Your SlideShare is downloading. ×
Orientação CBAN 03 - Minuta revisada após comentários
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Orientação CBAN 03 - Minuta revisada após comentários

350

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
350
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ANEFAC - Diretoria de AvaliaçãoCBAN - Comitê Brasileiro de Avaliação deNegóciosORIENTAÇÃO OCBAN 03: Mensuração do Valor Justo
  • 2. 2 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADEORIENTAÇÃO 03 CBAN: Mensuração a Valor JustoCOMPONENTES DO VALOR 41.1. PREMISSA DE VALOR ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO.1.2. PADRÕES DE VALOR 4HISTÓRICO DO VALOR JUSTO 5OBJETIVOS DO CPC 46 6ALCANCE 6MENSURAÇÃO 71.3. PARTICIPANTES DO MERCADO 71.4. UNIDADE DE CONTABILIZAÇÃO (UNIT OF ACCOUNT) 71.5. APLICAÇÃO A ATIVOS NÃO FINANCEIROS 71.6. APLICAÇÃO A PASSIVOS E A INSTRUMENTOS PATRIMONIAIS PRÓPRIOS DA ENTIDADE 71.7. TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO 71.8. HIERARQUIA DE VALOR JUSTO (INPUTS) 8DIVULGAÇÃO 8APLICAÇÃO PRÁTICA DO CPC 46 91.9. IDENTIFICAÇÃO (FLUXOGRAMA) 91.10. PONTOS DE ATENÇÃO (ENQUETE USUÁRIOS) 15
  • 3. 3 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE1.11. ITENS RECOMENTADOS PARA LAUDO DE MENSURAÇÃO DO VALOR JUSTO 15APÊNDICES 151.12. BIBLIOGRAFIA 151.13. VALOR JUSTO NA LEI DE S.A. 161.14. DEFINIÇÕES DE PADRÃO DE VALOR 21
  • 4. 4 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE1. O objetivo desta Orientação é reunir os principais conceitos e marcos relativos a apuração de Valor e traçar as diretrizes básicas damensuração específica do Valor Justo.2. Para elaboração deste documento foi elaborado um estudo das orientações pertinentes do CPC e das normas internacionais IFRS.3. As fontes de referência estão relacionadas ao final desta Orientação.4. De forma complementar a OCBAN 03, teremos as Diretrizes Técnicas específicas por Ativo e Passivo, a saber: Diretriz Técnica para Avaliação de Ativos Intangíveis (em andamento) Diretriz Técnica para Avaliação de Instrumentos Financeiros (em andamento) Diretriz Técnica para Avaliação de Ativo Imobilizado (em andamento) Diretriz Técnica para Avaliação de Ativos BiológicosComponentes do Valor5. Suposição subjacente que o avaliador utiliza considerando o conjunto de circunstâncias dos negócios mais significativo a ser utilizadona tarefa.a. Valor em Funcionamentob. Valor de Liquidaçãoi. ordenadaii. forçadaPadrões de Valor6. Tipo de valor necessário para a finalidade específica da avaliação. Temos diversos padrões de valor, com definições similares. Paramaiores detalhes (vide apêndice 01)
  • 5. 5 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADEa. Valor contábil (de livro)b. Valor de investimento (valor de sinergia)c. Valor de Mercadod. Valor em usoe. Valor Especialf. Valor históricog. Valor Instrínsecoh. Valor Justoi. Valor Justo de Mercadoj. Valor recuperávelk. Valor de liquidaçãol. Valor presentem. Valor residual ou terminal7. Aqui vamos comentar as mais relevantes para a OCBAN 03:a. Valor de Mercadob. Valor Justo de Mercadoc. Valor Justod. Valor de investimento (valor de sinergia)Histórico do Valor Justo8. Desde 2002, o FASB e o IASB vêm discutindo o processo de convergência nos Estados Unidos por meio de vários acordos, como oNorwalk Agreement, travado em 2002 e o Memorandum of Understanding, firmado em 2006 e atualizado em 2008. Graças a esta postura,
  • 6. 6 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADEmesmo que os Estados Unidos não tenham ainda aderido ao padrão IFRS, a convergência entre o IFRS 13, que normaliza a mensuração do fairvalue internacionalmente, e o parágrafo 820 da Accounting Standards Uptadte – ASU – parte das normas do FASB, e em maio de 2011 foramlançadas “as propostas de mudanças para convergência entre a medição de valor justo e as divulgações necessárias do IFRS e US GAAP.9. O valor na Lei das S/A - A Lei de S.A. passou a adotar o “valor justo” em linha com as normas contábeis internacionais, enumerandoem seu parágrafo 1º do artigo 183 o que considera “valor justo” para fins de avaliação dos ativos (nos termos deste artigo específico),remetendo-nos aos conceitos da doutrina contábil e das práticas usuais de negócios (vide apêndice 1).10. CONFIRMAR LARISSA/JACOB se haverá aderência ao CPC 46Objetivos do CPC 4611. Apresentar a nova definição de Valor Justo12. Pronunciamento