O “Aprender a Aprender” e ilusões da “Sociedade do Conhecimento”  Ana Maria Jensen Ferreira da Costa Ferreira Disciplina: ...
Sumário <ul><li>O Construtivismo </li></ul><ul><li>O aprender a aprender </li></ul><ul><li>Sociedade do Conhecimento  </li...
Introdução <ul><li>A responsabilidade do Educador como Mediador na Constru ç ão do Conhecimento. </li></ul><ul><li>O Conhe...
Construtivismo <ul><li>Método Construtivista? </li></ul><ul><li>Não pode ser considerado um método é uma teoria sobre o ap...
http://veja.abril.com.br/120510/popup_educacao.html Pedagogia Tradicional X Construtivismo
Teoria Piaget e as várias facetas <ul><li>A partir da teoria de Piaget foram criadas várias facetas como a: </li></ul><ul>...
O aprender a aprender <ul><li>As pedagogias do &quot;aprender a aprender&quot;. </li></ul><ul><li>A pedagogia diferenciada...
Construtivismo e outros modismos   <ul><li>Interfaces entre o construtivismo e outros modismos leva a reflexão da existênc...
Objetivo do artigo em questão... <ul><li>As relações entre “as pedagogias do ‘Aprender a Aprender’ e algumas ilusões da as...
Posicionamentos valorativos do “Aprender a Aprender” <ul><li>São mais desejáveis as aprendizagens que o indivíduo realiza ...
Assim...Seguindo as duas hipóteses anteriores <ul><li>aquilo que o indivíduo aprende por si mesmo é superior em termos edu...
Posicionamentos valorativos (Cont.) <ul><li>A atividade do aluno, para ser verdadeiramente educativa, deve ser impulsionad...
Aprender a Aprender e adaptação à Sociedade <ul><li>“ A descrição de competências deve partir da análise de situações, da ...
Caráter adaptativo da pedagogia à sociedade capitalista <ul><li>Conhecer a realidade social (não fazer críticas) </li></ul...
Sociedade do Conhecimento <ul><li>Sociedade pós-capitalista?? </li></ul><ul><li>Fase da sociedade capitalista?? </li></ul>...
Sociedade do Conhecimento <ul><li>“ ... Assim a chamada sociedade do conhecimento é uma ideologia produzida pelo capitalis...
A Ilusão e a Sociedade do Conhecimento <ul><li>A Ilusão cumpre determinada função ideológica na sociedade capitalista cont...
ILUSÃO REPRODUÇÃO  IDEOLÓGICA FORMAS DE INTERVENÇÃO COLETIVA E ORGANIZADA
Função Ideológica da Sociedade do Conhecimento <ul><li>Enfraquecer críticas radicais do capitalismo </li></ul><ul><li>Enfr...
As ilusões da Sociedade do Conhecimento <ul><li>O conhecimento nunca esteve tão acessível como hoje... </li></ul><ul><li>A...
As ilusões da Sociedade do Conhecimento <ul><li>Os conhecimentos têm todos o mesmo valor, não havendo entre eles hierarqui...
A ilusão, a reprodução ideológica e as formas de intervenção... <ul><li>Através da ilusão ou da razão muitas formas de int...
A Ciência da Informação e a intervenção coletiva? <ul><li>A procura de subsídios para entender e acompanhar o processo de ...
O que é intervenção coletiva <ul><li>“  Sei que as coisas podem até piorar, mas sei também que é possível intervir para me...
O método “Aprender a Aprender” <ul><li>Educando Jovens...ou Idosos... </li></ul><ul><li>O Movimento Escoteiro </li></ul><u...
Construindo competências  <ul><li>Perrenoud afirma que &quot;a formação de competências exige uma pequena 'revolução cultu...
Aprender a Aprender, Pedagogia da Autonomia e a UNATI   <ul><li>Desde 1995 a Universidade Aberta à Terceira Idade da UNESP...
“ Ensinar exige respeito aos saberes dos educandos.”(FREIRE,2008) <ul><li>“ o dever de não só respeitar os saberes com que...
Construindo Competências <ul><li>“  A abordagem das competências junta-se às exigências da focalização sobre o aluno, da p...
PESQUISA-AÇÃO: Objetivos <ul><li>Inclusão Digital  dos alunos da UNATI – Marília por meio de  cursos de informática , o qu...
