas corresponden- relagoes (cronológicas ou outras) da pintura com ado decerto a um esteio) existente no Museu do Ins- gravura (por exemplo, em Escariz 1, Arouca, ondetituto de Antropología do Porto, na qual um existem tres esteios com serpentiformes pintados ecírculo radiado e duas figuragoes antropomórficas se gravados, nuns casos a pintura é anterior as gravuras,encontram enquadrados por linhas onduladas verd- noutros passa-se o contrario, seg. Shee Twohig, op.eáis e horizontais, como que a formar urna moldu- cit., p. 149), o significado da maior ou menor cargara. No caso dos dólmens simplesmente gravados es- decorativa a que aludimos, e o sentido da presenga deta constatagáo é menos evidente, mas nota-se ape- dólmens com decoragáo sub-naturalista (Juncais, Vi-sar de tudo em Carapito 1 (Aguiar da Beira), por seu), mais ou menos esquemática ou abstracta (Chaoexemplo, a presenga simultánea de círculos radiados, Redondo 2, Sever do Vouga), ou conjugando as duasde círculos simples ou duplos o de linhas curvas ou (casos referidos ácima, por ex.). Nao nos repugna ad-onduladas; num dolmen como o de Cha de Parada mitir que todas estas solugoes tenham coexistido, mas(Baiáo) encontramos urna figura radiada, um moti- também nao é impossível que elas testemunhem urnavo constituido por dois círculos e urna covinha («fa- certa sucessáo diacrónica, dada a longa vigencia doce oculada»?) e quatro representagoes de o «objec- megalitismo no Noroeste peninsular.to», de identificagáo difícil; todavía, segundo umtexto inédito de Serpa Pinto, existiriam vestigios depintura na laje de cabeceira (onde se véem essas 2. O COMPLEXO DE ARTE RUPESTRE DO TEJOfiguragoes do «objecto»), nao sabendo nos se taispinturas nao completariam as gravuras, dando á to- Nao vamos, aqui, repetir tudo o que tem sidotalidade da decoragáo um maior sentido de conjun- escrito sobre este complexo rupestre. Táo só recordar to. Realmente, tendo presentes os exemplos pinta- que sobre ele foram apresentadas diversas tentativas dos de Antelas, Pedra Coberta (Corunha) e outros, de periodizagáo, a primeira das quais, em 1972 (Serrao et al.)7 compreensivelmente inspirada na 6 A. DE LA PEÑA SANTOS e J. M. VÁZQUEZ VÁRELA, LOS JORGE, «O complexo de arte rupestre do Tejo (Vila Velha de Ró-Petroglifos Gallegos, La Coruña, Ed. do Castro, 1979. dáo - Nisa): noticia preliminar», Arqueología e Historia, 9 a s, 7 E. DA CUNHA SERRAO, F. SANDE LEMOS, J. PINHO MON- IV, 1972, pp. 349-380.TEIRO, M. ANGELES QUEROL, S. RODRIGUES LOPES e V. OLIVEIRA
  4. 4. 36 Vítor Oliveira Jorgesistematizagáo de Anati para o «grupo galaico-por- encontra publicado na Enciplopédia Verbo (20°tugués». Ai se concebía um largo período ao longo vol., 1980).do qual as gravuras do Tejo teriam sido produzi- A disparidade das tentativas de interpretagáodas, entre o Neolítico e a Idade do Ferro, notándo- cronológico-cultural do complexo artístico do Tejose, já entáo, a praticamente total ausencia de mostra bem a dificuldade da tarefa, mas também apetróglifos atribuíveis a fase III de Anati (a dos precocidade da intengáo. O estudo da informagáo re-«ídolos e punhais»), colhida exige urna equipa ampia (alias já nomeada Tendo visitado o Tejo em 1974, este investiga- oficialmente) e a publicagáo de um «corpus», que nosdor, baseando-se em consideragoes climáticas gerais dé de facto urna visáo de conjunto. Até lá, é abusiva(de modo algum comprovadas na regiáo), as quais qualquer afirmagáo peremptória de urna cronología.teriam condicionado o volume de aguas do rio e, Temática, estilo, graus de pátina-desgaste, disposigáologo, a emersao ou imersáo dos bancos xisto-grauvá- de cada elemento no espago