• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Contabilidade
 

Contabilidade

on

  • 1,137 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,137
Views on SlideShare
1,137
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
62
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Contabilidade Contabilidade Document Transcript

    • Jorge Katsumi Niyama César Augusto Tibúrcio Silva (Organizadores) CONTABILIDADE PARA CONCURSOS E EXAME DE SUFICIÊNCIA Material para o site Exercícios resolvidos e comentados São Paulo Editora Atlas S.A. - 2013
    • SUMÁRIO 1 − CONTABILIDADE GERAL, 4 2 − COMENTÁRIOS SOBRE AS QUESTÕES DE DIREITO PÚBLICO E PRIVADO, 23 3 − QUESTÕES DO CAPÍTULO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA RESOLVIDO, 28 4 − EXERCICIOS RESOLVIDOS E COMENTADOS − TEORIA DA CONTABILIDADE, 31 5 − CONTABILIDADE INTERNACIONAL − RESPOSTAS COMENTADAS DOS EXERCÍCIOS, 34 6 − EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E COMENTADOS − CONTABILIDADE DE CUSTOS, 36 7 − RESPOSTAS DOS EXERCÍCIOS − CONTABILIDADE GERENCIAL, 45 8 − EXERCICIOS RESOLVIDOS E COMENTADOS, 51 9 − EXERCICIOS RESOLVIDOS E COMENTADOS − AUDITORIA CONTÁBIL, 57 10 − COMENTÁRIOS SOBRE O CAPÍTULO DE PERÍCIA, 60 11 − LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL, 64 Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   3
    • CONTABILIDADE GERAL EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E COMENTADOS ---------------------------------------- O passivo, por sua vez, representará toda origem dos recursos, seja oriunda de capital de terceiros (empréstimos, financiamentos, fornecedores) ou de capital próprio (acionistas ou sócios) cada qual exigindo uma taxa de retorno pela cessão dos recursos entregue à empresa, e nesse sentido, possuem natureza credora (trecho extraído do Capítulo de Contabilidade Geral). Questão 1 – Alternativa “a”. Comentários. Dessa forma, tem-se: Total do Passivo Circulante e Não Circulante − $ 13.400,00 (capital de terceiros), que representa 67% do passivo total. total. Total do Patrimônio Líquido − $ 6.600,00 (capital próprio), que representa 33% do passivo Total do Passivo − $ 20.000,00 Questão 2 – Alternativa “b”. Comentários: O ativo imobilizado deve ser composto por bens que se destinem ao desenvolvimento das atividades operacionais da empresa, do qual se espera que sua utilização seja pelo período superior a um exercício, fazendo parte os bens em operação e aqueles em andamento ou desenvolvimento pela empresa detentora do mesmo. Imobilizado A alternativa “a” remete ao conceito de intangível, conta criada com a promulgação da Lei 11.638/2007. A alternativa “c” ao mencionar − não gerar benefícios econômicos futuros – contraria o próprio conceito de ativo. Já a alternativa “d” contraria o conceito de imobilizado ao mencionar o fato de − não ter substância econômica, enquanto que a alternativa “e” contraria a ideia de se imobilizar um item pelo fato de afirmar que o mesmo deve possuir vida útil inferior a um ano, bem como pelo fato de afirmar − poder ou não gerar benefícios econômicos futuros. O ativo é composto por bens (caixa, mercadorias, terrenos, imóveis, entre outros) e por direitos (bancos, duplicatas, notas promissórias, investimentos, entre outros) que por sua vez “devem” sua existência ao passivo e patrimônio líquido (origem de recursos) (trecho extraído do Capítulo de Contabilidade Geral). Questão 3 – Alternativa “b”. Comentários: Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   4
    • A partir do conceito anteriormente atribuído, pode-se listar como itens que fazem parte do Ativo: • Caixa – R$ 1.000,00 • Contas a Receber até 360 dias – R$ 2.000,00 • Imobilizado – R$ 2.000,00 • Depreciação – R$ 500,00 • Provisão para Crédito de Liquidação Duvidosa – R$ 300,00 • Ativo Total – R$ 4.200,00 Para as contas de ativo, é importante destacar que: depreciação e provisão para crédito de liquidação duvidosa são contas redutoras de ativo, e, portanto, possuem natureza credora. O passivo, por sua vez, representará toda origem dos recursos, seja oriunda de capital de terceiros (empréstimos, financiamentos, fornecedores) ou de capital próprio (acionistas ou sócios) cada qual exigindo uma taxa de retorno pela cessão dos recursos entregue à empresa, e nesse sentido, possuem natureza credora. O patrimônio líquido é o valor residual decorrente da diferença entre ativo e passivo, e é dividido em: capital social; reserva de capital; ajustes de avaliação patrimonial; reserva de lucros; ações em tesouraria e prejuízos acumulados (trechos extraídos do Capítulo de Contabilidade Geral). A partir do conceito anteriormente atribuído, pode-se listar como itens que fazem parte do Passivo: • Contas a Pagar até 90 dias – R$ 1.000,00 • Salários a Pagar – R$ 300,00 • Financiamentos a Longo Prazo – R$ 2.000,00 • Capital Social – R$ 1.000,00 • Lucro Acumulado – R$ 700,00 • Passivo Total – R$ 5.000,00 • Patrimônio Líquido – R$ 1.700,00 – representado pelas contas de Capital Social e Lucro Acumulado. Vale mencionar que, pelas alterações promovidas pelas Leis 11.638/2007, a sociedade deverá dar uma destinação ao lucro líquido do exercício de forma a não mais deixá-lo de forma acumulada sem destinação específica (Lei 6.404/76, artigo 202, §§ 5º e 6º). Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   5
    • Para as contas de ativo tem-se: Questão 4 – Alternativa “c”. Comentários: • Estoques – $ 12.000,00 • Gastos diferidos − $ 50.000,00 • Impostos a recuperar − $ 8.000,00 • Obras em andamento − $ 22.000,00 • Adiantamento a fornecedores − $ 14.000,00 • Total do Ativo − $ 106.000,00 Vale mencionar que, no caso do diferido, o artigo 299-A da lei societária disciplina que o saldo existente em 31 de dezembro de 2008 que, pela sua natureza, não puder ser alocado a outro grupo de contas, poderá permanecer no ativo sob essa classificação até sua completa amortização, sujeito ao teste de recuperabilidade (trecho extraído do Capítulo de Contabilidade Geral). Para as contas de passivo tem-se: • Fornecedores − $ 4.000,00 • Adiantamentos de clientes − $ 24.000,00 • Financiamentos bancários − $ 18.000,00 • Total do Passivo − $ 46.000,00 Assim sendo, como o patrimônio líquido resulta da diferença existente entre os valores apurados no ativo e no passivo, tem-se o valor de R$ 60.000,00 para esta conta, e, portanto, tem-se a letra C como alternativa correta. Considere a seguinte equação para apuração do custo das mercadorias vendidas: Questão 5 – Alternativa “c”. Comentários: CMV = Estoque Inicial + Compras Líquidas do Período – Estoque Final À medida que há uma subestimação do valor do estoque inicial do período, há por consequência um menor valor resultante na apuração do custo da mercadoria vendida. Assim, com uma apuração menor do custo da mercadoria vendida, haverá uma menor dedução das receitas brutas e, portanto, um maior lucro bruto e líquido. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   6
    • Dados do exercício: Questão 6 – Alternativa “e”. Comentários: Saldo existente de mercadorias – 2.000 unidades Custo unitário das mercadorias – $ 60,00 Foi realizada a venda de 1.500 unidades, e desse modo tem-se como custo das mercadorias vendidas um valor total de $ 90.000,00 (1.500 unidades × $ 60,00). Ao elaborar parte da demonstração do resultado do exercício, tem-se nesse momento: • Receita Bruta de Vendas − $ 150.000,00 • (−) Custo das Mercadorias Vendidas − $ 90.000,00 • Lucro Bruto − $ 60.000,00 Após a concretização da venda, o cliente decidiu devolver 20% da compra, que resulta na entrada de 300 unidades de mercadorias (1.500 unidades × 20%) pelo valor de $ 18.000,00 (Custo unitário − $ 60,00 × 300 unidades). Após essas operações o exercício pergunta o valor monetário e em unidades dos estoques de mercadorias. Como saldo inicial tinha-se 2.000 unidades, das quais foram vendidas 1.500 unidades, ficando um saldo de 500 unidades. Como foram devolvidas 300 unidades, tem-se um saldo final de 800 unidades. Como o método de apuração dos estoques é o custo médio unitário ($ 60,00 a unidade) tem-se um saldo final de 800 unidades a $ 60,00 a unidade (800 unidades × $ 60,00 a unidade = 48.000,00) Considere a seguinte equação para apuração do custo das mercadorias vendidas: Questão 7 – Alternativa “b”. Comentários: CMV = Estoque Inicial + Compras Líquidas do Período – Estoque Final A alternativa que representa a referida equação é a letra B. Dados do exercício: Questão 8 – Alternativa “a”. Comentários: Valor da venda a vista – $ 100,00 Sobre o valor da venda desconto de 10% Custo da mercadoria vendida – $ 50,00 Lançamentos contábeis do evento ocorrido Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   7
    • Quanto ao reconhecimento da venda a vista, com desconto de 10% sobre o valor da venda (Venda – $ 100,00 × 10% = Desconto Concedido de $ 10,00): • D Caixa • D Descontos Concedidos • C Receita de Venda $ 90,00 $ 10,00 $ 100,00 Quanto ao reconhecimento do custo da mercadoria, bem como ao desconto concedido: • D CMV • C Estoque de Mercadorias $ 50,00 Vale ressaltar que a conta de descontos concedidos é uma conta redutora de receita bruta de vendas, como pode ser observado na estrutura de demonstração do resultado do exercício contido no Capítulo de Contabilidade Geral. A composição do custo dos produtos ou mercadorias registrados em estoque deve “incluir todos os custos de aquisição e de transformação, bem como outros custos incorridos para trazer os estoques à sua condição e localização atuais” (CPC 16(R1), § 10), devendo-se levar em conta: Questão 9 – Alternativa “a”. Comentários: a. Tributos não recuperáveis – na aquisição os produtos adquiridos sofrem incidência de tributos, que, dependendo do regime de tributação da adquirente os mesmos não poderão ser recuperados ou compensados posteriormente e, portanto, comporão o custo dos referidos produtos (trechos extraídos do Capítulo de Contabilidade Geral). 1º − Aquisição de 20 unidades a $ 20,00 cada, com destaque de 18% de ICMS*. Total das Compra − $ 400,00 Total do ICMS − $ 72,00 Total das Mercadorias − $ 328,00 Custo Médio Unitário − $ 16,40 ($328,00 ÷ 20) 2º − Aquisição de 30 unidades a $ 25,00 cada, com destaque de 18% de ICMS*. Total das Compra − $ 750,00 Total do ICMS − $ 135,00 Total das Mercadorias − $ 615,00 Custo Médio Unitário − $ 18,86 ([$328,00 + 615,00] ÷ 50) Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   8
    • Para a apuração do custo médio unitário por ocasião da compra de mercadorias no 2º evento, há necessidade de se adicionar o saldo existente de mercadorias cujo valor é de $ 328,00 relativos a 20 unidades. 3º − Venda de 15 unidades a R$ 50,00 cada, com destaque de 18% de ICMS.* (*) ICMS (Impostos sobre circulação de mercadorias e serviços) Tendo em vista que essa companhia adota o método do custo médio ponderado variável, o custo da mercadoria vendida, relativo à 3ª operação é de: Considerando o custo medido unitário apurado ao final do segundo evento, o custo da mercadoria vendida pode ser assim atribuída: • Quantidade de mercadorias vendidas = 15 unidades; • Custo unitário das mercadorias = $ 18,86; • Custo das mercadorias vendidas = $ 282,90 (15 × $ 18,86) • Assim sendo, tem-se a letra A como alternativa correta. PEPS ou FIFO – nesse sistema o controle é realizado a partir da ordem de entrada de mercado, considerando que as primeiras a entrarem no estoque serão as primeiras a serem vendidas, ou seja, Primeiro que Entra, Primeiro que Sai (FIFO – First-In-First-Out) (trecho extraído do Capítulo de Contabilidade Geral). Questão 10 – Alternativa “e”. Comentários: Para apuração do custo das mercadorias vendidas no dia 12, há necessidade de se apurar o custo das mercadorias vendidas no dia 8, para o qual tem-se: • Venda de 40 unidades ao custo unitário de $ 10,00 (em razão da compra do dia 5) − $ 400,00. Fica um saldo remanescente de 10 unidades ao custo unitário de $ 10,00. • Apuração do custo das mercadorias vendidas do dia 12: a. 10 unidades a $ 10,00 relativas à compra do dia 5 b. 25 unidades a $ 13,00 relativas à compra do dia 6 c. 5 unidades a $ 15,00 relativas à compra do dia 10 = $ 100,00; = $ 325,00; = $ 75,00; d. Custo das mercadorias vendidas − soma de (a+b+c) = $ 500,00 Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   9