Inclusão Digital dos alunos da UNATI - Marília <ul><li>Pesquisadores envolvidos:  Ana Maria Jensen Ferreira da Costa Ferre...
Figura 1:  Processo de inclusão digital em cursos de informática para a terceira idade. Fonte:  Vechiato (2010, p.126)
Cursos de Informática da UNATI <ul><li>Turma I:  Formas de comunicação na Internet; </li></ul><ul><li>Turma II:  Tecnologi...
Protótipo do Repositório - 2007 Figura 3:  Protótipo do Repositório Digital da UNATI – UNESP – Marília. Fonte:  Ferreira (...
Repositório Digital da UNATI Figura 4:  Página Inicial do Repositório Digital da UNATI – UNESP. Fonte:  http://linuxreposi...
Blog Internautis – Acesso as Atividades Figura 4:  Blog Internautis Fonte:  http://internautis.wordpress.com/ . Acesso em:...
Informações atualizadas
Aprender a Aprender, Pedagogia da Autonomia e o Movimento Escoteiro <ul><li>“ O velho que preserva sua validade ou que enc...
Movimento Escoteiro - Escotismo <ul><li>Movimento educacional, mundial, voluntariado, apartidário, sem fins lucrativos.  <...
Princípios do Escotismo <ul><li>Dever para com Deus (espiritualidade)  </li></ul><ul><li>Dever para com os outros (partici...
Métodos do escotismo <ul><li>Aprender fazendo </li></ul><ul><li>Trabalho em equipe </li></ul><ul><li>Atividades progressiv...
Cidadania <ul><li>foto </li></ul>Autonomia
Trabalho em equipe Desenvolvendo Habilidades
Ecologia Solidariedade
Ilusão ideológica ou possível realidade... <ul><li>Estão os Educadores preparados para tais tarefas???  </li></ul><ul><li>...
“ Ensinar exige apreensão da realidade” <ul><li>Estão os Educadores aptos a passar aos educandos experiências??? </li></ul...
Direcionado a Jovens ou Adultos Por Um Mundo Melhor!!! Melhor Possível!! Sempre Alerta!! Servir!! http:// www.escoteiros.o...
Referências <ul><li>BORTOLOTI, Marcelo.  Salto no escuro . in: Revista Veja Educação.Ed.2164, 12 de maio de  2010. São Pau...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

O “Aprender a Aprender” e ilusões da “Sociedade do Conhecimento”

6,568 views

Published on

Seminário apresentado na disciplina Mediação da Informação

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
6,568
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
376
Actions
Shares
0
Downloads
82
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

O “Aprender a Aprender” e ilusões da “Sociedade do Conhecimento”

  1. 1. O “Aprender a Aprender” e ilusões da “Sociedade do Conhecimento” Ana Maria Jensen Ferreira da Costa Ferreira Disciplina: Mediação da Informação Prof: Oswaldo de Almeida Jr. Marília 2010 Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquisa Filho” Faculdade de Filosofia e Ciências Programa de Pós-Graduação Ciência da Informação UNESP Marília
  2. 2. Sumário <ul><li>O Construtivismo </li></ul><ul><li>O aprender a aprender </li></ul><ul><li>Sociedade do Conhecimento </li></ul><ul><li>As ilusões da Sociedade do Conhecimento </li></ul><ul><li>O aprender fazendo. </li></ul>
  3. 3. Introdução <ul><li>A responsabilidade do Educador como Mediador na Constru ç ão do Conhecimento. </li></ul><ul><li>O Conhecimento = produto da rela ç ão do indiv í duo com o “ mundo em que vive ” </li></ul><ul><li>“ Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender. Ensinar inexiste sem aprender e vice-versa. ” (FREIRE,p.23,2008) </li></ul>
  4. 4. Construtivismo <ul><li>Método Construtivista? </li></ul><ul><li>Não pode ser considerado um método é uma teoria sobre o aprendizado infantil criada na década de 1920 pelo psicólogo Jean Piaget. </li></ul>1896- 1934 1896 - 1980 Os textos do suíço Jean Piaget e do psicólogo russo Lev Vygotsky, ganhou força nos EUA e Europa na década de 70 e nos anos 80 virou moda no Brasil.
