TIPOGRAFIA

7,528 views

Published on

Published in: Design
0 Comments
14 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
7,528
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
34
Actions
Shares
0
Downloads
25
Comments
0
Likes
14
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

TIPOGRAFIA

  1. 1. Profa. Andrea Dalforno
  2. 2. IntroduçãoA tipografia (do grego typos —"forma" — e graphein — "escrita") éa arte e o processo de criação nacomposição de um texto, física oudigitalmente.Uma composição tipográfica deveser especialmente legível evisualmente envolvente, semdesconsiderar o contexto em que élido e os objetivos da sua publicação.
  3. 3. Terminologia tipográficaLinha de base (baseline) Linha das descendentes (descender line)Linha onde os corpos dos caracteres que não têm Linha paralela a linha de base onde a maioria dasdescendentes se apoiam. descendentes (descenders) de um caractere alcançam. Nem todas as descendentes atingem esta linha, particularmente a subcategoria com cauda.Main lineLinha paralela a linha de base onde a altura de x (x- Linha da caixa alta (cap line)height) termina. Linha paralela a linha de base (baseline), alcançada pela maioria das letras maiúsculas em um typeface.Altura de x (x-height) Pode ou não ser a mesma que a linha dasDistância entre a linha de base (baseline) e a main ascendentes.line. Compreende a altura dos caracteresminúsculos. Corpo (body) Altura máxima do conjunto dos caracteres de umaLinha das ascendentes (ascender top line) fonte, incluindo as áreas destinadas às ascendentes,Linha paralela à linha de base (baseline) onde a descendentes, e, eventualmente, a acentuação oumaior ascendente alcança. Pode ou não ser a mesma espaço de respiro, além das linhas descendentes,linha da caixa alta (cap line ou cap height line). ascendentes e capitais.ROCHA, Claudio. Projeto tipográfico. Análise e produção de fontes digitais. São Paulo: Rosari, 2002.A Casa do Tipo. Morfologia e classificação tipográfica. www.acasadotipo.com.br. Versão 3.0, 2004.
  4. 4. ROCHA, Claudio. Projeto tipográfico. Análise e produção de fontes digitais. São Paulo: Rosari, 2002.A Casa do Tipo. Morfologia e classificação tipográfica. www.acasadotipo.com.br. Versão 3.0, 2004.
  5. 5. Terminologia tipográficaExtenders Eixo (eixo de estricção, axis ou stress)São as ascendentes e as descendentes, Efeito causado pela variação da espessuracompreendendo as partes estendidas de strokes. Característicos nas letras b, c, e,para cima e para baixo nos caracteres g, o, p. O ângulo do stress pode serminúsculos. determinado desenhando uma linha através das partes mais estreitas de um caractere no topo e na base. Fontes sem diferença na espessura de strokes não tem stress. O eixo definido pela inclinação resultante da escrita manual é chamado de eixo humanista e o eixo vertical é conhecido como racionalista.ROCHA, Claudio. Projeto tipográfico. Análise e produção de fontes digitais. São Paulo: Rosari, 2002.A Casa do Tipo. Morfologia e classificação tipográfica. www.acasadotipo.com.br. Versão 3.0, 2004.
  6. 6. Terminologia tipográficaOlho (counter) Terminal (terminal)É o espaço interno de algumas letras do São formas em semicírculos encontradasalfabeto. Podem ser fechados como nas nas extremidades superiores das letras a, cletras a, d, o e b ou aberto como nas e f e nas extremidades inferiores das letrasletras h, n, u e c. j, r e y. Podem assumir a forma de bola (ball terminal), de bico (beak terminal) ou de lágrima (teardrop ou lacrimal terminal).ROCHA, Claudio. Projeto tipográfico. Análise e produção de fontes digitais. São Paulo: Rosari, 2002.A Casa do Tipo. Morfologia e classificação tipográfica. www.acasadotipo.com.br. Versão 3.0, 2004.