único (estrutura para a mensuração)13. Divulgações sobre mensurações do valor justoAlcance14. Quando Demonstração Financeira requer ou permite mensuração ou divulgação sobre valor justo e outros valores similares, taiscomo: CPC 01 Impairment: Valor recuperável é o maior entre o valor justo líquido dos custos de venda e o valor em uso. CPC 29 Ativos biológicos: Aplica-se valor justo menos despesas de venda ou fluxo de caixa líquido esperado. CPC 31 Ativo não circulante mantido para venda: Mensurado pelo menor valor entre o custo e o valor justo menos custos de venda. CPC 15 Combinação de negócios: Há orientação específica para cada tipo de ativo ou passivo.
  • 7. 7 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE CPC 28 Propriedades para investimento: Mensurado de forma opcional, porém, consistente, pelo custo ou pelo valor justo, semconsiderar custos de venda. CPC 06 Reconhecimento inicial dos ativos de leasing financeiro: Aplica-se valor justo mais custos diretamente relacionados com oativo adquirido. CPC 38 Reconhecimento inicial de instrumentos financeiros: Aplica-se valor justo mais custos de transação (exceto para ativosclassificados como ao Valor Justo através dos Resultados). CPC 38 Instrumentos financeiros e derivativos: Quando classificados nas categorias "Disponível para a venda", "ao Valor Justo atravésdos Resultados" ou nos instrumentos derivativos, independente de qualquer classificação, os instrumentos financeiros devem serrecorrentemente mensurados ao valor justo, sem considerar custos de venda. CPC 33 Passivo de benefícios a empregados de longo prazo ou pós emprego: valor presente das obrigações, considerando ganhos eperdas atuarias do período, e deduzindo ativos do plano (se houver) a valor justo e custos de transação.Mensuração Participantes do mercado Unidade de Contabilização (unit of account) Aplicação a ativos não financeiros Aplicação a passivos e a instrumentos patrimoniais próprios da entidade Técnicas de avaliaçãoa. Contexto nacional (limitações e práticas)
  • 8. 8 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADEb. Descrição das 3 abordagens (custo, mercado e renda)c. Principais metodologias (detalhamento nas DTs)d. Descontos e prêmiose. Árvores de decisãoHierarquia de valor justo (inputs)Divulgação15. Aumento das exigências16. Nível inicial e transferências17. Métodos e dados
  • 9. 9 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADEAplicação prática do CPC 46Identificação (fluxograma)
  • 10. 10 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE
  • 11. 11 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE
  • 12. 12 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE
  • 13. 13 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE
  • 14. 14 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE
  • 15. 15 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADEPontos de atenção (enquete usuários)Itens recomentados para laudo de mensuração do valor justoApêndicesBibliografiai. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS E TÉCNICAS (ABNT) - NBR 14653-1- Avaliação de bens -Parte 1: Procedimentos gerais. 2ª.ed., 2011. Disponívelpara compra em: http://www.abntcatalogo.com.br/norma.aspx?ID=2575 Acesso em: 18/10/2011.ii. _______. International Valuation Standards - 2011. Londres: IVSC, 2011.iii. THE APPRAISAL FOUNDATION, Uniform Standards of Professional Appraisal Practice (USPAP) - 2010-2011 Edition. Disponível em:<http://www.uspap.org/toc.htm> Acesso em 18/10/2011.iv. Guide to Fair Value under IFRS - International Financial Reporting StandardsJOHN WILEY & SONS, INC.Edited by James P. Catty – CAP. 1 Fair Value Conceptv. Fishman, Jay E., Shannon P. Pratt, J. Clifford Griffiths, and D. Keith Wilson. Annual. Guide to Business Valuations. Fort Worth, TX: PractitionersPublishing Co. Chapters 1, 2, 3, 4, and 6vi. Hitchner, James R. ed. 2006. Financial Valuation: Applications and Models. Hoboken, NJ: John Wiley & Sons. Chapters 1, 2, 3 and 20vii. Pratt, Shannon P and Alina Niculita, 2008. Valuing a Business, 5th ed. New York: McGraw-Hill. Chapters 1, 2, 3, 4, 5 and 6viii. Trugman, Gary R. 2008. Understanding Business Valuation: A Practical Guide to Valuing Small to Mid-Sized Businesses. 3rd Ed. A.I.C.P.A.,Durham, NC. Chapters 1, 3, 4, 5 and 6ix. “IFRS: Guia de aplicação do valor justo” – edição em português a ser lançada em junho / 2013.
