Geografia vol. 3 e 4 3º
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Geografia vol. 3 e 4 3º

on

  • 353 views

 

Statistics

Views

Total Views
353
Views on SlideShare
353
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Geografia vol. 3 e 4 3º Geografia vol. 3 e 4 3º Document Transcript

  • 3a SÉRIE ENSINO MÉDIO Caderno do Aluno Volume1 GEOGRAFIA Ciências Humanas
  • MATERIAL DE APOIO AO CURRÍCULO DO ESTADO DE SÃO PAULO CADERNO DO ALUNO GEOGRAFIA ENSINO MÉDIO 3a SÉRIE VOLUME 1 Nova edição 2014-2017 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO São Paulo
  • Governo do Estado de São Paulo Governador Geraldo Alckmin Vice-Governador Guilherme Afif Domingos Secretário da Educação Herman Voorwald Secretário-Adjunto João Cardoso Palma Filho Chefe de Gabinete Fernando Padula Novaes Subsecretária de Articulação Regional Rosania Morales Morroni Coordenadora da Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Professores – EFAP Silvia Andrade da Cunha Galletta Coordenadora de Gestão da Educação Básica Maria Elizabete da Costa Coordenadora de Gestão de Recursos Humanos Cleide Bauab Eid Bochixio Coordenadora de Informação, Monitoramento e Avaliação Educacional Ione Cristina Ribeiro de Assunção Coordenadora de Infraestrutura e Serviços Escolares Ana Leonor Sala Alonso Coordenadora de Orçamento e Finanças Claudia Chiaroni Afuso Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Educação – FDE Barjas Negri
  • Caro(a) aluno(a), O ano que se inicia trará muitos desafios para você. É o ano que você deve concluir o Ensino Médio. Este fato representa uma etapa muito importante na sua vida, já que você poderá dar con- tinuidade aos seus estudos e se preparar para o mercado de trabalho. Retomaremos, neste volume, o estudo da regionalização do espaço mundial por meio da lin- guagem cartográfica. É fundamental que você compreenda que há diferentes critérios geopolíticos e socioeconômicos de regionalização do espaço mundial. As atividades e Situações de Aprendizagem propõem um aprofundamento do estudo da dimen- são espacial dos fenômenos e acontecimentos que marcam a geografia mundial. O mundo con- temporâneo é marcado por uma forte instabilidade no espaço mundial, notadamente nos âmbitos político, econômico, social, étnico-racial e ambiental. Este volume também faz um mergulho em um desses conflitos – o conflito de civilizações – mostrando que, na verdade, um conflito não está dissociado de outro e que, muitas vezes, vários conflitos podem ter a mesma raiz, ou origem. Por meio do estudo dos conflitos entre as civilizações, você terá a oportunidade de refletir sobre as relações de poder que estão postas no mundo, sobretudo aquelas de caráter não institucional, que, muitas vezes, acabam por delimitar verdadeiros territórios, sendo também estes de caráter não institucional, manifestos nas mais diversas escalas geográficas. Tenha um excelente estudo! Equipe Curricular de Geografia Área de Ciências Humanas Coordenadoria de Gestão da Educação Básica – CGEB Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
  • Geografia – 3a série – Volume 1 5 ! ? SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 REGIONALIZAÇÃO DO ESPAÇO MUNDIAL IBGE. Atlas geográfico escolar. 6. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2012, p. 34. Mapa original. Adaptado (supressão do mapa de hemisférios). Disponível em: <http://atlasescolar.ibge.gov.br/en/mapas-atlas/mapas-do-mundo/divisoes-politicas-e-regionais>. Acesso em: 7 nov. 2013. 1. Observe o mapa a seguir que apresenta a divisão dos continentes. Qual critério embasou a propos- ta de regionalização do mundo representada no mapa? Quais são as limitações dessa proposta?
  • Geografia – 3a série – Volume 1 6 IBGE. Atlas geográfico escolar. Rio de Janeiro: IBGE, 2004, p. 70. Mapa original (sem indicação de norte geográfico). Adaptado (supressão de escala numérica). IBGE. Atlas geográfico escolar. 6. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2012, p. 74. Mapa original (as informações referem-se ao Sudão antes da divisão com o Sudão do Sul). Adaptado (supressão de escala numérica). 2. Comparando o mapa anterior com os dois apresentados a seguir, pode-se afirmar que foi usado o mesmo critério para selecionar os aspectos neles representados? Comente. 0° 30° 30° 60° 90° 90° 60° ESCALA PROJEÇÃO DE ROBINSON 1000 2000 km0 Vegetação Fonte: Atlas geográfico. 3. ed. Rio de Janeiro: IBGE: Fundação de Assistência ao Estudante, 1986. Nota: Mapa atualizado pelo IBGE, 2002. Tundra Floresta de coníferas Floresta temperada Mediterrânea Formações herbáceas Formações de regiões semiáridas Deserto Floresta estacional e savana Floresta pluvial tropical e subtropical Alta montanha 0° 60° °021°06120° 180°180° Fonte: Basic indicators. In: The state of the world’s children 2011. New York: United Nations Children’s Fund -UNICEF, 2011. Table 1. Disponível em: <http://www.unicef.org/sowc2011/pdfs/SOWC%202011%20Table%201_Basic%20Indicator_110410%20FINAL.xls>. Acesso em: mar. 2012. PROJEÇÃO DE ECKERT III 800 1 600 km0 Taxa de mortalidade infantil (‰ nascidos vivos) menos de 10 de 10 a 25 de 25 a 45 de 45 a 65 de 65 a 100 mais de 100 sem dados Mortalidade infantil 2009
  • Geografia – 3a série – Volume 1 7 3. Que outras possibilidades ou tipos de divisão regional do mundo você conhece? Cite exemplos. 4. Com base na análise dos mapas, explique o que significa regionalizar.
  • Geografia – 3a série – Volume 1 8 Leitura e análise de quadro e mapa 1. Observe o quadro a seguir que apresenta a classificação de alguns países segundo proposta do Banco Mundial. Banco Mundial: classificação das economias, 2008 (em Rendimento Nacional Bruto* per capita) Economias de alto rendimento (US$ 11 905 ou mais) Alemanha, Arábia Saudita, Austrália, Áustria, Barein, Bélgica, Brunei, Canadá, Catar, Chipre, Cingapura, Coreia do Sul, Croácia, Dinamarca, Emirados Árabes Unidos, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estados Unidos, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Hungria, Irlanda, Islândia, Israel, Itália, Japão, Kuwait, Malta, Noruega, Nova Zelândia, Porto Rico, Portugal, Reino Unido, República Tcheca, Suécia, Suíça. Economias de médio-alto rendimento (de US$ 3 856 a US$ 11 905) África do Sul, Argélia, Argentina, Belarus, Bósnia-Herzegovina, Botsuana, Brasil, Bulgária, Casaquistão, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Gabão, Letônia, Líbano, Líbia, Lituânia, Macedônia, Malásia, México, Namíbia, Panamá, Peru, Polônia, República Dominicana, Romênia, Rússia, Sérvia, Suriname, Turquia, Uruguai, Venezuela. Economias de médio-baixo rendimento (de US$ 976 a US$ 3 855) Albânia, Angola, Armênia, Azerbaijão, Bolívia, Camarões, China, Congo, Costa do Marfim, Egito, El Salvador, Equador, Filipinas, Guatemala, Guiana, Honduras, Índia, Indonésia, Irã, Iraque, Marrocos, Mongólia, Nicarágua, Nigéria, Paquistão, Paraguai, Síria, Sri Lanka, Suazilândia, Sudão, Tailândia, Timor-Leste, Tunísia, Ucrânia. Economias de baixo rendimento (US$ 975 ou menos) Afeganistão, Bangladesh, Burkina Faso, Burundi, Camboja, Chade, Coreia do Norte, Eritreia, Etiópia, Gâmbia, Gana, Guiné, Guiné Bissau, Haiti, Iêmen, Laos, Libéria, Madagascar, Malauí, Mali, Mauritânia, Mianmar, Moçambique, Nepal, Níger, Quênia, Rep. Centro-Africana, Rep. Dem. Congo, Ruanda, Senegal, Serra Leoa, Somália, Tadjiquistão, Tanzânia, Togo, Uganda, Vietnã, Zâmbia, Zimbábue. * Esta terminologia foi adotada pelo Banco Mundial em 1993, em substituição ao termo Produto Nacional Bruto. Fonte: Banco Mundial. Classificação dos países. Disponível em: <http://data.worldbank.org/ about/country-classifications/a-short-history>. Acesso em: 7 nov. 2013. Adaptado. a) Com base nos dados do quadro, e com o auxílio de um atlas geográfico escolar, elabore um mapa na próxima página que represente a regionalização do mundo proposta pelo Banco Mundial.
  • Geografia – 3a série – Volume 1 9 Planisphère,projection“Bertin1950”,2011.AtelierdeCartographiedeSciencesPo.Disponívelem:<http://cartographie.sciences-po.fr/fr/planisph-re-projection-bertin1950-2011>. Acessoem:7nov.2013.Mapaoriginal(basecartográficacomgeneralização;algumasfeiçõesdoterritórionãoestãorepresentadasemdetalhe;semescala;semindicaçãodenortegeográfico). Título: ProjectionJ.Bertin,1950
  • Geografia – 3a série – Volume 1 10 b) Com base na análise do mapa que você elaborou, explique a regionalização do mundo ado- tada pelo Banco Mundial. c) Qual hemisfério concentra o maior número de países com economias de alto rendimento? Quais são os motivos que justificam essa concentração? 2. Observe o mapa a seguir, que representa uma regionalização no mundo em países do Norte e em países do Sul. Organizado por Sérgio Adas especialmente para o São Paulo faz escola, 2008. Regionalização do mundo em Norte e Sul REINO UNIDO
  • Geografia – 3a série – Volume 1 11 Por que, no mapa, a regionalização em Norte e Sul não corresponde aos Hemisférios Norte e Sul definidos a partir da Linha do Equador? Com a orientação de seu professor, realize uma pesquisa com um ou mais colegas. Para tanto: recorte imagens e mapas de revistas e jornais que representem diferentes regionalizações do espaço mundial; cole as imagens e mapas numa folha de cartolina ou papel-cartão. Elabore um texto explicativo ou interpretativo sobre o material escolhido ou encontrado, ressaltando os critérios de regiona- lização adotados na sua confecção, mediante os conhecimentos adquiridos e consultas a enciclo- pédias, publicações e sites. VOCÊ APRENDEU? 1. Volte a observar o mapa Regionalização do mundo em Norte e Sul. Assinale a alternativa que indica, corretamente, o critério utilizado nessa regionalização. a) Degradação do meio ambiente. b) Situação geográfica dos países e seus principais problemas geopolíticos. c) Divisão do mundo em países capitalistas e socialistas e regimes políticos. d) Aspectos naturais e localização geográfica dos países. e) Condições socioeconômicas dos países, de suas populações e níveis de industrialização. Combine com seu professor como serão apresentados os resultados da pesquisa.
  • Geografia – 3a série – Volume 1 12 2. Fuvest 2007 – Observe o mapa: a) A divisão por continentes, no mapa acima, representa adequadamente a atual regionalidade do mundo? Justifique. b) Apresente, em forma de texto, outra possibilidade de divisão regional do mundo. Justifique. Fonte: IBGE. Atlas geográfico escolar, 2002.
