Monografia fernando botero
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Monografia fernando botero

on

  • 19,851 views

FERNANDO BOTERO

FERNANDO BOTERO

Statistics

Views

Total Views
19,851
Views on SlideShare
19,851
Embed Views
0

Actions

Likes
5
Downloads
181
Comments
2

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Monografia fernando botero Document Transcript

  • 1. Fernando Botero OBJETIVOS • Responder ao Projeto Cultural Orientado voltado para a 2º série do Ensino Médio do Colégio Argumento-Objetivo cujo tema amplo é: "ARTISTAS DO SÈCULO XX" • No amplo cenário oferecido escolhemos o artista plástico Fernando Botero. • Em obediência às normas do Projeto Cultural Orientado vamos salientar: o A biografia do artista o As influências sofridas o Um apanhado de suas principais obras o A importância de sua obra • Conhecer mais sobre sua história, usufruir deste conhecimento e passá-lo adiante. Artistas do Século XX Página 4
  • 2. Fernando Botero Capítulo I: A vida 1.1 Introdução O artista de renome internacional Fernando Botero é conhecido por suas pinturas e esculturas de personagens corpulentos. As figuras roliças e gordinhas são fontes constantes e inesgotáveis em obras que exploram o mundo intimista da nostalgia de sua rica imaginação. Em suas obras satíricas, políticos, militares, religiosos, músicos e a realeza, são retratados em figuras arredondadas e sem movimento, assumindo a característica de vida humana estática. De natureza humorística à primeira vista, as pinturas de Botero são geralmente um comentário social com toques políticos. "Em minhas pinturas há coisas improváveis, não impossíveis." (FERNANDO BOTERO). Figura 1: Fernando Botero Angulo (1932-) Fonte: http://biografias.multiply.com Artistas do Século XX Página 5
  • 3. Fernando Botero 1.2 Biografia Fernando Botero Angulo nasceu em 19 de Abril de 1932 na cidade de Medellín, Colômbia, o qual tinha como pais David e Flora Angulo de Botero, seu pai era um vendedor ambulante que viajou a cavalo para áreas periféricas da cidade, morreu quando Botero tinha quatro anos, e sua mãe apoiou a família como costureira. Botero era o segundo de três filhos, de pequeno foi inscrito em uma escola de toureiros a pedido de um tio, quem não se imagina que sua verdadeira vocação era a pintura, freqüentou durante dois anos e suas primeiras pinturas vêm do mundo das touradas (Aquarelas de um Matador1, seu primeiro trabalho reconhecido). Quando tinha doze anos ganhou uma bolsa de estudos em uma escola secundaria jesuíta, até que ele descobriu aos quinze anos um livro de arte moderna, e afirmou “Nem sabia que essa coisa chamada arte existia”. Botero foi expulso da escola por publicar desenhos de personagens nus (considerados obscenos), como conseqüência perdeu a bolsa e foi forçado a continuar seus estudos em uma cidade vizinha Marinilla. Suas primeiras obras revelam influência de Gauguin e do jovem Picasso. Em 1948, pela primeira vez exibiu seu trabalho em Bogotá. No mesmo ano começou a trabalhar em um jornal e em um artigo deste, fico evidente seu dom artístico aos seus dezessete anos. Neste momento um período de agitação civil começou na Colômbia, e houve uma baixa tolerância para o inconformismo e para o radicalismo. Algum dos professores de Botero começou a manifestar a desaprovação de sua obra, e recebeu vários avisos sobre a nudez em suas ilustrações do jornal. A visita de Botero aos Estados Unidos em fins da década de 1950 motivaria, dez anos mais tarde, morar em Nova Iorque e trabalhar nesta cidade. Embora o expressionismo abstrato lhe interessasse, buscou inspiração no renascentismo Italiano. Durante este período, começou a experimentar a criação do volume em suas pinturas, expandindo as figuras e comprimindo o espaço em torno delas, uma qualidade que continua explorando ao pintar retratos de grupos imaginários ou paródias sobre o trabalho de mestres famosos. 1 OBRA na página 14. Artistas do Século XX Página 6
  • 4. Fernando Botero Botero mudou-se para Bogotá em 1951 e realizou sua primeira exposição na Galeria Leo Matiz Gal. No ano seguinte, com vinte anos, ele foi premiado com um segundo prêmio no Salão Nacional, em Bogotá. Com o dinheiro que ele ganhou com o prêmio do Salão e suas exposições, Botero viajou para a Espanha, França e Itália para estudar o trabalho dos antigos mestres. Em Madrid no ano de 1952, estudou na Academia de Bellas Artes de San Fernando, torna-se freqüentador do Museu do Prado, atraído pelas obras de Velásquez e Goya. Muda-se para Paris e não sai do Louvre. Aprofunda-se nele a atração pela arte antiga e a distância das vanguardas. No final do verão de 1953 foi para Florença, Itália onde estudou na ACcademia de San Marcos, aprendeu a técnica de afrescos e história da arte, e teve contato com obras de pintores renascentistas italianos que serviram de enorme referência para Botero, entre eles estão: Giotto, Piero della Francesca, Paolo Uccello e Andrea Del Castagno. De fato, o renascimento italiano iria marcar para sempre o seu estilo. De volta à Colômbia em 1955 expôs suas novas obras na Biblioteca Nacional em Bogotá, as quais foram duramente criticadas por não terem um estilo próprio, e não vendeu nenhuma delas. No final do ano, casou-se com Gloria Zea e eles se mudaram para a Cidade do México, onde seu filho, Fernando nasceu. Em 1956 na Cidade do México estudou os murais políticos de Rivera, Orozco e Siqueira, cuja influência é evidente em sua perspectiva política. Lá produziu Natureza morta com Bandolim 2, a primeira obra que sofreu influência do renascimento italiano e onde experimentou a criação do volume, expandindo as figuras e comprimindo o espaço em torno delas. Sua arte começou a ganhar reconhecimento fora da América Latina. Em 1957 ele foi para os Estados Unidos, passou pela cidade de Nova Iorque e Washington DC, onde seu trabalho foi exposto internacionalmente pela primeira vez, vendeu sua maior parte de pinturas expostas na União Pan-Americana, onde o movimento expressionista abstrato estava prosperando. Ele retornou a Bogotá em 1958, ano em que sua filha Lina nasceu. No mesmo ano foi convidado a lecionar na Escola de Belas Artes da Universidade Nacional, um posto que, ocupou por dois anos. Por esta altura ele era conhecido como um dos artistas mais promissores do país. 2 OBRA página 18. Artistas do Século XX Página 7
