Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Rv generos textuais  revisados
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Rv generos textuais revisados

  • 2,639 views
Published

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
2,639
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
109
Comments
0
Likes
4

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Gêneros textuais: definiçãoGêneros textuais: definição e funcionalidadee funcionalidade Prof. Luiz AntônioProf. Luiz Antônio MarcuschiMarcuschi Gêneros textuais comoGêneros textuais como práticas sociodiscursivaspráticas sociodiscursivas
  • 2. 1. Gêneros textuais1. Gêneros textuais  Tipo de enunciado relativamente estável, doTipo de enunciado relativamente estável, do ponto de vista temático, composicional eponto de vista temático, composicional e estilístico (Bakhtin,1992).estilístico (Bakhtin,1992).  Os gêneros são processos particulares deOs gêneros são processos particulares de produção e consumo social de textos eprodução e consumo social de textos e representam a sedimentação derepresentam a sedimentação de desenvolvimentos de práticas sociodiscursivasdesenvolvimentos de práticas sociodiscursivas refletidas na língua (Marcuschi, 2000).refletidas na língua (Marcuschi, 2000).
  • 3. Gêneros textuais comoGêneros textuais como práticas sócio-históricaspráticas sócio-históricas  Entidades sociodiscursivas e formas de açãoEntidades sociodiscursivas e formas de ação social incontornáveis em qualquer situaçãosocial incontornáveis em qualquer situação comunicativa;comunicativa;  fenômenos históricos, vinculados à vida culturalfenômenos históricos, vinculados à vida cultural e social;e social;  fruto de trabalho coletivo;fruto de trabalho coletivo;  ordenam e estabilizam as atividadesordenam e estabilizam as atividades comunicativas do dia a dia;comunicativas do dia a dia;  são maleáveis, dinâmicos e plásticos.são maleáveis, dinâmicos e plásticos.
  • 4.  Os gêneros são entidades dinâmicas poderosas que:Os gêneros são entidades dinâmicas poderosas que:  condicionam nossas escolhas;condicionam nossas escolhas;  limitam nossa ação na escrita;limitam nossa ação na escrita;  impõem restrições e padronizações;impõem restrições e padronizações;  convidam também a escolhas, estilos, criatividade econvidam também a escolhas, estilos, criatividade e variações.variações.  Assim como a língua varia, também os gêneros:Assim como a língua varia, também os gêneros:  variam;variam;  adaptam-se;adaptam-se;  renovam-se;renovam-se;  multiplicam-se.multiplicam-se.
  • 5.  Os gênerosOs gêneros nãonão são modelos estanquessão modelos estanques nemnem estruturas rígidas.estruturas rígidas.  Os gênerosOs gêneros nãonão são superestruturassão superestruturas canônicas, mas tambémcanônicas, mas também nãonão sãosão amorfos.amorfos.  Os gênerosOs gêneros nãonão são estáticossão estáticos nemnem puros.puros.
  • 6. 2. Novos gêneros e velhas2. Novos gêneros e velhas basesbases  Grandes suportes tecnológicos daGrandes suportes tecnológicos da comunicação propiciam novos ecomunicação propiciam novos e característicos gêneros.característicos gêneros.  Novos gêneros são ancorados em gêneros jáNovos gêneros são ancorados em gêneros já existentes.existentes.  O que determina o gênero?O que determina o gênero? a)a) As formas;As formas; b)b) as funções;as funções; c)c) o suporte.o suporte.
  • 7. 3. TIPOS E GÊNEROS3. TIPOS E GÊNEROS Para ilustrar as principais diferenças entre tipos e gêneros textuais,Para ilustrar as principais diferenças entre tipos e gêneros textuais, Marcuschi (2002: 23) traz o seguinte quadro sinóptico:Marcuschi (2002: 23) traz o seguinte quadro sinóptico:
  • 8. Definição de tipo e gêneroDefinição de tipo e gênero textualtextual  Domínio discursivoDomínio discursivo  esfera ou instância deesfera ou instância de produção discursiva ou de atividade humana.produção discursiva ou de atividade humana.  TextoTexto  entidade concreta realizadaentidade concreta realizada materialmente e corporificada em algum gêneromaterialmente e corporificada em algum gênero textual.textual.  DiscursoDiscurso  aquilo que um texto produz ao seaquilo que um texto produz ao se manifestar em alguma instância discursiva. Omanifestar em alguma instância discursiva. O discurso se realiza nos textos.discurso se realiza nos textos.
