• Save
Revista Reposição Volêmica - Fev. 2011
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Revista Reposição Volêmica - Fev. 2011

  • 2,757 views
Uploaded on

Este novo formato de educação continuada tem como objetivo permitir a todos médicos do Serviço terem acesso a revisões e atualizações sobre temas de grande interesse da especialidade, num ...

Este novo formato de educação continuada tem como objetivo permitir a todos médicos do Serviço terem acesso a revisões e atualizações sobre temas de grande interesse da especialidade, num formato de perguntas e respostas.

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
2,757
On Slideshare
2,739
From Embeds
18
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 18

http://www.anestesiasegura.com 18

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. SMA – Serviços Médicos de Anestesia Ltda. EDIÇÃO01 Reposição Volêmica Milton Carlos Dantonio TSA - SBAFEVEREIRO2011 Qual solução ? Este novo formato de Quanto ? educação continuada tem como Em quanto tempo ? objetivo permitir a todos médicos É o suficiente?do serviço terem acesso a revisões eatualizações sobre temas de grande “ A reposição volêmica é um interesse da especialidade, num desafio para o anestesiologista e formato de perguntas e respostas. devemos nos valer de todos os Mande suas dúvidas e sugestões! recursos que temos para tentar Preceptoria.sma@gmail.com otimizar o desfecho cirúrgico. “ Como avaliar a necessidade de reposição volêmica? A avaliação pode ser feita clinicamente, laboratorialmente (ex. acúmulo de lactato, baixa SvO₂, aumento do gradiente artério-venoso de CO₂ ), e/ ou “ A reposição através da monitorização dos sinais vitais e hemodinâmica do paciente (pressão arterial, frequência cardíaca, pressão venosa central, pressão de volêmica é a capilar pulmonar, variação de volume sistólico, variação da pressão de pulso , etc.). administração de líquidos, Devemos lembrar que diferentes tipos de monitorização, apresentam acurácias também diferentes quanto à real condição de hipovolemia. geralmente por via endovenosa, para Lembrar que um indivíduo, mesmo já estando hipovolêmico, poderá não apresentar alterações na PA e na FC. Perdas de até 30% da volemia, recompor a volemia embora levem a um reduzido retorno venoso, com comprometimento de um paciente, direto da pré- carga e consequente diminuição do débito cardíaco, levam o organismo a lançar mão de uma resposta compensatória, através do objetivando a estímulo dos barorreceptores que, ativando o centro vasomotor, leva a manutenção da um aumento das concentrações séricas de catecolaminas endógenas, como epinefrina, norepinefrina e angiotensina II, as quais irão promover estabilidade um aumento compensatório da resistência vascular sistêmica (RVS). hemodinâmica com Um importante conceito, correlaciona esta situação hemodinâmica com adequada perfusão uma condição clínica denominada hipovolemia oculta, muito comum em pacientes idosos e naqueles com RVS elevada. tecidual. “