  • Geografia – 3a série – Volume 1 13 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2 AS REGIÕES DA ONU Para começo de conversa O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é um indicador idealizado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), da Organização das Nações Unidas (ONU). Para a composição desse indicador, são considerados dados de três pilares básicos do desenvolvimento humano: Educação: taxa de escolarização bruta; taxa de escolarização de adultos; Saúde: esperança de vida ao nascer; Renda: Rendimento Nacional Bruto (RNB) per capita, expressa em poder de paridade de compra (PPP) constante, em dólar, tendo 2005 como ano de referência. A escala do IDH varia de 0 a 1, sendo mais desenvolvido quanto mais próximo de 1 estiver o país. As classificações do IDH são relativas, baseadas nos quartis da distribuição do IDH dos países e territórios que possuem um IDH considerado muito elevado, elevado, médio e baixo. Observe o mapa Índice de desenvolvimento humano (IDH), 2010: ! ? Atelier de Cartographie de Sciences Po. Disponível em: <http://cartographie.sciences-po.fr/fr/ndice-de-desenvolvimento-humano-idh-2010>. Acesso em: 7 nov. 2013. Mapa original (base cartográfica com generalização; algumas feições do território não estão representadas em detalhe; sem escala; sem indicação de norte geográfico). baixo muito elevado Nível de desenvolvimento humano Método estatístico: quartis 0,940,790,670,470,14 Ausência de dados Em Ceriscope 2, 2012, thème : Pauvreté http://ceriscope.sciences-po.fr/pauvreteFonte: PNUD, Rapport sur le développement humain 2010, www.undp.org CerieAtelierdecartographie deSciencesPo,2011 Índice de desenvolvimento humano (IDH), 2010
  • Geografia – 3a série – Volume 1 14 Considerando o IDH como um critério de regionalização, identifique quatro regiões e descreva-as. Elas são contíguas? Explique. 1. O IDH foi criado com a intenção de oferecer um panorama mais abrangente do desenvolvimento humano do que o medido por outro indicador, o PIB per capita. Observe os mapas Índice de Desen- volvimento Humano, 2010 e Produto Interno Bruto per capita, 2010 e responda às questões a seguir. Atelier de Cartographie de Sciences Po. Disponível em: <http://cartographie.sciences-po.fr/fr/produto-interno-bruto-capita-2010>. Acesso em: 7 nov. 2013. Mapa original (base cartográfica com generalização; algumas feições do território não estão representadas em detalhe; ampliação de alguns países europeus; sem escala; sem indicação de norte geográfico). PIB per capita, 2010 (em milhares de dólares PPP) método estatístico: médias ajustadas 0,35 4,6 13,6 29,6 86,1 ausência de dados Fonte: Banco Mundial, http://data.worldbank.org AtelierdecartographiedeSciencesPo,2012 Produto Interno Bruto per capita, 2010
  • Geografia – 3a série – Volume 1 15 a) Com o apoio de um atlas geográfico escolar, identifique no mapa Produto Interno Bruto per capita, 2010 países da América do Sul e da África que apresentem a mesma faixa de PIB per capita que o Brasil. b) Pela análise do mapa Índice de Desenvolvimento Humano, 2010, esses países estão na mes- ma faixa de IDH que o Brasil? Comente. 2. Você concorda que o IDH oferece um panorama mais abrangente do desenvolvimento humano do que o medido pelo PIB per capita? Justifique.
  • Geografia – 3a série – Volume 1 16 Analise a tabela com informações sobre o IDH 2010, a seguir: IDH 2010 Esperança deVida ao nascer (anos) Média de anos de escolaridade (anos) Anos de escolaridade esperados (anos) Rendimento Nacio- nal Bruto (RNB) per capita (PPC em USD de 2008) Média dos países com índice de desenvolvi- mento humano muito elevado 0,878 80,3 11,3 15,9 37,225 Média dos países com índice de desen- volvimento humano elevado 0,717 72,6 8,3 13,8 12,286 Média dos países com índice de desenvolvi- mento médio 0,592 69,3 6,3 11,0 5,134 Média dos países com índice de desenvolvi- mento humano baixo 0,393 56,0 4,1 8,2 1,490 Média mundial 0,624 69,3 7,4 12,3 10,631 Brasil 0,699 72,9 7,2 13,8 10,607 Média dos países da América Latina e Caribe 0,704 74,0 7,9 13,7 10,642 Fonte: PNUD. Relatório do Desenvolvimento Humano 2010. A verdadeira riqueza das Nações: Caminhos para o Desenvolvimento Humano, 2010. Disponível em: <http://hdr.undp.org/en/reports/global/hdr2010/chapters/pt/>. Acesso em: 7 nov. 2013. 1. Compare a posição do IDH brasileiro em 2010 com o IDH da média mundial. Qual dos índi- ces que compõem o IDH mais contribui para a diferença observada? Comente.
  • Geografia – 3a série – Volume 1 17 2. Compare os indicadores de desenvolvimento humano do Brasil com relação ao conjunto da América Latina e Caribe em 2010. Comente as principais semelhanças e diferenças. Observe o mapa Evolução do IDH, 1990-2010 e responda: Atelier de Cartographie de Sciences Po. Disponível em: <http://cartographie.sciences-po.fr/fr/evolu-o-do-idh-1990-2010>. Acesso em: 7 nov. 2013. Mapa original (base cartográfica com generalização; algumas feições do território não estão representadas em detalhe; sem escala; sem indicação de norte geográfico). redução aumento Evolução do IDH entre 1990 e 2010 (em %) 8024140- 50 Ausência de dados Em Ceriscope 2, 2012, thème : Pauvreté http://ceriscope.sciences-po.fr/pauvreteFonte: PNUD, Relatório sobre desenvolvimento humano 2010, www.undp.org CerieAtelierdecartographie deSciencesPo,2011 Evolução do IDH, 1990-2010
  • Geografia – 3a série – Volume 1 18 1. Em que região estão concentrados os países que apresentam redução nos índices de desenvolvi- mento humano entre 1990 e 2010? 2. Em quais regiões houve evolução nos índices de desenvolvimento humano entre 1990 e 2010? 3. Com base em seus conhecimentos, apresente hipóteses para explicar essas tendências de redução e evolução no IDH entre 1990 e 2010.
  • Geografia – 3a série – Volume 1 19 ! ? SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3 O CONFLITO NORTE E SUL Observe o mapa a seguir e, com o auxílio dos conhecimentos discutidos em sala de aula, respon- da às questões propostas: 1. Quais relações podem ser estabelecidas com base nos dados expressos na representação cartográfica das emissões de CO2 com a regionalização do mundo em países do Norte e do Sul? Justifique. Émissions de CO2 et ratifications du Protocole de Kyoto, 2012. Atelier de Cartographie de Sciences Po. Mapa original (base cartográfica com generalização; algumas feições do território não estão representadas em detalhe; sem escala; sem indicação de norte geográfico). Tradução: Benjamin Potet. Nauru Ilhas do Pacífico Ilhas Cook Fiji, Tonga Kiribati, Samoa, Vanuatu 9 000 1 800 500 50 16 Fontes: BP, www.bp.com; Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (CQNUMC), http://unfccc.int ; Nações Unidas, World Population Prospects, the 2010 Revision, http://esa.un.org/unpd/wpp Emissões de CO2 (em milhões de toneladas, 2011) Protocolo de K oto (dezembro 2012) (em toneladas por habitante, 2008) 0 Estimativas BP para 2011 1,5 4,5 10 20 74,1 Ausência de dados Países que não ratificaram Países que se comprometeram em limitar ou reduzir as emissões de CO2 Conferência das Partes (COP) média mundial Emissões de CO2 e ratificações do Protocolo de Kioto, 2012 Máximo Máximo Catar Barein Em. Ár. Un. Trin. e Tobago Cingapura Kuwait 74,1 43,2 43,1 41,0 34,6 31,6 China Estados Unidos Índia Russia Japão Alemanha 8 900 6 000 1 800 1 600 1 300 800 AteliêdeCartografiadaSciencesPo,2012
  • Geografia – 3a série – Volume 1 20 2. O controle das emissões de CO2 na atmosfera constitui um dos conflitos entre o Norte (princi- palmente por parte dos Estados Unidos da América) e o Sul. Explique as razões desse conflito.
  • Geografia – 3a série – Volume 1 21 Les migrations, fin du XXe siècle. Atelier de Cartographie de Sciences Po. Mapa original (base cartográfica com generalização; algumas feições do ter- ritório não estão representadas em detalhe; sem escala; sem indicação de norte geográfico). Analise o mapa As migrações, final do século XX. Na sequência, com a orientação do seu pro- fessor e com base em conhecimentos, responda às questões 1 e 2. 1. O que o mapa representa? Justifique.
  • Geografia – 3a série – Volume 1 22 2. “Seu Cristo é judeu. Seu carro é japonês. Sua pizza é italiana. Sua democracia, grega. Seu café, brasileiro. Seu feriado, turco. Seus números, árabes. Suas letras, latinas. Só o seu vizinho é estrangeiro.” Em 1994, esses dizeres foram estampados em cartazes espalhados pelas ruas de Berlim, capital da Alemanha. a) De acordo com o que foi estudado, é possível dizer que a situação do imigrante no contexto mundial sofreu alterações? Justifique sua resposta. b) A ironia do cartaz mostra situações significativamente contraditórias. Em sua opinião, quais são as contradições que podem ser apontadas no texto do cartaz? Justifique sua resposta. Com a orientação de seu professor, você e seu grupo vão pesquisar um dos temas a seguir elencados. Tema 1: As bases históricas do preconceito, da discriminação, do racismo e da xenofo- bia de parcelas do povo europeu com relação aos estrangeiros. Tema 2: Fatores que impulsionam ou causam as migrações internacionais. Tema 3: Os principais fluxos de refugiados no mundo.
  • Geografia – 3a série – Volume 1 23 Para isso, consultem textos e capítulos em livros didáticos de Geografia na biblioteca da escola e/ou em sites da internet. Durante sua consulta e leitura, anote em seu caderno informações e ideias interessantes e importantes. Em seguida, com base nas anotações de cada um do grupo, organizem um relatório a respeito do tema pesquisado.
  • Geografia – 3a série – Volume 1 24 Considerando o mapa As migrações, final do século XX, apresente um exemplo de fluxo migra- tório entre: a) países e regiões em desenvolvimento. b) países ou regiões desenvolvidas. 2. Explique por que esses fluxos ocorrem. As discussões sobre a migração começam tipicamente com uma descrição dos fluxos entre países em desenvolvimento e países desenvolvidos, ou aquilo que por vezes é livremente – e inade- quadamente – designado por fluxos de “Sul-Norte”. [...] Mesmo que concentremos a nossa atenção nas deslocações internacionais, o grosso das mesmas não ocorre entre países com níveis de desenvolvimento muito diferentes. Apenas 37% das migra- ções de todo o mundo são de países em desenvolvimento para países desenvolvidos. A maior parte das migrações ocorre entre países com o mesmo nível de desenvolvimento: cerca de 60% dos mi- grantes desloca-se ou entre países em desenvolvimento, ou entre países desenvolvidos (os restantes 3% referem-se a deslocações de países desenvolvidos para países em desenvolvimento). Fonte: PNUD. Relatório de Desenvolvimento Humano 2009: Ultrapassar fronteiras: mobilidade e desenvolvimento humanos, p. 21. Disponível em: <http://hdr.undp.org/en/media/HDR_2009_PT_Complete.pdf>. Acesso em: 7 nov. 2013. 1. Leia o seguinte texto:
  • Geografia – 3a série – Volume 1 25 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 GLOBALIZAÇÃO E REGIONALIZAÇÃO ECONÔMICA 1. Observe o mapa A bipolaridade e a ordem westfaliana, 1950-1980 e descreva a posição de cada continente com relação às alianças militares e políticas. ! ? La bipolarité et l’ordre westphalien (1950-1980). Atelier de Cartographie de Sciences Po. Disponível em: <http://cartographie.sciences-po.fr/fr/ guerre-froide-1950-1980>. Acesso em: 7 nov. 2013. Mapa original (base cartográfica com generalização; algumas feições do território não estão representadas em detalhe; sem escala; sem indicação de norte geográfico). Tradução: Renée Zicman. ProjeçãodeJ.Bertin,1950 A BIPOLARIDADE E A ORDEM WESTFALIANA - 1950-1980 Os territórios A bipolaridade Países ligados aos EUA por um acordo militar, como a Otan Fronteiras“fechadas” pela Guerra Fria “Implante”do Estado Conflitos ligados à definição das identidades territoriais ou separatistas Outros países ligados ao bloco do Oeste (1980) Outros países ligados ao bloco do Leste (em torno de 1980) Conflitos ou crises ligados ao enfrentamento Leste-Oeste Países ligados à URSS por um acordo militar, como o Pacto de Varsóvia Coreia, 1950-53 Cuba 1962 Nicarágua 1979-90 Irlanda PaísBasco SaaraOcid. Ex-Iugoslávia Curdistão Nigéria1970-75 Etiópia Somália SriLanka GrandesLagos anos1960e1990 Indochina, Vietnã 1945-75 OficinadecartografiadaSciencesPo, R.GIMENO,C.GOIRAND,outubrode1998
  • Geografia – 3a série – Volume 1 26 Organização militar de segurança coletiva da Comunidade dos Estados Independentes (CEI) Organização de Cooperação de Xangai (OCS) Países designados pelos Estados Unidos como sendo “hostis” Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) Países que assinaram um acordo militar com os Estados Unidos ou lhes concederam a utilização de bases ou facilidades Intervenções militares dos Estados Unidos e de seus aliados Tratado de segurança regional Observatório da OCS Países candidatos à adesão à OTAN Países que possuem armas nucleares Cuba Coreia do Norte MianmarEstados Unidos China Canadá Rússia Cazaquistão Venezuela Zimbábue Síria Irã Iraque Afeganistão África do Sul Japão Indonésia Filipinas Austrália Mongólia Índia Paquistão Israel Turquia 2. Com base na análise do mapa Mundo: o surgimento do mundo multipolar – a recomposição das alianças, 1991-2006, descreva a área de influência militar dos Estados Unidos da América. Mundo: o surgimento do mundo multipolar – a recomposição das alianças, 1991-2006 L’Atlas du monde diplomatique. Paris: Armand Colin, 2006. Mapa original (base cartográfica com generalização; algumas feições dos territórios não estão representadas em detalhe; sem escala).