  • 9. Definição de tipo e gêneroDefinição de tipo e gênero textualtextual  Tipo textualTipo textual  predomínio de sequênciaspredomínio de sequências linguísticas típicas como norteadoras; entidadeslinguísticas típicas como norteadoras; entidades formais.formais.  Gênero textualGênero textual  predomínio de critérios depredomínio de critérios de ação prática, circulação sócio-histórica,ação prática, circulação sócio-histórica, funcionalidade, conteúdo temático, estilo efuncionalidade, conteúdo temático, estilo e composicionalidade; entidades comunicativas.composicionalidade; entidades comunicativas.
  • 10. 4. Algumas observações4. Algumas observações sobre os tipos textuaissobre os tipos textuais  Um mesmo gênero textual pode realizarUm mesmo gênero textual pode realizar diferentes tipos textuais (sequênciasdiferentes tipos textuais (sequências tipológicas).tipológicas).  Um texto é em geral tipologicamente variadoUm texto é em geral tipologicamente variado (heterogêneo).(heterogêneo).  As sequências tipológicas servem de armaçãoAs sequências tipológicas servem de armação de base, uma malha infratextual.de base, uma malha infratextual.
  • 11. Tipos textuais segundoTipos textuais segundo Werlich (1973)Werlich (1973) BasesBases temáticastemáticas ExemplosExemplos Traços linguísticosTraços linguísticos DescritivaDescritiva "Sobre a"Sobre a mesa haviamesa havia milhares demilhares de vidros.”vidros.” estrutura simples comestrutura simples com um verbo estático noum verbo estático no presente oupresente ou imperfeito, umimperfeito, um complemento e umacomplemento e uma indicaçãoindicação circunstancial de lugarcircunstancial de lugar
  • 12. Tipos textuais segundoTipos textuais segundo Werlich (1973)Werlich (1973) BasesBases temáticastemáticas ExemplosExemplos Traços linguísticosTraços linguísticos NarrativaNarrativa "Os"Os passageirospassageiros aterrissaramaterrissaram em Nova Yorkem Nova York no meio dano meio da noite."noite." Verbo de mudança noVerbo de mudança no passado, umpassado, um circunstancial de lugarcircunstancial de lugar e um de tempo: ação.e um de tempo: ação.
  • 13. Tipos textuais segundoTipos textuais segundo Werlich (1973)Werlich (1973) BasesBases temáticastemáticas ExemplosExemplos Traços linguísticosTraços linguísticos ExpositivaExpositiva (identificação(identificação /ligação de/ligação de fenômenos)fenômenos) (a) "Uma parte(a) "Uma parte do cérebro é odo cérebro é o cortex.”cortex.” Exposição sintéticaExposição sintética (composição): sujeito,(composição): sujeito, predicado (no presente) epredicado (no presente) e um complemento com umum complemento com um grupo nominalgrupo nominal  identificação deidentificação de fenômenos.fenômenos.
  • 14. Tipos textuais segundoTipos textuais segundo Werlich (1973Werlich (1973)) BasesBases temáticastemáticas ExemplosExemplos Traços linguísticosTraços linguísticos ExpositivaExpositiva (b) "O cérebro(b) "O cérebro tem 10 milhõestem 10 milhões de neurônios".de neurônios". Exposição analíticaExposição analítica (decomposição):(decomposição): estrutura com umestrutura com um sujeito, um verbo dasujeito, um verbo da família do verbo ter (oufamília do verbo ter (ou verbos como: "contém",verbos como: "contém", "consiste","consiste", "compreende") e um"compreende") e um complemento quecomplemento que estabelece com o sujeitoestabelece com o sujeito uma relação parte-todouma relação parte-todo  ligação deligação de fenômenos.fenômenos.
  • 15. Tipos textuais segundoTipos textuais segundo Werlich (1973)Werlich (1973) BasesBases temáticastemáticas ExemplosExemplos Traços linguísticosTraços linguísticos ArgumentativaArgumentativa (marca a(marca a posiçãoposição discursiva dodiscursiva do falante)falante) "A obsessão"A obsessão com acom a durabilidadedurabilidade nas Artesnas Artes não énão é permanente.”permanente.” Forma verbal com oForma verbal com o verbo ser no presenteverbo ser no presente e um complementoe um complemento (adjetivo): atribuição(adjetivo): atribuição de qualidade.de qualidade.