operativo da rocha, e,quicos em que as gravuras foram feitas, propós sobretudo, sobreposigoes, tudo isso terá de jogar mi-duas fases bem distintas, a primeira correspondente ma interpretagáo final, que trate estatisticamente oa um momento evoluído do Boreal (6500 - 5500 a. conjunto das informagoes conseguidas. Como é evi-C.) —seria a fase epipaleolítica— e a segunda da- dente, urna sobreposigáo parcial de motivos nao indi-tando do Sub-boreal (3000 - 2000 a. C.) e perten- ca necessariamente urna «estratigrafía» cronológico-cendo ao Neolítico tardio. Estes seriam os dois mo- cultural, mas táo somente urna sequéncia dementos em que o rio teria um caudal menor, resul- gravagoes, mais ou menos fortuita ou intencional; sótante de um clima mais seco, e em que a agua as- a sobreposigáo total, digamos, que «nega» a impor-sumiria, assim, urna importancia extraordinaria pa- tancia ou significagáo do motivo anterior (apagando-ra o homem, levando-o a prestar-lhe culto, através o ou mutilando-o), pode querer significar um desfa-da realizagáo das gravuras, especie de ex-votos8. samento cronológico e/ou cultural. Por isso, asPosteriormente, A. Martinho Baptista e outros observagoes feitas numa rocha —mesmo que conside-autores (1978), a partir do estudo da estagáo de S. rada «a priori» como urna ponta por onde comegar aSimao, propuseram um novo esquema, em tres fa- desenlear a meada— só seráo significativas quandoses: urna «pré-megalítica» e duas fases «megalíti- testadas estatisticamente. Nunca é demais repetir acas», estendendo-se, no seu conjunto, de c. de ligáo de Leroi-Gourhan, que nos mostrou a exaustáo4500 a c. de 2250 a. C. 9. que o cálculo é o nosso único fio de comunicagáo Mais tarde, em 1980, Várela Gomes e Pinho possível com a intengáo do artista pré-histórico! SeMonteiro apresentaram ao IVo Congresso Nacional nao, apenas nos limitamos a substituir urna intuigáode Arqueologia, de Faro, urna interpretagáo dife- por outra, mais ou menos bem apoiada. Tudo istorente, que voltava a consideragáo de um ampio sao verdades bem sabidas, mas raramente passadas á«ciclo» de desenvolvimento estilístico-temático, des- prática; há etapas do trabalho que se nao podemta vez em 6 fases. Eram elas: «sub-naturalista» (c. queimar, muito embora nao nos demitamos de in-VIo milenio a. C ) , «estilizada-estática» (Neolítico), terpretar em cada momento. A arte do vale do Tejo«estilizada dinámica», com paralelos na arte levanti- beneficiou de um enorme esforgo analítico de campo; na e na arte dolménica portuguesa (Juncais, Loba- falta agora o corresponde esforgo de gabinete. O quegueira) (Neolítico pleno), «meridional» (IIIo mile- importa é por a informagáo ao dispor de todos os in- nio a. C.) (Calcolítico), «atlántica» (I. do Bronze vestigadores, antes que se perca, nao fazer exercíciospleno) e, finalmente, «dos círculos e linhas» (fináis de erudigáo mais ou menos inspirados. da I. do Bronze e principios da I. do Ferro, isto é, O mais recente trabalho de A. Martinho Baptis-segundo os autores, dos fins do II o milenio aos ini- ta, sobre «A Rocha F-155 e a Origem da Arte do cios do I o milenio a. C ) . E este esquema que se Vale do Tejo» 10, ilustra precisamente o que acaba 8 E. ANATI, «Incisioni rupestri nellalta valle del Fiume Portalegre), Portugal», Madrider Mitteilungen, 19, 1978, pp. 89-Tago, Portogallo», Bolletino del Centro Camuno di Studi Preis- 111. 10torici, XII, 1975, pp. 156-160. A. MARTINHO BAPTISTA, A Roda F-155 e a Origem da 9 A. MARTINHO BAPTISTA, MANUELA MARTINS e E. DE Arte do Vale do Tejo, Porto, Grupo de Estudos Arqueoló-CUNHA SERRÁO, «Felskunst im Tejo-tal - Sao Simao (Nisa, gicos do Potto, 1981.