  • Geografia – 3a série – Volume 1 27 3. Comparado com os dois mapas anteriores, o que o mapa Mundo: as potências do século XXI traz de novo para entender a distribuição de poder no mundo contemporâneo? Justifique. Mundo: as potências do século XXI L’Atlas du monde diplomatique. Paris: Armand Colin, 2006. Mapa original (base cartográfica com generalização; algumas feições dos territórios não estão representadas em detalhe; sem escala). Grandes potências tradicionais econômicas e militares da Tríade Potências econômicas ou políticas regionais Potência econômica estagnada China Europa Rússia Brasil Nigéria África do Sul Índia AustráliaIrã Arábia Saudita Turquia JapãoAmérica do Norte Nova Zelândia México Egito Coreia do Sul
  • Geografia – 3a série – Volume 1 28 4. Com base no mapa a seguir, comente a atuação dos EUA. La Documentation Française. La présence des forces armées américaines dans le monde en 2006. In: Questions internationales, n. 26, jul.-ago. 2007. Disponível em: <http://www.ladocumentationfrancaise.fr/cartes/monde/c000984-la-presence-des-forces-armees-americaines-dans-le-monde- en-2006>. Acesso em: 7 nov. 2013. Mapa original (base cartográfica com generalização; algumas feições do território não estão representadas em detalhe; sem escala; sem indicação de norte geográfico). Tradução: Renée Zicman. 0° 180° Projection cylindrique de Gall (correction de J. Bertin pour les pôles A presença das forças armadas americanas no mundo, 2006 RobertoGimenoeOficinadecartografiadaSciencesPo,junhode2007 Fonte: US Department of Defense, www.defenselink.mil/ e ONU, Departamento de operações de manutenção da paz, www.un.org /peace /peace /index.asp O C E A N O PA C Í F I C O O C E A N O Í N D I C O OCEANO ATLÂNTICO O C E A N O ATL Â N T I C O Equador 100 30 000 10 000 2 000 64 300 (Alemanha) Alasca (EUA) Havaí (EUA) ESTADOS UNIDOS (desconsiderados Alasca e Havaí) 897 000 homens Guam (EUA) Diego Garcia Japão Alemanha 64 300 Iraque 185 500 Afeganistão 21 500 Coreia do Sul ESTADOS UNIDOS MONUG (Geórgia) ONUST (Oriente Médio) MINUT (Timor Leste) MINUS (Sudão) MINUEE (Etiópia/Eritreia) MINUL (Libéria) MINUSTAH (Haiti) MINUK (Kosovo) 2 3 4 7 7 22 51 239 Contribuições em homens dos EUA nas missões de paz da ONU (setembro de 2006) Mobilização das forças armadas americanas (efetivos em setembro de 2006) Efetivos inferiores a 100 homens Intervenção no âmbito de uma missão de paz da ONU
  • Geografia – 3a série – Volume 1 29 5. Defina os termos bipolaridade e multipolaridade. Fundamente sua resposta com base nos mapas apresentados nas questões anteriores. 1. Observe o mapa a seguir e responda à questão: qual a relação entre os principais processos de integração regional e a globalização? Justifique.
  • Geografia – 3a série – Volume 1 30 Ensemblesregionauxàvocationéconomique,situationau1er novembre2012.AtelierdeCartographiedeSciencesPo.Mapaoriginal(basecartográficacomgeneralização;algumasfeiçõesdoterritórionão estãorepresentadasemdetalhe;semescala;semindicaçãodenortegeográfico).Tradução:BenjaminPotet. ASEANCCGCCG SAARCSAARC IGADIGAD NAFTA PIF UNASUL ALBA AEC CARICOM CAN MCCAMCCA ALADI APEC UE UMA CEN-SAD CEDEAO CEMAC SACUSACU CEEACCEEAC CEMB UEMOA SADC IOR-ARC MERCOSUL EURASEC EAC COICOI COMESA ASEAN+3 OECO AteliêdeCartografiadaSciencesPo,2012 Integraçõesregionaiscomobjetivoeconômico,situaçãoem1ºdenovembrode2012 Fonte:compilaçãodossitesoficiaisdasorganizações. PIFFórumdasIlhasdoPacífico SAARCAssociaçãoSul-asiáticaparaaCooperaçãoRegional SACUUniãoAduaneiradaÁfricaAustral SADCComunidadeparaoDesenvolvimentodaÁfricaAustral UEUniãoEuropeia UEMOAUniãoEconômicaeMonetáriadoOesteAfricano UMAUniãodoMagrebÁrabe UNASULUniãodeNaçõesSul-americanas AECAssociaçãodosEstadosdoCaribe ALADIAssociaçãoLatino-americanadeIntegração ALBAAliançaBolivarianaparaosPovosdaNossaAmérica APECCooperaçãoEconômicadaÁsiaedoPacífico ASEANAssociaçãodeNaçõesdoSudesteAsiático ASEAN+3AseaneChina,JapãoeCoreiadoSul CANComunidadeAndinadeNações CARICOMComunidadedoCaribe CCGConselhodeCooperaçãodoGolfo CEDEAOComunidadeEconômicadosEstadosdaÁfricaOcidental CEEACComunidadeEconômicadosEstadosdaÁfricaCentral CEMACComunidadeEconômicaeMonetáriadaÁfricaCentral CEMBConselhodosEstadosdoMarBáltico CEN-SADComunidadedosEstadosSahelo-saarianos COIComissãodoOceanoÍndico COMESAMercadoComumdaÁfricaOrientaleAustral EACComunidadedaÁfricaOriental EURASECComunidadeEconômicaEurasiática IGADAutoridadeIntergovernamentalparaoDesenvolvimento IOR-ARCAssociaçãodosPaísesdaOrladoOceanoÍndicoparaaCooperaçãoRegional MCCAMercadoComumCentro-americano MERCOSULMercadoComumdoSul NAFTATratadoNorte-americanodeLivreComércio OECOOrganizaçãodosEstadosdoCaribeOriental
  • Geografia – 3a série – Volume 1 31 Leitura e análise de gráfico e mapa 1. Com base no gráfico e no mapa responda às questões a seguir. Évolution du nombre d’internautes. Atelier de Cartographie de Sciences Po. Disponível em: <http://cartographie.sciences-po.fr/en/ internet-volution-du-nombre-dinternautes-2000-2010>. Acesso em: 7 nov. 2013.
  • Geografia – 3a série – Volume 1 32 Atelier de Cartographie de Sciences Po. Disponível em: <http://cartographie.sciences-po.fr/fr/internautas-2010-0>. Acesso em: 7 nov. 2013. Mapa original (base cartográfica com generalização; algumas feições do território não estão representadas em detalhe; sem escala; sem indicação de norte geográfico). a) O que o gráfico revela? Parcela de internautas (em %) 0,2 14 36 61 95 ausência de dados método estatístico: médias ajustadas Fonte: União Internacional de Telecomunicações, www.itu.int AtelierdecartographiedeSciencesPo,2012 Internautas, 2010
  • Geografia – 3a série – Volume 1 33 b) Comparando o mapa Internautas, 2010 com o mapa Regionalização do mundo em Norte e Sul, aponte características comuns entre eles e discuta a questão das desigualdades no mundo globalizado. c) O mapa Internautas, 2010 poderia fundamentar a afirmação de que a globalização ocorre de forma assimétrica? Explique. Consulte um ou mais textos em livros de Geografia na biblioteca da escola e/ou em sites da internet sobre os aspectos políticos, econômicos, militares, tecnológicos e socioeconômicos da Nova Ordem Mundial. Durante a consulta e leitura, anote as informações e ideias mais rele- vantes. Isso poderá ser realizado na forma de um fichamento escrito ou por meio de um quadro síntese dos aspectos estudados, completando-o com as informações coletadas. Após reunir as informações, elabore um texto dissertativo sobre o tema proposto.
  • Geografia – 3a série – Volume 1 34 A Nova Ordem Mundial Características Militares Econômicas Políticas Tecnológicas Socioeconômicas
  • Geografia – 3a série – Volume 1 35
  • Geografia – 3a série – Volume 1 36 Com base em seus conhecimentos, responda: 1. A globalização e a formação de blocos econômicos são processos excludentes? Justifique. 2. Estabeleça uma diferença de objetivos entre a União Europeia (UE) e outros blocos econômicos. 1. Leia as alternativas sobre alguns blocos econômicos: I. União Europeia (UE) é uma organização supranacional dedicada a incrementar a interação econômica e reforçar a cooperação entre seus Estados-membros. Entre outras características que a distinguem dos demais blocos da atualidade está o fato de outorgar a cidadania europeia a cidadãos de todos os Estados-membros, permitindo aos cidadãos europeus maior liberdade para viver, trabalhar ou estudar em qualquer um dos países-membros. II. A Apec (Cooperação Econômica da Ásia e do Pacífico) foi criada no ano de 1989, na Austrália, como um fórum de conversação entre os países-membros da Asean (Associação das Nações do Su- deste Asiático) e seis parceiros econômicos da região do Pacífico, como EUA e Japão. Porém, ape- nas no ano de 1994, adquiriu características de um bloco econômico na Conferência de Seattle, quando os membros se comprometeram a transformar o Pacífico em uma área de livre-comércio. III. O Acordo de Livre-Comércio da América do Norte (Nafta) integra as economias dos EUA, do Canadá e do México. Iniciado em 1988 por estadunidenses e canadenses, o bloco recebeu a adesão dos me- xicanos em 1993. Com ele, consolidou-se um intenso comércio regional na América do Norte para enfrentar a concorrência representada pela UE, além da livre circulação de pessoas entre seus países- -membros, de modo a resolver a imigração ilegal de mexicanos para os Estados Unidos.
  • Geografia – 3a série – Volume 1 37 IV. O Mercosul (Mercado Comum do Sul) é um bloco criado em 1991 pela Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai, com o objetivo de reduzir ou eliminar impostos, proibições e restrições entre seus produtos. Em 2004, os países chamados andinos, como Chile, Bolívia, Equador, Colômbia e Peru, associaram-se ao Mercosul. No ano de 2005, a Venezuela procurou sua adesão ao acordo, mas teve que cumprir algumas exigências, como adotar a TEC – Tarifa Externa Comum. As afirmativas corretas são indicadas pelas afirmações: a) I e II. b) III e IV. c) I e IV. d) I, II e IV. e) I, II, III e IV. 2. No final do século XX, uma região europeia foi considerada um verdadeiro barril de pólvora étnico, abrigando ondas nacionalistas que embalaram o sonho de uma “grande Sérvia”, de uma “grande Albânia” ou de uma Croácia “etnicamente pura”. Essa afirmação refere-se à região: a) dos Balcãs, fragmentada por movimentos nacionalistas. b) da Chechênia, unificada após a desintegração soviética. c) do Curdistão, dividida entre o Iraque e a Turquia. d) da Palestina, que não aceita a criação de Israel. e) da Alemanha, unificada após a queda do muro de Berlim.
  • 38 Geografia – 3a série – Volume 1 ! ? SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 5 CHOQUE DE CIVILIZAÇÕES? Para começo de conversa Leia as Fichas I e II, apresentadas nas próximas páginas, e responda às questões a seguir. 1. Qual é a intenção dos autores ao afirmarem que “Os aviões que destruíram as torres gêmeas do World Trade Center, em 11 de setembro de 2001, e a marcha das tropas estadunidenses sobre Bagdá refletem tragicamente esse estranhamento e introduzem, na política mundial, o espectro do ‘choque de civilizações’.”? 2. Qual é a relação entre os atentados de 11 de setembro de 2001 e os protestos desencadeados por jovens imigrantes ocorridos na França em 2005?