  • 5. Fernando Botero Ainda em 1958 Botero ganhou um prêmio no XI Salão Nacional de Artistas da Colômbia, com sua obra em homenagem a Andrea Mantegna, Camera degli Sposi, The Court of Mantua3, (Câmara Nupcial do Tribunal de Mântua) 1471-74. Botero fez depois uma segunda versão sobre este tema, que está agora na coleção do Museu Hirshhorn. Nasce Juan Carlos em 1960, seu terceiro e último filho com Gloria Zea, neste mesmo ano se separa, é nomeado para representar a Colômbia no México na II Bienal, com isso mudou-se para Greenwich Village, Nova Iorque. Em 1961 Dorothy Miller, então curadora do Museu de Arte Contemporânea de Nova Iorque, aconselhou o museu adquirir a "Mona Lisa aos doze anos4". Botero então aperfeiçoa seu estilo. Os tons ocres e as pinceladas abundantes são substituídos pelas superfícies polidas e as cores vivas que caracterizam sua obra madura. A repercussão desta compra pela instituição - a única no ano de uma obra figurativa - muda a trajetória de sua carreira. Em 1964, casou-se pela segunda vez com Cecília Zambrano. Em 1965 Botero alternará estadias na Colômbia, Europa e Nova Iorque, cidade onde nasce seu filho Pedro, em 1970. A partir dessa década, Botero mergulhou em outro ramo da arte, adotando dessa vez a escultura como meio de expressão artística. Em 1973, foi para Paris e começou a esculpir. Seu filho Pedro, morreu em um acidente automobilístico em que o artista também foi gravemente ferido, perdendo um dedo e alguns movimentos em seu braço direito. Botero pintou seu filho várias vezes e continuou mesmo depois de sua morte. Três anos depois ele dedicou um conjunto de galerias alojadas em Medellín museu de arte para a memória de seu filho. Ele e sua segunda esposa se separaram em 1975. Uma de suas esculturas foi exposta na Feira Arte em Paris, em 1977, ano em que também começou a pintar novamente, homenageou Diego Velázquez reproduzindo a obra Infantas Margarita 5. Seu trabalho continuou a ser exibido em galerias de todo o mundo. Em 1983, ele estabeleceu uma oficina metalúrgica, o que lhe permitiu passar vários meses em cada criação, suas esculturas ficavam cada vez maiores, pesavam em média 3.000 quilos. 3 OBRA página __. 4 OBRA página __. 5 OBRA página __. Artistas do Século XX Página 8
  • 6. Fernando Botero Botero voltou a morar em Medellín, a qual estava tomada pelas drogas ficou mundialmente conhecida como “Cartel de Medellín”. Organização de tráfico de cocaína montada pelo temido e audacioso Pablo Escobar, Botero perturbado associou-se a esse Cartel que não durou muito tempo Escobar responsável por centenas de assassinatos, foi morto numa caçada em 1993. Apesar da morte de Escobar, a violência continuou em Medellín, e Botero foi alvo de um seqüestro em 1994 que falhou. Em 1995, um grupo de guerrilheiros explodiu a escultura ”Pomba da Paz6”, a qual Botero tinha doado para a cidade. A explosão ocorreu durante uma festa de rua que estava acontecendo no centro de Bogotá, os estilhaços da Pomba mataram 21 pessoas ao redor. Botero fez então uma réplica dela e colocou ao lado. Em 1996, filho de Fernando Botero foi condenado por aceitar dinheiro das drogas para financiar a campanha do ex-presidente colombiano Ernesto Samper. Botero ficou sem falar com seu filho por três anos, mas mais tarde reconciliaram-se. Em 2000, Botero começou a apresentar quadros que refletem a violência na Colômbia - imagens de massacres, torturas e carros-bomba - uma partida diferente de seu habitual estilo. Em 2001 um artigo do Christian Science Monitor, Botero disse: "A arte deve ser um oásis, um refúgio... da dureza da vida. Mas o drama colombiano é tão fora de proporção que hoje você não pode ignorar a violência, a milhares deslocados e mortos, as procissões de caixões.". Se, por décadas, as obras de Botero foram marcadas por quadros que retravam personagens em situações alegres, festivas e, por vezes, cômicas, ele não se furtou em denunciar a violência das guerrilhas colombianas. Recentemente, o artista colombiano voltou a ficar em evidência quando decidiu pintar quadros que retratavam as torturas sofridas por prisioneiros iraquianos executadas por tropas americanas em Abu Ghraib. “Estes trabalhos são resultados da indignação que as violações dos direitos humanos no Iraque causaram em mim e no resto do mundo”, disse Botero em entrevista ao jornal americano The New York Times. Foram pintados ao todo cinqüenta quadros nos quais os sentimentos de violência e humilhações conseguem ser captadas nas telas com tintas fortes. 6 ESCULTURA página __. Artistas do Século XX Página 9
  • 7. Fernando Botero 1.3 Estilo de Pintura Botero é um artista que está sempre buscando a excelência. O núcleo de seu trabalho denota uma experiência existencial da sua origem e cultura, que é, simultaneamente, de domínio universal. Botero imaginava que isto só era possível “Porque o artista é universal apenas quando está fortemente enraizado na própria comunidade onde nasceu”. Ele tem um segredo sobre a estética, dizendo que a beleza é uma imagem pessoal. Como Aristóteles disse uma vez: "Todo o nosso conhecimento vem de nossas próprias percepções." Botero têm referências particulares, em suas obras os temas estão cheios de autenticidade, o desenvolvimento de seus ideais pessoais em suas pinturas ou esculturas. Suas obras respondem ao que ele viveu, por exemplo, símbolos de poder como os homens e as mulheres foram às protagonistas de sua história. Os frutos e as flores são os temas da natureza e as paisagens são elementos poéticos. Em cada uma de suas técnicas como um pintor, escultor e desenhista, ele desenvolve objetivos diferentes, mas todos refletem harmonia. Para o pintor, a inconformidade é um dos atributos mais importantes para o artista. “Um artista nunca está completo. As suas obras têm que estar em constante evolução Em arte, você nunca pode ter “primavera” ou “inverno” em sua coleção de obras. A coisa mais importante é ter um forte senso de determinação, necessário para ajudar desenvolver o seu estilo pessoal”, disse Botero em entrevista a um jornal italiano. Na Cidade do México Botero começou a desenvolver seu próprio estilo. Em 1956, enquanto que no trabalho em uma pintura chamada Still Life, with Mandolin (Natureza Morta com bandolim), ele teve uma revelação que iria mudar a sua arte. Como ele esboçou um bandolim, colocou um ponto pequeno, onde um buraco maior do som deveria ser fazendo com que o bandolim de repente parecem enormes. Ele começou a experimentar com o tamanho e proporção em seus trabalhos e, eventualmente, desenvolveu o seu estilo de marca. As pessoas e objetos em suas pinturas foram inflados, dando-lhes a presença, em peso, e uma sensualidade rodada. Ao começar esculpir o estilo não sofreu desvios e a preferência pelo volume permaneceu tanto em esculturas em bronze quanto em mármore. Ele criou 25 esculturas em Artistas do Século XX Página 10
