Psicologia da educação 25.06.11
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Psicologia da educação 25.06.11

on

  • 41,689 views

Princiaois íciones da psicologia na educação

Princiaois íciones da psicologia na educação

Statistics

Views

Total Views
41,689
Views on SlideShare
41,675
Embed Views
14

Actions

Likes
7
Downloads
945
Comments
0

2 Embeds 14

http://giledfrj.blogspot.com.br 10
http://ninhaakicontigo.blogspot.com.br 4

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

Psicologia da educação 25.06.11 Presentation Transcript

  • 1. CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS Psicologia da Educação Profª.Ana Lúcia Gouveia [email_address]
  • 2. CONCEITO E SURGIMENTO DA PSICOLOGIA
    • Psicologia é a ciência que estuda o comportamento humano e seus processos mentais. Melhor dizendo, a Psicologia estuda o que motiva o comportamento humano – o que o sustenta, o que o finaliza e seus processos mentais, que passam pela sensação, emoção, percepção, aprendizagem, inteligência.
    • A história da Psicologia, cuja etimologia deriva de Psique (alma) + Logos (razão ou conhecimento), se confunde com a Filosofia até meados do século XIX. Sócrates, Platão e Aristóteles deram o pontapé inicial na instigante investigação da alma humana.
  • 3. Psicologia Científica
    • O fato é que no final do século XIX, os acadêmicos da época resolvem distanciar a Psicologia da Filosofia e da Fisiologia, dando origem ao que se chamou de Psicologia Moderna ou Científica. Os comportamentos observáveis passam a fazer parte da investigação científica em laboratórios com o objetivo de se controlar o comportamento humano. Nesse sentido, os teóricos objetivam suas ações na tentativa construir um corpo teórico consistente, buscando o reconhecimento, enfim, da Psicologia como ciência. 
  • 4. CORRENTES E REPRESENTANTES DA PSICOLOGIA
  • 5. Inatismo / Pré-formismo / Apriorismo / Racionalismo
    • Ao nascer, a criança vem equipada com capacidades, aptidões e possibilidades que irão amadurecendo até sua transformação em um adulto.
  • 6. Concepção Inatista
    • Essa concepção acredita que os eventos que ocorrem após o nascimento não são essenciais para o desenvolvimento. As qualidades de o ser humano já se encontrariam prontas, não sofrendo qualquer transformação ao longo da existência.
    • O papel do ambiente é interferir o mínimo possível no processo de desenvolvimento da pessoa. Essa concepção valoriza os fatores endógenos (de dentro para fora). Não valoriza o que o indivíduo adquiriu (bagagem)
    • Principais teóricos: Pitágoras, Platão, Descartes, Herbart e Chomsky.
  • 7. Noan Chomsky 1928
    • O homem já nasce como pessoa e vai tomando forma de acordo com o desenvolvimento;
    • Linguagem: herança genética do ser humano.
  • 8.
    • Pré- formismo:
    • Esta teoria defende que o desenvolvimento  embrionário  consiste no desenvolvimento de potencialidades preexistentes no  ovo . O desenvolvimento do novo indivíduo limitava-se à amplificação das estruturas preexistentes no ovo.
    • Apriorismo:
    • Esta teoria que opõe-se ao empirismo por considerar que o indivíduo, ao nascer, traz consigo, já determinadas, as condições do conhecimento e da aprendizagem que se manifestarão imediatamente (inatismo) ou progressivamente pelo processo geral de maturação. Toda a atividade de conhecimento é exclusiva do sujeito, o meio não participa dela.
    • Racionalismo:
    • É a corrente filosófica que iniciou com a definição do raciocínio como operação mental, discursiva e lógica. A partir daí, elabora-se o que é verdadeiro, falso ou provável.
  • 9. Empirismo / Ambientalismo / Behaviorismo / Comportamentalismo
    • O desenvolvimento do ser humano depende principalmente do seu ambiente, dos estímulos do meio em que ele vive, das experiências pelas quais ele passa.
  • 10.
    • Empirismo:
    • Filosofia da experiência, que enfatiza o caráter experimental do conhecimento, em oposição aos conceitos gerais. A perspectiva empirista se harmoniza com o raciocínio indutivo , que parte da observação particular para a generalização, ou seja, do concreto ao abstrato. Pela perspectiva empirista a experiência, baseada na sensação ou emoção, é subjetiva. É o oposto do racionalismo .
