Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Revolução Mexicana: um perfil político
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Revolução Mexicana: um perfil político

  • 4,002 views
Published

 

Published in Education , Technology
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
4,002
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
73
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Revolução mexicana: um perfil político Avaliandotemas políticos clássicosnos estudos sobre a RevoluçãoMexicana,através doolhar de Samuel Ramos em seumais célebre ensaio O presente artigo percorre a mais célebre obra do filósofo mexicano Samuel Ramos (1897-1959) – El perfil del hombre y la cultura en México (1934) –, e analisa as percepções e perspectivas do autor em relação a relevantes temas políticos do e para o México do início do século XX. Produzido como trabalho de conclusão da disciplina Pensamento Político na América Latina, ministrada no 1º semestre de 2010 pelo professor Wagner Iglecias no PROLAM-USP, este texto retoma pontos debatidos em sala de aula, tais como: a relação entre História e Política; revolução e ruptura; democracia e liberdade de expressão; comportamento moral e legalidade; política e personalismo; democracia e participação popular; democracia e pluralidade; intelectualidade latino- americana; a questão agrária; a questão indígena; a classe operária na América Latina;projetosde modernização;desenvolvimentoe dependência. 2010 Ana Luizade OliveiraDuarte Ferreira DoutorandapeloPROLAM- USP 01/01/2010
  • 2. Introdução Neste ano de 2010 o México comemora o centenário de um dos acontecimentos mais importantes de sua história: a Revolução Mexicana. Muito já foi debatido, escrito e produzido sobre esse evento, desde aquelas primeiras décadas do século XX até os dias de hoje. Por isso, este artigo se dedica a retomar temas políticos diversos relacionados com tal processo dito revolucionário. E parte da percepção de um dos homens que viveu aquele momento: o filósofo Samuel Ramos. A preferência é dada a seu livro mais célebre: El perfil del hombre y la cultura en México. Não por ser o mais célebre, mas por ter sido escrito em meio à Revolução Mexicana: teve alguns de seus capítulos publicados avulsos em jornais no início da década de 1930, e foi lançado integralmente pela primeira vez em 1934. Além do mais, o texto de El perfil tem a vantagem de, como um ensaio, trabalhar uma gama maior de temáticas, inclusive relacionadas à política, vindo de encontro a meu propósito primeiro. De certo o referido autor possui outros trabalhos bastante significativos. Mas os anteriores a El perfil não possuem sua variedade nem suficiente amadurecimento de questionamentos. Os livros posteriores, redigidos por um Ramos mais acadêmico e especialista, versam sobre questões filosóficas mais bem delineadas (ou estreitas): o universo do pensamento, da reflexão, da epistemologia e da estética. Significativo dizer que a primeira edição de El perfil rapidamente esgotou, e que a segunda foi lançada logo no ano de 1938. A repercussão do livro revela que suas proposições estavam em sintonia com os interesses dos leitores de sua época, concordassem ou não com elas. A bem da verdade, é sabido que Ramos foi profundamente criticado, considerado um “traidor da pátria”, por apresentar uma visão do mexicano comum como bruto, inculto, introvertido e possuidor de um profundo sentimento de inferioridade. A esses críticos o filósofo respondeu que em sua análise tão somente ousara ser realista; e que estudos da psicologia moderna indicavam que quanto mais arraigados certos comportamentos, menor a capacidade dos indivíduos os perceberem, mais inconscientes. Samuel Ramos observa em El perfil temas tidos hoje como clichês nas investigações a respeito do México revolucionário; temas complexificados através dos anos, porque sempre-vivos, revistos, reutilizados e ressignificados no arcabouço vocabular dos cidadãos, expoentes da teoria política no México, e de seus políticos profissionais interessados na e devedores da Revolução.
  • 3. Inspirada pelas propostas teórico-metodológicas do historiador norte-americano Dominick LaCapra, meu objetivo neste artigo é, portanto, antepor a visão particular de Ramos e diversas visões mais ou menos clássicas e consensuais, sobre experiências e idéias políticas produzidas/experimentadas naquela conjuntura. É retomar aspectos tradicionalmente presentes em estudos sobre a revolução no México, e perceber de que maneira se fizeram presentes na obra de Ramos, e na obra de outros pensadores. Se a idéia é cruzar o texto de El perfil com textos mais ou menos clássicos sobre a Revolução Mexicana, estão presentes em minha análise a voz de outras testemunhas oculares da realidade política do México do início do século XX. Refiro-me, pois, neste artigo às percepções de José Vasconcelos, Ministro da Educação durante a Revolução e autor do clássico La raza cósmica, mas também de um robusto manual chamado, paradoxalmente, Breve historia de México, de 1937. Há aqui citações de Manuel Gomez Morín, Ministro das Finanças naqueles idos. E, por fim, há referências a Octavio Paz, intelectual mexicano célebre internacionalmente, que contava 20 anos quando El perfil foi publicado, e que 16 anos depois, sob clara influência de Ramos, publicaria El labirinto de la soledad. Creio que seria importante incluir ainda, futuramente, enlaces a opiniões de outros dois ilustres “Carlos”, pensadores mexicanos: Fuentes e Monsiváis. Além do mais, lanço mão da avaliação de trabalhos bem atuais, de investigadores “estrangeiros” e mexicanos. No que se refere a investigações recentes promovidas por autores estrangeiros sobre a história do México no início do século XX, adotei a iniciativa da Cambridge University Press, na década de 1980: History of Latin America, com artigos dos professores Friedrich Katz, John Womack e Jean Meyer Jr. Tal leitura me garante bases para avaliar as proposições de Ramos sobre a organização e desorganização político-administrativas do México das primeiras décadas do século XX. Dentre os estudos mexicanos mais recentes, destaco o trabalho dos professores Hector Aguilar Camín e Lorenzo Meyer, que circulou tanto em fascículos, no México, em forma de livro, através de uma publicação da University Texas Press (estou falando do livro In the Shadow of the Revolution: Contemporany Mexican History). Minha tentativa será perceber, com a ajuda de Camín e Meyer, como algumas idéias propostas por Ramos foram superadas, como algumas delas foram retrabalhadas; de que maneira o texto de Ramos endossa “caras tradições” e “intoleráveis vícios” mexicanos, para utilizar palavras dos dois autores supracitados. Bom lembrar aqui que o estudo da história mexicana não é tarefa das mais fáceis de se desenvolver no Brasil. Em estilo analítico suavemente literário, o dito texto de Ramos que aqui
  • 4. investigo tem sido ignorado pela academia brasileira. Em geral, o conhecimento que se tem dele se faz através da pena de Octavio Paz, em El labirinto de la soledad, que o cita e retoma algumas vezes, e certamente o utiliza como base para definir o perfil do mexicano e do latino-americano contemporâneos. Assim sendo, é objetivo deste artigo também trazer ao público brasileiro um contato inicial com a fascinante obra de Samuel Ramos. Estimulando uma visão crítica em relação às temáticas políticas nela tratadas; e aguçando no leitor o interesse pelo estilo ensaístico de vanguarda do autor. 1. Revolução, política, ruptura e continuidade Antes de mais, é preciso definir como o termo “política” será empregado ao longo deste artigo. Entre os autores que trabalham a Revolução Mexicana e refletem sobre as maneiras de se perceber o escopo de acontecimentos que marcaram a história do México do início do século XX, o conceito adotado de “política” varia significativamente. Para John Womack, a Revolução Mexicana não corresponderia a um movimento de iniciativa propriamente popular. Tampouco seria possível dizer que se caracteriza por uma mínima unidade de propósitos e efeitos. Ao ver desse pesquisador, por fim, não conviria classificar tais processos como revolucionários. Entende o pesquisador norte-americano, portanto, que falar da Revolução Mexicana corresponde a falar de uma série de tomadas de decisões e de enfretamentos entre líderes; falar de medidas administrativas com alcance social relativo e interesses muitas vezes imediatistas e superficiais. “As grandes questões foram as de Estado. Por conseguinte, o assunto não é mais tanto a revolução social quanto a administração política” (WOMACK, p. 108). Porém, de acordo com outros pesquisadores, Camín e Meyer, a Revolução foi sim transformadora. Foi um marco no sentido da integração nacional, e na afirmação da necessidade de autonomia política e econômica. A abordagem de Camín e Meyer cuida de outros aspectos da revolução relacionados ao conceito de política: relações de força, negociações, disputas simbólicas entre chefes, guerrilheiros, civis. O objetivo desses autores não é restringir-se às querelas militares e decisões governamentais, mas falar da diversidade de interesses envolvidos, do dia a dia das batalhas, das alterações e inseguranças vividas por qualquer mexicano que experimentou aquela realidade histórica.
