Concepcao de alfabetizacao
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Concepcao de alfabetizacao

on

  • 17,532 views

 

Statistics

Views

Total Views
17,532
Views on SlideShare
17,532
Embed Views
0

Actions

Likes
25
Downloads
997
Comments
3

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Concepcao de alfabetizacao Concepcao de alfabetizacao Document Transcript

  • Projeto ALFATEC: Formação Continuada de Docentes Alfabetizadores Mediada pelas Tecnologias da informação e da Informação Curso UPCA: Uso Pedagógico do Computador na Alfabetização
  • Texto elaborado por Angela Freire Página 2 Sistemas de Escrita SISTEMAS DE ESCRITA PICTOGRÁFICOS / IDEOGRÁFICOS ESCRITAS PICTOGRÁFICAS são escritas que significam as IDÉIAS por meio de cenas figuradas ou simbólicas; ou seja, através do "EPICTOGRAMA": desenho figurativo e estilizado (uma figura para cada objeto) que funciona como um signo (símbolo) da escrita, não transcrevendo nem tendo relação explícita com a língua oral, e por isso mesmo, considerado um sistema incompleto. ESCRITAS IDEOGRÁFICAS são aquelas nas quais os GRAFEMAS são os IDEOGRAMAS representando conceitos ou idéias, mais que uma palavra específica. Escreve-se a partir dos SIGNIFICADOS, das IDÉIAS. IDEIAS SONS Com apenas um sinal gráfico representa-se uma palavra inteira que nos dá uma idéia completa Estes tipos de escrita não são capazes de expressar todo o conteúdo comunicativo de uma língua. Não há uma única maneira de lê-las, porque não há correspondência de um para um entre símbolo e língua. Em alguns casos de escritas ideográficas, apenas o autor do texto pode dizer com alguma certeza, e pode-se dizer que elas são interpretadas, mais do que lidas.
  • Texto elaborado por Angela Freire Página 3 SISTEMAS DE ESCRITA FONOGRÁFICA São aqueles que representam a linguagem, partindo dos seus sons. Representam os sons da fala, a série de sons que emitimos quando falamos. Escreve-se a partir dos SONS das palavras. IDÉIAS SONS Tipos de ESCRITA FONOGRÁFICA: 1. ESCRITA SILÁBICA: escreve-se um símbolo para cada sílaba. Representa silabicamente a pauta sonora. BO @ CA # DE & MA % LO $ BOLO = @$ BOCA = @# CAMA = #% MACA = %# Exemplo: escrita egípcia, escrita etíope. 2. ESCRITA CONSONANTAL: representa as palavras através da escrita de sons consonantais. B @ C # D & M % L $ BOLO = @$ BOCA = @# CAMA = #% MACA = %# Exemplo: línguas semíticas.
  • Texto elaborado por Angela Freire Página 4 3. ESCRITA FONÉTICA / ALFABÉTICA: representa os sons da fala, exatamente conforme elas foram presenciadas. BALDE – baudi, baude, baldi, bardi, baudji.... Exemplo: o português. 4. ESCRITA ALFABÉTICA ORTOGRÁFICA: não representa os sons da fala, anula a variação linguística, pois as palavras de uma língua são escritas de uma única forma, independentemente de quantas pronúncias diferentes possam estar ligadas a ela. A escolha de qual seja a forma ortográfica de cada palavra é, em geral, ortográfica. Exemplo: BALDE – balde Pictograma Placa de Barro com escrita Escrita hieroglífica em pergaminho Peixe cuneiforme dos sumérios (Egito Antigo)
  • Texto elaborado por Angela Freire Página 5 Concepções de Alfabetização: Os Métodos Os MÉTODOS TRADICIONAIS DE ALFABETIZAÇÃO são um conjunto de princípios teórico- procedimentais que organizam o trabalho pedagógico em torno da alfabetização, centrado na transmissão de conhecimentos, numa sequência predeterminada e fixa que enfatiza a memorização e a repetição de fonemas, letras, sílabas, palavras e frases, tomando a língua como um código a ser decifrado. Até os anos 80, aparecem três métodos diferentes de alfabetização para orientar os professores, são eles: O primeiro, os chamados MÉTODOS SINTÉTICOS, partem da síntese, das partes para o todo, do simples para o complexo, das unidades menores (fonemas, letras, sílabas) para unidades maiores (palavras, frases, texto), baseando no processo de composição. O segundo, denominados MÉTODOS ANALÍTICOS, partem da análise, do todo para as partes, do complexo para o simples, das unidades maiores (palavras, frases, texto) para as unidades menores (fonemas, letras, sílabas) privilegiando o processo de decomposição. O terceiro, nominado de MÉTODO MISTO, que privilegiaria os processos de síntese e análise.