    • Ambientalismo:
    • Esta teoria é derivada do empirismo e atribui ao ambiente poder no desenvolvimento humano. O homem desenvolve suas características em função das condições presentes no meio em que se encontra. Skinner é o grande defensor da posição ambientalista. Também é chamada de behavorismo ou comportamentalismo .
  • 11. Skinner 1904-1990
  • 12.
    • A Máquina de Ensinar: O aparelho consistia numa caixa com uma abertura na sua parte superior onde se podia visualizar os problemas propostos, que vinham impressos em uma tira de papel. A criança respondia movendo um ou mais dos cursores, onde estavam impressos os dígitos. As respostas eram impressas juntamente com as suas respectivas perguntas. Um botão devia ser girado ao término de cada resposta. Se esta estivesse correta, o botão giraria facilmente. Já se estivesse incorreta, o botão não giraria e o aluno teria que persistir na mesma questão até que conseguisse solucioná-la. Com o uso da máquina de ensinar, os alunos poderiam progredir no seu próprio ritmo de aprendizagem, vencendo os obstáculos a partir das suas próprias tentativas.
    • Livro: Escola, a máquina de ensinar.
    • Adepto ao reforço positivo.
    • Condicionamento clássico (condicionamento pavloviano ou respondente) e condicionamento operante (Skinner).
    • Existem duas formas de reforço que são: o positivo e o negativo. Ambos têm como função ensinar e reforçar um determinado comportamento. O indivíduo aprende qual o comportamento desejável para alcançar determinado objetivo. Já a punição reforça qual o comportamento indesejável, ou seja, que não deve ser manifestado para evitá-la.
    • Defende que mudanças no comportamento podem ser provocadas (estímulo – resposta)
    • John Watson (1878-1958): Desconsiderava os estudos dos fenômenos mentais e das sensações. O controle do ambiente permite qualquer tipo de comportamento.
  • 13. Construtivismo /Interacionismo / Relativismo
    • Esta terceira forma de conceber o ser humano leva em conta, tanto fatores orgânicos, como fatores ambientais: o homem resulta de forças sócio-históricas específicas mas, ao mesmo tempo, é capaz de ação que o leva a transformar seu meio. 
  • 14. Jean Piaget 1896-1980
  • 15.  
  • 16. Fases do Desenvolvimento Cognitivo
    • Sensório-motor ~ 0-2 anos
    • - percepções sensoriais
    • - pega, balança, joga, bate, morde
    • - descobertas e repetição
    • Pré-operatório ~ 3- 6 anos
    • - aparecimento da linguagem oral
    • - faz-de-conta
    • - pensamento egocêntrico
    • - animismo (as coisas e animais têm emoções)
    • - não tem noção de conservação (muda aparência do objeto/ muda tb a quantidade)
    • Operatório concreto ~ 7-11 anos
    • - pensamento lógico e objetivo (constatação e explicação)
    • - pensamento menos egocêntrico
    • - depende de materiais concretos para ordenar, seriar, classificar
    • Operatório formal ~ 12 anos em diante
    • - o pensamento se torna livre das limitações da realidade concreta (abstração)
    • - raciocínio lógico, hipotético-dedutivo
  • 17. A  Epistemologia Genética consiste numa síntese das teorias então existentes, o  apriorismo  e o empirismo . Piaget não considera que o conhecimento seja inerente ao próprio sujeito, como prega o apriorismo, nem que o conhecimento provenha totalmente das observações do meio que o cerca, como demanda o empirismo.
  • 18. Vygotsky 1896-1934
  • 19. -A trajetória do desenvolvimento se dá “de fora para dentro” (imerso no grupo social) – Internalização de processos interpsicológicos. Pensamento Linguagem
  • 20. Zona de Desenvolvimento Proximal REAL POTENCIAL ZDP É a distância entre o nível de desenvolvimento real e o nível de desenvolvimento potencial.
  • 21. ZDP
    • Nível de desenvolvimento real: o que revela uma atuação independente do sujeito
    • Nível de desenvolvimento proximal: quando alguém não consegue realizar determinada tarefa, mas a faz com a ajuda de outros
    • Nível de desenvolvimento potencial: as tarefas estão na iminência de serem efetivadas
    • Mediação: trocas interpessoais
  • 22. Piaget e Vygotsky: diferenças e semelhanças
    • Piaget privilegia a maturação biológica; Vigotsky, o ambiente social.
    • Piaget acredita que os conhecimentos são elaborados espontaneamente pela criança, Vygotsky entende que a criança já nasce num mundo social.
    • Piaget acredita que a aprendizagem subordina-se ao desenvolvimento, Vygotsky, ao contrário, postula que o desenvolvimento e aprendizagem são processos que se influenciam reciprocamente.