  • 16. 16 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADEValor Justo na Lei de S.A.Valor justo na Lei de S.A.A expressão “valor justo” foi inserida na Lei de S.A, a partir da Medida Provisória 449/2008, que alterou a legislação tributária federal, dentre outrosdispositivos, com o propósito de harmonizar os padrões contábeis nacionais aos internacionais e sua a consistência na esfera tributária. Em 2009, talMedida Provisória foi convertida na Lei 11.941.A Lei 11.941/2009 modificou vários dispositivos da Lei de S.A., entre os quais merece destaque a substituição da expressão “valor de mercado” por “valorjusto” nos termos dos artigos 182, parágrafo 3º e 183, I, (a) e parágrafo 1º. Tal alteração teve como objetivo promover o alinhamento com a terminologiautilizada em normas internacionais de contabilidade, vez que a expressão “valor de mercado” utilizada pela Lei 11.638/2007 não correspondia ao critériointernacional de fair value.Em conformidade com a exposição de motivos da mencionada Medida Provisória (1), a expressão “valor justo” apresenta uma abrangência técnica econceitual mais ampla do que valor de mercado. Segundo a exposição demotivos, o valor justo é aquele “pelo qual um ativo pode ser negociado, ou um passivo liquidado ou transferido, entre partes interessadas, conhecedorasdo negócio e independentes entre si, com a ausência de fatores que pressionem para a liquidação da transação ou que caracterizem uma transaçãocompulsória”.Para fins de avaliação de elementos do ativo, segundo a doutrina, apesar de a definição de “valor justo” ser genérica, “podem ser encontrados os aspectosteóricos substanciais do conceito de fair value, em linha com os princípios contábeis de aceitação universal, quais sejam: (i) a existência de um mercadoativo, não sendo suficiente a ocorrência de operações esporádicas no mercado…; e, (ii) as operações (grifo nosso) a ser consideradas serão apenas aquelasrealizadas entre partes independentes (2), de forma não compulsória.” (3)Modesto Carvalhosa aponta ainda que, para tal finalidade não devem ser consideradas as operações derivadas de (a) exigência legal e regulamentar(ex.desapropriações, concessões), (b) exigência contratual específica (aquela que submete o bem a ser transferido a um critério de avaliação que não o valorde mercado, como por exemplo, para fins de permuta ou ressarcimento), (c) compromissos ou planos concebidos visando algum tipo de benefício para aspartes (benefício econômico específico, operacional, tributário, etc.), ou (d) que levem em consideração os interesses do grupo econômico ao qualpertence a sociedade, e não os interesses dela em particular (entre sociedades sob controle comum e, portanto, não independentes).Em pesquisa dos julgados da CVM, não foi encontrada decisão envolvendo a definição da expressão “valor justo”. O mesmo ocorre nos Tribunais de Justiça,onde a discussão do valor justo não alcança o contexto societário. Nos casos judiciais, tal expressão visa a garantir o equilíbrio da indenização de uma daspartes e, por conseguinte, da condenação da outra, com base no princípio da razoabilidade (para apuração de danos morais, por exemplo).