  • 39 Geografia – 3a série – Volume 1 As torres gêmeas do World Trade Center, em Manhattan, Nova Iorque, um dos principais símbolos do poderio econômico dos Estados Unidos, antes e no momento do atentado de 11/9/2001. Pela primeira vez em sua história em tempos de paz, os Estados Unidos foram vítimas de ataques a seu território continental. Ao mesmo tempo, outro avião também sequestrado iria se chocar com o edifício do Pentágono, próximo de Washington, D.C., atingindo o principal símbolo militar da superpotência. Ao todo, os atentados resultaram na morte de mais de 3 mil pessoas. ©SzenesJason/Corbis/Sygma/Latinstock Aspecto da ocupação militar estadunidense no Iraque em 2003, com soldados hasteando a ban- deira dos Estados Unidos em uma das ruas de Bagdá. ©OlegNikishin/GettyImages “O estranhamento que separa o Ocidente do Islã é fruto de séculos de história. Os aviões que destruíram as torresgêmeasdoWorldTradeCenter,em11desetembrode2001,eamarchadastropasestadunidensessobreBagdá refletemtragicamenteesseestranhamentoeintroduzem,napolíticamundial,oespectrodo‘choquedecivilizações’. O antídoto existe, mas depende de um diálogo entre o Ocidente e o Islã, centrado nos valores da Reforma e do Iluminismo. Entre árabes e muçulmanos, há incontáveis interessados nesse diálogo e há uma tradição modernista que resiste ao fundamentalismo. O obstáculo é o ruído ensurdecedor das bombas e a humilhação da ocupação.” MAGNOLI, Demétrio; SENISE, Elaine. Por um diálogo entre o Ocidente e o Islã. Folha de S.Paulo, São Paulo, 20 abr. 2003. ©AngeloHornak/Corbis/Latinstock FICHA I Os atentados ao World Trade Center (11/9/2001) e a ocupação estadunidense do Iraque (2003)
  • 40 Geografia – 3a série – Volume 1 ©ThomasCoen/AFP/GettyImages FICHA II A revolta dos jovens na França (2005) Manifestação de jovens dos subúrbios de Paris, capital da França, contra a discriminação e a violência dirigida aos imigrantes e seus descendentes no país, nov. de 2005. Em 2005, vários especialistas não concordaram com uma interpretação largamente divulgada em jornais televisivos e impressos sobre a realidade francesa, segundo a qual os protestos dos jovens imi- grantes nos subúrbios de Paris e outras cidades estariam vinculados com movimentos religiosos e fundamentalistas. Em vez de associá-los de maneira apressada com os “movimentos terroristas inter- nacionais”, considerando-os como mais uma etapa do avanço do “choque de civilizações”, argumen- taram que as manifestações tiveram o Estado francês como alvo principal ou, mais precisamente, a ausência dele na vida dos jovens residentes em bairros socialmente desfavorecidos. Ao contrário das notícias, portanto, os estudiosos chamaram a atenção para o fato de que se tratava de um movimento político – quase caótico, é verdade, mas essencialmente político – questionador da exclusão social e do neoliberalismo intolerante.
  • 41 Geografia – 3a série – Volume 1 1. Leia o texto a seguir. O crítico literário e ativista da causa palestina Edward Said critica a tese de “choque de civilizações” defendida por Huntington. Para ele, essa ideia deve ser considerada uma política de Estado que visa reestruturar a estratégia ocidental tendo em vista afirmar sua autoridade sobre o Oriente, envolvendo interesses de dominação. a) Considerando as medidas tomadas por George W. Bush após o 11 de setembro de 2001, quais interesses os EUA teriam ao incentivar a ideia de “choque de civilizações”? b) Considerando as discussões realizadas durante a aula sobre a ideia de “choque de civiliza- ções”, quais os interesses que os países do Ocidente teriam no Oriente Médio? 2. O sociólogo anglo-americano Michael Mann, professor da Universidade da Califórnia, em seu livro O Império da incoerência, afirma que o mundo deveria saber que o governo de George W. Bush adota o novo imperialismo. Para ele, as políticas estadunidenses quanto a Kyoto, minas terrestres, Guerras nas Estrelas, Iraque e Irã não são ocasionais e isoladas. Todas elas fazem parte de uma estratégia desencadeada pela nova direita estadunidense, desde os anos 1970, para que se construa o Império Americano Global, vislumbrado primeiramente como teoria e, depois de 11 de setembro, e durante todo o governo de Bush, como realidade.
  • 42 Geografia – 3a série – Volume 1 a) Qual a intenção do autor ao afirmar que o mundo deveria saber que o governo de George W. Bush adotou o novo imperialismo? b) Considerando os argumentos defendidos por Michael Mann, ele seria favorável ou desfavorável à tese do “choque de civilizações” de Huntington? Justifique a sua resposta. c) Considerando o atual momento da política estadunidense, é possível afirmar que esse país ainda desenvolve uma política imperialista? Justifique sua resposta. 1. Leia o texto e observe a imagem que o acompanha. Em 30 de setembro de 2005, o jornal dinamarquês Jyllands-Posten publicou 12 charges asso- ciando Maomé ao terrorismo. Em seguida, outros 50 jornais em todo o mundo republicaram os de- senhos. Não tardou para que fortes polêmicas e reações eclodissem nas comunidades muçulmanas, adentrando o ano de 2006, causando, em alguns casos, ofensivos ataques motivados pela indigna- ção diante da forma irônica como a cultura muçulmana e o profeta Maomé foram retratados. Em todo o mundo, as principais agências de notícias publicaram os inúmeros efeitos que se seguiram à larga divulgação daquelas imagens: a retirada dos embaixadores saudita e sírio da Dinamarca, os boicotes por parte dos países islâmicos aos produtos dinamarqueses, os protestos, incêndios e pro- blemas diplomáticos em países da Europa (como na Dinamarca, Suécia, Noruega e Áustria) como também de outros continentes (como na Nova Zelândia, no Egito, na Indonésia, na Turquia e na Tailândia). Em 13 de fevereiro de 2008, cinco grandes jornais dinamarqueses voltaram a publicar as charges depois que foi descoberto um plano para assassinar um de seus desenhistas; novamente, não faltaram reações em meio à comunidade muçulmana espalhada pelo mundo. Elaborado por Sérgio Adas especialmente para o São Paulo faz escola.
  • 43 Geografia – 3a série – Volume 1 Protestos diante da embaixada dinamarquesa em Berlim, Alemanha, em função da publicação das charges de Maomé pelo jornal dinamarquês Jyllands-Posten (2005). ©BernardBisson/epa/Corbis/Latinstock Com base no texto e na imagem anteriores: a) Discorra sobre o contexto de surgimento e o significado da expressão “choque de civilizações”.
  • 44 Geografia – 3a série – Volume 1 b) Aponte, ao menos, duas críticas que são dirigidas à teoria do “choque de civilizações”. 2. Enem 2003 – Segundo Samuel Huntington (autor do livro O choque de civilizações e a recom- posição da ordem mundial), o mundo está dividido em nove “civilizações”, conforme o mapa adiante. Fonte: Enem-2003.
  • 45 Geografia – 3a série – Volume 1 Na opinião do autor, o ideal seria que cada civilização principal tivesse pelo menos um assento no Conselho de Segurança das Nações Unidas. Sabendo-se que apenas EUA, China, Rússia, França e Inglaterra são membros permanentes do Conselho de Segurança, e analisando o mapa, pode-se concluir que: a) atualmente, apenas três civilizações possuem membros permanentes no Conselho de Segurança. b) o poder no Conselho de Segurança está concentrado em torno de apenas dois terços das civilizações citadas pelo autor. c) o poder no Conselho de Segurança está desequilibrado, porque seus membros pertencem apenas à civilização ocidental. d) existe uma concentração de poder, já que apenas um continente está representado no Conselho de Segurança. e) o poder está diluído entre as civilizações, de forma que apenas a África não possui representante no Conselho de Segurança.
  • 46 Geografia – 3a série – Volume 1 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 6 GEOGRAFIA DAS RELIGIÕES ! ? ©RicardoCavalcanti/Kino A ©MicheleFalzone/Passage/Corbis/Latinstock B 1. Analise as imagens a seguir: ©MassimoBorchi/Encyclopedia/Corbis/Latinstock D ©KazuyoshiNomachi/Corbis/Latinstock C ©MartinHarvey/Corbis/Latinstock E Cristo Redentor. Rio de Janeiro (RJ), Brasil, 2002. Estátua de Buda na Tailândia, dez. 2004. Hinduístas no Rio Ganges, Índia, 2006. Fiéis diante do Muro das Lamentações em Jerusalém, fev. 1997. Grande Mesquita de Meca, na Arábia Saudita, com peregrinos muçulmanos em torno da Caaba, o símbolo do monoteísmo islâmico, 25 fev. 1995.
  • 47 Geografia – 3a série – Volume 1 2. Localize no mapa os países aos quais se referem as imagens colocando as suas respectivas letras. 3. Levando-se em conta as três maiores religiões em número de fiéis no mundo, indique no mapa em que continente elas surgiram. Consulte seu livro didático e outros materiais e explique como ocorreu a difusão dessas religiões. Planisphère, projection “Bertin1950”, 2011. Atelier de Cartographie de Sciences Po. Disponível em: <http://cartographie.sciences-po.fr/fr/ planisph-re-projection-bertin1950-2011>. Acesso em: 7 nov. 2013. Mapa original (base cartográfica com generalização; algumas feições do território não estão representadas em detalhe; sem escala; sem indicação de norte geográfico). ProjectionJ.Bertin,1950
  • 48 Geografia – 3a série – Volume 1 Leitura e análise de gráfico e mapa Nesta atividade, cada grupo pesquisará uma das cinco religiões representadas nas imagens an- teriores. Defina com o professor e o seu grupo sobre qual religião irá pesquisar. Fique atento às orientações do professor. 1. Observe os mapas e os gráficos a seguir: Diversité du christianisme, 2005. In: DURAND, Marie-Françoise et al. Atlas de la mondialisation. Édition 2008. Paris: Presses de Sciences Po, 2008, p. 79. Mapa original (base cartográfica com generalização; algumas feições do território não estão representadas em detalhe; sem escala; sem indicação de norte geográfico).Tradução: Renée Zicman. Brasil 134,2 Rússia 79,5 México 92,8 Etiópia 29,5 Estados Unidos 70,2 Ucrânia 22,3 Filipinas 64,9 Romênia 19,0 França 51,0 Grécia 10,9 Itália 48,3 Belarus 7,9 Colômbia 39,8 Sérvia e Mont. 7,2 Espanha 39,6 Casaquistão 6,6 Argentina 35,0 Bulgária 6,5 Polônia 34,7 Estados Unidos158,0 Reino Unido 35,6 Alemanha 28,1 Brasil 27,2 África do Sul 17,1 Quênia 14,7 Canadá 13,9 Indonésia 10,9 RDC 10,8 Uganda 8,9 Moldávia 4,1 Católicos Protestantes Ortodoxos Fonte: CIA Factbook 2005, http:// www.cia.gov/ BenoîtMARTIN,dezembro2005 Os 10 primeiros países cristãos, 2005 em milhões de pessoas Fonte: CIA Factbook 2005, http://www.cia.gov/ 0 2 35 70 100 0 2 35 70 100 0 2 35 70 100 Método estatístico: limites observados BenoîtMARTIN,dezembrode2005 Protestantes (em % da população) Católicos (em % da população) Ortodoxos (em % da população) DiversidadedoCristianismo,2005
  • 49 Geografia – 3a série – Volume 1 De acordo com os dados expressos nos mapas e gráficos, identifique os países com maior concentração de protestantes, católicos e cristãos ortodoxos. Que fatores histórico-geográficos podem ser considera- dos para explicar a maior concentração de protestantes, católicos e cristãos ortodoxos nesses países? 2. Analise os mapas e o gráfico das próximas páginas para responder às questões a seguir. a) Com base no mapa Os muçulmanos, 2006, quais são os quatro países em que há o maior número de muçulmanos? b) Com base no mapa Os muçulmanos, 2006, identifique quatro países com o maior percentual de muçulmanos em sua população. c) Por que os quatro países com maior número de muçulmanos não correspondem aos quatro países que apresentam a maior porcentagem de muçulmanos na população? d) Com base no mapa Principais lugares sagrados do Islã, identifique os lugares considerados mais sagrados para os muçulmanos. e) Quais hipóteses podem ser consideradas para explicar o contínuo crescimento do número de fiéis em peregrinação rumo à cidade de Meca após 1990, conforme demonstra o gráfico Peregrinos a Meca, 1935-2006?
