Your SlideShare is downloading. ×
Resumo  modulo1 ines e ana
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Resumo modulo1 ines e ana

2,523
views

Published on

Published in: Education, Technology

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,523
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
33
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Educação Unidade Curricular: Introdução à didáctica do Português Docente: Fernanda Botelho Resumo do Módulo I Ano lectivo: 2009/2010 Curso: Licenciatura em Educação Básica Ano: 3º Turma: A Discentes: Ana Filipa da Quinta Baptista, 070142057 Inês Isabel de Oliveira Graça, 070142065
  • 2. A linguística é uma ciência recente e, por isso, é pouco conhecida enquanto ciência, assim como, é igualmente, pouco conhecido o trabalho dos que nela investem. A definição de linguística é dada como “o estudo científico da linguagem humana e das línguas naturais”. Para entender esta definição, é necessário descodificá-la; assim, é inevitável definir linguagem humana, línguas naturais e estudo científico. As línguas naturais apresentam-se como línguas que podem, ou não, ser aprendidas como línguas maternas e que surgem espontaneamente com o Homem a partir da sua capacidade inata de linguagem. Em oposição às línguas naturais, encontram-se as línguas artificiais que, por sua vez, foram desenvolvidas pelo Homem em resposta às suas necessidades, num curto espaço de tempo. É também importante definir o conceito de língua, sendo a mesma, um o sistema de signos que podem surgir na forma oral ou escrita, comuns a um povo/comunidade e cuja função é comunicar. Os falantes de uma língua apresentam um conhecimento implícito acerca das características do seu sistema linguístico que lhes permite generalizar dentro de um padrão, a fim de produzir novos enunciados linguísticos. As línguas estão em permanente evolução, pois é fundamental que acompanhem as exigências do seu uso na comunicação, todavia, contêm aspectos comuns entre si – universais linguísticos. É importante nesta temática acerca da língua abordar e distinguir dois conceitos, que podem, por vezes, suscitar dúvidas: plurilinguismo e multilinguismo. Entende-se por multilinguismo o número de línguas existentes ou em concomitância numa sociedade. Por sua vez, plurilinguismo ancora o conhecimento, que um indivíduo detém, de um conjunto de línguas e do seu repertório linguístico, e os quais põe em prática numa situação de comunicação, rentabilizando-os aquando da presença de mais do que uma língua. Assim, um falante plurilingue é capaz de mobilizar conhecimentos de várias línguas, permitindo-lhe comunicar com um falante de outra língua. 2
  • 3. Dados estes conceitos, é possível afirmar que a sociedade actual é multilingue. No entanto, para que a mesma seja plurilingue, é necessária a oferta de línguas diversas pelo currículo, incentivando, desta forma, os alunos na aprendizagem de outras línguas além da sua. A explicação da linguística, enquanto estudo científico, está correlacionada com a abordagem utilizada, uma vez que a sua demonstração, enquanto ciência, é deveras exigente e complexa. A espécie humana encerra uma disposição natural para a aquisição da linguagem, através de um mecanismo cognitivo universal e genético, adquirindo, de um modo natural e espontâneo, um sistema linguístico inserido numa dada comunidade linguística (língua materna). Não obstante, para realizar esta aquisição, o ser humano necessita estar inserido num contexto social que lhe forneça estímulos linguísticos, para que consiga adquirir a linguagem – sistema de signos que permite comunicar, revelando-se também como suporte ao pensamento. Esta aquisição da linguagem compreende um conjunto de regras específicas desse sistema, nomeadamente, de carácter fonético, morfológico, sintáctico, semântico e pragmático. Do input linguístico que recebe do meio, a criança realiza um processo de generalização, que lhe permite concretizar trocas comunicativas que assentem nas regras estabelecida no grupo social em que se insere. O acto de trocas de informação entre dois ou mais interlocutores (comunicação) é passível de ser realizado, devido à capacidade, que o homem detém, de compreender inúmeras expressões linguísticas (faculdade da linguagem), tornando-o idóneo no exercício de receber, transformar e transmitir informação através da linguagem. No entanto, para que tal aconteça, é necessária a sua compreensão, decifrando a cadeia fónica e a sua capacidade de produção de mensagens linguísticas, assim como, um código/sistema linguístico comum aos interlocutores e a utilização de um canal de comunicação adequado. 3
  • 4. Numa comunidade, o indivíduo necessita mobilizar competências que lhe permitam uma interacção correcta em sociedade. Essas competências implicam um conhecimento das regras gramaticais e das regras do uso do código linguístico, respeitando o contexto social em que se insere – competência comunicativa. Ao considerar que um indivíduo usufrui da competência comunicativa subentende-se que o mesmo domine códigos e variantes sociolinguísticas assim como um saber pragmático em relação aos enunciados convencionados pela comunidade em que se insere. A comunicação surge a partir de actos de fala. Para que estes actos obtenham êxito é necessário o conhecimento das relações sociais entre os interlocutores, a aptidão para cumprir e respeitar normas convencionadas e institucionalizadas e avaliar correctamente os propósitos e as expectações dos interlocutores. Para que o acto de comunicar seja realizado de modo eficaz e sem perturbações, é inevitável que um falante de uma língua domine um conjunto de saberes de dimensão sociocultural. A competência comunicativa abarca diferentes componentes: a componente linguística, a componente sociolinguística e a componente pragmática. A componente linguística ancora um conjunto de capacidades inerentes ao conhecimento da língua enquanto sistema: competência lexical; competência gramatical; competência semântica; competência fonológica; competência ortográfica e competência ortoépica. A competência lexical é a capacidade que o indivíduo tem de empregar o vocabulário de uma língua, assimilando os seus elementos lexicais e gramaticais. A competência gramatical refere-se ao conhecimento e à capacidade de utilização dos recursos gramaticais da língua. A competência semântica abarca a consciência e o controlo que o indivíduo tem acerca da organização do significado. A competência fonológica traduz-se pelo conhecimento e habilidade para compreender e produzir elementos fonéticos e fonológicos. A competência ortográfica trata a capacidade de compreender e 4
