Your SlideShare is downloading. ×
0
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Violet Oaklander
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Violet Oaklander

6,876

Published on

Livro: Descobrindo Criancas - Primeiros Capitulos

Livro: Descobrindo Criancas - Primeiros Capitulos

Published in: Education, Travel, Technology
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
6,876
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
147
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1.  
  • 2. Técnicas Psicoterápicas II Carol Cótica
    • Componentes:
    • Ângela Batista
    • Geralda Pereira
    • Thaydja Campos
  • 3. Livro: OAKLANDER, Violet. Descobrindo crianças : abordagem gestáltica com crianças e adolescentes. São Paulo : Summus, 1980.
    • Psicóloga Clínica especializada em desenvolvimento infantil e adolescente.
    • Adepta da Gestalt-terapia,
    • Palestrante.
    • Dedicou grande tempo de seu trabalho às crianças com necessidades especiais.
  • 4. INTRODUÇÃO Justificativa de seu trabalho e seu livro. “ Toda vez que uma criança abre o seu coração para mim e compartilha essa assombrosa sabedoria, geralmente mantida oculta, eu sinto uma profunda reverência.” Compartilhamento de experiência. “ Sinto-me privilegiada por ter descoberto formas efetivas de ajudar as crianças a atravessar com mais facilidade algumas passagens difíceis de suas vidas.”
  • 5.  
  • 6.  
  • 7.  
  • 8.  
  • 9.
    • How are you feeling about it ?
    • Quando a crian ça revela seus pensamentos e sensações sobre a fantasia que teve, seja ela em forma de desenho , de verbalização , de dramatização , ela diz seus conflitos internos, seus sentimentos de culpa, confusão, tristeza, angústia, ansiedade...
  • 10. Fighting Back – Revidando A técnica do barquinho
    • “ Escreva a história sobre um barquinho pequeno numa imensa tempestade. O vento sopra forte e as ondas jogam o barquinho de um lado para o outro. Procure imaginar que você é o barquinho e explique como se sente. Use comparações na sua estória para contar como a gente se sente SENDO um barquinho pequeno numa imensa tempestade. O vento ruge e assobia enquanto tenta afundar o minúsculo barco. O barco revida.I magine que você é o barquinho...”
  • 11.
    • “ Conte o que as diferentes partes do seu corpo precisam fazer para lutar contra a tempestade. Você está ganhando ou perdendo a luta ? De repente, o vento faz um último ataque sobre o barquinho e então morre. O barco ganhou! Que experiências na vida real você teve que são parecidas com o vento morrer e o barquinho ganhar a luta ? Imagine que vo cê é o barquinho que acabou de derrotar a tempestade. Como é que você se sente em relação à tempestade ? ”
  • 12. Técnica do barquinho
    • Usa-se de analogias e abstrações.
    • Avalia o enfretamento da criança.
    • Analisa a forma como ela encara um problema
    • Revela como ela age frente à forças exteriores
    • Mostra como ela se sente após uma vitória.
  • 13. Técnica da Armadilha
    • “ Você esteve caminhando por muito tempo. Você está muito, muito cansado. Você se deita para descansar e adormece. Quando acorda, encontra-se preso numa armadilha. Como é a sua armadilha ? Onde você está preso ? O que você faz ? ”
    • (Livro: Jogos fantasiosos de encontro – Hebert Otto)
  • 14.  
  • 15. Tommy, o pontinho e o Sol
    • TOMMY fez um desenho de muitas montanhas e sobre elas, estava o Sol. No pé das montanhas havia um pontinho. Pedi-lhe que fosse o sol e conversasse com o pontinho.
    • Tommy (como Sol): Eu vejo você aí embaixo. Você tem um caminho comprido para andar. Mas você vai conseguir. Eu estou sempre aqui.
    • TOMMY (como potinho): Eu vejo você daqui de baixo, você me faz sentir aquecido. Eu vou continuar tentando.
  • 16. 3 meses depois...
    • Pedi para as crianças, inclusive Tommy, fazer algum tipo de criação com argila que representasse o mundo delas hoje e que colocassem a si próprias como símbolos nesse mundo.
    • Tommy fez uma alta forma triangular com uma bolinha no pico.
  • 17.  
  • 18.  
  • 19.
    • Cheryl , 10 anos, viveu em diversas casas de adoção desde que sua mãe a abandonou quando ela tinha 5 anos, e por questões legais ela ainda não podia ser adotada. É uma criança muito atraente e quando descreveu sua roseira que estava ao lado de uma casa, foi muito otimista.
    • Violet a perguntou: - Quem cuida de você ?
    • Cheryl : - A natureza cuida de mim – a chuva, o sol e o chão.
    • Violet : - Quem mora na casa ?