  • 8. Fernando Botero metal que começaram a partir de esboços. Os temas eram animais grandes (incluindo os touros), bustos humanos, mulheres reclináveis e objetos maciços. “Botero é visto como um artista que pinta gordos. Mas, essa é uma leitura superficial. Na verdade, ele busca dar volume à percepção que tem do mundo. Dessa forma, Botero inventou um estilo único e próprio para as suas obras. Ele consegue misturar influências renascentistas, que podem ser observadas nos tons de cores usados em suas pinturas. Mas, o mais importante é a fortíssima identificação da cultura latino-americana, presente em seus quadros. Esse interesse vai desde a cultura pré-colombiana, passa pela colonização espanhola, e chega aos desdobramentos sociais da Colômbia moderna. Nesse caso, ele tanto homenageia prostitutas como também denuncia o estado de violência do seu país natal”, disse a professora de História da Arte, Elisa Belén Herrera Peres, especialista sobre a vida e obra do artista colombiano. Este estilo, combinado com achatamento suas pinturas latino-americana com influências, cores vivas e formas delineadas corajosamente, fez dele um dos artistas mais famosos do século 20. 1.3.1 Arte Naif Arte Naif (arte ingênua) é o estilo a que pertence à pintura de artistas sem formação ordenada. Trata-se de um tipo de expressão que não se enquadra nos moldes acadêmicos, nem nas tendências modernistas, nem tampouco no conceito de arte popular, esse isolamento situa a arte naif numa faixa próxima à da arte infantil, da arte do doente mental e da arte primitiva, sem que, no entanto, se confunda com elas. Fernando Botero possuí a arte naif, é a arte da espontaneidade, da criatividade autêntica, do fazer artístico sem escola nem orientação, portanto é natural e onde o artista expande seu universo particular, claro que, como numa arte mais intelectualizada, existem os realmente marcantes e outros nem tanto. Assim, o artista naif é marcadamente individualista em suas manifestações mais puras, muito embora, mesmo nesses casos, seja quase sempre possível descobrir-lhes a fonte de inspiração na iconografia popular das ilustrações dos velhos livros, das folhinhas suburbanas Artistas do Século XX Página 11
  • 9. Fernando Botero ou das imagens de santos. Não se trata, portanto, de uma criação totalmente pessoal, sem nenhuma referência cultural. Esse artista não se preocupa em preservar as proporções naturais nem os dados anatômicos corretos das figuras que representa. Características gerais de um artista Naif:  Composição plana, bidimensional, tende à simetria e a linha é sempre figurativa;  Não existe perspectiva geométrica linear;  Pinceladas contidas com muitas cores. Artistas do Século XX Página 12
  • 10. Fernando Botero Capítulo II: A Obra 2.1 Características de Suas Obras Suas pinturas figurativas desenvolveram o seu estilo inconfundível: "suas obras respondem ao que ele viveu como símbolos de poder como os homens e as mulheres foram às protagonistas de sua história em figuras voluptuosas, obras associadas a Abu Ghraib, sendo os frutos e as flores temas da natureza, e as paisagens elementos poéticos". Pintou também, imagens narrativas com cenas do quotidiano e ainda começou a pintar paráfrases de pinturas famosas expostas em museus europeus, sendo esta hoje um componente importante da sua obra. “Estes temas são importantes para mim à medida que se tornam populares e mais ou menos pertencentes a todos. Só então posso fazer algo diferente com elas. Por vezes desejo apenas compreender uma pintura de forma mais profunda e completa, a sua técnica e o espírito que a conduz” (Fernando Botero). Assim, Botero queria utilizar as paráfrases para mostrar que o aspecto mais importante de uma pintura não é o tema, mas antes o estilo. O entusiasmo de Botero pelas touradas remonta à sua infância, quando, depois de passar por uma escola para toureiros e descobrir sua incapacidade em se tornar um matador, dedicou-se à pintura de cenas taurinas. Desde então, muitas de suas obras inspiraram-se nesse mundo, com o desejo íntimo, confessado pelo pintor, de que “Sempre que se pense em touros se pense em Botero”. Sendo assim, artistas expressam nas suas obras os problemas com o mundo ou suas angústias da vida, Botero teve uma fase em que pintou figuras associadas a Abu Ghraib (inspirou-se nas torturas contra presos iraquianos e fez série de 50 quadros), e seus mais belos trabalhos correspondem justamente à época mais difícil da sua vida, pois decidiu ir para Nova Iorque para prosseguir a sua carreira, este período de solidão, de rejeição, de críticas arrasadoras foi fundamental para Botero encontrar o seu estilo figurativo. Artistas do Século XX Página 13
  • 11. Fernando Botero Suas obras desenrolar-se-iam na orla deste abismo, das criticas arrasadoras, mas nunca mergulharia nele. Desde estão pintou imagens despidas de rudeza, maldade e extremismo, assim como o amor deixa de ser erótico encontrando seu estilo, nunca mais abandonaria este tipo de figura descontraída e serena, Botero rejeitava, por princípio, o individualismo, a emoção e a inquietude, razão pela qual nunca trabalhava a partir de elementos vivos ou com o objeto na sua frente, mas apenas a partir da memória, a pintura era, segundo Botero, “um mundo muito à parte". Optou por expor o volume exagerado em suas obras, pois parecia que transportava o mundo e a vida numa realidade “flutuante” – Para ele a “gordura” é associada ao bom viver, à saúde, à alegria de viver, e as pessoas gordas, à boa disposição, aos prazeres dos sentidos, também existe uma correspondência mais profunda associada ao espírito de um povo alimentado por mitos e lendas, que adora símbolos e alegorias, que possui qualidades criativas do exagero e do excesso, nas suas igrejas, por exemplo, podemos ver o esplendor, o luxuoso, o elaborado nos seus altares, mas também no seu artesanato e na sua pintura, gosta de pintar imagens de clérigos e dignitários da Igreja, juntando a sua paixão pela pintura do século XV, à sua época, século XX, denotando assim uma realidade específica da sua cultura: a importância da Igreja como instituição e como portadora de identidade da sua região. No entanto, de início estas imagens foram interpretadas como sendo uma crítica dessa instituição ancestral, verificou-se, com o tempo, que Botero seria mais um pintor do “amor” do que da “crítica”, pois as suas pinturas seriam apenas “leves sorrisos de perdão pelo caráter inofensivo da sua discriminação”. Com o tempo, as figuras e objetos de Botero tornaram-se mais esculturais, os volumes e as formas aumentaram. Botero pinta ainda uma longa série de pinturas sobre motivos religiosos, um tema pouco usual segundo os padrões do século XX. Gosta de sublinhar, e diz que a deformação na arte tem uma longa tradição histórica e o que seria da arte senão fosse à deformação da realidade originada por uma inquietude estética num sentido preponderante da tarefa estilística? Giotto, Rafael, El Greco, Rubens, Picasso e tantos outros deformaram a realidade para formular algo diferente, assim, para estes, Artistas do Século XX Página 14
