Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
  • Save
CNA - Ativos da Pecuária de Corte
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

CNA - Ativos da Pecuária de Corte

  • 772 views
Published

www.beefpoint.com.br - CNA - Ativos da Pecuária de Corte

www.beefpoint.com.br - CNA - Ativos da Pecuária de Corte

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
772
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. ATIVOS DA PECUÁRIA DE CORTE Crescimento econômico, aumento da inflação e alta dos custos definem o mercado do boi O volume de negócios efetivos do boi gordo comercializados no mercado futuro, em2010, pela BM&F (Bolsa de Mercadorias e Futuros), atingiu 201.738 contratos, em 2010.Apenas para vencimentos em maio do ano passado, o total de contratos efetivos chegou a11.052, alcançando a soma de 83.639 em outubro. Para 2011, o valor foi de 10.562 contratosaté 11 de janeiro, com estimativas de 98 para maio e de 122 para outubro deste ano. É importante destacar que esta forma de comercialização tem a intenção de reduzir osriscos da atividade para o produtor, tomando como base as informações do mercado, como oaumento da inflação, crescimento econômico e preços dos insumos. Assim, conhecendo o seucusto de produção, o pecuarista poderá definir qual será o seu lucro e não ficará à mercê dasinstabilidades do mercado. Mostramos na tabela 1 os preços que, ao final de um dia de negociações, seráreferência para os acertos financeiros das posições de compra e de venda, dos dias 18 ou 19de janeiro, para fechamento nos meses de janeiro, maio e novembro. Na seqüência, a tabela 2localiza os valores médios mensais do mercado físico em São Paulo (à vista NPR) e a tabela 3,mostra a variação entre os preços encontrados no mercado físico e o futuro.Tabela 1: Preços de ajustes dos dias 18 ou 19 de janeiro para fechamentonos meses de janeiro, maio e novembro Mercado Futuro - Ajustes 18/01/2008 19/01/2009 18/01/2010 18/01/2011 Janeiro (F) R$ 74,24 R$ 80,81 R$ 75,09 R$ 101,85 Maio (K) R$ 67,69 R$ 76,39 R$ 74,00 R$ 93,30 Outubro (V) R$ 74,05 R$ 81,00 R$ 79,49 R$ 99,97Fonte: Cepea/BM&F 1
  • 2. Tabela 2: Preços médios mensais do mercado físico em São Paulo (à vista NPR) Mercado Físico - Média mensal do Estado de São Paulo (à vista NPR) 2008 2009 2010 2011 (até dia 11/01)Janeiro (F) R$ 73,65 R$ 82,53 R$ 74,58 R$ 102,88 Maio (K) R$ 78,94 R$ 77,40 R$ 79,57 ?Outubro (V) R$ 90,31 R$ 76,26 R$ 97,83 ?Fonte: Cepea/BM&FTabela 3: Variação entre os valores do mercado físico e o mercado futuro Variação Mercado Físico/Mercado Futuro 2008 2009 2010 2011Janeiro (F) -0,79% 2,13% -0,69% 1,01% Maio (K) 16,62% 1,32% 7,53% ?Outubro (V) 21,96% -5,85% 23,07% ?Fonte: Cepea/BM&FCrescimento econômico e aumento de preços em 2010 A comparação entre as variações dos valores do mercado físico com o futuro, nos anosde 2008 a 2010, mostra que foi mais interessante utilizar o mercado futuro em outubro de2009. Houve redução do consumo interno e das exportações devido à crise econômica,principalmente no segundo semestre de 2009, o que provocou redução nos preços da carne.Os anos de 2008 e 2010 foram muito semelhantes, de crescimento econômico e aumento dospreços. Conseqüentemente, a expectativa de preços era menor em janeiro, período deefetivação do contrato. Segundo o Banco Central, em 2011, a meta projetada para o IPCA (Índice de Preços aoConsumidor Amplo) ficará em 5,53%. Por esse motivo, o governo federal já está implantandometas para frear a inflação, com o aumento dos juros, na tentativa de conter a demanda.Porém, a projeção para crescimento do PIB, estimada pelo FMI (Fundo MonetárioInternacional), está em 4,5%. Se confirmada, o consumo ainda deverá ser maior que 2010,mesmo com as medidas do governo. Outros fatores importantes a considerar é a recuperação da economia de algunspaíses, que pode contribuir para o aumento das exportações. Para suprir esta demanda, aoferta precisará crescer. No entanto, os preços de reposição para os confinamentos aindaestão em patamares elevados, assim como os preços do milho e da soja, o que poderá reduzira oferta por meio do sistema de produção.A relação entre os preços de 2010 e 2011, no mercado físico, também é um indicativo de comoestarão os preços para os próximos trimestres, como demonstra a tabela 4. 2