    • Segundo Piaget, o pensamento aparece antes da linguagem, que é uma das suas formas de expressão. Já para Vygotsky, pensamento e linguagem são processos interdependentes, desde o início da vida.
  • 23. Henri Wallon 1879-1962
    • Propôs mudanças estruturais no sistema educacional francês
    • Coordenou o projeto da reforma de ensino (Plano Langevin-Wallon/1944)
    • Suas ideias eram baseadas em quatro elementos:
    • Afetividade
    • Movimento
    • Inteligência
    • A formação do “eu” como pessoa
  • 24. Estágios do Desenvolvimento Cognitivo
    • Impulsivo-emocional ~ 0-1 ano: Marcado pela inabilidade motora, dependência de cuidados maternos, movimentos descoordenados. Comunicação através da emoção (choro, medos, sons que vão se diferenciando), mobilização da presença do outro, contato de caráter social (os adultos vão introduzindo a criança no contexto cultural em que vivem)
    • Sensório-motor ~ 1-3 anos: A criança começa a explorar o mundo físico e manipulá-lo. Maior autonomia de movimentos. O pensamento está atrelado aos gestos.
    • Personalista ~ 3-6 anos: Momento da construção da personalidade. Predomínio de aspectos afetivos na relação com o ambiente. Busca de autonomia. A criança é arredia a ordens, mas tem forte vínculo familiar e necessidade de aprovação.
  • 25.
    • Categorial ~ 6-11 anos: Pensa formando categorias, consegue seriar, classificar, diferenciar. É a fase da curiosidade (conhecer a realidade).
    • Adolescência ~11 anos em diante: Início da puberdade, mudanças na relação com os outros (plano afetivo). O componente afetivo é mais racionalizado em virtude da mudança no campo intelectual. Depara-se com o desafio/conflito de buscar sua identidade, de ampliar seus vínculos afetivos.
  • 26.
    • Wallon dedicou-se ao ENTENDIMENTO DO PSIQUISMO HUMANO , seus mecanismos e relações mútuas, a partir de uma perspectiva genética.
    • Apesar de NÃO TER PROPOSTO UM MÉTODO PEDAGÓGICO , participou ativamente de debates em torno do tema Educação, contribuindo com críticas à educação tradicional.
    • - Manteve INTERLOCUÇÃO com as teorias de PIAGET e FREUD
    • Foi um dos pioneiros a relacionar a hierarquização do sistema nervoso central com a questão da inteligência.
    • - Propôs a teoria do desenvolvimento cognitivo => centrada na psicogênese da pessoa completa
    • - Estudo centrado na criança contextualizada => a passagem dos estágios de desenvolvimento não se dá linearmente , por ampliação, mas por reformulação, instalando-se no momento da passagem de uma etapa a outra, crises que afetam a conduta da criança.
    • No entanto, Wallon pretendia a gênese da pessoa e Piaget a gênese da inteligência.
  • 27. Emília Ferreiro 1937
    • Estudos piagetianos;
    • Como se ensina x Como se aprende;
    • Independe da escolarização;
    • Psicogênese da Língua Escrita;
    • Construtivismo não é método.
  • 28.
    • Emília Ferreiro e Ana Teberosky iniciaram em 1974 uma investigação que permitiu demonstrar que a psicogênese* da língua escrita constitui-se por uma sequência crescente de níveis de complexidade da compreensão do que o sujeito vivencia em direção à leitura e à escrita. A construção do objeto conceitual "ler e escrever" faz-se, portanto, durante vários anos, através de um processo progressivo de elaboração pessoal.
    • * Estudo da origem e desenvolvimento dos processos mentais ou psicológicos, da mente ou da personalidade.
    • O domínio do código escrito é a apropriação de um novo objeto de conhecimento. Com instrumental piagetiano de investigação, Ferreiro & Teberosky partiram da concepção que a aquisição do conhecimento se baseia na atividade do sujeito em interação com o objeto de conhecimento e mostraram que as crianças pré-escolarizadas têm idéias, teorias e hipóteses sobre o código escrito .
  • 29.
    • A vinculação entre a escrita e a fala não tem nada de óbvio para quem está no início do seu processo de alfabetização. E mesmo quando o aprendiz já estabelece a relação entre fala e escrita, a vinculação que se estabelece não é do tipo fonema-grafema.
    • Na concepção construtivista, o conhecimento é algo a ser produzido, construído pelo aprendiz enquanto sujeito e não objeto da aprendizagem é um processo dialético através do qual ele se apropria da escrita e de si mesmo como usuário e produtor de escrita.