  • 5. Samuel Ramos experimentou aquela realidade. Em seu livro, é verdade, não aborda a Revolução sistematicamente. Gasta mais tempo divagando sobre a colonização, a independência e a Reforma, no México. É natural que não o faça: Jorge Luís Borges, em célebre ensaio, afirma que não se encontra no Corão nenhuma referência, por exemplo, a camelos. A experiência às vezes se faz tão entranhada, que não se pode ou não se deseja desenvolver uma reflexão clara e alongada sobre ela. Só que o fato é que Ramos, ainda que pouco diretamente e muito subliminarmente, se refere sim à Revolução. Considera-a “un remolino circulante que trastornaba cuanto encontraba a su paso, pero inmediatamente después la vida se normalizaba” (RAMOS, p. 136). Classifica-a como um momento de crise, confusão, de pessimismo, de dor – para usar palavras que ele próprio emprega em El perfil. O autor, porém, chega a declarar a importância daquele momento histórico: “En el curso del segundo decenio de este siglo se produce un cambio de actitud del mexicano hacia el mundo” (RAMOS, p. 140), uma espécie de “segunda independencia” (RAMOS, p. 150). O mesmo tipo de declaração surge na obra de Manuel Gómez Morín: “Com estupor otimista, descobrimos [através da experiência revolucionária] verdades insuspeitadas. O México exista. O México como um país de grandes potencialidades, com aspirações, com vida, com seus próprios problemas. Não se tratava apenas de uma aglomeração humana fortuita vinda de longe para explorar certas riquezas ou observar certas curiosidades, para partir depois de algum tempo” (Apud CARMÍN & MEYER, p. 75-76). Igualmente para Octavio Paz a Revolução mistura drama e auto-reconhecimento: “La Revolución es una súbita inmersión de México en su propio ser. De su fondo y entraña extrae, casi a ciegas, los fundamentos del nuevo Estado. Vuelta a la tradición, reanudación de los lazos con el pasado, rotos por la Reforma y la Dictadura, la Revolución es una búsqueda de nosotros mismos (...). Y, por eso, también es una fiesta. (...) Como las fiestas populares, la Revolución es un exceso y un gasto, un llegar a los extremos, un estallido de alegría y desamparo, un grito de orfandad y de júbilo, de suicidio y de vida, todo mezclado. Nuestra Revolución es la otra cara de México, ignorada por la Reforma y humillada por la Dictadura. No la cara de la cortesía, el disimulo, la forma lograda a fuerza de mutilaciones y mentiras, sino el rostro brutal y resplandeciente de la fiesta y la muerte, del mitote y el balazo, de la feria y el amor, que es rapto y tiroteo. (...) Una revuelta y una comunión, un trasegar viejas sustancias dormidas, un salir al aire muchas ferocidades, muchas ternuras y muchas finuras ocultas por el miedo a ser. ¿Y con quién comulga México en esta sangrienta fiesta? Consigo mismo, con su propio ser. México se atreve a ser. La explosión
  • 6. revolucionaria es una portentosa fiesta en la que el mexicano, borracho de sí mismo, conoce al fin, en abrazo mortal, al otro mexicano (PAZ, p. 62). Compartilhando uma espécie de viés relativismo semelhante, Ramos pontua que é possível que um europeu não compreenda o sentido das guerras promovidas na América Latina. Muitas delas chegam ao fim sem que aparentemente nenhum dos lados – por vezes, como no caso da Revolução Mexicana, muito mais do que dois lados – tenha alcançado vantagem alguma. A verdade é que elas não têm como fundamento interesses econômicos, e sim “paixões”. É dessa maneira confusa e por vezes equivocada que, segundo o autor de El perfil, os mexicanos consideram seus “princípios políticos”. (RAMOS, p. 162-163). Por isso e com base nisso é preciso dizer que também para Ramos “política” não corresponde apenas e tão somente a medidas administrativas e condutas de “grandes homens”. Segundo ele, “la historia no puede ser movida exclusivamente por indivíduos; el individuo aislado de la masa es uma abstracción” (RAMOS, p. 171). Diria eu que sua análise compreende um certo viés antropológico, talvez avant la lettre, é verdade, em relação ao ato político. Política em El perfil se refere a jogos simbólicos, jogos de poder, que se estabelecem em e/ou em nome de uma “comunidade” (RAMOS, p. 150). Isso embora, em certa medida diferentemente de Morín e Paz, Ramos não deixe de compreender o alcance social das políticas revolucionárias mexicanas como bastante restrito. E que os rumos tomados pela Revolução foram perpetrados por um círculo, heterogêneo, confuso, mas limitado de indivíduos. No México, afirma, política corresponderia a algo como “la volundad de poderio” (RAMOS, p. 168). E se a história nacional não era feita por indivíduos, tampouco o era feita pela massa – era obra do que chamou, inspirado em Ortega y Gasset, uma “geração” (RAMOS, p. 171). Tal assunto será apresentado na próxima seção e desenvolvido no capítulo 3 deste artigo. Concluamos, por enquanto, que a Revolução Mexicana pode ser classificada como um processo revolucionário na medida em que reuniu forças sociais e intelectuais múltiplas em conflitos que previam o rompimento ora mais ora menos claro com o sistema, baseado no poder exclusivista de uma rica classe proprietária tradicional (sempre ela), e na interferência mais ou menos direta, mas sempre efetiva, do capital estrangeiro. Assim, neste artigo considerarei a Revolução Mexicana em duas fases: a fase dos conflitos abertos, e a fase de institucionalização da revolução. A primeira vai do Plano San Luís, redigido por Francisco Madero em oposição à sexta reeleição do ditador Porfírio Díaz, até a morte de Emiliano Zapata e Pancho Villa. A segunda vai do governo dos presidentes sonorenses, ou mais
  • 7. propriamente de presidentes oriundos do norte do território mexicano, até o final do mandato de Abelardo Rodrígues e, consequentemente, do Maximato. Poder-se-ia argumentar que o governo de Lázaro Cárdenas deveria necessariamente estar incluído num estudo acerca da Revolução Mexicana, porque corresponderia a um segundo passo no sentido da institucionalização da revolução: à fase de institucionalização dos direitos sociais exigidos por diversos grupos envolvidos no processo revolucionário. Entretanto, devemos estar atentos para o fato de que o objetivo deste artigo é perceber qual a visão (política) do intelectual Samuel Ramos em relação à Revolução Mexicana, expressa em sua obra El perfil del hombre y la cultura en México. O leitor atento se dará conta de que tal livro foi publicado no ano de 1934, mesmo ano em que Cárdenas chegou ao poder. E que, portanto, o livro não haveria de poder conter referências ao dito governo. 2. Revolução e democracia Como temos visto, a Revolução Mexicana não é tema dos mais simples a serem investigados. Não se pode afirmar, sem correr o risco de parecer superficial, que a Revolução Mexicana correspondeu a um típico movimento revolucionário e ponto. É hora de pontuar que tampouco é inquestionável a idéia de que os governos pós a 1910 foram mais democráticos do que o Porfiriato. Primeiramente, porque não há como definir uma linearidade e homogeneidade entre governos tão díspares. Depois, não é fácil apresentar uma concepção consensual em relação ao que vem a ser essencialmente um governo democrático. Por isso, neste capítulo tomarei a questão sob múltiplos aspectos. Podemos considerar que governo democrático é aquele que zela por uma ampla participação política. Sem dúvida, com Porfírio Díaz a liberdade de expressão foi consideravelmente reduzida. Mandou fechar inúmeros jornais oposicionistas, e prender diversos jornalistas, como Ricardo Flores Magón (KATZ, p. 90). Ricardo Flores Magón editava o jornal El hijo de El Ahuizote. Exilado nos Estados Unidos, juntou-se a seu irmão Enrique e começou a publicar Regeneración, que passou a circular clandestinamente no México. Os irmãos Flores Magón sofreram diversas tentativas de assassinato, sob o olhar desinteressado do governo norte-americano. Porém, dos Estados Unidos fundaram o Partido Liberal Mexicano, um grupo político que não pretendia propriamente concorrer às eleições e sim colocar em pauta algumas demandas da sociedade mexicana, relativas ao antireeleicionismo,
  • 8. à reforma agrária, à educação básica, à necessidade de uma legislação trabalhista moderna. Havendo a suspeita de que teriam retornado ao México, Díaz mandou espalhar cartazes com a foto de Ricardo e prometeu uma recompensa de 25 mil dólares para quem o encontrasse vivo ou morto. Foi nesse contexto que o candidato Francisco Madero viajou pelo país com o slogan de campanha “O povo não quer pão, mas liberdade”. Aos olhos desse herdeiro de ricos proprietários de terra, o México precisava menos de prosperidade econômica do que de maior participação política. Identificaram-se com seu lema parte da oligarquia tradicional, pequenos camponeses, classes médias urbanas, intelectuais, militares (CARMÍN & MEYER, p. 33). É sabido que Díaz fraudou as eleições de 1910, que concorreu com Madero. E que Madero teve de refugiar-se nos Estados Unidos a fim de tomar os procedimentos que seriam os primeiros passos da Revolução Mexicana. Redigiu lá o chamado Plano San Luís, conclamando a população mexicana à insurreição e deposição de Don Porfírio no célebre dia 20 de novembro. Diz-se, então, que, em 1911, quando Madero tornou-se legítimo presidente, o velho ditador, expulso do país, teria dito, lastimoso: “Libertaram o tigre” (CARMÍN & MEYER, p. 37). De fato Porfírio Díaz era e foi um ícone dos ideais ditatoriais no México; tanto que, anos mais tarde, foi justamente um sobrinho seu, Félix, que, carregando seu sobrenome, reorganizou militares e simpatizantes da possibilidade de se implantar uma nova ditadura no México, e sem sucesso pretendeu depor Madero (CARMÍN & MEYER, p. 48). Por outro lado, é fato que Madero, a despeito de ter realizado uma administração confusa no discurso e pouco efetiva nas realizações, sempre prezou pela liberdade de expressão em seu país; durante seu governo foi bastante comum que jornais e revistas publicassemcharges ridicularizando o presidente (CARMÍN & MEYER, p. 51). Na sequência, Victoriano Huerta, ex-senador porfirista, realizou um governo violento, lembrado pela chamada “decena trágica”. E seu sucessor, Venustiano Carranza, foi considerado um democrata, por, sucedendo o governo de Huerta, levantar a bandeira do constitucionalismo e voto (CARMÍN & MEYER, p. 54-58). Porém, é possível se dizer que houve efetivamente, conforme previu Díaz, em 1911, uma “liberação” para diversificação dos grupos sociais atuantes politicamente? Com foco no âmbito governamental, de certa maneira, é possível se dizer que sim. Madero e Huerta eram filhos de latifundiários. Carranza pertencia a uma família de prósperos criadores de gado. Mas Álvaro Obregón e Plutarco Elías Calles eram de classe média: o primeiro se dedicara ao cultivo de grão-de-bico para exportação; o segundo havia sido professor, tesoureiro e gerente de um moinho de farinha. (CARMÍN & MEYER, passim).