  • 50 Geografia – 3a série – Volume 1 Les musulmans, 2006. In: DURAND, Marie-Françoise et al. Atlas de la mondialisation. Édition 2008. Paris: Presses de Sciences Po, 2008, p. 77. Mapa original (base cartográfica com generalização; algumas feições do território não estão representadas em detalhe; sem escala; sem indicação de norte geográfico). Tradução: Renée Zicman. Ilhas do Caribe Antígua e Barbuda, Trinidad e Tobago Ilhas do Pacífico Fiji, Nova Caledônia 0 1 10 30 60 90 100 Parcela (em % da população) Paquistão Iraque Turquia Síria Rússia Uzbequistão Marrocos Sudão Senegal Mali Níger Nigéria Argélia Egito Afeganistão Irã Arábia S. Iêmen Etiópia Tanzânia China Índia Malásia Indonésia Bangladesh Estão indicados os nomes dos países com valor superior a 10 milhões. Fontes: compilação de Robert GIMENO a partir de: CIA, The World Factbook, https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/ 2005 Annual Report on International Religious Freedom, http://www.state.gov/j/drl/rls/irf/2005/ Europe: http://news.bbc.co.uk/2/hi/europe/4385768.stm Efetivos (em milhões) Estimativas CIA, início de 2006 Estão representados apenas os valores superiores a 10 000.de 0,1 a 0,5 65 125 215 20 10 3 BenoîtMARTIN,janeiro2005 MÁXIMA Indonésia 215,9 Índia 146,7 Paquistão 127,6 Bangladesh 122,3 Egito 70,9 Turquia 70,2 Irã 67,3 Nigéria 65,9 MÁXIMA Arábia S. 100 Iêmen 100 Somália 100 Mauritânia 100 Maldivas 100 Saara Ocid. 100 Turquia 99,8 Os muçulmanos, 2006
  • 51 Geografia – 3a série – Volume 1 Fonte: DURAND, M.-F. et al. Atlas de la mondialisation. Édition 2008. Paris: Presses de Sciences Po, 2008, p. 76. 1935 1940 1945 1950 1955 1960 1965 1970 1975 1980 1985 1990 1995 2000 2006 500 1 000 1 500 2 000 2 378 Fonte: a partir de infográfico publicado no Le Monde de 29 de dezembro de 2006, ministério saudita da Peregrinação em milhares de participantes por ano Do total de 2 378 636 peregrinos no ano de 2006, 70% eram estrangeiros, um terço dos quais provenientes do Sudeste Asiático. A Arábia Saudita fixa cotas por país para definir o número de peregrinos autorizados a participar da peregrinação. BenoîtMARTIN,janeirode2007 Peregrinos a Meca, 1935-2006 Medina Jerusalém Kerbala Najaf Meca Istambul Bagdá AbadanBasra Mosul Abha Aden Assuan Kassala El Obeid Suez TabrizIzmir Isfahan Jedda Doha Baku Teerã Damasco Riad Sana Ankara Tbilissi Ierevan Khartoum Cairo Nicósia Beirute Djibuti JORDÂNIA EGITO ARÁBIA SAUDITA IRAQUESÍRIA CHIPRE SUDÃO ERITREIA TURQUIA ARM. AZER. GEÓRGIA CATAR KUWAIT IÊMEN BAREIN Nilo Tigre E ufrates Mar Mar Golfo Vermelho Mar Negro Cáspio 500 km Tunis 200 km TUNÍSIA Cairuão 4 111 2 3 2 3 xiita outrasunita Os números indicam a importância da cidade para os fiéis. Cidade santa: 11 a partir de Questions Internationales, islã, islãs, nº 21, La Documentation française, Paris, setembro-outubro 2006. Principais lugares sagrados do Islã BenoîtMARTIN,janeirode2007 Principaux lieux saints de l’Islam. In: DURAND, Marie-Françoise et al. Atlas de la mondialisation. Édition 2008. Paris: Presses de Sciences Po, 2008, p. 76. Mapa original (base cartográfica com generalização; algumas feições do território não estão representadas em detalhe; sem indicação de norte geográfico). Tradução: Renée Zicman.
  • 52 Geografia – 3a série – Volume 1 Mundo: população judaica, 1970-2020 Regiões e países População judaica 1970 2006 Projeções para 2020 Israel 2 582 000 5 308 000 6 228 000 América do Norte 5 686 000 5 648 000 5 581 000 Estados Unidos 5 400 000 5 275 000 5 200 000 Canadá 286 000 373 000 381 000 América Latina 514 000 394 000 364 000 Argentina 282 000 184 000 162 000 Brasil 90 000 96 000 90 000 México 35 000 40 000 42 000 Outros países 107 000 74 000 70 000 Europaa 1 331 000 1 160 000 1 030 000 França 530 000 492 000 482 000 Reino Unido 390 000 297 000 238 000 Alemanha 30 000 118 000 108 000 Hungria 70 000 50 000 34 000 Outros países-membros da União Europeia (UE)b 171 000 150 000 134 000 Outros países fora da UEc 140 000 53 000 34 000 CEI (Comunidade dos Estados Independentes)d 2 151 000 366 000 173 000 Rússia 808 000 228 000 130 000 Ucrânia 777 000 80 000 25 000 Ásiae 104 000 20 000 21 000 África 195 000 78 000 60 000 África do Sul 118 000 72 000 57 000 Oceania 70 000 110 000 101 000 Austrália 65 000 103 000 95 000 Conjunto do Mundo 12 633 000 13 084 000 13 558 000 a – Sem países da CEI; b – Sem países bálticos; c – Incluindo a Turquia; d – Com países bálticos; e – Sem Israel, países asiáticos da CEI e Turquia. Fonte: Institut de Planification d’une Politique pour le Peuple Juif. Rapport annuel du JPPPI 2005/2006. Le peuple juif en 2005/2006: entre renaissance et déclin. Jerusalém: JPPPI, 2006, p. 25. 52 3. Com base na tabela a seguir, responda às questões:
  • 53 Geografia – 3a série – Volume 1 a) Excetuando-se os países do Leste Europeu e da CEI, em quais países do mundo se encontram as maiores comunidades judaicas? Como você justificaria esse fenômeno? b) Em qual país ocorreu o maior crescimento da comunidade judaica entre os anos de 1970 e 2006? Quais motivações explicam esse crescimento?
  • 54 Geografia – 3a série – Volume 1 Por tolerância entende-se a capacidade de admitir modos de pensar, de agir e de sentir diferen- tes dos de um indivíduo ou de grupos determinados, sejam grupos políticos ou religiosos. Tolerân- cia é a capacidade de aceitar o outro, sobretudo quando este é estranho, exótico, diferente daquilo que conhecemos e aceitamos como certo, normal ou verdadeiro. Mas para que haja a tolerância, é fundamental o conhecimento do outro que é diferente de nós. Geralmente, a intolerância é a expressão do preconceito em relação ao outro que é diferente. O preconceito também é fruto do desconhecimento ou de um deturpado ou falso conhecimento da realidade do outro. [...] Etnocentrismo (etno: cultura; centrismo: ter como centro) é a tendência ou a atitude de considerar a nossa cultura ou religião como a medida de todas as demais. Quando subestimamos ou menosprezamos a cultura ou a religião do outro e, sobretudo, quando avaliamos a cultura ou a religião do outro a partir da nossa, supostamente superior, estamos praticando etnocentrismo. SANTOS, Alberto Pereira dos. Introdução à geografia das religiões. Revista GEOUSP, Espaço e Tempo, São Paulo, n. 11, 2002. p. 22. 1. Leia o texto a seguir. Após a leitura do texto, você e seu colega deverão elaborar um texto sobre as principais ideias apresentadas.
  • 55 Geografia – 3a série – Volume 1 1. Observe o mapa a seguir e identifique três países que apresentaram os seguintes tipos de conflitos: a) Litígios fronteiriços na América do Sul: b) Movimentos de independência na Europa: c) Continentes que apresentaram o maior número de conflitos no século XX: SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 7 A QUESTÃO ÉTNICO-CULTURAL ! ?
  • 56 Geografia – 3a série – Volume 1 AsprincipaisáreasdeconflitonofinaldoséculoXX L’Atlasdumondediplomatique.Paris:ArmandColin,2006.Mapaoriginal(basecartográficacomgeneralização;algumasfeiçõesdoterritórionãoestãorepresentadasemdetalhe;semindicaçãode nortegeográfico).Tradução:RenéeZicman. 03000km EscalanoEquador CírculoPolarÁrtico Equador Trópicode Capricórnio TrópicodeCâncer OCEANO ATLÂNTICO OCEANO ÍNDICO OCEANO PACÍFICO OCEANO PACÍFICO Guerracivil Gravestumultosinternos Negociaçõesdepazemcursoouterminadas LitígiofronteiriçoMovimentodeindependência Principaisconflitos ConflitosentreEstados: Crisegrave Conflitosinternacionais: EQUADOR ELSALVADOR NICARÁGUA MOLDÁVIA ISRAEL- PALESTINA TUAREG GEÓRGIA CURDOS IRAQUE MALINÍGER ARGÉLIA CHADE ERITREIA SOMÁLIA SUDÃO LIBÉRIA MAURITÂNIA SENEGAL RUANDA ANGOLA REP.DAÁFRICA DOSUL MOÇAMBIQUE TADJIQUISTÃO AFEGANISTÃO IRÃ SRILANKA CHINA INDONÉSIA TIMOR BURUNDIREP.DEM. DOCONGO KUWAIT ALTO KARABAKH AZERBAIJÃO ARMÊNIA CAMBOJA COLÔMBIA REINOUNIDO CROÁCIA BÓSNIA- HERZEGOVINA SERRALEOA NIGÉRIA DJIBUTI IÊMEN MINORIAXIITA NOSUL DOIRAQUEMIANMAR PAPUA NOVAGUINÉ GUATEMALA OSSÉTIA CHECHÊNIA INGUCHÉTIA CASAMANCE SAARA OCIDENTAL CAXEMIRA PUNJAB TIBETCHIPRE ÍNDIA GUERRERO MÉXICO HAITI CONGO PAQUISTÃO lS. SPRATLY IRIAN SUMATRA PERU RÚSSIA CHIAPAS UGANDA PAÍSBASCO ASSAM COMORES ALBÂNIA IS.MINDANAO FILIPINAS KURILAS SURINAME ÎLHAS HANISH EGITO GRÉCIA IRLANDA DONORTE TURQUIA HONDURAS VENEZUELAGUIANA REP.CENTRO AFRICANA XINJIANG TAIWAN COREIA DONORTE COREIA DOSUL CHILEARGENTINA ILHAS MALVINAS SOMALILÂNDIA KOSOVO CartografiadePhilippeRekacewicz(philippe.rekacewicz@monde-diplomatique.fr),LeMondediplomatique,Paris
  • 57 Geografia – 3a série – Volume 1 2. Observe os mapas apresentados na próxima página e responda às questões. a) Com base no mapa 1947 – A divisão da ONU, quais foram os Estados criados pela ONU na partilha da Palestina em 1947? b) Quais as modificações de fronteiras ocorridas na região da Palestina após a primeira guerra entre árabes e israelenses, em 1948-49? Por que elas ocorreram? c) De acordo com o mapa 1967 – Após a Guerra dos Seis Dias, identifique os territórios tomados por Israel na Guerra dos Seis Dias.