  • 3. Tabela 4: Comparativo entre o ano atual e o ano anterior dos preços de ajustes dos dias 18 ou 19 de janeiro para fechamento nos meses de janeiro, maio e novembro. Mercado Ano atual em relação ao ano anterior Físico 2009/2008 2010/2009 2011/2010Janeiro (F) 12,06% -9,64% 37,96% Maio (K) -1,96% 2,81% ?Outubro (V) -15,56% 28,28% ?Fonte: Cepea/CNA Os anos que iniciam com altos valores têm dificuldade em manter estes preços aolongo do ano. A diferença nos preços de janeiro, entre 2010 e 2011, teve uma grande variaçãoem relação aos outros anos, de praticamente 38%.Arroba do boi bateu recordes de preços no ano Diversos fatores influenciaram o mercado pecuário ao longo do ano de 2010. A arrobado boi bateu recordes de preços, gerando um bom cenário ao produtor. O bezerro tambémesteve muito valorizado, beneficiando o criador, apesar do pequeno volume de negóciosdecorrente dos altos preços. O elevado custo da reposição afetou, porém, os terminadores. Apesar da grande quantidade de animais prontos para abate no início do ano, houvepequeno volume de negócios. Produtores aproveitaram as boas condições das pastagens parasegurar o gado e esperar por melhores preços. A retenção de animais no pasto ocorreu,também, pela relação desfavorável de troca entre o bezerro e a arroba, segundo algunscolaboradores do CEPEA (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada). Assim, mesmocom a queda de temperatura em maio e a piora significativa das pastagens a partir de junho, aoferta se manteve restrita. Os preços da arroba começaram a subir a partir de março, em São Paulo. Porém, emabril, houve pequena queda nos valores, retomando o ritmo de alta de maio ao final deoutubro. Os preços novamente tiveram redução em novembro, devido às vendas pontuais dealguns pecuaristas e a redução do consumo provocada pelos elevados preços da carne novarejo, além do fechamento temporário de algumas plantas frigoríficas e a diminuição dasescalas de abate. Quanto ao mercado de reposição, 2010 iniciou com baixo volume de negócios. A partirde março, no entanto, começou a melhorar, devido à expectativa de elevados preços daarroba. Apesar da resistência para aquisição de animais de reposição, o elevado preço dobezerro animou os criadores durante grande parte do ano. Um dos motivos para a alta dovalor do animal de reposição foi o baixo volume de oferta ocasionado pelo excessivo abate devacas em anos anteriores. A péssima condição das pastagens a partir de junho e o baixovolume de vendas do boi gordo, à espera de melhores preços, também foram fatores para abaixa comercialização do bezerro. Durante o segundo semestre, as comercializações continuaram em ritmo lento, comescassez de boi no mercado. Diante da dificuldade de compra, os frigoríficos buscaram animais 3
  • 4. para abate fora da região de compra tradicional. A partir de agosto, quando a falta de animais começou a preocupar, os compradores passaram a remunerar o produtor à vista ou com menor prazo, e com os valores da arroba para 30 dias. As maiores altas de preço, tanto da arroba quanto da carcaça casada, ocorreram em outubro, quebrando recordes da série histórica dia após dia, atingindo valorização da arroba de 20,23%, no acumulado deste mês. O alto preço da carne bovina abriu espaços para os mercados de frango e suíno, ocorrendo valorizações de 43,8% para o frango congelado e de 18,8% para a carcaça suína. Relação entre os preços médios mensais deflacionados do indicador do boi Esalq/BM&F e da carcaça casada (janeiro/2004 e dezembro de 2010)Fonte: Cepea/CNA/BM&F Custo com mão-de-obra é o segundo maior gasto do pecuarista Os maiores gastos do pecuarista sempre foram com reposição de animais, suplementação mineral e mão-de-obra, não necessariamente nesta ordem, se considerada a média dos 10 Estados pesquisados (Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará, Paraná, Rio Grande do Sul, Rondônia, São Paulo e Tocantins). Entre estes insumos, a despesa com mão-de-obra ganhou importância, pois cresce anualmente. 4