  7. 7. Terminologia tipográficaSerifa (serif)Traço colocado no início ou no final dahaste de uma letra. Podem ser unilateraisou bilaterais. Existem diversas formas deserifa e entre elas temos: Curva (adnate ou brackted): que flui suavemente na junção com a haste. Reta (abrupt ou straight): sua junção com a haste é em ângulo de 90 graus. Slab serif: tem a mesma espessura da haste e pode ter junção em curva ou reta. Triangular (wedge): são serifas em forma de cunha ou triangulares. Hairline: tem a espessura fina em relação à haste.ROCHA, Claudio. Projeto tipográfico. Análise e produção de fontes digitais. São Paulo: Rosari, 2002.A Casa do Tipo. Morfologia e classificação tipográfica. www.acasadotipo.com.br. Versão 3.0, 2004.
  8. 8. A classificação tipográfica proposta pelo grupo A CASA DO TIPO é estruturalmente derivada do modelo BS 2961 comalgumas adaptações decorrentes das necessidades verificadas durante o estudo.A Casa do Tipo. Morfologia e classificação tipográfica. www.acasadotipo.com.br. Versão 3.0, 2004.
  9. 9. 1 Serifadas 1.1 Humanistas Forma arredondada das letras, traço modulado, eixo humanista, pouco contraste entre as variações de espessura, altura de x relativamente pequena, barra do caractere e levemente inclinada, serifas geralmente apoiadas e côncavas podendo apresentar extremidades com acabamento reto, arredondado ou em ângulo. 1.2 Garaldes Eixo de estricção do o levemente inclinado, barra do caractere e paralela à linha de base, contraste acentuado entre as variações de espessura, altura de x levemente maior que nas humanistas.
  10. 10. 1 Serifadas 1.3 Transicionais Fortemente situadas entre as garaldes e as didones, eixo de estricção vertical ou suavemente inclinado, serifas mais finas e planas com acabamento agudo. 1.4 Didones Desprovidas de características manuscritas, eixo de estricção racionalista (perpendicular à linha de base), contraste muito acentuado entre as variações de espessura, traços que emergem de formas abruptas, counters pequenos e terminais redondos. 1.5 Mecânicas Ampla mancha gráfica, serifas espessas e horizontais (slab serif), desenhos simples, eixo de estricção racionalista.
  11. 11. 2 Lineares (não serifadas) 2.1 Grotescas Desenhos volumosos e pouco refinados, contrastes de espessura bem definidos, bastante usadas no século XIX para títulos, manchetes de jornais etc. 2.2 Neo-Grotescas Sutis diferenças entre as grotescas. Desenhos mais projetados, minimização dos contrastes entre variação de espessura para tomar as formas mais elegantes. Seus projetos previam as distorções de impressão e o caractere g não apresenta barriga na parte inferior.
  12. 12. 2 Lineares (não serifadas) 2.3 Geométricas Inspirada nas formas geométricas, contrastes monolíneos, linhas e curvas modulares repetidas nos demais caracteres, expressão dos ideais modernistas, eixos racionalistas. 2.4 Humanistas Contraste mais definido entre as variações de espessura, relacionadas às inscrições romanas e às minusculas das garaldes e venesianas.
  13. 13. 3 Decorativas Desenhos originais, com fortes características ilustrativas, que não necessariamente resultam em famílias tipográficas completas.
  14. 14. 4 Manuscritas Imitam ou sugerem desenhos feitos à mão, nesta categoria encontram-se também os tipos denominados caligráficos.
  15. 15. 5 Símbolos Decorrentes principalmente do ambiente digital, essa categoria tipográfica é composta por fontes cujos caracteres originais são substituídos por ilustrações, ícones, símbolos, expressões, etc.
  16. 16. 6 Não Latinas Representam línguas, cuja escrita não se apresenta por meio de caracteres latinos. Ex.: Chineses, Árabes, Japoneses, etc.
  17. 17. Legibilidade e LeiturabilidadeAs letras maiúsculas e minúsculas temuma grande influência na legibilidade dotexto. Nossa leitura consiste emreconhecer o formato geral das palavras. Textos em maiúsculos são retângulos monótonos pouco distintos que não atraem a atenção do olhar. Textos em minúsculo é mais legível porque exploramos a parte superior das palavras. A utilização de letras maiúsculas nas inicias de cada palavra quebra a exploração das formas das palavras. Legibilidade depende do topo das letras. Letras maiúsculas quebram a leitura .

×