• Save

Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

Like this presentation? Why not share!

Normas para apresentação de Monografias

on

  • 50,573 views

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA BIBLIOTECA Normas para Apresentação de Monografias do Instituto de Informática e do PPGC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA BIBLIOTECA Normas para Apresentação de Monografias do Instituto de Informática e do PPGC

Statistics

Views

Total Views
50,573
Views on SlideShare
50,312
Embed Views
261

Actions

Likes
7
Downloads
0
Comments
1

8 Embeds 261

http://www.slideshare.net 229
http://blogdaroselene.blogspot.com 18
http://susablogarteecultura.blogspot.com 4
http://politicacomunicacaoeleicoes.blogspot.com 3
http://susablogarteecultura.blogspot.com.br 3
http://www.filescon.com 2
http://www.filestube.com 1
http://webcache.googleusercontent.com 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Parabéns Andrea.
    Apesar da manualização por parte da abnt, ainda a maioria das universidades adotam modelos próprios. Claro, baseados nestas normas. Portanto, seu trabalho é de extrema importancia para os milhares de academicos pesquisadores em todo Brasil.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Normas para apresentação de Monografias Normas para apresentação de Monografias Presentation Transcript

  • Normas para Monografias >>> Citações UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA BIBLIOTECA Normas para Apresentação de Monografias do Instituto de Informática e do PPGC PORTO ALEGRE 2003 APRESENTAÇÃO Este manual tem por finalidade disciplinar a apresentação de trabalhos científicos (dissertações, teses, trabalhos individuais, relatórios, exames de qualificação, projetos de diplomação, etc), produzidos pelo Instituto de Informática e pelo Programa de Pós-Graduação em Computação, visando a sua uniformização. Os itens desenvolvidos a seguir foram baseados nas normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT, considerando ser este órgão responsável pela normalização técnica brasileira, bem como em textos elaborados pela USP, UNESP, UFPR, UFPE e UFMG (ver Bibliografia) com o objetivo de normalizar a sua produção intelectual.
  • Sumário 1 Apresentação Gráfica 1.1 Papel 1.1.1 Folhas Largas 1.2 Escrita 1.3 Margens 1.4 Espaços 1.5 Paginação 1.6 Desdobramento em Volumes 2 Folha de Rosto 3 Catalogação na Publicação 4 Nominata 5 Agradecimentos, Oferecimentos 6 Sumário 7Lista de Abreviaturas ou Siglas 8 Lista de Símbolos 9 Lista de Figuras 10 Lista de Tabelas 11 Resumo e Abstract 12 Texto 12.1 Numeração Progressiva 12.1.1 Seções primárias 12.1.2 Seções secundárias 12.1.3 Alíneas 12.2 Notas de Rodapé 12.3 Citações 12.4 Ilustrações 12.4.1 Apresentação gráfica 12.4.2 Numeração 12.4.3 Título 12.4.4 Localização 12.5 Anexos 12.6 Glossário 12.7 Referências Bibliográficas 13 Dissertação/Tese 13.1 Tiragem Inicial 13.2 Tiragem Definitiva 13.3 Cadastro 13.4 Folha com as assinaturas dos Membros da Banca Examinadora e do Coordenador do Curso 14 Trabalho Individual 15 Relatório de Pesquisa 16 Exame de Qualificação 17 Projeto de Diplomação Anexo 1 Folha de Rosto de Dissertações e Teses Anexo 2 Folha de Rosto de Trabalho Individual Anexo 3 Folha de Rosto de Relatório de Pesquisa Anexo 4 Folha de Rosto de Exame de Qualificação Anexo 5 Folha de Rosto de Projeto de Diplomação Anexo 6 Exemplo de Sumário Anexo 7 Lista de Abreviaturas Anexo 8 Lista de Símbolos Anexo 9 Lista de Figuras Anexo 10 Lista de Tabelas Anexo 11 Exemplos de Referências Bibliográficas Anexo 12 Folha de Aprovação PPGC Bibliografia
  • 1 Apresentação Gráfica 1.1 Papel Para o original pode ser utilizado formulário contínuo, tamanho 80 colunas (28,0 cm x 21,0 cm) ou papel branco A4 (21,0 cm x 29,7 cm). Para as cópias utilizar o papel formato A4 acima mencionado. A capa será fornecida pela secretaria do PPGC, ou secretaria do Instituto de Informática, conforme o caso. 1.1.1 Folhas Largas Quando a largura do formato padrão for insuficiente para a apresentação das ilustrações, adotar o formato padrão com largura ampliada, definindo convenientemente dobras sucessivas no formato resultante, ou cópia reduzida das ilustrações, desde que não prejudiquem a leitura das mesmas, seguindo o formato padrão. 1.2 Escrita Editar o original utilizando os dois lados da folha, ou seja, frente e verso. Alinhar a margem direita evitando separações silábicas com barras ou outros sinais. Utilizar fonte "Times" tamanho 12 ou equivalente. Não utilizar fontes que ocupam muito espaço tal como "Bookman". 1.3 Margens Com vistas a permitir uma boa visualização do texto, bem como a sua correta reprodução e encadernação sugere-se observar as seguintes margens: - superior 3,0 cm - inferior 2,0 cm - esquerda e direita 3,0 cm 1.4 Espaços No texto utilizar espaço 1. Cada novo capítulo começa em nova folha, com título destacado do texto. Utilizar fonte "Times" tamanho 18. O fim de uma seção e o cabeçalho da próxima são separados por espaços extras. Observação: quando uma seção terminar próximo ao fim de uma página, colocar o cabeçalho da próxima seção na página seguinte. 1.5 Paginação Todas as páginas do trabalho devem ser numeradas, com exceção da folha de rosto. Os números, em algarismos arábicos, são colocados, no centro da margem superior. Sugere- se utilizar o comando "cabeçalho" do editor de texto para especificar a paginação. Entre a paginação e o texto deixar algum espaço para destacar os dois elementos. A contagem das páginas se inicia com a folha de rosto, a qual, no entanto, não recebe numeração. 1.6 Desdobramento em Volumes Quando a obra for em dois volumes, a página do Título, deve ser anexada também ao segundo volume, destacando a indicação "Volume I" e "Volume II" logo abaixo do título. A numeração das páginas do segundo volume, deve ser uma seqüência natural do primeiro volume.