  • Texto elaborado por Angela Freire Página 6 Pressupostos dos MÉTODOS SINTÉTICOS e ANALÍTICOS: Base Teórica: empirismo-associacionista de aprendizagem, calcados no modelo de “estímulo-resposta”. Foco: como ensinar. Modelo de Ensino: apoiam-se na fixação como processo cognitivo. Visão adultocêntrica sobre o que é fácil / difícil na hora de sequenciar unidades. Estudantes: considerados “tabulas rasas”, “folha em branco” ou “CD/DVD vazio”, que ao entrar para escola, não conhecem nada e não têm experiência sobre a língua, aprendem passivamente recebendo, memorizando, repetindo e associando informações sobre fonemas, letras, silabas, palavras e frases dadas pelo professor ou pelo livro didático (cartilhas). Professor: aquele que tudo sabe e que detém o conhecimento sobre a língua. Concepção de Aprendizagem: por memorização, fixação. Concepção de Alfabetização: sistematização do “B + A = BA”, isto é, aquisição de um código fundado meramente na relação entre fonemas e grafemas. Concepção da Língua: um código a ser decifrado e codificado. Prática Alfabetizadora: predomínio da memorização da grafia correta de palavras, cópias e ditados descontextualizados, leitura descontextualizada, desprovida de significado para os estudantes, uma vez que a linguagem é geralmente trabalhada distanciada do seu uso real e de sua função principal, a interação entre as pessoas (função comunicativa real).
  • Texto elaborado por Angela Freire Página 7 Ênfase: nos aspectos gráficos e psicomotores como requisitos para prontidão da alfabetização, isto é, bom traçado, boa coordenação motora e boa discriminação visual e auditiva. Os MÉTODOS SINTÉTICOS subdividem-se em: MÉTODO ALFABÉTICO OU DE SOLETRAÇÃO: - Foi o primeiro método empregado universalmente na aprendizagem da leitura, é utilizado desde o ano 68 a.C, em Roma e na Grécia antiga. - Ponto de partida: as LETRAS. MÉTODO FÔNICO: - Introduzido por Valentin Ickelsammer no século XVI. - Ponto de partida: os FONEMAS. - Lógica: primeiro deve conhecer os fonemas e, em seguida, combiná-los formando sílabas, palavras e frases. - O Método da Abelhinha, Casinha Feliz e Consciência Fonológica. MÉTODO SILÁBICO: - Introduzido por Samuel de Heinicke no século XVIII. - Ponto de partida: a sílaba. - Lógica: as sílabas constituem as palavras, estas em frases, até chegar em pequenos textos.
  • Texto elaborado por Angela Freire Página 8 Os MÉTODOS ANALÍTICOS subdividem-se em: PALAVRAÇÃO - Ponto de partida: é a palavra. - Lógica: inicia-se com a palavra-chave e chega-se às sílabas, fonemas e letras que a constituem. Em seguida, apresenta-se ao alfabetizando uma lista de palavra na qual ele terá que reconhecer a palavra-chave; depois, uma outra palavra- chave, que será comparada à primeira. IDEOVISUAL, IDEOGRÁFICO OU DE PALAVRAS-TIPO - Criado por Decroly, em 1936. - Lógica: parte de uma motivação (desenho, história, verso, etc.) e apresenta a palavra ligada ao desenho. Este processo evoluiu para a palavração e palavras progressivas. SENTENCIAÇÃO - Liderado por Randovilliers, em 1768. - Ponto de partida: é a frase. - Lógica: parte da frase ou sentença para chegar as palavras, fonemas e sílabas. CONTO OU HISTORIETA - Criado pela Educadora Margarida Mc Closkey no século XX. - É uma decorrência natural do método da sentenciação. - Ponto de partida: é a história. - Lógica: as sentenças são as partes de um todo maior, mais interessante e significativo.