  • 17. 17 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADEA Lei de S.A. passou a adotar o “valor justo” em linha com as normas contábeis internacionais, enumerando em seu parágrafo 1º do artigo 183 o queconsidera “valor justo” para fins de avaliação dos ativos (nos termos deste artigo específico), remetendo-nos aos conceitos da doutrina contábil e daspráticas usuais de negócios (4).Transcrição dos artigos na íntegra:Art. 182. A conta do capital social discriminará o montante subscrito e, por dedução, a parcela ainda não realizada.§ 1º Serão classificadas como reservas de capital as contas que registrarem:a) a contribuição do subscritor de ações que ultrapassar o valor nominal e a parte do preço de emissão das ações sem valor nominal que ultrapassar aimportância destinada à formação do capital social, inclusive nos casos de conversão em ações de debêntures ou partes beneficiárias;b) o produto da alienação de partes beneficiárias e bônus de subscrição;c) (revogada); (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007) (Revogado pela Lei nº 11.638,de 2007)d) (revogada). (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007) (Revogado pela Lei nº 11.638,de 2007)§ 2° Será ainda registrado como reserva de capital o resultado da correção monetária do capital realizado, enquanto não-capitalizado.§ 3o Serão classificadas como ajustes de avaliação patrimonial, enquanto não computadas no resultado do exercício em obediência ao regime decompetência, as contrapartidas de aumentos ou diminuições de valor atribuídos a elementos do ativo e do passivo, em decorrência da sua avaliação avalor justo, nos casos previstos nesta Lei ou, em normas expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários, com base na competência conferida pelo § 3o doart. 177 desta Lei. (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009)§ 4º Serão classificados como reservas de lucros as contas constituídas pela apropriação de lucros da companhia.§ 5º As ações em tesouraria deverão ser destacadas no balanço como dedução da conta do patrimônio líquido que registrar a origem dos recursos aplicadosna sua aquisição.Critérios de Avaliação do Ativo
  • 18. 18 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADEArt. 183. No balanço, os elementos do ativo serão avaliados segundo os seguintes critérios:I – as aplicações em instrumentos financeiros, inclusive derivativos, e em direitos e títulos de créditos, classificados no ativo circulante ou no realizável alongo prazo: (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007)a) pelo seu valor justo, quando se tratar de aplicações destinadas à negociação ou disponíveis para venda; e (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009)b) pelo valor de custo de aquisição ou valor de emissão, atualizado conforme disposições legais ou contratuais, ajustado ao valor provável de realização,quando este for inferior, no caso das demais aplicações e os direitos e títulos de crédito; (Incluída pela Lei nº 11.638,de 2007)II – os direitos que tiverem por objeto mercadorias e produtos do comércio da companhia, assim como matérias-primas, produtos em fabricação e bens emalmoxarifado, pelo custo de aquisição ou produção, deduzido de provisão para ajustá-lo ao valor de mercado, quando este for inferior;III – os investimentos em participação no capital social de outras sociedades, ressalvado o disposto nos artigos 248 a 250, pelo custo de aquisição, deduzidode provisão para perdas prováveis na realização do seu valor, quando essa perda estiver comprovada como permanente, e que não será modificado emrazão do recebimento, sem custo para a companhia, de ações ou quotas bonificadas;IV – os demais investimentos, pelo custo de aquisição, deduzido de provisão para atender às perdas prováveis na realização do seu valor, ou para reduçãodo custo de aquisição ao valor de mercado, quando este for inferior;V – os direitos classificados no imobilizado, pelo custo de aquisição, deduzido do saldo da respectiva conta de depreciação, amortização ou exaustão;VI – (revogado); (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009)VII – os direitos classificados no intangível, pelo custo incorrido na aquisição deduzido do saldo da respectiva conta de amortização; (Incluído pela Lei nº11.638,de 2007)VIII – os elementos do ativo decorrentes de operações de longo prazo serão ajustados a valor presente, sendo os demais ajustados quando houver efeitorelevante.(Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007)§ 1o Para efeitos do disposto neste artigo, considera-se valor justo: (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009)a) das matérias-primas e dos bens em almoxarifado, o preço pelo qual possam ser repostos, mediante compra no mercado;