  • 2 Folha de Rosto Contém os elementos de identificação do trabalho. a) Unidade de ensino b) Título do trabalho em negrito c) Nome completo do candidato d) Qualificação pretendida pelo trabalho apresentado, na forma proposta e) Orientador f) Co-orientador g) Local e data (mês e ano da defesa ou da apresentação do trabalho) (Ver Anexos 1 a 5)
  • 3 Catalogação na Publicação Usada somente para dissertações de mestrado e teses de doutorado. Contém os elementos bibliográficos identificadores da dissertação ou tese (autor, título, assuntos, etc). Será preparada pela Biblioteca do Instituto de Informática/PPGC, no momento da entrega dos originais para revisão. Exemplo:
  • 4 Nominata Inclui a lista de cargos e nomes das principais autoridades da administração da Universidade e do Instituto de Informática. Exemplo: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Reitora: Prof. Mario Grandi Pró-Reitor de Pós-Graduação: Profa. Silvia Machado Diretor do Instituto de Informática: Prof. Antonio Pires Ramos Coordenador do PPGC: Prof. Claudio Moreira Bibliotecária-Chefe do Instituto de Informática: Ana Maria Miranda
  • 5 Agradecimentos, Oferecimentos (opcionais) Usada somente para dissertações de mestrado e teses de doutorado. Localizados entre a catalogação na fonte e o sumário, na mesma ordem citada, em páginas separadas.
  • 6 Sumário Relaciona as principais divisões e seções do texto, na mesma ordem em que nele se sucedem, indicando, ainda, as respectivas páginas iniciais (Ver Anexo 6). O sumário deverá ser localizado imediatamente após as folhas de rosto, catalogação na publicação, dedicatórias e agradecimentos, no caso de dissertação e tese. Para maiores detalhes ver a norma NBR-6027 da ABNT. É aconselhável o uso do sistema de numeração progressiva para numerar as divisões e subdivisões do texto, conforme a norma NBR-6022 da ABNT. No caso do trabalho ser apresentado em mais de um volume, cada um deve conter o sumário geral da obra, bem como seu próprio sumário, ocupando páginas consecutivas.
  • 7 Lista de Abreviaturas ou Siglas Todas as abreviaturas ou siglas devem ser ordenadas alfabeticamente e seguidos de seus respectivos significados, de acordo com as recomendações da ABNT, NB-14:01.05.001 e ISO832-1975 (Ver Anexo 7). 8 Lista de Símbolos Relacionar os símbolos utilizados na ordem em que aparecem no texto, acompanhados de seus respectivos significados(Ver Anexo 8). 9 Lista de Figuras (gráficos, diagramas, lâminas, etc) Relacionar as figuras na ordem em que aparecem no texto indicando, para cada uma, o seu número, legenda e página onde se encontra(Ver Anexo 9). 10 Lista de Tabelas Relacionar as figuras na ordem em que aparecem no texto indicando, para cada uma, o seu número, legenda e página onde se encontra(Ver Anexo 10).
  • 10 Resumo e Abstract Consiste na apresentação clara e concisa dos pontos relevantes do trabalho, de maneira a permitir ao leitor saber da conveniência ou não da sua leitura na íntegra. É redigido pelo autor, em português e inglês, em páginas distintas, antecedendo a introdução. Nas teses e dissertações o resumo e o abstract terão 1 folha cada um. Nos trabalhos individuais, relatórios de pesquisa, exames de qualificação e projetos de diplomação poderão ter até 500 palavras. Para maiores informações com relação à redação consultar a NBR 6028 da ABNT. Quanto ao estilo, o resumo deve ser composto por uma seqüência de frases completas e não por uma enumeração de tópicos; a primeira frase deverá ser significativa, explicando o tema principal do documento. Na redação dar preferência ao uso da terceira pessoa do singular e do verbo na voz ativa. Após o resumo e o abstract devem constar palavras-chaves relativas aos assuntos da monografia, em português e inglês respectivamente.