  • 9. Só que a revolução, como indica a historiografia, não foi feita apenas por quem alcançou a cadeira presidencial. Inúmeros chefes de guerrilha e governos alternativos regionais apresentaram distintos pontos de vista a respeito dos rumos a serem tomados, e não puderam ser simplesmente negligenciados pelos governos. Como explica Friedrich Kats, vários deles “haviam criado o equivalente a feudos independentes em seus estados de origem e temiam o retorno do México a uma forte autoridade central” (Apud CARMÍN & MEYER, p. 71). Tinham origens sociais bem diversas, como Emiliano Zapata, um rancheiro financeiramente remediado, e Pancho Villa, peão fugitivo da polícia. Falar em cadeira presidencial faz lembrar o curioso fato de que o movimento que teve início sob a designação de anti-reeleicionista tenha se caracterizado, em seus desdobramentos, pela manutenção da influência de determinados mesmos líderes políticos. Porfírio Díaz se manteve na presidência do México de 1876 a 1911. Mas um mesmo grupo de caciques identificados à Revolução se revezou regularmente no poder como filiados ao Partido Nacional Revolucionário de 1929 (ano de sua criação) até 2000. Importante pontuar que o PRN passaria a ser chamado Partido Revolucionário Institucional (PRI) em 1938; e que ainda hoje é um dos partidos mais influentes do México (CARMÍN & MEYER, p. 145). O que explica o sucesso do PRN? Veio sendo subsidiado por décadas pelo governo (CARMÍN & MEYER, p. 147). Não se pode esquecer também que o mesmo Obregón que ingressara nas tropas revolucionárias contando 33 anos, intimamente comovido com o assassinato do ícone do antireeleicionismo mexicano, Francisco Madero... aos 47 anos e então presidente, havia empreendido uma batalha discursiva no Senado, solicitando a alteração do artigo da Constituição que vetava a possibilidade de qualquer cidadão mexicano ser candidato à presidência por mais de uma vez. Renunciou pensando em reeleição. Desejou voltar à presidência antes mesmo de findar seu mandato completo. (CARMÍN & MEYER, p. 144). Além do mais, pode-se dizer que as décadas de 1910 e 1920 nem ao menos se caracterizam por líderes políticos revolucionários de intenção predominantemente “eleicionista”. Dos presidentes mexicanos que governaram nesse momento, foram eleitos pelo povo em condições minimamente legais Madero, Obregón, Calles, e Emílio Portes Gil, Pascual Ortiz Rúbio e Abelardo Rodrígues. Senão, vejamos: Madero foi deposto e morto por Huerta, que assumiu a presidência, e foi deposto por Carranza. Carranza foi retirado do poder a força, e assassinado. Obregón exerceu influência política decisiva mesmo quando deixou de ser presidente. Por fim, os três presidentes
  • 10. que governaram de 1929 a 1934 foram simples marionetes de Calles, o “Chefe Máximo”, no período denominado “Maximato”. Womack nos conta também que, ainda na eleição do ano de 1920, um dos candidatos rivais de Obregón, Pablo Gonzalez, ligado a Carranza, não chegou a formular ou investir em uma campanha política de monta, embora fosse um dos homens mais ricos da República. Acreditava ele que não seria necessário, que o governo e o Exército tratariam de empoçá-lo (p. 177). E Meyer transcreve a visão do serviço secreto norte-americano no que tange às eleições de 1929, que marcam o início do Maximato: “É provável que Vanconcelos [José Vasconcelos, rival de Emílio Portes Gil, candidato te Calles] tenha o maior número de partidários, mas parece evidente que será eliminado. Tem contra si a máquina do governo.” (p. 208). Em El perfil Ramos relembrava que o espanhol recém chegado na América era um homem sem limites. Muitas vezes a autoridade metropolitana não se fazia presente e a moral tornava-se aqui mais flexível do que na Europa. Herdeiro dessa cultura, o mexicano de hoje não saberia respeitar nem estabelecer regras impessoais e objetivas (RAMOS, p. 107). O mexicano, conforme Ramos, seria “maledicente” (RAMOS, p. 127). Nada mais maledicente e indisciplinado do que o comportamento desses líderes revolucionários. Do que a manutenção das mesmas influências por anos a fio. Do que os dribles no processo eleitoral. Seguindo o mesmo raciocínio estariam também na colonização espanhola as raízes explicativas da tendência, no México, de se elaborar leis “excêntricas”. Reconhecendo dispor de uma cultura por essência derivada, o México acomodou-se: importava da Europa e dos Estados Unidos todo tipo de “produto”, incluindo a legislação (RAMOS, p. 97-98). A consequência de se estabelecer leis que não condizem com a realidade é fácil de se prever: simplesmente ninguém as cumpre (RAMOS, p. 99). “La ley adquiere entonces el fetiche de un fetiche intocable; pero como la movilidad de la vida no se deja apresar dentro de fórmulas rígidas, rompe a cada momento la legalidad, dando la impresión de una conducta incongruente” (RAMOS, p. 113). É de se lamentar que tenha faltado a Ramos abordar os anos mais recentes e não sobretudo o período da Independência e da Reforma, no que tange à elaboração de leis. E digo isso porque a análise da Revolução seria um prato cheio para a crítica que Ramos faz em relação à elaboração de leis, no México. O percurso seguido pela Revolução se caracterizou, desde o início, pela proposição de uma série de medidas, em vários “Planos”, elaborados por diversos grupos, que em via de regra pretendiam propor não apenas líderes mas leis escritas, regras formais, que garantissem o cumprimento de demandas mexicanas bastante claras e reais. Buscou-se a consolidação e
  • 11. uniformizações desses anseios na promulgação da Constituição, em 1917. E seu texto de fato propunha reformas sociais: versava sobre a reforma agrária, a nacionalização dos bens naturais mexicanos, o sistema de ensino, os direitos dos trabalhadores (WOMACK, p. 163). Ainda assim, como veremos na penúltima seção deste artigo, pouco do que se propõe, por exemplo, para o campo foi posto efetivamente em prática, por motivos eventuais, por falta de vontade política, ou em razão de interesses pessoais de certos líderes. Katz aponta que, mesmo antes do início da revolução os líderes políticos que se destacariam nela eram admirados chefes aos olhos das populações locais, em seus estados de origem. A família Madero, por exemplo, garantia acesso à educação e saúde para seus empregados e agregados, conquistando fidelidade (KATZ, p. 96). Quer dizer: o fato é que, no México, antes e depois da deposição de Díaz chefes locais costumaram sobrepor seus interesses às leis. Com a institucionalização da Revolução, esses caudilhos continuaram oferecendo e se sentiram cada vez mais capacitados a oferecer, por si mesmos, à população, uma série de benefícios. Como se os benefícios não fossem ou devessem ser garantidos legalmente. O personalismo, por exemplo, de Carranza, é de se notar facilmente no seguinte fato, narrado pelos clássicos anais de História do México: sofrendo o ataque do Exército e de Obregón, teria reunido uma comitiva e sua bagagem em um vagão ferroviário que o levaria para longe da capital; constavam em sua bagagem pessoal o tesouro do governo e os arquivos documentais federais (CARMÍN & MEYER, p. 95). Camín e Meyer nos lembram que, durante o governo de Carranza, foi cunhado o verbo “carrancear” para designar atos de corrupção e desonestidade (p. 88). Os mesmos investigadores mexicanos não nos deixam esquecer que Obregón certa vez disse que “não há general que resista a um canhonaço de cinquenta mil pesos”, propondo que mais do que as leis e os interesses na nação costumavam prevalecer, entre os líderes revolucionários, interesses (egoístas) econômicos (p. 108). Já abordei aqui o desvio de discurso de Obregón, no Senado, advogando pela possibilidade de reeleição, pela alteração de um dos princípios básicos da experiência dita “revolucionária”, desde 1910. Como será reforçado adiante, antes de ser assassinado Zapata ousou denunciar a apropriação de latifúndios por parte de “amigos” da revolução. E Womack indica a utilização das Oficinas de Bienes Intervenidos para beneficiar interesses particulares e não propriamente para financiar a causa nacional da guerra civil (p. 133 e 136).