    • Denominadas também como despesas pagas antecipadamente, tais valores representam despesas ainda não incorridas, porém pagas ou compromissadas com um terceiro. A necessidade do registro da referida conta se deve em respeito ao princípio da competência, no qual, farão parte do resultado do exercício somente os valores efetivamente incorridos, independentemente de seu pagamento. Questão 11 – Alternativa “a”. Comentários: Nesse caso, pode inclusive ter havido o pagamento total de tais despesas. Entretanto, elas dizem respeito a exercícios ou períodos subsequentes; não podendo, desta forma, fazer parte da apuração do resultado antes que sejam incorridas (trecho extraído do Capítulo de Contabilidade Geral). Dados do exercício: • Valor do contrato de seguro no período de junho a maio de 2004 – R$ 2.400,00 • Apropriação de despesas de seguros no período de junho a dezembro de 2004 – R$ 1.400,00; • Apropriação de despesas de seguros no período de janeiro a maio de 2005 – R$ 1.000,00; • Valor do contrato de seguro no período de junho a maio de 2005 – R$ 2.400,00 • Apropriação de despesas de seguros no período de junho a dezembro de 2005 – R$ 1.400,00; • Saldo de despesas pagas antecipadamente – R$ 1.000,00 • Total das despesas de seguros no período de 2005 – R$ 2.400,00 (pela soma dos contratos celebrados no período de 2004 e 2005). Pelo método de equivalência patrimonial o reconhecimento dos dividendos a receber deve ser registrado a crédito de investimentos avaliados pelo MEP, uma vez que na investida ao reconhecer o valor de dividendos a distribuir (passivo circulante) deverá realizar o registro de reconhecimento de dividendos a distribuir o que provoca uma diminuição em seu patrimônio líquido; o que por sua vez impacta no valor do investimento permanente. Questão 12 – Alternativa “a”. Comentários: No caso do exercício em questão, verifica-se que a etapa precedente de reconhecimento dos dividendos a receber não foi realizada, dado que não consta alternativa para tal. Desse modo, no momento do recebimento dos dividendos, o lançamento a crédito deve ser na conta de investimentos, representado pelo seguinte lançamento. D – Bancos C – Investimentos Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   10
    • Assim sendo, tem-se a letra A como alternativa correta. Vale destacar que, a alternativa “b” não representa o que se pede, pelo menos por dois motivos: 1) o reconhecimento do resultado positivo da equivalência patrimonial (receita operacional) ocorre no momento em que ocorre a variação do patrimônio líquido da investida e não no momento em que há o reconhecimento da distribuição de dividendos, e 2) a referida receita é operacional. No caso da alternativa “c”, ressalta-se que não existe a conta – dividendos recebidos, além de que, ao realizar um crédito em Bancos, verifica-se a saída de recursos e não sua entrada. Já na alternativa “d” não faz sentido primeiro porque a conta – dividendos recebidos não existe, bem como, a conta – lucros acumulados a crédito ocorre como contrapartida do fechamento do resultado do exercício. Por fim, a alternativa “e” um lançamento a débito em investimentos ocorre como contrapartida na variação do patrimônio líquido da investida e não no momento da distribuição dos dividendos. Para ser considerada empresa coligada, basta que a investidora atenda um ou outro desses itens: (a) tenha influência significativa, caracterizada pela ingerência no planejamento operacional e financeiro da mesma; (b) representação no conselho de administração ou diretoria; (c) fornecimento de informação técnica necessária para o desenvolvimento das atividades operacionais; ou, simplesmente, (d) detenha 20% ou mais das ações com direito a voto. Questão 13 – Alternativa “a”. Comentários: • Método de equivalência patrimonial – deverão ser avaliados pelo método de equivalência patrimonial os investimentos permanentes que possam se caracterizar por investimentos em coligadas ou controladas (Lei 6.404/76, Art. 248) (trechos extraídos do Capítulo de Contabilidade Geral). Dados do exercício: Cia Padrão possui 90% de participação na Cia Projetada, cujo PL em janeiro de 2005 estava avaliado em R$ 1.000,00. A Cia. Projetada, durante o ano de 2006, apresentou: • Pagamento de dividendos de R$ 40,00 em abril de 2006. • Lucro líquido de R$ 150,00. • Dividendos aprovados em assembleia geral referente ao ano de 2006 de R$ 60,00. Como a Cia. Padrão possui 90% de participação na Cia. Projetada, há necessidade de que o investimento seja avaliado pelo método de equivalência patrimonial. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   11
    • A partir dos eventos ocorridos na Cia. Projetada no ano de 2006, a Cia. Padrão realizou os seguintes lançamentos (a título de exemplificação): • Pelo reconhecimento na variação do PL em razão do lucro líquido de R$ 150,00. Como a Cia. Padrão tem 90%, foi reconhecido R$ 135,00 à título de resultado positivo de equivalência patrimonial. D Investimentos em Cias. Controladas (investimentos permanentes) C Resultado positivo de equivalência patrimonial (conta de receita) R$ 135,00 • Pagamento de dividendos no valor de R$ 40,00. Como a Cia. Padrão tem 90%, foi reconhecido o recebimento de R$ 36,00. D Banco C Investimentos em Cias. Controladas (investimentos permanentes) R$ 36,00 • Dividendos aprovados em assembleia geral referente ao ano de 2006 de R$ 60,00. Como a Cia. Padrão tem 90%, foi reconhecido R$ 54,00 à título de dividendos a receber. D Dividendos a receber (ativo) C Investimentos em Cias. Controladas (investimentos permanentes) R$ 54,00 A partir das mutações ocorridas, o saldo existente em investimentos permanentes em Cias. Controladas é de R$ 945,00. O saldo final existente em 2006, refere-se ao resultado dos seguintes valores: • (+) Valor do investimento pela aquisição – R$ 900,00. • (+) Aumento no valor do investimento pelo reconhecimento da variação no patrimônio líquido da Cia. Projetada relativo ao lucro líquido do exercício de 2006 – R$ 135,00. • Diminuição do investimento pelo recebimento de dividendos em 2006 – R$ 36,00. • Diminuição do investimento pelo reconhecimento dos dividendos a receber deliberados em assembleia no ano de 2006 – R$ 54,00. Em investimentos serão classificadas as participações permanentes em outras sociedades e os direitos de qualquer natureza, não classificáveis no ativo circulante, e que não se destinem à manutenção da atividade da companhia ou da empresa, tais como ações de outras empresas não destinadas para venda e imóveis para renda (trecho extraído do Capítulo de Contabilidade Geral). Questão 14 – Alternativa “e”. Comentários: Desse modo, no momento em que uma empresa adquire o controle acionário de outra, esse evento é registrado no ativo como Investimento. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   12
    • A alternativa “a” é incorreta em razão de que o item imobilizado deve ser composto por bens que se destinem ao desenvolvimento das atividades operacionais da empresa, do qual se espera que sua utilização seja pelo período superior a um exercício, fazendo parte os bens em operação e aqueles em andamento ou desenvolvimento pela empresa detentora do mesmo. A alternativa “b” é incorreta por se tratar de que contas nesse item são classificadas em razão de sua liquidez que ocorre até o término do exercício social, característica que não se alinha com as participações permanentes. Vale lembrar que, se a participação for temporária, isto é, a intenção da empresa é permanecer com o investimento por um curto período, aí sim poderá ser classificado no circulante, porém, não reflete o enunciado da questão. O diferido que reflete a alternativa “c” não pode ser em razão de ter como característica gastos cuja alocação se dará em exercícios posteriores, e não reflete, portanto, um investimento permanente. No realizável a longo prazo – alternativa “d” – não são lançados os valores relativos aos investimentos permanentes. Após a contabilização da aquisição do investimento permanente pelo método de custo, o reconhecimento dos dividendos recebidos deve ser realizado como receita operacional e, como contrapartida, a conta dividendos a receber ou disponível – pelo recebimento. Questão 15 – Alternativa “c”. Comentários: Enquanto que, o valor do investimento em empresas coligadas ou controladas após o registro inicial (que são avaliados pelo método de equivalência patrimonial), será obtido pela diferença do percentual de participação existente aplicado sobre o valor do patrimônio líquido da investida, menos o valor do investimento registrado na empresa investidora. O valor obtido deverá ser registrado como receita operacional no resultado do exercício da empresa investidora (trechos extraídos do Capítulo de Contabilidade Geral com adaptações). No caso da questão em análise, tem-se no patrimônio da empresa Floresta S.A.: • Participação de 5% na empresa Araucária – avaliada pelo método de custo. • Participação de 100% na empresa Ipê – avaliada pelo método de equivalência patrimonial. Considerando tais classificações, o investimento na empresa Araucária não terá modificações, dado que está avaliado pelo método de custo. Somente são reconhecidas as contrapartidas em razão do reconhecimento/distribuição de dividendos por essa empresa. Portanto, as alternativas (A), (B), (D) e (E) que sugerem alterações no investimento de Araucária são descartados. Fica assim a análise da alternativa (C), que está correta por mencionar o aumento de R$ 3.000,00 no saldo de investimento em Ipê, ocorrido pelos seguintes eventos: Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   13
    • • Aumento de R$ 5.000,00 em razão do reconhecimento da variação do patrimônio líquido como contrapartida do lucro líquido do exercício; • Diminuição de R$ 2.000,00 em razão da distribuição dos dividendos, cuja contrapartida é em investimentos permanentes. • Assim tem-se um aumento no saldo de R$ 3.000,00 nos investimentos permanentes em Ipê. No método das quotas constantes, o valor da depreciação é alcançado pela divisão entre o valor do bem (custo) menos seu valor residual pelo período de vida útil e a alocação de seu valor é feito de modo linear. Questão 16 – Alternativa “c”. Comentários: Depreciação = Custo (–) Valor Residual ÷ Período de Vida Útil No método da soma dos dígitos dos anos, o valor da depreciação é obtido a partir da soma do número de anos de vida útil do bem (trechos extraídos do Capítulo de Contabilidade Geral). Dados do exercício: Valor dos equipamentos – R$ 60.000,00 Dada de aquisição – 01/07/X7 Vida útil – 5 anos (60 meses) • Valor da depreciação mensal pelo método das quotas constantes = R$ 1.000,00 (equivalente à divisão do valor do bem – R$ 60.000,00 – pela quantidade da vida útil em meses – 60 meses). Valor da depreciação acumulada ao final de 6 meses – R$ 6.000,00. • Valor da depreciação ao final de 6 meses apurado pelo método da soma dos dígitos = R$ 10.000,00. Para encontrar o valor da depreciação pelo método da soma dos dígitos foi utilizada a vida útil em anos (5 anos) = 1+2+3+4+5 = 15. A depreciação no primeiro ano pelo ser calculada pela divisão entre 5 e 15 (taxa de depreciação = 33,3333% no primeiro ano). Valendo-se da taxa de depreciação do primeiro ano, tem-se uma depreciação de R$ 20.000,00. Como foi alocado somente 6 meses, o valor da depreciação acumulada ao final de 31/12/X7 é igual a R$ 10.000,00. O valor dos bens classificados no imobilizado será resultado do custo necessário para que possa ser colocado em operação pela empresa. Nesse sentido, compreendem tais custos (Pronunciamento Técnico CPC 27, §§ 16 e 17): Questão 17 – Alternativa “d”. Comentários: Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   14
    • a. preço de aquisição, mais os impostos de importação e impostos não recuperáveis, frete, menos os descontos e abatimentos recebidos; b. custos necessários para seu funcionamento – custos de preparação do local, instalação, montagem e testes; c. estimativa de custos de desmontagem e remoção; d. honorários profissionais – como para o desembaraço de produtos importados, por exemplo. Além dos itens anteriormente mencionados, os bens adquiridos de terceiros por meio de financiamento, poderá ser incluído o custo de empréstimos quando esses são diretamente atribuíveis à aquisição. Quando não diretamente atribuíveis à aquisição ou em períodos posteriores ao seu funcionamento, os encargos financeiros decorrentes do financiamento devem ser reconhecidos como despesa financeira no resultado do exercício quando incorrido (Pronunciamento Técnico CPC 20, § 8º Pronunciamento Técnico CPC 27, §§ 22 e 23) (trechos extraídos do Capítulo de Contabilidade Geral com adaptações). Desse modo, são atribuíveis ao custo do equipamento no momento da aquisição: • Transporte do Equipamento – R$ 2.500,00. • Instalação e Adequação Física do Equipamento – R$ 3.000,00 • Testes de Funcionamento do Equipamento – R$ 330,00. Como o custo de aquisição do equipamento foi de R$ 63.000,00, o valor a ser reconhecido no ativo imobilizado resulta em R$ 71.500,00. Vale ressaltar que os encargos financeiros dos empréstimos, que inclui os juros sobre os empréstimos, devem ser reconhecidos como despesa financeira no resultado do exercício quando incorrido. Os encargos financeiros decorrentes do financiamento devem ser reconhecidos como despesa financeira no resultado do exercício quando incorrido (Pronunciamento Técnico CPC 20, § 8º Pronunciamento Técnico CPC 27, §§ 22 e 23) (trecho extraído do Capítulo de Contabilidade Geral com adaptações). Questão 18 – Alternativa “e”. Comentários: Dados do exercício: Valor da máquina a vista – R$ 10 milhões Valor pago no momento da aquisição – R$ 1 milhão Variação ocorrida no patrimônio é de 9 milhões no valor total do ativo. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   15
