Materiais de uso endodôntico
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Materiais de uso endodôntico

on

  • 3,312 views

 

Statistics

Views

Total Views
3,312
Views on SlideShare
3,312
Embed Views
0

Actions

Likes
3
Downloads
119
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Materiais de uso endodôntico Materiais de uso endodôntico Presentation Transcript

  • U N I V E R S I D A D E E S TA D U A L D A PA R A Í B A C E N T R O D E C I Ê N C I A S B I O L Ó G I C A S E D A S A Ú D E D E PA RTA M E N TO D E O D O N TO L O G I A C O M P O N E N T E C U R R I C U L A R : M AT E R I A I S D E N T Á R I O S D O C E N T E : P R O F ª . N A D J A M A R I A O L I V E I R A MATERIAIS DE USO ENDODÔNTICO Andreza Dias Garcia Carneiro Andrezza Souto F. de Sousa Jonathan Breno V. S. Marinho Letícia Lima Dias de Santana Thayse Milena Alves Travassos
  • INTRODUÇÃO  A endodontia tem tido uma evolução muito rápida, exigindo do profissional um constante investimento em conhecimento e domínio na execução das técnicas.  A automatização e a tecnologia têm contribuído cada vez mais para agilizar os procedimentos, oferecendo conforto, praticidade e custo acessível aos pacientes.  O endodontista moderno compreende que conhecimento biológico e domínio da técnica caminham juntos
  • INTRODUÇÃO  Na prática, deve-se reconhecer o Sistema de Canais Radiculares (SCR) como sendo alvo de atenções, no que se refere ao:  Entendimento da anatomia interna;  Das ocorrências biológicas ali atuantes;  Das soluções irrigadoras capazes de matar bactérias e dissolver matéria orgânica;  Dos benefícios imbatíveis da instrumentação rotatória;  Da capacidade técnica de se vedar todo este sistema.
  • TIPOS DE MATERIAIS UTILIZADOS PARA A OBTURAÇÃO DOS CANAIS  Uma série de materiais já foi proposta para a obturação dos canais, porém a grande maioria deles sucumbiu diante do tempo e dos resultados de estudos científicos.  Prevaleceu: MATERIAL SÓLIDO + MATERIAL PLÁSTICO  Os materiais obturadores podem ser divididos em dois grupos:  Materiais em estado sólido: Cones de guta-percha;  Materiais em estado plástico: Cimentos endodônticos. O objetivo principal da obturação do canal radicular é a reposição perfeita da polpa dental destruída por um material sólido, que não se altere e que seja inerte.
  • PROPRIEDADES DO MATERIAL OBTURADOR IDEAL  Segundo Grossman (1974),os materiais obturadores de canais devem apresentar as seguintes propriedades: 1) Deve ser fácil de ser introduzido no canal radicular. 2) Deve obliterar o canal, tanto lateral como apicalmente. 3) Depois de inserido, não deve apresentar contração. 4) Deve ser impermeável à umidade. 5) Deve ser bacteriostático ou pelo menos impróprio ao crescimento microbiano.
  • PROPRIEDADES DO MATERIAL OBTURADOR IDEAL 6) Deve ser radiopaco. 7) Não deve manchar a estrutura dentinária. 8) Deve ser estéril ou passível de ser esterilizado de modo fácil e rápido. 9) Não deve irritar o tecido periapical. 10) Deve ser de fácil remoção do canal radicular, quando isto se fizer necessário. Na prática, nota-se a impossibilidade da eleição de um material obturador que preencha absolutamente todas as características desejáveis. Segue-se a prevalência de algumas características em detrimento de outras, muito em função da técnica escolhida e dos conceitos seguidos pelo profissional.
  • CONES OBTURADORES ( GUTA-PERCHA)  Material obturador mais utilizado.  A guta-percha foi introduzida na Odontologia por BOWMAN (1827).  Produto de secreção vegetal.  CONES DE QUALIDADE:  Precisam ser facilmente plastificáveis com o calor, permitindo a sua compressão e adaptação às irregularidades dos sistema de canais radiculares.
