• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
CNA - VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO CRESCE 9,4% EM 2011
 

CNA - VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO CRESCE 9,4% EM 2011

on

  • 1,113 views

www.beefpoint.com.br - VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO CRESCE 9,4% EM 2011 (Análise do valor bruto da produção)

www.beefpoint.com.br - VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO CRESCE 9,4% EM 2011 (Análise do valor bruto da produção)

Statistics

Views

Total Views
1,113
Views on SlideShare
1,102
Embed Views
11

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

3 Embeds 11

http://www.milkpoint.com.br 6
http://www.beefpoint.com.br 3
http://www.pantanalcertificadora.com.br 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    CNA - VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO CRESCE 9,4% EM 2011 CNA - VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO CRESCE 9,4% EM 2011 Document Transcript

    • VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO CRESCE 9,4% EM 2011 As estimativas de preços e produção para maio de 2011 reviram o crescimentodo Valor Bruto da Produção Agropecuária para 9,4%. O VBP do setor estimado para2011 deve chegar a R$ 281,8 bilhões, superando os R$ 257,6 bilhões ganhos em 2010. Fatores como o aumento da área plantada e da produção, estimulados pela altados preços no segundo semestre de 2010, são os responsáveis por garantir a melhora dodesempenho agropecuário. Esta alta pode ser verificada no índice de commodities do Banco Central (IC-BR), que no que se refere ao setor agropecuário apresentou crescimento de 44,9% nosúltimos 12 meses. Este índice, calculado pelo Commodity Research Bureau (CRB), éuma medida do movimento de preços de produtos básicos mais sensíveis a mudançasnas condições econômicas, que para a agropecuária é composto por carne bovina, algo-dão, óleo de soja, trigo, açúcar, milho, café e carne suína. O maior crescimento é esperado na pecuária brasileira. Com expectativas de umfaturamento bruto que alcance R$ 107,7 bilhões em 2011, o setor deve crescer aproxi-madamente 10% em relação a 2010, quando recebeu R$ 97,9 bilhões. Apesar de se estardesenhando um quadro de deflação para alguns dos produtos que compões a cesta em2011, a estimativa de aumento da produção na maioria das cadeias produtivas de carne eos patamares altos de preços, principalmente, de boi gordo e suínos, tendem a garantirque o setor obtenha uma maior remuneração em relação a 2010. O recente embargo da Rússia a carne suína, bovina e de frango, provocou umaqueda momentânea nas cotações no mercado interno, mesmo com a demanda aquecida,em virtude do excesso de produto. Os produtores de carne bovina, que no ano passado tiveram um valor bruto deR$ 43,2 bilhões, esperam um crescimento de 17,6% e devem receber cerca de R$ 50,7bilhões em 2011, considerando uma expansão da produção para nove milhões de tone-ladas, crescimento de 3,1% em relação a 2010, e preços 14% mais altos que os pratica-dos no ano anterior. A produção de carne suína, que deve ser elevada em 10,8%, passando de 3,2 pa-ra 3,6 milhões de toneladas em 2011, avaliada a preços médios de mercado cerca de3,4% maiores do que em 2010, podem garantir aos produtores uma remuneração de R$9,6 bilhões, o que significa um crescimento de 14,5% em relação aos R$ 8,4 bilhõesganhos em 2010. Quanto ao setor produtor de carne de frango o cenário é de lenta recuperação. Aexpansão de 2,36% da produção deve anular a variação negativa dos preços, garantindoao setor R$ 21,3 bilhões em 2011, o qual é 2,08% maior que o recebido em 2010. Nomês de maio as exportações aumentaram, segundo a SECEX, 4,7% em relação a mês
    • passado, porém este volume não foi suficiente para aliviar a pressão de baixa dos pre-ços. Já o valor bruto da produção agrícola brasileira pode chegar a R$ 174 bilhões,garantindo aos produtores cerca de R$ 14,3 bilhões a mais do que em 2010, ou seja, umcrescimento de quase 9% em relação aos R$ 159,7 bilhões recebidos no ano anterior. Deacordo com o 9º Levantamento de Safras da Conab, estima-se uma produção com asprincipais culturas de 161,5 milhões de toneladas, 8,2% superior à safra anterior. Alémdisso, salienta que os problemas de excesso de chuva e de atraso de plantio, principal-mente na soja e no milho, não comprometeram o desenvolvimento das culturas. Dentre os produtos com maior representatividade na cesta agrícola, o que apre-senta um maior crescimento esperado é o algodão. Devido à redução dos estoques mun-diais desse produto e os preços nominais se elevarem. Assim, há a expectativa de umaumento da área plantada, que por sua vez, deve acarretar na