Your SlideShare is downloading. ×
0
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Papel das Marcas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Papel das Marcas

3,116

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
3,116
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
110
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Ana Puglia<br />Voltando um pouco...<br />
  • 2. Pré-Modernindade<br />“Longe” e “Tarde”, assim como “Perto” e “Cedo”, significavam quase a mesma coisa: exatamente quanto esforço seria necessário para que um ser humano percorresse uma certa distância;<br />www.anapuglia.com<br />
  • 3. Modernidade<br />Revolução Industrial: construção de veículos que podiam se mover mais rápido que as pernas dos humanos e dos animais; <br />A velocidade do movimento através do espaço se torna uma questão do engenho, da imaginação e da capacidade humanas.<br />www.anapuglia.com<br />
  • 4. Modernidade<br />O tempo se tornou o problema do “hardware” que os humanos podem inventar, construir, apropriar, usar e controlar.<br />www.anapuglia.com<br />
  • 5. Modernidade<br />Espaço e tempo são separados;<br />O acesso a meios mais rápidos de mobilidade torna-se a principal ferramenta de poder.<br />www.anapuglia.com<br />
  • 6. Ana Puglia<br />Modernidade Sólida<br />
  • 7. Fábrica Fordista<br /> Atividade se resumia a movimentos simples, rotineiros pré-determinados, mecanicamente seguidos;<br /> Sem espontaneidade;<br /> Sem iniciativa individual.<br />www.anapuglia.com<br />
  • 8. Modernidade Sólida<br />Coloca o “solo” acima do sangue;<br />Racionalidade;<br />A economia era a base da vida social;<br />Sociedade totalitária;<br />Homogeneidade;<br />Ordem;<br />Rigidez;<br />Longo prazo;<br />Lucro vem da durabilidade e confiabilidade do produto.<br />www.anapuglia.com<br />
  • 9. As Marcas Substituem os Produtos<br />Conversão da horta às conservas e congelados; do galinheiro aos peitos de frango sob celofane;<br />Discurso social que valoriza a mudança: modernidade, progresso e produção em massa;<br />As marcas nomeiam, identificam e diferenciam.<br />www.anapuglia.com<br />
  • 10. As Marcas Substituem os Produtos<br />Restritas ao universo do consumo;<br />Médios e grandes centros comerciais;<br />Comunicação publicitária limitada pelas dificuldades de difusão.<br />www.anapuglia.com<br />
  • 11. Sociedade de Consumo<br />Relação com a coletividade e com o mundo;<br />Um modo de atividade sistemática; <br />Global;<br />Fundação de todo o sistema cultural da época.<br />www.anapuglia.com<br />
  • 12. Comunicação<br />Revista Manchete (RJ), 1958<br />Revista O Cruzeiro (RJ), 1951<br />Fonte: A Evolução do Texto Publicitário – João A. Carrascoza<br />www.anapuglia.com<br />
  • 13. Comunicação<br />Outdoor, 1970<br />Fonte: A Evolução do Texto Publicitário – João A. Carrascoza<br />www.anapuglia.com<br />
  • 14. Primeira Crise<br />1973-1977: questionamento<br />Choques petrolíferos e desaquecimento no crescimento econômico;<br />Surgimento da crítica quanto ao supérfluo como necessidade criada pela sociedade de consumo;<br />Alguns autores publicam análises muito críticas;<br />Durante este período e próximos 10 anos, o papel e significado não mudam de maneira substancial, até o fim da estagnação econômica e início de forte crescimento.<br />www.anapuglia.com<br />
  • 15. Críticas<br />Não mais movida pela necessidade – finalidade racional<br />Movida pelo Desejo <br />Pela lógica social <br />Reforça a ordem vigente –conformidade<br />As necessidades são condicionadas (papel importante da comunicação)<br />Ditadura da ordem de produção: produtores controlam os comportamentos, dirigindo e configurando as atitudes sociais e as necessidades.<br />www.anapuglia.com<br />