  • 12 Texto O texto é a parte do documento onde o conteúdo é apresentado e desenvolvido. Com relação ao estilo da redação, o trabalho deve ser escrito em linguagem impessoal, na terceira pessoa e ser também inteiramente consistente, isto é, numa convenção ou critério usado em uma página deve ser mantido em todo o texto. A concisão e a clareza do texto ficam inteiramente sob a responsabilidade do orientador, o qual orientará o aluno nas modificações que considerar necessárias. Geralmente consiste em: introdução, revisão de literatura, desenvolvimento e conclusão, divididos em capítulos, conforme a natureza do assunto. A introdução deve fornecer uma visão global da pesquisa realizada, incluindo a formulação de hipóteses, delimitações do assunto tratado e os objetivos da pesquisa. A revisão de literatura apresenta a literatura básica sobre o assunto, resumindo os resultados de estudos feitos por outros autores. A literatura citada deve ser apresentada preferencialmente em ordem cronológica, em blocos de assuntos, mostrando a evolução do tema de maneira integrada. Todo documento citado e analisado deve constar na bibliografia ao final do trabalho. O desenvolvimento ou corpo do trabalho é a parte mais extensa e visa apresentar os resultados da pesquisa. No desenvolvimento considerar os seguintes aspectos: "a) os materiais, técnicas e métodos devem ser descritos de maneira precisa e breve visando possibilitar a repetição do experimento com a mesma precisão; b) os métodos inéditos desenvolvidos pelo autor devem ser justificados e apontadas suas vantagens em relação a outros; c) os processos técnicos a que forem submetidos os produtos e os tratamentos empregados devem ser citados; d) às técnicas e métodos já conhecidos deve-se fazer apenas referência e não descrição; e) técnicas novas devem ser descritas com detalhes e novos equipamentos ilustrados com fotografias e desenhos; f) hipóteses e generalizações que não estejam baseadas nos elementos contidos no próprio trabalho devem ser evitados; g) os dados utilizados na análise estatística figurarão no texto ou em anexo; h) a análise dos dados, sua interpretação e discussões técnicas podem ser conjugados ou separadas, conforme melhor se adequar aos objetivos do trabalho; i) os diversos resultados devem ser agrupados e ordenados convenientemente, podendo vir eventualmente acompanhados de tabelas, gráficos ou figuras, com valores estatísticos para maior clareza; j) os dados experimentais obtidos são analisados e relacionados com os principais problemas que existam sobre o assunto, dando subsídios para a conclusão". [UFP 92] A conclusão apresenta de forma sintética, os resultados da pesquisa, salientando a extensão e os resultados de sua contribuição, bem como seus méritos. Deve basear-se em dados comprovados. Para maior clareza no desenvolvimento do assunto, adotar o sistema de numeração progressiva. 12.1 Numeração Progressiva Consiste na divisão do trabalho em seções. Não se deve subdividir em seções além da terciária. Para maiores detalhes ver a NBR 6024 da ABNT. 12.1.1 Seções primárias Correspondem a divisão "capítulo". São numeradas com a série natural dos números inteiros, a partir de um (1), pela ordem de sua colocação no documento. O título desta seção, deve ser negritado e somente a primeira letra das palavras do título é maiúscula. 12.1.2 Seções secundárias, terciárias, etc.
  • São resultantes da divisão do texto dos capítulos. Numeram-se sequencialmente com a série natural dos números inteiros, a partir de um (1) pela ordem de sua colocação no respectivo capítulo. O Capítulo 11 subdivide-se numa seção secundária 11.1 negritada e que se subdivide Exemplo: em 2 seções terciárias, 11.1.1 e 11.1.2. O título da seção secundária, deve ser negritado e somente a primeira letra das palavras do título é maiúscula. 12.1.3 Alíneas As alíneas incluidas numa seção caracterizam-se por meio de letras do alfabeto latino (a, b, c, ...) pela sua ordem. A letra, seguida de um parêntese, é colocada imediatamente antes da primeira palavra do texto da alínea. Exemplo: ver seção 12.3 Citações. 12.2 Notas de Rodapé Destinam-se a prestar esclarecimentos, comprovar uma afirmação ou justificar uma informação que não deve ser incluida no texto limitando-se ao mínimo necessário. As notas de rodapé são colocadas ao pé da página, separadas do texto por uma linha de aproximadamente 1/3 da largura útil da página, a partir da margem esquerda. Recomenda-se que a remissão para o rodapé seja feita através de asterisco superescritos, para não ser confundida com outra numeração, eventualmente adotada no texto. 12.3 Citações As citações podem ser de três tipos: a) citações formais - quando transcrevem literalmente trechos de obras. Devem ser colocadas entre aspas. b) citações conceptuais - quando com sínteses pessoais reproduzem fielmente as idéias de outros. c) citações mistas - quando citações conceptuais inserem palavras ou expressões retiradas do texto consultado. O relacionamento da citação com o documento de onde foi extraída será feito acrescentando após a citação, entre colchetes, as três primeiras letras do sobrenome do autor, seguidas de dois últimos algarismos do ano de publicação do trabalho. Exemplo: [HEV 90] 12.4 Ilustrações São consideradas ilustrações: gráficos figuras fluxogramas fórmulas quadros tabelas 12.4.1 Apresentação gráfica As ilustrações devem ser apresentadas de forma clara e legível tanto no original como nas cópias a serem obtidas. Os títulos e legendas que acompanham as ilustrações, devem acompanhar a nitidez do texto. Para ilustrações que não possam ser apresentadas de acordo com as presentes normas, deverão ser consultados o professor e a biblioteca. Serão indicadas no texto por (tab.1) para tabelas e por (fig.1) para figuras. a) Tabelas O título da tabela precederá a mesma. A fonte, caso tenha, situa-se logo abaixo da tabela. É obrigatória a indicação da fonte quando a tabela não for elaborada pelo autor. As tabelas devem ser abertas nas laterais. Caso algum valor tabulado mereça explicação, esta poderá ser salientada por um asterisco abaixo da tabela (colocar o mesmo símbolo ao lado direito e acima do valor em destaque). Quando uma tabela ocupar mais de uma página, não será delimitada na parte inferior repetindo-se o cabeçalho na página seguinte. Para maiores
