Protocolo IPsec

2,354 views
2,042 views

Published on

Definições e Funcionamento do Protocolo IPSec
- IKE
- Protocolo AH e ESP

Tire suas Dúvidas: andrevallenobre@gmail.com

Published in: Technology
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,354
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
129
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Protocolo IPsec

  1. 1. IPsec Prof. Esp. André Nobre
  2. 2. Origem do IPsec  O IPsec surgiu com o desejo de fornecer segurança no nível de IP.  Aumento do uso de protocolo da internet em grandes redes de empresas;  Democratização de internet;  Facilidade de ataques. 2
  3. 3. Origem do IPsec  IPsec = IP Security  Padrão desenvolvido pela IETF desde 1992;  Primeira versão lançada em 1995;  Versão melhorada, com administração dinâmica dos parâmetros de segurança(IKE), em 1998;  Até hoje ainda é trabalhado na IETF. 3
  4. 4. Problema do IP  Problemas do IP  Monitoramento, não autorizadas, de pacotes;  Exploração de aplicações cuja autenticação é feita baseada no endereço IP. 4
  5. 5. IPsec  Proposta:  Implementar segurança no próprio nível IP. Segurança na camada aplicação;  Segurança na camada de rede;  5
  6. 6. Objetivo  Previnir espionagem dos pacotes que trafegam;  Impedir acesso ilícito aos dados. 6
  7. 7. Solução com IPsec Confidencialidade dos dados;  Autenticidade dos dados trafegados;  Alta segurança quando usado com algoritmos fortes;  Não substitui as soluções já existentes de segurança, mas adiciona funcionalidades.  7
  8. 8. Como Funciona     Opera na camada de rede; Processa todos os datagramas IP; Protege todas as aplicações de modo transparente; Pode ser implementado em qualquer ponto da rede (hospedeiros, servidores, roteadores). 8
  9. 9. Como Funciona    Pode-se criar políticas para cada situação específico; Obrigatório no IPv6 e opcional no IPv4; IKE – Internet Key Exchange  Protocolo padrão de administração de chaves para o IPsec.    Negociação de parâmetros; Troca de chaves; Autenticidade dos pontos. 9
  10. 10. Como Funciona Criação de uma ligação lógica para troca de datagramas (SA – Security Agreement)  Autenticação e proteção da identidade dos hospedeiros;  Negociação da política a ser usada pelo SA;  Troca autenticada das chaves secretas.  10
  11. 11. SA – Security Agreement     Um dos mais importantes conceitos no IPsec é chamado Security Agreement (Acordo de Segurança). Definido no RFC 1825; Canal lógico entre origem e destino; SAs são uma combinação do SPI(Security Parameter Index) fornecido e do endereço de destino; SAs são unidirecionais. Para uma conexão são necessárias no mínimo duas SAs. 11
  12. 12. Security Parameter Index - SPI  Um servidor pode ter ao mesmo tempo várias associações de segurança diferentes (SA), pois pode manter comunicações seguras com vários usuários ao mesmo tempo. IPsec –SPI1 SA1 SPI1 IPsec –SPI2 SA2 SPI2 SA1 SPI1 SA2 SPI2 SA3 SPI3 12
  13. 13. Utilização do IPSec com SA’s SA SA Rede Confiável Rede não Confiável Gateway Seguro Rede Confiável Gateway Seguro SA SA Rede não Confiável Host Rede Confiável Gateway Seguro SA SA Rede não Confiável Host Host 13
  14. 14. Combinação de SA’s Acordo de Segurança 1 Acordo de Segurança 2 Rede não Confiável Rede não Confiável Acordo de Segurança 2 Acordo de Segurança 1 Rede não Confiável Rede não Confiável 14
  15. 15. Proteção dos Dados  Pacotes recebem:     Modo Túnel: Compressão; Encriptação; Autenticação. Modos de proteção:  Túnel:    Encapsulamento em um novo datagrama IP; Mais usado. Transporte: Protege apenas os dados, sem um novo cabeçalho;  Usado apenas em IPsec fim a fim.  Modo Transporte: Transporte: 15
  16. 16. Protocolos  AH – Authentication Header (Protocolo de autenticação de cabeçalho);  ESP – Encapsulation Security Payload (Protocolo de Segurança de Encapsulamento da Carga útil);  Ambos fazem o acordo de segurança (SA) 16
  17. 17. AH - Autenticação de Cabeçalho  Oferece:  Autenticação da fonte;  Integridade de dados.  Sem Criptografia. Adiciona um campo ao datagrama IP;  RFC 2402.  17
  18. 18. Protocolo AH “O cabeçalho AH não permite criptografia dos dados; portanto, ele é útil principalmente quando a verificação da integridade é necessária, mas não o sigilo.” [TANENBAUM, Redes de Computador, P581, PDF] Exemplo de integridade: Evitar que um intruso falsifique um pacote, neste caso, seria possível ler mas não alterar. 18
  19. 19. ESP – Protocolo de Segurança de Encapsulamento de Carga Útil  Oferece:  Autenticação da fonte;  Integridade de dados.  Com Criptografia. Mais complexo, portanto exige mais processamento;  RFC 2406.  19
  20. 20. ESP – Protocolo de Segurança de Encapsulamento de Carga Útil  Datagrama:  Modo de transporte:  Modo Túnel: 20
  21. 21. AH vs ESP Considerando que a ESP pode fazer tudo que o AH pode fazer e muito mais, além de ser mais eficiente durante a inicialização, surge a questão: Afinal, qual e a necessidade do AH? 21
  22. 22. AH vs ESP “A resposta é principalmente histórica. No inicio, o AH cuidava apenas da integridade, enquanto o ESP tratava do sigilo. Mais tarde, a integridade foi acrescentada no ESP, mas as pessoas que projetaram o AH não queriam deixa-lo morrer depois de tanto trabalho. É provável que o AH fique defasado no futuro.” [TANENBAUM, Redes de Computador, P581, PDF] 22
  23. 23. Referências Bibliográficas KUROSE, J. F. ; ROSS, K. W.; Redes de Computadores e a Internet. Pearson Education, 2003. TANENBAUM, A. S. , Redes de Computadores, Editora Campus, 2003. http://www.javvin.com/protocolESP.html; http://www.cert-rs.tche.br/docs_html/ipsec.html; http://www.rnp.br/newsgen/9907/ipsec3.html; http://www.ietf.org/rfc/rfc2402.txt; http://www.ietf.org/rfc/rfc2406.txt 23

×