Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.

on

  • 5,552 views

Apresentação utilizada na defesa da minha dissertação de Mestrado em Comunicação pela PUC-Rio. Alguns slides serviram de insight para o SouMaisWeb sobre ebranding em 13/03/2010.

Apresentação utilizada na defesa da minha dissertação de Mestrado em Comunicação pela PUC-Rio. Alguns slides serviram de insight para o SouMaisWeb sobre ebranding em 13/03/2010.

Statistics

Views

Total Views
5,552
Slideshare-icon Views on SlideShare
5,521
Embed Views
31

Actions

Likes
3
Downloads
61
Comments
0

4 Embeds 31

http://www.slideshare.net 25
http://www.linkedin.com 3
http://www.slashdocs.com 2
https://www.linkedin.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa. Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa. Presentation Transcript

    • Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • 1 - Marca da lembrança 2 - Os sentidos do consumo 3 - Corpos, linguagens e significados 4 - O sentido da tatuagem no contemporâneo 5 - Tatuagens de marcas 6 - Bibliografia 7 - Anexo Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • 1 - Marca da lembrança 2 - Os sentidos do consumo 3 - Corpos, linguagens e significados 4 - O sentido da tatuagem no contemporâneo 5 - Tatuagens de marcas 6 - Bibliografia 7 - Anexo Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • •  “(...) todo fenômeno psicológico é em certo sentido um fenômeno sociológico, na medida em que o mental (…) se identifica com o social” (RODRIGUES, 1983: 4). •  “O homem é um ser que procura o sentido. E para satisfazer esta necessidade (…) cria o sentido” (CASTORIADIS, 1992: 93). Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • 1 - Marca da lembrança 2 - Os sentidos do consumo 3 - Corpos, linguagens e significados 4 - O sentido da tatuagem no contemporâneo 5 - Tatuagens de marcas 6 - Bibliografia 7 - Anexo Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • 1 - Marca da lembrança 2 - Os sentidos do consumo 2.1. Consumo como sistema simbólico 2.2. Classificação e significado 2.3. Consumo e comunicação 2.3.1. Publicidade 2.3.2. Marca 2.3.3. Espaços de operação da marca 3 - Corpos, linguagens e significados 4 - O sentido da tatuagem no contemporâneo 5 - Tatuagens de marcas 6 - Bibliografia 7 - Anexo Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • 1 - Marca da lembrança 2 - Os sentidos do consumo 3 - Corpos, linguagens e significados 4 - O sentido da tatuagem no contemporâneo 5 - Tatuagens de marcas 6 - Bibliografia 7 - Anexo Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • 1 - Marca da lembrança 2 - Os sentidos do consumo 3 - Corpos, linguagens e significados 3.1. A visão antropológica do corpo 3.2. Narrativas corporais 4 - O sentido da tatuagem no contemporâneo 5 - Tatuagens de marcas 6 - Bibliografia 7 - Anexo Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • 1 - Marca da lembrança 2 - Os sentidos do consumo 3 - Corpos, linguagens e significados 4 - O sentido da tatuagem no contemporâneo 5 - Tatuagens de marcas 6 - Bibliografia 7 - Anexo Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • 1 - Marca da lembrança 2 - Os sentidos do consumo 3 - Corpos, linguagens e significados 4 - O sentido da tatuagem no contemporâneo 4.1. A construção histórica da tatuagem 4.2. A tatuagem no Brasil: mito e história 4.3. Discursos nativos e significação contemporânea 5 - Tatuagens de marcas 6 - Bibliografia 7 - Anexo Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • •  Relação entre corpo e tatuagem: “É como um quebra- cabeça, a tatuagem é uma peça que faltava no corpo” (Informante 2). •  Permanência e dor: –  “As pessoas têm medo de se comprometer com essa coisa do ‘para sempre’” (Informante 4). –  “No pain, no gain” (Informante 6). –  “A dor da tatuagem ajuda a memorizar o que ela é” (Informante 4). •  Visão sobre o corpo: “O corpo é para moldar, deve ser mexido da forma que achamos mais bonito.” (Informante 4). Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • 1 - Marca da lembrança 2 - Os sentidos do consumo 3 - Corpos, linguagens e significados 4 - O sentido da tatuagem no contemporâneo 5 - Tatuagens de marcas 6 - Bibliografia 7 - Anexo Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • 1 - Marca da lembrança 2 - Os sentidos do consumo 3 - Corpos, linguagens e significados 4 - O sentido da tatuagem no contemporâneo 5 - Tatuagens de marcas 5.1. Tatuagem, mídia e publicidade 5.2. Tatuagem de marcas: leituras sobre o consumo 6 - Bibliografia 7 - Anexo Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • “Hoje a visão sobre a tatuagem é mais urbana, (…) do que uma coisa marginalizada. Não fica elegante, mas fica contemporâneo, jovem” (Informante 4). Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • “Tem gente que faz tatuagem para ganhar dinheiro, acho feio. É vender o corpo, uma forma de prostituição. Você está vendendo um pedaço do seu corpo. Não faria isso de forma alguma. Não tatuaria uma marca para ganhar dinheiro” (Inf. 7). Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • “Trata-se de um pequeno sacrifício para construir um futuro melhor para meu filho” – Kari Smith. Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • Tatuagem de marca em prol de um benefício tangível como almoço grátis. Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • Tatuagem de marca em prol de um benefício intangível como status ou espaço na mídia. Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • Utilização de tatuagem pela publicidade. Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • Utilização de tatuagem pela publicidade. Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • •  “Se o anúncio não fosse ritual na sua recepção (...), poderíamos legitimamente indagar por que, ao comprarmos um produto, não temos acesso imediato a todo o universo apresentado em seus anúncios” (ROCHA, 1995: 148). •  “(….) 90% das pessoas acham maravilhoso o anúncio porque é a Gisele” (Informante 2). Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • “A Harley-Davidson é um estilo de vida. A pessoa não está tatuando uma marca, está tatuando um estilo de vida. (…) É como se fosse uma religião. Nem que seja uma vez por ano a pessoa quer ter o prazer de estar numa moto Harley” (Informante 7). Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • “Ele aproveitou a criatividade do logo como se fosse um plágio do tênis. Ele gosta muito de Nike ou gosta do símbolo. É um símbolo simples que significa uma marca grande. É vontade dele, ele é tão louco quanto eu. (…) Eu não faria algo só por fazer” (Inf. 2). Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • “Eu sou meio doente por Coca-Cola (...). Não lembro da última vez que tomei água. Tenho pedra no rim porque (...) tomo muita Coca-Cola, gás faz mal. (…) Eu coleciono muita coisa da Coca-Cola, tenho latas e garrafas do mundo inteiro” (Informante 6). Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • •  “Coca é como um ídolo, uma coisa sagrada para certas pessoas, é a água do futuro. (…) Sei que a água faz muito melhor que Coca-Cola, faz bem para a saúde. Mas não conheço ninguém que diante de um copo de água e outro de Coca vai escolher tomar a água” (Informante 6). •  “É só mais uma tatuagem que tenho. É diferente de uma pessoa que só tem uma tatuagem e é da Coca-Cola. (…) Eu olho e vejo um ‘mundaréu’ de tattoo, então tem hora que acabo esquecendo, nem lembro que tenho” (Informante 6). Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • “Uma marca (...) não vai expressar o que você é. Coca- Cola é uma marca que já está pronta, uma pessoa não pode (...) dizer que vive em torno de Coca-Cola. As pessoas vivem em torno de Harley Davidson, né? (…) Certas logos são compreensíveis: são estilos, conceitos de vida arraigados. Outras, não” (Informante 7). Leitura de uma informante sobre o Sagrado Coração da Coca-Cola. Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • “(…) ser boneca é ser perfeita: bem sucedida na carreira, na sua vida emocional, na sua família, ser bonita, gostosa” (Informante 7). Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • Seja para manifestar uma preferência, uma relação de amor ou apenas por dinheiro, tatuar a marca de um produto é mais do que tornar o corpo uma propaganda: é assumir definitivamente seu papel de comunicador de um tempo e de um espaço. Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.
    • Marcado na pele: consumo, tatuagem e cultura de massa.