  • informações sobre a apresentação de tabelas consultar a "Norma para apresentação tabular" do IBGE. Exemplo: 12.4.2 Numeração As ilustrações são numeradas com a série natural dos números inteiros, a partir de um (1). Os números, por tipo de ilustração, devem ser seqüênciais em cada capítulo. Ex. Capítulo 11, Tabela 11.1, Tabela 11.2... Fórmulas só serão numeradas quando isto contribuir para uma maior clareza do texto. 12.4.3 Título Toda ilustração deve ser mencionada no texto e possuir um título, colocado abaixo da mesma, com exceção da tabela. 12.4.4 Localização As ilustrações deverão ser localizadas preferencialmente, no próprio texto onde são referenciadas. Dependendo do volume de ilustrações a serem apresentadas, as mesmas poderão ser reunidas em um anexo. Deixar algum espaço entre a figura e o texto para separar os dois blocos de informação. 12.5 Anexos São constituídos por material suplementar ao texto, colocados após o mesmo, para fins de esclarecimento ou documentação. Não constituem parte essencial para o entendimento do trabalho e podem ser formados por conjuntos de tabelas muito detalhados para sua inclusão no texto, notas técnicas sobre métodos, esquemas, cópias de documentos geralmente não acessíveis ao leitor, estudos de casos muito longos, figuras, listagens, e quaiquer outros materiais ilustrativos. Cada Anexo é designado pela palavra Anexo seguido de seu número de ordem. Exemplo: ANEXO 1 Folha de Rosto de Dissertações e Teses ANEXO 2 Folha de Rosto de Trabalho Individual 12.6 Glossário Constitui-se de uma lista em ordem alfabética, de palavras especiais, de sentido pouco conhecido ou obscuro ou mesmo, de uso muito restrito, ou palavras em inglês acompanhadas de suas respectivas definições. Quando o glossário se fizer necessário, deverá ser colocado depois dos anexos e antes da bibliografia. 12.7 Referências Bibliográficas & Bibliografia
  • Referência bibliográfica é um conjunto de elementos que permite a identificação de documentos utilizados, no todo ou em parte, pelo autor de um trabalho. A correta e completa identificação de um texto facilitará o processo de sua localização e obtenção por um leitor interessado. Exemplos de referências bibliográficas são encontrados no Anexo 11. É recomendado ainda a consulta a NBR 6023 da ABNT. Como regras gerais na apresentação das referências bibliográficas considerar: 1) A partir da segunda linha os dados são colocados debaixo da terceira letra da entrada; 2) Os vários conjuntos de elementos da referência bibliográfica devem ser separados entre si por "ponto", seguindo de um espaço; 3) Utilizar letras maiúsculas para: • sobrenome(s) principal do(s) autor(es), • nomes de entidades coletivas que são autoras, • primeira palavra da referência quando a entrada é pelo título, • títulos de eventos (Congressos, Encontros, etc) São considerados elementos essenciais a identificação de um documento: • autor; • título; • edição; • local, editora e data de publicação; • paginação inicial e final, quando se tratar de capítulo ou parte de um documento. São considerados elementos complementares: • paginação do documento no todo; • notas que esclarecem quanto a forma do documento, por exemplo: teses, entrevistas, resenhas. 12.7.1 Chamada no texto No texto, após a última palavra da idéia ou citação utilizada, colocar, entre colchetes, as três primeiras letras do sobrenome do autor seguida dos dois últimos algarismos do ano de publicação do trabalho. Se o documento não apresentar ano de publicação, registrar a década aproximada. Ex: [AGR 77] [AGR 7?] Em caso de citação de dois ou mais trabalhos do mesmo autor, com o mesmo ano de publicação, diferenciar cada um utilizando letras minúsculas após o ano de publicação. Ex: [NAV 74] e [NAV 74a] Quando na citação, as três primeiras letras do sobrenome de um autor coincidem com outro autor, diferenciar usando como 3ª letra da chamada a 1ª letra do prenome de um dos autores. Ex: NAVALE, Philippe [NAV 91] NAVARRO, José [NAJ 91] Recomenda-se não utilizar notas de rodapé para referências bibliográficas, reunindo todas na Bibliografia final do trabalho. 12.7.2 Arranjo das Referências Bibliográficas As referências bibliográficas, em ordem alfabética de autor e título para todo tipo de documento consultado constituem a bibliografia incluída no final do trabalho. Na bibliografia, não usar entrada de travessão, para o mesmo autor.
  • 13 Dissertação/Tese 13.1 Tiragem inicial Dois meses, no mínimo, antes de expirar o prazo para a apresentação da dissertação/tese o seu julgamento deverá ser requerido à Comissão Coordenadora, em ofício dirigido ao Coordenador do PPGC. O ofício deverá ser acompanhado, de tantos exemplares da dissertação/tese, quantos forem os membros da banca examinadora. Os exemplares já deverão ser editados conforme estas normas. Por ocasião da defesa da dissertação/tese, a banca examinadora poderá determinar que, sejam feitas correções e alterações no texto. 13.2 Tiragem definitiva No prazo estabelecido pela banca examinadora, após a defesa da dissertação/tese, o candidato deverá entregar, ao presidente da mesma, o texto corrigido. O texto é encaminhado à Biblioteca do Instituto de Informática/PPGC para o parecer final quanto a sua apresentação física. A biblioteca fornecerá um atestado, o qual juntamente com o texto deverá ser encaminhado à Secretaria do PPGC. Após a homologação da dissertação ou tese, pela Comissão Coordenadora do PPGC, serão feitas 10 (dez) cópias do original editado, na Pró-Reitoria de Pós-Graduação (PROPG). 13.3 Cadastro O aluno deverá solicitar à secretaria do Curso o FORMULÁRIO DE CADASTRO DE TESES do Ministério da Educação e Cultura, que será preenchido e entregue na secretaria antes da defesa da dissertação. 13.4 Folha com as assinaturas dos Membros da Banca Examinadora Usada somente para dissertações e teses. Deve ser a última página do trabalho, colocada imediatamente antes da contracapa (Anexo 12). Esta folha é fornecida pela Secretaria do PPGC, para ser assinada pelos componentes da banca após a defesa.