  • 30. Níveis Conceituais Lingüísticos
    • Nível 1: Pré-silábico (escrita indiferenciada) – caracteriza-se pela busca de parâmetros de diferenciação entre as marcas gráficas figurativas (desenhos) e não figurativas (letras e números). É dividido em 3 fases:
    • a) Fase pictórica: a criança registra garatujas e desenhos. Escrita indiferenciada.
    • Exemplo:
    (FLOR) b) Fase gráfica primitiva: a criança registra símbolos ou letras misturadas com números. Escrita indiferenciada. Exemplos: N021 (CARRO) RV6N (ÁRVORE) c) Fase pré-silábica: a criança começa a diferenciar letras de números, desenhos ou símbolos. Exemplos: TRAC (CASA) AIVNOAXE (ABACAXI)
  • 31.
    • Nível 2: Silábico (diferenciação da escrita) – A criança conta os “pedaços sonoros”, isto é, as sílabas e coloca um símbolo (letra) para cada pedaço (hipótese silábica). Essa noção de cada sílaba corresponder a uma letra pode acontecer com ou sem valor sonoro convencional.
    • Exemplo: AO (GATO) ou TF (GATO)
    • Nível 3: Silábico- alfabético (a hipótese alfabética: existe relação entre letras e sons) – É um momento conflitante, pois a criança precisa negar a lógica do nível silábico. É quando o valor sonoro torna-se predominante e a criança começa a acrescentar letras principalmente na 1ª sílaba.
    • Exemplo: TOAT (TOMATE)
    • Nível 4: Alfabético (hipótese silábico-alfabética: a caminho do convencional) – A criança reconstrói o sistema lingüístico e compreende a sua organização. É a fonetização da escrita convencional, mas podem ocorrer erros ortográficos.
    • Exemplos:
    • - Ela sabe que os sons L e A são grafados LA e que T e A são grafados TA e que juntos, significam LATA .
    • - CAXORRO (CACHORRO)
  • 32.
    • Nível 5: Hipótese alfabética (uma escrita com expressão fonética) – Nesse
    • estágio a criança já venceu todos os obstáculos conceituais para a compreensão da escrita - cada um dos caracteres da escrita corresponde a valores sonoros menores do que a sílaba – e realiza sistematicamente uma análise sonora dos fonemas das palavras que vai escrever.
    • O que a criança terá alcançado aqui não significa a superação de todos os problemas. Há o alcance da legibilidade da escrita produzida, pois esta poderá ser mais facilmente compreendida pelos adultos. No entanto, um amplo conteúdo ainda está por ser dominado: as regras normativas da ortografia.
    • Exemplos: PAPAGAIO TATUSSINHO JACARE
    • DINOSAURO
    • CÃU
    • A presença de erros ortográficos é um indicador do modo pelo qual as crianças chegaram a descobrir as funções da escrita, a representação que esta realiza e sua realiza e a sua organização.
  • 33. MIKHAIL BAKHTIN: FILOSOFIA DA LINGUAGEM Mikhail Bakhtin dedicou a vida à definição de noções, conceitos e categorias de análise da linguagem com base em discursos cotidianos, artísticos, filosóficos, científicos e institucionais. Em sua trajetória, notável pelo volume de textos, ensaios e livros redigidos, esse filósofo russo não esteve sozinho. Foi um dos mais destacados pensadores de uma rede de profissionais preocupados com as formas de estudar linguagem, literatura e arte, que incluía o linguista Valentin Voloshinov (1895-1936) e o teórico literário Pavel Medvedev (1891-1938).
  • 34.
    • Um dos aspectos mais inovadores da produção do Círculo de Bakhtin , como ficou conhecido o grupo, foi enxergar a linguagem como um constante processo de interação mediado pelo diálogo - e não apenas como um sistema autônomo.
    • Segundo essa concepção, a língua só existe em função do uso que locutores (quem fala ou escreve) e interlocutores (quem lê ou escuta) fazem dela em situações (prosaicas ou formais) de comunicação. O ensinar, o aprender e o empregar a linguagem passam necessariamente pelo sujeito, o agente das relações sociais e o responsável pela composição e pelo estilo dos discursos. Esse sujeito se vale do conhecimento de enunciados anteriores para formular suas falas e redigir seus textos. Além disso, um enunciado sempre é modulado pelo falante para o contexto social, histórico, cultural e ideológico.
