Industrialização
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
3,460
On Slideshare
3,460
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
208
Comments
0
Likes
6

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. INDUSTRIALIZAÇÃO
  • 2. O QUE É INDÚSTRIA?  Conjunto de atividades produtivas que se caracterizam pela transformação de matérias-primas, de modo manual ou com auxilio de máquinas e ferramentas, no sentido de fabricar mercadorias
  • 3. A IMPORTÂNCIA DAS INDÚSTRIAS Tem grande importância para economia dos países desenvolvidos e emergentes pois: Contribui em torno de 30% do PIB Desenvolve a economia pois gera empregos direta e indiretamente Gera impostos fortalecendo as contra públicas Desenvolve o comércio local Produz novas tecnologias Pode avaliar o nível de desenvolvimento de um país. Todos os setores da economia dependem do setor industrial
  • 4. IMPACTOS NEGATIVOS DA INDÚSTRIAS  Contribui para a degradação do meio ambiente  As indústrias Multinacionais podem interferir na economia de um país através do seu domínio econômico e político.  Provoca mudanças no consumo, fazendo com que as pessoas passem a adquirir o que for de interesse das indústrias.
  • 5. MODOS DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL  INDÚSTRIA ARTESANAL É a produção de caráter familiar na qual o artesão possui os meios de produção (sendo o proprietário da oficina e das ferramentas) e trabalha com a família em sua própria casa, realizando todas as etapas, desde o preparo da matéria-prima até o acabamento final , ou seja, não havendo divisão do trabalho ou especialização para a confecção de algum produto.
  • 6. INDÚSTRIA MANUFATUREIRA (SEC. XVII E XVIII)  A manufatura resultou da ampliação do consumo , que levou o artesão a aumentar a produção e o comerciante a dedicar-se à produção industrial.  O manufatureiro distribuía a matéria-prima e o artesão trabalhava em casa, recebendo pagamento combinado. Esse comerciante passou a produzir.  Primeiro, contratou artesãos para dar acabamento aos tecidos; em seguida tingir; depois tecer e, finalmente, fiar. Surgiram fábricas com assalariados sem controle sobre o produto de seu trabalho.  A produtividade aumentou por causa da divisão social, isto é, cada trabalhador realizava uma etapa da produção
  • 7. INDÚSTRIA MAQUINOFATUREIRA (SEC. XVIII)  Introduziu definitivamente o sistema de fábrica, em substituição á produção manufatureira. Os trabalhadores passam a ser reunidos em um só lugar: a fábrica  Na maquinofatura, o trabalhador estava subordinado ao regime de funcionamento da máquina e à gerência direta do empresário. A produtividade multiplicou com a mecanização da mãode-obra, o produto final barateou e o desemprego cresceu.
  • 8. 1ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL – SEC. XVIII (1750) Area de ocorrência: Inglaterra  Fonte de energia: carvão  Utilização de máquinas a vapor  Indústria principal: Têxtil  Introdução dos teares mecânicos e da maquina a vapor, ferrovias e navios a vapor  Eram localizadas próximas as reservas de carvão 
  • 9. SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (SEGUNDA METADE DO SECULO XIX) Área de ocorrência: EUA  Fonte de energia: petróleo  Marcada pela invenção da eletricidade  Expansão dos mercados, necessidade de novas fontes de matérias-primas  Expansão das indústrias de base: Metalúrgia, siderúrgicas, automobilísticas, petrolíferas etc.  Linha de montagem e especialização do trabalho  Maior divisão do trabalho  Colonialismo europeu 
  • 10. TERCEIRA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (1970 AOS DIAS ATUAIS)            Área de ocorrência: países ricos (EUA, Japão e Europa) Modernização da atividade industrial, maciços investimentos em pesquisa Revolução tecnológica, concentrada nas telecomunicações, informática e nos transportes Uso de energias alternativas não poluentes: eólica, solar, nuclear etc. Introdução de novos materiais: fibra óptica, ligas metálicas etc. Desenvolvimento de novos segmentos fabris: informática, microeletrônica, biotecnologia, química fina Robotização da produção Especialização e qualificação da mão-de-obra Produção flexível
  • 11. TIPOS DE INDUSTRIALIZAÇÃO Clássica : É aquela que surgiu na Inglaterra no séc. XVIII, formada pelos países que iniciaram o processo de industrialização e detém o domínio de tecnologia avançada. Ex.: Países Europeus, EUA e Japão no séc. XIX.  Tardia : Formada por países subdesenvolvidos que só iniciaram sua industrialização na segunda metade do séc. XX após a 2ª Guerra Mundial. Ex.: Brasil, Argentina , México , China, Tigres Asiáticos etc 
  • 12. AS INDUSTRIAS DE TRANSFORMAÇÃO SÃO DIVIDIDAS EM  INDÚSTRIAS DE BENS DE PRODUÇÃO  INDÚSTRIAS DE BENS DE CAPITAL  INDÚSTRIAS DE BENS DE CONSUMO
  • 13. INDÚSTRIAS DE BASE OU BENS DE PRODUÇÃO  São aquelas que fornecem bens, equipamentos e matérias-primas que alimentam outras indústrias  Transformam matérias-primas ou energia em produtos que vão ser usados pelas indústrias de bens de capital ou de consumo.  Localizam-se perto das fontes fornecedoras ou dos portos e ferrovias, onde fica fácil a recepção das matérias e a saída da produção.  Ex: as siderúrgicas, as metalúrgicas, petroquímicas, material de construção etc.