  • 14 Trabalho Individual O Trabalho Individual visa estimular a criatividade e desenvolver a habilidade para a pesquisa, através da busca de soluções para problemas de interesse e respectiva publicação dos resultados ou através da realização de pesquisa bibliográfica, com exposição sintética das idéias encontradas e análise crítica e comparativa do material. Todo trabalho individual originará uma publicação interna, que deverá ser apresentada (editada, margens, bibliografia, etc.) tendo por base estas normas. A primeira folha terá o formato descrito no Anexo 2. Os resumos português e inglês deverão ser no máximo de 500 palavras e deverão conter ainda as palavras-chave nos respectivos idiomas. A capa externa será a capa usual do PPGC, adquirida na Secretaria do PPGC. Cada trabalho individual, receberá um número fornecido pela Secretaria do PPGC. Antes da impressão final consultar esta Secretaria para obtê-lo. Deverão ser entregues na Secretaria do PPGC duas cópias do trabalho (uma das quais em brochura).
  • 15 Relatório de Pesquisa É considerado Relatório de Pesquisa todo aquele documento oriundo de uma pesquisa e que possua um nível que justifique sua distribuição externa. Ex: artigos do tipo enviados a congressos nacionais, internacionais, revistas, etc... O enquadramento dentro desta categoria será solicitado pelo autor orientador. O trabalho deverá ser entregue editado de acordo com estas normas. A primeirafolha terá o formato descrito no Anexo 3. A segunda folha deverá conter um resumo do trabalho em português e em inglês; e uma lista de palavras-chave que identifiquem o conteúdo do texto. O relatório possuirá numeração própria fornecida pela Biblioteca. O texto poderá ser em língua portuguesa, em língua inglesa em outra a critério do orientador do trabalho. Um original, em folhas soltas, deverá ser entregue à Biblioteca que fará divulgação para as instituições interessadas.
  • 16 Exame de Qualificação O Exame de Qualificação constará de uma monografia, de não menos que 50 páginas e não mais que 150 páginas, na qual o doutorando deverá comprovar proficiência: em abrangência numa área de conhecimento; em profundidade, num tema de pesquisa escolhido dentro da área. Maiores informações sobre o conteúdo serão fornecidas pelo orientador. A monografia deverá ser editada de acordo com estas normas. A primeira folha (folha de rosto) terá o formato descrito no Anexo 4. O Exame de Qualificação receberá um número fornecido pela Secretaria do PPGC. Deverão ser entregues nesta Secretaria duas cópias, uma das quais em brochura. A capa deverá ser adquirida neste mesmo local.
  • 17 Projeto de Diplomação O Projeto de Diplomação representa a consolidação dos conhecimentos adquiridos, pela realização de um trabalho típico da área de Computação, sob a orientação de um professor. A estrutura do trabalho deverá ser a seguinte: folha de rosto (Anexo 5); dedicatória e agradecimentos opcionais; sumário; lista de figuras; lista de tabelas; resumo e abstract acompanhados por palavras-chave; introdução; análise dos trabalhos já realizados sobre o mesmo tema; desenvolvimento; conclusões e sugestões para trabalhos futuros; bibliografia. O Trabalho deverá ser editado de acordo com estas normas. Três cópias deverão ser entregues à Secretaria da COMGRAD/CIC, antes da apresentação do trabalho. Após a apresentação e aprovação, uma cópia deverá ser entregue à Secretaria da COMGRAD/CIC que encaminhará, posteriormente, à Biblioteca.
  • ANEXOS Anexo 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO Um Estudo para a Implantação de Variáveis Hierárquicas na Linguagem ALGOL B6700/B7700 por CARLOS LUIS VASQUES DA SILVA Dissertação submetida à avaliação, como requisito parcial para a obtenção do grau de Mestre em Ciência da Computação Prof. Felipe Castro Orientador Prof. Paulo Amaral Co-orientador Porto Alegre, setembro de 1988.
  • Anexo 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO TOLK Uma Linguagem para Implementação de Sistemas Multiprogramas em Microcomputadores por JOSÉ ANTONIO MACHADO T.I 01 PPGC-UFRGS Trabalho Individual I Prof. Sergio Pacheco Orientador Porto Alegre, março de 1990.
  • Anexo 3 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Informática Programa de Pós-Graduação em Computação O Simulador de Arquiteturas Hipercúbicas iPSC/2 MANUAL DO USUÁRIO por Cezar Monteiro RP-180 Maio/92 Relatório de Pesquisa ÓRGÃOS FINANCIADORES: (se for o caso) UFRGS - II - PPGC Caixa Postal 15064 - CEP 91509-900 Porto Alegre - RS - BRASIL Telefone: (051) 316-6155 Fax: (051) 319-1776 Email: PGCC@INF.UFRGS.BR
  • Anexo 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO Programação orientada a agentes por ANALíA A. AMANDI Exame de Qualificação EQ-02 PPGC-UFRGS Profa. Ana Price Orientadora Porto Alegre, maio de 1996.
  • Anexo 5 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Sistemas Multiprogramas em Microcomputadores por RICARDO SOUZA Projeto de Diplomação Prof. Abílio da Silva Orientador Porto Alegre, dezembro de 1996.
