CNA/Cepea - Ativos da Pecuária

  • 857 views
Uploaded on

www.beefpoint.com.br - CNA/Cepea - Ativos da Pecuária

www.beefpoint.com.br - CNA/Cepea - Ativos da Pecuária

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
857
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Ano 2 - Edição 16 Maio 2010 SUPLEMENTAÇÃO PROTEINADA: MELHOR OPÇÃO EM 2010 O boi gordo terminado a pasto no se- apenas na seca; na segunda, com sal mine- a mesma nos gundo semestre de 2010 é o bezerro ral em todo o período de produção; e, no três casos. comercializado no primeiro semestre terceiro caso, além do sal mineral, foi for- A segunda melhor de 2008. As condições do mercado en- necido também sal proteinado no inverno. opção, neste cenário, tre janeiro e maio de 2008, período em A análise financeira de todas essas variá- seria a utilização de sal que invernistas adquiriram estes animais veis mostra que a maior rentabilidade teria mineral em todo o perí- de reposição, conviviam com expectati- sido obtida no caso em que o pecuarista odo de produção. O ani- vas muito favoráveis. O resultado foram ofereceu ao rebanho sal mineral em oito mal poderia ser vendido preços históricos para o bezerro. Os cria- meses do ano (período chuvoso) e sal pro- com dois anos e meio a três dores tiveram momento de recuperação teinado em quatro meses (maio, junho, anos, em maio de 2010, com de renda e os invernistas pagaram muito julho e agosto). Nesse caso, o retorno lí- retorno do capital investido de 5%. para ter esses animais. quido foi de 6,8%. Pois, além do maior A pior opção seria o uso de sal mineral ape- Agora, quando se aproxima o período de ganho de peso médio em cada categoria, nas de maio a agosto. Neste caso, o animal abate dos bezerros adquiridos há dois anos, o animal fica menos tempo na proprieda- vendido estaria próximo dos quatro anos e o é possível estimar, com alguma precisão, os de, reduzindo o custo de oportunidade da retorno do capital investido ficaria em 3,4%. resultados a serem obtidos pelos pecuaris- terra. O animal seria vendido com menos Os preços da arroba utilizados na si- tas. Para tal simulação, foram consideradas de três anos, em novembro de 2009. Nesta mulação foram de R$ 74,35, R$ 82,00 três situações de manejo. Na primeira, o análise, não foi considerado o gasto com e R$ 86,77, seguindo a ordem do me- bezerro teria sido tratado com sal mineral pastagem e a taxa de lotação atribuída foi lhor retorno. GASTOS E RECEITA RESULTANTES EM CADA TRATAMENTO - POR ANIMAL Sal mineral Sal mineral (águas) Análise Seca Águas + seca e proteínado (seco) Gastos totais R$1.016,01 R$991,63 R$934,60 Preço Arroba (mês de venda) R$86,77 R$82,00 R$74,35 Preço Arroba R$2,00 R$1.356,32 R$1.280,00 R$1.157,60 VPL 10,22 24,28 36,86 Retorno sobre o investimento 0,75% 1,90% 3,18% Arroba mês de venda R$1.388,32 R$1.312,00 R$1.189,60 VPL 34,43 49,68 63,72 Retorno sobre o investimento 3,39% 5,01% 6,89% Preço Arroba R$2,00 R$1.420,32 R$1.420,32 R$1.221,60 VPL 58,64 58,64 90,57 Retorno sobre o investimento 4,22% 4,22% 7,61% * Preço médio da arroba utilizado foi do mês de venda do animal VLP = Valor Presente Líquido Fonte: Cepea/CNA/BM&F