  5. 5. http://veja.abril.com.br/120510/popup_educacao.html Pedagogia Tradicional X Construtivismo
  6. 6. Teoria Piaget e as várias facetas <ul><li>A partir da teoria de Piaget foram criadas várias facetas como a: </li></ul><ul><li>Pedagogia das competências ou pedagogia do “Aprender a Aprender” </li></ul><ul><li>“ Constroem competências exercitando-se em situações complexas” (PERRENOUD) </li></ul>
  7. 7. O aprender a aprender <ul><li>As pedagogias do &quot;aprender a aprender&quot;. </li></ul><ul><li>A pedagogia diferenciada e os métodos ativos </li></ul><ul><li>“ ...Ensinar, hoje, deveria consistir em conceber, encaixar e regular situações de aprendizagem seguindo os princípios pedagógicos ativos e construtivistas.” </li></ul><ul><li>(PERRENOUD,2000) </li></ul>
  8. 8. Construtivismo e outros modismos <ul><li>Interfaces entre o construtivismo e outros modismos leva a reflexão da existência de: </li></ul><ul><li>“ ideários pedagógicos e </li></ul><ul><li>ideários pertencentes a universos distintos” </li></ul>
  9. 9. Objetivo do artigo em questão... <ul><li>As relações entre “as pedagogias do ‘Aprender a Aprender’ e algumas ilusões da assim chamada Sociedade do Conhecimento.”(DUARTE, 2003) </li></ul>
  10. 10. Posicionamentos valorativos do “Aprender a Aprender” <ul><li>São mais desejáveis as aprendizagens que o indivíduo realiza por si mesmo...(contribuição para o aumento da autonomia). </li></ul><ul><li>É mais importante o aluno desenvolver um método de aquisição, elaboração, descoberta, construção de conhecimentos...(mais importante o método científico que o conhecimento científico já existente) </li></ul>
  11. 11. Assim...Seguindo as duas hipóteses anteriores <ul><li>aquilo que o indivíduo aprende por si mesmo é superior em termos educativos e sociais, àquilo que ele aprende por meio da transmissão por outras pessoas... </li></ul><ul><li>O método de construção do conhecimento é mais importante que o conhecimento já produzido socialmente... </li></ul>
  12. 12. Posicionamentos valorativos (Cont.) <ul><li>A atividade do aluno, para ser verdadeiramente educativa, deve ser impulsionada e dirigida pelos interesses e necessidades da própria criança... </li></ul><ul><li>A educação deve preparar os indivíduos para acompanharem a sociedade em acelerado processo de mudança... </li></ul>
  13. 13. Aprender a Aprender e adaptação à Sociedade <ul><li>“ A descrição de competências deve partir da análise de situações, da ação, e disso derivar conhecimentos. Há uma tendência em ir rápido demais em todos os países que se lançam na elaboração de programas sem dedicar tempo em observar as práticas sociais, identificando situações na quais as pessoas são e serão verdadeiramente confrontadas . O que sabemos verdadeiramente das competências que têm necessidade, no dia-a-dia, um desempregado, um imigrante, um portador de deficiência, uma mãe solteira, um dissidente, um jovem da periferia?” (PERRENOUD, 2000) </li></ul>
  14. 14. Caráter adaptativo da pedagogia à sociedade capitalista <ul><li>Conhecer a realidade social (não fazer críticas) </li></ul><ul><li>Construir educação comprometida com as lutas por uma transformação social </li></ul><ul><li>Formar indivíduos criativos para encontrar novas formas de ação. </li></ul>
  15. 15. Sociedade do Conhecimento <ul><li>Sociedade pós-capitalista?? </li></ul><ul><li>Fase da sociedade capitalista?? </li></ul><ul><li>Depende do “olhar”... </li></ul><ul><li>Olhar: Econômico – Capitalista </li></ul><ul><li>Político - Democrática </li></ul><ul><li>Cultural - Pós-Moderna, </li></ul><ul><li>Sociedade do Conhecimento </li></ul><ul><li>ou Multicultural </li></ul>