    • Nessa relação dialógica entre locutor e interlocutor no meio social, em que o verbal e o não-verbal influenciam de maneira determinante a construção dos enunciados, outro dado ganhou contornos de tese: a interação por meio da linguagem se dá num contexto em que todos participam em condição de igualdade. Aquele que enuncia seleciona palavras apropriadas para formular uma mensagem compreensível para seus destinatários. Por outro lado, o interlocutor interpreta e responde com postura ativa àquele enunciado, internamente (por meio de seus pensamentos) ou externamente (por meio de um novo enunciado oral ou escrito).
  • 35. Sigmund Freud 1856-1939
  • 36. A Teoria de Freud
    • Freud estudou o desenvolvimento emocional humano, criando um método de tratar os distúrbios psíquicos chamado Psicanálise .
    • Na teoria freudiana, o que leva o indivíduo a agir é a sua excitação energética, os seus instintos .
    • O instinto seria a fonte de todos os impulsos básicos do indivíduo que seriam a base dos comportamentos, motivos e pensamentos. Todos seriam governados a partir de três fontes energéticas (pulsões): a sexualidade (libido), os impulsos de auto-conservação (necessidades básicas: fome, sede, sono...) e a agressividade.
    • Para agir o recém-nascido dispõe apenas de uma estrutura psíquica, chamada Id .
    • À medida que cresce, a criança vai formando outras duas estruturas psicológicas derivadas do Id: o Ego e o Superego.
    • O Ego é a parte da psique que contém as habilidades, os desejos aprendidos, os medos, a linguagem o sentido de si próprio e a consciência . É o elemento de organização da personalidade.
    • O Superego , espécie de censura , de controle sobre o poder dos impulsos, é o responsável pelo adiamento do prazer por parte do indivíduo. A relação entre o Id, Ego e Superego (impulsos, realizações e censura) é fonte de tensão e ansiedade.
  • 37.
    • O inconsciente para Freud teria a atuação no comportamento das pessoas, atuando sobre os desejos, e as idéias inconscientes através dos impulsos e das fantasias.
    • Afetividade e cognição:
    • - Constituem aspectos inseparáveis, presentes em qualquer atividade, embora em proporções variáveis. Tanto a inteligência como a afetividade são mecanismos de adaptação, permitem ao indivíduo construir noções sobre os objetos, as pessoas e as situações, conferindo-lhes atributos, qualidades e valores.
    • Motivação e aprendizagem:
    • - A motivação para aprender nada mais é do que o reconhecimento, pelo indivíduo, de que conhecer algo irá satisfazer suas necessidades. A motivação humana deve ser compreendida na relação entre os aspectos cognitivos e afetivos da personalidade, dependentes do meio social. Cabe ao professor desenvolver junto aos seus alunos a motivação através de conteúdos significativos.
    • - A aprendizagem é facilitada quando o indivíduo conta com informações sobre o próprio desempenho. Conhecendo a natureza dos erros ou dos acertos, pode colocar-se novas metas, buscar auxílio, modificar o comportamento. Desse ponto de vista, a avaliação do professor leva ao aluno a se auto-avaliar, a perceber quais seus pontos fortes e quais os pontos que devem ser superados.
  • 38. EXERCÍCIOS
    • 1. (Natal, 2003) Para Jean Piaget, o conhecimento se constrói a partir da ação do sujeito sobre o objeto, num sistema de relações em que o sujeito incorpora elementos do meio para modificar o que já sabe, por meio de um mecanismo de adaptações sucessivas. Esse mecanismo compreende dois processos:
    • (a) assimilação e memorização.
    • (b) internalização e acomodação.
    • (c) assimilação e acomodação.
    • (d) assimilação e apropriação.
    • 2. Em qual das alternativas abaixo existe a ideia de Piaget sobre os estágios de desenvolvimento cognitivo?
    • A) Esquema, assimilação, acomodação e equilibração.
    • B) Assimilação, sensório-motor, pré-operatório e acomodação.
    • C) Sensório-motor, pré-operatório, operatório concreto e operatório formal.
    • D) Sensório-motor, pré-operatório, esquema e acomodação.
    • E) Equilibração, assimilação, esquema e operatório formal.
  • 39.
    • 3. De acordo com Piaget, existem diferentes fases do desenvolvimento cognitivo. Analisando a situação abaixo, identifique em qual dessas fases o adolescente se encontra: “Numa experiência de flutuação de corpos, um adolescente separou objetos que bóiam dos que flutuam, pelo peso que possuíam.”