  • Texto elaborado por Angela Freire Página 9 Concepção de Alfabetização: Psicogênese da Lingua Escrita Níveis de Escrita Linha de Evolução da Escrita 1. Distinção entre o modo de representação icônico e não icônico. 2. Construção da forma de diferenciação: controle progressivo das variações sobre os eixos qualitativo e quantitativo.
  • Texto elaborado por Angela Freire Página 10 3. Fonetização da escrita: inicia no silábico e culmina no alfabético. Pré-silábico Silábico Silábico-alfabético Alfabético _____|____|____|____|____|_____|_____________|______________ P1 P2 | S1 S2 | | Período sem Período de Fonetização da Escrita Fonetização Pré-silábica, sem variações quantitativas ou qualitativas dentro da palavra e entre as palavras. O aluno diferencia desenhos (que não podem ser lidos) de “escritos” (que podem ser lidos), mesmo que sejam
  • Texto elaborado por Angela Freire Página 11 compostos por grafismos, símbolos ou letras. A leitura que realiza do escrito é sempre global, com o dedo deslizando por todo o registro escrito. Pré-silábica com exigência mínima de letras ou símbolos, com variação de caracteres dentro da palavra, mas não entre as palavras. A leitura do
  • Texto elaborado por Angela Freire Página 12 escrito é sempre global, com o dedo deslizando por todo o registro escrito. Pré-silábica com exigência mínima de letras ou símbolos, com variação de caracteres dentro da palavra e entre as palavras (variação qualitativa intrafigural e interfigural). Neste nível, o aluno considera que coisas diferentes devem ser escritas de forma diferente. A leitura do escrito continua global, com o dedo deslizando por todo o registro escrito. Nível Pré-Silábico CARACTERÍSTICAS • Não estabelece vínculo entre a fala e a escrita. • Representa coisas e usa desenhos, garatujas para escrever; • Supõe que a escrita representa o nome dos objetos e não os objetos; coisas grandes (nomes grandes), coisa pequenas (nomes pequenos); • Usa letras do próprio nome ou letras e números na mesma palavra; • Só ela sabe o que quis escrever.
  • Texto elaborado por Angela Freire Página 13 DESAFIO: Qual é o significado dos sinais escritos? ATIVIDADES: • Criação de um ambiente rico de materiais e de atos de leitura e escrita. Revistas, jornais, cartazes, livros, jogos, rótulos, embalagens, textos do professor, dos alunos, músicas, parlendas, poesias (tudo com significado e sentido – do contexto do aluno). • O aluno toma contato com todas as letras, com todo tipo de texto e com qualquer palavra, desde que seja significativa para ele. O nome é o que tem muito significado, destaque a letra inicial, com fichas, crachás e alfabeto móvel. • Iniciar o trabalho com o nome da criança. Jogos – bingo de letras/memória de letras/dominó/baralho de nomes/ pescaria de nomes ou letras/formar nomes ou a letra inicial com alfabeto móvel Manipulação intensa com o alfabeto móvel. • Trabalhar a memorização global de algumas palavras, incluindo os nomes dos alunos. Caixa com palavras e nomes. • Promover atividades que visem fazer a vinculação do objeto ou figura com a palavra escrita. Fichas com os desenhos e fichas com os nomes das figuras/ memória. • Propor aos alunos análises não silábicas de palavras: letras iniciais e finais, número de letras, ordem das letras na palavra. Classificação de palavras ou nomes que se parecem, as que começam com a mesma letra, as que possuem o mesmo número de letras, letra final, palavras grandes e pequenas. • Propor análise da forma e posição das letras e dos numerais. • Introduzir aspectos sonoros das iniciais das palavras significativas. Leitura de poesias, quadrinhas, parlendas, músicas. • Propiciar aos alunos vivenciar situações que os levem a compreensão das diversas funções da escrita. O sentido dos gêneros discursivos...