  • 12. Podemos enfim destacar que Calles chegou a assinar seu testamento político ao final de seu mandado, quando declarou que o México deveria “passar de uma vez por todas da condição histórica de ‘país de um homem’ à de ‘nação de instituições e leis’ (Apud CARMÍN & MEYER, p. 125). Entretanto, é sabido e aqui já foi dito que interferiu intensamente no governo dos três presidentes seguintes. Enviava de sua residência decisões a serem tomadas pelos presidentes eleitos, meros administradores de suas vontades. Tanto foi ele quem indicou o nome de Portes Gil para ser apoiado pelo PRN e enfiado goela abaixo dos eleitores mexicanos; quanto foi ele quem propôs a Ortiz Rúbio renunciar. Em 1933, Pérez Treviño manifestou o respeito à vontade de Calles, ao retirar sua candidatura e dedicar-se à campanha do candidato preferido por Calles: Lazaro Cárdenas (CARMÍN & MEYER, p. 130-132). Como vimos, Ramos compartilhava a idéia de que os destinos dos movimentos revolucionários mexicanos do início do século XX foram em grande parte responsabilidade de uma minoria (RAMOS, p. 171). Conforme Womack nem mesmo o período de institucionalização da revolução, a partir da chegada dos sonorenses ao poder, foi um período de uniformização de interesses plurais. Correspondeu à consolidação da primazia dos caudilhos do norte, homens de iniciativa, autônomos, audazes, empreendedores; homens que se considerariam mais modernos do que o restante do país, “os californianos do México”. Por sua formação e vivências, tais homens não podiam compreender ou respeitar o estilo de vida dos mexicanos do sul, ainda fortemente ligados às tradições indígenas ancestrais; mexicanos de hábitos simples, contemplativos, muita vezes dóceis. O Partido Republicano Nacional não concentrava, portanto, nem os interesses de uma classe nacional, nem de um grupo ideológico nacional, ou um líder de projeção nacional. O PNR concentraria homens que compartilhavam um mesmo estilo de vida, de negócio, de prática política, homens de origem quase sempre circunscrita a uma determinada parcela do território mexicano: o norte (WOMACK, p. 191 + MEYER JR., p. 193). A próxima seção deste artigo se dedica a pensar sobre o perfil político desses chefes. E as demais classes e grupos que se costuma tomar como participativos do processo revolucionário? Refletir sobre qual seria a visão de Ramos em relação ao papel político das classes pobres é o objetivo da quarta seção. E as relações político-culturais entre o México da Revolução e nações estrangeiras é o assunto da seção que encerra este artigo.
  • 13. 3. O perfil político dos chefes revolucionários e dos eleitores da classe média Ramos afirmara em El perfil que, embora fosse numericamente minoritária, a classe média era o grupo social que vinha, nas últimas décadas, ditando os destinos da política no México (RAMOS, p. 129). Como afirmam Camín e Meyer, a classe média foi um dos grupos que abraçaram a causa revolucionária com maior vigor primeiramente porque recaíram em grande parte sobre ela os prejuízos da política econômica porfirista. Díaz garantia isenções fiscais para as indústrias estrangeiras que se estabeleciam em terreno mexicano, solicitava empréstimos de banqueiros internacionais, e por conta disso acabava por ampliar os impostos e gerar uma inflação alta que reduziam consideravelmente o poder de compra de comerciantes, advogados, médicos e profissionais liberais emgeral (CARMÍN & MEYER, p. 19). Conforme Katz, a crise de 1908 foi determinante para fazer crescer a insatisfação da classe média. Atingindo indústrias e o campo, essa crise reduziu a possibilidade de arrecadação do governo, levando-o a aumentar ainda mais os impostos. Paralelamente, os estabelecimentos bancários, nas mãos de estrangeiros ou de abastados investidores intimamente ligados ao ditador, por conta da crise reduziram a oferta de crédito e aumentaram os juros, deixando poucas alternativas de socorro financeiro aos pequenos comerciantes e profissionais liberais (KATZ, p. 88). Em segundo lugar, a classe média não se sentia contemplada pela administração de Díaz porque em geral cargos públicos e postos de destaque eram ocupados pela oligarquia tradicional (CARMÍN & MEYER, p. 19). Os jovens mexicanos recém-formados também não viam possibilidade de ascensão nem mesmo nas empresas estrangeiras que vinham chegando ao México, pois os melhores postos eram ocupados por estrangeiros ou herdeiros de tradicionais famílias latifundiárias porfiristas (KATZ, p. 91). Por isso, vendo Francisco Madero presidente negociar com elementos do regime deposto, e compondo um gabinete com muitos figurões do Porfiriato, a classe média urbana mexicana também não lhe poupou críticas (WOMACK, p. 111 + CARMÍN & MEYER, p. 43). Classificaram-no como “um inescrupuloso promotor de seus interesses familiares” (CARMÍN & MEYER, p. 43). A chegada de Huerta ao poder, por sua vez, soou-lhes como uma volta ao porfirismo: economia desordenada, poucas oportunidades de participação e pouca liberdade de expressão. Por isso a identificação era maior com a administração dos caudilhos do norte.