    • No método das quotas constantes, o valor da depreciação é alcançado pela divisão entre o valor do bem (custo) menos seu valor residual pelo período de vida útil e a alocação de seu valor é feita de modo linear. Questão 19 – Alternativa “d”. Comentários: Depreciação = Custo (–) Valor Residual ÷ Período de Vida Útil No método da soma dos dígitos dos anos, o valor da depreciação é obtido a partir da soma do número de anos de vida útil do bem (trechos extraídos do Capítulo de Contabilidade Geral). Dados do exercício: Valor dos equipamentos – não informado Vida útil – 8 anos Valor residual – R$ 110.000,00 Depreciação no ano 3 – R$ 315.000,00 Para resolver o exercício se faz necessário identificar a taxa de depreciação pelo método da soma dos dígitos no 3º ano, que é de 16,666667%, ou 0,166666667. A partir da divisão do valor da depreciação no terceiro ano (R$ 315.000,00) pela taxa de depreciação (0,166666667) é possível chegar ao valor do bem objeto de depreciação (R$ 1.890.000,00). Destaca-se que o valor residual (R$ 110.000,00) não deve fazer parte da base de cálculo da depreciação, dado que esse é o valor que a empresa espera recuperar do oitavo ano de uso. Com o valor do bem encontrado (R$ 1.890.000,00) é possível calcular o valor da depreciação pelo método linear que é de R$ 236.250,00 (R$ 1.890.000,00 ÷ 8). O ativo imobilizado deve ser composto por bens que se destinem ao desenvolvimento das atividades operacionais da empresa, do qual se espera que sua utilização seja pelo período superior a um exercício, fazendo parte os bens em operação e aqueles em andamento ou desenvolvimento pela empresa detentora do mesmo. Questão 20 – Alternativa “b”. Comentários: A alternativa “a” está incorreta por conter – despesas pré-operacionais – cuja característica diverge dos itens contidos no ativo imobilizado. A alternativa “c” por conter investimentos em ações, cuja característica dependendo da intenção, pode ser um investimento temporário ou investimento permanente. Já as alternativas “d” e “e” passam a conter itens que são classificados no intangível, que são as marcas e patentes e direitos autorais e de franquia, respectivamente. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   16
    • Aquisição de mercadorias a prazo: Questão 21 – Alternativa “e”. Comentários: D: Mercadorias C: Estoques Esse evento não altera o resultado, não gera receita futura, e altera o ativo e o passivo, mas não altera o patrimônio líquido. Questão 22 – Alternativa “b”. Comentários: Integralização do Capital D: D: C:     Caixa 60.000 Móveis e Utensílios Capital   Aquisição a prazo de material de consumo D: C:   Material de Consumo C:   C:   C:   C:   C:   ativo Investimentos em Ações 24.000 ativo Caixa 36.000 ativo Despesas com Salários 48.000   Caixa   Equipamentos Contas a Pagar Salários a Pagar   C: Aplicação Financeira Caixa   9.000       24.000         Caixa Receita Antecipada 6.000 120.000   Aplicação financeira D:   120.000 Despesas com Aluguéis Antecipados     Reconhecimento de despesa com salários D:   ativo   Adiantamento de clientes D:   9.000 Fornecedores Aquisição a vista de ações D:   ativo ativo Compra financiada de equipamentos D:   ativo 6.000 Pagamento antecipado de aluguel D: 40.000 100.000   36.000     48.000     10.000 10.000       ativo           ativo                 ativo ativo Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   17
    • Caixa Ativo Circulante Aplicações Financeiras Despesa de Aluguéis Antecipados Material de Consumo   53.000 78.000 10.000 9.000 6.000   Investimentos em Ações 184.000 Ativo Total 262.000 Ativo Não Circulante Móveis e Utensílios Equipamentos   24.000 40.000 120.000   Contratação de serviço terceirizado por 3 anos: no momento da contratação e recebimento na prestadora: Questão 23 – Alternativa “b”. Comentários: D: Caixa ou Bancos do. C: Receita Antecipada Como a receita antecipada é uma conta do passivo, registra-se no passivo o valor contrataReserva Legal = 5% do lucro líquido não superior a 20% do capital social. Questão 24 - Alternativa “c”. Comentários: 5% do Lucro líquido = R$ 140.000,00 × 5% = R$ 7.000,00 20% do Capital Social = R$ 150.000,00 × 20% = R$ 30.000,00 Como a conta Reserva Legal já tem um saldo de R$ 24.000,00, só poderão ser destinados a essa conta R$ 6.000,00. Os ajustes de avaliação patrimonial surgem como contrapartida dos registros a valor justo nos ativos e passivos submetidos a esse tipo de avaliação e que não devem, no momento de seu reconhecimento, transitar no resultado do exercício (trecho extraído do Capítulo de Contabilidade Geral). Questão 25 – Alternativa “d”. Comentários: Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   18
    • A reserva de capital é representada por valores recebidos pela empresa que não transitaram no resultado do exercício, e é composta pelas contas de ágio na emissão de ações, alienação de partes beneficiárias e pela alienação de bônus de subscrição trecho extraído do Capítulo de Contabilidade Geral). Questão 26 – Alternativa “a”. Comentários: O capital próprio é igual ao patrimônio líquido da empresa. Questão 27 – Alternativa “d”. Comentários: Patrimônio Líquido Capital Subscrito (−) Capital a Realizar Reserva Legal Reservas de Capital Retenção de Lucros (−) Ações em tesouraria Total do PL 22.927 (3.630) 350 112 2.786 (1.146) 21.399 A Demonstração do Fluxo de Caixa é composta pelos fluxos: das atividades operacionais, atividades dos financiamentos e atividades dos investimentos. Questão 28 – Alternativa “a”. Comentários: Valor da venda a prazo = R$ 110.000,00 Questão 29 – Alternativa “d”. Comentários: Taxa de juros do período de 10% = 10.000,00 = receita financeira a apropriar Valor presente da venda = Receita Bruta = R$ 100.000,00 A conta Reservas de Lucros pertence ao Patrimônio Líquido (PL) e a demonstração contábil que apresenta as mudanças que ocorreram nas contas do PL é DMPL. Questão 30 – Alternativa “b”. Comentários: Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   19
    • DFC Questão 31 – Alternativa “d”. Comentários: Fluxo das Atividades Operacionais = R$ 28.000,00 (geraram caixa) Fluxo das Atividades de Investimento= (R$ 25.000,00) (consumiram caixa) Fluxo das Atividades de Financiamento = ?? Variação no caixa e equivalentes = R$ 18.000,00 Portanto, o fluxo das atividades de financiamento = R$ 15.000,00 (geraram caixa) I. O recebimento de caixa resultante da venda de Ativo Imobilizado e Intangível é apresentado na Demonstração dos Fluxos de Caixa como atividade de investimento. Questão 32 – Alternativa “c”. Comentários: III. Uma empresa que realize uma operação de venda do seu estoque por R$ 21.000,00, que foi adquirido por R$ 11.000,00 e que, ainda, tenha incorrido em comissões sobre venda no valor total de R$ 2.000,00 apresentará na Demonstração do Resultado um Lucro Bruto de R$ 10.000,00. As despesas de comissões não reduzem o lucro bruto. O lucro bruto é resultado da venda (-) custo da mercadoria. Questão 33 – Alternativa “c”. Comentários: Propriedades para Investimento Participação Societária em Empresas Controladas Participações Permanentes no Capital de Outras Empresas TOTAL R$ 5.000,00 R$ 17.500,00 R$ 1.500,00 R$ 24.000,00 Políticas contábeis inadequadas podem ser retificadas por meio da divulgação das políticas contábeis utilizadas ou por notas ou qualquer outra divulgação explicativa. Questão 34 – Alternativa “d”. Comentários: A contabilidade deve sempre adotar políticas contábeis adequadas, e sempre de acordo com os princípios, normas e leis que a regem. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   20
    • Questão 35 – Alternativa “d”. Comentários: Demonstração do Fluxo de Caixa Atividades Operacionais Aquisição de mercadorias a vista - 16.000,00 Atividades de Investimento - Atividades de Financiamento Integralização do Capital em dinheiro 40.000,00 As atividades de financiamento geraram caixa no valor de R$ 40.000,00, enquanto que as atividades operacionais consumiram caixa no valor de R$ 16.000,00. Questão 36 – Alternativa “b”. Comentários: Demonstração do Valor Adicionado 1 Receitas 1.1 Vendas de Mercadorias, produtos e serviços 1.2 Provisão para Devedores Duvidosos - reversão/constituição 1.3 Não operacionais 2 Insumos Adquiridos de Terceiros 2.1 Matérias-primas consumidas 2.2 Custo das mercadorias e serviços vendidos 2.3 Materiais, energia, serviços de terceiros e outros 2.4 Perda/Recuperação de valores de ativos 3 Valor Adicionado Bruto 4 Retenções 4.1 Depreciação, amortização e exaustão 5 Valor Adicionado Líquido gerado pela entidade 6 Valor Adicionado Total a Distribuir 6.1 Resultado de Equivalência Patrimonial 6.2 Receitas Financeiras 7 Valor Adicionado Total a Distribuir 8 Distribuição do Valor Adicionado 8.1 Pessoal e encargos 8.2 Impostos, taxas e contribuições 8.3 Juros e aluguéis 8.4 Juros sobre o capital próprio e dividendos 8.5 Lucros retidos/prejuízo do exercício 800.000,00 800.000,00 600.000,00 600.000,00 200.000,00 8.000,00 8.000,00 192.000,00 192.000,00 65.000,00 183.100,00 3.000,00 - Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   21
    • As notas explicativas apresentam a divulgação da análise dos resultados e da posição financeira da sociedade; porém, o parecer da diretoria (ou relatório da administração) é um relatório à parte, não incluído nas notas explicativas. Questão 37 – Alternativa “a”. Comentários: Demonstração do Resultado Abrangente Questão 38 – Alternativa “d”. Comentários: Lucro Líquido do Período (-) Perdas derivadas de conversão de demonstrações contábeis de operações no exterior menos tributos sobre ajuste de conversão (+) Ganhos na remensuração de ativos financeiros disponíveis para venda líquidos dos tributos Resultado Abrangente Total R$ 270.000,00 -R$ 170.000,00 R$ 30.000,00 R$ 130.000,00 Na Demonstração do Valor Adicionado, a despesa com aluguel, a energia elétrica consumida no período e o resultado positivo da equivalência patrimonial são evidenciados, respectivamente, como remuneração do capital de terceiros; insumos adquiridos de terceiros e valor adicionado recebido em transferência. Questão 39 – Alternativa “c”. Comentários: Questão 40 – Alternativa “c”. Comentários: Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados Saldo do início do período (+) Ajuste positivo de exercícios anteriores (+) Reversões de Reservas de Lucros no exercício (+) Lucro no exercício (-) Transferências para Reservas de Lucros Reserva Legal Reserva Estatutária Outras reservas de Lucros (-) Dividendos propostos Saldo do fim do período 136.000,00 38.000,00 380.000,00 - 117.000,00 19.000,00 262.000,00 156.000,00 - Como o saldo final do período é zero, o valor que deverá ser destinado a outras reservas é R$ 262.000,00. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   22
    • COMENTÁRIOS SOBRE AS QUESTÕES DE DIREITO PÚBLICO E PRIVADO ---------------------------------------- 1) Alternativa “D” O artigo 1º da Constituição Federal eleva à condição de princípio fundamental a livre iniciativa, lado a lado com os valores sociais do trabalho. “A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático  de Direito e tem como fundamentos: IV – os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa.” A  Constituição de 1988, em seu artigo 170 dispõe: “A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa”, tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social, observados os seguintes princípios: I. soberania nacional; IV. livre concorrência; II. III. V. VI. VII. VIII. IX. propriedade privada; função social da propriedade; defesa do consumidor; defesa do meio ambiente; redução das desigualdades regionais e sociais; busca do pleno emprego; Tratamento favorecido para as empresas de pequeno porte constituídas sob as leis brasileiras que tenham sua sede e administração  no País. Parágrafo único. É assegurado  a todos o livre exercício  de qualquer atividade econômica, independentemente de autorização  de órgãos públicos, salvo nos casos previstos em lei.” 2) Alternativa “E” I. No art. 76 da CF: “O Poder Executivo é exercído pelo Presidente da República, auxiliado pelos Ministros de Estado”. Os Ministros do STF julgam matérias com as ações hábeis à realização da verificação da Constitucionalidade das Leis e Normas em face da Constituição Federal pela : Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   23