  • Texto elaborado por Angela Freire Página 14 • Propor atividades que possibilitem aos alunos fazer a distinção entre letras e números, texto e desenho. • Promover vinculação do discurso oral com o texto escrito. Notícias, propagandas, cartas, histórias e bilhetes. • Fazer distinção entre imagem e texto. Placas de sinalização, histórias, cartazes. • Atividades de manifestação oral e escrita. Brincadeiras de rimas, adivinhações, telefone sem fio, jornal falado. • Estimular a escrita espontânea segundo as suas hipóteses da escrita. Autoditado...
  • Texto elaborado por Angela Freire Página 15 Silábica sem valor sonoro convencional. Cada letra ou símbolo corresponde a uma sílaba falada, mas o que se escreve ainda não tem correspondência com o som convencional daquela sílaba. A leitura é silabada. Silábica com valor sonoro convencional. Cada letra corresponde a uma sílaba falada e o que se escreve tem correspondência com o som convencional daquela sílaba, em geral representada pela vogal, mas não exclusivamente. A leitura é silabada. Nível Silábico SILÁBICO SEM VALOR SONORO CARACTERÍSTICAS • Começa a ter consciência de que existe alguma relação entre a pronúncia e a escrita.
  • Texto elaborado por Angela Freire Página 16 • Só demonstra estabilidade ao escrever seu nome ou palavras que teve oportunidade e interesse de gravar. • Conserva as hipóteses da quantidade mínima e da variedade de caracteres. • O aluno tenta corresponder um fonema para cada grafema (o som da fala a cada letra escrita), mas a utilização dos símbolos gráficos é aleatória e nem sempre a representação dos fonemas corresponde à escrita convencional. DESAFIO: Como resolver a hipótese de que a escrita se vincula com a pronúncia das partes da palavra? IMPORTANTE... • Quando se tornam silábicas, as crianças colocam por terra algumas memorizações globais e passam a associar uma letra para cada sílaba, negando seu prévio conhecimento global da palavra: começam a vincular a escrita com a pronúncia. • Percebem que não é possível ler as palavras que escreveu e que também não é possível ler as escritas convencionais porque possuem excesso de letras. • É a impossibilidade de ler o que está escrito que força a criança a entrar no nível posterior. SILÁBICO COM VALOR SONORO CARACTERÍSTICAS • Já supõe que a escrita representa a fala; • Tenta fonetizar a escrita e dar valor sonoro às letras; • Pode ter adquirido, ou não, a compreensão do valor sonoro convencional das letras; • Já supõe que a menor unidade da língua seja a sílaba; • Supõe que para cada sílaba oral corresponde uma letra ou um sinal; • Em frases, pode escrever uma letra para cada palavra; • Compreende que a escrita representa o som da fala; • Combina só vogais ou só consoantes. Por exemplo, AO para gato ou ML para mola e mula; • Passa a fazer uma leitura termo a termo (não global).
  • Texto elaborado por Angela Freire Página 17 DESAFIO: • Como compatibilizar, na escrita ou na leitura das palavras monossílabas e dissílabas, a idéia de quantidade mínima e de variedade de caracteres, se ela supõe que as palavras podem ser escritas com uma ou com duas letras? • Ao ler as palavras que escreveu, o que fazer com as letras que sobraram no meio das palavras ou no final? • Se coisas diferentes devem ser escritas de maneira diferente, como organizar as letras na palavra? ATIVIDADES • Ao identificar os alunos silábicos com valor e sem valor sonoro, agrupe-os em dupla; • Análise sonora sobre as iniciais dos nomes próprios e palavras significativas; • Desmembramento oral dos nomes e das palavras em sílabas; • Pronuncia pausada das palavras para que os alunos identifiquem a quantidade de sílabas e a análise da questão sonora; • Classificação das palavras com o mesmo número de sílabas e que iniciam com a mesma letra; • Completar palavras, com alfabeto móvel ou com a escrita das letras; • Gravuras e letras iniciais; • Gravuras e palavras; • Dicionário ilustrado; • Trabalho com rimas, músicas, sons iniciais e sons finais das palavras; • Ditados; • Trabalho com letras – Ordenação do alfabeto Jogo de esconder as letras e montar os grupos para descobrir. • Alfabeto móvel todos os dias; • Lista de palavras significativas; • Número de palavras na frase, número de letras nas palavras.
