História de roraima 2
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

História de roraima 2

  • 3,706 views
Uploaded on

História de Roraima - séc. XIX-XX

História de Roraima - séc. XIX-XX

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
3,706
On Slideshare
3,706
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
81
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. SANTOS, Nelvio Paulo Dutra. Políticas Públicas,HISTÓRIA DE RORAIMA economia e poder: o Estado de Roraima entre 1970 e 2000. Te s e d e D o u t o r a d o .S Í N T E S E E L A B O R A D A P E L O P R O F. A N D R É A . F O N S E C A – U E R R 2 0 1 2 . Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, U F PA . B e l é m : 2 0 0 4 .
  • 2. AMAZÔNIA A PARTIR DO SÉCULO XIX Amazônia pós-independência da América Latina: “ pátio dos fundos” dos novos países independentes. Avanço do capitalismo: fronteira de recursos e de acumulação (Berta Becker). Fronteira do poder militar ( Altvater), alternativa para conter a contestação à ordem social dominante/ tensão social em outras regiões. Prioridade máxima dos governos militares. Parte do projeto de hegemonia brasileira na América do Sul.
  • 3. A FORMAÇÃO DE UMA SOCIEDADE DE FRONTEIRAA formação e a consolidação de uma fronteira pode levar a umasociedade fortemente hierárquica e patrimonial.Rio Grande do Sul: fazendeiros criadores de gado que semilitarizavam, produzindo couro e charque para alimentar escravosdo NE e SE.Vale do Rio Branco: militares que se tornavam fazendeiros,privatizando as fazendas nacionais e criando gado solto, favorecidospelo ciclo da borracha.Famílias Brasil, Magalhães, Motta, Souza Cruz etc.
  • 4. CASA DE INÁCIO MAGALHÃES
  • 5. CASA DE BENTO BRASIL
  • 6. CASA DO CAPITÃO BESSA
  • 7. VALE DO RIO BRANCO, INÍCIO DO SÉC. XX Pecuaristas investem na produção de ouro e diamantes (como financiadores, intermediários e efetuando o descaminho dos minérios para Guiana e Venezuela). Disputas com a firma J. G. Araújo, sediada em Manaus:  Posse de vastas áreas no território  aviadora de extração da balata  fornecedora de víveres para as tropas e membros das diversas comissões de limites nas fronteiras  a maior casa de comércio de Boa Vista.
  • 8. VALE DO RIO BRANCO, INÍCIO DO SÉC. XX Nova realidade: volta das ordens religiosas europeias. Representação federal de proteção aos índios, de inspiração positivista. Descentralização do Estado brasileiro, entregando o controle da legislação às oligarquias locais. Tentativa de legalização/ formalização das terras ocupadas pelas oligarquias. Criação do município de Boa Vista. Baixo Rio Branco: extrativismo vegetal e animal.
  • 9. OS BENEDITINOS (1909-1949)
  • 10. VALE DO RIO BRANCO, INÍCIO DO SÉC. XX Decadência da borracha – crise da pecuária riobranquense; deslocamento do eixo econômico para a mineração. década de 1930: epidemia dizima rebanho bovino.
  • 11. ESTADO NOVO E II GUERRA MUNDIAL 1939-1945: Brasil de Vargas acaba se alinhando com os EUA. Necessidade de matérias- primas para os beligerantes. Apoio técnico e financeiro dos EUA para as mudanças promovidas na Amazônia.
  • 12. AMAZÔNIA NO ESTADO NOVO (1937-45) Serviço Especial de Saúde Pública, mantido pela Fundação Rockefeller, encarregado do saneamento básico; Serviço Especial de Mobilização de Trabalhadores para a Amazônia; Comissão Administrativa de Encaminhamento de Trabalhadores para a Amazônia, que tinha a função de recrutar, hospedar e providenciar a colocação de nordestinos nos seringais; Banco do Crédito da Borracha, que tinha 40% de capital norte- americano; Instituto Agronômico do Norte, com sede em Belém; Ampliação do SPI, para controlar os eventuais conflitos entre índios e seringueiros.
  • 13. O TERRITÓRIO FEDERAL DO RIO BRANCO criar territórios para melhor controlar as fronteiras. 1944 - 1º governador: Cap. Ene Garcez. “Não quero saber de coronéis de barranco”. Autoritarismo e modernização. 1945: Plano de Recuperação e Desenvolvimento para o território, pelo técnico do governo federal Araújo Cavalcanti.
  • 14. O TERRITÓRIO FEDERAL DO RIO BRANCO Dependência e controle externo x articulações das famílias locais. Relatório de Araújo (1945):  o trabalho forçado de crianças índias, principalmente dos Macuxi;  o controle total do comércio por poucos, com preços abusivos;  extração de madeiras de lei de modo predatório;  quase inexistência da agricultura;  pecuária decadente (fazendeiros preferiam aplicar seu capital financiando atividades mineiras).
  • 15. O TERRITÓRIO FEDERAL DO RIO BRANCO Medidas do 1º governo territorial:  construir uma cidade-capital administrativa;  melhorar os transportes;  promover a colonização agrícola, trazendo e apoiando colonos com crédito e assistência técnica Relatório Araújo:  Propôs a criação de parques nacionais, como da ilha de Maracá.  Demonstrou a necessidade de uma exploração mais racional de madeiras de lei.  Plano Rodoviário Territorial, que deveria garantir o acesso a três mercados consumidores “seguros”: a própria Amazônia, a Guiana Inglesa e a Venezuela.  1943: 60% da riqueza do Território vinha da mineração; 3 ou 5% da agricultura e 26% da pecuária.
  • 16. 1945-1946: PERÍODO DO “POPULISMO” 1945: Queda de Vargas e exoneração de Ene Garcez. Hegemonia do Senador Vitorino Freire (PSD -MA). Félix Valois de Araújo: governador, aliado de Gilberto Mestrinho, montou uma base de apoio político (cassados em 1964). Disputas acirradas pelo cargo de deputado federal – acesso às verbas federais e poder de preencher os cargos públicos. 1953: criação da SPVEA, antecessora da SUDAM.