    • (a) sensório-motora
    • (b) pré-operacional
    • (c) operacional-concreta
    • (d) operações formais
    • (e) simbólica
    • 4. (SEE/RJ – 2008) Segundo Piaget, a criança passa por três períodos de desenvolvimento mental. O período de operações formais, quando a criança /
    • adolescente começa a lidar com abstrações e a raciocinar com realismo acerca do futuro, formulando hipóteses, compreende, de modo geral, a faixa de idade entre:
    • a) seis e oito anos
    • b) oito e dez anos
    • c) nove e onze anos
    • d) dez e doze anos
    • e) onze e quinze anos
  • 40.
    • 5. (Nova Iguaçu, 2006) O estágio de pensamento intuitivo da criança no qual as ações sensório motoras começam a sugerir a representação, a imagem mental e a presença de regulação semi-reversíveis corresponde, segundo Jean Piaget, ao seguinte período da criança:
    • a) 0 a 1 ano
    • b) 1 ano e meio a 2 anos
    • c) 2 anos a 7 anos
    • d) 7 anos a 12 anos
    • e) 5 anos a 7 anos
    • 6. (Nova Iguaçu, 2006) O pensamento no adolescente se dará quando este alcançar a possibilidade de relacionar a inversão e a reversibilidade com a conseqüente compreensão da irreversibilidade, permitindo-o adquirir ideais e, então, sonhar com o futuro e colocar degraus para alcançá-los. Jean Piaget denomina este estágio de desenvolvimento do pensamento como:
    • A) intuitivo
    • B) não-formal
    • C) formal
    • D) instintivo
    • E) moto
  • 41.
    • 7. (Estado RJ, 2001) Foi proposta a uma turma da terceira série do ensino fundamental, a seguinte pergunta, feita por escrito: “Laura tem cabelos
    • mais escuros que Paula. Laura tem cabelos mais claros que Vitória. Qual das três tem cabelos mais escuros?” Nenhuma das crianças conseguiu responder
    • corretamente à questão. Isso ocorreu porque, nessa idade, as crianças, para desenvolverem operações lógicas dependem de que lhes sejam oferecidas oportunidades de:
    • (a) formular hipóteses
    • (b) elaborar problemas
    • (c) trabalhar abstratamente
    • (d) manipular objetos
  • 42.
    • 8. (Niterói, 2003) Sobre os postulados teóricos de Piaget e Vygotsky, podem ser consideradas corretas as afirmações contidas em:
    • Piaget defende uma perspectiva construtivista do conhecimento, enquanto Vygotsky defende uma concepção inatista do desenvolvimento;
    • (b) Piaget sustenta que a construção do conhecimento procede do social para o individual, ao passo que Vygotsky explicita a importância da mediação simbólica nos processos de aprendizagem;
    • (c) Piaget é um teórico construtivista por defender a idéia de construção do conhecimento, enquanto Vygotsky revela-se como teórico interacionista por
    • fundamentar-se nas noções de equilíbrio e estrutura;
    • (d) Piaget define o desenvolvimento como um processo de equilibrações regressivas, ao passo que Vygotsky postula a formação social da mente;
    • (e) Piaget define o desenvolvimento como um processo de equilibração progressiva, enquanto Vygotsky atribui à linguagem um papel fundante no psiquismo humano.
  • 43.
    • 9. A teoria de Vygotsky entende o desenvolvimento e a aprendizagem como
    • relacionados desde o nascimento da criança. O desenvolvimento é entendido como um processo:
    • (a) previsível, universal e linear;
    • (b) em que o sujeito é passivo e seu comportamento é condicionado pela influência
    • dos estímulos do ambiente;
    • (c) determinado por conteúdos mentais de caráter individual, dos quais não se tem
    • consciência;
    • (d) construído no contexto social e promovido pela aprendizagem.
    • 10. (Altamira, 2005) Sobre a zona de desenvolvimento proximal presente nas teorizações de Vygotsky é correto afirmar que:
    • (a) é uma área de tensão entre o aprendido e o não aprendido, que se acomoda na idade adulta.
    • (b) ela é tanto maior quanto maior for a etapa evolutiva do indivíduo.
    • (c) é a área de aproximação e socialização entre crianças com mesmo nível de desenvolvimento cognitivo.
    • (d) refere-se à distância entre o nível de desenvolvimento atual e o nível potencial de
    • desenvolvimento.
    • (e) é reveladora da natural preponderância da ação de aprender, dos discentes, em detrimento da ação de ensinar, dos docentes.
  • 44.
    • 11. (São Paulo, 2004) Tendo como fundamento a noção de zona de desenvolvimento proximal de Vygotsky, ao planejar uma situação pedagógica, o professor deve:
    • (a) Partir do que as crianças já conhecem e planejar ações que as possibilitem, com seu
    • apoio ou de outras crianças, realizar novas atividades propostas.
