NR 33 Espaços Confinados Trabalhador vigia

22,570 views
22,131 views

Published on

Serviços em Espaços confinados para trabalhadores e vigias autorizados

1 Comment
17 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
22,570
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
14
Actions
Shares
0
Downloads
1,060
Comments
1
Likes
17
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

NR 33 Espaços Confinados Trabalhador vigia

  1. 1. ESPAÇOS CONFINADOS – TRABALHADOR/VIGIA CONCEITOS GERAIS 1
  2. 2. Objetivos de aprendizagem Ao final da capacitação, o profissional deverá: compreender conceitos e identificar as responsabilidades da equipe;  compreender os benefícios individuais e coletivos da prevenção de acidentes ocorridos em espaço confinado; compreender as formas de comunicação entre os membros da equipe em espaço confinado; reconhecer e controlar os riscos e as medidas de controle associadas às atividades realizadas em espaço confinado; desenvolver a percepção do risco em atividades realizadas 2 em espaço confinado;
  3. 3. Objetivos de aprendizagem Ao final da capacitação, o profissional deverá:  compreender a importância da inspeção e utilização dos equipamentos de proteção individual (EPIs) e equipamentos de proteção coletiva (EPCs);  executar atividades considerando procedimentos e práticas específicas de segurança em espaço confinado;  aplicar os conceitos, requisitos e procedimentos de segurança referentes ao trabalho em espaço confinado;  aperfeiçoar as práticas de segurança dos profissionais em atividades realizadas em espaço confinado. 3
  4. 4. O QUE É ESPAÇO CONFINADO?  ESPAÇO CONFINADO É QUALQUER ÁREA OU AMBIENTE NÃO PROJETADO PARA OCUPAÇÃO HUMANA CONTÍNUA;  POSSUI MEIOS LIMITADOS DE ENTRADA E SAÍDA;  A VENTILAÇÃO EXISTENTE É INSUFICIENTE PARA REMOVER CONTAMINANTES OU ONDE POSSA EXISTIR A DEFICIÊNCIA OU ENRIQUECIMENTO DE OXIGÊNIO 4 01
  5. 5. 5
  6. 6. ENTRADA 6 PARTE INTERNA
  7. 7. ONDE É ENCONTRADO O ESPAÇO CONFINADO?  INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE.  INDÚSTRIA GRÁFICA.  INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA.  INDÚSTRIA DA BORRACHA, Tanques de armazenamento DO COURO E TÊXTIL.  INDÚSTRIA NAVAL E OPERAÇÕES MARÍTIMAS. 7  INDÚSTRIAS QUÍMICAS E PETROQUÍMICAS. Tubulações Fonte: Petit & Linn, 1987 02
  8. 8. ONDE É ENCONTRADO O ESPAÇO CONFINADO?  SERVIÇOS DE GÁS.  SERVIÇOS DE ÁGUAS E ESGOTO.  SERVIÇOS DE ELETRICIDADE.  SERVIÇOS DE TELEFONIA. Galerias  CONSTRUÇÃO CIVIL.  BENEFICIAMENTO DE MINÉRIOS.  SIDERÚRGICAS E METALÚRGICAS.  AGRICULTURA. 8 Silos  AGRO-INDÚSTRIA. Biodigestor Fonte: Petit & Linn, 1987 03
  9. 9. TIPOS DE TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS:  OBRAS DA CONSTRUÇÃO CIVIL.  OPERAÇÕES DE SALVAMENTO E RESGATE.  MANUTENÇÃO, REPAROS, LIMPEZA OU INSPEÇÃO DE EQUIPAMENTOS OU RESERVATÓRIOS. 9 04