  • 5. Os gastos do produtor variam de acordo com os aumentos de preços ou queda nosvalores dos insumos, a exceção da mão-de-obra, que tem aumento anual. O aumento do preçodo sal mineral em 2008 é um bom exemplo, ocasionado pela elevação do preço do fosfatobicálcico no mercado internacional. O gasto com suplementação chegou a 28,76% do COT(Custo Operacional Total), em setembro de 2008. A reposição de animais é outra grande preocupação do produtor. Desde abril de 2009,lidera as despesas do pecuarista, devido principalmente ao aumento dos preços do bezerro e àqueda nos valores de sal mineral após a crise em 2009. O problema pode se agravar paraprodutores que fazem recria ou recria-engorda. Quanto a mão-de-obra, os reajustes são anuais e independem de produção, pois estãovinculados a fatores políticos, já que a maior parte dos produtores paga o salário vinculado aomínimo federal ou estadual. Em janeiro de 2004, o gasto do pecuarista com contratação defuncionário e serviços terceirizados era de 15,63%, índice que subiu para 22,65% em dezembrode 2010, ocupando o segundo lugar entre as despesas para produzir boi. No Rio Grande do Sul,onde o salário mínimo estadual é maior que o federal, a despesa com mão-de-obra chegou a24,44% do total das despesas do pecuarista em dezembro de 2010.Gastos com suplementação mineral, compra de animais e mão-de-obra - média Brasil desde 2004Fonte: Cepea/CNA 5
  • 6. Produtor recupera margem com alta da arroba Os custos de produção subiram em todos os meses de 2010, um ano de crescimento econômico, com exceção de dezembro. Mas, assim como os gastos do pecuarista, a arroba do boi também apresentou aumentos, recuperando em parte a margem do produtor. Embora a evolução dos custos tenha acompanhado a alta nos preços da arroba, não foi na mesma proporção. A alta no COT (Custo Operacional Total) foi de 20,9%, no acumulado de janeiro a dezembro. Na série histórica de 2004 a 2010, não superou apenas 2008, cuja alta foi de 33,2%. As sementes forrageiras contribuíram para a elevação das despesas devido ao grande volume de chuvas no período de plantio e colheita, que ocasionaram uma quebra na safra do insumo. Houve falta de produto no mercado, o que impulsionou os preços. Seguem, com maior alta no acumulado do ano, os implementos agrícolas e as vacinas. A elevação nos preços do bezerro também impulsionou os gastos dos produtores de recria, recria-engorda e confinamento. Em relação aos Estados pesquisados, Goiás teve o maior aumento do COT, seguido por Mato Grosso do Sul e Mato Grosso. Variações dos Preços dos Principais Insumos da Pecuária de Corte Média Ponderada para GO, MT, MS, PA, RO, RS, MG, PR, TO e SP Ponderação COT Variação acumulada dezembro/10 jan/10 - dez/10 dezembro/10 Bezerro e outros animais de reprodução 28,39% 19,66% -1,58% Suplementação Mineral 21,22% 14,42% 0,85% Adubos e Corretivos 4,97% 16,79% 1,33% Sementes Forrageiras 2,33% 37,51% 0,00% Máquinas Agrícolas 3,99% 1,24% 0,01% Implementos Agrícolas 2,48% 24,99% 1,67% Defensivos Agrícolas 0,12% -5,46% 0,77% Medicamentos - Vacinas 1,43% 21,08% 0,25% Medicamentos - Controle Parasitário 0,85% 8,64% 0,89% Medicamentos em geral 0,40% 2,35% 0,00% Insumos para reprodução animal 0,14% -2,86% 2,77% Mão de Obra 22,65% 9,68% 0,00% Construções Civil 6,09% 7,10% 0,00% Brinco de Identificação 0,02% 3,38% 0,45% Outros (Energia, Administrativos, Utilitário) 4,92% Fonte: Cepea/CNA Variação Mensal e Acumulada COE (1) COT (2) Boi Gordo R$/@ PonderaçõesEstados dezembro-10 jan/10 dez/10 dezembro-10 jan/10 dez/10 dezembro-10 jan/10 dez/10Goiás -1,13% 23,87% -0,87% 26,58% -9,91% 34,55% 15,0%Minas Gerais -1,06% 19,33% -0,78% 17,05% -8,68% 36,08% 14,6%Mato Grosso 0,38% 25,57% 0,26% 22,77% -7,71% 33,90% 14,6%Mato Grosso do Sul -2,52% 25,53% -1,45% 24,45% -7,72% 37,30% 12,7%Pará -2,18% 18,55% -2,04% 16,18% -7,14% 42,39% 9,8%Paraná 0,62% 25,66% -0,10% 21,72% -5,31% 33,64% 8,2%Rio Grande do Sul 0,02% 18,52% 0,06% 15,48% 3,79% 27,85% 7,7%Rondônia 0,50% 23,03% 0,56% 20,80% -6,22% 35,06% 6,7%São Paulo -0,22% 12,99% -0,32% 12,16% -7,19% 38,58% 6,2%Tocantins 0,27% 22,80% 0,08% 20,61% -7,51% 31,39% 4,5%Brasil* -1,28% 21,89% -1,07% 20,90% -7,19% 40,40% 100,0%*- Referente a 79,22% do rebanho nacional segundo o Rebanho Efetivo Bovino PPM / IBGE 2008. 1 - Custo Operacional Efetivo (COE)Fonte: Cepea/USP-CNA 2 - Custo Operacional Total (COT) 6