  • 16. Ana Puglia<br />A aceleração chega ao seu limite natural: a instantaneidade.<br />
  • 17. Ana Puglia<br />Modernidade Líquida<br />
  • 18. Modernidade Líquida<br />O poder move-se com a velocidade do sinal eletrônico;<br />A quase instantaneidade do tempo anuncia a desvalorização do espaço;<br />As pessoas que se movem e agem com maior rapidez, que mais se aproximam do momentâneo do movimento, são as pessoas que agora mandam.<br />Se soubermos que podemos viajar a um lugar em qualquer momento que quisermos, não há urgência em visitá-lo nem gastar dinheiro em uma passagem válida para sempre;<br />www.anapuglia.com<br />
  • 19. Modernidade Líquida<br />Liberdade, contingência, variedade, ambiguidade, instabilidade...<br />A modernidade se tornou transgressiva, rompedora de fronteiras e capaz de tudo desmoronar.<br />www.anapuglia.com<br />
  • 20. O que foi derretido?<br />Importância do espaço;<br />Responsabilidade pelas consequências;<br />Engajamento entre as escolhas individuais em projetos e ações coletivas;<br />Família, líderes...<br />Solidez: com seu peso, substancialidade e capacidade de resistência;<br />Laços com compromissos;<br />Homogeneidade compulsória, imposta e onipresente.<br />www.anapuglia.com<br />
  • 21. Novos Moldes Foram Criados<br />O Poder rejeita qualquer confinamento territorial; é móvel e escorregadio;<br />No topo da pirâmide do capitalismo leve, circulam aqueles para os quais o espaço tem pouca ou nenhuma importância<br />As guerras se prestam à promoção do livre comércio;<br />Saem os grupos de referência, entra a comparação universal;<br />Os padrões não são evidentes; são conflitantes;<br />Os poderes passam das mãos do sistema para as da sociedade;<br />Individualismo;<br />www.anapuglia.com<br />
  • 22. Novos Moldes<br />Nada dura muito tempo;<br />Lucro vem da velocidade da circulação, da reciclagem, do envelhecimento, da substituição;<br />Cada presente é avaliado por alguma coisa que vem depois;<br />Valores voláteis;<br />www.anapuglia.com<br />
  • 23. Modernidade Líquida<br />Despreocupada com o futuro;<br />Egoísta;<br />Hedonista.<br />Aceitação da desorientação;<br />Disposição a viver fora do espaço e do tempo, com vertigens e tonturas, sem indicação da direção ou duração da viagem...<br />www.anapuglia.com<br />
  • 24. Consumir se Tornou Monótono<br />Como todo ato repetitivo, o maravilhamento com os bens de consumo desgastou-se;<br />A monotonia das compras não mais satisfaz;<br />Excessos da globalização fragilizam sua credibilidade, legitimidade;<br />Multiplicidade de ofertas despertam sentimentos paradoxais.<br />www.anapuglia.com<br />
  • 25. Marcas<br />Meados 80 até 2001-2002: crescimento e apogeu<br />A marca se torna uma entidade autônoma de comunicação;<br />Os consumidores queriam ser seduzidos pelas marcas, ao invés de simplesmente informados;<br />As dimensões que excedem a realidade do produto tomam a dianteira;<br />Diversificação dos suportes, das técnicas, dos modos de contato e relação com os consumidores – Internet<br />A onipresença das marcas, seu poder e, em certa medida, sua arrogância começam a saturar o espaço social e inquietar a opinião e poderes públicos.<br />www.anapuglia.com<br />
  • 26. Marcas:Entidades Autônomas<br />www.anapuglia.com<br />
  • 27. Ana Puglia<br />
  • 28. Ana Puglia<br />
  • 29. Ana Puglia<br />