  • 58 Geografia – 3a série – Volume 1 La Documentation Française. Création de l’État d’Israël et première guerre israélo-arabe (1949); Guerre des Six jours, guerre du Kippour et recompositions territoriales. In: Questions internationales, 28, nov.-dez. 2007. Disponível em: <http://www.ladocumentationfrancaise.fr/cartes/liste/israel>. Acesso em: 7 nov. 2013. Mapa original (sem indicação de norte geográfico). Tradução: Renée Zicman. 100 km 100 km Territórios ocupados em 1978 e restituídos em 2000 Territórios palestinos Territórios ocupados em 1967, restituídos em 1974, 1982 e 2000 Territórios ocupados por Israel em 2007 Anexação de Jerusalém Leste Linha de armistício em outubro de 1973 Sul do Líbano MAR MEDITERRÂNEO MAR VERMELHO MAR VERMELHO MAR MEDITERRÂNEO 1967 Após a Guerra dos Seis Dias 1973-2007 Após a Guerra do Kippour Fonte: F. W. Putzger, Historischer Weltatlas. Cornelsen, Berlim, 1992. RobertoGIMENOetAtelierdecartographiedeSciencesPo,julhode2007 Países árabes Estado de Israel Anexação de Jerusalém Leste Territórios ocupados por Israel Eilat Eilat Tel Aviv Haifa GazaPorto Said Suez Sinai Sinai Beersheba Hebron Nabulus Tel Aviv Haifa GazaPorto Said Suez Beersheba Hebron Nabulus EGITO ARÁBIA SAUDITA ARÁBIA SAUDITA EGITO JORDÂNIA SÍRIA LÍBANO JORDÂNIA SÍRIA LÍBANO Golan Golan Estado de Israel As fronteiras de Israel MAR MEDITERRÂNEO MAR MEDITERRÂNEO MAR VERMELHO MAR VERMELHO 1947 A divisão da ONU 1949 Após a primeira Guerra israelo-árabe RobertoGIMENOetAtelierdecartographiedeSciencesPo,julhode2007 100 km 100 km Proposição de Estado judeu Países árabes Países árabes Zona internacional (Jerusalém) Zona militar britânica de 1936 a 1954 Proposição de Estado árabe Estado de Israel Administração militar egípcia em Gaza Jerusalém dividida em Israel e a Jordânia Anexação da Cisjordânia pela Jordânia em 1950 Tel Aviv Haifa Gaza Porto Said Suez Beersheba Eilat Hebron Nabulus Eilat Tel Aviv Haifa Gaza Porto Said Suez Beersheba Nabulus Jerusalém E G I T O E G I T O TRANSJORDÂNIA SÍRIA LÍBANO ARÁBIA SAUDITA ARÁBIA SAUDITA JORDÂNIA SÍRIA LÍBANO
  • 59 Geografia – 3a série – Volume 1 Pesquise as ocorrências mais significativas de conflitos regio- nais e a questão das identidades socioculturais (étnicas, tribais e religiosas) no espaço mundial e elabore um resumo das causas desses conflitos expondo os resultados de seu trabalho para a sala. Com base em seus conhecimentos de Geografia e no mapa a seguir, quais hipóteses podem explicar o grande interesse da Rússia em manter o controle sobre a Chechênia? Cáucaso: rotas de gasodutos e oleodutos, 2007 CartografiadePhilippeRekacewicz(philippe.rekacewicz@monde-diplomatique.fr),LeMondediplomatique,Paris Combine com seu pro- fessor o modo de apre- sentação da pesquisa. Fonte: Le Monde Diplomatique, 1 ago. 2008. Disponível em: <http://www.monde-diplomatique.fr/cartes/projetsgazpetrole>. Acesso em: 7 nov. 2013. Adaptado (supressão de altimetria; supressão da escala). Tradução: Renée Zicman. Sochi Abkhazia Sokhumi Adyghea Maikop Armavir Kropotkin Stavropol Stavropol Oleodutos e gasodutos Budyonnovsk NeftekumskNevinnomysk Mineralnye Vody Karachai Cherkessia Kabardino Balkaria Zugdidi Kulevi Poti Supsa Batumi Samsun Ajaria Kutaisi Vladikavkaz Grozny Chechênia Ingushetia Komsomolsk Makhachkala Daghestan Telavi Rustavi Gyumri Yerevan Gyanja Nagorno- Karabakh Stepanakert Kapan(AZ) Agaran Lenkoran Ali-Bairamly Sangachaly Baku Dyubendi Sumgait Para Teerã Lachin Nakhchevan Nakhchevan Armavir Para Ankara Para Ceyhan BTC NSGP Dilijan Sartichala Aktau Derbent Sheki Tbilisi Ossetia do Sul Ossetia do Norte Krasnodar Krasnodar Tuapse Jubga Novorossiisk GEÓRGIA FEDERAÇÃO RUSSA TURQUIA AZERBAIJÃO ARMÊNIA IRÃ Mar Negro Mar Cáspio Lago Van Akhatskhe Reservatório Mingechevir Lago Sevan Oleodutos Existentes Rotas Alternativas Portos petrolíferos Refinarias Oleodutos fechados Gasodutos Existentes Projetados ou em construção NSGP – Rota norte-sul BTC – Baku-Tbilisi-Ceyhan
  • 60 Geografia – 3a série – Volume 1 Leia o texto a seguir e responda às questões: Hamas é principal alvo de Israel em Gaza Em dezembro de 2008, Israel iniciou ferrenho ataque à Faixa de Gaza, tendo como principal objetivo desmantelar as bases de sustentação do Movimento de Resistência Islâmica, grupo funda- mentalista conhecido como Hamas. O Hamas foi criado em 1987, tendo como principal líder o xeque Ahmed Yassin, assassinado em 2004. Em sua carta fundamental, assinada em agosto de 1988, o Movimento não aceita a existência de um Estado judeu na Palestina e exorta o fim do Estado de Israel, bem como o estabelecimento de um único Estado em todo o território palestino. Em seus ataques contra Israel, o Hamas utiliza ações suicidas tendo como alvo a população civil israelense, além de direcionar mísseis contra os territórios fronteiriços entre Israel e Gaza. Financiado por fundamentalistas externos, além das ações terroristas, a organização desenvolveu uma ampla rede de assistência social à população palestina na Faixa de Gaza, o que lhe rendeu apoio nas eleições de 2006. Os interesses políticos e a disputa entre lideranças do Hamas e do Fatah, organização palestina fundada por Yasser Arafat, em 1964, têm provocado enormes dificuldades para se negociar a existência de um Estado Palestino de fato na região. Como resultado, desde junho de 2007, o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, decretou a ilegalidade do Hamas. Com intuito de coibir o fortalecimento e os avanços das forças do Movimento, Israel passou a controlar o espaço aéreo e o acesso marítimo a Gaza, da mesma forma que cercou Gaza com enormes muralhas, tanto do lado egípcio quanto do israelense. Essa estreita faixa de terras, situada às margens do Mar Mediterrâneo, faz fronteira com o Egito e Israel. Em seus 367 km2 vivem mais de 1,4 milhão de habitantes, o que representa uma das maiores concentrações populacionais do mundo, com cerca de 3 800 habitantes por km2 . Elaborado por Angela Corrêa da Silva especialmente para o São Paulo faz escola.
  • 61 Geografia – 3a série – Volume 1 1. Por que Israel considera o Hamas uma organização terrorista? 2. Qual é a relação entre o Hamas e a população palestina? 3. Por que a Autoridade Palestina decretou a ilegalidade do Hamas? 1. Na Espanha, no Cáucaso e na Índia ocorrem conflitos políticos separatistas motivados: a) pela dominação colonial. b) por antagonismos étnicos. c) por ocupação estrangeira. d) por problemas econômicos.
  • 62 Geografia – 3a série – Volume 1 Quais são os interesses russos na região da Chechênia? 3. Território montanhoso, com aproximadamente 220 mil km², situado ao norte do subconti- nente indiano. A região, compartilhada pela Índia (cerca de 100 mil km²), Paquistão (cerca de 80 mil km²) e China (cerca de 40 mil km²), tem sido alvo de disputas territoriais entre esses três países desde o final da década de 1940. A origem do conflito remonta à partilha da Índia britânica, que deu origem, em 1947, a dois países: o Paquistão, com maioria da população mu- çulmana, e a Índia, majoritariamente hindu. A região que motivou conflitos entre Índia e Paquistão em 1999 é: a) o Punjab. b) o Sri Lanka. c) a Caxemira. d) a Malásia. e) n.d.a. A Checheno-Inguchétia reunia dois povos que lhe davam o nome e era uma república autônoma antes da desintegração da União Soviética. Posteriormente à desagregação desse país, em 1991, os líderes políticos da Chechênia não aceitaram assinar o Tratado de Adesão à Federação Russa e proclamaram sua independência. Como o governo de Moscou não reconheceu essa iniciativa, a partir de dezembro de 1994 passou a enviar tropas militares à Chechênia, acirrando os conflitos nessa antiga república soviética. Elaborado por Sérgio Adas especialmente para o São Paulo faz escola. 2. Leia atentamente o texto a seguir:
  • 63 Geografia – 3a série – Volume 1 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 8 AMÉRICA LATINA? ! ? População indígena estimada na América Latina (das cifras, aproximadamente 50% são mulheres) Países segundo % de população indígena País População indígena Milhões % População total Grupo 1 40% Bolívia 4,9 71 Guatemala 5,3 66 Peru 9,3 47 Equador 4,1 43 Grupo 2 5% – 20% Belize 0,029 19 Honduras 0,7 15 México 12 14 Chile 1 8 El Salvador 0,4 7 Guiana 0,045 6 Panamá 0,14 6 Suriname 0,03 6 Nicarágua 16 5 Grupo 3 1% – 4% Guiana Francesa 0,014 4 Paraguai 0,1 3 Colômbia 0,6 2 Venezuela 0,4 2 Jamaica 0,048 2 Porto Rico 0,072 2 Costa Rica 0,03 1 Argentina 0,05 1 Grupo 4 1% Brasil 0,3 0,2 Fonte primária: MEENTZEN, A. Estratégias de desenvolvimento culturalmente adequadas para mulheres indígenas. Washington: Banco Interamericano de Desenvolvimento, 2000; Quadro publicado em Equidade em saúde: a partir da perspectiva étnica. Washington: Organização Pan-americana de Saúde, 2001, p. 16. Fonte secundária: JINKINGS, Ivana; SADER, Emir (Coord.). Latinoamericana: Enciclopédia contemporânea da América Latina e do Caribe. Rio de Janeiro: Laboratório de Políticas Públicas da Uerj; São Paulo: Boitempo Editorial, 2006, p. 580. 1. Analise os dados da tabela a seguir e, com o auxílio de um mapa político da América Latina, responda às questões:
  • 64 Geografia – 3a série – Volume 1 a) Localize no mapa os cinco países com maior presença indígena no total da população. Como a localização geográfica desses países e o seu processo de colonização explicam esses dados? b) Localize no mapa os cinco países com menor percentual de indígenas no total da população. Como a localização geográfica desses países e o seu processo de colonização explicam esses dados? Com a orientação de seu professor: escolham, você e seu grupo, um dos principais conflitos na América Latina identificados no mapa As principais áreas de conflito no final do século XX (p.56) e América Latina: guerras e zonas de tensão, a seguir; decidam coletivamente os aspectos a ser pesquisados por todos os grupos. Combine com seu pro- fessor o modo de apre- sentação da pesquisa.
  • 65 Geografia – 3a série – Volume 1 Fonte: El Atlas de Le Monde Diplomatique. Buenos Aires: Capital Intelectual S.A., 2006, p. 41. Adaptado (recorte do mapa-múndi para destaque da América Latina; supressão de itens da legenda não representados no recorte; acréscimo de cotas). Tradução: Renée Zicman. América Latina: guerras e zonas de tensão CartografiadePhilippeRekacewicz(philippe.rekacewicz@monde-diplomatique.fr),LeMondediplomatique,Paris
  • 66 Geografia – 3a série – Volume 1 L’Atlas du monde diplomatique. Paris: Armand Colin, 2006. Mapa original (base cartográfica com generalização; algumas feições do território não estão representadas em detalhe; sem indicação de norte geográfico). Tradução: Renée Zicman. Colômbia: guerrilhas e paramilitaresCartografiadePhilippeRekacewicz(philippe.rekacewicz@monde-diplomatique.fr),LeMondediplomatique,Paris Observe o mapa a seguir. Combinemcomseupro- fessor o modo de apre- sentação da pesquisa. Faça uma pesquisa a respeito dos grupos de guerrilha e parami- litares que agem na Colômbia considerando os aspectos a seguir: Como surgiram? Como agem? Quais são seus interesses? Como eles se relacionam atualmente com o governo colombiano? BRASIL PERU EQUADOR PANAMÁ Bogotá Mitu Puerto Carreno Santa Marta Riohacha Monteria Pasto Florencia Neiva Cali Popayán Tunja Quibdo Puerto Inírida Yopal OCEANO PACÍFICO (ANTILHAS) MAR DO CARIBE 0 200 km Fonte:Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime (UNODC), 2005. Paramilitares antes da desmobilização Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) ELN (Exército de Libertação Nacional) Zona com elevada concentração de pessoas desalojadas (entre 2,5 a 3 milhões em toda a Colômbia) VENEZUELA AMAZONAS CAQUETA GUAINIA VICHADA CASANARE NARIO ANTIOQUIA CHOCO VAUPES GUAVIARE PUTUMAYO META GUAJIRA CÓRDOBA VALLE SUCRE BOLIVAR ATLANTICO SANTANDER DO NORTE SANTANDER BOYACA CALDAS TOLIMA HUILA ARAUCA
  • 67 Geografia – 3a série – Volume 1 Observe o mapa a seguir. 1. Identifique no mapa os países responsáveis pelo controle dos sistemas de vigilância do território colombiano. 2. Quais são os interesses do Brasil ao instalar o Sistema de Vigilância da Amazônia? Colômbia: um território sob intensa vigilância CartografiadePhilippeRekacewicz(philippe.rekacewicz@monde-diplomatique.fr),LeMondediplomatique,Paris Fonte: El Atlas de Le Monde Diplomatique. Buenos Aires: Capital Intelectual S.A., 2006, p. 152. Mapa original (base cartográfica com generalização; algumas feições do território não estão representadas em detalhe; sem indicação de norte geográfico). Adaptado (supressão de escala). Tradução: Renée Zicman. . Fontes:Federation of American Scientists (FAS); Transnational Institute Briefing Series,2003.
