Your SlideShare is downloading. ×
História de roraima 2
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

História de roraima 2

3,157
views

Published on

História de Roraima - séc. XIX-XX

História de Roraima - séc. XIX-XX

Published in: Education

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
3,157
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
87
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. SANTOS, Nelvio Paulo Dutra. Políticas Públicas,HISTÓRIA DE RORAIMA economia e poder: o Estado de Roraima entre 1970 e 2000. Te s e d e D o u t o r a d o .S Í N T E S E E L A B O R A D A P E L O P R O F. A N D R É A . F O N S E C A – U E R R 2 0 1 2 . Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, U F PA . B e l é m : 2 0 0 4 .
  • 2. AMAZÔNIA A PARTIR DO SÉCULO XIX Amazônia pós-independência da América Latina: “ pátio dos fundos” dos novos países independentes. Avanço do capitalismo: fronteira de recursos e de acumulação (Berta Becker). Fronteira do poder militar ( Altvater), alternativa para conter a contestação à ordem social dominante/ tensão social em outras regiões. Prioridade máxima dos governos militares. Parte do projeto de hegemonia brasileira na América do Sul.
  • 3. A FORMAÇÃO DE UMA SOCIEDADE DE FRONTEIRAA formação e a consolidação de uma fronteira pode levar a umasociedade fortemente hierárquica e patrimonial.Rio Grande do Sul: fazendeiros criadores de gado que semilitarizavam, produzindo couro e charque para alimentar escravosdo NE e SE.Vale do Rio Branco: militares que se tornavam fazendeiros,privatizando as fazendas nacionais e criando gado solto, favorecidospelo ciclo da borracha.Famílias Brasil, Magalhães, Motta, Souza Cruz etc.
  • 4. CASA DE INÁCIO MAGALHÃES
  • 5. CASA DE BENTO BRASIL
  • 6. CASA DO CAPITÃO BESSA
  • 7. VALE DO RIO BRANCO, INÍCIO DO SÉC. XX Pecuaristas investem na produção de ouro e diamantes (como financiadores, intermediários e efetuando o descaminho dos minérios para Guiana e Venezuela). Disputas com a firma J. G. Araújo, sediada em Manaus:  Posse de vastas áreas no território  aviadora de extração da balata  fornecedora de víveres para as tropas e membros das diversas comissões de limites nas fronteiras  a maior casa de comércio de Boa Vista.
  • 8. VALE DO RIO BRANCO, INÍCIO DO SÉC. XX Nova realidade: volta das ordens religiosas europeias. Representação federal de proteção aos índios, de inspiração positivista. Descentralização do Estado brasileiro, entregando o controle da legislação às oligarquias locais. Tentativa de legalização/ formalização das terras ocupadas pelas oligarquias. Criação do município de Boa Vista. Baixo Rio Branco: extrativismo vegetal e animal.
  • 9. OS BENEDITINOS (1909-1949)
  • 10. VALE DO RIO BRANCO, INÍCIO DO SÉC. XX Decadência da borracha – crise da pecuária riobranquense; deslocamento do eixo econômico para a mineração. década de 1930: epidemia dizima rebanho bovino.
  • 11. ESTADO NOVO E II GUERRA MUNDIAL 1939-1945: Brasil de Vargas acaba se alinhando com os EUA. Necessidade de matérias- primas para os beligerantes. Apoio técnico e financeiro dos EUA para as mudanças promovidas na Amazônia.
  • 12. AMAZÔNIA NO ESTADO NOVO (1937-45) Serviço Especial de Saúde Pública, mantido pela Fundação Rockefeller, encarregado do saneamento básico; Serviço Especial de Mobilização de Trabalhadores para a Amazônia; Comissão Administrativa de Encaminhamento de Trabalhadores para a Amazônia, que tinha a função de recrutar, hospedar e providenciar a colocação de nordestinos nos seringais; Banco do Crédito da Borracha, que tinha 40% de capital norte- americano; Instituto Agronômico do Norte, com sede em Belém; Ampliação do SPI, para controlar os eventuais conflitos entre índios e seringueiros.
  • 13. O TERRITÓRIO FEDERAL DO RIO BRANCO criar territórios para melhor controlar as fronteiras. 1944 - 1º governador: Cap. Ene Garcez. “Não quero saber de coronéis de barranco”. Autoritarismo e modernização. 1945: Plano de Recuperação e Desenvolvimento para o território, pelo técnico do governo federal Araújo Cavalcanti.
  • 14. O TERRITÓRIO FEDERAL DO RIO BRANCO Dependência e controle externo x articulações das famílias locais. Relatório de Araújo (1945):  o trabalho forçado de crianças índias, principalmente dos Macuxi;  o controle total do comércio por poucos, com preços abusivos;  extração de madeiras de lei de modo predatório;  quase inexistência da agricultura;  pecuária decadente (fazendeiros preferiam aplicar seu capital financiando atividades mineiras).
  • 15. O TERRITÓRIO FEDERAL DO RIO BRANCO Medidas do 1º governo territorial:  construir uma cidade-capital administrativa;  melhorar os transportes;  promover a colonização agrícola, trazendo e apoiando colonos com crédito e assistência técnica Relatório Araújo:  Propôs a criação de parques nacionais, como da ilha de Maracá.  Demonstrou a necessidade de uma exploração mais racional de madeiras de lei.  Plano Rodoviário Territorial, que deveria garantir o acesso a três mercados consumidores “seguros”: a própria Amazônia, a Guiana Inglesa e a Venezuela.  1943: 60% da riqueza do Território vinha da mineração; 3 ou 5% da agricultura e 26% da pecuária.
  • 16. 1945-1946: PERÍODO DO “POPULISMO” 1945: Queda de Vargas e exoneração de Ene Garcez. Hegemonia do Senador Vitorino Freire (PSD -MA). Félix Valois de Araújo: governador, aliado de Gilberto Mestrinho, montou uma base de apoio político (cassados em 1964). Disputas acirradas pelo cargo de deputado federal – acesso às verbas federais e poder de preencher os cargos públicos. 1953: criação da SPVEA, antecessora da SUDAM.