  • 2. OUTUBRO E NOVEMBRO: MELHORES MESES PARA O CONFINADOR destinadas a esta cultura, nos principais países produtores, não deverão ser altera- das significativamente, pois o milho tam- bém tem apresentado baixos preços. Se considerados os preços de ajuste para a arroba do dia 30 de março, no mercado futuro, os melhores meses para a venda seriam outubro e dezembro. Para o cálcu- lo do gasto da ração, foram utilizados os preços médios de março para soja e milho. As contas do confinamento são favorá- veis ao pecuarista que decidir optar pela O cenário para o confinador é bastante fa- resistência de pecuaristas, que optam engorda do boi, nesse sistema, em 2010. vorável em 2010. O preço da arroba vem por aguardar preços maiores. Pesquisas As razões estão relacionadas ao cenário apresentando comportamento de alta, os do Cepea (Centro de Estudos Avançados previsto para os insumos, de queda das preços nominais de soja e milho estão em em Economia Aplicada) mostram que, cotações e previsão de baixas nos preços, patamares inferiores aos observados no em Araçatuba (SP), a arroba a prazo va- devido à alta produção. As previsões se ano passado e apenas a suplementação lorizou 10% e, em Campo Grande (MS), mantêm mesmo com o preço do animal mineral apresentou alta no acumulado do 13,3%, na parcial deste ano – na compa- de reposição se valorizando nos últimos primeiro trimestre do ano. Assim, o contro- ração do encerramento de 2009 com as meses, pois esta categoria tem grande le dos custos e a venda irão definir a renta- médias de 12 de abril. variabilidade de preços e qualidade. Os bilidade do produtor. Quanto aos custos com alimentação, os preços praticados no mercado físico e Os principais motivos para o aumento preços da soja em grão e de seus deriva- sinalizados principalmente no mercado no preço da arroba são a demanda de dos estão abaixo dos valores observados futuro mostram boas perspectivas para o frigoríficos para preencher escala e a em 2008 e 2009. Apesar disto, as áreas pecuarista este ano. RETORNO DO CAPITAL INVESTIDO COM A VENDA NOS MESES DE JUNHO A DEZEMBRO 8.00% 7.00% 6.00% 5.00% 4.00% 3.00% 2.00% 1.00% 0.00% Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro -1.00% -2.00% Preço arroba - R$2,00 Arroba de mês de venda Preço arroba + R$2,00 Fonte: Cepea/CNA/BM&F
  • 3. INFLAÇÃO JÁ IMPACTA CUSTOS E ALIMENTOS A economia brasileira registrou, neste início de ano, forte recuperação após a crise internacional. Os consecutivos aumentos da inflação já são percebidos pelo consumidor e pelo produtor rural. Seguindo a tendência do mês anterior, os custos de produção para o pecuaris- ta, tiveram alta em março. O aumento do COT foi de 1,18%, e do COE de 1,31%. Todos os 10 Estados pesquisa- dos pelo Cepea tiveram aumento nos custos. Goiás foi o Estado que mais in- fluenciou, seguido por Tocantins, Paraná e São Paulo. Os custos ao consumidor também au- mentaram. Neste mês, a alta do IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado) foi de 0,94%. Porém, no acumulado do primeiro trimestre, o IGP-M aumentou mais que os custos totais para produzir boi, 2,78% e 1,81%, respectivamente. encerramento de 2009 com as médias acumulado de janeiro a março, a alta foi Pesquisas do Cepea mostram que a car- de 22 de abril. de 4,85%. A boa qualidade das pasta- caça casada do boi, por exemplo, valo- Além dos gastos do pecuarista, a ar- gens, devido ao período de chuvas, fez rizou 19,17% na parcial deste ano, na roba também registrou alta. Na média com que produtores reduzissem a oferta Grande São Paulo – na comparação do Brasil, o aumento foi de 0,72% e, no de animais esperando melhores preços. VARIAÇÃO MENSAL E ACUMULADA COE (1) COT (2) Boi Gordo R$/@ Ponderações Estados Março -10 Jan/09 - mar/10 Março - 10 Jan/09 - mar/10 Março - 10 Jan/09 - mar/10 Goiás 4,62% 4,37% 4,20% 3,90% 2,16% 5,21% 12,9% Minas Gerais 0,18% -0,15% 0,05% 0,02% 2,05% 5,35% 14,2% Mato Grosso 0,12% 2,19% 0,10% 1,54% 1,43% 6,25% 16,1% Mato Grosso do Sul 1,16% 1,85% 1,10% 1,58% 2,29% 6,46% 13,7% Pará 1,12% 1,28% 1,06% 0,80% -0,55% 4,52% 9,6% Paraná 1,53% 4,83% 1,48% 4,20% -0,42% 2,26% 6,0% Rio Grande do Sul 0,68% 3,30% 0,95% 3,41% -4,54% 3,00% 8,5% Rondônia 1,19% 0,11% 0,78% 0,02% 0,16% 3,47% 6,9% São Paulo 1,22% 2,67% 1,11% 2,55% 0,22% 3,44% 7,4% Tocantins 1,75% 1,24% 1,34% 0,66% 0,88% 4,46% 4,6% Brasil* 1,31% 2,10% 1,18% 1,81% 0,72% 4,85% – *Referente a 79,66% do rebanho nacional segundo o Rebanho Efetivo Bovino PPM/IBGE 2007. 