  • Texto elaborado por Angela Freire Página 18 Silábico-alfabética. Este nível marca a transição do aluno da hipótese silábica para a hipótese alfabética. Ora ela escreve atribuindo a cada sílaba uma letra, ora representando as unidades sonoras menores, os fonemas. NÍVEL SILÁBICO-ALFABÉTICO CARACTERÍSTICAS • Inicia a superação da hipótese silábica; • Reconhece o som das letras; • Estabelece uma vinculação mais coerente entre leitura e escrita; • A criança se concentra na sílaba para escrever; • Surge a adequação do escrito ao sonoro; • As unidades linguísticas (palavras, letras, sílabas) são tratadas como categorias estáveis (antes não tinham nenhuma relação entre si)
  • Texto elaborado por Angela Freire Página 19 • Presença da oralidade (escreve do jeito que fala, com isso surgem os problemas relativos à ortografia); • Leitura sem imagem e com imagem; • Compreende que cada um dos caracteres da escrita (letras) corresponde a valores sonoros menores que a sílaba. DESAFIO: • Como separar palavras ao escrever, quando elas não são separadas na fala? • Como tornar a escrita socializável, possível de ser lida por outras pessoas? ATIVIDADES • É de muita importância trabalhar simultaneamente as letras, sílabas, palavras e textos; • Constituição de palavras com sílabas e alfabeto móvel; • Adivinhações de palavras por meio de pistas dadas pelo professor; • Carta enigma; • Distinção de uma só sílaba na palavra; • Produção de textos por intermédio de situações promovidas no cotidiano escolar; • Reescrita dos textos; • Leituras globais e parciais de palavras e textos; • Reconhecimento de sílabas, palavras e frases nos textos; • Separar frases em palavras; • Montar frases com fichas de palavras; • Produzir histórias em quadrinhos.
  • Texto elaborado por Angela Freire Página 20 Alfabética. Neste estágio, o aluno já compreendeu o sistema de escrita, entendendo que cada um dos caracteres da palavra corresponde a um valor sonoro menor do que a sílaba. Agora, falta-lhe dominar as convenções ortográficas. Nível Alfabético CARACTERÍSTICAS: • Compreende que a escrita tem uma função social: a comunicação; • Compreende o modo de construção do código da escrita. • Compreende que cada um dos caracteres da escrita corresponde a valores menores que a sílaba; • Conhece o valor sonoro de todas as letras ou de quase todas; • Pode ainda não separar todas as palavras nas frases; • Omite letras quando mistura as hipóteses alfabética e silábica; • Não tem problemas de escrita no que se refere a conceito; • Não é ortográfica nem léxica. DESAFIO: • Como aprender as convenções da língua? ATIVIDADES
  • Texto elaborado por Angela Freire Página 21 • Produção de textos coletivos e individuais; • Reescrita de contos, histórias e situações vivenciadas; • Registro diário dos acontecimentos, seja num diário ou num caderno de bordo (estimular ao máximo a criança a escrever todos os dias, mas com motivos para isso); • Caderno de produções de textos ou montar um livro, propiciar dia de autógrafos, capa, ilustração etc. • Leitura e narração de histórias pelo professor e registro por parte do aluno do momento mais significativo; • Ler diferentes tipos de textos e propiciar aos alunos momentos de produzir diferentes tipos de textos com funcionalidade; • Instigar a autoria dos alunos e sua autonomia na leitura e na escrita. IMPORTANTE • Dificilmente todos os alunos de uma classe estarão num mesmo nível conceitual, portanto é de extrema importância que o professor de posse do diagnóstico dos níveis de escrita dos alunos, possa planejar as atividades sempre de acordo com sua capacidade e com o propósito de desafiá-los. • Uma mesma atividade pode ser trabalhada oferecendo diferentes níveis de dificuldade, atendendo as necessidades especificas de cada aluno para avançar no conhecimento. ALGUMAS DIFICULDADES QUE O ALUNO ENCONTRA QUANDO CHEGA NO NÍVEL ALFABÉTICO • Transcrição fonética: tumati – kavalu = tomate – cavalo • Segmentação indevida: utumati = o tomate, com seguiu = conseguiu. • Juntura vocabular – uka valu = o cavalo, agente = a gente. • Troca do ao pelo am, i por u (e vice versa): paum = pão. • Ausência de nasalização: troca de m por n ou til (vice e versa): comseguiu – cõsegiu • Supressão ou acréscimo de letras. • Troca de letras / origem das palavras (etimologia): zino = sino, geito = jeito.