  • Anexo 6 Sumário
  • Anexo 7 Lista de Abreviaturas abs. absoluto CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico fig. figura IES Instituição de Ensino Superior pg. página
  • Anexo 8 Lista de Símbolos Procedência maior Procedência menor Procedência igual Beta Sinal de parágrafo
  • Anexo 9 Lista de Figuras
  • Anexo 10 Lista de Tabelas
  • Anexo 11 Exemplos de Referências Bibliográficas Monografia no todo Livros e Anais de Congresso ( Autor. Título. Edição. Local de Publicação: editora, ano de publicação ). BRADLEY, N. The XML Companion. 3rd ed. Boston: Addison-Wesley, 2002. FIELDS, D. K.; KDLB, M. A. Desenvolvendo na Web com JavaServer Pages. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2000. OLIVEIRA, R. S. de; CARISSIMI, A. da S.; TOSCANI, S. S. Sistemas Operacionais. 2.ed. Porto Alegre: Instituto de Informática da UFRGS: Sagra Luzzatto, 2001. 247 p. ( Série Livros Didáticos, n.11 ). SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS MULTIMÍDIA E HIPERMÍDIA, SBMÍDIA, 7., 2001, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC: SBC, 2001. NATIONAL CONFERENCE ON ARTIFICIAL INTELLIGENCE, AAII, 17., 2000. Proceedings... Menlo Park, CA: AAAI Press: The MIT Press, 2000. Parte de Monografia Capítulo ( Autor do capítulo. Título do capítulo. In: Autor/Editor/Organizador do livro. Título do livro. Edição. Local de publicação: editora, ano de publicação ). LUBASZEWSKI, M.; COTA, E. F.; KRUG, M. R. Teste e Projeto Visando o Teste de Circuitos e Sistemas Integrados. In: REIS, R. A. da L. (Ed.) Concepção de Circuitos Integrados. 2.ed. Porto Alegre: Instituto de Informática da UFRGS: Sagra Luzzatto, 2002. p. 167-189. ROESLER, V.; BRUNO, G. G.; LIMA, J. V. de. ALM: Adaptative Layering Multicast. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS MULTIMÍDIA, SBMÍDIA, 7., 2001, Florianópolis. Anais. Florianópolis: UFSC: SBC, 2001. p. 107-121. PFEFFER, A.; KOLLER, D. Semantics and Inference for Recursive Probability Models. In: NATIONAL CONFERENCE ON ARTIFICIAL INTELLIGENCE, AAII, 17., 2000. Proceedings... Menlo Park, CA: AAAI Press: The MIT Press, 2000. Dissertações, teses, trabalhos individuais, etc. MENEGHETTI, E. A. Uma Proposta de Uso da Arquitetura Trace como um Sistema de Detecção de Intrusão. 2002. 105 f. Dissertação ( Mestrado em Ciência da Computação ) – Instituto de Informática, UFRGS, Porto Alegre. SABADIN, R. da S. QoS em Serviços de Suporte por Frame Relay. 2000. 35 f. Trabalho Individual ( Mestrado em Ciência da Computação ) – Instituto de Informática, UFRGS, Porto Alegre. OTERO, I. M. Desenvolvimento de Sistema Cliente-Servidor em Camadas Utilizando Software Livre. 2003. 55 f. Projeto de Diplomação ( Bacharelado em Ciência da Computação ) – Instituto de Informática, UFRGS, Porto Alegre. Artigo de periódico GONÇALVES, L. M. G.; CESAR JUNIOR, R. M. Robótica, Sistemas Sensorial e Motos: principais tendências e direções. Revista de Informática Teórica e Aplicada, Porto Alegre, v.9, n.2, p. 7- 36, out. 2002. JANOWIAK, R. M. Computers and Communications: a symbiotic relationship. Computer, New York, v.36, n.1, p. 76-79, Jan. 2003. Em meio eletrônico LISBOA FILHO, J.; IOCHPE, C.; BORGES, K. Reutilização de Esquemas de Bancos de Dados em Aplicações de Gestão Urbana. IP – Informática Pública, Belo Horizonte, v.4, n.1, p.105-119, June 2002. Disponível em: < http://www.ip.pbh.gov.br/ip0401.html >. Acesso em: set. 2002. RFC
  • CALLAGHAN, B.; PAWLOWSKI, B.; STAUBACH, P. NFS Version 3 Protocol Specification: RFC 1831. [S.l.]: Internet Engineering Task Force, Network Working Group, 1995. Norma INSTITUTE OF ELECTRICAL AND ELECTRONIC ENGINEERING. IEEE 1003.1c-1995: information technology – portable operating system interface (POSIX), threads extension [C language]. New York, 1995. Observações Quando existirem mais de três autores, indica-se apenas o primeiro, acrescentando-se a expressão et al. Ex.: URANI, A. et al. Em casos em que a menção dos nomes for indispensável para certificar a autoria é facultado indicar todos os nomes. Em caso de autoria desconhecida, a entrada é feita pelo título. Ex.: DIAGNÓSTICO do Setor Editorial Brasileiro. São Paulo: Câmara Brasileira do Livro, 1993. Quando houver uma indicação de edição, esta deve ser transcrita, utilizando-se abreviaturas dos numerais ordinais e da palavra edição, ambas na forma adotada na língua do documento. Ex.: SCHAM, D. Schawm’s Outline of Theory and Problems. 5th ed. New York: Schawm Publishing, 1956. PEDROSA, I. Da Cor à Cor Inexistente. 6. ed. Rio de Janeiro: L. Cristiano, 1995. Não sendo possível determinar o local (cidade) de publicação, utiliza-se a expressão sine loco, abreviada, entre colchetes [S.l.]. Quando a editora não puder ser indicada, deve-se indicar a expressão sine nomine, abreviada, entre colchetes [s.n.]. Quando o local e a editora não puderem ser identificados, utilizam-se [S.l.:S.n.]. Fonte: NBR6023 Elementos importantes: Autor, assunto, local, instituição, dia, mês e ano; e a indicação do que se trata. Sugestões de título para esta seção: Outras Fontes Outras Fontes de Consulta Outras Informações Informações não bibliográficas Outras fontes não impressas
  • Anexo 12 LAC - Linguagem de Agentes Concorrentes. por Ahmed Ali Abdalla Esmin Dissertação apresentada aos Senhores: ____________________________________ Prof. Dr. Cláudio José de Lima ____________________________________ Prof. Dr. Jean-Marie Barco (UFSC) ____________________________________ Prof. Dr. Sergio Macedo Vista e permitida a impressão. Porto Alegre, ___/___/___. ____________________________________ Prof. Dr. Antonio Castro, Orientador.
