Your SlideShare is downloading. ×
DêIxis Da Imagem
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

DêIxis Da Imagem

1,257
views

Published on

Planejamento Gráfico

Planejamento Gráfico

Published in: Design

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,257
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
15
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. DÊIXIS da IMAGEM
  • 2. DÊIXIS (DÊITICO) Termo usado na teoria lingüística englobando as características de PESSOA, TEMPO E LUGAR de uma LÍNGUA. Estas características são vistas dentro de uma SITUAÇÃO espaço-temporal de um enunciado, estando a SIGNIFICAÇÃO do enunciado relacionada a esta. São exemplos de palavras dêiticas: agora, depois, aqui/alí/aí, eu/tu/ele, este/esse/aquele.
  • 3. IMAGEM E TEXTO • A imagem utiliza o ESPAÇO — INSTANTANEIDADE (IMOBILIDADE) • A linguagem verbal utiliza o TEMPO — PRINCÍPIO, MEIO E FIM (MOVIMENTO) Obs.: a imagem em movimento também utiliza o tempo
  • 4. • A imagem é AMBÍGUA ou POLISSÊMICA, — não possui as categorias DÊITICAS de TEMPO, ESPAÇO E PESSOALIDADE. • A imagem necessita estar “ANCORADA” ao texto. • A imagem necessita de um CÓDIGO específico.
  • 5. “ Gustave Flaubert opunha-se de forma intransigente à idéia de ilustrações acompanharem as palavras. ... ... por que achava que imagens pictóricas reduziam o universal ao singular. ... a descrição literária mais bela é devorada pelo mais reles desenho.” Alberto Manguel
  • 6. “ Uma mulher desenhada a lápis parece uma mulher, e só isso. A idéia, portanto, está encerrada, completa, e todas as palavras, então, se tornam inúteis, ao passo que uma mulher apresentada por escrito evoca milhares de mulheres diferentes.” Gustave Flauber
  • 7. “ Ninguém nega que as imagens comunicam, mas o problema é que isso não autoriza a conclusão de que elas podem ser analisadas por procedimentos análogos aos aplicados à análise do meio de comunicação por excelência — a linguagem (verbal).” Vestergaard / Schroder
  • 8. “ Formalmente, as narrativas existem no TEMPO, e as imagens no ESPAÇO.” Alberto Manguel
  • 9. “ A diferença mais importante entre a imagem e o texto é que este contém um VERBO conjugado num tempo definido. Sempre que dizemos alguma coisa, temos que escolher entre as formas de tempos e conjugações de que a língua dispõe... .” Vestergaard / Schroder
  • 10. “ Ao contrário, as imagens são ATEMPORAIS. A linguagem verbal consegue referir-se ao seu contexto por meio do fenômeno chamado DÊIXIS e o TEMPO dos verbos é uma categoria DÊITICA, pois constitui um dos meios pelos quais indicamos se o evento ou estado a que alude um enunciado é simultâneo ou anterior ao momento em que foi proferido.” Vestergaard / Schroder
  • 11. “ Como o TEMPO dos verbos é uma categoria obrigatória, praticamente a DÊIXIS TEMPORAL NUNCA ESTÁ AUSENTE DE UM ENUNCIADO. Por outro lado, a dêixis ESPACIAL e a PESSOAL são opcionais, na linguagem (verbal): o enunciado pode fazer ou não referência à sua localização (“aqui”) e ao emissor/receptor (“eu”, “você”).” Vestergaard / Schroder
  • 12. Quando texto e imagem coincidem nos veículos impressos, a relação mais freqüente entre uma e outra é que Barthes chama de ANCORAGEM. O texto (uma legenda, por exemplo) proporciona o elo entre a imagem e a situação espacial e temporal que os meios puramente visuais de expressão não permitem estabelecer. Vestergaard / Schroder
  • 13. “ Nas ilustrações (imagens), ESSAS CATEGORIAS DÊITICAS FALTAM SEMPRE e, portanto, a ANCORAGEM dêitica, de importância básica para a interpretação correta de uma mensagem verbal, está sempre ausente numa imagem. Por essa razão, Barthes diz que as imagens são ambíguas ou polissêmicas, enquanto as mensagens verbais são (ou podem ser) não-ambíguas e monossêmicas.” Vestergaard / Schroder
  • 14. Para Barthes, o termo (“ancoragem”) não abrange apenas a ancoragem dêitica, mas tudo o que, no texto, ancora a imagem na realidade, ajudando-nos a interpretá-la. Ao mesmo tempo, o texto também seleciona uma entre várias interpretações possíveis da imagem, razão pela qual se pode dizer que, enquanto uma imagem em si mesma é sempre neutra, se tiver título ou legenda nunca o será. Vestergaard / Schroder
  • 15. A legenda da foto Carter-Thatcher é a seguinte: “Olá”: O Presidente Carter interrompe uma agenda febril para receber a Sra. Thatcher em Washington. Vestergaard / Schroder
  • 16.  
  • 17. Algumas informações dadas na legenda são claramente ancoradoras : ficamos conhecendo a identidade das duas pessoas retratadas, e que o lugar é Washington. Não há referencia ao tempo , mas o fato de a Sra. Thatcher estar acabando de chegar de uma viagem aos Estados Unidos talvez constituísse um conhecimento básico de ordem geral na época em que o jornal saiu. Vestergaard / Schroder
  • 18. No exemplo Carter-Thatcher, o verbo na legenda de ancoragem está no presente do indicativo (“interrompe”). Quando — como neste caso — o verbo que expressa o evento ocorre no momento presente. O uso do presente é encontrado nos comentários esportivos e foi adotado também nos títulos e nas legendas dos jornais. Vestergaard / Schroder
  • 19. É com o sentido de “verdade eterna” (“o sol se levanta no Oriente”) que encontramos com maior freqüência o presente do indicativo na acoragem de textos publicitários. Vestergaard / Schroder