    • I. Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI). II. Ação declaratória de constitucionalidade;  (ADC). III. Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF). Em sede recursal, a Constitucionalidade poderá ser apreciada pela via do Recurso Extraordinário, interposto em face de provimento jurisdicional que represente afronta à Constituição, mas que para poder chegar ao Tribunal, passe por um rigoroso filtro, primeiramente realizado pelos Presidentes dos Tribunais de Justiça e Tribunais Federais, para que após verificada a admissibilidade do recurso, possa lhe ser dado seguimento, com o envio dos autos à Suprema Corte. Caso os referidos presidentes de tribunais neguem seguimento ao RE, há a possibilidade de se interpor Agravo de Instrumento ao Supremo Tribunal Federal; II. Incorreta pois, o art. 84, I da CF: “Compete privativamente ao Presidente da República nomear e exonerar os Ministros de Estado”. Trata-se, na verdade, de competência exclusiva do Presidente da República, a qual independe de aprovação pelo Senado. III. Art. 48, XI: “Cabe ao Congresso Nacional,com a sanção do Presidente da República, (...) dispor sobre todas as matérias de competência da União, especialmente sobre criação e extinção de Ministérios e órgãos da administração pública”. 3) Alternativa “C” I. Os elementos dos atos administrativos são competência, forma, motivo, objeto e finalidade. II. A possibilidade de controle judicial dos atos vinculados não deixa margem de dúvida, sendo plenamente cabível. Assim, a negativa de concessão de um ato a quem dele faça jus (comportamento omissivo) ou a concessão ilícita de um ato a quem não tenha preenchido os requisitos legais são hipóteses explícitas em que o Poder Judiciário poderá ser invocado a intervir  nas condutas administrativas( Francisco Falconi). Disponível em: <http://franciscofalconi.wordpress.com/2008/07/15/controle-judicial-dos-atos-administrativos-discricionarios/>. 4) Alternativa “E” A Lei 9.784/99 em seu art. 54: O direito da Administração de anular os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis para os destinatários decai em cinco anos, contados da data em que foram praticados, salvo comprovada má-fé. Dessa forma, constatada a existência de um ato da Administração Pública Federal, que seja ato de nulidade, pode ser revisado a qualquer tempo, mediante o devido processo legal. Contudo os atos práticos de boa-fé, para serem anulados precisam estar dentro do prazo de cinco anos. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   24
    • 5) Alternativa “D” A Constituição Federal, prevê em seu art. 37 os dispositivos gerais sobre administração Pública e prevê os princípios da legalidade, da impessoalidade, da moralidade da publicidade e da eficiência. a. o princípio da Legalidade prevê que os funcionários devem atuar em conformidade com os princípios constitucionais e de acordo com a lei e o direito; b. o princípio da Impessoalidade, a Administração deve manter-se numa posição de neutralidade em relação aos administrados, ficando proibida de estabelecer discriminações gratuitas. Só pode fazer discriminações que se justifiquem em razão do interesse coletivo, pois as gratuitas caracterizam abuso de poder e desvio de finalidade, que são espécies do gênero ilegalidade. c. o princípio da Moralidade, a Administração deve atuar de acordo com a lei. Tendo em vista que tal princípio integra o conceito de legalidade, decorre a conclusão de que ato imoral é ato ilegal, ato inconstitucional e, portanto, o ato administrativo estará sujeito a um controle do Poder Judiciário. d. o princípio da publicidade, a Administração tem o dever de manter plena transparência de todos os seus comportamentos, inclusive de oferecer informações que estejam armazenadas em seus bancos de dados, quando sejam solicitadas, em razão dos interesses que ela representa quando atua. “Todos têm direito a receber dos órgãos públicos informações de seu interesse particular, ou de interesse coletivo ou geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado” (art. 5º, XXXIII da CF). O prazo para que as informações sejam prestadas é de 15 dias (Lei 9051/95). Fonte: Disponível em: <http://www.webjur.com.br/doutrina/Direito_Brasil.htm#Direito_ Administrativo/Princ_pios_da_Administra__o_P_blica.htm/>. 6) Alternativa “A” No Direito Administrativo Brasileiro, o instituto da convalidação está expressamente previsto no art. 55 da Lei nº 9.784/99 (lei que regula o Processo Administrativo Federal), admitindo-se, portanto, que a Administração aproveite os atos administrativos com vícios superáveis, confirmando-os integralmente ou parcialmente. A convalidação do ato administrativo deve se pautar na observância de alguns princípios fundamentais, devendo, pois, ser aplicada com ponderação, após a análise do concreto. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   25
    • 7) Alternativa “B” Art. 4º da Lei 8.429/92 Art. 4º Os agentes públicos de qualquer nível ou hierarquia são obrigados a velar pela estrita observância dos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade e publicidade no trato dos assuntos que lhes são afetos. 8) Art. 31 da Lei 8.666/93 – documentação relativa à qualificação da situação financeira. 9) Alternativa “B” A escrituração contábil deve ser realizada com observância aos Princípios Fundamentais de Contabilidade e em conformidade com as disposições contidas nessa norma, bem como na NBC T 2.1, NBC T 2.2, NBC T 2.3, NBC T 2.4, NBC T 2.5, NBC T 2.6, NBC T 2.7 e NBC T 2.8, excetuando-se, nos casos em que couber, as disposições previstas nessa norma no que se refere a sua simplificação. As receitas, despesas e custos devem ser escriturados contabilmente com base na sua competência. 10) Alternativa “D” De acordo com a Lei 12.506/2011, o aviso-prévio será concedido na proporção de 30 dias aos empregados que tenham até 1 ano de serviço na mesma empresa, sendo de 60 dias, perfazendo um total de até 90 dias. 11) Alternativa “D”: “Fica vedada a dispensa do  empregado sindicalizado ou associado, a partir do momento do registro de sua candidatura a cargo de direção ou representação de entidade sindical ou de associação profissional, até 1 (um) ano após o final do seu mandato, caso seja eleito, inclusive como suplente, salvo se cometer falta grave devidamente apurada nos termos desta Consolidação” art. 543 §3º da CLT. O período compreendido do registro é de 60 (sessenta) dias no máximo ou de 30 (trinta) dias no mínimo, antes do término do mandato dos dirigentes sindicais em exercício, até 30 (trinta) dias após o dia da eleição. Caso haja recurso ou protesto pela Assembleia geral,dentro de 15 (quinze) dias da eleição, o prazo de contagem fica suspenso. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   26
    • 12) Alternativa “D” Conforme pronunciamento do TST, “a caracterização de grupo econômico não se restringe às relações interempresariais hierárquicas e assimétricas, bastando a existência de uma relação de coordenação entre as diversas empresas para que se configure a hipótese prevista no art. 2º da CLT”. (Notícias TST, 16.01.2004, comentários sobre o julgado do RR 534.785/1999). Ainda, existirá grupo econômico sempre que uma ou mais empresas, tendo embora, cada uma delas, personalidade jurídica própria, estiver sob a direção, controle ou administração de outra, constituindo grupo industrial, comercial ou de qualquer outra atividade econômica − CLT, art. 2º, § 2º, senão vejamos: 13) O art. 151 – CTN dispõe sobre as modalidades de suspensão da exigibilidade do crédito tributário, são elas: I. II. III. moratória;  o depósito do seu montante integral;  as reclamações e os recursos, nos termos das leis reguladoras do processo tribu- tário administrativo; IV. V. judicial;  VI. a concessão de medida liminar em mandado de segurança;  a concessão de medida liminar ou de tutela antecipada, em outras espécies de ação o parcelamento.  Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   27
    • QUESTÕES DO CAPÍTULO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA RESOLVIDO -------------------------------------------------- Questão 1 – Resposta b A taxa de retorno é de 12,5%. Pretende-se saber o “retorno total dos investimentos dos sócios” em anos. Ou seja, quanto tempo é necessário para que os sócios recuperem o valor. Duas maneiras de resolver o exercício. A primeira basta calcular o inverso da taxa de retorno ou 1/0,125. Isso corresponde a 8, que é o número de anos que os sócios irão levar para recuperar o investimento. A segunda forma é calcular 12,5% de 150 mil, que corresponde a R$ 18.750. Se todo ano os sócios obtiverem R$ 18.750, em 8 anos o capital será recuperado ou R$ 18.750 × 8 = 150 mil. Questão 2 – Resposta d É preciso transformar a taxa nominal de juros anuais em taxa mensal, conforme explicado no item 1.4 do capítulo do livro. Essa transformação é feita dividindo 12% por 12 que corresponde a uma taxa mensal de 1%. Para saber o valor do resgate, que corresponde ao valor futuro (ou montante) é necessário usar a fórmula dos juros compostos: VF = VP (1+i)n Como VP = 22000, i = 1% ao mês e n = 15 meses: VF = 22 000 × (1+0,01)15 O valor futuro é de 25 541,32. Para as situações onde se pode usar somente uma calculadora simples, uma forma de cálculo mais rápida é fazer: VF = 22 000 × (1+0,01)3 × (1+0,01)3 × (1+0,01)3 × (1+0,01)3 × (1+0,01)3 Questão 3 – Resposta c Para transformar a taxa composta em equivalente mensal utilize os conhecimentos adquiridos no item 1.4. O cálculo é o seguinte: Taxa Mensal = (1+4%)1/6 = (1,04)1/6 A resolução da raiz de seis para obter a taxa mensal deve ser feita numa calculadora financeira. Caso a prova permita somente o uso de calculadora simples, provavelmente não será possível obter o valor da raiz de seis diretamente. A sugestão para o candidato é pegar cada uma das respostas e tentar encontrar 1,04 da seguinte forma: Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   28
    • Para alternativa a => 1,005 × 1,005 × 1,005 × 1,005 × 1,005 × 1,005 = 1,0303 que não é a resposta E assim por diante. Questão 4 – Resposta d A expressão dos juros simples, conforme item 1.1 do livro, é a seguinte: VF = VP × (1 + i × n) Como VF = 30 mil, i = 5% ao mês e n = 6 meses 30.000 = VP × (1 + 0,05 × 6) = VP × 1,3 VP = 30.000 / 1,3 = 23.076,93. Questão 5 – Resposta e Temos um problema de juros compostos. A expressão é a seguinte: VF = VP (1+i)n Sendo o valor presente igual a 20 mil, a taxa de juros de 4% ao mês e o período de tempo de 3 meses: VF = 20.000 × (1 + 0,04)3 Resolvendo temos 22.498, aproximadamente. Questão 6 – Resposta c Esta é um fluxo de caixa periódico, onde se deseja encontrar o valor presente (denominado de “valor atual” no exercício). A representação gráfica seria a seguinte: Usando a fórmula do item 1.3 tem-se: Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   29
    • VP = 2.500 1,041 + 2.500 1,042 + 2.500 1,043 + 2.500 1,044 = 9.074,74 O resultado foi obtido numa planilha eletrônica, usando todas as casas decimais. O número corresponde, aproximadamente, à resposta c. Questão 7 – Resposta c Trata-se de uma questão contábil, não de matemática financeira. Acho melhor substituir. Questão 8 – Resposta d É necessário transformar a taxa de 10% ao ano, com capitalização semestral numa taxa efetiva. Isto é simples: 10% / 2 = 5% 1,05 × 1,05 = 1,1025 que corresponde a 10,25% Questão 9 – Resposta c O valor do preço a vista é de R$ 2.580; nas condições a prazo é necessário uma entrada de R$ 680. Ou seja, o valor financiado é de 1.900 ou R$ 2.580 – R$ 680. Esse financiamento será pago em 60 dias no valor de R$ 1.995. A taxa de juros simples é dada por: Juros = (1.995 / 1.900) – 1 =0,05 Mas isso é uma taxa para 60 dias. Como se pede os juros mensais, capitalização simples, tem-se que os juros seriam de 0,05/2 = 0,025 ou 2,5% ao mês. Questão 10 – Resposta e O empréstimo corresponde ao principal (ou capital) e se quer saber o montante. Usando a expressão de juros compostos: M = C × (1+i)n Sendo C = 110 mil; i = 5%; n = 3 meses. Substituindo na expressão: M = 110.000 × (1+0,05)3 = 127.338,75 Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   30
    • EXERCICIOS RESOLVIDOS E COMENTADOS TEORIA DA CONTABILIDADE -------------------------------------------------- Questão 1 – alternativa “c” A afirmação falsa é C quando menciona a desnecessidade da diferenciação de um Patrimônio particular no universo dos patrimônios existentes.Ver a questão 3 que traz afirmação correta no enunciado para fins de comparação. Questão 2 – alternativa “b” A afirmativa incorreta é a b principalmente por afirmar “ metodologia racional” e em nível qualitativo diferente das demais ciências sociais. A metodologia não é necessariamente racional e não há diferença com relação a outras ciências sociais. Questão 3 – alternativa “c” Ver item 2.1 – “a” do livro texto . As demais respostas nada tem a ver. Questão 4 – alternativa “a” Segundo o gabarito oficial é a alternativa “a” mas não encontramos na bibliografia consultada resposta sobre a questão. Questão 5 – alternativa “a” O correto é a competência já que ressalta a confrontação entre receitas e despesas, sem o recebimento ou respectivo pagamento. Os demais itens nada tem a ver . Ver também item 2.1−f do livro texto. Questão 6 – alternativa “a” A competência é a resposta correta onde reconhecemos uma despesa incorrida mas ainda não paga. Os demais princípios citados em b,c,d,e e nada tem a ver. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   31
