Your SlideShare is downloading. ×
Politica
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Politica

166
views

Published on

Published in: Spiritual

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
166
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. IX – O cristão e a política1) Introdução uma inação diante das coisas presentes; a realização da pós-história nos faz perder o Os evangélicos no Brasil já são cerca de sentido da história.”30 milhões de cidadãos, estamos presentes Outro problema é que, ao contrário deem quase todos os municípios, nas grandes antipoliticismo de muitos, temos do outro ladometrópoles e nos rincões mais afastados da da moeda o exagerado engajamento denação. Por outro lado, o alto numero de alguns. O texto bíblico que nos mandacrentes não produziu nenhum impacto obedecer às autoridades é deturpado pararelevante na política nacional. justificar uma obediência e devoção cega em O que está acontecendo? Como é um partido, ideologia; esquecemos de nossapossível que uma nação com 30 milhões de missão transformadora e nosso papelpessoas que se dizem filhos de Deus seja profético.conhecida internacionalmente pela corrupção,prostituição e desonestidade? Qual foi a poção 3) A natureza política do homemda invisibilidade que esses milhões de É necessário, de início, sabermos umbrasileiros evangélicos beberam para “sumir” e dos conceito mais básico da antropologia, qual“desaparecer” do campo de influência política seja, a de que o homem é, nas palavras dedo país? Será que isso sempre foi assim? O Aristóteles: um animal político. Talvez nãoque está acontecendo? concordemos com o possa significar o primeiro vocábulo da expressão aristotélica, mas a natureza eminentemente política do ser2) Falácias justificadoras mais comuns humano é simplesmente inegável. Como ensinou o brilhante professor e Política é tudo aquilo que se refere àbispo da Igreja Anglicana no Brasil, Robinson polis, ou seja, modernamente, tudo o que seCavalcanti, os crentes no Brasil tendem a refere à vida em sociedade/comunidade.repetir algumas ideias erradas para tentar Desse modo, quando alguém diz aojustificar a falta de atuação política, uma outro que não gosta de política ou que não segrande maioria encara a questão da seguinte envolve com política está cometendo um erromaneira: lógico e mentindo. Erro lógico porque se “1. A política é mundana, não sendo, realmente não se envolvesse politicamenteportanto, lugar para crentes. não deveria estar naquela conversa, pois em 1. Não adianta fazer coisa alguma, última instância quem não se envolvedevemos pregar o evangelho e aguardar o politicamente não se relaciona com asretorno de Jesus pessoas; a nossa relação social é Percebe-se nitidamente, o irremediavelmente um relação política. Mentedesconhecimento de uma teologia política, porque se não gosta de política, não deveriacomo uma dimensão ética dentro da teologia se importar em ser partidário e espalhar suasistemática. A leitura dos textos bíblicos posição antipoliticista. Ser apolítico não éreferentes ao social e ao político é deixar de tomar posição, ser apolítico já é umaespiritualizada, em deturpação do sentido posição em si, uma opção para fora, umaoriginal. […] Tudo isso se agrava por uma opção de omissão, ou seja, uma constradiçãoleitura superficial da escatologia pré-milenista: em termos.a expectação das coisas futuras nos conduz a Outro viés interessante de se abordar a
  • 2. temática é a partir do conceito de cidadania. eleitorais, formais ou informais, pacíficas ouUma vez que nascemos, possuímos a violentas. O presidente da República a umcidadania nacional e, assim, somos sujeito de barbeiro que atual como agentes dedireitos e deveres impostos pela polis (pela conscientização, formam opinião.comunidade política). Quando tira-se a carteira Os países desenvolvidos possuemde motorista, quando dirige-se um carro, diminuta parcela do primeiro grupo e largaquando paga impostos, os cidadãos estão parcela do segundo. Os paísescumprindo deveres e gozando de direitos, a subdesenvolvidos possuem grande maioria daatuação na polis é inevitável. O apolítico é população no primeiro grupo.personagem de ficção científica. Nesse panorama da inevitabilidade do 4) Atuação protestante na política -relacionamento político de todos os cidadãos, retrospectiva históricaa pergunta que surge é: se o crentes nãosabem que são políticos, que tipo de política A história brasileira pode ser divida emeles vêm exercendo? três grandes períodos: Nesse ponto, um esclarecimento 1. colonialconceitual se faz necessário, quando as 2. imperialpessoas dizem que são apolíticas ou não se 3. republicanorelacionam com a política, estão cometendoum equívoco. Na verdade