  10. 10. RISCOS QUANDO SE TRABALHA EM ESPAÇOS CONFINADOS:  FALTA OU EXCESSO DE OXIGÊNIO.  INCÊNDIO OU EXPLOSÃO, PELA PRESENÇA DE VAPORES E GASES INFLAMÁVEIS.  INTOXICAÇÕES POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS.  INFECÇÕES POR AGENTES BIOLÓGICOS.  AFOGAMENTOS.  SOTERRAMENTOS.  QUEDAS. 10  CHOQUES ELÉTRICOS. TODOS ESTES RISCOS PODEM LEVAR A MORTES OU DOENÇAS. 05
  11. 11. COMO EVITAR ACIDENTES EM ESPAÇOS CONFINADOS?  CERTIFICANDO-SE QUE A SUA EMPRESA: SEGUE A  NBR 14.787 – “ESPAÇOS CONFINADOS – PREVENÇÃO DE ACIDENTES, PROCEDIMENTOS E MEDIDAS DE PROTEÇÃO”. E ATENDE A  NORMA REGULAMENTADORA n.º 33 SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM 11 ESPAÇOS CONFINADOS ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS NBR – NORMA BRASILEIRA MTE – MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR – NORMA REGULAMENTADORA 06
  12. 12. QUANDO VOCÊ PODE ENTRAR EM UM ESPAÇO CONFINADO?  SOMENTE QUANDO SUA EMPRESA FORNECER A AUTORIZAÇÃO NA PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO - PET,  ESSA PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO PET É EXIGIDA POR LEI E É EXECUTADA PELO SUPERVISOR DE ENTRADA.  O SERVIÇO A SER EXECUTADO DEVE SEMPRE SER ACOMPANHADO POR UM VIGIA. 12 07
  13. 13. 33.2 Das Responsabilidades 13 33.2.1 Cabe ao Empregador (empresa): a) indicar formalmente o responsável técnico pelo cumprimento desta norma; b) identificar os espaços confinados existentes no estabelecimento; c) identificar os riscos específicos de cada espaço confinado; d) implementar a gestão em segurança e saúde no trabalho em espaços confinados, por medidas técnicas de prevenção, administrativas, pessoais e de emergência e salvamento, de forma a garantir permanentemente ambientes com condições adequadas de trabalho;
  14. 14. e) garantir a capacitação continuada dos trabalhadores sobre os riscos, as medidas de controle, de emergência e salvamento em espaços confinados; f) garantir que o acesso ao espaço confinado somente ocorra após a emissão, por escrito, da Permissão de Entrada e Trabalho, conforme modelo constante no anexo II desta NR; g) fornecer às empresas contratadas informações sobre os riscos nas áreas onde desenvolverão suas atividades e exigir a capacitação de seus trabalhadores; h) acompanhar a implementação das medidas de segurança e saúde dos trabalhadores das empresas contratadas provendo os meios e condições para que eles possam atuar em conformidade 14 com esta NR;
  15. 15. i) interromper todo e qualquer tipo de trabalho em caso de suspeição de condição de risco grave e iminente, procedendo ao imediato abandono do local; e j) garantir informações atualizadas sobre os riscos e medidas de controle antes de cada acesso aos espaços confinados. 15
  16. 16. 33.2.2 Cabe aos Trabalhadores (empregado): a) colaborar com a empresa no cumprimento desta NR; b) utilizar adequadamente os meios e equipamentos fornecidos pela empresa; c) comunicar ao Vigia e ao Supervisor de Entrada as situações de risco para sua segurança e saúde ou de terceiros, que sejam do seu conhecimento; e d) cumprir os procedimentos e orientações recebidos nos treinamentos com relação aos espaços confinados. 16