    • Questão 7 – alternativa “e” A alternativa correta é valor de liquidação pois a empresa ao se encontrar em processo de descontinuidade deixa de avaliar seus ativos pelos métodos tradicionais e adota valores de liquidação ou venda forçada .(ver item 4 do livro texto) Questão 8 – alternativa “b” O gabarito oficial é “c”, mas em nosso entendimento é “b”, já que uma operação de leasing financeiro gera um passivo exigível representado por obrigações a pagar .O item a e e geram transações no patrimônio líquido. O item c gera uma baixa de estoque mas não gera uma obrigação. O item d aumenta o ativo (caixa ou contas a receber) e o resultado. Questão 9 – alternativa “e” Os itens a e b estão errados porque essas operações não afetam resultado nem receitas futuras. Os itens c e d estão errados porque a operação impacta ativo e passivo. Questão 10 – alternativa “a” Conforme a alternativa “a” a empresa não atendeu ao pressuposto da neutralidade já que o critério fiscal impacta os registros contábeis. Materialidade, competência e entidade nada tem a ver com a questão. Poderia eventualmente gerar duvidas com item “d” que trata de essência mas essa está vinculada de maneira geral na discussão de que a essência econômica prevalece sobre a forma jurídica, que não é o caso. Questão 11 – alternativa “ d” Esse é o gabarito oficial por contemplar a continuidade e competência como princípios. A “a” não atende porque essência e forma não são principios .Da mesma forma, reavaliação e reserva de ajuste de avaliação patrimonial não são princípios contábeis. Ocorre que atualização monetária era princípio contábil pela Resolução 750 do CFC, mas a partir da edição da Resolução 1.282 não é mais princípio. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   32
    • Questão 12 – alternativa “b” Ver item 2.1 – g do livro texto. Os demais itens não tem a ver com a questão. Razoabilidade não representa um princípio contábil. Questão 13 – alternativa “b” Apenas o item I está correto. O II está incorreto porque menciona que sejam reconhecidos em quaisquer períodos. O III porque menciona que rejeita o emprego de certo grau de precaução e o item IV menciona que os componentes do patrimônio sejam expressos em moeda estrangeira que não é o caso. Questão 14 – alternativa “a”. Quando se menciona que poderiam ser obtidos pela venda em uma transação em forma ordenada diz respeito ao (3) valor de realização ou liquidação e a única sequência em que o (3) está nessa sequência. Deve-se observar entretanto, que alguns autores tratam valor de liquidação como sendo de venda forçada. Questão 15 – alternativa “a” Isso porque menciona incorretamente que mudanças em políticas contábeis são admitidas quando requeridas pela introdução de normas contábeis aperfeiçoadas. Ora, elas podem ser feitas independentemente disso. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   33
    • CONTABILIDADE INTERNACIONAL Respostas comentadas dos exercícios -------------------------------------------------- Questão 1. Alternativa ‘d’é a correta, pois o Comitê de Pronunciamentos Contábeis, institucionalizado pelo Conselho Federal de Contabilidade, por meio da Resolução CFC nº 1.055/05, o CPC tem como objetivo “o estudo, o preparo e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de Contabilidade e a divulgação de informações dessa natureza, para permitir a emissão de normas pela entidade reguladora brasileira, visando à centralização e uniformização do seu processo de produção, levando sempre em conta a convergência da Contabilidade Brasileira aos padrões internacionais”. A CVM (alternativa a) e o IBRACON (alternativa b) estão incorretos, pois foram criados na década de 1970 e não na fase atual de globalização e internacionalização dos negócios. E a Bolsa de Valores (alternativa c) não cuida do processo de harmonização dos padrões contábeis, portanto, esse item não está correto. Questão 2. A alternativa “e” é a correta, Os outros itens estão incorretos, pois no item a, a CVM não regula entidades de grande porte, apenas as empresas de capital aberto. No item b, o CPC não emite normas (padrões), portanto, não tem poder normatizador e sim, pronunciamentos que dependem de homologação dos órgãos reguladores para tornarem-se mandatórios. No item c, o IBRACON e o CFC não emitem legalmente padrões contábeis, pois são órgãos fiscalizadores de classe (Auditoria e Contábil). No item d, as agências reguladoras podem emitir normas específicas no âmbito de sua atuação (energia elétrica, telecomunicações etc) sem ter que consultar CVM, CFC ou IBRACON. Questão 3. A alternativa “b” é a correta. Os outros itens estão incorretos, pois o IASB não é um organismo norte-americano e sim, um comitê internacional. O AICPA atua na mormatização de normas de auditoria. O AAA é uma organização que reorganiza eventos e congressos na área, mas não emite padrões contábeis. O APB deixou de existir no início da década de 1970. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   34
    • Questão 4. Todas as alternativas estão corretas, com exceção da alternativa ‘c’, pois a inflação e o sistema tributário não são indiferentes ao se analisar as diferenças no “financial reporting” entre os países. Questão 5. A alternativa “e” é a correta, pois o IASB estabelece apenas um pronunciamento conceitual básico (alternativa a, incorreta); a fundação IFRS é composta por 22 curadores e 16 países-membros (alternativa b, incorreta); não se criou princípios e sim, características inerentes às informações contábeis (alternativa c, incorreta); e o referencial conceitual não é obrigatório, mas sim, sugestivo para os diversos países (alternativa d, incorreta). Questão 6. A alternativa “a” é a correta, pois não existe diferença relevante quanto ao reconhecimento dos estoques. Nos instrumentos financeiros ainda existem diferenças (alternativa b, incorreta). Na alternativa c (incorreta), o IASB permite dois métodos: contrato completo e estágio completo, enquanto que no Brasil, permite-se apenas o segundo, por questões tributárias. O FASB inclui mais uma opção, que é o Installment Method, que difere o reconhecimento da receita até que esteja razoavelmente assegurada a sua realização financeira. Na alternativa d (incorreta), o tratamento se diferencia quanto ao tratamento dado ao impairment do ágio, algumas vezes sendo amortizado e também baixado pelo impairment. Na alternativa e (incorreta), o Brasil utilizava P&D como ativo, passando a ser similar ao IASB após a Lei 11.638/07. O FASB leva tudo a resultado. Questão 7. A alternativa “d”está incorreta, pois a conceituação está invertida (a questão solicita o item errado). O sistema common law é mais legalista, enquanto que o code law não. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   35
    • EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E COMENTADOS − CONTABILIDADE DE CUSTOS -------------------------------------------------- Questão 1: Alternativa D Segundo a Receita Federal (RIR-99 − Decreto nº 3.000 de 26 de Março de 1999, Art. 295) o contribuinte que não mantiver sistema de contabilidade de custos integrado e coordenado com a escrituração deverá avaliar os estoques: I. os de materiais em processamento, por uma vez e meia o maior custo das matérias-primas adquiridas no período de apuração, ou em oitenta por cento do valor dos produtos acabados”; II. os dos produtos acabados, em setenta por cento do maior preço de venda no período de apuração.” Veja Decreto RIR-99 Decreto nº 3.000 de 26 de Março de 1999, bem como item 6.2 – Levantamento e Avaliação de Estoques, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos. 20.000,00 Questão 2: Alternativa A Receita (−) Custo Variável = Margem de Contribuição (MC) (−) Custo Fixo = Lucro Operacional (−) Decréscimo de 5% da MC = Lucro Orçado (16.400,00) 3.600,00 (2.400,00) 1.200,00 (180,00) 1.020,00 Veja item 6.7 – Custo-Volume-Lucro, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos. Questão 3: Alternativa C − valor das compras foi − acréscimo do valor de fornecedores em 2001 foi − valor pago em 2001 foi R$ 120.000,00 R$ 9.000,00 R$ 1.191.000,00 Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   36
    • Veja item 6.1 – Terminologias Utilizadas na Contabilidade de Custos, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos. Questão 4: Alternativa A CMV = Estoque Inicial + Compras - Estoque Final 1.300.000 = EI + 1.200.000 – 90.000 EI = 1.300.000 − 1.200.000 + 90.000 EI = 190.000 Veja item 6.1 – Terminologias Utilizadas na Contabilidade de Custos, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos. Questão 5: Alternativa C Produção do período 160 unidades CMV = 51.000 EIPA = 18.000 Matéria-prima consumida= ? MOD = 20.000 CIF = 20.000 × 90% = 18.000 EFPA = 35.000 CMV= Estoque Inicial dos Produtos Acabados + Matéria-Prima Consumida + MOD + CIF – Estoque Final dos Produtos Acabados Aplicando a fórmula acima, teremos matéria − prima consumida = R$ 30.000,00 Logo, o custo dos produtos fabricados no período será o somatório de matéria-prima consumida + MOD + CIF = 68.000,00. O custo unitário será igual ao total R$ 68.000 dividido por 160 unidades fabricadas = R$ 425,00 Veja item 6.1 – Terminologias Utilizadas na Contabilidade de Custos, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   37
    • Questão 6: Alternativa E Custo de transformação representa o esforço da empresa para transformar o material em produto acabado. O custo de produção pode ser representado pela soma da mão de obra direta mais os gastos gerais de fabricação tais como mão de obra direta e indireta, energia, materiais de consumo industrial. Veja item 6.1 – Terminologias Utilizadas na Contabilidade de Custos, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos. Questão 7: Alternativa D CMV = Estoque Inicial + Compras+ Custo do Transporte de Compras – Descontos Comerciais Obtidos – Devolução e Abatimento de Compras – Estoque Final Aplicando a fórmula acima, teremos: Veja item 6.1 – Terminologias Utilizadas na Contabilidade de Custos, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos. CMV = 200 + 300 + 30 − 10 − 20 − 400 = 100 Questão 8: Alternativa B O primeiro passo é calcular o total do custo direto de produção de cada produto. Descrição Matéria-Prima Unit. Mão de obra Unit. Total Custo Direto Unit. (1) Unidades Produzidas (2) Total Custo Direto (1*2) Produto A Produto B 1,5 1,0 2,5 100 250 1,0 0,5 1,5 200 300 Produto C Total 0,5 0,5 1,0 300 300         850 Como o critério de rateio dos custos indiretos é proporcional ao custo direto total, os índices para alocação são: Descrição Produto A Produto B Produto C Total Total Custo Direto 250 300 300 850 Índice = CDProduto/CDTotal 0,294118 0,352941 0,352941 1 Para calcular o custo indireto unitário por produto, basta multiplicar o índice de cada produto pelo valor total dos custos indiretos: Descrição Custos Indiretos Totais (1) Unidades Produzidas (2) Total Custo Indireto Unit. Produto A Produto B Produto C Total 500 600 600 1.700 100 200 300   5,0 3,0 2,0   Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   38
    • Então, o custo total unitário de cada produto é: Descrição Produto A Produto B Produto C Matéria-Prima Unit. 1,5 1,0 0,5 Mão de obra Unit. 1,0 0,5 0,5 Custo Indireto Unit. 5,0 3,0 2,0 Custo total Unitário 7,5 4,5 3,0 Questão 9: Alternativa E É uma questão que envolve conceitos de custos. Comentários: Letra a – Incorreta. O custeamento por ordem não é contínua. Veja item 6.3 – Sistema de Acumulação de Custos, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos; Letra b – Incorreta. O cálculo do ponto de equilíbrio é simples, bastando aplicar fórmulas e é uma grande ferramenta para avaliar empreendimentos. Veja item 6.7 Custo-Volume-Lucro, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos; Letra c – Incorreta. No custeio por absorção são rateados todos os custos do período sejam eles fixos, variáveis, diretos ou indiretos. Veja item 6.5.1 Custeio por Absorção, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos; Letra d – Incorreta. O Custo Padrão é uma estimativa de custo e pode ser corrente, estimado ou real. Veja item 6.6 Custo Padrão, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos; Letra e - Correta. A alocação dos custos indiretos no sistema ABC é feita por atividade. Nesse sistema também é possível fazer a alocação de despesas por atividade. Veja item 6.5.4 Custo Baseado em Atividades, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos. Questão 10: Alternativa D O custo variável unitário total é composto pela matéria-prima e outro item não especificado na questão. MCu = PVu – CVu − No caso do Produto Alpha, o CVu total será igual a R$ 860,00 – R$ 380,00 = R$ 480,00. Logo, a participação da Matéria-Prima em relação ao CVu total será igual a (R$ 240,00 × 100%) / R$ 480,00 = 50%. − No caso do Produto Beta, o CVu total será igual a R$ 900,00 – R$ 480,00 = R$ 420,00. Logo, a participação da Matéria-Prima em relação ao CVu total será igual a (R$ 360,00 × 100%) / R$ 420,00 = 75%. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   39