  16. 16. Sociedade do Conhecimento <ul><li>“ ... Assim a chamada sociedade do conhecimento é uma ideologia produzida pelo capitalismo, é um fenômeno no campo da reprodução ideológica do capitalismo.” (DUARTE, 2003) </li></ul>
  17. 17. A Ilusão e a Sociedade do Conhecimento <ul><li>A Ilusão cumpre determinada função ideológica na sociedade capitalista contemporânea </li></ul><ul><li>Ilusão interfere na reprodução ideológica, na formação societária específica e auxilia a identificar... </li></ul><ul><li>Formas de intervenção coletiva e organizada na lógica objetiva da formação societária. </li></ul>
  18. 18. ILUSÃO REPRODUÇÃO IDEOLÓGICA FORMAS DE INTERVENÇÃO COLETIVA E ORGANIZADA
  19. 19. Função Ideológica da Sociedade do Conhecimento <ul><li>Enfraquecer críticas radicais do capitalismo </li></ul><ul><li>Enfraquecer a luta por uma revolução e superação radical do capitalismo </li></ul><ul><li>Gerar a crença de que essa luta possa ser superada através de questões: </li></ul><ul><li>ética na política e na vida cotidiana </li></ul><ul><li>pela defesa dos direitos do cidadão e do consumidor, </li></ul><ul><li>pela consciência ecológica, pelo respeito à diferenças sexuais, étnicas ou de qualquer natureza </li></ul>
  20. 20. As ilusões da Sociedade do Conhecimento <ul><li>O conhecimento nunca esteve tão acessível como hoje... </li></ul><ul><li>A habilidade de mobilizar conhecimentos, é muito mais importante que a aquisição de conhecimentos teóricos... </li></ul><ul><li>O que confere validade ao conhecimento são os contratos culturais, isto é, o conhecimento é uma convenção cultural... </li></ul>
  21. 21. As ilusões da Sociedade do Conhecimento <ul><li>Os conhecimentos têm todos o mesmo valor, não havendo entre eles hierarquia quanto à sua qualidade ou quanto ao seu poder explicativo da realidade natural e social... </li></ul><ul><li>O apelo à consciência dos indivíduos, seja por meio das palavras, seja por meio dos bons exemplos dados por outros indivíduos ou por comunidades, constitui o caminho para a superação dos grandes problemas da humanidade... </li></ul>
  22. 22. A ilusão, a reprodução ideológica e as formas de intervenção... <ul><li>Através da ilusão ou da razão muitas formas de intervenção à realidade social local ou global estão sendo aplicadas... </li></ul>
  23. 23. A Ciência da Informação e a intervenção coletiva? <ul><li>A procura de subsídios para entender e acompanhar o processo de mudanças na sociedade da informação ou do conhecimento... </li></ul><ul><li>Barreiras na Comunicação da Informação </li></ul><ul><li>Competências Informacionais </li></ul><ul><li>Comportamento Informacional </li></ul><ul><li>Mediação da Informação </li></ul><ul><li>Tecnologias de Informação e comunicação </li></ul><ul><li>... </li></ul>
  24. 24. O que é intervenção coletiva <ul><li>“ Sei que as coisas podem até piorar, mas sei também que é possível intervir para melhorá-las” (FREIRE, p.52, 2008) </li></ul><ul><li>A seguir alguns exemplos práticos que reflete a função ideológica da Sociedade do Conhecimento... </li></ul>
  25. 25. O método “Aprender a Aprender” <ul><li>Educando Jovens...ou Idosos... </li></ul><ul><li>O Movimento Escoteiro </li></ul><ul><li>A UNATI da UNESP de Marília </li></ul>
  26. 26. Construindo competências <ul><li>Perrenoud afirma que &quot;a formação de competências exige uma pequena 'revolução cultural' para passar de uma lógica do ensino para uma lógica do treinamento ( coaching ), baseada em um postulado relativamente simples: constroem-se as competências exercitando-se em situações complexas &quot; (PERRENOUD, 1999, p. 54). </li></ul>