  17. 17. A EMPRESA DEVE PROVIDENCIAR:  TREINAMENTO A TODOS OS TRABALHADORES.  INSPEÇÃO PRÉVIA NO LOCAL  ELABORAÇÃO DA APR – ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO. 17 08
  18. 18. A EMPRESA DEVE PROVIDENCIAR:  EXAMES MÉDICOS.  PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO - PET. 18 09
  19. 19. A EMPRESA DEVE PROVIDENCIAR:  SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO  SUPERVISOR DE ENTRADA E VIGIA. DA ÁREA. 19 10
  20. 20. A EMPRESA DEVE PROVIDENCIAR:  EQUIPAMENTOS MEDIDORES DE OXIGÊNIO, GASES E VAPORES TÓXICOS E INFLAMÁVEIS.  EQUIPAMENTOS DE VENTILAÇÃO. 20 11
  21. 21. A EMPRESA DEVE PROVIDENCIAR:  EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL.  EQUIPAMENTOS DE COMUNICAÇÃO, ILUMINAÇÃO. 21  EQUIPAMENTOS DE RESGATE. 12
  22. 22. DIREITOS DO TRABALHADOR – ENTRADA SEGURA  ENTRAR EM ESPAÇO CONFINADO SOMENTE APÓS O SUPERVISOR DE ENTRADA REALIZAR TODOS OS TESTES E ADOTAR AS MEDIDAS DE CONTROLE 22 NECESSÁRIAS. 13
  23. 23. DIREITOS DO TRABALHADOR – ENTRADA SEGURA 33.5 Disposições Gerais  33.5.1 O empregador deve garantir que os trabalhadores possam interromper suas atividades e abandonar o local de trabalho, sempre que suspeitarem da existência de risco grave e iminente para sua 23 segurança e saúde ou a de terceiros. 14
  24. 24. DIREITOS DO TRABALHADOR - TREINAMENTO  CONHECER OS RISCOS DO TRABALHO A SER EXECUTADO.  CONHECER O TRABALHO A SER EXECUTADO.  CONHECER OS PROCEDIMENTOS E EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA PARA EXECUTAR O TRABALHO 24  RECEBER TODOS OS EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA NECESSÁRIOS PARA EXECUÇÃO DOS TRABALHOS.  CONHECER OS PROCEDIMENTOS E EQUIPAMENTOS DE RESGATE E PRIMEIROS SOCORROS. 15
  25. 25. DEVERES DO TRABALHADOR:  EXAMES MÉDICOS.  COMUNICAR RISCOS.  PARTICIPAR DOS TREINAMENTOS E SEGUIR AS INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA. 25  USAR OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO FORNECIDOS. 16
  26. 26. MEDIDAS DE SEGURANÇA – FOLHA DE PERMISSÃO DE ENTRADA  A PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO - PET CONTÉM PROCEDIMENTOS ESCRITOS DE SEGURANÇA E EMERGÊNCIA.  VERIFICAR SE AS MEDIDAS DE SEGURANÇA FORAM IMPLANTADAS E SE A PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO – PET ESTÁ ASSINADA PELO SUPERVISOR DE ENTRADA. 26  O TRABALHADOR DEVE ENTRAR NO ESPAÇO CONFINADO COM UMA CÓPIA DA PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO. 17
  27. 27. MEDIDAS DE SEGURANÇA – SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO DA ÁREA 33.3.3 Medidas administrativas: c) manter sinalização permanente junto à entrada do espaço confinado, conforme o Anexo I da presente norma;  A SINALIZAÇÃO É IMPORTANTE PARA INFORMAÇÃO E ALERTA QUANTO AOS RISCOS EM ESPAÇOS CONFINADOS. 27  O ISOLAMENTO É NECESSÁRIO PARA EVITAR QUE PESSOAS NÃO AUTORIZADAS 18 SE APROXIMEM DO ESPAÇO CONFINADO.