  • 19. 19 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADEb) dos bens ou direitos destinados à venda, o preço líquido de realização mediante venda no mercado, deduzidos os impostos e demais despesasnecessárias para a venda, e a margem de lucro;c) dos investimentos, o valor líquido pelo qual possam ser alienados a terceiros.d) dos instrumentos financeiros, o valor que pode se obter em um mercado ativo, decorrente de transação não compulsória realizada entre partesindependentes; e, na ausência de um mercado ativo para um determinado instrumento financeiro: (Incluída pela Lei nº 11.638,de 2007)1) o valor que se pode obter em um mercado ativo com a negociação de outro instrumento financeiro de natureza, prazo e risco similares; (Incluído pelaLei nº 11.638,de 2007)2) o valor presente líquido dos fluxos de caixa futuros para instrumentos financeiros de natureza, prazo e risco similares; ou (Incluído pela Lei nº 11.638,de2007)3) o valor obtido por meio de modelos matemático-estatísticos de precificação de instrumentos financeiros. (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007)§ 2o A diminuição do valor dos elementos dos ativos imobilizado e intangível será registrada periodicamente nas contas de: (Redação dada pela Lei nº11.941, de 2009)a) depreciação, quando corresponder à perda do valor dos direitos que têm por objeto bens físicos sujeitos a desgaste ou perda de utilidade por uso, açãoda natureza ou obsolescência;b) amortização, quando corresponder à perda do valor do capital aplicado na aquisição de direitos da propriedade industrial ou comercial e quaisqueroutros com existência ou exercício de duração limitada, ou cujo objeto sejam bens de utilização por prazo legal ou contratualmente limitado;c) exaustão, quando corresponder à perda do valor, decorrente da sua exploração, de direitos cujo objeto sejam recursos minerais ou florestais, ou bensaplicados nessa exploração.§ 3o A companhia deverá efetuar, periodicamente, análise sobre a recuperação dos valores registrados no imobilizado e no intangível, a fim de que sejam:(Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009)I – registradas as perdas de valor do capital aplicado quando houver decisão de interromper os empreendimentos ou atividades a que se destinavam ouquando comprovado que não poderão produzir resultados suficientes para recuperação desse valor; ou (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007)
  • 20. 20 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADEII – revisados e ajustados os critérios utilizados para determinação da vida útil econômica estimada e para cálculo da depreciação, exaustão eamortização. (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007)§ 4° Os estoques de mercadorias fungíveis d estinadas à venda poderão ser avaliados pelo valor de mercado, quando esse for o costume mercantil aceitopela técnica contábil.NOTAS:(1) Exposição de Motivos – MP 449/2008 – 41.7. No que se refere ao conjunto de avaliação, propõe-se a substituição da expressão “valor de mercado” por“valor justo”, que é definida como “o valor pelo qual um ativo pode ser negociado, ou um passivo liquidado ou transferido, entre partes interessadas,conhecedoras do negócio e independentes entre si, com a ausência de fatores que pressionem para a liquidação da transação ou que caracterizem umatransação compulsória”. Essa terminologia é a utilizada nas normas internacionais de contabilidade e tem abrangência técnica e conceitual bastantesuperior. Essa proposição produz alterações na redação do art. 183, especificamente na alínea “a” do inciso I e no § 1º.(2) IAS 39 determina que ”Justo valor é a quantia pela qual um ativo podia ser trocado, ou um passivo liquidado, entre as partes conhecedoras e dispostasa isso numa transação em que não existe relacionamento entre elas.(3) Modesto Carvalhosa in Comentários à Lei de Sociedades Anônimas, 3º Volume: artigos 138 a 205 – 5ª ed. rev. e atual. – São Paulo: Saraiva, 2011. Pág.812 e 823.(4) IFRS 13: Conceito de fair value – “The price that would be received to sell an asset or paid to transfer a liability in an orderly transaction betweenmarket participants at the measurement date.”