  • 68 Geografia – 3a série – Volume 1 3. Moisés Naím, autor do livro Ilícito, acerca das redes de crime organizado no mundo, afirma que, apesar da natureza global do comércio de drogas, a maior demanda provém dos Estados Unidos da América, enquanto Colômbia, México, Afeganistão e alguns outros são responsáveis pela oferta. Considerando essa afirmação, e as informações apresentadas no mapa, por que os EUA não conseguem conter o avanço do narcotráfico? E, ainda, quais outros interesses os EUA têm ao instalar uma rede de segurança na porção sul do continente americano? PARA SABER MAIS Filmes Adeus, Lênin! (Good Bye, Lenin!). Direção: Wolfgang Becker. Alemanha, 2003. 121 min. 14 anos. Uma senhora, bastante engajada na construção da República Democrática Alemã (Alemanha Oriental) e ardente defensora dos valores da pátria socialista, sofre um ataque cardíaco e fica em coma durante meses. Nesse período ocorre a queda do muro de Berlim. Saindo do estado de coma, seu casal de filhos é advertido pelos médicos de que ela não pode ser submetida a grandes emoções, pois corre risco de morte. Diante disso, seu filho faz de tudo para que a mãe não perceba que a Alemanha Oriental já não existe mais, que os países foram unificados e que os valores capitalistas invadiram o antigo país. Arena da morte (Zirat Ha’Rezach/The arena of murder). Direção: Amos Gitai. Israel, 1996. 95 min. Em 4 de novembro de 1995, o primeiro-ministro de Israel, Yitzhak Rabin, foi as- sassinado em Tel Aviv por um jovem radical judeu. Esse documentário foi o primeiro a ser feito sobre o assunto, analisando as repercussões do assassinato. As incertezas sobre o futuro do país, as dificuldades do processo de paz com os palestinos e os demais vizinhos árabes e as memórias das guerras dos anos 1960 e 1970 são discutidas por personalidades de Israel. Além disso, Gitai retrata uma nação em luto, de Haifa a Gaza, de Golan a Tel Aviv, onde cada imagem é plena de conteúdo político. Domingo sangrento (Bloody Sunday). Direção: Paul Greengrass. Inglaterra, 2002. 107 min. Baseado no livro de Don Mullan, o filme apresenta os fatos que marcaram o dia 30 de janeiro de 1972 na cidade de Derry (Irlanda do Norte), quando soldados britânicos assassinaram 13 participantes de uma passeata por direitos humanos. Esse fato, retratado no filme, ficou conhecido como “Domingo Sangrento”.
  • 69 Geografia – 3a série – Volume 1 Encontro com Milton Santos ou O mundo global visto do lado de cá. Direção: Sílvio Tendler. Bra- sil, 2007. 89 min. 10 anos. Documentário de repercussão nacional e internacional produzido a partir de uma entrevista com o geógrafo brasileiro Milton Santos (1926-2001), em 4 de janeiro de 2001. Premiado como melhor filme pelo júri popular do Festival de Cinema de Brasília, em 2006, discute o tema da globalização e seus efeitos em países e cidades do planeta, proporcio- nando contato com um dos principais expoentes do pensamento brasileiro do século XX. Hotel Ruanda (Hotel Ruanda). Direção: Terry George. Estados Unidos, 2004. 121 min. Baseado em uma história real, o filme apresenta os horrores da guerra étnica entre tutsis e hutus em Ruanda, ocorrida em 1994. A produção conta a história de Paul Rusesabagina, gerente do luxuoso hotel Milles Collines, localizado na capital do país, que de forma heroi- ca conseguiu abrigar mais de 1 200 pessoas durante o conflito. Terra de ninguém (No man’s land). Direção: Danis Tanovic. Bósnia, 2001. 98 min. 14 anos. O filme aborda a crueldade da Guerra da Bósnia, em 1993, por meio dos diálogos entre dois sol- dados inimigos que se encontram na linha de combate e um terceiro, preso a uma mina. Para tentar resolver o problema, um sargento francês procura chamar a atenção do mundo para o episódio, enfrentando ordens superiores. É interessante perceber a participação das Forças das Nações Unidas nos conflitos de guerra. Nesse caso em especial, o soldado desempenha um papel humanitário ao querer libertar o outro soldado em perigo, o que representa um contraste brutal à situação. É interessante observar os laços que se formam em uma situação extrema como essa. Livros HAESBAERT, Rogério; PORTO-GONÇALVES, Carlos W. A nova des-ordem mundial. São Paulo: Unesp, 2006. (Paradidáticos). Livro abrangente, revela as origens da globalização e suas características atuais, abordando aspectos geopolíticos, socioeconômicos e culturais de grande valia para o entendimento do mundo contemporâneo. Ao conceberem o território por meio de uma perspectiva social que integra tanto a sua dimensão político-econômica como também a cultural-identitária, os autores focalizam a nova “desordem” mundial com base em suas múl- tiplas dimensões (econômica, política, cultural e ambiental), concluindo com uma proposta de regionalização do espaço mundial. OLIC, Nelson Bacic; CANEPA, Beatriz. Geopolítica da América Latina. 2. ed. São Paulo: Moderna, 2003. (Polêmica). O livro trata da evolução geopolítica das principais nações latino-americanas, tendo como pano de fundo a permanente ingerência dos EUA nos des- tinos dos países da região. Discute o futuro dessa região no contexto mundial oferecendo, ao mesmo tempo, um panorama didático e rigoroso sobre os graves problemas que afligem os países latino-americanos. ——. Oriente Médio e a Questão Palestina. 2. ed. São Paulo: Moderna, 2003. (Polêmica). O livro analisa as questões geopolíticas do Oriente Médio, uma das mais conturbadas regiões do plane- ta. Sem perder o tom didático, os autores discutem as causas desses conflitos por intermédio da conjunção de fatores históricos, geográficos, religiosos, estratégicos, culturais, sociais, étnicos e econômicos, o que torna a obra uma boa fonte de pesquisa e leitura para os alunos.
  • 70 Geografia – 3a série – Volume 1 SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência univer- sal. São Paulo: Record, 2000. Ao defender a ideia de que é preciso uma nova interpretação do mundo contemporâneo, baseada em análise multidisciplinar, o geógrafo problematiza as assimetrias da globalização, enfatizando, entre outros aspectos, como os avanços técnicos beneficiam um pequeno número de atores globais. Não obstante, ao reconhecer o início de processos positivos nas pequenas reações que ocorrem na Ásia, África e América Latina, o autor entrevê a construção de um mundo menos excludente. Sites Conselho Indigenista Missionário. Disponível em: <http://www.cimi.org.br>. Acesso em: 20 nov. 2013. Criado em 1972, o Cimi é um organismo vinculado à Conferência Nacio- nal dos Bispos do Brasil (CNBB), cuja atuação missionária conferiu um novo sentido ao trabalho da Igreja Católica junto aos povos indígenas. Nesse site, podem ser consultados artigos e notícias atuais sobre a situação dos povos indígenas no Brasil e na América La- tina, como, por exemplo, o movimento indígena na Bolívia e a questão dos impactos so- cioambientais dos projetos de oleodutos e gasodutos nas comunidades indígenas do país. Instituto da Cultura Árabe – Icarabe. Disponível em: <http://www.icarabe.org>. Acesso em: 20 nov. 2013. O site proporciona a leitura e consulta de artigos, reportagens e entrevistas sobre a cultura árabe, discutindo questões fundamentais do mundo contemporâneo e de interesse para as aulas de Geografia. O marco histórico de proposição do Instituto da Cultura Árabe se deu com a crescente investida dos EUA sobre o Oriente Médio e com a morte do intelectual palestino Edward Said. Laboratório de Estudos do Tempo Presente – TEMPO. Disponível em: <http://www. tempopresente.org>. Acesso em: 20 nov. 2013. Criado em 1994 e localizado no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), esse centro de estudos disponibiliza em seu site inúmeros artigos, mapas e notícias sobre vários assuntos abordados neste volume. Em particular, nas seções “América do Sul” e “Terroris- mo e conflitos” poderão ser encontrados materiais para discussão em sala de aula. Nações Unidas no Brasil. Disponível em: <http://www.onu-brasil.org.br/>. Acesso em: 20 nov. 2013. Site da ONU no Brasil. Nele são oferecidos vários links para acessar suas agências especializadas (PNUD, Unesco, Acnur, entre outras). Além de apresentar em sua página principal uma atualização diária sobre as ações da ONU no mundo, disponibiliza a Rádio da ONU em português, divulgando entrevistas e notícias para os interessados em acompanhar a diversidade dos temas relevantes e de notoriedade no cenário internacional. TV Cultura – Alô Escola – Guerra Fria. Disponível em: <http://www.tvcultura.com.br/aloescola/ historia/guerrafria/>. Acesso em: 20 nov. 2013. Site com conteúdo abrangente sobre a Guerra Fria. Aborda aspectos geopolíticos, culturais, econômicos e as consequências regionais do pe- ríodo, aliando rigor na informação a uma linguagem acessível. Bem ilustrado, é uma excelente fonte de estudo e de consulta em língua portuguesa sobre a ordem mundial bipolar.