  • Texto elaborado por Angela Freire Página 22 • Escrita não segmentada: UKAVALUPIZO"UTUMATI = o cavalo pisou no tomate. • Não registra silabas de estruturas complexas: os dígrafos, o padrão CCV. • Frases descontextualizadas e textos sem seqüência lógica. • Escrita espelhada: d por b, p por q. • Hipercorreção: coloo – colou, medeco – médico. NÍVEIS DE ESCRITA - AGRUPAMENTOS PRODUTIVOS APRENDER JUNTOS: AGRUPAMENTOS PRODUTIVOS • Pré-silábico COM silábico sem valor sonoro • Silábico sem valor sonoro COM silábico com valor sonoro • Silábico com valor sonoro COM silábico alfabético • Silábico alfabético COM alfabético SITUAÇÕES DIDÁTICAS ENVOLVENDO OS NÍVEIS DE ESCRITA TRABALHO COM LETRAS • Letras do alfabeto: Jogos de alfabeto de materiais e tamanhos diferentes. Letras móveis para o/a aluno/a montar espontaneamente palavras. Bingo e memória de letras. Atividades de escrita com letras. • Nomeação e identificação: Criar tiras com o alfabeto e figuras para serem materiais de consulta. • Analise das formas posições das letras: Atividades de escrita para o/a aluno/a analisar, por exemplo, quantas pontas têm o H, quantas retas e utiliza no traçado do A, M, E, , quantas curvas temas letras C, P, etc. • Valor sonoro – relação letra/som: jogos de memória com figura e letra inicial. Bingo de figuras. Alfabeto vivo.
  • Texto elaborado por Angela Freire Página 23 TRABALHO COM PALAVRAS • Nome próprio: Crachá com nome e foto ou desenho (autorretrato feito pelo/a alfabetizando/a). • Montar o nome com letras móveis. Bingo de nomes, de fotos e/ou autorretrato. Dominó de nomes (letra inicial / nome). Painel de chamada com cartões de nomes. • Análise da linguística da palavra: Letra inicial e final, número de letras, letras repetidas, vogal, consoante. Atividades de escrita com palavras. • Memorização de palavras significativas: Atividades de escrita. Listas de palavras. • Conservação da escrita de palavras: Atividades de escrita: complete, forca, enigma, “stop”, cruzadinha. Listas de palavras. TRABALHO COM FRASES E TEXTOS • Sentido e direção da escrita: Produção coletiva de listas, receitas, bilhetes, recados, etc. (sendo o professor o escriba). Ler para o aluno (apontando sempre onde está lendo). • Vinculação do discurso oral com texto escrito: Leitura de história e reescrita espontânea individual ou produção coletiva. Escrita de história vivida pelos alunos. • Junção de letras na formação das silabas: Listas de palavras. Atividades de escrita: complete, forca, enigma, “stop”, cruzadinha.