  • 14. Segundo Camín e Meyer, “se não tivesse havido a revolução, nenhum desses homens teria deixado de triunfar como gerentes, comerciantes e agricultores, mas nenhum também teria encontrado o caminho livre para alcançar o status econômico e social da oligarquia porfiriana, sem contar a prosperidade política” (p. 60). Esses homens a quem se referem os historiadores mexicanos que acabo de citar são mexicanos tais como Obregón e Calles. Mas poderíamos assim nos referir a diversos representantes anônimos das classes médias, de mentalidade “moderna”, que se identificavam com o jeito sonorense de administrar o país. Essa classe média se identificava com os políticos do norte. Essa classe média via os revolucionários atentos aos problemas rurais com uma certa desconfiança. Aos olhos dela, teriam problemas se chegassem ao poder, porque não possuiriam um verdadeiro projeto político. A bem da verdade, para além do interesse de Zapata em realizar uma reforma na estrutura agrária do país, de fato muitos dos grandes chefes caudilhos não possuíam programa político nenhum. Camín e Meyer narram o diálogo que Zapata e Villa teriam tido em Xochimilco, em 1914, quando se encontraram pela primeira vez; Villa teria dito: “compreendo muito bem que a guerra a fazemos nós, os homens ignorantes, e se aproveitam dela os gabinetes. Mas tudo bem, porque não preciso de cargos públicos. Não saberia o que fazer com eles” (p. 78). Em vistas disso a classe média mexicana optou por apoiar o conservadorismo de Carranza. E, depois, por investir em Obregón como uma alternativa entre o radicalismo dos zapatistas e o carrancismo reacionário (CAMÍN & MEYER, p. 71). Efetivamente, conforme Camín e Meyer elementos para um programa político nacional podem ter sido esboçados pelo Plano de San Luís, e pipocaram aqui e acolá, nos diversos “Planos” formulados ao longo da história da Revolução. Só que uma modalidade dele apenas começou a ser implementado mais ordenadamente não com a constituição, promulgada durante o governo de Carranza, e sim com a chegada dos sonorenses à presidência do México. Já disse que eles se caracterizavam por um modus operandi bastante específico do norte mexicano, com o qual as classes médias de outras regiões se identificaram. Agora é hora de observar mais de perto que tipo de projetos implementaram. Conforme os pesquisadores mexicanos citados no parágrafo anterior, Calles teria restringido sua política à administração da economia nacional. Cuidou de criar o Banco do México, o Branco de Crédito Ejidal e o Banco Cooperativo Agrícola. Promoveu a reconstrução das ferrovias destruídas durante as batalhas, e a ampliação da malha ferroviária e rodoviária – começou a construir a rodovia Pan-americana e a estrada Acapulco-Veracruz. Investiu na irrigação de regiões secas (p. 105
  • 15. e 136). Equilibrou tais investimentos com a política de enxugar o orçamento da nação, organizar o sistema monetário mexicano, reestruturar o sistema de crédito (CARMÍN & MEYER, p. 134). E o fez mesmo em meio à crise de 1929 que assolou as economias mais sólidas do mundo. Contudo, Calles não abraçou um pacote de medidas sociais mais amplas. Obregón, no governo anterior, diferentemente, parece ter desenvolvido um programa político mais amplo. Fez acordos com operários, aumentou a área ocupada pelos ejidos e preocupou-se com a questão do ensino, daí ter transformado o Departamento de Educação em “Ministério”, e escolhido para por ele zelar o célebre intelectual José Vasconcelos (CARMÍN & MEYER, p. 104). Vasconcelos pensava “educação” num sentido bastante amplo, e foi além de ampliar a rede de ensino pública no campo e nas cidades. Promoveu a alfabetização de indígenas, aumentou o salário dos professores, construiu bibliotecas, publicou livros de escritores mexicanos e clássicos internacionais. Também financiou projetos artísticos, como o muralismo. Desenvolvido pelos chamados “los trés grandes” – Diego Rivera, José Clemente Orzoco e David Alfaros Siqueiros, o muralismo almejou ser a expressão simbólica máxima da Revolução Mexicana: uma arte monumental, produzida necessariamente de maneira coletiva (ainda que autoral), visava falar sobre as massas para as massas (MEYER JR, p. 200-201). O vínculo entre artistas e políticos foi retomado mas revisto no governo de Calles. Vasconcelos não mais integrava o Ministério da Educação; e fez falta sua generosidade quixotesca. Os escritores, pintores e escultores que foram vinculados ao governo e desfrutavam de certas vantagens passaram a ser rotulados como “intelectuais de boa fé”. Aqueles que se opunham a reproduzir o discurso nacionalista e panegírico pregado por Calles eram rotulados como “descastados”, “traidores da pátria”, e tendiam experimentar dificuldades financeiras (MEYER JR., p. 201-202). Assim foram rotulados poetas surrealistas do porte de Xavier Villarrutia e seus companheiros, editores da revista Los contemporáneos. Ramos, que chegou a contribuir para essa publicação e circulava entre esses intelectuais, em El perfil faz sua defesa: “No es deprecio a su país, ni incomprensión de sus problemas la causa de que el intelectual mexicano no haga citas de la realidad circundante; es que cuando el espíritu quiere expresarse tiene que hacerlo en su lenguaje proprio que no ha creado todavía el suelo americano, y que sólo puede dárselo la cultura europea. (...) Ser indiferente a ella sería tal vez signo de una inferioridad que nos condenaría a no salir nunca de los horizontes de la patria, a no poder acercarnos a una comunidad más vasta de hombres. (...)
  • 16. El hispanoamericano es apto a elevarse a la universalidad espiritual y tiene voluntad de realizarla en sus formas posibles” (RAMOS, p. 137). O Ministro da Educação de Calles, Moisés Saénz tinha projetos diferentes para o ensino no México. O humanismo de Vasconcelos passava a ser considerado como demasiadamente sonhador, genérico e pouco efetivo. Dava-se agora prioridade às escolas rurais, orientadas a práticas laicas e profissionalizantes. O Ministro dizia: “É tão importante criar galhinhas quanto ler poesia” (Apud MEYER JR., p. 202). Ramos admite, em El perfil, a importância do projeto de Saénz, em razão da acolhida popular que teve. Fazia sentido para todo mexicano que cuidar da educação de crianças, voltando- se para sua formação técnica, condizia com as aspirações de desenvolvimento econômico pessoais e nacional. Mas Ramos lamenta em seu livro que isso tenha ocorrido na mesma proporção em que o ensino universitário, acadêmico, foi perdendo importância no México. O intelectual mexicano deixou de ser “respeitado”. Um desprezo que Ramos relaciona a certa inveja obscura e, provavelmente, inconsciente (RAMOS, p. 139). Como aludi anteriormente, a descrição da conduta política dos líderes sonorenses parece coincidir com a visão de Ramos acerca do mexicano em geral. Ramos traça no capítulo 4 de seu livro características que considera bem típicas do cidadão padrão do México, o qual tentaria demonstrar certo nível de civilidade, disfarce confuso que não corresponderia ao que ele realmente é (RAMOS, p. 119). Ramos não se dedica, todavia, a apresentar um quadro “fechado” acerca de como o mexicano é em essência. Descobri-lo, diz em El perfil, é tarefa de todos. Ramos apresenta no livro algumas de suas suposições. Pontua como o mexicano tenta parecer. E como ele deseja que o mexicano não seja. Na conformação do mexicano típico, Ramos destaca o legado da cultura do espanhol colonizador. Do espanhol o mexicano haveria herdado o conservadorismo, o espírito individualista e o fato de ser brutalmente passional (RAMOS, p. 103). Recorda que no período colonial as classes mais altas tinham sua riqueza baseada não no trabalho, e sim na concessão de privilégios pela Coroa. As classes mais pobres, subservientes, tudo aceitavam e se adaptavam como podiam ao domínio dos chefes locais. Esse equilíbrio raramente era quebrado e se reproduziu ao logo da Revolução Mexicana, com a adesão de pobres camponeses às milícias de seus chefes caudilhos. O faziam porque insatisfeitos com suas condições de vida e na intenção de depor o poder centralizado e sem dúvida nenhuma opressor de Díaz; mas