  • 12. Fernando Botero como para Botero, o exagero constante e abrangente torna a deformação uma regra, transformando-a depois em estilo. Porém, a deformação sem um objetivo superior seria uma caricatura ou mesmo uma monstruosidade, o que não acontece com Botero. A sua deformação manifesta sempre um desejo de acentuar a sensualidade da imagem. "É importante saber de onde provém o prazer de contemplar um quadro. Para mim, é a alegria de viver combinada com a sensualidade das formas. É por isso que o meu problema é criar sensualidade através da forma." (Fernando Botero) Uma natureza-morta não é uma gravura botânica, o assunto não é a fruta, mas o quadro. O mesmo se aplica a "homens e mulheres”. Ainda pintou uma série de criaturas gigantescas, mas amistosas, decoradas com contornos suaves e redondos. “Peles suaves, sensuais, aveludadas, cobrem corpos amplos onde, enterrado bem fundo nas carnes, as pequenas almas, sempre bem dispostas, parecem dormir; e à pergunta se as suas figuras tinham almas leves, Botero responderia mais tarde: “Elas nunca quiseram ter almas”. Em suas pinturas não existem sombras, porque elas “sujam as cores”; esta ausência é uma grande preocupação ligada à idéia de beleza, a luz provém do interior e a plasticidade das suas imagens é criada através da cor. O objetivo é sempre criar superfícies em que a cor possa exprimir-se a si própria. "A cor é fundamental," diz Botero, “pois dá luz à pintura. A imagem só alcançará a perfeição quando a questão da cor tiver sido resolvida”. Suas inspirações eram "desde figuras demonstrando sofrimento até os sorrisos em pinturas calmas, corpulentas demonstrando a realidade em forma de arte". Artistas do Século XX Página 15
  • 13. Fernando Botero 2.2 Touradas Figura 2: Remoção – 1988 Fonte: http://judaica-art.com (acessado em 04-06-2010) Artistas do Século XX Página 16
  • 14. Fernando Botero Figura 3: Toreiros Gang Anão- 1988 Fonte: http://judaica-art.com Artistas do Século XX Página 17
  • 15. Fernando Botero Figura 4: – Aquarelas de um Matador - seu primeiro trabalho reconhecido Artistas do Século XX Página 18
  • 16. Fernando Botero Fonte: http://www.ricci-arte.biz Figura 5: Corrida - 2002 Artistas do Século XX Página 19
  • 17. Fernando Botero Fonte: http://www.exporevue.com Artistas do Século XX Página 20
  • 18. Fernando Botero Figura 6: Toro - 1986 Fonte: http://www.all-art.org 2.3 Natureza Morta Artistas do Século XX Página 21
  • 19. Fernando Botero Figura 7: Natureza morta com Bandolim - 1956 Fonte: http://www.abel-art.com Artistas do Século XX Página 22
  • 20. Fernando Botero Figura 8: Pêra Fonte: http://www.all-art.org Artistas do Século XX Página 23
  • 21. Fernando Botero Figura 9: Natureza morta com Melancia - 1992 Fonte: http://www.ricci-arte.biz/ Artistas do Século XX Página 24
  • 22. Fernando Botero Figura 10: Laranja - 1979 Fonte: http://www.ricci-arte.biz/ Artistas do Século XX Página 25
  • 23. Fernando Botero Figura 11: Natureza morta com Sorvete - 1990 Fonte: http://www.agisoft.it Artistas do Século XX Página 26
  • 24. Fernando Botero Figura 12: Laranjas - 1997 Fonte: http://www.agisoft.it Artistas do Século XX Página 27
  • 25. Fernando Botero Figura 13: Piquenique - 2002 Fonte: http://www.exporevue.com/ Artistas do Século XX Página 28
  • 26. Fernando Botero Figura 14: Homenagem ao Turismo - 1998 Fonte: http://www.lablaa.org Artistas do Século XX Página 29
  • 27. Fernando Botero 2.4 Auto-Retrato Figura 15: Auto-Retrato no dia de minha primeira comunhão - 1970 Artistas do Século XX Página 30
  • 28. Fernando Botero Fonte: http://www.all-art.org Figura 16: Auto-Retrato com uma modelo - 1989 Artistas do Século XX Página 31
  • 29. Fernando Botero Fonte: http://www.all-art.org Artistas do Século XX Página 32
  • 30. Fernando Botero Figura 17: Auto-Retrato com Luís XVI – 1973 Fonte: http://www.ifalsidiautore.it Artistas do Século XX Página 33
  • 31. Fernando Botero Figura 18: Auto-Retrato - 1992 Fonte: http://www.all-art.org Artistas do Século XX Página 34
  • 32. Fernando Botero 2.5 Nus Figura 19: Almoço no campo - 1969 Fonte: http://www.all-art.org Artistas do Século XX Página 35
  • 33. Fernando Botero Figura 20: O jogador de cartas – 1988 Fonte: http://www.all-art.org Artistas do Século XX Página 36
  • 34. Fernando Botero Figura 21: Vênus - 1989 Artistas do Século XX Página 37
  • 35. Fernando Botero Fonte: http://www.all-art.org Artistas do Século XX Página 38
  • 36. Fernando Botero Figura 22: O Banho – 1989 Artistas do Século XX Página 39
  • 37. Fernando Botero Fonte: http://www.all-art.org Figura 23: Mulher - 1998 Artistas do Século XX Página 40
  • 38. Fernando Botero Fonte: http://www.all-art.org Figura 24: A Praia - 1987 Fonte: http://www.all-art.org Artistas do Século XX Página 41
  • 39. Fernando Botero Figura 25: Adão e Eva - 1998 Artistas do Século XX Página 42
  • 40. Fernando Botero Fonte: http://www.thypott-art.com Figura 26: Casal de namorados – 1982 Fonte: http://www.all-art.org Artistas do Século XX Página 43
  • 41. Fernando Botero Figura 27: Odalisca -1996 Fonte: http://www.all-art.org Artistas do Século XX Página 44
  • 42. Fernando Botero Figura 28: O Jantar - 1994 Fonte: http://www.all-art.org Artistas do Século XX Página 45
  • 43. Fernando Botero Figura 29: Casa de Marta Pintuco - 2001 Artistas do Século XX Página 46
  • 44. Fernando Botero Fonte: http://oseculoprodigioso.blogspot.com Figura 30: A carta - 1976 Artistas do Século XX Página 47
  • 45. Fernando Botero Fonte: http://www.ocaiw.com Artistas do Século XX Página 48
  • 46. Fernando Botero Figura 31: Colombiana – 1999 Fonte: http://www.lablaa.org Artistas do Século XX Página 49
  • 47. Fernando Botero 2.6 Colômbia Figura 32: Um Povo - 1997 Artistas do Século XX Página 50
  • 48. Fernando Botero Fonte: http://www.agisoft.it/ Artistas do Século XX Página 51
  • 49. Fernando Botero Figura 33: No Parque - 1996 Fonte: http://www.the-athenaeum.org Artistas do Século XX Página 52
  • 50. Fernando Botero Artistas do Século XX Página 53
  • 51. Fernando Botero Figura 34: Bola na Colômbia - 1980 Fonte: http://judaica-art.com Artistas do Século XX Página 54
  • 52. Fernando Botero Figura 35: Crianças Jogando Futebol – 2002 Fonte: http://www.the-athenaeum.org Artistas do Século XX Página 55
  • 53. Fernando Botero Figura 36: Cavalo - 1998 Artistas do Século XX Página 56
  • 54. Fernando Botero Fonte: http://www.the-athenaeum.org Artistas do Século XX Página 57