  28. 28. MEDIDAS DE SEGURANÇA – SUPERVISOR DE ENTRADA O SUPERVISOR DE ENTRADA DEVE:  a) emitir a Permissão de Entrada e Trabalho - PET antes do início das atividades; b) executar os testes, conferir os equipamentos e os procedimentos contidos na Permissão de Entrada e Trabalho - PET; c) assegurar que os serviços de emergência e salvamento estejam disponíveis e que os meios para acioná-los estejam operantes; d) cancelar os procedimentos de entrada e trabalho quando necessário; e 28 e) encerrar a Permissão de Entrada e Trabalho PET - após o término dos serviços. 19
  29. 29. MEDIDAS DE SEGURANÇA DESLIGAMENTO DE ENERGIA, TRAVA E SINALIZAÇÃO O SUPERVISOR DE ENTRADA DEVE:  DESLIGAR A ENERGIA ELÉTRICA, TRANCAR COM CHAVE OU CADEADO E SINALIZAR QUADROS ELÉTRICOS PARA EVITAR MOVIMENTAÇÃO ACIDENTAL DE MÁQUINAS OU CHOQUES ELÉTRICOS QUANDO O TRABALHADOR 29 AUTORIZADO ESTIVER NO INTERIOR DO ESPAÇO CONFINADO. 20
  30. 30. vídeo 30 Controle de Riscos Sistemas de trava e bloqueio
  31. 31. 31
  32. 32. 32
  33. 33. MEDIDAS DE SEGURANÇA – TESTES DO AR  OS TESTES DO AR INTERNO SÃO MEDIÇÕES PARA VERIFICAÇÃO DOS NÍVEIS DE OXIGÊNIO, GASES E VAPORES TÓXICOS E INFLAMÁVEIS.  ANTES QUE O TRABALHADOR ENTRE EM UM ESPAÇO CONFINADO, O SUPERVISOR DE ENTRADA DEVE REALIZAR TESTES INICIAIS DO AR INTERNO.  DURANTE AS MEDIÇÕES, O SUPERVISOR DE 33 ENTRADA DEVE ESTAR FORA DO ESPAÇO CONFINADO. 22
  34. 34. Avaliação da Atmosfera - Equipamentos Detector de Gases 34 Oxímetro
  35. 35. 35 Antes da entrada e após cada interrupção ou mudança de turno, é obrigatório o teste do ar atmosférico do espaço confinado e abertura de nova PET. Incêndio e Explosão Elementos Essenciais do Fogo COMBURENTE COMBUSTÍVEL CALOR Reação em Cadeia Combustível GÁS
  36. 36. MEDIDAS DE SEGURANÇA – TESTES DO AR 36  AS MEDIÇÕES SÃO NECESSÁRIAS PARA QUE NÃO OCORRAM ACIDENTES POR ASFIXIA, INTOXICAÇÃO, INCÊNDIO OU EXPLOSÃO. 23
  37. 37. ATMOSFERAS ● Monitoramento da Área Confinada Antes da entrada e início do trabalho dentro do Espaço Confinado as condições atmosféricas devem ser avaliadas e monitoradas com o auxílio de instrumentos de leitura direta. Condições de concentrações favoráveis para a entrada: Oxigênio  Maior que 19.5% e menor que 23,0% Vapores ou Gases Inflamáveis  Menor que 10% do LIE (limite inferior de explosividade) Monóxido de Carbono  Menor que 25 ppm (partes por milhão) Gás Sulfídrico  Menor que 8% 37 Cloro  Menor que 0,5 PPM Outros tipos de Gases  Menor que o valor do teto limite de concentração.
  38. 38. AVALIAÇÃO DO ESPAÇO CONFINADO CVRD SULFÍDRICO (H25) (MAIS LEVE QUE O AR) 38 METANO (MAIS PESADO QUE O AR)
  39. 39. 39
  40. 40. 40
  41. 41. Concentração de oxigênio % O2 23,5 Atmosfera rica em oxigênio. 21,0 Nível de oxigênio. 19,5 Nível mínimo para entrada segura. 12-16 Alteração da respiração e do estado emocional; fadiga anormal em qualquer atividade; extinção da chama. 10-11 Aumento da respiração e da pulsação; coordenação motora prejudicada; euforia e possível dor de cabaça. 6-10 Náusea e vômito; incapacidade de realizar movimentos; possível inconsciência; possível colapso enquanto consciente mas sem socorro. <6 41 Respiração fegante; paradas respiratórias seguidas de parada cardíaca; morte em minutos.