  5. 5. Gravuras portuguesas 57de se dizer. Valiosíssimo documento é a sua exausti- exemplo) ou temas que também surgem na decora-va análise daquela rocha, acompanhada de rigoroso gao parietal dolménica (círculos radiados como os dadecalque, e exacto posicionamento no conjunto da rocha F-90, por exemplo), nao há a mínima dúvida.topografía da estagao de Fratel; discutível é porém Que aqui, como ñas gravuras do NW peninsular,a sua tentativa de repartigáo dos 104 motivos ali também os grandes animáis aparegam associados inti-presentes por tres fases de gravagáo, a primeira sub- mamente a motivos geométricos, mostrando o carác-dividida em duas sub-fases. De facto, esta última, ter profundamente simbólico desses zoomorfos, e,com figuras zoomórficas e algumas espiráis (um dos mais urna vez, a importancia quase universal doméritos deste trabalho é demonstrar a antiguidade cervídeo para a mitología do homem da Pré-históriada espiral e a sua associacáo a cervídeos, por recente da Península (quigá como um dos animáisexemplo, desmentindo «parti pris» evolucionistas), polimórficos por excelencia, e exprimindo, assim, asseria decomponível numa fase IA, «sub-naturalista transformagoes cíclicas da natureza), eremos que estáclássica» e IB («sub-naturalista evoluída», articulável também fora de dúvida. Mas continuar a usar acom a fase I de S. Simao, e com a fase inicial da expressáo «cultura megalítica» (conceito ultrapassadoarte do Tejo em geral). A fase II testemunharia pela investigagao) e querer falar de fase ou fases«urna mudanga radical nos conceitos figurativos», «megalíticas» a propósito da arte do Tejo, quando ésendo «dominada pela associagáo entre urna grande evidente a especifícidade desta arte, e quando a pro-espiral e duas representagoes antiopomórficas» (p. pia «arte megalítica» peninsular (tao diferente da da36). Nao vemos onde está o radicalismo de tal Irlanda ou da da Bretanha) nos surpreende pelo seumutagáo, urna vez que já na fase anterior as espi- polimorfismo, eremos que é forgar os factos. O que osráis estavam presentes e, como o próprio autor ad- varios ciclos de arte pós-glaciar peninsular nosmite hipotéticamente, um antropomorfo. Por fim, mostram é que o homem da Pré-história recentea fase III da rocha em causa integrar-se-ia plena- exprimiu de forma plástica, quer num contexto reli-mente numa gramática geométrica e esquemática, e gioso «tout court», quer num contexto funerario,correspondería a fase III de S. Simao. urna visáo do mundo altamente abstracta e simbóli- Parece-nos que, subjacente a interpretagáo de ca, em que graus de esquematismo convivem e cons-A. M. Baptista, sem dúvida o melhor conhecedor tituem o próprio cerne das varias modalidades dessada arte do Tejo, está a nogao de que a relativa ho- linguagem.mogeneidade destes 40 Km. de rochas gravadas naoconsente urna periodizagao tao extensa quanto aspropostas iniciáis ou as de Várela Gomes - Pinho 3. GRAVURAS DO NORTE DE PORTUGAL: ESTUDOSMonteiro sugeriam, facto que também Anati RECENTES intuíu. Trata-se de um ciclo artístico original, carre- gado de simbolismo, e fortemente dominado pelos Assiste-se, neste momento, a urna significativa motivos geométricos e abstractos (que, por serem os renovagao dos estudos de arte rupestre na zona se- mais repetitivos, sao os que menos figuram ñas tentrional do país, que alias acompanha o grande publicagoes já feitas), em que a figura humana, surto de investigagao arqueológica que nos últimos quando surge, tem sempre urna importancia secun- anos tem caracterizado esta regiáo. A simples daria em relagáo aos animáis e, sobretudo, aos mo- presenga, aqui, de arqueólogos oriundos de varias tivos espiraliformes e aos que tém como base o cír- zonas de Portugal e a formagáo de novos investiga- culo. Partindo do principio de que todos estes mo- dores tém permitido que muitas descobertas pre- tivos comungam dos mesmos painéis, há que dar a históricas nao caiam no olvido e sejam devidamente importancia devida aos temas mais abundantes, sem aproveitadas pela pesquisa. Ainda recentemente, é a preocupagao de montar esquemas interpretativos de registar a detecgáo de um importante conjunto em pretensas «rochas-chave». Que na arte do vale de gravuras rupestres no local de Tripe (Mairos, do Tejo existem motivos semelhantes aos da pintu- Chaves) e de um outro ñas imediagoes de Ribeira ra esquemática (antropomorfos da rocha F-84, por de Pena (Trás-os Montes) n . Porém, assumem parti- 11 Agradecemos a Domingos J. da Cruz a comunkagao des-te segundo conjunto.