elevação da produção em72,9%. O setor espera para 2011 um faturamento bruto de R$ 4,9 bilhões, que represen-tam um crescimento de 63,5% em relação aos R$ 3,0 bilhões recebidos no ano anterior. A produção de soja é estimada em 74,9 milhões de toneladas, cerca de 6,3 mi-lhões de toneladas ou 9,2% a mais do que na safra anterior, devido às condições climá-ticas favoráveis depois do plantio. A atual conjuntura de preços 7,5% acima dos de2010, devem garantir que os produtores faturem R$ 50,2 bilhões, contabilizando umcrescimento de quase 17,4% em comparação com os R$ 42,7 bilhões angariados em2010. A produção total de milho deve ser prejudicada em virtude dos problemas cli-máticos e do atraso do plantio ocorridos na segunda safra, estima-se que esta seja 1,3%maior que a safra passada mesmo com uma redução de 1,1% na produção da safrinha.Contudo, os preços médios elevaram-se 27,1% no mercado, permitindo que o setor re-ceba um faturamento de R$ 21,07 bilhões que, quando comparados aos R$ 16,3 bilhõesde 2010, representam um aumento de 28,75%. Com relação à produção de café, esta será 9,5% menor que a ano passado emfunção da bianualidade, ou seja, alternância de anos de alta produção com baixa. Apesardisso, o setor apresenta um faturamento de R$18,2 bilhões, aumento de 25,7% quandocomparado com o do ano de 2010. Isto se deve principalmente a alta de 38,8% dos pre-ços internos, em relação ao ano passado, o qual ocorreu em função da escassez de pro-duto tanto no Brasil como no mundo. O valor bruto da cana esperado para 2011 está cotado em R$ 27 bilhões, o querepresenta uma queda de 10,6% em relação a 2010, quando o setor teve um faturamentode R$ 30,3 bilhões. A queda é explicada pela contração de 7% da produção, devido àrenovação dos canaviais, da intempérie e da produtividade das lavouras nas principaisregiões produtoras, além da deflação de 3,9% dos preços médios reais apesar da poucaoferta do produto no mercado estar pressionando os preços internacionais para cima.
    • Valor Bruto da Produção Agropecuária Brasileira - 2010 e 2011 Preços Médios Reais, deflacionados pelo IGP-DI300,00 281,84 257,64 2010 2011250,00200,00 174,08 159,74150,00 97,90 107,76 86,93 83,76 87,15 75,98100,00 50,00 0,00 Safra de Grãos Outros Agricultura Pecuária Agropecuária Produtos Agrícolas
    • Valor Bruto da Produção Agropecuária Brasileira - 2010 e 2011 Preços Médios Reais (a) Produção (base março 2010, pelo IGP- VBP Produtos DI) Unidade 2010 2011 Unidade 2010 2011 2010 2011 ∆%Agrícolas 159.739,8 174.079,0 8,98% Algodão em caroço (1) mil t kg 3.029,3 4.953,5 63,52% 3.037 5.250 1,00 0,94 Amendoim (1) mil t kg 269,5 286,1 6,16% 226 224 1,19 1,28 Arroz (1) mil t kg 7.243,3 7.213,3 -0,41% 11.661 13.812 0,62 0,52 milhões de Banana (2) cachos de 10 dúzia 6.540,3 6.297,8 -3,71% dúzias 726 727 0,90 0,87 Batata inglesa (2) mil t kg 3.745,1 2.731,0 -27,08% 3.595 3.928 1,04 0,70 Cacau (em amêndoas) (2) mil t 15 kg 1.306,1 1.234,0 -5,52% 231 243 84,63 76,14 mil sacas de Café Beneficiado (1) 60kg 60 kg 14.448,6 18.162,3 25,70% 48.090 43.543 300,45 417,11 Cana-de-açúcar (2) mil t t 30.277,8 27.054,4 -10,65% 722.496 671.818 41,91 40,27 Cebola (2) mil t kg 1.947,1 684,4 -64,85% 1.539 1.431 1,27 0,48 Feijão (1) mil t kg 5.685,6 5.954,9 4,74% 3.323 3.796 1,71 1,57 Fumo (2) mil t kg 4.343,9 4.355,6 0,27% 781 928 5,56 4,70 milhões de Laranja (6) caixas cx 6.347,0 6.989,8 10,13% 468,5 457,8 13,55 15,27 Mamona (1) mil t kg 89,2 113,5 27,30% 101 137 0,89 0,83 Mandioca (2) mil t t 5.481,4 5.989,4 9,27% 24.303 26.131 225,55 229,20 Milho (1) mil t kg 16.371,0 21.077,1 28,75% 56.018 56.733 0,29 0,37 Sisal (2) mil t kg 189,7 198,6 4,65% 236 267 0,80 0,74 Soja (1) mil t kg 42.771,2 50.221,9 17,42% 68.688 74.990 0,62 0,67 Tomate (2) mil t kg 4.755,9 4.147,8 -12,79% 3.711 3.667 1,28 1,13 Trigo (1) mil t kg 2.081,5 2.282,5 9,66% 5.026 5.882 0,41 0,39 Uva (2) mil t kg 2.816,3 4.131,1 46,69% 1.296 1.413 2,17 2,92Pecuários 97.899,6 107.762,8 10,07% Carne bovina, eq.c (3) mil t 15 kg 43.170,5 50.751,5 17,56% 8.730 9.000 74,18 84,59 Frango (4) mil t 20.903,2 21.338,7 2,08% 11.127 11.420 1,88 1,87 milhões de Leite (3) litros litro 21.915,6 22.581,7 3,04% 30.567 31.484 0,72 0,72 mil cx de 30 Ovos (4) dúzias dúzia 3.549,3 3.513,0 -1,02% 61.617 61.617 1,73 1,71 Suínos (5) mil t 15 kg 8.361,1 9.577,9 14,55% 3.250 3.600 38,59 39,91 Total 257.639,42 281.841,75 9,39%Elaboração: SUT/CNAFontes/observações:(1) CONAB; (2) IBGE;(3) CNA; (4) UBA; (5) ABIPECS e ABCS; (6) IEA-ESALQ/CEPEA-IBGE.(a) FGV: preços reais pelos IGP-DI, média de janeiro a dezembro para 2010, a preços de jan/2010; café (média USP/ESALQ). laranja: (Produção: IEA(SP) e IBGE(demais estados) Preços: ESALQ/CEPEA-mercado, FGV e IEA).