  • CONCEPÇÃO E COORDENAÇÃO GERAL NOVA EDIÇÃO 2014-2017 COORDENADORIA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA – CGEB Coordenadora Maria Elizabete da Costa Diretor do Departamento de Desenvolvimento Curricular de Gestão da Educação Básica João Freitas da Silva Diretora do Centro de Ensino Fundamental dos Anos Finais, Ensino Médio e Educação Profissional – CEFAF Valéria Tarantello de Georgel Coordenadora Geral do Programa São Paulo faz escola Valéria Tarantello de Georgel Coordenação Técnica Roberto Canossa Roberto Liberato S el Cristina de lb er e o EQUIPES CURRICULARES Área de Linguagens Arte: Ana Cristina dos Santos Siqueira, Carlos Eduardo Povinha, Kátia Lucila Bueno e Roseli Ventrela. Educação Física: Marcelo Ortega Amorim, Maria Elisa Kobs Zacarias, Mirna Leia Violin Brandt, Rosângela Aparecida de Paiva e Sergio Roberto Silveira. Língua Estrangeira Moderna (Inglês e Espanhol): Ana Paula de Oliveira Lopes, Jucimeire de Souza Bispo, Marina Tsunokawa Shimabukuro, Neide Ferreira Gaspar e Sílvia Cristina Gomes Nogueira. Língua Portuguesa e Literatura: Angela Maria Baltieri Souza, Claricia Akemi Eguti, Idê Moraes dos Santos, João Mário Santana, Kátia Regina Pessoa, Mara Lúcia David, Marcos Rodrigues Ferreira, Roseli Cordeiro Cardoso e Rozeli Frasca Bueno Alves. Área de Matemática Matemática: Carlos Tadeu da Graça Barros, Ivan Castilho, João dos Santos, Otavio Yoshio Yamanaka, Rodrigo Soares de Sá, Rosana Jorge Monteiro, Sandra Maira Zen Zacarias e Vanderley Aparecido Cornatione. Área de Ciências da Natureza Biologia: Aparecida Kida Sanches, Elizabeth Reymi Rodrigues, Juliana Pavani de Paula Bueno e Rodrigo Ponce. Ciências: Eleuza Vania Maria Lagos Guazzelli, Gisele Nanini Mathias, Herbert Gomes da Silva e Maria da Graça de Jesus Mendes. Física: Carolina dos Santos Batista, Fábio Bresighello Beig, Renata Cristina de Andrade Oliveira e Tatiana Souza da Luz Stroeymeyte. Química: Ana Joaquina Simões S. de Matos Carvalho, Jeronimo da Silva Barbosa Filho, João Batista Santos Junior e Natalina de Fátima Mateus. Área de Ciências Humanas Filosofia: Emerson Costa, Tânia Gonçalves e Teônia de Abreu Ferreira. Geografia: Andréia Cristina Barroso Cardoso, Débora Regina Aversan e Sérgio Luiz Damiati. História: Cynthia Moreira Marcucci, Maria Margarete dos Santos e Walter Nicolas Otheguy Fernandez. Sociologia: Alan Vitor Corrêa, Carlos Fernando de Almeida e Tony Shigueki Nakatani. PROFESSORES COORDENADORES DO NÚCLEO PEDAGÓGICO Área de Linguagens Educação Física: Ana Lucia Steidle, Eliana Cristine Budisk de Lima, Fabiana Oliveira da Silva, Isabel Cristina Albergoni, Karina Xavier, Katia Mendes e Silva, Liliane Renata Tank Gullo, Marcia Magali Rodrigues dos Santos, Mônica Antonia Cucatto da Silva, Patrícia Pinto Santiago, Regina Maria Lopes, Sandra Pereira Mendes, Sebastiana Gonçalves Ferreira Viscardi, Silvana Alves Muniz. Língua Estrangeira Moderna (Inglês): Célia Regina Teixeira da Costa, Cleide Antunes Silva, Ednéa Boso, Edney Couto de Souza, Elana Simone Schiavo Caramano, Eliane Graciela dos Santos Santana, Elisabeth Pacheco Lomba Kozokoski, Fabiola Maciel Saldão, Isabel Cristina dos Santos Dias, Juliana Munhoz dos Santos, Kátia Vitorian Gellers, Lídia Maria Batista Bom m, Lindomar Alves de Oliveira, Lúcia Aparecida Arantes, Mauro Celso de Souza, Neusa A. Abrunhosa Tápias, Patrícia Helena Passos, Renata Motta Chicoli Belchior, Renato José de Souza, Sandra Regina Teixeira Batista de Campos e Silmara Santade Masiero. Língua Portuguesa: Andrea Righeto, Edilene Bachega R. Viveiros, Eliane Cristina Gonçalves Ramos, Graciana B. Ignacio Cunha, Letícia M. de Barros L. Viviani, Luciana de Paula Diniz, Márcia Regina Xavier Gardenal, Maria Cristina Cunha Riondet Costa, Maria José de Miranda Nascimento, Maria Márcia Zamprônio Pedroso, Patrícia Fernanda Morande Roveri, Ronaldo Cesar Alexandre Formici, Selma Rodrigues e Sílvia Regina Peres. Área de Matemática Matemática: Carlos Alexandre Emídio, Clóvis Antonio de Lima, Delizabeth Evanir Malavazzi, Edinei Pereira de Sousa, Eduardo Granado Garcia, Evaristo Glória, Everaldo José Machado de Lima, Fabio Augusto Trevisan, Inês Chiarelli Dias, Ivan Castilho, José Maria Sales Júnior, Luciana Moraes Funada, Luciana Vanessa de Almeida Buranello, Mário José Pagotto, Paula Pereira Guanais, Regina Helena de Oliveira Rodrigues, Robson Rossi, Rodrigo Soares de Sá, Rosana Jorge Monteiro, Rosângela Teodoro Gonçalves, Roseli Soares Jacomini, Silvia Ignês Peruquetti Bortolatto e Zilda Meira de Aguiar Gomes. Área de Ciências da Natureza Biologia: Aureli Martins Sartori de Toledo, Evandro Rodrigues Vargas Silvério, Fernanda Rezende Pedroza, Regiani Braguim Chioderoli e Rosimara Santana da Silva Alves. Ciências: Davi Andrade Pacheco, Franklin Julio de Melo, Liamara P. Rocha da Silva, Marceline de Lima, Paulo Garcez Fernandes, Paulo Roberto Orlandi Valdastri, Rosimeire da Cunha e Wilson Luís Prati. Física: Ana Claudia Cossini Martins, Ana Paula Vieira Costa, André Henrique Ghel Ru no, Cristiane Gislene Bezerra, Fabiana Hernandes M. Garcia, Leandro dos Reis Marques, Marcio Bortoletto Fessel, Marta Ferreira Mafra, Rafael Plana Simões e Rui Buosi. Química: Armenak Bolean, Cátia Lunardi, Cirila Tacconi, Daniel B. Nascimento, Elizandra C. S. Lopes, Gerson N. Silva, Idma A. C. Ferreira, Laura C. A. Xavier, Marcos Antônio Gimenes, Massuko S. Warigoda, Roza K. Morikawa, Sílvia H. M. Fernandes, Valdir P. Berti e Willian G. Jesus. Área de Ciências Humanas Filosofia: Álex Roberto Genelhu Soares, Anderson Gomes de Paiva, Anderson Luiz Pereira, Claudio Nitsch Medeiros e José Aparecido Vidal. Geografia: Ana Helena Veneziani Vitor, Célio Batista da Silva, Edison Luiz Barbosa de Souza, Edivaldo Bezerra Viana, Elizete Buranello Perez, Márcio Luiz Verni, Milton Paulo dos Santos, Mônica Estevan, Regina Célia Batista, Rita de Cássia Araujo, Rosinei Aparecida Ribeiro Libório, Sandra Raquel Scassola Dias, Selma Marli Trivellato e Sonia Maria M. Romano. História: Aparecida de Fátima dos Santos Pereira, Carla Flaitt Valentini, Claudia Elisabete Silva, Cristiane Gonçalves de Campos, Cristina de Lima Cardoso Leme, Ellen Claudia Cardoso Doretto, Ester Galesi Gryga, Karin Sant’Ana Kossling, Marcia Aparecida Ferrari Salgado de Barros, Mercia Albertina de Lima Camargo, Priscila Lourenço, Rogerio Sicchieri, Sandra Maria Fodra e Walter Garcia de Carvalho Vilas Boas. Sociologia: Anselmo Luis Fernandes Gonçalves, Celso Francisco do Ó, Lucila Conceição Pereira e Tânia Fetchir. Apoio: Fundação para o Desenvolvimento da Educação - FDE CTP, Impressão e acabamento Log Print Grá ca e Logística S. A.
  • A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo autoriza a reprodução do conteúdo do material de sua titularidade pelas demais secretarias de educação do país, desde que mantida a integri- dade da obra e dos créditos, ressaltando que direitos autorais protegidos*deverão ser diretamente negociados com seus próprios titulares, sob pena de infração aos artigos da Lei nº- 9.610/98. * Constituem “direitos autorais protegidos” todas e quaisquer obras de terceiros reproduzidas no material da SEE-SP que não estejam em domínio público nos termos do artigo 41 da Lei de Direitos Autorais. * Nos Cadernos do Programa São Paulo faz escola são indicados sites para o aprofundamento de conhecimentos, como fonte de consulta dos conteúdos apresentados e como referências bibliográficas. Todos esses endereços eletrônicos foram checados. No entanto, como a internet é um meio dinâmico e sujeito a mudanças, a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo não garante que os sites indicados permaneçam acessíveis ou inalterados. * Os mapas reproduzidos no material são de autoria de terceiros e mantêm as características dos originais, no que diz respeito à grafia adotada e à inclusão e composição dos elementos cartográficos (escala, legenda e rosa dos ventos). Ciências Humanas Coordenador de área: Paulo Miceli. Filosofia: Paulo Miceli, Luiza Christov, Adilton Luís Martins e Renê José Trentin Silveira. Geografia: Angela Corrêa da Silva, Jaime Tadeu Oliva, Raul Borges Guimarães, Regina Araujo e Sérgio Adas. História: Paulo Miceli, Diego López Silva, Glaydson José da Silva, Mônica Lungov Bugelli e Raquel dos Santos Funari. Sociologia: Heloisa Helena Teixeira de Souza Martins, Marcelo Santos Masset Lacombe, Melissa de Mattos Pimenta e Stella Christina Schrijnemaekers. Ciências da Natureza Coordenador de área: Luis Carlos de Menezes. Biologia: Ghisleine Trigo Silveira, Fabíola Bovo Mendonça, Felipe Bandoni de Oliveira, Lucilene Aparecida Esperante Limp, Maria Augusta Querubim Rodrigues Pereira, Olga Aguilar Santana, Paulo Roberto da Cunha, Rodrigo Venturoso Mendes da Silveira e Solange Soares de Camargo. Ciências: Ghisleine Trigo Silveira, Cristina Leite, João Carlos Miguel Tomaz Micheletti Neto, Julio Cézar Foschini Lisbôa, Lucilene Aparecida Esperante Limp, Maíra Batistoni e Silva, Maria Augusta Querubim Rodrigues Pereira, Paulo Rogério Miranda Correia, Renata Alves Ribeiro, Ricardo Rechi Aguiar, Rosana dos Santos Jordão, Simone Jaconetti Ydi e Yassuko Hosoume. Física: Luis Carlos de Menezes, Estevam Rouxinol, Guilherme Brockington, Ivã Gurgel, Luís Paulo de Carvalho Piassi, Marcelo de Carvalho Bonetti, Maurício Pietrocola Pinto de Oliveira, Maxwell Roger da Puri cação Siqueira, Sonia Salem e Yassuko Hosoume. Química: Maria Eunice Ribeiro Marcondes, Denilse Morais Zambom, Fabio Luiz de Souza, Hebe Ribeiro da Cruz Peixoto, Isis Valença de Sousa Santos, Luciane Hiromi Akahoshi, Maria Fernanda Penteado Lamas e Yvone Mussa Esperidião. Caderno do Gestor Lino de Macedo, Maria Eliza Fini e Zuleika de Felice Murrie. GESTÃO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO EDITORIAL 2014-2017 FUNDAÇÃO CARLOS ALBERTO VANZOLINI Presidente da Diretoria Executiva Antonio Rafael Namur Muscat Vice-presidente da Diretoria Executiva Alberto Wunderler Ramos GESTÃO DE TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Direção da Área Guilherme Ary Plonski Coordenação Executiva do Projeto Angela Sprenger e Beatriz Scavazza Gestão Editorial Denise Blanes Equipe de Produção Editorial: Amarilis L. Maciel, Angélica dos Santos Angelo, Bóris Fatigati da Silva, Bruno Reis, Carina Carvalho, Carla Fernanda Nascimento, Carolina H. Mestriner, Carolina Pedro Soares, Cíntia Leitão, Eloiza Lopes, Érika Domingues do Nascimento, Flávia Medeiros, Gisele Manoel, Jean Xavier, Karinna Alessandra Carvalho Taddeo, Leandro Calbente Câmara, Leslie Sandes, Mainã Greeb Vicente, Marina Murphy, Michelangelo Russo, Natália S. Moreira, Olivia Frade Zambone, Paula Felix Palma, Priscila Risso, Regiane Monteiro Pimentel Barboza, Rodolfo Marinho, Stella Assumpção Mendes Mesquita, Tatiana F. Souza e Tiago Jonas de Almeida. Direitos autorais e iconografia: Beatriz Fonseca Micsik, Érica Marques, José Carlos Augusto, Juliana Prado da Silva, Marcus Ecclissi, Maria Aparecida Acunzo Forli, Maria Magalhães de Alencastro e Vanessa Leite Rios. Edição e Produção editorial: R2 Editorial, Jairo Souza Design Grá co e Occy Design projeto grá co . CONCEPÇÃO DO PROGRAMA E ELABORAÇÃO DOS CONTEÚDOS ORIGINAIS COORDENAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DOS CADERNOS DOS PROFESSORES E DOS CADERNOS DOS ALUNOS Ghisleine Trigo Silveira CONCEPÇÃO Guiomar Namo de Mello, Lino de Macedo, Luis Carlos de Menezes, Maria Inês Fini coordenadora e Ruy Berger em memória . AUTORES Linguagens Coordenador de área: Alice Vieira. Arte: Gisa Picosque, Mirian Celeste Martins, Geraldo de Oliveira Suzigan, Jéssica Mami Makino e Sayonara Pereira. Educação Física: Adalberto dos Santos Souza, Carla de Meira Leite, Jocimar Daolio, Luciana Venâncio, Luiz Sanches Neto, Mauro Betti, Renata Elsa Stark e Sérgio Roberto Silveira. LEM – Inglês: Adriana Ranelli Weigel Borges, Alzira da Silva Shimoura, Lívia de Araújo Donnini Rodrigues, Priscila Mayumi Hayama e Sueli Salles Fidalgo. LEM – Espanhol: Ana Maria López Ramírez, Isabel Gretel María Eres Fernández, Ivan Rodrigues Martin, Margareth dos Santos e Neide T. Maia González. Língua Portuguesa: Alice Vieira, Débora Mallet Pezarim de Angelo, Eliane Aparecida de Aguiar, José Luís Marques López Landeira e João Henrique Nogueira Mateos. Matemática Coordenador de área: Nílson José Machado. Matemática: Nílson José Machado, Carlos Eduardo de Souza Campos Granja, José Luiz Pastore Mello, Roberto Perides Moisés, Rogério Ferreira da Fonseca, Ruy César Pietropaolo e Walter Spinelli.