  • CONES OBTURADORES ( GUTA-PERCHA) • O SCR deve ser preenchido hermética e tridimensionalmente! Preparos biomecânicos com instrumentos rotatórios Formatação cônico- progressiva aos condutos Cones padroniza dos perderam sua função Cones acessórios, pelo seu formato mais cônico e pontas mais afiladas, condizem melhor com a nova tendência de se preparar os condutos.
  • Obturação de canal radicular, apenas com um cone de guta-percha principal com CONES OBTURADORES ( GUTA-PERCHA) O formato diferenciado dos cones acessórios com maiores conicidades que os cones convencionais (FM, M, ML, MX EL) permitem a obturação com a utilização de apenas um cone por conduto nos casos de canais com secção circular ou levemente ovalada, acelerando esta importante fase do tratamento. Rx com 4 canais obturados com cone único. Fotos: Idomeo Bonetti Filho
  • CONES OBTURADORES ( GUTA-PERCHA) • TÉCNICAS DE OBTURAÇÃO: o A técnica a ser priorizada não pode ser outra, a não ser as que empregam a condensação vertical e a termoplastificação da guta-percha. o Uma tendência bem recente é da preferência pelos cones fine-medium para a grande maioria dos casos clínicos. Vantagens: •Garantia de um melhor travamento deste cone no terço apical do conduto; •Mediante a precisão dos preparos obtidos através da instrumentação rotatória Corte maior na ponta destes cones Material radiopaco ideal (naturalmente) A tomada radiográfica reconhecerá um material com maior densidade na porção apical do canal.
  • CONES OBTURADORES ( GUTA-PERCHA)  COMPOSIÇÃO:  Guta-percha(19 a 20%) nas formas alfa e beta.  Óxido de zinco(60 a 75%)- confere rigidez e atividade antibacteriana aos cones.  Sulfato de bário(1,5 a 17%) - radiopacificadores.  Resinas,ceras e corantes(1 a 4%).
  • CONES OBTURADORES ( GUTA-PERCHA) VANTAGENS Boa adaptação às paredes dos canais radiculares. Possibilidade de amolecimento e plastificação por meio de calor ou solventes químicos. Facilidade de remoção, se necessário. Não alteram a cor da coroa do dente se terminado corretamente na junção amelo-dentinária. Boa tolerância tecidual. Estabilidade físico-química. Radiopacidade adequada. DESVANTAGENS Falta de rigidez para ser utilizados em condutos estreitos. Falta de adesividade, por esse motivo deve ser acompanhado de cimento ou com pasta. Têm pequena resistência mecânica, dificultando seu uso em canais muito curvos e atresiados.
  • CONES OBTURADORES ( GUTA-PERCHA) • Sendo termolábeis, não podem ser esterilizados pelo calor. Podem ser perfeitamente descontaminados, deixando- os submersos em solução de hipoclorito de sódio a 5,25% por um minuto.
  • CIMENTOS ENDODÔNTICOS  FUNÇÃO:  Eliminar a interface entre guta-percha e as paredes do canal.  TIPOS:  Cimentos à base de Óxido de Zinco-Eugenol (OZE);  Cimentos Resinosos;  Cimentos à base de Ionômero de vidro;  Cimentos à base de Hidróxido de cálcio.
  • CIMENTOS ENDODÔTICOS TIPO DE CIMENTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS CIMENTOS À BASE DE OZE Pouco utilizado por apresentar muitas deficiências, dentre elas, pouca capacidade de adesão e pouco escoamento. Rickert ou Grossman; Ex.: Endofill; CIMENTOS RESINOSOS Apresentam radiopacidade similar à da guta-percha; Vantagens: reduzida toxicidade, estabilidade de cor, facilidade de manipulação(pasta/pasta) CIMENTOS À BASE DE IONÔMERO DE VIDRO Seu emprego intracanal não é justificável como substituto de outros cimentos já predominantes; bom selador, capaz de vedar os canalículos dentinários com maior eficiência; CIMENTOS CONTENDO HIDRÓXIDO DE CÁLCIO Apresentam ótimas propriedades biológicas; são os mais recentes dentre os cimentos endodônticos. Ex.: SEALER 26, o SEALAPEX