    • (b) Avaliar o que falta nas capacidades cognitivas de suas crianças para poder propor atividades que desenvolvam essas capacidades.
    • (c) Planejar situações para que espontaneamente as crianças desenvolvam suas habilidades.
    • (d) Identificar o potencial que suas crianças trazem e estimulá-los, não ultrapassando seus limites.
    • (e) Estruturar situações na rotina para que com a repetição regular destas as crianças
    • memorizem e aprendam os conteúdos propostos.
  • 45.
    • 12. Vigotsky afirma que o bom ensino é aquele que se adianta ao desenvolvimento, ou seja, que se dirige às funções psicológicas que estão em
    • vias de se completarem (Rego, 2001). Isso significa dizer que, na abordagem sóciointeracionista, a qualidade do trabalho pedagógico está associada à:
    • (A) capacidade de promoção de avanços no desenvolvimento do aluno a partir daquilo que potencialmente ele poderá vir a saber.
    • (B) possibilidade de promover situações em que o aluno demonstre aquilo que já sabe e aprendeu fora da escola.
    • (C) criação de zonas de atuação pedagógica a partir de conhecimentos mais adiantados nas séries escolares.
    • (D) proposição de pré-requisitos para a aprendizagem que demonstrem a prontidão dos
    • alunos.
    • (E) introdução de conceitos difíceis que levem os alunos a estudar além daquilo que está nos livros didáticos.
  • 46.
    • 13. Assinale a opção que apresenta, corretamente, semelhanças e diferenças entre as teorias de Piaget e Vygotsky:
    A construção da inteligência é uma elaboração pessoal. As funções psíquicas superiores são mediadas pela cultura. Têm um enfoque genético partilhado por entender que as funções psicológicas e os sistemas de conhecimento podem ser estudados apenas em seu processo de formação. E A interação social e a linguagem são decisivas para compreender o desenvolvimento cognitivo. A cognição se desenvolve a partir da experiência com o meio físico. Enfatizam a atividade do sujeito na aquisição do conhecimento e o caráter qualitativo das mudanças no desenvolvimento. D A intervenção social externa pode ser facilitadora ou obstacularizadora. O sujeito não é apenas ativo, mas, sobretudo interativo Apontam o desenvolvimento cognitivo como um processo de construção de estruturas lógicas e são universalistas. C Aborda a dimensão individualista do desenvolvimento, pois é o próprio sujeito quem aprende Sua teoria enfatiza aspectos histórico-sociais do desenvolvimento. Concordam que a aprendizagem interage com o desenvolvimento, produzindo sua abertura nas zonas de desenvolvimento proximal. B Defendeu um estudo inter-relacionado das funções e processos pedagógicos. Insistiu na constituição de sistemas estruturais como a chave da inteligência Compreendem que o processo de desenvolvimento intelectual, explicitado pelo mecanismo da equilibração, precede e coloca limites à aprendizagem A VYGOTSKY PIAGET AMBOS DIFERENÇAS SEMELHANÇAS
  • 47.
    • 14. Para Wallon a origem da razão está:
    • (a) Na emoção
    • (b) Na mente
    • (c) Nos estágios do desenvolvimento
    • (d) Na própria razão.
    • 15. É característico do pensamento de Wallon:
    • (A) o processo de desenvolvimento psico-social em fases, desde o “grau zero” até a adolescência.
    • (B) a repetição baseada em prêmio (estímulo –resposta).
    • (C) a psicogenética tendo a dimensão afetiva como central tanto para a construção da pessoa quanto do conhecimento.
    • (D) a idealização do conhecimento, partindo da experiência pessoal do grupo em que se trabalha.
    • (E) a liberdade total na aprendizagem como meio de se atingir o pensamento científico através da busca pessoal.
  • 48.
    • 16. (Guararema/2005) Qual foi a mudança de rumo no estudo do processo ensino-aprendizagem propostos por Ferreiro e Teberosky?
    • (A) Mudar o centro da discussão para a formação profissional do professor.
    • (B) Rever o processo de aquisição de conhecimento baseadas em Skinner.
    • (C) Deslocar o eixo do “como se ensina” para “como se aprende”.
    • (D) Reverter o processo de ensino como algo que vem de fora para dentro e instalar no Eu o centro das atenções.
    • 17. (Guararema/2005) Em qual teórico se baseiam os estudos de Ferreiro e Teberosky?
    • (A) Wallon.