  • 55. Fernando Botero Figura 37: O Presidente - 1997 Fonte: http://www.lablaa.org Artistas do Século XX Página 58
  • 56. Fernando Botero Figura 38: Os Músicos - 1991 Fonte: http://www.thypott-art.com Artistas do Século XX Página 59
  • 57. Fernando Botero Figura 39: Carro-Bomba - 1999 Fonte: http://www.the-athenaeum.org Artistas do Século XX Página 60
  • 58. Fernando Botero Figura 40: Desfile - 2000 Artistas do Século XX Página 61
  • 59. Fernando Botero Fonte: http://www.all-art.org Artistas do Século XX Página 62
  • 60. Fernando Botero Figura 41: Terremoto em Popayán -1999 Fonte: http://www.agisoft.it Artistas do Século XX Página 63
  • 61. Fernando Botero Figura 42: Abate na Colômbia - 1999 Fonte: http://www.thypott-art.com Artistas do Século XX Página 64
  • 62. Fernando Botero Figura 43: Uma mãe - 1999 Fonte: http://www.thypott-art.com Artistas do Século XX Página 65
  • 63. Fernando Botero Figura 44: Manuel Marulanda “Tiro Fixo” - 1999 Fonte: http://www.lablaa.org Artistas do Século XX Página 66
  • 64. Fernando Botero Figura 45: O abate nos melhores cantos- 1997 Fonte: http://www.lablaa.org Artistas do Século XX Página 67
  • 65. Fernando Botero Figura 46: O caçador - 1999 Fonte: http://www.artchive.com Artistas do Século XX Página 68
  • 66. Fernando Botero 2. 7 Abu Ghraib Figura 47: Abu Ghraib 50 - 2005 Fonte: http://img.slate.com Artistas do Século XX Página 69
  • 67. Fernando Botero Figura 48: Abu Ghraib 31 - 2005 Fonte: http://img.slate.com Artistas do Século XX Página 70
  • 68. Fernando Botero Figura 49: Abu Ghraib 53 - 2005 Fonte: http://img.slate.com Artistas do Século XX Página 71
  • 69. Fernando Botero Figura 50: Abu Ghraib 52 - 2005 Artistas do Século XX Página 72
  • 70. Fernando Botero Fonte: http://img.slate.com Artistas do Século XX Página 73
  • 71. Fernando Botero Figura 51: Abu Ghraib 59 - 2005 Fonte: http://img.slate.com Artistas do Século XX Página 74
  • 72. Fernando Botero Figura 52: Abu Ghraib 57 - 2005 Fonte: http://img.slate.com Artistas do Século XX Página 75
  • 73. Fernando Botero Figura 53: Abu Ghraib 67 – 2005 Fonte: http://www.barcelonakontext.com Artistas do Século XX Página 76
  • 74. Fernando Botero 2.8 Paráfrases Figura 54: O Casal Arnolfini, por Van Eyck - 1434 Artistas do Século XX Página 77
  • 75. Fernando Botero Fonte: http://becre.wordpress.com Figura 55: Arnolfini, por Fernando Botero Artistas do Século XX Página 78
  • 76. Fernando Botero Fonte: http://nastintasparaasregras.blogspot.com Artistas do Século XX Página 79
  • 77. Fernando Botero Figura 56: Mona Lisa, por Leonardo da Vinci - 1503-06 Fonte: http://nastintasparaasregras.blogspot.com Artistas do Século XX Página 80
  • 78. Fernando Botero Figura 57: Mona Lisa, por Fernando Botero - 1977 Fonte: http://www.espanolsinfronteras.com Artistas do Século XX Página 81
  • 79. Fernando Botero Figura 58: Mona Lisa aos doze anos, por Fernando Botero Fonte: http://www.agisoft.it Artistas do Século XX Página 82
  • 80. Fernando Botero Figura 59: Retrato de Susanna Lunden "O Chapéu de Palha”, por Peter Paul Rubens 1622-25 Fonte: http://www.artcyclopedia.com Artistas do Século XX Página 83
  • 81. Fernando Botero Figura 60: Mrs. Rubens, por Fernando Botero - 1968 Fonte: http://www.espanolsinfronteras.com Artistas do Século XX Página 84
  • 82. Fernando Botero Figura 61: Mademoiselle Rivière, por Ingres - 1805 Fonte: http://www.artchive.com Artistas do Século XX Página 85
  • 83. Fernando Botero Figura 62: Mademoiselle Rivière, por Fernando Botero - 2002 Fonte: http://www.all-art.org Artistas do Século XX Página 86
  • 84. Fernando Botero Figura 63: Auto-Retrato, por Velázquez - 1656 Fonte: http://www.wpclipart.com Artistas do Século XX Página 87
  • 85. Fernando Botero Figura 64: Auto-Retrato de Diego Velazquéz, por Fernando Botero - 1985 Fonte: http://www.abel-art.com Artistas do Século XX Página 88
  • 86. Fernando Botero Figura 65: Camera degli Sposi, Palazzo Ducale, Mantua, por Mantegna - 1471 Fonte: http://www.ocaiw.com Artistas do Século XX Página 89
  • 87. Fernando Botero Figura 66: Homenagem a Mantegna, por Fernando Botero - 1961 Fonte: http://www.abel-art.com Artistas do Século XX Página 90
  • 88. Fernando Botero Figura 67: Le Dejuner sur l'herbe, por Manet - 1863 Fonte: http://www.dl.ket.org Artistas do Século XX Página 91
  • 89. Fernando Botero Figura 68: Piquenique, por Fernando Botero - 2001 Fonte: http://www.mav.cl Artistas do Século XX Página 92
  • 90. Fernando Botero Figura 69: Infanta Margarita Diego Velázquez - 1656 Fonte: http://commons.wikimedia.org Artistas do Século XX Página 93
  • 91. Fernando Botero Figura 70: Infanta Margarita, por Fernando Botero Fonte: http://tuxcafe.org/~ten20727ete06/repertoires_ete06/dube_amelie/site/botero/particularite.htm Artistas do Século XX Página 94
  • 92. Fernando Botero 2.9 Pedrito Figura 71: Pedrito - 1975 Artistas do Século XX Página 95
  • 93. Fernando Botero Fonte: http://judaica-art.com/ Figura 72: Pedro sobre um cavalo - 1971 Artistas do Século XX Página 96
  • 94. Fernando Botero Fonte: http://www.museumsyndicate.com 2.10 Esculturas Artistas do Século XX Página 97
  • 95. Fernando Botero Figura 72: Mulher Sentada com Frutas - 1996 Fonte: http://www.lablaa.org Artistas do Século XX Página 98
  • 96. Fernando Botero Figura 73: Leda e o Cisne - 1995 Fonte: http://www.lablaa.org Artistas do Século XX Página 99
  • 97. Fernando Botero Figura 74: Mulher na Cama Fonte: http://www.ricci-arte.biz/pt/Fernando-Botero.htm Artistas do Século XX Página 100
  • 98. Fernando Botero Figura 75: O Gato - 1976 Fonte: http://www.ricci-arte.biz/pt/Fernando-Botero.htm Artistas do Século XX Página 101
  • 99. Fernando Botero Figura 76: Piccola Donna su Gradino Fonte: http://www.ricci-arte.biz/pt/Fernando-Botero.htm Artistas do Século XX Página 102
  • 100. Fernando Botero Figura 77: O Pássaro, Pomba da Paz Fonte: http://www.ricci-arte.biz/pt/Fernando-Botero.htm Artistas do Século XX Página 103
  • 101. Fernando Botero Figura 78: Mulher em um cavalo - 1990 Artistas do Século XX Página 104
  • 102. Fernando Botero Fonte: http://www.ricci-arte.biz/pt/Fernando-Botero.htm Figura 79: Os Amantes Artistas do Século XX Página 105
  • 103. Fernando Botero Fonte: http://www.ricci-arte.biz/pt/Fernando-Botero.htm Figura 80: Mulher Fumando Fonte: http://www.ricci-arte.biz/pt/Fernando-Botero.html Artistas do Século XX Página 106