  27. 27. Aprender a Aprender, Pedagogia da Autonomia e a UNATI <ul><li>Desde 1995 a Universidade Aberta à Terceira Idade da UNESP tem como objetivo a interação de pessoas idosas com o ambiente universitário através de atividades e programas de extensão universitária. </li></ul><ul><li>A partir de 2007 a Oficina de Informática como parte do Projeto “Arquitetura da Informação para Web Sites”, se preocupa em conhecer este público e a capacitação dos alunos na utilização das Tecnologias de Informação e Comunicação. </li></ul>
  28. 28. “ Ensinar exige respeito aos saberes dos educandos.”(FREIRE,2008) <ul><li>“ o dever de não só respeitar os saberes com que os educandos, sobretudo os das classes populares, chegam a ela saberes socialmente construídos na prática comunitária... Como, discutir com os alunos a razão de ser de alguns desses saberes em relação com o ensino de conteúdos.” </li></ul><ul><li>“ Porque não estabelecer uma ‘intimidade’ entre os saberes curriculares fundamentais aos alunos e a experiência social que eles tem como indivíduos? (FREIRE, p.30,2008) </li></ul>
  29. 29. Construindo Competências <ul><li>“ A abordagem das competências junta-se às exigências da focalização sobre o aluno, da pedagogia diferenciada e dos métodos ativos” (PERRENOUD) </li></ul><ul><li>Com o foco nesses usuários e nas suas preferências e necessidades dentre os produtos de pesquisa foi criado um Repositório Digital e um Blog que auxilia como material didático. </li></ul><ul><li>Exemplos: Pesquisa Ação e Pesquisa Participante... </li></ul>
  30. 30. PESQUISA-AÇÃO: Objetivos <ul><li>Inclusão Digital dos alunos da UNATI – Marília por meio de cursos de informática , o que possibilita o compartilhamento de experiências e conhecimentos entre pesquisadores e participantes e contribui para a integração intergeracional , em que todos aprendem e constroem conhecimento (VIDOTTI et al, 2009); </li></ul><ul><li>O desenvolvimento de um repositório digital para a UNATI – UNESP que contemple elementos que facilitem o acesso e o uso das informações disponibilizadas  Inclusão Digital e Social . </li></ul>
  31. 31. Inclusão Digital dos alunos da UNATI - Marília <ul><li>Pesquisadores envolvidos: Ana Maria Jensen Ferreira da Costa Ferreira, Fernando Luiz Vechiato, Laura Akie Saito Inafuko, Odília Barbosa Ribeiro, Profa. Dra. Silvana Aparecida Borsetti Gregorio Vidotti; </li></ul><ul><li>Elaboração do plano de ensino junto aos alunos, com base em suas necessidades; </li></ul><ul><li>Busca no desenvolvimento de competências informacionais e autonomia para a utilização das informações disponíveis na Web ; </li></ul>
  32. 32. Figura 1: Processo de inclusão digital em cursos de informática para a terceira idade. Fonte: Vechiato (2010, p.126)
  33. 33. Cursos de Informática da UNATI <ul><li>Turma I: Formas de comunicação na Internet; </li></ul><ul><li>Turma II: Tecnologias de Informação e Comunicação com enfoque aos ambientes colaborativos. </li></ul>
  34. 34. Protótipo do Repositório - 2007 Figura 3: Protótipo do Repositório Digital da UNATI – UNESP – Marília. Fonte: Ferreira (2007, p.67)
  35. 35. Repositório Digital da UNATI Figura 4: Página Inicial do Repositório Digital da UNATI – UNESP. Fonte: http://linuxrepositorios.marilia.unesp.br:8080/dspace
  36. 36. Blog Internautis – Acesso as Atividades Figura 4: Blog Internautis Fonte: http://internautis.wordpress.com/ . Acesso em: 10 ago. 2010.