elas desejam A Igreja era ligada ao Estado no Reinoexpressar que não possuem atuação eleitoral. de Portugal. A Reforma protestante nãoPolítico e eleitoral não devem ser confundidos, chegou aos países ibéricos, os quais, peloeste é somente uma dimensão daquele. Este é contrário sofreram forte influencia douma opção evitável, aquele, parte da nossa movimento da Contrarreforma. Durante onatureza. período colonial a Igreja Católica exerceu forte influencia política nesse período, a4) Classificação política dos cidadãos: religiosidade, por outro lado, se limitava no Politicamente podemos classificar as país às festividades e ritos católicos, opessoas em três grupos: colonizador português que vinha para o Brasil tentar enriquecimento não era um modelo de1º alienados santidade. Daí que o compromisso religioso no2º conscientizados Brasil nunca foi tão forte como era em3º engajados Portugal. Em 1549 calvinistas franceses Os primeiros são a grande massa no (conhecidos como huguenotes) sondaram aBrasil, e a grande massa dos crentes. costa brasileira, o primeiro contato, realizadoDesconhecem os dados mais elementares, por Nicollas Durand foi com índio Tamóios nanão entendem o porquê do que acontece, cidade que hoje conhecemos com Cabo Frio.apenas é informada dos fatos, não das razões. Os calvinistas franceses desenvolveram umEvitam participar e, por isso, participam do bom relacionamentos com os índios, aomodo como foram adestradas. Como vimos, contrário do que fizeram os portugueses e,todos os humanos tem atuação política, assim, acabaram por criar a França Antártica na Baíaos alienados são manipulados para agirem de de Guanabara região temida por Portugal pordeterminada forma sem que possam perceber, causa dos índios que ali viviam. Os francesespor isso, alienados. se desenvolveram muito e resistiram O segundo grupo formam a opinião bravamente à várias tentativas de expulsãopública consciente, buscam informação e por parte de Portugal, o qual só conseguiueducação, fazem opções conscientes e êxito em 1563 com o comandante Estácio debuscam influir e defender suas posições. Sá. O terceiro grupo é uma parcela dos Os calvinistas holandeses tambémconscientizados que procuram conduzir os tentaram por diversas vezes criar colônia noacontecimentos por vias eleitorais ou não- Brasil. A experiência mais bem sucedidas
  • 3. foram a criação de cidades hoje conhecidas somente aos crentes do país, mas também àscomo São Luiz (capital do Maranhão) e Recife classes mais nobres. Muitos intelectuais(capital de Pernambuco) em 1624. O período brasileiros foram formados por protestantes.do governante Maurício de Nassau foi o maisrelevante. Nassau foi bem recebido pelos O crescimento das denominaçõespovos locais pois investiu na economia pentecostais através das classes maisconcedendo empréstimos e vendas a prazo, populares espalhou o pietismo de formaimplementando no nordeste a cultura acentuada, o que aos poucos afastou osaçucareira, aperfeiçoando as técnicas do cristãos evangélicos da política nacional.cultivo. Embora calvinista, autorizou a liberdade Questões Propostasde religião inclusive para os judeus quevinham atraídos pela liberdade da Nova 1 - O que você acha da participação deHolanda. Neste período foi fundada crentes em política?uma sinagoga no Recife, considerada aprimeira das Américas. 2- A luz da Bíblia, o que seria um voto ético? JUSTIFIQUE.Decidido a transformar o Recife em umamoderna capital, determinou o projeto da 3 - É certo o cristão votar em pastores que secidade Maurícia (Mauritsstad), responsável candidatam a cargos públicos? Por quê?pelos atuais traçados urbanísticos dos bairrosde Santo Antônio e São José, onde drenouterrenos, construiu canais, diques, sistema deesgoto, pontes, palácios (Palácio deFriburgo e Palácio da Boa Vista), jardins(botânico ezoológico), um museu natural e umobservatório astronômico. Organizou serviçospúblicos essenciais como o de bombeiros e decoleta de lixo. Foram expulsos pelosportugueses em 1654. Com a independência, se instaurou oImpério no Brasil. Os protestantes ainda nãoforam reconhecidos, mas obtiveram liberdadede culto particular. A união entre Igreja eEstado continuou. Com forte influencia de cristãosprotestantes e maçons que a República seestabeleceu em 1889. Houve a separaçãoentre Igreja e Estado. Na República os protestante possuíramgrande influência que diminuiu durante asegunda metade do século XX. Em 1916 acomunidade evangélica brasileira já era de46.623 pessoas, a maior da América Latina.Os trabalhos dos evangélicos era concetradoem instituições de ensino e as de carátersocial de assistência médica. Pela grandequalidade que alcançara os colégios e clínicasevangélicos começaram a atender não