  • 14. INDÚSTRIAS DE BENS DE CAPITAL    Esse tipo de indústria produz máquinas e equipamentos que serão utilizados pelas indústrias leves ou pesadas. Essas indústrias localizamse principalmente perto de seus consumidores, nos centros industriais. Ex.: Maquinarias , autopeças, motores, componentes eletrônicos etc.
  • 15. INDÚSTRIAS DE BENS DE CONSUMO  Produzem produtos para o consumo em geral. Dividem-se em: Bens duráveis móveis, eletrodomésticos, automóveis, etc. Bens Semi-duráveis Vestuário, acessórios, calçados etc. Bens Não duráveis alimentos, bebidas, etc.  Abrigam a maior parte dos trabalhadores e atingem um amplo mercado consumidor. Por isso, encontram-se nas cidades médias ou em centros urbanos.
  • 16. Indústria tradicionais
  • 17. INDÚSTRIAS MODERNAS
  • 18. OS FATORES LOCACIONAIS  São as vantagens que um determinado lugar oferece para a instalação de indústrias  Matérias-primas: minerais e agrícolas  Energia: petróleo , gás, eletricidade etc.  Tecnologia: parques tecnológicos , universidades, centros de pesquisa e desenvolvimento(P&D)  Mão de Obra: pouco qualificada (baixa remuneração) ou muito qualificada ( alta remuneração)  Mercado consumidor: relacionado a quantidade de pessoas e disponibilidade de renda.  Logística: disponibilidade e custos de transporte e armazenagem  Rede de telecomunicações: telefonia , internet, etc.  Complementaridade: proximidade de indústrias afins  Incentivos fiscais: redução ou isenção de impostos concedida pelo Estado
  • 19. A DESCONCENTRAÇÃO DA ATIVIDADE INDUSTRIAL  Saída de indústrias dos grandes centros econômicos tradicionais onde os custos de produção sejam menores , devido principalmente:  A possibilidade de pagamentos de salários mais baixos. Preços dos terrenos mais baixos. Aonde a infra-estrutura não esteja saturada. Onde não haja grandes congestionamentos Facilidade de obter matéris-primas      No Brasil essa descentralização ocorre principalmente com empresas saindo da dos grandes centros para o interior dos seus Estado e de outra regiões como a Região Nordeste
  • 20. O atual estágio desenvolvimento logístico de transportes e de telecomunicações levou a maior integração e aumento da interdependência entre os diversos lugares do espaço geográfico mundial, permitindo o surgimento de indústrias globalizadas. Desse modo, uma indústria automobilística japonesa pode conceber um projeto num centro de P&D localizado no Japão ou nos Estados Unidos, desenvolvê-lo num desses países, na Europa ou na China, realizar a produção das diversas peças em uma dúzia de países de acordo com as vantagens que ofereçam, escolher alguns deles para realizar a montagem final e garantir suas vendas em escala mundial. Globaliza-se , assim , não só o mercado como também a produção. O que não é produzido em dado país ou dada região acaba sendo procurado fora. Da mesma forma o aumento da produção exige a ampliação do mercado, que de nacional passa a ser continental ou mundial
  • 21. TAYLORISMO, FORDISMO E TOYOTISMO (JUST IN TIME)
  • 22. TAYLORISMO     Organização científica do trabalho criada pelo engenheiro norte-americano Frederick W. Taylor. Ele propunha uma intensificação da divisão do trabalho, ou seja, fracionar as etapas do processo produtivo de modo que o trabalhador desenvolvesse tarefas ultra especializadas e repetitivas diferenciando o trabalho intelectual do trabalho manual. Objetivava um controle sobre o tempo gasto em cada tarefa e um constante esforço de racionalização, para que a tarefa seja executada num prazo mínimo. Portanto, o trabalhador que produzisse mais em menos tempo receberia prêmios como incentivos.