  6. 6. 58 Vítor Oliveira Jorgecular importancia os estudos de A. M. Baptista no fazemos notar que, ñas proximidades do Giáo, noGiáo (Cabana Maior, Arcos de Valdevez) e na planalto do Mezio, existe urna mamoa com um es-Bouga do Colado (Lindoso, Ponte da Barca). teio onde se véem varios cruciformes gravados, do mesmo tipo de alguns dos que existem naquela 3.1. O santuario rupestre do Giáo estagáo rupestre. Por outro lado, o facto de naquela As gravuras rupestres do Giáo dispóem-se em área se encontrarem as linhas divisorias de variasdois núcleos. No Giáo 1, que é, de longe, o maior, freguesias, sugere ser esse um lugar favorável á prá-elas localizam-se na parte central de um vasto anfi- tica de gravagoes de tipo apotropaico em plenateatro natural, no qual existem varias dezenas de época crista; ora, tais práticas incidiam frequente-afloramentos graníticos insculturados, bem como mente em penedos aos quais se atribuíam maleficiosdiversos blocos soltos também gravados. Ai, e de (Carlos Alberto Ferreira de Almeida, 1981, pp.acordó com M. Baptista (1981, p. 59) n surgem-nos 207-208) u , nao sendo difícil de imaginar quemotivos quadrangulares cuja superficie interior se rochas insculturadas durante a Pré-história fossemencontra dividida por linhas perpendiculares entre assim consideradas, atraindo as atengoes e a realiza-si; antropomorfos em «fi»; diversos outros motivos gáo de tais ritos (C. A. Ferreira de Almeida, ib.,antropomorfos esquemáticos; cruciformes de varios nota Al). Alias, sao frequentes as «estagoes de artetipos, alguns dos quais envolvidos por um círculo; rupestre» que, no Norte de Portugal, se podem in-covinhas, etc., etc. Esta classificagáo genérica e serir neste mundo, no todo ou em parte. Haverá,simplificada difícilmente exprime, porém, a va- assim, no Giáo 1, que realizar um difícil trabalhoriedade de motivos ali existentes, dispersos por (pe- para tentar destringar os varios tipos de antropo-lo menos) cerca de 80 rochas, em curso de estudo mórficos esquemáticos daquilo que poderáo bempor aquele investigador. Este, a partir da sua análise ser simples cruzes cristas. E evidente que se trata,preliminar, pode estabelecer urna sequéncia de gra- aqui, de urna mera sugestáo, avangada a título devacoes, em duas fases. A fase I seria constituida pe- hipótese.las «retículas simples ou compósitas» (grupo a) a Por outro lado, A. M. Baptista alude a urnaque se sobreporiam, em varios casos, antropomorfos possível relagáo do muro que envolve a anfiteatro«em fi» (grupo b). A fase II abarcaría os crucifor- do Giáo com a estagáo de arte rupestre {op. cit., p.mes. Em termos de aproveitamento de espago dos 63), mas, parece-nos, é bem mais lógico pensar quepainéis, estes últimos sinais ocupariam urna posigáo tal muro (semelhante a tantas outras vedagoes deperiférica em relagáo aos motivos quadrangulares e propriedades rurais do NW) seja já histórico, tal co-«em fi» (op. cit., p. 61). mo as gravuras cruciformes que se véem em 27 dos Perante os resultados desta análise —que inclui seus blocos.um minucioso levantamento topográfico em vias de Já noutro trabalho (1980, p. 93) 14 , o autor seconcretizacáo— varios problemas se levantam: qual refere a dificuldade de «integragáo plena destaa possível interpretagáo dos cruciformes, que M. estagáo ñas etapas estilísticas e temáticas clássicas daBaptista considera antropomorfos? seráo