O SUICÍDIO ESTUDO DE SOCIOLOGIA ÉMILE DURKHEIM
<ul><li>Análise sobre a obra de Durkheim. </li></ul><ul><li>O Suicídio está diretamente ligado ao estudo da divisão do tra...
<ul><li>Causas para anomia. </li></ul><ul><li>Fenômenos patológicos: </li></ul><ul><li>Crises econômicas; </li></ul><ul><l...
<ul><li>Revela a relação entre o indivíduo e a coletividade. </li></ul><ul><li>1- Definição do fenômeno; </li></ul><ul><li...
<ul><li>A taxa de suicídio não varia arbitrariamente, mas em função de múltiplas circunstâncias. p.477-478. </li></ul><ul>...
<ul><li>Suicídio egoísta: correlação entre a taxa de suicídio e os contextos sociais integradores como a família e a relig...
<ul><li>Definição: latim-  sui  (próprio) e  caedere  (matar)- ato intencional de matar a si mesmo. </li></ul><ul><li>Dado...
<ul><li>Pesquisa centrada em torno de um grupo social: tendências específicas ao suicídio. </li></ul><ul><li>Eliminação da...
<ul><li>Europa, século XIX: índice de suicídio maior nos países protestantes. </li></ul><ul><li>Exceção na Alemanha: Bavie...
<ul><li>Conclusão: a superioridade do protestantismo do ponto de vista do suicídio provém do fato de ele ser uma Igreja me...
<ul><li>As pessoas casadas se matam menos do que as solteiras, em algumas idades, essa relação se inverte excepcionalmente...
<ul><li>2ª A partir de 20 anos, os casados dos dois sexos se beneficiam de um coeficiente de preservação com relação aos s...
<ul><li>É na constituição do grupo familiar que  encontra-se a causa principal para o suicídio. P.224. </li></ul><ul><li>Q...
<ul><li>Regressão da taxa de suicídio quando há maior integração do grupo durante a crise. </li></ul><ul><li>Relação diret...
<ul><li>Os únicos tipos de suicídio que devem interessar ao estudo de Durkheim são os suicídios que contribuem para a form...
<ul><li>A sociedade é um poder que regula os sentimentos e a atividade dos indivíduos. </li></ul><ul><li>O número de falên...
<ul><li>Tanto não é o crescimento da miséria que provoca o crescimento dos suicídios que também crises favoráveis, cujo ef...
A anomia é, portanto, em nossas sociedades modernas, um fato regular e específico de suicídios, e uma das fontes em que se...
 
<ul><li>www.nominuto.com/noticias/cidades/policia-registra-oito-suicidios-em-natal-no-periodo-natalino/44170/ </li></ul><u...
<ul><li>ARON, Raymond. As etapas do pensamento sociológico. São Paulo: Martins Fontes, 2002. p.474-496 </li></ul><ul><li>D...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Suicídio

3,398

Published on

Essa apresentação procura contextualizar o suicídio a partir da obra de Durkheim.

Published in: Education
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
3,398
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
131
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Suicídio