  37. 37. Informações atualizadas
  38. 38. Aprender a Aprender, Pedagogia da Autonomia e o Movimento Escoteiro <ul><li>“ O velho que preserva sua validade ou que encara uma tradição ou marca uma presença no tempo, continua novo” (FREIRE, p. 35, 2008) </li></ul><ul><li>O Movimento Escoteiro criado em 1907 na Inglaterra preserva os mesmos princípios e métodos... </li></ul>
  39. 39. Movimento Escoteiro - Escotismo <ul><li>Movimento educacional, mundial, voluntariado, apartidário, sem fins lucrativos. </li></ul>Robert Stephenson Smyth Baden-Powell 1857 - 1941
  40. 40. Princípios do Escotismo <ul><li>Dever para com Deus (espiritualidade) </li></ul><ul><li>Dever para com os outros (participação na sociedade, boa ação, serviço ao próximo); </li></ul><ul><li>Dever para consigo próprio (crescimento saudável e auto desenvolvimento). </li></ul><ul><li>Desenvolvimento físico, moral e intelectual </li></ul><ul><li>Jovens de 7 a 21 anos </li></ul>
  41. 41. Métodos do escotismo <ul><li>Aprender fazendo </li></ul><ul><li>Trabalho em equipe </li></ul><ul><li>Atividades progressivas, atraentes e variadas </li></ul><ul><li>Desenvolvimento pessoal com orientação individual </li></ul><ul><li>Aceitação da promessa escoteira </li></ul>
  42. 42. Cidadania <ul><li>foto </li></ul>Autonomia
  43. 43. Trabalho em equipe Desenvolvendo Habilidades
  44. 44. Ecologia Solidariedade
  45. 45. Ilusão ideológica ou possível realidade... <ul><li>Estão os Educadores preparados para tais tarefas??? </li></ul><ul><li>“ Na formação permanente dos professores, o momento fundamental é o da reflexão crítica sobre a prática . É pensando criticamente a prática de hoje ou de ontem que se pode melhorar a próxima prática.”(FREIRE, p.39, 2008) </li></ul>
  46. 46. “ Ensinar exige apreensão da realidade” <ul><li>Estão os Educadores aptos a passar aos educandos experiências??? </li></ul><ul><li>“ Toda prática educativa demanda a existência de sujeitos, um que, ensinando, aprende, outro que aprendendo, ensina, daí o seu cunho gnosiológico; a existência de objetos conteúdos a serem ensinados e aprendidos; envolve o uso de métodos, de técnicas, de materiais, implica em função de caráter diretivo, objetivo, sonhos, utopias, ideais . Daí a sua politicidade, qualidade que tem a prática educativa de ser política, de não poder ser neutra.” (FREIRE, p.69,2008) </li></ul>
  47. 47. Direcionado a Jovens ou Adultos Por Um Mundo Melhor!!! Melhor Possível!! Sempre Alerta!! Servir!! http:// www.escoteiros.org.br/escotismo /
  48. 48. Referências <ul><li>BORTOLOTI, Marcelo. Salto no escuro . in: Revista Veja Educação.Ed.2164, 12 de maio de 2010. São Paulo:Ed. Abril. Disponível em: < http ://veja.abril.com. br /120510/salto-no-escuro-p-118. shtml > acessado em: 15 de agosto de 2010 </li></ul><ul><li>DUARTE, Newton. As pedagogias do “aprender a aprender” e algumas ilusões da assim chamada Sociedade do Conhecimento . In:____. Sociedade do Conhecimento ou sociedade das ilusões? São Paulo: Autores Associados, 2003.´.5-16 </li></ul><ul><li>FERREIRA, A. M. J. F. C. Repositório da Universidade Aberta à Terceira Idade – UNATI – UNESP de Marília. 2007. 94f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Arquivologia) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2007. </li></ul><ul><li>FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia : saberes necessários à prática educativa.37 ed.São Paulo: Editora Paz e Terra, 2008 </li></ul><ul><li>PERRENOUD, P. Construir as Competências Desde a Escola . Porto Alegre: Artes Médicas, 1999. </li></ul><ul><li>___________ A Arte de construir competências . IN: Revista Nova Escola , São Paulo, Abril Cultural, setembro de 2000. </li></ul><ul><li>  VECHIATO, F. L. Repositório digital como ambiente de inclusão digital e social para usuários idosos. 2010. 183f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2010. Disponível em: http ://www. marilia .unesp. br / Home / Pos - Graduacao / CienciadaInformacao / Dissertacoes / vechiato _fl_me_mar. pdf . Acesso em: 20 jun. 2010. </li></ul><ul><li>______. Usabilidade de web sites para a terceira idade no contexto da arquitetura da informação digital. 2007. 152f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Biblioteconomia) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2007. </li></ul><ul><li>VIDOTTI, S. A. B. G.; FERREIRA, A. M. J. F. C.; VECHIATO, F. L.; INAFUKO, L. A. S.; RIBEIRO, O. B. Inclusão digital para os alunos da UNATI – UNESP/Marília. Revista Ciência em Extensão, v.5, n.2, p.42-59, 2009. Disponível em: http :// ojs .unesp. br / index . php /revista_ proex / article / view /287/272 . Acesso em 10 ago. 2010. </li></ul>

×