  • 17. muitas vezes quase sem questionar o valor de um Madero, um Obregón, um Calles, um Zapata, um Pancho Villa. A Crítica a esses indivíduos em geral vinha “de fora”, de outros cantos do país, e não daqueles com quem conviviam cotidianamente, cujos defeitos conheciam de perto e de cujos benefícios desfrutavam (RAMOS, p. 107). Seguindo tal legado cultural, o mexicano se faria indiferente no que diz respeito ao coletivo. Seguindo tal legado cultural, o mexicano típico seria, segundo o olhar de Ramos, egoísta e egomaníaco (RAMOS, p. 127). Dentre as três características herdadas do contato com o espanhol colonizador, para Ramos a passionalidade seria a única não inteiramente deletéria. Quando se volta para fora, ao ver de Ramos, faz-se vantajosamente solidária e construtiva. Seria o caso de José Vasconcelos, o Ministro da Educação de Obregón. Seria talvez o caso de Zapata, não citado em nenhum momento do texto de El perfil. Porém, acontece que quando a paixão se volta para dentro, como tantas vezes, conforme o autor, seria característico do comportamento do homem do México, incorre-se novamente no individualismo cego, e na dificuldade de ordenação de uma vida coletiva. (RAMOS, p. 164-165). A paixão de Madero pela liberdade de expressão e pela legalidade enquanto a maioria desejava transformação; a paixão de Villa pela guerra, enquanto se deseja o reordenamento da nação; a paixão de Obregón pelo poder. Caos político é decorrência previsível numa sociedade composta por indivíduos com tais características. Por fim, parece ser, para Ramos, um legado da colonização o fato do mexicano comum ser caracteristicamente aventureiro (RAMOS, p. 106): colonizar foi uma empreitada sem muito projeto e cheia de riscos, assimcomo os percursos de Madero, Carranza, Zapata, Villa, Obregón e Calles. Mas Ramos também sugere algumas características que seriam típicas do mexicano e bem distintas do espanhol padrão. O mexicano comum é idealista e gosta de falar bonito (RAMOS, p. 113). Porém, não pode seguir retamente uma religião ou uma ideologia, suas idéias são vagas e artificialmente copiadas; e seu discurso é vazio. Pretende se mostrar um homem de sentido prático, mas age conforme as circunstâncias, de forma imediatista e reativa; não no sentido de transformar e criar conforme seus interesses e necessidades (RAMOS, p. 122-123). O mexicano se diz radical e é utópico, porque guarda uma crença infantil de que é capaz de submeter a realidade à sua vontade (RAMOS, p. 160 e 175). Romântico, tenderia, segundo Ramos, a constantemente decepcionar-se e tornar-se pessimista. Assim como Vasconcelos se havia decepcionado. Após propor todo o programa
  • 18. educacional citado acima, foi desprezado pelos sonorenses. Como disse há pouco, candidatou-se à presidência em 1929, mas perdeu para a máquina do PRN. Foi quando escreveu o livro “El ocaso de mi vida”. Todas essas características fundamentam o comportamento político confuso do mexicano, e de certa maneira “explicam” os desdobramentos ilógicos, ambíguos e contraditórios da Revolução Mexicana. Mas, para além, Ramos destaca uma característica elementar do mexicano, que condiz inteiramente com o espírito revolucionário: como se sente extremamente vulnerável, impotente; como desconfia de tudo e de todos, se mostra como um homem viril, machista, grosseiro, violento, explosivo (RAMOS, p. 92, 119 e 121). O mexicano típico se apresentaria como “Un animal que se entrega a pantomimas de ferocidad para asustar a los demás, haciéndole creer que es más fuerte y decidido” (RAMOS, P. 199). O tom de ameaça, o tom machista, se fazia presente mesmo em momentos de relativa paz. Obregón dirigiu-se à oposição no Senado, quando era presidente, da seguinte maneira: “Nossos inimigos deveriam se apressar em afiar suas adagas e apontar seus rifles assassinos porque a guerra é semquartel, dente por dente, vida por vida.” Como lembram Camín e Meyer, Calles sentia “repugnância quase física” pelos cristeros. “Para ele, religião era coisa para mulheres e Jalisco era o ‘galinheiro’ da República” (p. 118). A chamada Guerra Cristera foi considerada pelos sonorenses no poder uma rebelião tardia e ideologicamente arcaica, mobilizada por camponeses cegos pela doutrina católica. Desenrolou-se em diversos estados da região central do país, dentre os quais Jalisco, e durou de 1926 a 1929, provando que os rebeldes não eram tão afeminados, frágeis ou suscetíveis como costumavam supor os sonorenses. (CARMÍN & MEYER, p. 116-117). Quais motivos levaram ao levante Cristero? Os caudilhos do norte, de inclinação jacobina, revelaram-se severos críticos no que tange à influência do catolicismo nos lares mexicanos. Pregaram a necessidade de se estruturar um Estado laico, de se fornecer registros civis de nascimento e casamento, e uma educação pública secularizada. José Clemente Orozco lembra que ainda no início da década de 1910 chefes nortistas invadiram a cidade de Orizaba, destruíram o templo de Los Dolores, e utilizaram os santos, os confessionários e os altares como madeira para queimar nos fogões dos acampamentos (Apud CAMÍN & MEYER, p. 74). Em 1915 Obregón degredou dezenas de padres, e, numa clara tentativa de desmoralização da Igreja, permitiu que se divulgasse a informação de que muitos deles estavam
  • 19. contaminados por doenças venéreas (CAMÍN & MEYER, p. 74). Por fim, durante o governo de Calles, a perseguição aos líderes católicos foi sistemática: foram proibidas as missas públicas, a celebração de casamentos religiosos, diversos templos foram fechados e sacerdotes degredados. O Código Penal que o presidente propôs ao Senado mexicano no ano de 1926 tipificava crimes religiosos e determinava penas a serem cumpridas pelos clérigos infratores (CAMÍN & MEYER, p. 114-115). Homem de seu tempo, Ramos não deixou de abordar a questão religiosa. Em El perfil o catolicismo é analisado sob um viés positivo: o viés do mérito de ter sido o grande agente civilizador do México (RAMOS, p. 103). Foi em torno da Igreja que se ergueram as cidades mexicanas desde a colonização até a Reforma. Foram os sacerdotes que, “para bién o para mal”, nas palavras de Ramos, apresentaram as primeiras referências de comportamento civilizado, consciência de coletividade, e também de filosofia e arte (RAMOS, p. 131). Aspectos ainda não inteiramente assimilado pelos mexicanos modernos. Talvez lhes faltasse ainda uma certa maturidade coletiva/nacional... Aliás, tal questão vem a calhar: a juventude da nação mexicana justificaria, para Ramos, seus enganos mais característicos. (RAMOS, p. 93). E, de fato, não apenas o México era um país jovem; sua população, em princípios do século XX, era composta majoritariamente por jovens. Escreve em El perfil, ao caracterizar o mexicano, que haveria, então, um horror quase doentio à velhice. “Conozco personas que a los treinta y cinco años se sienten viejas” (p. 166). Camín e Meyer citam um legítimo representante da classe média do estado de Sonora, Benjamín Hill. Dizia ele, em 1908: “Uma onda de sangue fresco é indispensável para renovar o sangue estagnado das veias da República, debilitada por velhos decrépitos, em grande parte restos horrorosos do passado mas, se quiserem, múmias que obstruem materialmente a marcha de nosso progresso” (Apud CARMÍN & MEYER, p. 19). Semelhante era a visão que se tinha do presidente Porfírio Díaz, reeleito pela sexta vez aos 75 anos. Luis González y González escreveu, sobre ele, que “Já não era o carvalho que um dia havia sido. Mesmo a acuidade e a força de vontade haviam-se abrandado. As idéias lhe fugiam e as palavras lhe faltavam. (...) Ele se tornou sentimental e lacrimoso e, consequentemente, incapaz de emitir decretos. (...) A idade média de seus ministros, senhores e governadores era de 70 anos. (...) O staff do velho ditador era quase tão velho quanto ele e alguns de seus assessores eram ainda mais acabados” (CARMÍN & MEYER, p. 27).
  • 20. Ainda que Ramos percebesse tal fenômeno como característico da época e não apenas da nação mexicana, notava um agravamento em seu país, sobretudo após a queda de Díaz. Naqueles idos se havia visto revezar no poder líderes de pouca idade. A valorização de uma suposta energia da juventude deixava a impressão de que a vida se compunha de duas etapas, apenas: a juventude e a velhice (RAMOS, p. 167). Quase ao final de seu livro Ramos avalia as vantagens e desvantagens de ser governado por um chefe jovem. Positivamente, seria impulsivo e dinâmico. Mas, negativamente, seria utópico demais, e tendente ao egoísmo. Então, concluía: “No trato de sugerir, desde luego, que la política deba ponerse en manos de los viejos, que la harían virar, probablemente, en sentido reaccionario. Quiero decir más bien que, siendo la política una acción sobre cosas reales, debe ser la obra de hombres maduros” (RAMOS, p. 168-169). Ramos, em El perfil, sempre atenta para a necessidade de um senso mais profundo de realidade, e de um olhar mais crítico, tanto por parte de políticos como por parte dos cidadãos comuns, para que se pudesse transformar do México. 4. Silêncio: as classes baixas no período revolucionário Pode parecer descaso ou imperícia, mas o fato é que Ramos não se dedica a abordar efetivamente classes trabalhadoras do México revolucionário. Destaca vários aspectos relativos à personalidade do mexicano, mas não fala da importância da terra em sua identidade. Realiza uma severa crítica da sociedade tecnicista, a qual abordarei na próxima seção, mas não trata da condição do trabalhador das indústrias mexicanas do início do século XX. Pode se dizer que, como legítimo representante da classe média que analisei na seção anterior, Ramos não se preocupasse com os projetos políticos de Zapata. Ou pode-se concordar, com Womack, que, na realidade, ainda que se costume classificar mais recentemente a Revolução Mexicana como um movimento essencialmente rural, talvez não o tenha sido. Não aos olhos de muitos de seus contemporâneos. Da queda de Díaz à posse de Cárdenas pouco se tinha feito de transformador na estrutura agrária do país. Zapata chegou mesmo a denunciar, certa feita, o fato de líderes revolucionários, além de não realizarem a reforma agrária, estarem acumulando terras. Segundo Camín e Meyer, ele teria dito: “As haciendas estão sendo cedidas ou arrendadas aos generais favoritos; os antigos latifúndios, substituídos em muitos casos por latifundiários modernos que usam fragonas, quepes e pistolas nos cintos; os povoados estão sendo burlados em suas esperanças” (p. 89).