  • 104. Fernando Botero Capítulo III: Legado 3.1 Análise das Obras 3.1.1 A Família "Na arte, enquanto você tem idéias e pensar, você é obrigado a deformar a natureza. A arte é a deformação” (Fernando Botero) Em 1996, Fernando Botero criou uma pintura intitulada “A Família”. É um exemplo perfeito de um estilo que surgiu em torno de 1964, em que interpretações pessoais do artista surgem na tela. Botero tem aplicado consistentemente este estilo de suas pinturas. À primeira vista, "A Família" tende a provocar uma resposta humorística, mas após uma análise cuidadosa, a natureza simbólica logo se torna evidente, como é freqüentemente o caso de muitas das obras de Fernando Botero. A baixa estatura de enfermeiro das crianças pode ser interpretada como a maneira em que membros da família percebem sua função. O tamanho ainda menor do soldado poderia ser visto como um ataque direto à sociedade, um reflexo poderoso da falta de competência para lidar com uma infinidade de preocupações sociais. O azul intenso do vestido da mãe entre os tons de terra imediatamente chama a atenção do espectador, o que significa uma importância particular ao papel maternal. Botero colocou seus personagens em um círculo, um diante do outro, criando uma sensação de harmonia familiar e sutileza. 3.1.1.1 Comentários John E. Bullard, diretor do New Orleans Museum of Art foi citado como dizendo "Botero é um artista que usa seu estilo distinto de se pronunciar sobre todas as facetas da vida humana..." Bullard ainda comentou que Botero "figuras que podem parecer gentis e Artistas do Século XX Página 107
  • 105. Fernando Botero carinhosas em um retrato de família, mas o mesmo estilo usado para descrever um líder político pode ter uma mordida satírica”. 3.1.1.2 Exposições O New Orleans Museum of Art é conhecida hoje de uma exposição intitulada “O mundo barroco de Fernando Botero", que decorreu 28 de junho a 21 de setembro de 2008. A exposição foi composta de 100 pinturas, desenhos e esculturas que refletem a carreira de Botero, de 1959 até tão tarde quanto 2005. Todas as obras estão atualmente em empréstimo, desde que pelo artista, alguns são os favoritos de sua coleção pessoal, enquanto outros foram readquiridos após anos de deixar sua propriedade. Muitas das obras em exibição estão sendo vistos pelo público pela primeira vez nunca. Artistas do Século XX Página 108
  • 106. Fernando Botero Figura 81: Pintura - A Família Fonte: Artista: Fernando Botero Artistas do Século XX Página 109
  • 107. Fernando Botero Criado em: 1996 Dimensões (cm): 155,0 x 195,0 Formato: Óleo sobre tela 3.2 O Pássaro Segundo Daniel Toledo7 , em 1989, Fernando Botero doou a escultura “O Pássaro” à cidade de Medellín, seria difícil imaginar a força dos diálogos – e dos conflitos – que a obra estabeleceria com seu despejo. Na iniciativa do artista representava-se um ato de fé no futuro da Colômbia, realizado em meio a um contexto nada inspirador: Medellín era um dos principais centros mundiais de narcotráfico, sendo internacionalmente associada a guerrilheiros, seqüestradores e assassinos de aluguel. Instalada no Parque de San Antonio, a escultura “O Pássaro” possui três metros de altura e pesa cerca de uma tonelada e meia. Conservando o peso, a descontração e a serenidade que caracterizam o marcante estilo de Botero, a obra foi criada como um elogio à paz e à ternura. Com a instalação da escultura, o artista pretendia atribuir novos ares à sua cidade natal, destacando a força da cultura colombiana e buscando despertar a auto-estima do seu país. No entanto, seis anos depois da instalação da obra, o Parque de San Antonio recebeu um atentado até hoje não explicado: uma bomba foi instalada na base da escultura e, além de danificá-la, matou 28 pessoas e feriu mais de duzentos civis. Enquanto alguns compreenderam a ação como um protesto contra a exploração do povo pelo artista (devido aos altos custos de produção e criação da obra), outros associaram o atentado como uma forma de atingir o filho de Botero, que naquele momento ocupava o Ministério da Defesa. Extremamente impressionado com o ocorrido, Botero decidiu produzir uma réplica da obra danificada e instalá-la ao lado do antigo pássaro, sem que o último sofresse qualquer reparo. A inauguração da nova obra foi realizada em 2000, junto, de um lado, o símbolo de um desejo de paz e, do outro, o vestígio da barbárie que, depois desse episódio, foi incorporada à história artística do país. 7 http://conversearteexpandida.wordpress.com/2009/01/12/el-pajaro/ Artistas do Século XX Página 110
  • 108. Fernando Botero Figura 82: O Pássaro Fonte: http://conversearteexpandida.wordpress.com Artistas do Século XX Página 111
  • 109. Fernando Botero 3.3 Influências 3.3.1 Escolas 3.3.1.1 Academia Real de Bellas Artes de San Fernando A primeira proposta para a criação de uma Academia Real de Bellas Artes na Espanha deve-se ao pintor Antonio Melendez, que em 1726 sugeriu ao então rei Filipe V “erigir uma Academia de Artes design, pintura, escultura e arquitetura, exemplo do que se realizará em Roma, Paris, Florença e Flandres, e pode ser útil ao seu serviço real, o ilustrador desta grande cidade de Madrid e a honra da nação espanhola”, porém essa proposta não foi bem sucedida. Então o escultor italiano Domenico Olivieri estando na frente do ateliê de esculturas que estava sendo realizado no Novo Palácio Real, pediu permissão a Filipe V para abrir uma academia privada que iria operar durante os anos de 1741 a 1744, a qual foi concedida. Esta experiência prévia reforçou a idéia de fundar ma Academia Real finalmente, por iniciativa de Olivieri, mas que não se concretizou. E foi em 12 de abril de 1752 que Fernando VI, após alguns anos de reinado, aprovou o Decreto Real para a então fundação da Academia Real de Bellas Artes. Esta academia ficou conhecida como umas das melhores escolas de arte da Europa passaram por lá grandes nomes como Picasso e Dali. A galeria da Academia inclui obras de antigos mestres como Van Dyck e Rubens, e desenhos de Rafael e Ticiano. Naturalmente, artistas espanhóis estão bem representados, com destaque para os magníficos trabalhos de El Greco, Velázquez, Murillo, Ribera e Zurbarán. No total, existem mais de 1.500 pinturas e cerca de 600 esculturas, que vai desde o século 15 todo o caminho até o presente. Artistas do Século XX Página 112