    • Itens PVu (−) CVu total Matéria-Prima Outro item = MCu Produto Alpha Produto Beta R$ 860,00 R$ 900,00 R$ 480,00 100% 420,00 R$ 240,00 50% R$ 360,00 R$ 240,00 50% R$ 60,00 R$ 380,00 R$ 420,00 100% 75% 25% Veja item 6.7 Custo-Volume-Lucro, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos. Questão 11: Alternativa A Letra a. Correta. Volume de Unidades Vendidas = 450 unidades O PEq = R$ 360.000,00/(R$3.500,00 – R$ 2.500,00) = 360 unidades. Margem de Segurança (MS) = Volume de Unidades Vendidas (−) Quantidade no Ponto de Equilíbrio. MS = 450u – 360u = 90 unidades MS % = 90u * 100% / 450u = 20% Letra b. Incorreta. Receita com vendas (450u*R$ 3.500,00) R$ 1.575.000,00 (−) Custos e Despesas Variáveis (450u*R$ 2.500,00) (R$ 1.125.000,00) Margem de Contribuição Total (−) Custos Fixos Lucro R$ 450.000,00 (R$ 360.000,00) Letra c. Incorreta. O PEq é igual a 360 unidades R$ 90.000,00 Letra d. Incorreta. A empresa obtém um lucro no valor de R$ 90.000,00 Letra e. O resultado é positivo. Veja item 6.7 Custo-Volume-Lucro, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos Questão 12: Alternativa C INVENTÁRIO FÍSICO Data Movimentação 01/08/2011 Estoque Inicial 05/08/2011 Venda 10/08/2011 Devolução 10/08/2011 Estoque Final Quantidade 8.000 unid. (6.000) unid. 1.200 unid. 3.200 unid. Custo Unitário R$ 180,00 R$ 180,00 R$ 180,00 R$ 180,00 Custo Total R$ 1.440.000,00 R$ 1.080.000,00 R$ 216.000,00 R$ 576.000,00 Veja item 6.2 – Levantamento e Avaliação de Estoques, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   40
    • Questão 13: Alternativa A Produto A B Total ALOCAÇÃO DE CUSTOS INDIRETOS PELAS ATIVIDADES Direcionador: Pedidos de Alterações Direcionador: Energizar 15 pedidos R$ 31.500,00 7.000 w R$ 5.250,00 25 pedidos R$ 52.500,00 13.000 w R$ 9.750,00 40 pedidos R$ 84.000,00 20.000 w 15.000,00 CUSTO TOTAL DOS PRODUTOS Mão de Obra Produto Materiais Diretos Direta A B Total R$ 22.000,00 R$ 28.000,00 R$ 50.000,00 Pedidos de Energizar Total Alterações R$ 8.000,00 R$ 31.500,00 R$ 5.250,00 R$ 66.750,00 R$ 12.000,00 R$ 20.000,00 R$ 52.500,00 R$ 84.000,00 R$ 9.750,00 R$ 102.250,00 R$ 15.000,00 R$ 169.000,00 Questão 14: Alternativa D tos. A questão objetiva obter conhecimentos do candidato quanto aos conceitos básicos de cus- Veja item 6.1 – Terminologias Utilizadas na Contabilidade de Custos, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos. Veja item 6.2 – Levantamento e Avaliação de Estoques, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos. Questão 15: Alternativa C É uma questão que necessita de conhecimento dos conceitos de custos variáveis, custos fixos e margem de contribuição. Comentários: A taxa da receita total, custos variáveis e margem de contribuição serão mantidas para se obter o resultado nulo. Nesse caso, o que se altera é a taxa do custo fixo nos dois orçamentos. Em seguida, deve-se fazer regra de três para se obter a receita total, já que se sabe o valor em reais dos custos fixos (CF) que é inalterado. Ponto de Equilíbrio do Orçamento I Receita Total (RT) 100% Custo Variável (60%) Margem de Contribuição 40% Custos Fixos (CF) (40%) Resultado (0%) Ponto de Equilíbrio do Orçamento I Receita Total 100% Custo Variável (40%) Margem de Contribuição 60% Custos Fixos (CF) (60%) Resultado (0%) Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   41
    • Orçamento I RT CF R$ 1.795.000,00 – 100% – 40% RT = CF* 100%/40% = R$ 4.488.750,00 Orçamento II RT CF R$ 4.752.000,00 – 100% – 60% RT = CF* 100%/60% = R$ 7.920.000,00 Veja item 6.7 Custo-Volume-Lucro, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos. Questão 16: Alternativa A A questão objetiva obter conhecimentos do candidato quanto aos conceitos básicos de custos. Para a questão I, veja item 6.8 Teoria das Restrições, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos; Para a questão II, veja item 6.7 Custo-Volume-Lucro, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos; Para a questão III, veja item 6.3 – Sistema de Acumulação de Custos, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos; Para a questão IV, veja item 6.5.4 Custo Baseado em Atividades, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos; Para a questão V, veja item 6.3 – Sistema de Acumulação de Custos, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos. Questão 17: Alternativa A Produto A B C Custo Variável Unitário (CVu) R$ 20.160,00 / 1.200 unidades = R$ 16,80 R$ 33.000,00 / 750 unidades = R$ 44,00 R$ 33.280,00 / 5.200 unidades = R$ 6,40 Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   42
    • Receita Total C.Variável DRE Produto A 1.100 u * 40,00 1.100 u * 16,80 D. Variável 5% da RT Margem de Contribuição R$ 44.000,00 R$ (18.480,00) R$ (2.200,00) R$ 23.320,00 DRE Produto C Receita Total 5.200 u * 13,00 C.Variável 5.200 u * 6,40 D. Variável 5% da RT Margem de Contribuição Receita Total C.Variável DRE Produto B 500 u * 70,00 500 u * 44,00 D. Variável 5% da RT Margem de Contribuição R$ 67.600,00 R$ (33.280,00) R$ (3.380,00) R$ 30.940,00 R$ 35.000,00 R$ (22.000,00) R$ (1.750,00) R$ 11.250,00 Veja item 6.7 Custo-Volume-Lucro, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos. Questão 18: Alternativa B Encontrar a participação da receita de cada produto sobre a receita total Chapas Vigas Total R$ 252.000,00 R$ 378.000,00 R$ 630.000,00 Rateio dos Custos com Materiais e de Transformação Custos dos Materiais + de Transformação R$ 180.000,00 Chapas R$ 72.000,00 Vigas R$ 108.000,00 DRE Produto Chapas Receita Total R$ 252.000,00 Custos R$ (72.000,00) C. Adicional R$ (50.000,00) Margem R$ 130.000,00 40% 60% 100% 100% 40% 60% DRE Produto Vigas Receita Total R$ 378.000,00 Custos R$ (108.000,00) 48,41% C. Adicionais R$ (112.000,00) 51,59% Margem R$ 158.000,00 100% Veja item 6.7 Custo-Volume-Lucro, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos. 100% 58,2% 41,80% Questão 19: Alternativa A MCu = PVu – Cvu = R$ 10,00 – R$ 8,00 = R$ 2,00 • Ponto de Equilíbrio Contábil = CF / MCu = R$ 18.000,00/ R$ 2,00 = 9.000 unidades • Ponto de Equilíbrio Econômico = CF + Taxa / MCu = R$ 23.000,00/R$ 2,00 = 11.500 unidades • Ponto de Equilíbrio Financeiro = CF – Depreciação/ MCu = R$ 14.000,00/ R$ 2,00 = 7.000 unidades Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   43
    • Veja item 6.7 Custo-Volume-Lucro, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos. Questão 20: Alternativa A tos. A questão objetiva obter conhecimentos do candidato quanto aos conceitos básicos de cus- Veja item 6.1 – Terminologias Utilizadas na Contabilidade de Custos, do Capítulo 6 – Contabilidade de Custos. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   44
    • RESPOSTAS DOS EXERCÍCIOS − CONTABILIDADE GERENCIAL -------------------------------------------------- Questão 1: Alternativa C O Balanced Scorecard inova por apresentar uma estrutura de objetivos, metas e vetores de desempenho que interagem, dentro de uma lógica de causa e efeito. A estrutura de objetivos é definida a partir da análise da missão e da estratégia organizacional, ou seja, a organização, seja pública ou privada, deverá ser vista como um todo a curto, médio e longo prazo. Definida sua estratégia, traçam-se os objetivos conjuntamente com o estabelecimento das metas ao longo do período analisado. A realização das metas será acompanhada através da análise de indicadores (vetores) de desempenho que devem interagir ao longo do tempo, combinando medidas de desempenho financeiro com não financeiros, observando sempre a relação de causa e efeito com elas. Além disto, os indicadores de desempenho devem ser dinâmicos, pois poderão ser alterados na medida em que a estratégia da organização evoluir, durante o ciclo de vida da organização. Veja item 3.1 – Balanced Scorecard, do Capítulo 7 – Contabilidade Gerencial. Questão 2: Alternativa D Segue cálculo comparativo para análise: Custo Orçado para 80.000 unidades Custo total = Custo variável + Custo fixo 515.000,00 = (4,00 × 80.000) + Custo fixo Custo fixo = 515.000,00 – 320.000 Custo fixo = 195.000,00 Custo Orçado para 100.000 unidades Custo total = Custo variável + Custo fixo Custo total = (4,00 × 100.000) + (2,00 × 100.000) Custo total = 400.000,00 + 200.000,00 Custo total = 600.000,00 De acordo com a literatura o Custo de Manufatura é sinônimo de Custo Fixo. O enunciado requer que seja verificada a variação entre Custos Orçados para dois cenários, porque está sendo realizado um planejamento prévio para produção e venda de um produto que poderá ter aceitação de 100.000 unidades ou 80.000 unidades. De acordo com a resolução do exercício, verifica-se que o custo total orçado (R$ 600.000,00) para 100.000 unidades foi superior ao orçado (R$ 515.000,00) para 80.000 unidades. Com relação ao custo variável, o resultado varia em conformidade com a quantidade produzida, pois estão diretamente relacionados com a produção do produto (veja Capítulo 6 – Contabilidade de Custos, item Custo-volume-lucro) Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   45
    • Os custos fixos independem da produção, mas pode ocorrer uma otimização desses custos ao longo do período por diversos motivos. Uma melhor gestão de recursos, por exemplo. Considerando esse contexto, uma vez que foi dado o custo total para a produção e venda de 80.000 unidades do produto, na ordem de R$ 515.000,00, o custo fixo calculado é de R$ 195.000,00. Já para a produção e venda de 100.000 unidades do produto, o custo fixo é de R$ 200.000,00, conforme enunciado da questão. Então, se a empresa nesse período produzir apenas 80.000 unidades do produto incorrerá em uma variação positiva/favorável do custo de manufatura/produção na ordem de R$ 5.000,00, em detrimento da produção de 100.000 unidades. Veja item 5 – Orçamento, do Capítulo 7 – Contabilidade Gerencial. Questão 3: Alternativa E Sabe-se que a Taxa de Retorno sobre o Investimento – ROI é definida pelo quociente entre o Lucro Operacional Líquido e o Valor Médio dos Ativos Operacionais. Existe então a necessidade de abrir as informações do Balanço Patrimonial e da Demonstração do Resultado do Exercício para separar o que realmente é operacional. Terrenos mantidos para uso futuro, um investimento em outra empresa, um prédio alugado a terceiros são exemplos de ativos pertencentes a uma empresa, mas que não são mantidos para fins operacionais, portanto, deverão ser excluídos dos ativos operacionais. Considerando esse contexto, a orientação que de fato viria a contribuir para a melhora (aumento) da Taxa de Retorno sobre o Investimento da Cia. Pintassilgo, dentre as alternativas apresentadas, é a reclassificação como Bens Não de Uso de um terreno de elevado valor, registrado no Ativo Imobilizado, já que o mesmo não está sendo utilizado pela empresa em suas operações e não há perspectiva dessa utilização nos próximos 10 anos. A reclassificação desse bem reduzirá o valor médio dos Ativos Operacionais. Como o valor médio dos Ativos Operacionais está no denominador da equação, a sua redução, mantendo o mesmo Lucro Operacional Líquido, aumentará a Taxa de Retorno sobre o Investimento. Veja item 3.2.1.1 – Retorno sobre o investimento, do Capítulo 7 – Contabilidade Gerencial. Questão 4: Alternativa A Vejamos: Custo Padrão Unitário Custo Real Unitário Variação Preço Valor Quantidade Preço Valor Real - Padrão Matéria-Prima 0,5 kg 4.00 2.00 6.500kg/10.000unid = 0.65 kg 4.20 2.73 0.73 Mão de Obra Direta 15min = 0.25h 10.00 2.50 2.500h/10.000unid = 0.25h 12.00 3.00 0.50 Custo Direto 4.50 5.73 1.23 Descrição Quantidade Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   46
    • A variação no custo da matéria-prima foi de R$ 0,73 desfavorável, ou seja, o custo real da matéria-prima (de R$ 2,73) foi maior do que o custo padrão (R$ 2,00), portanto, a letra a está incorreta. Questão 5: Alternativa A. Trata-se de uma questão que caberia recurso. Vejamos: Demonstração Pecuária Receita de Vendas/Transferência 2.000,00 (−) Custos Variáveis (1.000,00) Matéria − Prima Outros Margem de Contribuição dos produtos (−) Despesas Fixas Vinculáveis Margem de Contribuição do Negócio − (1.000,00) 1.000,00 (500,00) 500,00 Laticínio 2.500,00 (2.000,00) (2.200,00) (200,00) 300,00 (500,00) (200,00) Sorveteria 5.000,00 (2.500,00) (3.000,00) (500,00) 2.000,00 (1.000,00) 1.000,00 Total 9.500,00 (4.500,00) (6.200,00) (1.700,00) 3.300,00 (2.000,00) 1.300,00 De acordo com o gabarito oficial, a resposta correta é a letra c. Consideram apenas a Margem de contribuição dos produtos que é o que cada produto (leite, creme e sorvete) contribui efetivamente para o resultado de cada segmento do negócio (Pecuária, Laticínio e Sorveteria). Nesse caso, os três produtos comercializados por cada segmento da Indústria de Sorvetes Pólo Norte contribuem positivamente para o resultado da empresa como um todo. No entanto não dá para concluir que a Pecuária, a Sorveteria e o Lacticínio são lucrativos porque existem custos fixos e despesas que não foram considerados. Lembremos que para o cálculo da margem de contribuição de cada produto somente são considerados os custos variáveis de produção. No entanto, de acordo com a teoria, para calcularmos a margem de contribuição do negócio (aqui entendido como segmento) também é necessário que deduzamos as despesas fixas vinculáveis (conhecidas) a cada negócio/segmento. Como o custo fixo vinculável é conhecido e atribuído a cada área de negócio (ver enunciado da questão), é possível conhecer a margem de contribuição de cada segmento da Indústria de Sorvetes Pólo (pecuária, lacticínio e sorveteria), e consequentemente verificar se são lucrativos ou não. Verifica-se que dessa forma apenas Pecuária e Sorveria contribuem positivamente para o resultado do Negócio como um todo, ou seja, geram lucro. Considerando esse contexto, a resposta correta é a letra a. Veja item 2.3 – Elaboração de Demonstração de Resultado de um Segmento, do Capítulo 7 – Contabilidade Gerencial. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   47