  • 21. Transcorridos 24 anos de lutas, o ejido passou a ser considerado uma estrutura inadequada às necessidades econômicas do país, as terras distribuídas foram poucas e concentradas na região sul, e a produtividade do pequeno proprietário era baixa e pouco competitiva, por falta de subsídios do governo (MEYER JR., 228). Isso nos obriga a lembrar a hipótese de Camín e Meyer (p. 14-16), segundo a qual a Revolução não eclodiu em um México marcado pelo atraso e pela miséria. Suas cidades e indústrias cresciam, a oferta de emprego para os operários também, a produção no campo era modernizada, as exportações dos produtos agropecuários ganhavam vulto, meios de transporte e comunicação mais ágeis e eficientes encurtavam as distâncias entre aquele país tão marcado pelos regionalismos. O caso é que tal desenvolvimento se operou de maneira desordenada, gerando inflação, tornando a economia nacional vulnerável, destruindo a economia camponesa, criando desconfiança em relação aos estrangeiros, fazendo crescer o sentimento nacionalista. Por isso a Revolução se fez inevitável. Isso levou os governos sonorenses a optarem por negociar com a classe operária. Associados à Confederacíon Regional Operária Mexicana, garantiam benefícios, mas evitavam greves. Era um prenúncio tortuoso do que veio ocorrer no governo de Lázaro Cárdenas: o sindicalismo como uma das bases fundamentais de sustentação da política presidencial. Mas sobre tal questão El perfil guarda completo silêncio. Ramos deve ser, então, por conta disso, considerado um intelectual elitista e desinteressado no que diz respeito às classes trabalhadoras? Ou o enfoque de Ramos é tão cultural que se concentra, como tenho dito, não tanto em dados quanto em análise; e também não tanto em “classes sociais” quanto em determinados grupos com determinados padrões de comportamento? Pelo sim ou pelo não, o fato é que o perfil que Ramos traça do homem e da cultura no México não abre espaço para a experiência de camponeses e operários como trabalhadores, suas inquietudes, desejos e esperanças. Todavia, abre espaço para abordar o índio, elemento que observa de maneira confusa, e que podemos tomar aqui como o expoente “massa” mexicana que mais interessa e preocupa o autor de El perfil. Conforme a historiografia atual ao que tudo indica a visão que se tinha do indígena, à época da Revolução, variava significativamente no Sul e no Norte do México. No Sul, diversas comunidades indígenas mantinham sua organização e cultura mais ou menos intactas. No Norte, têm-se notícia de que os últimos resistentes, as tribos dos índios mayos e yaquis, teriam sido
  • 22. “pacificados” ainda no final do século XIX; quer dizer, pouco restava de suas tradições (CARMÍN & MEYER, 18). Nesse contexto, convém destacar que em El perfil Ramos se declara crítico às teorias biologicistas em voga na época, as quais pregavam a inferioridade elementar de negros e índios e a necessidade do branqueamento (RAMOS, p. 109). Por isso talvez possa parecer surpreendente que afirme categoricamente que o indígena não apresentou qualquer contribuição na formação da cultura mexicana. Ramos não pode negar que na formação histórica mexicana houve mestiçagem, é claro; porém, a seu ver, ela se restringiu a questões étnicas, a características físicas (RAMOS, p. 102). O mexicano seria, assim, tipicamente um homem de “fisionomía blanca con un matiz de color” (RAMOS, p. 106). De maneira quase contraditória, o autor de El perfil admite que “por un influjo mágico”, quer dizer, sem que se possa explicar racionalmente, o “mexicano” tem em comum com o “indígena” o fato de se entregar ao devir das coisas, sem criticar ou tomar as rédeas da situação (RAMOS, p. 108). Declara que a cultura indígena nativa se caracterizava por uma grande maleabilidade. Havia adotado sem resistência um ou outro elemento da cultura européia invasora, até perder por completo o sentido original (RAMOS, p. 103). Mas Ramos não deixa de lembrar que contou muito nesse processo a brutalidade do colonizador. (RAMOS, p. 102). A passividade típica do índio, portanto, corresponderia à da vítima que não sabe como reagir a um agressor extremamente mais forte, e se entrega. Daí classificá-lo como aparentemente apático e insensível (RAMOS, p. 106). Os indígenas sobreviventes no México, até aquela década de 1930, eram para Ramos “como un coro que assiste silencioso al drama de la vida mexicana” (RAMOS, p. 122). Os mexicanos de classes inferiores não se distinguiammuito desse comportamento. Mas ele prefere atribuir essa semelhança a mera fortuidade. O “comodismo” dos grupos menos abastados corresponderia mais certamente à tal aqui já abordada herança do colonizador espanhol, que era “inerte”, “entumecido”, resignava-se à ausência de liberdade imposta pela metrópole e pouco ousava criar de novo (RAMOS, p. 109). A crítica de Ramos em relação às teorias biologicistas, portanto, não se destinava a redimir o índio frente à tradicional visão denegritória. Vinha embasar sua visão do mexicano como uma raça mestiça, e vinha de encontro à sua visão crítica mas em última instância otimista em relação ao futuro do México – ele diz que não há dados empíricos capazes de provar que a mistura de raças gere “decadéncia orgánica o funcional” (RAMOS, p. 109).
  • 23. E já que estamos tratando de mestiçagem cultural, é hora de abordar como as relações entre México e potências estrangeiras influenciaram na Revolução, e de abordar o temor de Ramos em relação à força com que essa influência, econômica e comportamental, vinha ocorrendo em seu país. 5. Revolução e potências estrangeiras Ramos se interessou pelas formas como países europeus e os Estados Unidos vinham se relacionando com o México. Para ele, a análise dessa presença estrangeira em território nacional, era essencial para se compreender de maneira mais completa e profunda o perfil do mexicano “atual”. Efetivamente, o quadro dessas relações é muito mais complexo do que possa parecer a princípio: os chefes revolucionários não podem ser rotulados nem como subservientes nem tampouco como claramente antiimperialistas. Antes de mais, não podemos deixar de ponderar sobre os encaminhamentos da política internacional de Díaz. Por vezes o ditador e seus ministros pareciam compartilhar um discurso antiamericanista. Prezavam por atrair para o México uma diversidade de nações investidoras, sem dar privilégios a nenhuma delas. Essa talvez tenha sido uma das causas da insatisfação norte- americana com o ditador e do apoio garantido a princípio à pretensão golpista de Madero (CAMÍN & MEYER, p. 28 e 33 + KATZ, p. 99-101). Sim, pode-se dizer que certos agentes da revolução tiveram seus êxitos profundamente relacionados à influência norte-americana. Foi nos Estados Unidos que Madero se refugiou após a manobra de Díaz para vencer as eleições. E dos Estados Unidos Madero conclamou a população mexicana para insurgir-se no célebre dia 20 de novembro de 1910. Dos Estados Unidos ele partiu armado para pôr fim ao Porfiriato, seis meses depois, e tomar a presidência (CAMÍN & MEYER, p. 33-35). Ironia do destino: interesses dos Estados Unidos também ajudaram a depor Madero. Primeiramente, porque o presidente revolucionário havia aprovado um imposto que contrariava as empresas petroleiras norte-americanas. Depois, porque Madero havia tentado, secretamente, negociar com franceses uma alternativa de empréstimo, visando escapar ao controle político- econômico do Tio Sam. Então, o embaixador norte-americano no México, Henry Lane Wilson, não apenas ajudou a armar os golpistas ligados ao chefe do Exército, o general Victoriano Huerta, como