  • 110. Fernando Botero 3.3.1.2 ACcademia de Bellas Artes Em 1784, o Grão-duque de Toscana, Pedro Leopoldo, fundou a uma escola destinada ao ensino da arte. Integrou-se a instituições de prestígio como a Accademia delle Arti del Disegno, teve suas instalações em edifícios antigos do Hospital de San Matteo, no convento de San Niccolò di Cafaggio. Galleria dell'Accademia foi fundada junto com a Accademia de Bellas Artes, um museu destinado a abrigar os trabalhos de arte que pertencem à escola de arte, que também servem como modelos na formação dos artistas. Entre as obras presentes na Galeria desde sua fundação é o modelo de gesso do grupo escultórico de Giambologna, o rapto das Sabinas, agora exibido na Sala del Colosso. A Galeria foi progressivamente alargada através da adição de várias pinturas antigas provenientes de igrejas e conventos extinguidos pelo Grão-Duque, no final do século XVIII, e mais tarde em 1810, Napoleão adicionou a seção de arte moderna . Em 1873, a estátua de David de Michelangelo Buonarroti foi transferida para a Galeria da Piazza della Signoria. Uma área especial conhecido como o Tribune foi projetado por Emilio De Fabris para adaptá-lo Entre o final do século XIX e primeiros anos do século XX, a Galeria, que já estava separada administrativamente da Accademia de Bellas Artes, foi reorganizada. Isto envolveu a transferência de algumas das pinturas antigas para outros museus da cidade, enquanto a seção de arte moderna foi transferida para novas instalações no Palazzo Pitti. Ao mesmo tempo, a Galleria dell'Accademia foi reforçada com a adição de outras obras de Michelangelo, como a estátua de São Mateus, comprada pela galeria em 1906, e em 1909 comprou quatro grandes estátuas de escravos/prisioneiros, originários de Grotta del Buontalenti nos Jardins Boboli. Ouve uma tentativa que foi feita para restaurar o vínculo original com a Accademia de Bellas Artes, exibindo uma extensa coleção de modelos de gesso por Lorenzo Bartolini e outros artistas do século XIX, relacionadas com a escola de arte. Bem como este foi criado dentro da Galeria o Museu de Instrumentos Musicais. Todas as obras, e instrumentos são Artistas do Século XX Página 113
  • 111. Fernando Botero exibidos em salas de exposição projetada para acomodar novos polípticos e retábulos de grandes dimensões. 3.3.2 Artistas 3.3.2.1 Pablo Picasso Nasceu em 1881 tendo vivido 92 anos e pintado desde muito jovem até próximo à sua morte em 1973 passou por diversas fases: a fase Azul, entre 1901-1904, que representa a tristeza o isolamento e também a miséria e o desespero humanos; a fase Rosa, entre 1904-1907, o amor por Fernande origina muitos desenhos sensuais e eróticos, com a paixão de Picasso pelo circo, iniciam-se os ciclos dos saltimbancos e do arlequim. Em 1907, com a obra Les Demoiselles d’Avignon começa a elaborar a estética cubista que se fundamenta na destruição de harmonia clássica das figuras e na decomposição da realidade, essa tela subverteu o sentido da arte moderna com a declaração de guerra em 1914, chega ao fim a aventura cubista. Podemos destacar também o mural Guernica, que representa, com veemente indignação, o bombardeio da cidade espanhola pelos aliados alemães de Franco, em abril de 1937, responsável pela morte de grande parte da população civil formada por crianças, mulheres e trabalhadores. "A Arte não é a verdade. A Arte é uma mentira que nos ensina a compreender a verdade". (Pablo Picasso) Artistas do Século XX Página 114
  • 112. Fernando Botero 3.3.2.2 Paul Gauguin Eugène Henri Paul Gauguin nasceu em 1848, natural de Paris, pertencia a uma família de classe média. Por causa do golpe de estado de Luís Napoleão, sua família se mudou para a América do Sul e dez anos depois voltou para a França. Ele começou a se interessar pela arte, comprando alguns quadros impressionistas. Em 1883, começou a pintar com Pissarro em Osny. Entre 1880 e 1886, expôs seus trabalhos junto com o grupo de impressionistas. Gauguin desenvolveu as técnicas do "sintetismo" e "cloisonnisme" (alveolismo), estilos de representação simbólica da natureza onde são utilizadas formas simplificadas e grandes campos de cores vivas chapadas, que ele fechava com uma linha negra, e que mostravam uma forte influência das gravuras japonesas. A sua pintura é caracterizada por natureza alegórica, decorativa e sugestiva, formas dimensionais, estilizadas, sintéticas e estáticas. Ele e Schuffenecker organizaram uma exposição no Café Volpini em Paris, onde impressionaram os artistas do simbolismo. Interessado na arte oriental foi morar no Taiti. Ficou encantado com sua arte e estilo de vida. Antes de voltar para Paris, por necessidades tais como dinheiro, pintou "A lua e a terra" expressando a cultura Maori. Logo voltou ao Taiti e com uma vida conturbada, passando por necessidades físicas e monetárias, tentou o suicídio. Envolveu-se em conflitos com os europeus e com as autoridades, foi preso em março de 1903. Em maio, morreu na prisão. Artistas do Século XX Página 115
  • 113. Fernando Botero 3.3.2.3 Diego Velázquez Diego Rodríguez de Silva Velázquez, filho de um fidalgo de origem portuguesa, nasceu na cidade Sevilha, Espanha em 1599. Sua habilidade para a pintura se manifestou muito cedo e ele teve como mestres Francisco Herrera e, depois, Francisco Pacheco, de quem mais tarde se tornou genro. A principal fonte de informações sobre os primeiros anos de sua carreira é a obra Arte de la pintura (Arte da pintura), que Pacheco publicou em 1649. Velázquez iniciou sua carreira pelo naturalismo, sob a influência de Caravaggio e Pieter de Aertsen. O artista já se destacava então pela exploração do contorno e dos contrastes ilusionistas de luz e sombra, privilegiando as expressões faciais, buscando a individualidade de cada personagem retratado. Tinha como características de pintura, ele enfatizava a elaboração de retratos de integrantes da nobreza e a pintura de cenas históricas e também elementos da mitologia. Mostrava detalhes em suas obras, as quais tinham presença do tenebrismo (aplicação de fundo escuro) e do realismo (busca por detalhes para deixar a obra mais real possível). Estas duas características foram típicas do barroco. Existem pouco mais de cem obras conhecidas de Velázquez. Como quase nunca assinava seus trabalhos, o artista teve atribuídas a ele muitas telas de outros pintores. Embora suas obras chamem a atenção pela aparente naturalidade, não são fruto da simples observação, mas de uma elaboração intelectual, na busca de uma representação ideal do mundo em formas ideais. Cercado de prestígio e honrarias, Velázquez morreu em Madrid, em 1660. Artistas do Século XX Página 116