  •  Dentre as funções e propriedades dos materiais obturadores disponíveis hoje no mercado,temos amplas condições de atuação na terapia endodôntica,em busca do sucesso clínico.  Seguindo-se uma tendência mundial na prática da obturação do sistema de canais radiculares,utilizando técnicas automatizadas,devemos adotar o bom senso na eleição do material adequado.  Até o momento,nenhum material obturador conseguiu atingir todas as prerrogativas para ser considerado ideal.  A opção pelo melhor material obturador depende diretamente da técnica empregada e da linha de pensamento do profissional,que certamente busca sempre resultados clínicos satisfatórios
  • LIMAS  A cinemática primordial das limas é a de limagem, ou seja, movimentos de introdução no canal radicular, pressão na parede do canal radicular e remoção.  O corte ou desgaste ocorre no momento de remoção, retirada ou tração.  Através da sua manipulação no interior do canal radicular, realizam a remoção controlada da polpa e dentina, contaminada ou não. A limagem amplia o canal radicular de forma menos regular quanto comparada aos movimentos giratórios.
  • LIMAS  As limas são instrumentos destinados especialmente ao alisamento e retificação de curvatura e irregularidades dos canais radiculares, embora contribuam também para o seu alargamento.  As limas mais utilizadas cinemática primordial de limagem são: Tipo K, Hedströen, K Flex e Flexo- File. Existem muitas outras disponíveis no mercado, sendo que cada uma delas possui um “design” próprio.
  • LIMAS  Instrumento ideal:  Boa flexibilidade  Rendimento favorável ( corte )  Alto tempo de vida útil
  • LIMAS  Cabo: De plástico, possui cores específicas, um número e um desenho.  Intermediário: Une o cabo à parte ativa e sua variação determina o comprimento do instrumento. •Parte ativa: Possui o poder de corte e seu comprimento é sempre constante.( L = 16 mm ) •Guia de penetração: Confere ao instrumento o poder de corte e penetração, guiando o mesmo dentro do canal. COMPOSIÇÃO DAS LIMAS
  • LIMAS  PADRONIZAÇÃO DAS LIMAS: Existe uma correlação entre o NÚMERO do instrumento, seu DIÂMETRO, a COR de seu cabo e a SÉRIE a que pertencem: COR DO CABO ESCURAS: nº e calibre MAIORES CLARAS: nº e calibre MENORES NUMERAÇÃO Os instrumentos são numerados de tal forma que divididos por 100 correspondam, em milímetros, ao diâmetro do corte da base do guia de penetração do instrumento. COMPRIMENTO Comp. da parte ativa: sempre 16mm Comp. do Intermediário: variável 21 mm – 25 mm – 31 DIÂMETRO DA PONTA Determina o nº do instrumento Ex: # 15  0,15 mm de diâmetro na ponta do instrumento (D1)
  • LIMAS CONICIDADE É o quanto aumenta em diâmetro a cada mm da lima. (A cada mm, há um aumento de 0,02 mm no diâmetro do instrumento) Exemplo: # 55 - em D1  0,55mm - a 1mm  0,55mm + 0,02mm = 0,57mm - a 2mm  0,55mm + 0,04mm = 0,59mm CALIBRE O aumento de calibre na sequência dos instrumentos é de 0,05 mm do instrumento no 10 até o 60 e de 0,1 mm deste até o 140.
  • LIMAS Tipo de lima Secção transversal Principais características K (Kerr) Quadrangular Indicada na exploração inicial e instrumentação de canais retos; Boa resistência; Poder de corte e penetração pequenos; Dupla ação de alargamento e de desgaste; H (Hedströem) Circular Indicada para pulpectomia e desobturação; Excelente capacidade de corte; Maior remoção de resíduos; Usada depois das limas K ou Flexofile (abertura de espaço); Essencialmente raspadoras; Capacidade perfurante nula Flexofile Triangular Indicada na instrumentação de canais retos e curvos; Flexibilidade; Só podem ser utilizadas em movimentos de limagem;