as figuras arte do Noroeste». Absolutamente do acordó. Cre-em forma de retícula estilizagoes antropomórficas? mos que há que distinguir, ñas gravuras do Noroes-qual a relagáo das gravuras praticadas nos aflora- te, varios grupos, quigá de origem e eventualmentos rochosos com as (predominantemente cruci- evolugáo independente; o problema é obviamenteformes) que sao visíveis nos blocos pertencentes a um muito mais complexo do que a «síntese» de Anatimuro que envolve a parte central do anfiteatro? e, pressupoe. Já Sobrino Lorenzo-Ruza escrevera (1957,finalmente, qual a relagáo destas gravuras do Giáo p. 51) 15 que «nao sao muito abundantes os petró-com o chamado grupo «galaico-portugués»? Nao glifos portugueses do grupo galego-atlántico», sa-pretendemos responder aqui a estas questoes, mas lientando que no nosso país há gravuras que «nao 12 14 A. MARTINHO BAPTISTA, «A arte do Giao», Arqueología, Op. cit. na nota 2. 153, Junho 1981, pp. 56-66. R. SOBRINO LORENZO-RUZA, «Bosquejo para un estudio de 13 CARLOS ALBERTO FERREIRA DE ALMEIDA, «Territorio paro- los petroglifos portugueses, Caesaraugusta, 7-8, 1957, pp. 49-quial no Entre-Douro-e-Minho. Sua sacralizacao», Nova Re- 65.nascenga, I, Inv. 1981, pp. 202-212.
  7. 7. Gravuras portuguesas 59tém parentesco directo» com tal grupo, antes se trismo, sao todos constituidos por círculos, co-aproximando das pinturas rupestres esquemáticas. vinhas, e linhas de diversos tipos, em combinagoesO mesmo fizera J. Fontes em relagáo as figuras variadas. Há também duas linhas quadrangularesantropomórficas «em fi» do Giao, como refere A. interiormente preenchidas por um reticulado.M. Baptista (1981, p. 65); este último autor incli- Ao centro do principal penedo insculturadona-se, alias, para considerar aquela estagáo como (rocha 1) situa-se um conjunto de elementos com-urna manifestagáo de origem meridional incluida no posto por círculos concéntricos, formas sub-circula-espago geográfico do Noroeste, salientando a res, covinhas, urna espiral e outras linhas, que M.«ausencia absoluta das formas clássicas do grupo Baptista interpreta como urna figura antropomórfi-galaico-portugués» adentro dos petróglifos que a ca «idoliforme» feminima, a qual aproxima dasconstituem. estátuas-menires, acrescentando que ela «lembra va- No que respeita ao núcleo do Giao 2, a única gamente a escultura da Serra da Boulhosa». {ib., p.rocha importante apresenta motivos quadrangulares 12). Pensamos que esta última assergáo é dema-(por vezes de cantos arredondados) seccionados in- siado ousada; mas nao é impossível que estejamos,teriormente por duas linhas perpendiculares entre aqui, petante um motivo de carácter antropomórfi-si, cruzes de bragos iguais e figuras radiadas («este- co, curiosamente composto por elementos geometri-liformes»). M. Baptista (1981, p. 65) poe estes últi- zantes, e portanto revelando um grau de estilizagáomos motivos em paralelo com temas da pintura es- invulgat, maior ainda do que o do «ídolo» do Cotoquemática, e do complexo do vale do Tejo, acres- dos Mouros, Viladesuso (Galiza), por exemplo, co-centando que sao «certamente difundidos pela cul- mo o próprio autor, alias, acentúa. Trata-se porémtura megalítica». Trata-se de urna hipótese válida, de urna mera hipótese de trabalho, como hipótese émas convém notar que, para além de nao conhecer- o facto dessa figura comungar de urna mesma «tra-mos