  • 114. Fernando Botero 3.3.2.4 Goya Francisco José de Goya e Lucientes, pintor espanhol que nasceu em Fuentedetodos, Aragão, Espanha em 30 de Março de 1746. Quando jovem conseguiu uma bolsa na Real Academia de San Fernando. Goya começou sua obra pelos afrescos convencionais da capela de Nuestra Señora del Pilar, em Saragoça. Suas inclinações realistas só se afirmaram a partir de 1792, em quadros como "O manicômio", "O tribunal da Inquisición", "Procissão de flagelantes" e o mais marcante "O funeral da sardinha", cenas realistas em que há um fluxo subterrâneo de visões fantásticas. Por volta de 1819, realizou o último dos seus conjuntos e o de mais difícil abordagem, os "Disparates". Há neles um caráter crítico, em que volta o gênio sarcástico de "Os caprichos", mas os temas são genéricos e há maior liberdade de composição e de proporção das figuras. Suas pinturas caracterizavam-se por fazer representações da realidade que ele via, sendo fiel aos traços dos retratos que fez que relevava aparência dos nobres que fugiam dos padrões de beleza ou a mediocridade adventícia das pessoas comuns, provocada pelos dogmas e costumes aos quais os artistas criticavam. Goya morreu em Bordéus, em 16 de abril de 1828. Artistas do Século XX Página 117
  • 115. Fernando Botero Conclusão Entendendo o tema da monografia, conclui-se que Fernando Botero foi um artista muito importante para o século XX, pois suas pinturas e esculturas retratam o cotidiano de pessoas e acontecimentos que marcaram o mundo, com um olhar diferente de outros artistas. Seu modo de pintar e esculpir foi e ainda é sua marca registrada, e que mesmo com críticas, houve superação, e assim Botero continua espalhando seu talento pelo mundo inteiro. Artistas do Século XX Página 118
  • 116. Fernando Botero Bibliografia http://www.ricci-arte.biz/pt/Fernando-Botero.htm (Acessado em 26/03/2010) http://www.abel-art.com/botero/pages/Retrato-de-Velazquez.htm (Acessado 02/04/2010) http://www.abel-art.com/botero/pages/Still-Life-With-Mandolin.htm (Acessado 02/04/2010) http://www.wpclipart.com/famous/painter/Diego_Velazquez.png.html (Acessado 02/04/2010) http://www.artchive.com/artchive/I/ingres/ingres_riviere.jpg.html (Acessado 02/04/2010) http://www.artcyclopedia.com/artists/detail/Detail_rubens_peter_paul.html?noframe (Acessado 04/04/2010) http://www.espanolsinfronteras.com/Elarteylahistoria06LPintoresFernandoBotero.htm (Acessado 04/04/2010) http://becre.wordpress.com/2008/06/12/jan-van-eyck/ (Acessado 10/04/2010) http://www.ocaiw.com/galleria_maestri/gallery.php?id=523&catalog=pitt&lang=pt (Acessado 10/04/2010) http://www.dl.ket.org/humanities/connections/class/more/strickland.htm (Acessado 15/04/2010) Artistas do Século XX Página 119
  • 117. Fernando Botero http://www.mav.cl/expo/botero/galeria.html (Acessado 16/04/2010) http://www.agisoft.it/Arte/5/p/Ar/Botero,%20Fernando_02.htm (Acessado 22/04/2010) http://www.agisoft.it/Arte/5/p/Ar/Botero,%20Fernando_01.htm (Acessado 22/04/2010) http://www.exporevue.com/magazine/fr/botero.html (Acessado 23/04/2010) http://oseculoprodigioso.blogspot.com/2006/11/botero-fernando-arte-naif.html (Acessado 23/04/2010) http://judaica-art.com/art-masterpieces-by-artist/fernando-botero/fernando-botero-ball-in- colombia-1980-fine-art-oil-painting-gallery/prod_2028.html (Acessado 03/05/2010) http://www.ocaiw.com/galleria_maestri/image.php? id=261&catalog=&start=&lang=pt&letter=&id_img=298&name= (Acessado 03/05/2010) http://www.lablaa.org/blaavirtual/museobotero/listabot.htm (Acessado 07/05/2010) http://www.thypott-art.com/painting/Fernando_Botero/una_madre__botero (Acessado 07/05/2010) http://www.thypott-art.com/painting/Fernando_Botero/massacre_in_colombia_botero (Acessado 07/05/2010) http://www.the-athenaeum.org/art/by_artist.php?Artist_ID=1607 (Acessado 11/05/2010) http://www.the-athenaeum.org/art/by_artist.php?&sort=&id=1607&p=3 (Acessado 11/05/2010) http://www.the-athenaeum.org/art/by_artist.php?&sort=&id=1607&p=2 (Acessado 11/05/2010) Artistas do Século XX Página 120
  • 118. Fernando Botero http://www.artchive.com/web_gallery/F/Fernando-Botero/El-Cazador.html (Acessado 17/05/2010) http://www.artchive.com/artchive/V/velazquez/velazquez_infanta.jpg.html (Acessado 17/05/2010) http://www.ifalsidiautore.it/opere.asp/soggetto_novecento/falsi-d-autore.html (Acessado 29/05/2010) http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Infanta_Margarita.jpg (Acessado 29/05/2010) http://tuxcafe.org/~ten20727ete06/repertoires_ete06/dube_amelie/site/botero/particularite.htm (Acessado em 02/06/2010) http://www.all-art.org/art_20th_century/botero1.html (Acessado em 02/06/2010) http://www.all-art.org/art_20th_century/botero2.html (Acessado em 02/06/2010) http://www.all-art.org/art_20th_century/botero3.html (Acessado em 02/06/2010) http://www.all-art.org/art_20th_century/botero4.html (Acessado em 02/06/2010) http://www.all-art.org/art_20th_century/botero5.html (Acessado em 02/06/2010) http://www.all-art.org/art_20th_century/botero6.html (Acessado em 02/06/2010) http://www.myhero.com/go/hero.asp?hero=fernando_botero (Acessado em 02/06/2010) http://nastintasparaasregras.blogspot.com/2007/05/recriar-o-passado.html (Acessado em 03/06/2010) Artistas do Século XX Página 121
  • 119. Fernando Botero http://globoruraltv.globo.com/GRural/0,27062,LTO0-4370-301628,00.html (Acessado em 03/06/2010) http://www.openzine.com/aspx/Zine.aspx?IssueID=663 (Acessado em 03/06/2010) http://www.scribd.com/doc/18305378/20090406RevistaColombia Página 23 (acessado em 03/06/2010) http://www.memorial.sp.gov.br/memorial/RssNoticiaDetalhe.do?noticiaId=895 (Acessado em 04/06/2010) http://www.publispain.com/revista/biografia-de-fernando-botero.htm (Acessado em 04/06/2010) http://www.slate.com/id/2153674/slideshow/2153797/fs/0//entry/2153809/ (Acessado em 04/06/2010) http://www.thypott-art.com/process/upload/9bd0a17172a4ffefd6c13a6929444b5d.jpg (Acessado em 04/06/2010) http://www.commondreams.org/headlines05/0412-06.htm (Acessado em 05/06/2010) http://www.slate.com/id/2153674/slideshow/2153797/fs/0//entry/2153789/ (Acessado em 05/06/2010) http://www.slate.com/id/2153674/slideshow/2153797/fs/0//entry/2153793/ (Acessado em 05/06/2010) http://www.slate.com/id/2153674/slideshow/2153797/entry/2153794/fs/0// (Acessado em 05/06/2010) http://www.barcelonakontext.com/traductores/wp-content/uploads/2008/03/botero.jpg (Acessado em 06/06/2010) http://www.ocaiw.com/galleria_maestri/image.php? id=523&id_img=1755&catalog=&lang=pt&letter=&start=&name= (Acessado em 06/06/2010) Artistas do Século XX Página 122
  • 120. Fernando Botero http://www.abel-art.com/botero/pages/The-Big-Hand.htm (Acessado em 06/06/2010) http://www.abel-art.com/botero/pages/La-Corrida.htm (Acessado em 07/06/2010) http://www.abel-art.com/botero/images/Camera-degli-Sposi.jpg (Acessado em 07/06/2010) http://judaica-art.com/images/uploads/Fernando%20Botero/El%20quite%201988-border.jpg (Acessado em 07/06/2010) http://www.abel-art.com/botero/pages/Matador.htm (Acessado em 08/06/2010) http://judaica-art.com/images/uploads/Fernando%20Botero/Cuadrilla%20de%20enanos%20 toreros%201988-border.jpg (Acessado em 08/06/2010) http://www.exporevue.com/magazine/fr/botero.html (Acessado em 08/06/2010) http://www.museumsyndicate.com/item.php?item=4917 (Acessado 08/06/2010) Artistas do Século XX Página 123