    • Questão 6: Alternativa C A variação desses custos levou a empresa a ter “um Custo Real de R$ 11.880,00, apresentando assim uma sobra de R$ 120,00 em relação ao Custo Padrão para ser investido em outras operações na empresa”. Custo Padrão/Orçado Custo Unitário Matéria-Prima = R$ 600,00 Quantidade = 20 toneladas Custo Total Matéria-Prima = 12.000,00 Custo Realizado/Real Custo Unitário Matéria-Prima = R$ 540,00 Quantidade = 22 toneladas Custo Total Matéria-Prima = 11.880,00 Veja item 5 – Orçamento, do Capítulo 7 – Contabilidade Gerencial. Questão 7: Alternativa C O Valor de Mercado da empresa é calculado através do Valor de Mercado Agregado (MVA), o qual reflete as expectativas de resultados futuros na forma de Valor Econômico Agregado (EVA) esperado. MVA = EVA/ (Custo médio ponderado de capital/100) Considerando o enunciado, o Valor de Mercado Agregado, também conhecido como Goodwill, é de R$ 91.058,65. MVA = 12.730 / ( 13,98 / 100) MVA = 12.730 / 0,1398 MVA = 91.058,65 O Valor de Mercado da empresa nada mais é do que a soma do valor do capital investido (capital próprio + capital de terceiros) na empresa com o valor de mercado agregado. Nesse caso o valor investido na empresa é representado pelo total dos ativos (onde todo o capital foi empregado) mais o MVA, totalizando R$ 230.238,65. Valor da empresa = MVA + Capital Investido Valor da empresa = 91.058,65 + 139.180,00 Valor da empresa = 230.238,65 Veja item 3.2.1.3 – Valor econômico adicionado, do Capítulo 7 – Contabilidade Gerencial. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   48
    • Questão 8: Alternativa B As medidas de avaliação de desempenho, as quais foram apresentadas no enunciado da questão, que têm mais possibilidades de estimular a melhora na rentabilidade de cada uma das divisões são: rotatividade dos ativos operacionais, margem bruta e retorno sobre o patrimônio. Principalmente na fase de crescimento de uma organização, busca-se a otimização dos recursos investidos em ativos e é comum o acompanhamento da relação existente entre os custos e o aumento de produtividade. Por esse motivo é importante conhecer a rotatividade dos ativos operacionais e a margem bruta de cada divisão. No que se refere aos investimentos realizados, uma vez já sedimentado no mercado, o foco da organização passa a ser a análise do retorno sobre os investimentos em ativos produtivos, e, por este motivo, também é importante conhecer e acompanhar o retorno sobre o patrimônio. Veja item 3.2.1 – Perspectiva financeira, do Capítulo 7 – Contabilidade Gerencial. Questão 9: Alternativa E A margem operacional projetada é obtida através do quociente do lucro operacional orçado pela receita projetada. Então, a receita operacional projetada neste exercício é de R$ 3.440.000,00. • Margem Operacional Projetada = Lucro Operacional Orçado/Receita Projetada • 0,075 = 258.000/RP • RP = 258.000 / 0,075 • RP = 3.440.000 Questão 10: Alternativa A Os orçamentos podem ser periódicos ou contínuos. Como característica principal do orçamento contínuo, tem-se o acréscimo de outro período orçado à medida que um mês ou um trimestre se passam. Veja item 5 – Orçamento, do Capítulo 7 – Contabilidade Gerencial. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   49
    • Questão 11: Alternativa B Orçamento anual da Empresa Modelo. Produto Unidades Preço unitário Total X Y Total 10.000 12.000 R$ 8,50 R$ 85.000,00 R$ 10,00 R$ 120.000,00 R$ 205.000,00 A tabela se refere a um orçamento de receitas de vendas por produto. Veja item 5 – Orçamento, do Capítulo 7 – Contabilidade Gerencial. Questão 12: Alternativa B Vendas (−) Custo Variável (−) Despesas Variáveis = Margem de Contribuição Total R$375.000,00 R$200.000,00 R$45.000,00 R$130.000,00 A Margem de Contribuição é dada considerando a receita líquida (nesse caso representada pelas vendas) menos os custos e despesas variáveis. Veja item 2.3 – Elaboração de Demonstração de Resultado de um Segmento, do Capítulo 7 – Contabilidade Gerencial. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   50
    • EXERCICIOS RESOLVIDOS E COMENTADOS -------------------------------------------------- Questão 1. Resposta: alternativa d Questão 2. Disponível (DISP) = R$ 32.000,00 Realizável a Curto Prazo (RCP) = R$ 45.000,00 Ativo Circulante (AC) = R$ 77.000,00 Realizável a Longo Prazo (RLP) = R$ 8.000,00 Passivo Circulante (PC) = R$ 44.000,00 Exigível a Longo Prazo (ELP) = R$ 9.000,00 Patrimônio Líquido (PL) = R$ 67.000,00 Liquidez Corrente = AC/PC => 77.000/44.000 => 1,75 Liquidez Seca = (AC–Estoque–Desp. Antecipadas)/ PC => (77.000 – 30.000)/44.000 => 1,07 Liquidez Imediata = DISP/PC => 32.000/44.000 => 0,72 Liquidez Geral = (AC+RLP)/(PC+ELP) => (32.000+45.000+8.000)/(44.000+9.000) =>1,60 GRAU END = (PC+ELP)/PL =>(44.000+9.000)/67.000 => 0,79 Resposta: alternativa a Questão 3. Liquidez Corrente = Ativo Circulante /Passivo Circulante = 71.750/45.750 = 1,57 2002 Liquidez Geral = (Ativo Circulante +Realizável a Longo Prazo)/(Passivo Circulante +Exigível a Longo Prazo) = (71.750+15.000)/(45.750+27.250) =>86.750/73.000 => 1,19 Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   51
    • Liquidez Corrente = Ativo Circulante /Passivo Circulante = 77.250/54.250 = 1,42 2003 Liquidez Geral = =>99.750/91.750 => 1,09 (AC+RLP)/(PC+ELP) = De 2002 para 2003, a LC decresceu 0,14 e a LG 0,10. (77.250+22.500)/(54.250+37.500) Resposta: alternativa d Questão 4. Endividamento = (Passivo Circulante +Exigível a Longo Prazo)/Patrimônio Líquido => 8.864/16.232 => 0,55 2004 Recursos Próprios = 16.232 Recursos de Terceiros = 8.864 Endividamento = (PC+ELP)/PL => 11.492/17.004 => 0,68 2005 Recursos Próprios = 17.004 Recursos de Terceiros = 11.492 Resposta: alternativa c Questão 5. Capital Próprio = Patrimônio Líquido = 3.300,00/10.000,00 = 33% Capital de Terceiros = Passivo Circulante + Exigível a Longo Prazo = 6.700,00/10.000,00 = 67% Resposta: alternativa a Questão 6. Goodwill = Valor Econômico Adicionado / custo médio ponderado de capital Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   52
    • Goodwill = R$ 12.730,00 / 0,1398 Goodwill = R$ 91.058,65 Valor de Mercado = valor total de seus ativos + Goodwill Valor de Mercado =  R$ 139.180,00 + R$ 91.058,65 Valor de Mercado = R$ 230.238,65 Resposta: alternativa c Questão 7. Receitas de Vendas = R$ 1.800.000,00 360 dias Prazo Médio de Cobrança = PMC(2004) = 30 dias PMC(2005) = 32 dias PMC= 32= Valores a Receber × 360 venda Valores a Receber × 360 1.800.000 Valores a Receber = R$ 160.000,00 Resposta: alternativa e Questão 8. Patrimônio Líquido (PL) = R$ 50.000,00 Capital Circulante Líquido (CCL) = R$ 120.000,00 Ativo Circulante (AC) = R$ 200.000,00 Ativo Total (AT) = R$ 300.000,00 Cap. Terceiros / Cap. Próprio = ? Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   53
    • CCL = Ativo Circulante – Passivo Circulante 120.000 = 200.000 – PC PC = 80.000 AT = Passivo + PL 300.000 = P + 50.000 P = 250.000 Cap. Terceiros / Cap. Próprio = P / PL = 250.000/50.000 => 5 ou 500% Resposta: alternativa a Questão 9. Resposta: alternativa b Questão 10. Capital Circulante Líquido = Ativo Circulante – Passivo Circulante Se a empresa paga 50% de fornecedores, reduz o passivo circulante e reduz o ativo circulante, na mesma proporção. Um exemplo hipotético: CCL = 100.000 – 40.000 = CCL = 60.000 Se reduzir 50% (20.000) do PC, teríamos: CCL = 80.000 – 20.000 = CCL = 60.000 Portanto, o CCL não altera. Já a liquidez corrente ficaria, com os mesmos dados hipotéticos: Liquidez Corrente = AC/PC => 100.000/40.000 => 2,5 Ao reduzir os 50% de fornecedores, teremos: Liquidez Corrente = AC/PC => 80.000/20.000 => 4 Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   54
    • Portanto, a liquidez corrente aumenta. Resposta: alternativa b Questão 11. Resposta: alternativa e Questão 12. Ativo Circulante = R$ 3.300,00 Passivo Circulante = R$ 3.000,00 Liquidez Corrente = Ativo Circulante /Passivo Circulante = 3.300/3.000 => 1,10 Composição do endividamento = Passivo Circulante / Passivo Total Passivo Total = Passivo Circulante + Exigível a Longo Prazo => 3.000 + 4.500 => 7.500 Composição do endividamento = 3.000 / 7.500 => 0,40 ou 40% Resposta: alternativa c Questão 13. Resposta: alternativa a Questão 14. CCL = 57.400 – 36.600 => CCL = 20.800 2009 CCL = 61.800 – 43.400 => CCL = 18.300 2010 Portanto, o CCL reduziu em R$ 2.400,00. Liquidez Corrente = Ativo Circulante/Passivo Circulante => 57.400/36.600 => 1,57 2009 Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   55
    • Liquidez Corrente = 61.800/43.400 => 1,42 2010 Portanto, a liquidez corrente reduziu em 0,15. Resposta: alternativa c Questão 15. Liquidez Corrente = Ativo Circulante /Passivo Circulante => 12.500/7.500 => 1,67 2011 Liquidez Seca = (Ativo Circulante – Estoque – Desp. Antecipadas)/ PC => (12.500 –5.200)/7.500 => 0,97 Liquidez Imediata = Disponível /Passivo Circulante => 2.500/7.500 => 0,33 Liquidez Corrente = Ativo Circulante /Passivo Circulante => 12.300/9.000 => 1,37 2010 Liquidez Seca = (Ativo Circulante – Estoque – Desp. Antecipadas)/ PC => (12.300 –1.800)/9.000 => 1,17 Liquidez Imediata = Disponível /Passivo Circulante => 1.200/9.000 => 0,13 Liquidez corrente = aumentou 0,3 Liquidez seca = reduziu 0,43 Liquidez imediata = aumentou 0,17 Resposta: alternativa d Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   56
    • EXERCICIOS RESOLVIDOS E COMENTADOS AUDITORIA CONTÁBIL -------------------------------------------------- Questão 1 – alternativa “b” A limitação de acesso físico a ativos e ou registros contábeis e administrativos não são necessariamente objeto de avaliação de risco. São limitações de escopo que podem acarretar, dependendo da relevância, o parecer adverso ou negativa de opinião. Questão 2 – alternativa “c” Não é razão para impedimento ter emitido parecer com ou sem ressalva, ou que tenha trabalhado para empresa já que depende da natureza da relação de trabalho como preconiza a alínea “c” Questão 3 – alternativa “b” O II está incorreto porque o exercício da auditoria interna não é privativo de contabilista. O III está incorreto porque ocorre o contrário: por ter vinculo empregatício com a empresa auditada não tem independência. Questão 4 – alternativa “b” A “a” não está correta já que se o banco fez o débito de R$ 75.000,00 em 30.12.2003 não há que adicionar esse valor e, o razão deveria espelhar ainda em 31.12.2003, um saldo de R$ 4.827.820,00 deduzido de R$ 75.000,00. A alternativa “c” está totalmente incorreta porque a reconciliação mostra dois saldos diferentes, ou seja não se chegou a um saldo único. A alternativa “d” idem. Questão 5 – alternativa “e” Ver esclarecimento no livro texto 7.6 Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   57
    • Questão 6 – alternativa “c” 3.160 = 900 + 300 + 800 + 1.140 + 280 +240 – 500. Observar que os valores mobiliários foram considerados pelos mesmos R$ 280 e não por R$ 300 por ser esse valor de mercado superior ao de custo. Os R$ 240 de receita antecipada geraram entrada de caixa.Quanto as despesas antecipadas, não altera o saldo final do ativo circulante, ou seja, acréscimo em Despesas Antecipadas e decréscimo em Caixa. Questão 7 – alternativa “d” Deve a empresa solicitar da empresa correções para os fatos II, III e IV já que II (reconhecer pelo regime de competência) ou III – ( mudança de cálculo da taxa de depreciação deve ser objeto de evidenciação em nota explicativa), e IV ( os estoques devem ter ajuste por meio de provisão ). Questão 8 – alternativa "c” É a única que diz respeito ao reconhecimento de receita em contrapartida com a despesa. Alem disso neutralidade não é princípio contábil. Questão 9 – alternativa “d” A “a” está incorreta porque diz que elimina a responsabilidade do auditor. A “b” menciona qualquer desvio , independente da relevância ou materialidade, que não é o caso. ( tem que ser relevante) A “c” menciona que exclui a responsabilidade do auditor. O “e” também menciona que extingue a responsabilidade do auditor. Questão 10 – alternativa “b” Importante consignar que o auditor deve emitir seu parecer opinando sobre a adoção dos princípios contábeis editados pelo Conselho Federal de Contabilidade. Se esses não foram observados em detrimento de procedimentos de agências reguladoras de efeitos relevantes, o auditor deve manifestar que as demonstrações contábeis NÃO refletem a posição financeira da auditada, ou seja, parecer adverso. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   58