  42. 42. Espaços Confinados Gases e Líquidos Inflamáveis Curva de Explosividade L.I.I. é o ponto onde existe a mínima concentração para que uma mistura de ar + gás/vapor se inflame. Combustível 0% L.I.I. POBRE Pouco Gás 100%Ar L.S.I. é o ponto máximo onde ainda existe uma concentração de mistura de ar + gás/vapor capaz de se inflamar. 100% Combust. L.S.I. EXPLOSIVA EXPLOSIVARICA Muito Gás e pouco Ar 0% Ar 42 Flare
  43. 43. 33.3.2.1 Os equipamentos fixos e portáteis, inclusive os de comunicação e de movimentação vertical e horizontal, devem ser adequados aos riscos dos espaços confinados; 33.3.2.2 Em áreas classificadas os equipamentos devem estar certificados ou possuir documento contemplado no âmbito do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade - INMETRO. 43
  44. 44. i) proibir a ventilação com oxigênio puro; j) testar os equipamentos de medição antes de cada utilização; e k) utilizar equipamento de leitura direta, intrinsecamente seguro, provido de alarme, calibrado e protegido contra emissões eletromagnéticas ou interferências de radiofreqüência. 44
  45. 45. MONITORAMENTO • f) avaliar a atmosfera nos espaços confinados, antes da entrada de trabalhadores, para verificar se o seu interior é seguro; • g) manter condições atmosféricas aceitáveis na entrada e durante toda a realização dos • trabalhos, monitorando, ventilando, purgando, lavando ou inertizando o espaço confinado; • h) monitorar continuamente a atmosfera nos espaços confinados nas áreas onde os trabalhadores autorizados estiverem desempenhando as suas tarefas, para verificar se as condições de acesso e permanência são seguras; 45
  46. 46. MEDIDAS DE SEGURANÇA – VENTILAÇÃO NÃO VENTILAR ESPAÇOS CONFINADOS COM OXIGÊNIO 46  O USO DE OXIGÊNIO PARA VENTILAÇÃO DE LOCAL CONFINADO AUMENTA O RISCO DE INCÊNDIO E EXPLOSÃO. 24
  47. 47. MEDIDAS DE SEGURANÇA – VENTILAÇÃO  DURANTE TODO O TRABALHO NO ESPAÇO CONFINADO DEVE SER UTILIZADA VENTILAÇÃO ADEQUADA PARA GARANTIR A RENOVAÇÃO CONTÍNUA DO AR. 47 25
  48. 48. VENTILAÇÃO ●Providenciar equipamento específico e próprio para ventilação, purga e exaustão. ●Manter a concentração de oxigênio (O2) no ambiente entre 19,5% e 22,0% por volume, através de ventilação natural ou forçada. ●Fazer a exaustão para gases mais leves que o ar no topo do espaço confinado. 48 ●Fazer a exaustão para gases mais pesados que o ar na base do espaço confinado.
