Your SlideShare is downloading. ×
Planejamento Dermatologia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Planejamento Dermatologia

595
views

Published on


0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
595
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. LINHA DERMATOL ÓGICA ACHÉ 01 Ana Yazlle Um case de planejamento que é coisa de pele.
  • 2. Pra você, o que é a pele? 02 Tecendo consideraç ões Quando a gente pensa na pele, muita coisa vem à cabeça. Pele pode ser o maior órgão do corpo humano. Pode ser o que cobre o resto. Proteção. Carapaça. Escudo. Pele pode ser aquilo em que se toca e depois perde-se o sentido. Sensações, tato, emoções. Pele lembra tudo isso e muito mais. Ou não lembra nada, apenas se sente.
  • 3. Cen ário 03 Introduç ão Os laborat órios Aché têm em seu portfólio de produtos uma linha desenvolvida para cuidar de problemas de pele: micoses, fungos, alergias, etc. Numa ação com a Beisdorf, trouxeram para o Brasil uma linha de dermocosméticos, a Eucerin. Qual o motivo desse trabalho? O Ach é quis juntar tudo o que estava ligado a pele em uma só linha, fortalecendo uma marca própria da divisão dermatológica do laboratório, em que produtos para a saúde e a beleza da pele pudessem entrar e sair do portfólio. Além disso, queria comunicar para o médico e para seus representantes que o Aché é um laboratório preocupado com a pele.
  • 4. Briefing do cliente 04 Briefing Criar uma campanha promocional para médicos dermatologistas e PDV´s e motivacional para Força de Vendas Eucerin e Derma que serão unificadas a partir de janeiro de 2009 Finalidade do Briefing
  • 5. Raz ão da campanha 05 Problemas Os m édicos não reconheciam o Aché como um laboratório com produtos para a pele. Os representantes não se sentiam parte de um todo e acabavam se identificando como “representante Eucerin”. As marcas de produtos deveriam ser vistas como secund árias, parte de uma marca mais forte, que é o Aché. Para a planejadora, al ém das razões apresentadas pelo cliente, havia o fato de que essa era uma concorrência pra valer e que o resultado dependeria de duas ações diferentes. Uma voltada totalmente para o médico, a outra, com muita dedicação, para o representante de vendas, pois ali estava o começo do problema.
  • 6. Primeiro passo 06 Marca Precis ávamos criar um nome para essa franquia. O melhor caminho sempre nos pareceu a simplicidade, já que o cliente não queria mais um nome desconhecido para gerenciar. Como falar com o m édico sem parecer um produto novo? Como deixar claro para o representante de vendas que as coisas iriam mudar?
  • 7. 07 Marca 1 Foram criadas duas marcas para o cliente. A primeira, voltada para a comunicaç ão com os médicos, tinha a missão de comunicar que tudo o que estivesse relacionado à pele estaria, agora, sob um novo nome:
  • 8. 08 Marca 2 Por meio de pesquisas em consultórios médicos, pudemos acompanhar o trabalho de alguns representantes de laboratórios. Com exceções, é claro, constatamos que na maioria das visitas, o representante é um vendedor que não interage com o médico. Ele está ali somente para fazer propaganda, e não demonstra uma atitude própria, sendo mero repetidor da comunicação do produto. O dermatologista tem visto o representante do Aché como um representante Eucerin e não o associa com o Laboratório Aché. Partindo dessas constatações, chegamos a um conceito que norteará a campanha motivacional para a Força de Vendas do Aché. Ent ão, a segunda marca veio com um insight: o representante de venda era um mero vendedor. A id eia da planejadora era dar uma vida e uma roupagem nova para esse profissional. A partir desse momento, ele se tornava especialista. Isso valoriza, faz com que ele se sinta diferente e tenha uma atitude parceira com o m édico.
  • 9. 09 Marca 2
  • 10. 10 Criaç ão Sendo assim, a criaç ão trabalhou debaixo de duas marcas simples e fortes, mas que cumpriram com seu papel e que deram origem a muitas outras ações.
  • 11.