  • 23. FORDISMO  Fordismo é um sistema de produção, criado pelo empresário norteamericano Henry Ford, cuja principal característica é a fabricação em massa. Henry Ford criou este sistema em 1914 para sua indústria de automóveis, projetando um sistema baseado numa linha de montagem  O objetivo principal deste sistema era reduzir ao máximo os custos de produção e assim baratear o produto, podendo vender para o maior número possível de consumidores pagando salários mais altos.  Desta forma, dentro deste sistema de produção, uma esteira rolante conduzia o produto, no caso da Ford os automóveis, e cada funcionário executava uma pequena etapa. Logo, os funcionários não precisavam sair do seu local de trabalho, resultando numa maior velocidade de produção.  Também não era necessária utilização de mão-de-obra muito capacitada, pois cada trabalhador executava apenas uma pequena tarefa dentro de sua etapa de produção.
  • 24.  O fordismo foi o sistema de produção que mais se desenvolveu no século XX, sendo responsável pela produção em massa de mercadorias das mais diversas espécies.  Durante a crise de 1929 a intervenção do Estado na economia nos moldes do Keynesianismo foi a solução encontrada. Esse novo arranjo assentado no combate ao desemprego e no constante aumento dos salários.  Enquanto para os empresários o fordismo foi muito positivo, para os trabalhadores ele gerou alguns problemas como, por exemplo, trabalho repetitivo e desgastante, além da falta de visão geral sobre todas as etapas de produção e baixa qualificação profissional  Na década de 1980, o fordismo entrou em declínio com o surgimento de um novo sistema de produção mais eficiente. O Toyotismo, surgido no Japão, seguia um sistema enxuto de produção, aumentando a produção, reduzindo custos e garantindo melhor qualidade e eficiência no sistema produtivo.  .
  • 25. TOYOTISMO  Toyotismo é um sistema de organização voltado para a produção de mercadorias. Criado no Japão, após a Segunda Guerra Mundial, pelo engenheiro japonês Taiichi Ohno,  O sistema foi aplicado na fábrica da Toyota (origem do nome do sistema).  O Toyotismo espalhou-se a partir da década de 1960 por várias regiões do mundo e até hoje é aplicado em muitas empresas  O toyotismo tinha como elemento principal, a flexibilização da produção. Ao contrário do modelo fordista, que produzia muito e estocava essa produção, no toyotismo só se produzia o necessário, reduzindo ao máximo os estoques.  Essa flexibilização tinha como objetivo a produção de um bem exatamente no momento em que ele fosse demandado, no chamado Just in Time.  A palavra de ordem passa a ser a a competitividade e , para aumentala, as empresas buscam racionalizar a produção, cortando custos e implementando novos processos produtivos nas indústrias  Dessa forma, ao trabalhar com pequenos lotes, pretende-se que a qualidade dos produtos seja a máxima possível. Essa é outra característica do modelo japonês: a Qualidade Total.
  • 26. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO TOYOTISMO  Mão-de-obra multifuncional e bem qualificada. Os trabalhadores são educados, treinados e qualificados para conhecer todos os processos de produção, podendo atuar em várias áreas do sistema produtivo da empresa.  Sistema flexível de mecanização, voltado para a produção somente do necessário, evitando ao máximo o excedente. A produção deve ser ajustada a demanda do mercado e descentralizada.   Uso de controle visual em todas as etapas de produção como forma de acompanhar e controlar o processo produtivo.  Implantação do sistema de qualidade total em todas as etapas de produção. Além da alta qualidade dos produtos, busca-se evitar ao máximo o desperdício de matérias-primas e tempo.  Aplicação do sistema Just in Time, ou seja, produzir somente o necessário, no tempo necessário e na quantidade necessária.  Uso de pesquisas de mercado para adaptar os produtos às exigências dos clientes.