  • 18 CITAÇÕES Há duas formas de se fazer uma citação): a citação indireta ou livre (também chamada de paráfrase) e a citação direta ou textual. Pode haver, ainda, a citação de citação. Todas as citações devem trazer a identificação de sua autoria. CITAÇÃO INDIRETA ou LIVRE (paráfrase) Chamamos de citação indireta ou livre (paráfrase) aquela citação na qual expressamos o pensamento de outra pessoa com nossas próprias palavras. Após fazermos a citação, devemos indicar o nome do autor, em letras minúsculas, se estiver no corpo do texto, e com letras maiúsculas, se estiver dentro dos parênteses, juntamente com o ano da publicação da obra em que se encontra a idéia por nós referida. Não são indicadas páginas já que a idéia pode estar sendo resumida de uma obra inteira, de um capítulo, de diversas partes ou de um conjunto delas. Desta forma (com o nome no corpo do texto): Depois de analisar a situação, Nóvoa (1993) chegou a afirmar que o brasileiro ainda não está capacitado para escolher seus governantes por causa de sua precária vocação política e da absoluta falta de escolaridade, já que o homem do povo, o zé-povinho, geralmente não sabe sequer em quem votou nas últimas eleições, não sabe sequer quem são seus governantes, não saber sequer quem determina seu próprio meio de sobreviver. Ou, então, (com o nome nos parênteses): Depois de analisar a situação, chegou-se a afirmar que o brasileiro ainda não está capacitado para escolher seus governantes por causa de sua precária vocação política e da absoluta falta de escolaridade, já que o homem do povo, o zé-povinho, geralmente não sabe sequer em quem votou nas últimas eleições, não sabe sequer quem são seus governantes, não saber sequer quem determina seu próprio meio de sobreviver (NÓVOA, 1993). No caso de o autor possuir outras obras, elas serão diferenciadas pela data da publicação. Havendo mais de uma obra no mesmo ano, acrescentamos uma letra após a data. No caso do teatro ou do cinema quem melhor se definiu foi Antunes (1997-a) quando declarou que aqueles espaços haviam sido todos tomados pela geração de 40. Por outro lado, ele próprio se contradisse, mais tarde, (1997-b), como já se contradissera noutras ocasiões, ao referir-se às decisões tomadas pelos autores da geração de 50. Isso é uma incongruência com a qual convivemos há muito tempo. Quando, no transcorrer do texto, em citações indiretas ou livres, se faz menção, seguidas vezes, ao mesmo autor, na mesma obra, não é necessário que se repita a indicação do ano. O nome do autor deve ser escrito em letras minúsculas quando apresentado no próprio texto e com letras maiúsculas quando apresentado dentro dos parênteses.
  • CITAÇÃO DIRETA ou TEXTUAL (transcrição)São chamadas de citações diretas ou textuais aquelas em que se transcrevem exatamente as palavras do autor citado. As citações diretas ou textuais podem ser breves ou longas. São consideradas breves aquelas cuja extensão não ultrapassa três linhas. Essas citações devem integrar o texto e devem vir entre aspas. O tamanho da fonte (letra) da citação breve permanece o mesmo do corpo do texto (pitch 12). Vimos que, para nosso esclarecimento, precisamos seguir os preceitos encontrados, já que Guimarães estabelece: "A valorização da palavra pela palavra encarna o objetivo precípuo do texto literário" (1985, p. 32) e, se isso não ficar bem esclarecido, nosso trabalho será seriamente prejudicado. Ou assim: Vimos que, para nosso esclarecimento, precisamos seguir os preceitos encontrados, já que ficou estabelecido que "a valorização da palavra pela palavra encarna o objetivo precípuo do texto literário" (GUIMARÃES, 1985, p.32) e, se isso não ficar bem esclarecido, nosso trabalho será seriamente prejudicado. As citações com mais de três linhas são chamadas de longas e devem receber um destaque especial com recuo (reentrada) de 4cm ou dezesseis toques, da margem, mais cinco toques para o início do parágrafo. As citações longas, por já terem o destaque do recuo (reentrada), não deverão ter aspas e o tamanho da fonte (letra) deve ser menor que o do texto: pitch 10. A distância entre as linhas do corpo da citação deve ser de um espaço simples. Entre o texto da citação e o restante do trabalho, deve-se deixar dois espaços duplos, antes e depois, Uma citação longa terá essa apresentação: Há uma certa dificuldade quanto ao reconhecimento de O, A, OS, AS como pronomes demonstrativos, mas essa dúvida é muito bem dirimida por Fernandes: Os pronomes O, A, OS e AS passam a ser pronomes demonstrativos sempre que numa frase puderem ser substituídos, sem alterar a estrutura dessa frase, respectivamente, por ISTO, ISSO, AQUILO, AQUELE, AQUELES, AQUELA, AQUELAS (1994, p. 19.). Havendo supressão de trechos dentro do texto citado, faz-se a indicação com reticências entre colchetes [...]: "Na comunicação diária, aquela comunicação que utilizamos no dia-a-dia, junto de nossos familiares e amigos, por exemplo, além da referencialidade da linguagem [...] há pinceladas de função conativa" (CHALHUB , 1991, p. 37). No início ou no fim da citação, as reticências são usadas apenas quando o trecho citado não é uma sentença completa. Entende-se por sentença completa aquela que o autor elaborou, com todos os seus elementos, isto é, uma sentença que contenha sujeito, predicado e seus complementos gramaticais exigidos. Caso contrário, se a sentença for completa, no início ou no termino de citação, não se deve fazer o uso das reticências. É óbvio que se trata de parte de um todo, que se retirou um trecho, portanto, não há necessidade de se indicar com as reticências.