os sentidos da «difusáo» do megalitismo, talvez digáo» com as estátuas-menires, ainda tao malfosse mais rigoroso afirmar, táo só, que o motivo conhecidas, no que diz respeito ao NW peninsular,«esteliforme» é comum a varios círculos ou formas em termos de cronologia e significado. Parece-nosde expressáo artística peninsulares, sem querer ver que o salto da fase descritiva para a etapa seguinteai necessariamente um «horizonte» (Baptista, ib., é, com frequéncia, demasiado rápido neste do-p. 92), conceito que, quer-nos parecer, se usa entre minio de investigagáo, sabendo nos que mesmonos com demasiada facilidade. urna escavagao, por exemplo, levanta normalmente mais problemas do que aqueles que resolve —e isso 3.2. As gravuras rupestres da Bouga do Colado é que é natural. Na Bouga do Colado estamos petante urna M. Baptista considera, ñas oito rochas inscultu-estagáo que pelas suas varias características se pode radas da Bouga do Colado, tres fases de gravagáo,inserir, como acentúa Martinho Baptista (1981, pp. sendo a primeira sub-dividida em duas. A última,7 e 11) 16, naquilo que, finalmente, constituirá o plenamente histórica, é constituida por sinais degrupo galaico-portugués no seu sentido próprio, cristianizagao do local, margináis. Á fase IA per-estrito (apesar deste nao ser ainda definível de mo- tenceria o chamado «idoliforme»; a fase IB (atribui-do exaustivo). Realmente, aquele autor faz notar da ao «mesmo horizonte ideológico», p. 8) corres-que frequentemente as rochas insculturadas de tal ponderiam urna serie de figuras situadas ñas suasgrupo apresentam «grandes superficies lisas, pouco imediagoes, entre as quais um motivo «proto-labi-alteadas em relagáo ao nivel do solo, com urna ríntico»; a fase II pertenceriam as representagoesinclinagáo que raramente ultrapassa os 45°, viradas reticuladas, quadrada e rectangular. Perguntamo-quase sempre a poente, e em regra localizadas a nos, perante os dados apresentados na publicagáo, emeia encosta, peno de cursos de agua» {ib., p. 7). a imbricagáo evidente do motivo central com os peri-Quanto aos motivos, com elevado grau de geome- féricos, qual o sentido da sub-divisáo da fase I. Pa- 16 A. MARTINHO BAPTISTA, «O complexo de gravuras ru-pestres da Bouca do Colado (Parada-Lindoso)», Giesta, 4, Out.1981, pp. 6-16.
  8. 8. 60 Vítor Oliveira Jorgera nos, trata-se de urna mesma compOsigáo de con- que poderá ser considerado o «grupo galaico-junto (ideia que, evidentemente, formulamos a portugués» em sentido estrito, já o reticulado,título de hipótese), apenas «sobreposta» pelos retí- com a desenvolvida e ampia feigáo que assumeculos, como alias parece acontecer em Ozáo, Valen- nestas rochas, é algo de muito específico que,ca {ib., nota 7, p. 16). Nao se estará aqui, pois, para já, parece convir que se considere comoconfundindo urna hierarquia de importancia de urna manifestagáo «sui generis»;motivos, e urna disposigao relativa no espago opera- — vimos recentemente no Museu da Regiáo Fla-tivo de rocha, com urna sequéncia de fases? Impor- viense (Chaves), algumas rochas insculturadasta menos, parece-nos, a sucessáo de operagoes ima- provenientes do local do Tripe, Mairos, a que jáginável, do que a concepgáo de conjunto, que, an- atrás aludimos, e que depos visitamos na com-tes de ser passada para a rocha, já estaria (ou nao) panhia de estudiosos daquela cidade. É flagran-na mente