  • 16. Tipos textuais segundoTipos textuais segundo Werlich (1973)Werlich (1973) BasesBases temáticastemáticas ExemplosExemplos Traços linguísticosTraços linguísticos InjuntivaInjuntiva (incitam à ação)(incitam à ação) "pare!“,"pare!“, ““sejaseja razoável”razoável” Verbo no imperativo:Verbo no imperativo: incitadores à ação.incitadores à ação. Podem mudar a formaPodem mudar a forma  imperativo substituídoimperativo substituído por um "deve". Ex.por um "deve". Ex. "Todos os brasileiros na"Todos os brasileiros na idade de 18 anos doidade de 18 anos do sexo masculino devemsexo masculino devem comparecer ao exércitocomparecer ao exército para alistarem-se. "para alistarem-se. "
  • 17. 5. Observações sobre os5. Observações sobre os gêneros textuaisgêneros textuais  Estruturas inter-gêneros – naturezaEstruturas inter-gêneros – natureza híbrida (funçãohíbrida (função  forma).forma).  Um gênero realiza determinada funçãoUm gênero realiza determinada função comunicativa, adotando o formato decomunicativa, adotando o formato de outro gênero.outro gênero.
  • 18. IntergenericidadeIntergenericidade ColecionadorColecionador ColecionadorColecionador de cheiros trocade cheiros troca um cheiro de cidadeum cheiro de cidade por um cheiro de neblinapor um cheiro de neblina um cheiro de gasolinaum cheiro de gasolina por um cheiro de chuva finapor um cheiro de chuva fina um cheiro de cimentoum cheiro de cimento por um cheiro de orvalho no vento.por um cheiro de orvalho no vento. (“Classificados(“Classificados PoéticosPoéticos“, Roseana Murray)“, Roseana Murray)
  • 19.  DOMÍNIOS DISCURSIVOS –DOMÍNIOS DISCURSIVOS – São os ambientes em que osSão os ambientes em que os gêneros são produzidos e em que circulam.gêneros são produzidos e em que circulam.  SUPORTE –SUPORTE – É um locus físico ou virtual com formato específico queÉ um locus físico ou virtual com formato específico que serve de base ou ambiente de fixação do gênero materializado comoserve de base ou ambiente de fixação do gênero materializado como texto. Numa definição sumária, pode-se dizer que suporte de umtexto. Numa definição sumária, pode-se dizer que suporte de um gênero é uma superfície física em formato específico que suporta, fixagênero é uma superfície física em formato específico que suporta, fixa e mostra um texto.e mostra um texto. (MARCUSCHI, 2003).(MARCUSCHI, 2003).
  • 20. SUPORTESSUPORTES ConvencionaisConvencionais IncidentaisIncidentais  FaixasFaixas  LuminososLuminosos  FolderFolder  EncarteEncarte  OutdoorOutdoor  Quadro de avisosQuadro de avisos  TelefoneTelefone  TelevisãoTelevisão  RádioRádio  JornalJornal  RevistaRevista  Livro didáticoLivro didático  MurosMuros  ParedesParedes  Corpo humanoCorpo humano  RoupasRoupas  Para-choques de caminhãoPara-choques de caminhão  EmbalagemEmbalagem  Paradas de ônibusParadas de ônibus  Estações de metrôEstações de metrô  CalçadasCalçadas
  • 21. Gêneros textuais e ensinoGêneros textuais e ensino  A apropriação dos gêneros é um mecanismoA apropriação dos gêneros é um mecanismo fundamental de socialização, de inserção prática nasfundamental de socialização, de inserção prática nas atividades comunicativas humanas (Bronckart, 1999).atividades comunicativas humanas (Bronckart, 1999).  Visto que todos os textos se manifestam sempre num ouVisto que todos os textos se manifestam sempre num ou noutro gênero textual, um maior conhecimento donoutro gênero textual, um maior conhecimento do funcionamento dos gêneros textuais é importante tantofuncionamento dos gêneros textuais é importante tanto para a produção como para a compreensão.para a produção como para a compreensão.  Gêneros orais X gêneros escritos.Gêneros orais X gêneros escritos.  Análise de gêneros textuais: identificação de suasAnálise de gêneros textuais: identificação de suas características como conteúdo, composição, estilo, nívelcaracterísticas como conteúdo, composição, estilo, nível linguístico e propósitos.linguístico e propósitos.