  • Encerrava seu discurso nomeando os que figuurariam somente nos exercício gerais, citando palavras de ordem, dentre as quais pudemos entender: ... muitas mortes, desaparecimentos e desolação haverão de varrer este pais de norte a sul, de lesta a oeste e nada restará para a posteridade que sentirá a falta de um elo (MORGADO, 1967). Mais adiante, aquilo que mais chocou a todos quanto o ouviam: Arrasem com tudo, queimem tudo, ponham tudo abaixo, destruam com tudo, não poupem ninguém, nem crianças, nem mulheres, nem velhos... (MORGADO, 1967). Se a citação for usada para completar uma sentença do autor do Trabalho, esta terminará em vírgula e aquela iniciará sem a entrada de parágrafo e com letra minúscula. A secretária ameaçou, dizendo que, da próxima vez, a máquina ficará sem as peças de reposição, se ele não chegar e disser o que precisa ser dito, uma vez que não estou aqui para servir de adivinha para seus caprichos desencontrados e sem nexo. (MARQUES, 1982, p. 34). Caso o texto do autor do Trabalho seja uma continuação da citação, esta terminará por vírgula e o texto reiniciado sem entrada de parágrafo e com letra minúscula. Os gramáticos são claros quando assumem uma posição quanto ao emprego do pronome oblíquo no início de oração. Cegalla (l 991, p. 41 9) diz claramente que: Iniciar a frase com o pronome átono só é lícito na conversação familiar, despreocupada, ou na língua escrita, quando se deseja reproduzir a fala dos personagens, porém nós sabemos que na prática não é bem assim que acontece - as normas, rigorosamente, são esquecidas por quase todos os usuários do idioma falado, principalmente nas ocasiões informais. Quando houver uma citação dentro de outra citação, as aspas da segunda transformam-se em aspas simples ( ' ) (apóstrofo3). Quando dentro da citação transcrita houver aspas, estas também são mudadas para aspas simples. "O termo 'espaço', de um modo geral, só dá conta do lugar físico onde ocorrem os fatos da história" (VILARES, 1991, p, 23). Se for feita alguma interpelação, acréscimo ou comentário durante a citação, deve-se fazê-lo entre colchetes [ ]: Também chamado de corpo do trabalho, [o desenvolvimento] tem por finalidade expor, demonstrar e fundamentar a expiicitação do assunt(i a ser abordado. É normalmente dividido em seções ou capítulos, que variam de acordo com a natureza do assunto. (GARCIA, 2000, p. 17.).
  • Se algum destaque (grifo, negrito, itálico ou sublinhado) for dado, deve-se indicá-lo com a expressão grifo nosso, entre colchetes: A primeira citação de uma obra deve ter sua referência bibliográfica completa. As subseqüentes citações da mesma obra podem ser referendadas de forma abreviada, desde que não haja referências intercaladas de outras obras do mesmo autor (NBR 6023-2000) [grifo nosso]. Caso o texto citado traga algum tipo de destaque dado pelo autor do trecho, devemos usar a expressão grifo do autor, entre colchetes. A verdadeira felicidade é encontrada nos pequenos detalhes que vão se somando dia após dia de convivência com o ser amado (GUERRERO, 2000, p. 12) [grifo do autor]. Quando o texto citado for composto por informações orais obtidas em aulas, palestras, debates, comunicações, etc. deve-se, entre parênteses, colocar a observação informação oral, mencionando-se os dados disponíveis em nota de rodapé: Eichenberg constatou que, na costa do Rio Grande do Sul, especialmente no litoral norte, há a presença abundante de conformes fecais, especialmente nos meses do verão (informação oral). Essa presença tem causado graves transtornos a todos os veranistas. Se for o caso de se fazer menção a algo contido em polígrafos, apostilas ou quaisquer materiais avulsos, faz-se a indicação do nome do autor, quando for possível sua identificação, acrescentando-se a observação ‘polígrafo’, ‘material de propaganda’, ‘panfleto’, etc. Procede-se da mesma forma com relação à data. Indica-se, se houver, caso contrário, registra-se s.d. (sem data). As ações longas (mais de três linhas) não recebem aspas letra é menor (tamanho 10) do que a do texto (tamanho 12) CITAÇÃO de CITAÇÃO Se, num Trabalho, for feita uma citação de alguma passagem já citada em outra obra, a autoria deve ser referenciada pelo sobrenome do autor original seguido da palavra latina apud (que significa segundo, conforme, de acordo com) e o sobrenome do autor da obra consultada. Dessa última, faz-se a referência completa (NBR6O23). "O sistema consiste em colocar o recém-nascido no berço, ao lado da mãe, logo após o parto ou algumas horas depois, durante a estada de ambos na maternidade" (HARUNARI apud GUARAGNA, 1992, p. 79). Temos aí palavras de Harunari que foram sido citadas por Guaranga e que estão sendo utilizadas, agora, no meu trabalho. 3 Não confundir a palavra apóstrofo que é o sinal ( ‘ ), com apóstrofe que é uma figura de linguagem que consiste na interpelação ou invocação do leitor, ouvinte ou outra pessoa rio decorrer de um texto. Fonte: FURASTÉ, Pedro Augusto. Normas Técnicas para o Trabalho Científico: explicitação das normas da ABNT. Porto Alegre: [s.n.], 2002. p. 49-56.