    • Cheryl : - Algumas pessoas.
    • Violet : - Vo cê gosta delas ?
    • Cheryl ? Eu nunca as encontro. Elas sempre est ão indo para algum lugar e eu fico sozinha.
    • Depois disso Cheryl consguiu falar de assuntos bem profundos...
  • 20. Figuras de Raiva
    • “ Uma vez por outra a criança expressa uma intensa raiva no decorrer da nossa sessão, e eu posso usar a ocasião para mostrar a criança que desenhar sentimentos pode trazer um grande alívio.”
    • “ (...) elas precisam aprender a dirigir os seus ressentimentos direta e verbalmente para a fonte deles. Isso não é fácil para crianças para crianças que são constantemente criticadas por serem diretas e honestas em relação ao que sentem (...)”
  • 21. O poder das cores - Pintura
    • “ A pintura possui o seu próprio valor terapêutico especial. Quando a pintura flui juntamente com a emoção. As crianças têm prazer em pintar...”
    • “ Uma vez que a cor, a tonalidade e a fluidez da pintura se prestam tão bem a estados de sentimentos , posso pedir a uma criança que faça uma pintura de como está se sentindo naquele exato instante (...) As crianças parecem representar sentimentos com tinta com uma facilidade maior do que com qualquer outro meio de expressão artística (...) Elas tendem a ser mais representativas.”
  • 22. Pintura com os pés
    • “ Pintura com os pés ? É, pintura com os pés! Os pés são muito sensíveis, e na maior parte do tempo acham-se aprisionado dentro de sapatos, onde não podem sentir nada.”
    • “ As vezes elas dirigem o foco da consciência para os pés (...) como uma das experiências mais relaxantes e prazenteiras da sua vida. Existe uma sensação de calma e prazer.”
  • 23.  
  • 24.
    • BEBÊ: Contato estreito com seus sentidos, consciência do corpo, expressão plena e descontrolada, sentimentos puros, inatos.
    • CRIANÇA: Desenvolvimento do intelecto, do pensamento, das funções de contato.
  • 25.
    • “ As crianças pequenas não jogam a culpa de seus problemas sobre seus pais ou sobre o mundo exterior. Elas imaginam que elas próprias são más, que fizeram algo errado, que não são bonitas ou inteligentes. E, no entanto, existe uma vontade muito forte de sobreviver, de ultrapassar pois ainda existe algo do bebê original que não foi esmagado.”
  • 26.
    • Gostar de crianças
    • Estabelecer aceitação e confiança
    • Conhecer sobre desenvolvimento e aprendizagem
    • Entender sobre sistemas familiares
    • Compreender a cultura e o ambiente da criança
  • 27.
    • Argila
    • Massa de farinha
    • Água
    • Esculturas de Sabão
    • Gesso
    • Cera
    • Papel
    • Madeira
    • Cola
  • 28.
    • Projeções da vida da própria criança a partir de uma tema que lhe interesse.
    • Nesses mecanismos não há censura, nem punição
  • 29.
    • As crianças gostam dos livros que apresentem moral e final feliz. Elas gostam de escutar histórias em que há dificuldades, batalhas e lutas contra as coisas difíceis da vida, mas o final tem que ser feliz como projeção de seus desejos de que as coisas em suas próprias vidas dêem certo.
  • 30.
    • Tanto a história contada quanto a história escrita são capazes de trazerem a tona elementos que a criança tem dificuldade de expressar diretamente à outras pessoas.
    • Há uma relutância maior para a redação, inclusive se as crianças forem muito novas.
    • Há uma maior aceitação para histórias contadas.
  • 31.
    • Se difere da redação por se tratar de um modo de expressão estético. Além das crianças escreverem com o coração, há uma preocupação muito grande na rima e na beleza de seus escritos, mas no fim das contas, a expressão lírica consegue trazer à tona assuntos profundos.
  • 32.
    • De um menino de 8 anos:
    • “ Existe um nó dentro de mim
    • Um nó que não pode ser desatado
    • Forte
    • Ele dói
    • Como se tivessem colocado uma pedra
    • Dentro de mim
    • (...)
    • Talvez um dia o nó desate”
  • 33.
    • Há uma maior facilidade da criança falar através de bonecos do que expressar diretamente o que acha difícil dizer, porque o boneco proporciona um certo distanciamento e traz mais segurança para a criança se revelar.
  • 34.
    • Três funções básicas das técnicas :
    • 1- Envolver a criança, proporcionando-lhe prazer, segurança e confiança;
    • 2- Fazer com que através das técnicas as crianças expressem assuntos importantes que não se revelariam por outras vias;
    • 3- Servir como próprio processo terapêutico, ao fazer a criança tomar consciência de si, se aceitar e mudar alguns pontos em si.

×