do(s) artista(s), onde se apresentaria co- te a semelhanga de alguns dos motivos antropo-mo urna realizagáo harmónica, notável nao pelos mórficos com os da arte rupestre do Giáo, pare-seus aspectos parcelares, mas pelo elevado grau de cendo portanto termos aqui um paralelo paraabstracgáo que o todo parece sugerir. certos temas daquele complexo do Alto Minho; a própria paisagem em que a estagáo se integra recorda o anfiteatro do Giáo. No Tripe existem4. «GRUPO GALAICO-PORTUGUÉS»: UM CONCEITO A ainda figuragoes de cruzes, ferraduras, círculos e REVER podomorfos; no local próximo de Outeiro da Moeda há gravuras em forma de «paleta» 18; Por varias vezes temos afirmado, sem com issopretendermos dizer algo de muito novo, que o senti- — ainda na regiáo de Chaves (Val dAnta) temosdo lato em que se tem usado o conceito de grupo um dos conjuntos rupestres com maior número«galaico-portugués» é improprio, recobre manifesta- de gravuras do Norte do país: o do Outeiro Ma-goes artísticas heterogéneas, e deveria ser substituido chado 19. Para lá dos cruciformes, das covinhas,por urna análise mais fina dos problemas, que a partir das ferraduras, das «paletas», dos motivos «emda constituigáo provisoria de grupos bem definidos, fí», das covinhas com um apéndice em forma «defosse recompondo um quadro classificativo geral das gancho», dos pares de covinhas unidas por urnagravuras portuguesas. Demos alguns exemplos: linha recta, aqui deparamos com motivos que se— a pedra decorada de Ardegaes (Aguas Santas, nao encontram noutras estagoes conhecidas, co- Maia, actualmente no Museu de Antropología mo aqueles que M. Correa interpretou como do Porto), publicada por E. Shee Twohig machados. Impoe-se um reestudo criterioso deste (1981)17, nao deveria, quanto a nos, ser aproxi- conjunto; mada da arte megalítica, com a qual parece nao — o abrigo de Solhapa (Miranda do Douro) 20 , ter directamente a ver, mas talvez apenas com a com as suas gravuras tao peculiares (algumas das «pedra escrita» de Serrazes (S. Pedro so Sul), e, quais —as da serie 2, parietais— lembram vaga- eventualmente, com a do «Agro das Calzadas» mente as do monumento rupestre de Vilvestre, (Lugo), paralelos que aquela autora aponta. Se Salamanca 21) merecería ser reestudado por um os círculos concéntricos (que a mesma autora especialista; para já, trata-se do único «abrigo» considera, a título de hipótese, anteriores aos com gravuras que conhecemos no nosso país. reticulados em Ardegaes e em Serrazes) admiti- Covinhas, algumas das quais unidas por linhas riam bem urna insergao na temática típica do rectas ou curvas ( I a e 3 a series) e sulcos fundos 17 19 E. SHEE TWOHIG, «A pedra decorada de Ardegaes de J. R. DOS SANTOS JÚNIOR, «AS gravuras rupestres doAguas Santas (Concelho da Maia)», Arqueología, 3, Junho 1981, Outeiro Machado (Val dAnta-Chaves)», Trabalhos de Antropo-pp. 49-55. logía e Etnología, XXIII, 2-3, 1978, pp. 207-234. 18 20 Seg. artigo inserto no jornal «Noticias de Chaves», de A. MARÍA MOURINHO, «O abrigo rupestre da Solhapa -26.11.82, com. por Firmino Aires, daquela cidade. As gravuras em Duas Igrejas, Miranda do Douro», O Arqueólogo Portugués,do Tripe vao ser objecto de um estudo de A. M. Baptista, a ini- s. III, VI, 1972, pp. 33-61. 21ciar no veráo de 1982. L. BENITO DEL REY, «Monumento rupestre de Vilvestre (Salamanca)», Zephyrus, XXI-XXII, 1970-71, pp. 163-170.