  • LIMAS Tipo de lima Secção transversal Principais características K-Flex Losangular Capacidade de corte ainda maior que as Limas Flexo-File; grande capacidade de desgaste da dentina; flexibilidade maior que a limas convencionais de mesmo calibre; Golden Medium Triangular Foram propostas para resolver a problemática da ampliação de diâmetro de um instrumento de menor calibre para outro subseqüente de maior calibre durante o preparo; Nitiflex Triangular Instrumentação de canais acentuadamente curvos; Confeccionada com liga de níquel-titânio; É altamente flexível;
  • BROCAS  Brocas e Pontas Esféricas  As brocas e pontas diamantadas para alta rotação são utilizadas no acesso endodôntico nas seguintes fases:  A - desgaste do esmalte no ponto de eleição;  B - perfuração na direção de trepanação até a queda no vazio;  C - remoção do teto. Brocas Carbite. 1 Pontas diamantadas KG Sorensen
  • BROCAS Tipo de broca Características LA Axxess Corta uma extensão perfeita linha- ângulo, sem deixar ranhuras ou irregularidades devido a sua ponta inativa (não é cortante); segurança durante a terapêutica endodôntica. Peeso São utilizadas tanto na ampliação da embocadura do canal radicular quanto no preparo do conduto endodôntico; hoje está em desuso Baat Não possuem corte na extremidade de sua parte ativa; não podem sofrer movimentos pendulares (apresentam grande fragilidade nestas situações) podendo ocorrer fraturas.
  • BROCAS Tipo de broca Características Gates-Glidden O seu uso é seguro pelo fato de não possuírem corte na extremidade das suas partes ativas; alargando as entradas dos canais, ampliando os terços médio e cervical dos canais radiculares Largo São utilizadas para dar um melhor afunilamento à entrada do canal, após a sua instrumentação. Estabelecem um preparo para contenção intra-radicular, depois da obturação do canal.
  • BROCAS Tipo de broca Características Endo-Z Não possuem corte nas suas extremidades; Indicadas para o acabamento das cavidades de acesso e divergência das suas paredes, principalmente nos casos de pré- molares e molares; São notórias pela sua capacidade de corte e durabilidade. Lentulo Utilizado na inserção de pastas e cimentos endodônticos no interior do canal radicular
  • REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS  Cohen,S. & Burns,R.C. Pathways of the pulp.St Louis,Mosby,1976  De Deus,Q.D. Endodontia,Rio de Janeiro, Medsi , 1986  Lopes,H.P. & Siqueira Jr,J.F.,Endodontia-Biologia e Técnica, Rio de Janeiro,Medsi,1999  Berger CR. Endodontia, 1ª Ed. – São Paulo: ed. Pancast, p. 127-139, 1998  Bombana AC, Capriglione M. Arranjo do Consultório. In: Paiva JG, Antoniazzi. Endodontia – Bases para a prática clínica, 2 Ed – São Paulo: ed. Artes Médicas, p. 149-222, 1993  Capelette L Pallota RC, Machado MLBBL, Machado MEL. Análise Comparativa da Resistência à Torção de instumentos Endodônticos de Aço Inoxidável e Níque-Titânio.  Machado MEL. Endoatlas [online]. São Paulo. Brazil. Nov. 2000. Available from world wide web; http://www.endoatlas.com.br. ISBN  Pallotta RC, Machado MEL. Comparação da flexibilidade das limas tipo K, Flexofile, Hedstroen, e Nitifles. In: Seminário Brasileiro de Pesquisas Odontológicas, 1996, Águas de São Pedro. Anais: Águas de São Pedro: IADR, 1996. p. 73.