    • Questão 11 − alternativa "b” O auditor ao fazer a revisão analítica, busca avaliar no caso dos estoques, se o prazo de rotatividade ( conhecido também como renovação dos estoques) é coerente com o que é praticado pela empresa. Isto proporciona uma sensibilidade quanto à movimentação dos estoques. Logicamente se o produto é sazonal, podem ocorrer flutuações nesses indicadores. Questão 12 – alternativa “b” Risco de detecção ( livro texto, item 10). O item “a” não é o caso pois se refere à falha do sistema de controle interno e não é o caso. Os itens “c” e “d” não são o caso. Questão 13 – alternativa “d” Veja que o item “a” é descabido – a auditoria não exime a responsabilidade da administração ou dos responsáveis pela governança. O ”c” está incorreto pois as NBCs não se sobrepõem às leis ou regulamentos. O “b” está incorreto pois as demonstrações contábeis não são elaboradas pela auditoria independente. Questão 14 - alternativa “d” Custo 70.000,00 (–) Amortização Acumulada 10.500,00 Perda a ser reconhecida 7.000,00 (=) Saldo (–)Valor recuperável 59.500,00 52.500,00 Questão 15 – alternativa “c” Ver item 11 do livro texto. Se o auditor não consegue obter evidência apropriada, deve abster-se de dar opinião.Se conclui que as distorções são relevantes mas não generalizadas, pode ressalvar o parecer e, finalmente, se concluir que as distorções são relevantes e generalizadas, deve emitir parecer adverso. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   59
    • COMENTÁRIOS SOBRE O CAPÍTULO DE PERÍCIA: -------------------------------------------------- 1) Alternativa “D” O dever de prestar os esclarecimentos (CPC, art.435) deve prevalecer sobre a opinião das partes. Assim sendo, é dever do profissional perito, do ponto de vista técnico,esclarecer a matéria colocada sob sua análise oferecendo aquele elementos de convicção acerca da veracidade de situações ou fatos. Tendo por base o trabalho técnico que pode ser questionado. Dessa forma, o perito necessita de comprovações de seu laudo documentando toda evidencia ou fatos que subsidiem o seu laudo. A solicitação, portando,dos documentos para exame, deve ser feita por escrito para documentar nos autos a exigência e o cumprimento dos trabalhos solicitados pelo juízo, conforme NBC TP 01 – Execução item 10. “Mediante termo de diligência, o perito deve solicitar pro escrito todos os documentos e informações relacionadas so objeto da perícia.” 2) Alternativa “A” O perito-contador e o perito-contador assistente, em obediência ao Código de Ética Profissional do Contabilista, devem respeitar e assegurar o sigilo do que apurarem durante a execução de seu trabalho, proibida a sua divulgação, salvo quando houver obrigação legal de fazê-lo. Esse dever perdura depois de entregue o laudo pericial contábil ou o parecer pericial contábil. É permitido ao perito-contador e ao perito-contador assistente esclarecer o conteúdo do laudo pericial contábil e do parecer pericial contábil somente em defesa da sua conduta técnica profissional, podendo, para esse fim, requerer autorização a quem de direito. 3) Alternativa “C” Indagação, investigação, arbitramento, mensuração, avaliação e certificação, são técnicas específicas no trabalho pericial conforme sua finalidade. Para a fundamentação dos trabalhos periciais os quais resultam o “Laudo Pericial”, se faz necessário a aplicação de técnicas, que em sua maioria são comuns a todas as espécies de perícia. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   60
    • 4) Alternativa “A” Avaliação do Controle Interno sobre guarda, registro e segurança dos dados. Procedimento que deve ser avaliado em um trabalho pericial. 5) Alternativa “C” Conceito de perícia, nela contido a sua finalidade e seu objeto de ação NBC TP 01. 6) Alternativa “C”: a. Certificação é a informação contida no laudo cuja veracidade é reconhecida em função da fé publica atribuída ao profissional. Tais informações podem ter natureza diversas (doutrinarias, científicas, acessórias) mas não estabelecendo valores o que tornaria incrédulo sua certificação. b. Mensuração é a análise de atribuir valor nos bens, direitos, obrigações, despesas e receitas em um critério puramente objetivo, calculável ou demonstrável. c. A Vistoria é a diligência que objetiva a verificação e a constatação de situação, coisa ou fato, de forma circunstancial. d. Arbitramento é o critério técnico de decidir em favor de determinada situação em solução a controvérsia por critério técnico estabelecido. 7) Alternativa “D” O perito poderá escusar-se de aceitar o encargo, alegando motivos legítimos, que são decorrentes de impedimentos aplicáveis ao juiz, nos termos do art. 138 do CPC, no prazo de 5 (cinco) dias contados da intimação, diretamente ao Juiz que o nomeou. Não escusando-se no prazo previsto, deverá exercer sua função, tendo em vista o profissional honrado com a nomeação, colaborando com a justiça, aceitando o encargo nos termos das legislações processuais civis e penais. 8) Alternativa “A” O juiz não possuindo conhecimento técnico ou cientifico sob a matéria é justamente razão para implantação de uma pericia onde o perito fará os esclarecimentos necessários à elucidação do objeto. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   61
    • Quanto ao não cumprimento do encargo no prazo estipulado não é motivo de indeferimento da perícia e sim de penalização do profissional que não cumpriu os prazos estipulados. 9) Alternativa “B” O perito poderá solicitar por escrito prorrogação do prazo estipulado pelo juiz apenas uma vez alegando os motivos necessários ao pleito. O juiz por sua vez, poderá deferir a solicitação estabelecendo novo prazo. 10) Alternativa “A” Todas as questões fazem parte do objetivo do planejamento da perícia. Conhecimento do objeto, definição da natureza, estabelecer condições, identificar potenciais problemas e soluções estão contidos no item 33 da norma de perícia NBC TP 01 – Perícia Contabil 11) Alternativa “B” O Laudo pericial é peça estritamente elaborada por Contador conforme item 57 da NBC TP 01: “O laudo pericial contábil e o parecer pericial contábil somente sejam elaborados por contador que esteja devidamente registrado e habilitado em Conselho Regional de Contabilidade." 12) Alternativa “A” A norma sobre o perito NBC PP 01 em seu item 22 a 24 na seção Suspeição elenca os motivos para o perito se declarar suspeito no processo. Todos os itens constam da questão com exceção da letra A. 13) Alternativa “B” Conforme NBC TP 01 – seção Procedimentos, item 18 ao 30 onde conceitua os procedimentos que devem ser adotados na perícia contábil: a. exame, análise de livros, registros das transações e documentos; b. vistoria, diligência que objetiva a verificação e a constatação de situação, coisa ou fato, de forma circunstancial; c. arbitramento, determinação de valores ou a solução de controvérsia para o critério técnico-científico. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   62
    • d. certificação ato de atestar a informação trazida ao laudo pericial contábil pelo perito-contador, conferindo-lhe caráter de autenticidade pela fé pública atribuída a esse profissional. 14) Alternativa “B” As situações formuladas pela questão estão contidas na NBC PP 01 − Normas sobre o perito contador. O item I, é um caso de impedimento legal contido no item 20 letra c da norma. O item III, é um caso de Suspeição contido no item 23 letra a. O item II não procede pois não havendo condições materiais e técnicas é um caso de impedimento técnico-científico e deve ser comunicado por escrito ao juízo. 15) Alternativa “D” Conforme a NBC TP 01 – item 58. Conceito do Laudo Pericial. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   63
    • LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL RESPOSTAS COMENTADAS DOS EXERCÍCIOS --------------------------------------------------- QUESTÃO 1 A alternativa “a” é a correta, pois NÃO corresponde à penalidade ético-disciplinar aplicável. Vide art. 27 do Decreto-Lei nº 9295/46 (com redação dada pelo art. 76 da Lei nº 12.249, de 11 de junho de 2010) e art. 12 da Resolução CFC nº 803/96 (Código de Ética Profissional do Contador). QUESTÃO 2 A alternativa “b” é a correta. O item I é falso, vide art. 3º, VII da Resolução CFC nº 803/96. O item II é falso, vide art. 7º da Resolução CFC nº 803/96. O item III é verdadeiro, vide art. 5º, I da Resolução CFC nº 803/96. Todos os itens da citada norma apresentam redação alterada pela Resolução CFC nº 1.307/10, de 9/12/2010. QUESTÃO 3 A alternativa “a” está correta, vide art. 3º, XX da Resolução CFC nº 803/96 com redação alterada pela Resolução CFC nº 1.307/10, de 9/12/2010. QUESTÃO 4 A alternativa “e” está correta. Os itens ‘a, b, c, d’ são deveres do profissional contábil, vide art. 2º, I, IV, V, VII, respectivamente, da Resolução CFC nº 803/96. O item ‘e’ se trata de vedação, vide art. 3º, XI da Resolução CFC nº 803/ 96. Todos os itens da citada norma apresentam redação alterada pela Resolução CFC nº 1.307/10, de 9/12/2010. QUESTÃO 5 A alternativa “b” está correta, vide art. 2º, I da Resolução CFC nº 803/96 com redação alterada pela Resolução CFC nº 1.307/10, de 9/12/2010. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   64
    • QUESTÃO 6 A alternativa “e” está correta. O item ‘a’ é falso, vide art. 3º, IV e V da Resolução CFC nº 803/96. O item ‘b’ é falso, vide art. 3º, XX da Resolução CFC nº 803/96. O item ‘c’ é falso, vide art. 8º da Resolução CFC nº 803/96. O item ‘d’ é falso, vide art. 3º, XXII da Resolução CFC nº 803/96. O item ‘e’ é verdadeiro, vide art. 2º, VI da Resolução CFC nº 803/96. Todos os itens da citada norma apresentam redação alterada pela Resolução CFC nº 1.307/10, de 9/12/2010. QUESTÃO 7 A alternativa “a” está correta, vide art. 12 da Resolução CFC nº 803/96 com redação alterada pela Resolução CFC nº 1.307/10, de 9/12/2010. QUESTÃO 8 A alternativa “a” está correta, vide art. 2º, IV da Resolução CFC nº 803/96 com redação alterada pela Resolução CFC nº 1.307/10, de 9/12/2010. QUESTÃO 9 A alternativa “b” está correta. Os itens ‘a, c, d’ são deveres do profissional contábil, vide art. 2º, VI, IV e art. 5º, IX, respectivamente, da Resolução CFC nº 803/96. O item ‘b’ se trata de vedação, vide art. 3º, XVI da Resolução CFC nº 803/ 96. Todos os itens da citada norma apresentam redação alterada pela Resolução CFC nº 1.307/10, de 9/12/2010. QUESTÃO 10 A alternativa “b” está correta. A ética como ciência estuda o comportamento moral dos homens em sociedade, ou seja, suas condutas e costumes. Portanto, “a ética ou moralidade das pessoas ou grupos não consiste meramente no que elas fazem costumeiramente, mas no que elas pensam que é correto fazer, ou são obrigadas a isso” (FIPECAFI, 1997). A ética profissional diz respeito à conduta do profissional em meio a um conjunto de normas alinhadas aos objetivos profissionais. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   65
    • QUESTÃO 11 A alternativa “b” está correta. Quando do exercício da profissão, o contador se depara com inúmeros dilemas éticos, referentes ao dever (relacionado ao direito de alguém); direito (contraposição do dever); justiça (relacionada com o justo, o necessário, o que é de direito); responsabilidade (direitos e deveres do exercício da profissão); consciência (regra moral ou juiz interior); e vocação (tendência de cada indivíduo). Portanto, o profissional deve cumprir fielmente, quando do exercício da profissão, tudo que tiver sido prometido ao cliente, ético, legal e moral, sempre que tal promessa tenha sido feita por escrito e registrada em cartório. QUESTÃO 12 A alternativa “b” está correta, vide art. 1º da Resolução CFC nº 803/96 com redação alterada pela Resolução CFC nº 1.307/10, de 9/12/2010. QUESTÃO 13 A alternativa “c” está correta, vide art. 3º, VII da Resolução CFC nº 803/96 com redação alterada pela Resolução CFC nº 1.307/10, de 9/12/2010. QUESTÃO 14 A alternativa “b” está correta, vide art. 2º, Decreto-Lei 9295/46, que considera como profissional habilitado contador e técnico em contabilidade (item ‘a’, incorreto). Não há exigência que seja contador para presidir empresas de contabilidade (item ‘c’, incorreto). Para o item ‘d’, vide art. 22, Decreto-Lei 9295/46. QUESTÃO 15 A alternativa “a” está correta, vide art. 3º, II da Resolução CFC nº 803/96 com redação alterada pela Resolução CFC nº 1.307/10, de 9/12/2010. Contabilidade para Concursos e Exame de Suficiência   Niyama | Silva   66