Your SlideShare is downloading. ×
A vida no circo, o circo na vida - TCC
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

A vida no circo, o circo na vida - TCC

630

Published on

Trabalho de conclusão do curso de Jornalismo, 2012.

Trabalho de conclusão do curso de Jornalismo, 2012.

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
630
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  • O TCC trata de um livro-reportagem, no qual o principal tema é a arte circense como bem social. Essa vertente foi escolhida com o intuito de aproximar o leitor do universo retratado, além de proporcionar a difusão da história e cultura circense. 3 OBJETIVO GERAL O projeto tem como objetivo geral divulgar “as histórias” (Silva, 2009) do circo por meio de personagens que tiveram suas vidas tocadas pela arte circense. 3.1 Objetivo específico São: mostrar que o circo ainda tem influência na sociedade moderna; promover uma reflexão crítica sobre as artes populares; valorizar a memória da cultura brasileira; resgatar as raízes culturais da prática; desmistificar e “desmarginalizar” esse tipo de arte, mostrando suas diferentes estruturas e trazer à tona os motivos pelos quais o assunto abordado ainda é importante para a sociedade atual. 4 JUSTIFICATIVA As publicações sobre o tema na América Latina ainda são muito escassas, o que faz com que essa cultura, aos poucos, se perca. Não existem, por exemplo, pesquisas atuais que comprovem o número de artistas circenses no Brasil. Em 2005, existiam cerca de dois mil circos espalhados pelo país. Na mesma data, estimava-se um público anual de 25 milhões de espectadores (SILVA, 2005). Os números comprovam que a cultura circense ainda faz parte do cenário cultural brasileiro e não pode ser descartada. Até 1988, o circo era tema de 16 mil livros no mundo (COXE, 1988). Em sua maioria, essas obras são originais de países europeus, bem como Estados Unidos, Canadá e Austrália. No Brasil, o tema é pouco abordado: quando não são livros infantis, possuem edição esgotada ou difícil acesso. A Fundação Nacional de Artes (Funarte) só possui um livro sobre o tema. Mesmo como objeto de pesquisa acadêmica, o circo apenas passou a ser estudado na década de 1970 (SILVA, 2009). Sendo assim, Antonio Torres, Ermínia Silva e Daniele Pimenta são os principais estudiosos desta manifestação artística no país. Para Silva (2009), o registro do tema é muito importante, “porque a produção da teatralidade circense fez e faz parte da constituição da história cultural no Brasil” e “aqueles que estão dentro do circo não se dão conta daquela produção e nem mesmo das transformações que as gerações anteriores e eles produziram”. Desta maneira, mostra-se fundamental abordar o tema da maneira proposta visando aproximar o leitor da realidade relatada e o não-esquecimento desta vertente da cultura brasileira. 5 PROBLEMA Qual a influência do circo para a sociedade atual e como ele pode mudar a vida de pessoas que não nasceram nesse contexto?
  • O TCC trata de um livro-reportagem, no qual o principal tema é a arte circense como bem social. Essa vertente foi escolhida com o intuito de aproximar o leitor do universo retratado, além de proporcionar a difusão da história e cultura circense. 3 OBJETIVO GERAL O projeto tem como objetivo geral divulgar “as histórias” (Silva, 2009) do circo por meio de personagens que tiveram suas vidas tocadas pela arte circense. 3.1 Objetivo específico São: mostrar que o circo ainda tem influência na sociedade moderna; promover uma reflexão crítica sobre as artes populares; valorizar a memória da cultura brasileira; resgatar as raízes culturais da prática; desmistificar e “desmarginalizar” esse tipo de arte, mostrando suas diferentes estruturas e trazer à tona os motivos pelos quais o assunto abordado ainda é importante para a sociedade atual. 4 JUSTIFICATIVA As publicações sobre o tema na América Latina ainda são muito escassas, o que faz com que essa cultura, aos poucos, se perca. Não existem, por exemplo, pesquisas atuais que comprovem o número de artistas circenses no Brasil. Em 2005, existiam cerca de dois mil circos espalhados pelo país. Na mesma data, estimava-se um público anual de 25 milhões de espectadores (SILVA, 2005). Os números comprovam que a cultura circense ainda faz parte do cenário cultural brasileiro e não pode ser descartada. Até 1988, o circo era tema de 16 mil livros no mundo (COXE, 1988). Em sua maioria, essas obras são originais de países europeus, bem como Estados Unidos, Canadá e Austrália. No Brasil, o tema é pouco abordado: quando não são livros infantis, possuem edição esgotada ou difícil acesso. A Fundação Nacional de Artes (Funarte) só possui um livro sobre o tema. Mesmo como objeto de pesquisa acadêmica, o circo apenas passou a ser estudado na década de 1970 (SILVA, 2009). Sendo assim, Antonio Torres, Ermínia Silva e Daniele Pimenta são os principais estudiosos desta manifestação artística no país. Para Silva (2009), o registro do tema é muito importante, “porque a produção da teatralidade circense fez e faz parte da constituição da história cultural no Brasil” e “aqueles que estão dentro do circo não se dão conta daquela produção e nem mesmo das transformações que as gerações anteriores e eles produziram”. Desta maneira, mostra-se fundamental abordar o tema da maneira proposta visando aproximar o leitor da realidade relatada e o não-esquecimento desta vertente da cultura brasileira. 5 PROBLEMA Qual a influência do circo para a sociedade atual e como ele pode mudar a vida de pessoas que não nasceram nesse contexto?
  • 13 e 50 anos, no Estado de SP.
  • Como se configura o campo de pensamentos, dentro e fora do ensino básico e fundamental, ligados à arte? Como uma manifestação deste tipo, que está presente há séculos na sociedade não é abordada? Como uma criança ou jovem, irá se interessar por uma manifestação cultural se não conhecê-la? A arte só é válida quando contextualizada e, por isso, deve existir articulação entre a produção e apreciação na aprendizagem. A prática pedagógica deve resultar em um ensino coerente, que estimule o potencial dos alunos e incentive-os a elaborar seus próprios processos criativos, em um ambiente “rico de provocações que desafiem a criação e expressão de diversas linguagens, corporais, sonoras e visuais, levando-os a mudança significativa, um novo olhar sobre o mundo” (Lis, 2008, p. 13). Sendo assim, mais uma vez, questionamos: como contextualizar o circo ao seu dia a dia se esta arte é não é difundida durante o ensino?
  • autoconhecimento, dedicação, responsabilidade, foco em seus objetivos e criticidade. autoconhecimento, a expressão e elaboração de emoções (BARBOSA, 2002). Para a estudiosa, a arte (...) “supera o estado de despersonalização, inserindo o indivíduo no lugar ao qual pertence, reforçando e ampliando seu lugar no mundo”. Desta maneira, a arte-educação é uma atividade essencial para o ser-humano e fundamental no processo formativo ao longo da vida. Categoria pessoal “ desenvolver a percepção e a imaginação, apreender a realidade do meio ambiente, desenvolver a capacidade crítica, permitindo ao indivíduo analisar a realidade percebida e desenvolver a criatividade de maneira a mudar a realidade que foi analisada”. Ver o mundo de sua maneira, sem o “olhar” estipulado pelos outros Já para psicopedagogos e sócio educadores, a arte circense mobiliza processos cognitivos, e, por isso, quando bem aplicada, seus educandos podem apresentar melhores resultados na escola formal. Crianças tímidas, por exemplo, podem se desinibir através da atividade circense. Outro exemplo é o da criança ou jovem desinteressado pela escola que, depois de ter contato com a educação não-formal, passa a se enxergar de outra maneira, além de encarar o mundo ao seu redor e consequentemente, os estudos, de outra forma.
  • Transcript