  49. 49. VENTILAÇÃO ●Ventilar o ar da base para o topo quando houver gases mais leves que o ar. ●Ventilar o ar do topo para a base quando houver gases mais pesados que o ar. ●Insuflar ar através de dutos flexíveis para ventilar a área antes de se ingressar nela. 49 ●Utilizar equipamento de respiração autônoma para trabalhos em atmosferas irrespiráveis
  50. 50. MEDIDAS DE SEGURANÇA – VENTILAÇÃO 50
  51. 51. MEDIDAS DE SEGURANÇA - EPI  OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL – EPIs DEVEM SER FORNECIDOS GRATUITAMENTE.  O TRABALHADOR DEVE SER TREINADO QUANTO AO USO  DEVEM SER UTILIZADOS EPIs ADEQUADO DO EPI. ADEQUADOS PARA CADA SITUAÇÃO DE 51RISCO EXISTENTE. 26
  52. 52. Proteção Respiratória SISTEMA DE AR MANDADO CILINDRO DE FUGA EQUIPAMENTO AUTONOMO 52 MANGUEIRA
  53. 53. Uso adequado da proteção respiratória 53
  54. 54. vídeo 54
  55. 55. MEDIDAS DE SEGURANÇA - OBJETOS PROIBIDOS  CIGARROS NUNCA FUME NO ESPAÇO CONFINADO!  TELEFONE CELULAR NÃO DEVE SER UTILIZADO COMO APARELHO DE COMUNICAÇÃO EM ESPAÇO CONFINADO.  VELAS – FÓSFOROS - ISQUEIROS NÃO DEVEM SER UTILIZADOS. 33.3.2.4 Adotar medidas para eliminar ou controlar os riscos de incêndio ou explosão em trabalhos a quente, tais como solda, aquecimento, 55 esmerilhamento, corte ou outros que liberem chama aberta, faíscas ou calor.  OBJETOS NECESSÁRIOS À EXECUÇÃO DO TRABALHO QUE PRODUZAM CALOR, CHAMAS OU FAÍSCAS, DEVEM SER PREVISTOS NA PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO. 27
  56. 56. MEDIDAS DE SEGURANÇA - EQUIPAMENTOS ESPECIAIS  DEVEM SER FORNECIDOS EQUIPAMENTOS ESPECIAIS PARA TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS COMO:  DETECTORES DE GASES,  LANTERNAS. À PROVA DE EXPLOSÃO. 56  RÁDIOS DE COMUNICAÇÃO. 28
  57. 57. MEDIDAS DE EMERGÊNCIA E RESGATE  O EMPREGADOR DEVE ELABORAR E IMPLANTAR PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA E RESGATE ADEQUADOS AO ESPAÇO CONFINADO.  O EMPREGADOR DEVE FORNECER EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS QUE POSSIBILITEM MEIOS SEGUROS DE RESGATE.  OS TRABALHADORES DEVEM SER 57 TREINADOS PARA SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA E RESGATE.  SITUAÇÃO DE TREINAMENTO COM SIMULAÇÃO DE OPERAÇÃO DE SALVAMENTO E RESGATE. 29
  58. 58. ● Vigia Trabalhador que deve estar postado à entrada do espaço confinado, a fim de servir como elemento de ligação entre o interior e o exterior e, além disso, providenciar o socorro imediato no caso de emergências, como também controlar a entrada e saída de pessoal. O trabalhador designado como vigia externo deve receber treinamento específico com reciclagem anual, 58 quanto aos procedimentos a serem adotados em caso de emergência envolvendo os trabalhadores dentro do Espaço Confinado.
  59. 59. MEDIDAS DE SEGURANÇA – VIGIA O VIGIA DEVE:  a) manter continuamente a contagem precisa do número de trabalhadores autorizados no espaço confinado e assegurar que todos saiam ao término da atividade; b) permanecer fora do espaço confinado, junto à entrada, em contato permanente com os trabalhadores autorizados; c) adotar os procedimentos de emergência, acionando a equipe de salvamento, pública ou privada, quando necessário; d) operar os movimentadores de pessoas; e e) ordenar o abandono do espaço confinado sempre que reconhecer 59 algum sinal de alarme, perigo, sintoma, queixa, condição proibida, acidente, situação não prevista ou quando não puder desempenhar efetivamente suas tarefas, nem ser substituído por outro Vigia. 21
  60. 60. 60
  61. 61. LEMBRE-SE SEMPRE  GARANTA SUA VIDA E A DE SEUS COMPANHEIROS CONHECENDO E EXIGINDO TRABALHOS SEGUROS EM ESPAÇOS CONFINADOS.  VOLTAR PARA CASA COM SAÚDE É UM DIREITO DE TODOS OS TRABALHADORES. 61 30

×