  • 21. 21 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADEDefinições de Padrão de ValorPadrão de valor (International Glossary of Business Valuation Terms): identificação do tipo de valor a ser usado numa tarefa específica, porex: valor justo de Mercado, valor justo, valor de investimento.PADRÕES INTERNATIONALGLOSSARY OF BUSINESSVALUATION TERMSIACVA IVS IASB (CPC 46)Valor contábil(de livro)with respect to a businessenterprise, the differencebetween total assets (net ofaccumulated depreciation,depletion, and amortization)and total liabilities as theyappear on the balance sheet(synonymous withShareholders Equity). Withrespect to a specific asset,the capitalized cost lessaccumulated amortization ordepreciation as it appears onthe books of account of thebusiness enterprise.Book value is ultimately theaccounting value of a firm orenterprise. It has two mainuses:1) It is the total amount of thecompanys assets thatshareholders wouldtheoretically receive onliquidation.Comparing NetIncome to it, gives a figure forthe Return On Equity whichindicates the success ofmanagement in operating thefirm’s activities. A viablegrowing business will always beworth more than its book valuebecause of its ability togenerate earnings and growth.Valor de the value to a particularinvestor based on individualThe Glossary defines“Investment Value” as “theValor de investimento:Valor do ativo para o
  • 22. 22 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADEPADRÕES INTERNATIONALGLOSSARY OF BUSINESSVALUATION TERMSIACVA IVS IASB (CPC 46)investimento(valor desinergia)investment requirements andexpectations. {NOTE: inCanada, the term used is"Value to the Owner"}.value to a particular investor orclass of investors based onindividual investmentrequirements andexpectations.” It is understoodas an amount a particularinvestor would pay based onher individual requirements andattributes. Often referred to assynergistic value, it is usuallyused in valuations done formergers, acquisitions ordivestitures as it incorporatesspecific values that can becaptured by a particular buyer;this is generally created in twoways:1) By the buyer improving theexisting value of their businessby applying his expertise;2) By the buyer leveraging thetargets strength to improve itsoperations.proprietário atual oupotencial para objetivosde investimentoindividual ouoperacional.Valor sinérgico:Elemento adicional devalor criado por umacombinação de dois oumais ativos ouinteresses, quando ovalor combinado formaior do que a soma dosvalores separados.Valor de Outside North America, the Quantia estimada pelo
  • 23. 23 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADEPADRÕES INTERNATIONALGLOSSARY OF BUSINESSVALUATION TERMSIACVA IVS IASB (CPC 46)Mercado comparable phrase is MarketValue, which is used in taxingstatutes in many countries. TheIVSC definition is similar to thatof Fair Market Value in that itdeals with an “arms-length”transaction between a “willingbuyer” and a “willing seller”:“The estimated amount forwhich a property shouldexchange on the date ofvaluation between a willingbuyer and a willing seller in anarm’s length transaction afterproper marketing wherein theparties had each actedknowledgeably, prudently, andwithout compulsion.”qual um ativo ou passivoseria transacionado, nadata de avaliação, entreum comprador e umvendedor predispostos,em uma transação entrepartes independentes,depois de um tempoadequado de exposiçãoao mercado, onde aspartes ajam comconhecimento, prudênciae sem compulsão.(...) O conceito valor demercado presume umpreço negociado em ummercado aberto ecompetitivo comliberdade para osparticipantes. (...) Ovalor de mercado de umativo reflete seu maior e
  • 24. 24 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADEPADRÕES INTERNATIONALGLOSSARY OF BUSINESSVALUATION TERMSIACVA IVS IASB (CPC 46)melhor uso.Valor em usoValor Especial Quantia que refleteatributos particulares deum ativo que teriamvalor somente para umcomprador especial.Definição de compradorespecial: “comprador parao qual um ativodeterminado tem umvalor especial em funçãode vantagens,provenientes de suapropriedade, que nãoestariam disponíveis paraoutros compradores demercado”. (...) “Quandoum valor especial éidentificado ele deve serrelatado e claramente
  • 25. 25 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADEPADRÕES INTERNATIONALGLOSSARY OF BUSINESSVALUATION TERMSIACVA IVS IASB (CPC 46)diferenciado do valor demercado”.ValorhistóricoValorInstrínsecothe value that an investorconsiders, on the basis of anevaluation or available facts,to be the "true" or "real"value that will become themarket value when otherinvestors reach the sameconclusion. When the termapplies to options, it is thedifference between theexercise price or strike priceof an option and the marketvalue of the underlyingsecurity.Intrinsic value is the underlyingvalue of a business separatefrom its market value or stockprice. It includes both thequantitative and qualitativeaspects of an entitysperformance. The quantitativeaspect is the use of financialratios such as earnings,revenue, etc., while thequalitative perspective involvesconsideration of the companysmanagement strength,customer base, supply chainand others. In a publicly tradedcompany, this value can varyfrom its stock market price,indicating that the companymay be either overvalued orundervalued by the market.