    • 1. A VIDA NO CIRCO, O CIRCO NA VIDA Ana Thais Sasso Orientador: Marco Moretti Universidade Paulista – Novembro/2012
    • 2. TEMAArte circense como Douglas Ba derline dur palhaço (A ante apresebem social rquivo pes soal) ntação com oAproximar o leitor douniversoProporcionar difusão dahistória do circoAna Thais Sasso - A vida no circo, o circo na vida [2/13]
    • 3. OBJETIVOS Divulgar esse tipo de arte por meio dos personagens Desmistificar e “desmarginalizar” o artista circense Promover um reflexão crítica sobre as artes populares Divulgar “as histórias” do circo Circo Flora (Divu lg ação Flickr)Ana Thais Sasso - A vida no circo, o circo na vida [3/13]
    • 4. JUSTIFICATIVAPublicações escassasTesesPrincipais estudiosos: Ermínia Silva e AntonioTorresFez e faz parte da constituição da história culturalbrasileiraCircenses não registraram suas transformações Ana Thais Sasso - A vida no circo, o circo na vida [4/13]
    • 5. PROBLEMA Qual a influência do circo para a sociedade atual e como ele pode mudar a vida de pessoas que não nasceram nesse contexto? Questionário com 78 participações:  67% não visitou o circo nos últimos 3 anos  64% não conhece nenhuma escola de circo  51% nunca ouviu falar sobre o trabalho social realizadoAna Thais Sasso - A vida no circo, o circo na vida [5/13]
    • 6. PRODUTO “A história do circo são as histórias dos circenses fazendo circo” Ermínia SilvaAna Thais Sasso - A vida no circo, o circo na vida [6/13]
    • 7. ORIGEM Hipóteses: Turquia, China ou Grécia Antiga Inglaterra (século XVIII): cavalaria de Philip Astley Migra para Américas Imagem de c artaz da cav de Philip As alaria tleyAna Thais Sasso - A vida no circo, o circo na vida [7/13]
    • 8. BRASIL 1800 a 1913: ciclos da borracha e do café 1914 a 1918: fixaram-se e formam primeiras famílias nascidas no país Circo G a rcia na década de 1970Ana Thais Sasso - A vida no circo, o circo na vida [8/13]
    • 9. ARTE-EDUCAÇÃO E CIRCO SOCIALAna Thais Sasso - A vida no circo, o circo na vida [9/13]
    • 10. “O homem é resultado do meio cultural em que foi localizado” Roque de Barros Laraia “A tarefa do educador é ajudar o educando a conhecer a si mesmo e a capacitar-se para participar na construção de um mundo melhor” Gustavo Alberto Corrêa PintoAna Thais Sasso - A vida no circo, o circo na vida [10/13]
    • 11. BENEFÍCIOS Circo social Inteligência emocional Autoconhecimento Conhecer limites e superá-los Melhorar as formas de expressão Confiança Ensin Dedicação o Responsabilidade formalAna Thais Sasso - A vida no circo, o circo na vida [11/13]
    • 12. CONCLUSÃO • Trajetória não é imutável • Constante evolução • Não existe verdade absoluta • Memórias como base • Histórias interligadas • Hipóteses • Percepções Galdino) (Divulgação: PedroAna Thais Sasso - A vida no circo, o circo na vida [12/13]
    • 13. LIVROAna Thais Sasso Comunicação Social (Jornalismo) Campus Vergueiro Apresentação disponível em: slideshare.net/anatsasso Livro disponível em: isssuu.com/anathaissasso/docs/avidanocirco2

    ×