  1. 1. O SUICÍDIO ESTUDO DE SOCIOLOGIA ÉMILE DURKHEIM
  2. 2. <ul><li>Análise sobre a obra de Durkheim. </li></ul><ul><li>O Suicídio está diretamente ligado ao estudo da divisão do trabalho. </li></ul><ul><li>De um modo geral, Durkheim percebe de uma forma positiva a divisão orgânica do trabalho, mas constata que o homem não está muito feliz, o que é um dos indicativos do aumento do número de suicídio nas sociedades modernas. </li></ul><ul><li>Apresentação do conceito de anomia na obra Da divisão do trabalho social, caracterizado o fenômeno como uma patologia social. </li></ul><ul><li>Anomia: ausência ou desintegração das normas sociais. p. 474. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Causas para anomia. </li></ul><ul><li>Fenômenos patológicos: </li></ul><ul><li>Crises econômicas; </li></ul><ul><li>Inadaptação dos trabalhadores a suas ocupações; </li></ul><ul><li>Violência das reivindicações dos indivíduos com relação à coletividade. </li></ul><ul><li>Individualismo. </li></ul><ul><li>Solução: organização de grupos profissionais que favoreçam a integração dos indivíduos na coletividade. p.474-476. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Revela a relação entre o indivíduo e a coletividade. </li></ul><ul><li>1- Definição do fenômeno; </li></ul><ul><li>2- Refutação das interpretações anteriores (revisão sobre o tema); </li></ul><ul><li>3- Estabelecimento de uma tipologia; </li></ul><ul><li>4- Desenvolvimento de uma teoria geral do fenômeno. </li></ul><ul><li>Conceito de suicídio: “todo caso de morte provocado direta ou indiretamente por um ato positivo ou negativo realizado pela própria vítima e que ela sabia que devia provocar esse resultado”. (DURKHEIM, apud ARON, 2002, p.477). </li></ul>
  5. 5. <ul><li>A taxa de suicídio não varia arbitrariamente, mas em função de múltiplas circunstâncias. p.477-478. </li></ul><ul><li>Diferenciação entre suicídio (fenômeno individual) e taxa de suicídio (fenômeno social). </li></ul><ul><li>Durkheim afirma que a força que determina o suicídio não é psicológica, mas social. </li></ul><ul><li>Oposição entre predisposição psicológica e determinação social e utilização do método clássico das variações concomitantes. </li></ul><ul><li>Demonstra que não há uma correlação entre as disposições hereditárias e a taxa de suicídios. </li></ul><ul><li>Afasta a possibilidade de suicídio como fenômeno de imitação. p.478-479. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Suicídio egoísta: correlação entre a taxa de suicídio e os contextos sociais integradores como a família e a religião; </li></ul><ul><li>Suicídio altruísta: imperativo social interiorizado; </li></ul><ul><li>Suicídio anômico: revela-se pela correlação estatística entre a frequência do suicídio e as fases do ciclo econômico, atinge os indivíduos devido às condições de vida nas sociedades modernas. </li></ul><ul><li>Existência de dois tipos de “correntes suicidógenas”: os que se afastam demais do grupo social e os que estão demasiadamente presos ao grupo. p.482-485. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Definição: latim- sui (próprio) e caedere (matar)- ato intencional de matar a si mesmo. </li></ul><ul><li>Dados mundiais: 1 milhão de suicídios por ano e 10 a 20 milhões de tentativas </li></ul><ul><li>Faixa etária global: jovens com menos de 35 anos. </li></ul><ul><li>Brasil: menores médias de suicídio do mundo. </li></ul><ul><li>França: 4ª maior taxa de suicídio do mundo. </li></ul><ul><li>Taxa de suicídio no Brasil (2008): 18% </li></ul><ul><li>Perfil do suicida no Rio Grande do Norte: </li></ul><ul><li>Sexo masculino. </li></ul><ul><li>Faixa etária de 20 – 40 anos. </li></ul><ul><li>Causa morte: enforcamento, arma de fogo. </li></ul><ul><li>Maior taxa de suicídios na capital: </li></ul><ul><li>Período natalino (24 – 25 de dezembro de 2009): 8 casos de suicídio registrados pela PM e ITEP. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Pesquisa centrada em torno de um grupo social: tendências específicas ao suicídio. </li></ul><ul><li>Eliminação da constituição orgânico-psíquica ou influência do meio ambiente para explicar as causas do suicídio. </li></ul><ul><li>Objetivos do estudo: </li></ul><ul><li>1- demonstrar que a tendência suicida depende de causas sociais, constituindo-se como fenômeno coletivo. </li></ul><ul><li>2- Estudar as taxas de suicídio social. </li></ul><ul><li>Método empregado: método sociológico. </li></ul><ul><li>Definição dos tipos sociais de suicídio a partir das causas. </li></ul><ul><li>Morfologia dos suicídios: cada classe corresponde a um tipo de suicídio. </li></ul><ul><li>Variantes do suicídio: </li></ul><ul><li>Religião, família, sociedade política, grupos profissionais, etc. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Europa, século XIX: índice de suicídio maior nos países protestantes. </li></ul><ul><li>Exceção na Alemanha: Baviera (concentração maior de católicos).p. 179. </li></ul><ul><li>Conclusões iniciais: </li></ul><ul><li>1- As áreas católicas apresentam quatro a cinco vezes menos suicídios do que os territórios protestantes, seja qual for o país investigado. </li></ul><ul><li>2- Os protestantes fornecem mais suicídios que os fiéis de outros cultos. As taxas mínimas são de 20 a 30% e máxima de 300%. p. 180. </li></ul><ul><li>Quando o protestante torna-se minoria, a tendência ao suicídio diminui. p.183. </li></ul><ul><li>3- Os judeus tem uma disposição menor para o suicídio do que protestantes e inferior aos católicos.p.182. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Conclusão: a superioridade do protestantismo do ponto de vista do suicídio provém do fato de ele ser uma Igreja menos fortemente integrada do que a Igreja Católica.p.187-188 </li></ul><ul><li>Os judeus são o grupo com menor taxa de suicídio por viverem obrigatoriamente mais unidos diante das hostilidades dos grupos que os cercam.p.188-189 </li></ul><ul><li>Análise da taxa de suicídio na Inglaterra: a menor entre os países protestantes, é também o país que, quanto a instrução, mais se aproxima dos países católicos. p.195-196 </li></ul><ul><li>Análise do gênero feminino: a mulher suicida-se menos do que o homem e também é menos instruída. P.197-198 </li></ul><ul><li>Considerações finais: </li></ul><ul><li>O suicídio progride com a ciência: o homem procura se instruir e se mata porque a sociedade religiosa de que ele faz parte perdeu sua coesão. p.201 </li></ul>
  11. 11. <ul><li>As pessoas casadas se matam menos do que as solteiras, em algumas idades, essa relação se inverte excepcionalmente. p.207-210. </li></ul><ul><li>O celibato agrava a tendência ao suicídio. p.209 </li></ul><ul><li>Leis principais: </li></ul><ul><li>1ª. Os casamentos demasiado precoces têm uma influência agravante sobre o suicídio, sobretudo no que se refere aos homens: os casamentos prematuros determinam um estado moral cuja ação é nociva, sobretudo para os homens. p.214-216. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>2ª A partir de 20 anos, os casados dos dois sexos se beneficiam de um coeficiente de preservação com relação aos solteiros. p.216-217. </li></ul><ul><li>3ª O coeficiente de preservação dos casados com relação aos solteiros varia de acordo com os sexos: o sexo mais favorecido no estado de casamento varia, por sua vez, conforme a natureza do sexo mais favorecido. p.217. </li></ul><ul><li>4ª A viuvez diminui o coeficiente dos casados dos dois sexos, porém, no mais das vezes, não o suprime completamente. Os viúvos matam-se mais do que os homens casados, mas, de modo geral, menos do que os homens solteiros. p.217. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>É na constituição do grupo familiar que encontra-se a causa principal para o suicídio. P.224. </li></ul><ul><li>Quando o casamento é fecundo, o coeficiente de preservação quase dobra. p.226. </li></ul><ul><li>A sociedade conjugal tem uma participação pequena na imunidade dos homens casados. p.226. </li></ul><ul><li>Na viuvez, o funcionamento da sociedade doméstica fica entravado, faltando uma engrenagem essencial, a mãe.p.229. </li></ul><ul><li>A sociedade conjugal prejudica a mulher e agrava sua tendência ao suicídio. p.229. </li></ul><ul><li>A imunidade dos indivíduos casados deve-se à sociedade familiar. p.230. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>Regressão da taxa de suicídio quando há maior integração do grupo durante a crise. </li></ul><ul><li>Relação direta entre o suicídio e o grau de integração dos grupos sociais: a sociedade é necessária ao indivíduo. </li></ul><ul><li>Quando o vínculo que une indivíduo e coletividade se enfraquece, o suicídio se desenvolve. </li></ul><ul><li>1- O suicídio varia em razão inversa ao grau de integração da sociedade religiosa. </li></ul><ul><li>2- O suicídio varia em razão inversa ao grau de integração da sociedade doméstica. </li></ul><ul><li>O suicídio varia em razão inversa ao grau de integração da sociedade política. </li></ul>
  15. 15. <ul><li>Os únicos tipos de suicídio que devem interessar ao estudo de Durkheim são os suicídios que contribuem para a formação de uma taxa social de suicídios em função das quais ela varia. </li></ul>
  16. 16. <ul><li>A sociedade é um poder que regula os sentimentos e a atividade dos indivíduos. </li></ul><ul><li>O número de falências é um barômetro que reflete com sensibilidade suficiente as variações por que passa a vida econômica (Viena e Paris). </li></ul>
  17. 17. <ul><li>Tanto não é o crescimento da miséria que provoca o crescimento dos suicídios que também crises favoráveis, cujo efeito é aumentar bruscamente a prosperidade de um país, agem sobre o suicídio do mesmo modo que desastres econômicos (exemplo a conquista de Roma, por Vitor Emanuel em 1870, unificando a Itália,p. 306). </li></ul><ul><li>O que demonstra melhor ainda que a depressão econômica não tem a influência agravante que muitas vezes lhe foi atribuída é o fato de que ela produz antes o efeito contrário. Na Irlanda, onde o camponês leva uma vida tão penosa, as pessoas se matam muito pouco (p.309). </li></ul>
  18. 18. A anomia é, portanto, em nossas sociedades modernas, um fato regular e específico de suicídios, e uma das fontes em que se alimenta o contingente anual. O suicídio anômico tem como causa o fato de sua atividade se desregrar e eles sofrerem com isso (p.329).
  19. 20. <ul><li>www.nominuto.com/noticias/cidades/policia-registra-oito-suicidios-em-natal-no-periodo-natalino/44170/ </li></ul><ul><li>www.nominuto.com/policiais-impedem-suicidio-na-ponte-newton-navarro/39573 </li></ul><ul><li>www.abril.com.br/noticias/ciencia-saude/taxa de suicidio-brasil-aumentos-ultimos-anos-408097.html </li></ul><ul><li>www.portaldocoracao-uol.com.br/materias.php?e=saude-mental&e=3501 </li></ul>
  20. 21. <ul><li>ARON, Raymond. As etapas do pensamento sociológico. São Paulo: Martins Fontes, 2002. p.474-496 </li></ul><ul><li>DURKHEIM, Émile. O suicídio: estudo de caso. São Paulo: Martins Fontes, 2000. </li></ul>
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×