1 - Custo Operacional Efetivo (COE) Fonte: Cepea/USP-CNA 2 - Custo Operacional Total (COT)
  • 4. BEZERRO E SAL MINERAL IMPULSIONAM CUSTOS NO PRIMEIRO TRIMESTRE A maioria dos grupos de insumos re- gistrou alta em março, como já havia VARIAÇÃO DA ARROBA E DO BEZERRO, ocorrido em fevereiro, impulsionando DESDE MARÇO DE 2003, NA MÉDIA BRASIL” os custos de produção no primeiro tri- 170 160 mestre do ano. O bezerro teve o maior 150 140 aumento, no acumulado de janeiro a 130 120 março, de 6,94%, seguido pela suple- 110 100 mentação mineral, de 6,78%. 90 80 Para o mercado de reposição, as boas 70 mar/03 jul/03 nov/03 mar/04 jul/04 nov/04 mar/05 jul/05 nov/05 mar/06 jul/06 nov/06 mar/07 jul/07 nov/07 mar/08 jul/08 nov/08 mar/09 jul/09 nov/09 mar/10 expectativas de preços para a arroba Arroba Compra de animais bezerro aumentaram ligeiramente a procura Fonte: Cepea/CNA por bezerro, assim como a pouca ofer- ta de animais impulsionou os preços deste insumo. As maiores valorizações relação ao mês anterior, ou seja, em O aumento do sal mineral e dos ferti- fora registradas no Tocantins, seguido março foi mais barato repor animais. Por lizantes ocorreu novamente em março, por Goiás e Mato Grosso do Sul, onde exemplo, em fevereiro, nas praças de Pre- com altas de 2,26% e 4,43%. Os moti- as variações foram de 10,26%, 9,6% e sidente Prudente (SP) e Campo Grande vos são os mesmos observados desde o 5,76%, respectivamente. (MS), a relação era 2,01 e 2,07, nesta or- início do ano: alta do fosfato bicálcico, Com a alta na receita do pecuarista, a dem. Já em março, os valores registrados matéria-prima destes insumos, no mer- relação de troca boi/bezerro reduziu em foram de 1,9 e 1,97, respectivamente. cado internacional. VARIAÇÕES DOS PREÇOS DOS PRINCIPAIS INSUMOS DA PECUÁRIA DE CORTE. MÉDIA PONDERADA PARA GO, MT, MS, PA, RO, RS, MG, PR, TO E SP Ponderação Variação acumulada do COT Março/10 Jan/09 - mar/10 Março/10 Combustíveis e lubrificantes 4,66% 0,55% 0,01% Adubos e corretivos 0,31% 7,09% 4,43% Sementes forrageiras 0,14% 0,79% -1,07% Suplementação mineral 22,60% 6,78% 2,26% Medicamentos - vacinas 1,68% 5,76% 2,78% Medicamentos - controle parasitário 1,17% 2,89% 0,50% Medicamentos - antibióticos 0,58% 3,56% 0,55% Medicamentos em geral 0,65% 6,58% -0,27% Insumos para reprodução animal 0,56% - 3,01% 1,39% Insumos para construção/manutenção de cercas 1,46% 0,19% -0,36% Construções em geral 12,58% 1,56% 1,41% Máquinas e implementos agrícolas 9,90% 1,23% 0,00% Brinco de identificação 0,00% 3,33% 0,00% Compra de animais bezerro 14,44% 6,94% 4,66% Mão-de-obra 29,72% 0,00% 0,00% Fonte: Cepea/CNA ATIVOS DA PECUÁRIA DECORTE é um boletim mensal elaborado pela Superintendência Técnica da CNA e Centro de Estudos SGAN - Quadra 601 - Módulo K 70.830-903 Brasília - DF Avançados em Economia Aplicada - Cepea/ Fone (61) 2109-1458 Fax (61) 2109-1490 Esalq - da Universidade de São Paulo. CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM ECONOMIA.APLICADA.-. ESALQ/USP E-mail: cna.sut@cna.org.br Reprodução permitida desde que citada a fonte. Site: www.canaldoprodutor.com.br