  • 26. 26 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADEPADRÕES INTERNATIONALGLOSSARY OF BUSINESSVALUATION TERMSIACVA IVS IASB (CPC 46)These variations are often dueto differences of opinion aboutthe effect of the qualitative orhidden attributes, like thevalue of a brand name, whichcan be difficult to calculate.Valor Justo The price that would bereceived to sell an asset or paidto transfer a liability in anorderly transaction betweenmarket participants at themeasurement date.Preço estimado para atransferência de umativo ou passivo entrepartes identificadas,informadas e dispostas anegociar, que reflita osrespectivos interessesdas partes.(...) diferente dadefinição do IFRS: “oIVSC considera que adefinição de valor justodas IFRS é geralmenteconsistente com adefinição de valor demercado. (...) sãoPreço que seriarecebido pelavenda de um ativoou que seria pagopela transferênciade um passivo emuma transação nãoforçada entreparticipantes domercado na datade mensuração.
  • 27. 27 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADEPADRÕES INTERNATIONALGLOSSARY OF BUSINESSVALUATION TERMSIACVA IVS IASB (CPC 46)discutidas na IVS 300Avaliação paraDemonstraçõesFinanceiras”. (...) Valorjusto é um conceito maisamplo do que o valor demercado.Valor Justode Mercadothe price, expressed in termsof cash equivalents, at whichproperty would change handsbetween a hypotheticalwilling and able buyer and ahypothetical willing and ableseller, acting at arm’s lengthin an open and unrestrictedmarket, when neither isunder compulsionto buy or sell and when bothhave reasonable knowledgeof the relevant facts. {NOTE:In Canada, the term "price"In the USA and Canada, themost widely recognized andaccepted standard of value is“fair market value” (FMV). Thisis the standard used in allfederal tax matters (gift taxes,estate taxes, income taxes orinheritance taxes) in bothcountries. The definitions arevirtually the same. TheGlossary defines it as “Theprice, expressed in terms ofcash equivalents, at whichproperty would change handsbetween a hypothetical willing
  • 28. 28 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADEPADRÕES INTERNATIONALGLOSSARY OF BUSINESSVALUATION TERMSIACVA IVS IASB (CPC 46)should be replaced with theterm "highest price"}and able buyer and ahypothetical willing and ableseller, acting at arm’s lengthin an open and unrestrictedmarket, when neither is undercompulsion to buy or sell andwhen both have reasonableknowledge of the relevantfacts. (Note: In Canada, theterm price should be replacedwith the term highest price.)”In this situation, the word fairapplies to the market not theamount.ValorrecuperávelValor deliquidaçãothe net amount that wouldbe realized if the business isterminated and the assetsare sold piecemeal.Liquidation can be eitherThe liquidation value of anentity is the sum of the valueof its individual assets, valuedas if it will not continue tocarry on business, less allliabilities actual and
  • 29. 29 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADEPADRÕES INTERNATIONALGLOSSARY OF BUSINESSVALUATION TERMSIACVA IVS IASB (CPC 46)"orderly" or "forced." contingent. There are two"types" of liquidation value,depending on the timeavailable for the liquidationprocess: Orderly LiquidationValue and Forced LiquidationValue.Orderly Liquidation Value is theliquidation amount when theasset or assets are sold in sucha manner as to maximize theproceeds. It assumes that theseller can take a reasonabletime to dispose of each asset inits appropriate season andthrough channels that allow itto receive the highest pricereasonably available.“Forced Liquidation Value isthe value at which the asset orassets are sold as quickly aspossible, such as at anauction.” (Glossary) Theassumption is that the typicalpurchaser for the assets is a
  • 30. 30 ANEFAC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADEPADRÕES INTERNATIONALGLOSSARY OF BUSINESSVALUATION TERMSIACVA IVS IASB (CPC 46)dealer who specializes in theliquidation of the entire assetsof a company. For obviousreasons, the forced liquidationvalue will always be lower thanthe orderly liquidation value.Depending on the enterpriseand the nature of its assets,the difference between themcan be substantial.Valorpresentethe value, as of a specifieddate, of future economicbenefits and/or proceedsfrom sale, calculated usingan appropriate discount rate.Valor residualou terminalthe value as of the end of thediscrete projection period ina discounted future earningsmodel

×