  9. 9. Gravuras portuguesas 61 e largos (alguns deles evocando polidores de (Cárcoda, por ex.), espiráis (Cárcoda), círculos instrumentos de pedra) (2 a serie) dominam a ou combinagoes circulares (Serra da Arada, «decoracáo» interna deste abrigo, em cujo exte- Serrazes), cruzes ou sinais radiados inscritos rior também se encontram gravados alguns mo- num círculo (Cárcoda, S. da Arada), «ferradu- tivos; ras» (Benfeitas), armas ou instrumentos diversos— como tem sido apontado por diversos autores, o (Molelinhos), figuras subtrapezoidais com ou grupo de Ridevides —Molinhos— Pedra Letrei- sem apéndice superior (Benfeitas), reticulado ra de Góis, etc., com gravuras litotrípticas, pra- (Serrazes), quadrados ou rectángulos, simples, ticadas no xisto e incluindo a representagáo de seccionados internamente, ou concéntricos (Cas- armas (entre as quais falcatas, típicas da I. do télo, Fial), etc., etc. Urna lista destas nao tem Ferro, ñas gravuras de Tondela) deveria ser con- porém qualquer sentido, sendo evidente que na siderado também como urna manifestagáo ar- regiáo de Viseu se encontram diversos «mundos» tística autónoma adentro das gravuras portu- artísticos, o que torna esta zona possivelmente guesas; urna das áreas-chave para o estudo da arte ru- pestre portuguesa.— quanto as gravuras rupestres de Beira Alta, tém sido objecto, nos últimos anos, de algumas noticias que testemunham a sua importancia Estudo que tem de assentar, de facto, em bases quantitativa e qualitativa 22; haveria porém ago- metodológicas e problemáticas novas, e tem de pro- ra que realizar um trabalho sistemático de le- curar estender-se a todo o país. Já nao é concebível vantamento, conjunto a conjunto, como foi que se publiquem trabalhos como o que ainda há feito, por exemplo, para as rochas decoradas alguns anos foi dedicado ao Penedo da Almoinha com podomorfos da Alagoa, Tondela 23. Real- (Mora, Alentejo)24, em que a terminología usada mente, pelos trabalhos genéricos já publicados na classificagáo dos motivos cruciformes daquela torna-se-nos impossível fazer urna ideia precisa rocha, a lista de «paralelos» apresentada, e a crono- das gravuras da regiáo de Viseu; por exemplo: logía proposta, sao manifestamente absurdas. É ne- nao há um só levantamento, mas apenas um cessário que as universidades portuguesas formem quadro de motivos convencionalmente ¿solados novos investigadores, a quem sejam dadas condi- (C. T. da Silva, 1978, p. 177), pelos quais goes de trabalho; e é fundamental que tais estu- constatamos a presenga de urna grande varieda- diosos alicercem o seu labor num conhecimento ac- de de temas, entre os quais antropomorfos es- tualizado de tudo quanto se está fazendo a nivel quemáticos (Fial, Cárcoda), podomorfos (Ben- peninsular e europeu neste dominio. A renovagáo feitas, Sejáes, Gumiei, Queira, Alagoa), zoo- metodológica e a abertura de perspectivas interpre- morfos esquemáticos (S. Joao do Monte, Fial, tativas sao duas facetas de urna mesma atitude, que Cárcoda), figuras consideradas serpentiformes só trará beneficios a Pré-história da arte ibérica. 23 22 Por exemplo, A. AUGUSTO TAVARES e C. TAVARES DA SIL- M. VÁRELA GOMES e J. PINHO MONTEIRO, «AS rochas de-VA, «Gravuras e inscricoes rupestres da regiao de Viseu», Actas coradas de Alagoa. Tondela-Viseu», O Arqueólogo Portugués, s.do II Congresso Nacional de Arqueología, I, Coimbra, 1971, III, VII-IX, 1974-77, pp. 145-164. 24pp. 261-270; C. TAVARES DA SILVA, «Gravuras rupestres inéditas G. ZBYSZEWSKI, O. VEIGA FERREIRA, M. LEITAO e C. T.da Beira Alta», Actas das 111 Jornadas Arqueológicas da Ass. dos NORTH, «Descoberta da insculturas com a figura humana estili-Arq. Port., I, 1978, pp. 167-184; C. TAVARES DA SILVA, «O con- zada na regiao de Brotas (Mora). O Penedo de Almoinha»,junto da arte rupestre da Serra da Gralheira (Viseu), com. apres. Comunicacóes dos Servidos Geológicos de Portugal, LXI, 1977,ao IVo Congresso Nac. de Arqueología, Faro, Maio de 1980. pp. 33-41.

×