  • 24. enviou navios de guerra para a costa de Veracruz (CAMÍN & MEYER, p. 51-54 + WOMACK, p. 117- 121). Do porto de Veracruz, os mexicanos voltaram a contemplar a presença de navios norte- americanos pouco tempo depois, por iniciativa de um novo embaixador, cujo nome ficaria marcado para sempre nos anais de História do México: Woodrow Wilson. O novo Wilson não cansou de repetir, nos anos que se seguiram, o argumento de que era preciso garantir a segurança de vidas e propriedades norte-americanas no México (CAMÍN & MEYER, p. 65-66). Mas para financiar um prometido aumento aos oficiais do Exército que eram a base de sustentação de seu governo, Huerta fez uma opção semelhante à de Madero: negociou um empréstimo com bancos franceses (WOMACK, p. 124). Negociou também com o capital inglês, deixando bastante irritado o embaixador Wilson (WOMACK, p. 126). A reação foi o embargo de armamentos destinados por comerciantes norte-americanos ao México. Huerta fez pouco caso da rivalidade e investiu em armas européias e japonesas. O embaixador dos Estados Unidos, então, recusou-se a reconhecer a legitimidade da eleição de Huerta em 1913, e organizou uma expedição armada que chegaria a Veracruz em navios norte- americanos, embarcaria em um trem, e se dirigiria à capital, para depor o presidente. (WOMACK, p. 122, 126, 128, 131). A oposição a Huerta, porém, não desejava o apoio norte-americano. Tratava-se do grupo de caudilhos do norte, caracteristicamente nacionalistas, antiamericanistas, em princípio avessos ao grande capital internacional (CAMÍN & MEYER, p. 68). O fato é que, com o passar do tempo, já não interessava mais aos norte-americanos o estabelecimento de um poder centralizado no México. Temiam que esse poder acabasse por reverter o jogo e fechar parcerias com sua então principal rival na guerra e no comércio internacional, a Alemanha. Estavam, além disso, mais preocupados com a Europa do que com o continente americano. Transcorreu, assim, um período bastante confuso nas relações diplomáticas entre mexicanos e norte-americanos. Os Estados Unidos chegaram, nesse momento, a cogitar um apoio a Pancho Villa (WOMACK, p. 141 e 160). Empoçado presidente, Carranza optou inicialmente por uma postura cautelosa em relação aos Estados Unidos. Esperava a Primeira Guerra Mundial chegar ao fim, para ter maior espaço de manobra e negociação. (WOMACK, p. 152-153). Tendo que gastar com as guerras contra tropas oposicionistas, dentre as quais as de Pancho Villa, e visando evitar pedir empréstimos a bancos
  • 25. norte-americanos, optou pela emissão de papel moeda – os chamados “infalsificables”. Gerou obviamente um aumento na inflação e insatisfação generalizada (WOMACK, p. 123 e 153). Daí em diante, Carranza foi do tratamento hostil a um flerte simpático com as companhias norte-americanas no México, dependendo da percepção que tinha acerca da vulnerabilidade de seu governo, e da necessidade de pedir apoio militar e financeiro aos Estados Unidos (CAMÍN & MEYER, p. 91 + WOMACK, p. 169 e 175). Era desejo de grande parte dos revolucionários desde os primeiros motins, e passou a constar na Constituição de 1917, proposta à época do governo carrancista, a nacionalização das riquezas naturais mexicanas, incluindo o solo, os minérios, o petróleo. (CAMÍN & MEYER, p. 110). Então, em 1925 Obregón começou a formular uma legislação que propunha a nacionalização das companhias de extração de petróleo e, também, a proibição de que estrangeiros tivessem propriedades afastadas a menos de 50 quilômetros da costa mexicana, o que incluía inúmeras jazidas petrolíferas (p. 120). Pontos de confronto importantes entre o governo de Calles e os Estados Unidos dizem respeito não apenas a interesses mexicanos, mas às relações entre o México callista e outras nações. Um deles foi o estabelecimento de relações diplomáticas com a União Soviética, em 1924. Dois anos depois, Calles ajudaria a armar ao nicaragüense Juan Bautista Sacasa, que então promovia um golpe contra o governo de Adolfo Díaz, ligado aos Estados Unidos (CAMÍN & MEYER, p. 121). Mesmo assim, tanto Obregón quanto Calles tiveram, cada um a seu momento, que ceder. O reconhecimento do Estado revolucionário mexicano por parte dos Estados Unidos era essencial para que pudessem regularizar a situação econômica do país, e iniciar gastos que promovessem o reordenamento e o desenvolvimento da nação (CAMÍN & MEYER, p. 111). Destarte, os líderes sonorenses, por mais antiamericanistas que pretendessem dizer ser, se tornaram ainda mais vulneráveis quando estouraram tentativas de golpe e rebeliões – no caso de Obregón, a tentativa de Adolfo de la Huerta retomar o poder; no caso de Calles, a Guerra Cristera. A bem da verdade, já em sua posse Obregón havia declarado a percepção de que era fundamental abrir-se ao diálogo com dos Estados Unidos. Em um de seus primeiros discursos como presidente, afirmou: “Nossa esperança (...) está colocada na economia e na indústria e na amizade com nossos vizinhos e capitalistas estrangeiros. (...) Em primeiro lugar, cuidaremos das obrigações externas do México” (Apud. WOMACK, p. 189). O Ministro das Finanças de Obregón, Manuel
  • 26. Gomez Morín, declarou em 1922 que era “preciso conseguir esse capital (...) não para ser embulhado por ele, mas para nosso desenvolvimento” (MEYER JR., p. 212). Calles jogou com os “símbolos”. Considerou a Lei de 1925, promulgada por Obregón, inconstitucional, porque versava sobre títulos de posse anteriores à própria Constituição. Por outro lado, pontuou que os empresários norte-americanos deveriam trocar a documentação de posse suas empresas por títulos de concessão. Na prática, tudo continuava como estava antes. Mas assim nem norte-americanos se sentiam tão ressabiados com o seu governo; nem mexicanos se sentiam traídos (CAMÍN & MEYER, p. 128). El perfil apresenta, assim, uma denúncia: possibilidade dos Estados Unidos colonizarem o México, fazendo com que ele se tornasse dependente do capital e da tecnologia norte-americanas (RAMOS, p. 155). Mas, naquele contexto, Ramos, como intelectual, tinha uma preocupação que ia além dos gastos com conflitos contra grupos armados, ou da necessidade de equilibrar as finanças do país. Ramos temia sobretudo a cada vez mais notável influência da cultura estadunidense, porque a considerava materialista, tecnicista e estreita. Inspirados por um certo americanismo, diz, homens sem valor hoje apaixonam-se cegamente pelo trabalho prático, pelo dinheiro, as máquinas, a velocidade (RAMOS, p. 141). Para ele, a única vantagem do pensamento técnico seria produzir ferramentas que reduzissem o tempo de trabalho físico do ser humano, e lhe permitissem que nos dedicássemos com mais vagar à reflexão humanística (RAMOS, p. 156). Ao final de seu livro Ramos parece considerar que a Revolução foi apenas o desencadeamento de forças, demandas e percepções desordenadas e desmedidas, que careciam de um estudo objetivo, capaz de configurá-las num projeto sério, mais bem medido e profícuo do que até então tinha sido costume fazer. Uma investigação que usufruísse da sabedoria dos clássicos e da vivência dos homens que sobreviveram àqueles anos sofridos, de sua paixão, de seu espírito aventureiro e crédulo; para um projeto político com senso coletivo, nacional, humano, espiritual e amplamente transformador – para redefinir o perfil político do mexicano. Por isso Ramos escreve sua obra mais célebre: para ligar as experiências passadas às presentes, para entender alterações políticas e continuidades nos comportamentos, hábitos, idéias típicos do mexicano. Destarte, concluo pontuando que, se Morín e Paz consideravam a Revolução Mexicana como um momento em que se repensou o país, Ramos foi brilhantemente um intelectual que então o ousou repensar com crítica e esperança.
  • 27. Bibliografia CAMÍN, Héctor Aguillar & MEYER, Lorenzo. À sombra de Revolução mexicana. São Paulo: EDUSP, 2000. KATZ, Friedrich. O México: o Porfiriato. In: BETHELL, Leslie. Historia da América Latina: de 1870 a 1930. São Paulo: EDUSP, 2002. MEYER JR., Jean. México: revolução e reconstrução. In: BETHELL, Leslie. Historia da América Latina: de 1870 a 1930. São Paulo: EDUSP, 2002. PAZ, Octavio. El laberinto de la soledad. México: Fondo de Cultura Económica, 1950. RAMOS, Samuel. El perfil del hombre y la cultura en México. México: Espasa-Calpe, 1996. WOMACK, John. A Revolução Mexicana. In: BETHELL, Leslie. Historia da América Latina: de 1870 a 1930. São Paulo: EDUSP, 2002.