    • (B) Piaget
    • (C) Freire.
    • (D) Vygotsky.
    • (E) Perrenoud.
  • 49.
    • 18. (Natal/2003) Mariana, de 6 anos de idade, escreveu uma lista de presentes que deseja ganhar no dia das crianças. O texto por ela produzido foi devidamente transcrito por sua professora Vitória, como mostra a produção a seguir.
    • Na perspectiva de construção da psicogênese da escrita, segundo Emília Ferreiro, as crianças que apresentam a escrita semelhante à de Mariana começaram a:
    • A) escrita ortográfica, em que cada letra corresponde a um valor sonoro.
    • B) escrita silábica, descobrindo que as letras podem ser controladas por meio das sílabas das palavras.
    • C) escrita alfabética, quando a criança usa uma letra para representar cada som.
    • D) escrita pré-silábica, quando as crianças escrevem uma série de letras e as lêem sem fazer nenhum tipo de análise.
  • 50.
    • 19. Na visão de Emília Ferreiro, há de se considerar que a representação e os meios utilizados para criar a escrita seguem uma linha evolutiva, surpreendentemente regular, através de diversos meios culturais, diversas situações educativas. Esta afirmativa corresponde a uma abordagem:
    • a) tradicional
    • b) construtivista
    • c) tecnicista
    • d) neo-liberal
    • e) pós-moderna
    • 20. (Estado, 2008) Considerando os pressupostos de Emilia Ferreiro sobre o processo de alfabetização, é correto afirmar que:
    • A) A leitura e a escrita são resultado de um processo de memorização.
    • B) A produção da escrita começa na família e no contexto social mais próximo da criança.
    • C) A aprendizagem da leitura e da escrita supõe o desenvolvimento de uma série de competências específicas.
    • D) A escrita é resultado dos processos operados na escola.
    • E) A escrita só se desenvolve após a aquisição, pela criança, da motricidade fina.
  • 51.
    • 21. (Bom Jardim, 2007) “Estamos tão acostumados a considerar a aprendizagem da leitura e da escrita como um processo de aprendizagem escolar, que se torna difícil reconhecermos que o desenvolvimento da leitura e da escrita começa muito antes da escolarização”. Este trecho de Emília Ferreiro significa que:
    • I. as crianças precisam completar 7 anos para, a partir desta idade, começar sua aprendizagem.
    • II. as crianças desde que nascem são construtoras do conhecimento.
    • III. as crianças, no esforço de compreender o mundo, levantam problemas e tratam de descobrir respostas.
    • IV. as crianças devem controlar suas ações na iniciação da leitura e da escrita, pois há uma idade certa para isto.
    • V. as crianças estão construindo objetos complexos de conhecimento e o sistema de escrita é um deles.
    • Estão corretas as afirmativas:
    • (A)apenas I, II e III;
    • (B) apenas I, IV e V;
    • (C) apenas II, III e V;
    • (D) apenas III, IV e V;
    • (E) apenas I, III e IV.
  • 52.
    • 22. Quando o aluno escreve a mesma palavra com letras diferentes, como em
    • casa / caza / kasa /kaza, significa que:
    • a) Está utilizando hipóteses, processo próprio de quem não está se alfabetizando.
    • b) Não está maduro, por isso basta oferecer contato com as palavras que ele construirá seu conhecimento.
    • c) Está utilizando hipóteses, processo próprio de quem está se alfabetizando.
    • d) Não aprendeu corretamente, por isso um bom exercício é reescrever a palavra corrigida várias vezes.
    • 23. Na visão de Bakhtin, os acabamentos são:
    • a) coletivos
    • b) subjetivos
    • c) objetivos
    • d) sociais
  • 53.
    • 24. Para Bakhtin, todo discurso é:
    • a) individual
    • b) Ideológico
    • c) cidadão
    • d) Hegemônico
    • 25. Produzindo uma analogia ao contexto atual da alfabetização, é possível a produtividade de gêneros discursivos na escola, por meio:
    • a) das cartilhas
    • b) dos professores
    • c) do letramento
    • d) da mecanização da escrita
  • 54. GABARITO
    • C;
    • C;
    • C;
    • E;
    • C;
    • C;
    • D;
    • E;
    • 9. D;
    • 10. D;
    • 11. A;
    • 12. A;
    • 13. D;
    • 14. A;
    • 15. C;
    • 16. C;
    • 17. B;
    • 18. B;
    • 19. B;
    • 20. B;
    • 21. C;
    • 22. A;
    • 23. B;
    • 24. B;
    • 25. C.