  • 30. Marcas<br />Início do Século:<br />Estouro da bolsa, recessão econômica, atentados em Manhattan e guerra no Iraque criam outro clima;<br />Consenso em torno do liberalismo capitalista é dissipado;<br />Dúvida e desconfiança em relação às marcas.<br />www.anapuglia.com<br />
  • 31. Marcas<br />Início do Século:<br />“No Logo” – Naomi Klein gera onda de escândalo e faz das marcas um tema de debate público;<br />Não podemos mais negar influência nos mercados, sociedades, poderes públicos, grupos sociais e indivíduos.<br />www.anapuglia.com<br />
  • 32. A marca passa a ser analisada quanto ao ser poder:<br /> material,<br /> simbólico, econômico,<br /> de sedução e, também, pela sua legitimidade:<br /> comercial e cultural.<br />www.anapuglia.com<br />
  • 33. A Onipresença Começa a Incomodar<br />www.anapuglia.com<br />
  • 34. Marcas<br /> Marketing Minimalista<br /> Marketing Permissivo<br /> Uma marca de prestígio deve tomar a via da discrição, comunicar apenas o que o seu público requisitar, falar <br /> com voz baixa, utilizar instrumentos não invasivos, <br /> empregar temas e argumentos pertinentes e moderados.<br />www.anapuglia.com<br />
  • 35. Ana Puglia<br />Contexto onde Atualmente Desenvolvemos nossos Projetos <br />
  • 36. Ana Puglia<br />
  • 37. Consumo Contemporâneo<br />Produto:<br />Redução do tamanho, miniaturização;<br />O menor, mais leve e mais portátil significa melhoria e progresso;<br />Menor presença física;<br />Maior densidade simbólica e imaginária;<br />O valor das trocas é ancorado na força dos sentidos produzidos.<br />www.anapuglia.com<br />
  • 38. Consumo Contemporâneo<br />Produto:<br />Produtos eletrônicos que permitem o exercício da criatividade;<br />Produtos que investem na sua aparência, através do design;<br />Serviços;<br />Lazer;<br />Cultura...<br />www.anapuglia.com<br />
  • 39. Consumo Contemporâneo<br />Marca:<br />As promessas dos bens de consumo são substituídas pelas promessas das marcas;<br />É o Projeto de Marca que cria valor, através da sua autenticidade, legitimidade e originalidade;<br />Ela dá sentido ao próprio ato de consumir;<br />Fornece um contexto a uma experiência que sozinha tenderia a ser imprecisa ou muito abstrata.<br />www.anapuglia.com<br />
  • 40. Consumo Contemporâneo e a Mídia<br />Roger Silverstone<br />A mídia tem relação fundamental para a experiência. Ela anima, reflete e exprime a experiência, nossa experiência, dia após dia.<br />Consumimos sem cessar...reproduzimos e afetamos consideravelmente a textura da experiência. Nisso recebemos auxílio da mídia.<br />Consumo e mediação são interdependentes.<br />www.anapuglia.com<br />
  • 41. Ana Puglia<br />Se a modernidade sólida esteve estreitamente associada ao universo da produção industrial, da materialidade, do pragmatismo,do funcionamento, do racionalismo...<br /> ... a época atual parece colocar em discussão um grande número destes valores e ceder um espaço maior às noções de fantasia, criatividade, expressão pessoal e procura de sentido<br />www.anapuglia.com<br />
  • 42. Ana Puglia<br />A maior parte da vida humana consome-se na agonia quanto à escolha de objetivos e não na procura dos meios para os fins.<br />www.anapuglia.com<br />
  • 43. Ana Puglia<br />A marca pós-moderna deve ter <br /> a capacidade de gerar mundos<br /> possíveis que ofereçam:<br />propostas imaginárias e <br /> sistemas de sentido organizados <br /> que funcionem como estímulos<br /> e recursos para<br /> a construção de:<br />identidades,<br /> projetos e <br /> imaginários pessoais.<br />www.anapuglia.com<br />
  • 44. Bibliografia<br />A Marca Pós-Moderna – Andréa Semprini<br />Modernidade Líquida – ZygmuntBauman<br />A Sociedade de Consumo – Jean Baudrillard<br />www.anapuglia.com<br />

×