  • 5. produzir símbolos linguísticos, permitindo a criação de textos na forma escrita. Por fim, a competência ortoépica envolve a leitura, para um público, de um texto preparado, sendo capaz de pronunciar palavras novas que possam surgir. A segunda componente, acima referida, relativa à competência comunicativa, refere o conhecimento e as capacidades necessárias para interagir com o contexto social no acto de utilização da língua, ou seja, ter em atenção os marcadores linguísticos de relações sociais (influência da língua e da cultura), as regras de delicadeza (diferentes de cultura para cultura), as expressões de sabedoria popular (exprimem e reforçam atitudes, contribuindo significativamente para a cultura popular), as diferenças de registo (diferenças em relação às variedades linguísticas utilizadas em situações diversas), os dialectos e os sotaques (capacidade de reconhecer marcadores linguísticos, correspondentes à classe social, à origem regional e/ou nacional e ao grupo étnico e/ou profissional). Por último, a componente pragmática ancora o conhecimento que o indivíduo tem acerca dos princípios relativos às competências discursiva e funcional. A primeira envolve a capacidade do indivíduo em estruturar frases numa sequência lógica, para que seja capaz de produzir discursos coerentes. A competência funcional refere a utilização do discurso em ambas as formas, oral e escrita, para determinados fins. Os processos de aquisição e aprendizagem, apesar de diferentes, relacionam-se entre si em diversas situações, nomeadamente no desenvolvimento do indivíduo; por isso, é essencial o conhecimento, por parte dos docentes, de processos inerentes à aquisição da linguagem, principalmente para os educadores que na sua prática contactam com crianças de faixas etárias em que o desenvolvimento da linguagem está a decorrer. Como consequência da importância do papel do professor/educador, é essencial que o mesmo seja um utilizador proficiente na sua língua. Assim, é possível afirmar que um utilizador proficiente em Língua Portuguesa deverá dominar o português europeu padrão, incluindo o léxico, a morfologia, a sintaxe e a utilização de formas de tratamento consoante as situações vivenciadas, e 5
  • 6. ainda, utilizar a língua em situações institucionais; ouvir discursos em diversas variedades do português, compreendendo a informação contida na mensagem e reformulá-la, utilizando a informação subentendida; ser fluente na expressão oral, mobilizando vários estilos; ter hábitos de leitura que lhe possibilitem ser fluente e crítico ao nível da leitura e da escrita, respeitando as regras e tendo em atenção as características dos diversos géneros textuais. O professor da área da Língua Portuguesa deverá compreender um conjunto de competências inerentes à sua orientação e intervenção educativa. O ensino da leitura e da escrita tem elevado nível de sucesso aquando da planificação, orientação e organização de profissionais competentes. Estes profissionais devem: dominar a estrutura da Língua Portuguesa, nos modos oral e escrito; dominar conhecimentos acerca do desenvolvimento linguístico; perceber que a aprendizagem é sequenciada; ter conhecimento da herança linguística das crianças quando entram na escola; ser capazes de ultrapassar as dificuldades sentidas em relação às características específicas da língua; dominar as regras do sistema ortográfico e do sistema de pontuação; ter consciência que a aprendizagem da leitura e da escrita está intimamente ligada com a diversidade de léxico; perceber a relação existente entre domínio progressivo da complexidade sintáctica e o êxito da aprendizagem da leitura e da escrita; e, por fim, manter-se em constante aprendizagem, investigando, reflectindo e, posteriormente, integrá-la na sua prática, apelando ao uso da didáctica, intervindo sempre pedagogicamente em conformidade. A didáctica pode ser definida como o motivo e aplicação de um conjunto de princípios, normas e técnicas próprias, cuja função é dirigir a aprendizagem. Neste sentido, surge a partir do diálogo em situações de sala de aula e dos sujeitos que as vivem, e da investigação, enquanto observação e interpretação de actos educativos. A didáctica apresenta-se como sendo uma disciplina com características transversais e transdisciplinares, pois contém aspectos globais que integram outras didácticas. Posto isto, cada disciplina tem a sua didáctica específica, como por exemplo a didáctica do Português que se ramifica em outras vertentes (Didáctica da Língua Não Materna; Didáctica do Português Língua 6
  • 7. Segunda, entre outras) e apresenta características da didáctica geral, originando, assim, uma complementaridade entre ambas. No que respeito à didáctica das línguas, o seu percurso epistemológico é constituído por três etapas, sendo a primeira a Didáctica Instrumental, que se funda na produção de materiais e estratégias que permitam a formação do professor. De seguida, a Didáctica Especifica surge na sequência das tentativas de autonomizar a didáctica tendo em conta as características próprias de cada língua. O professor, nesta fase, toma um papel de agente reflexivo, investigador e crente na interacção entre professor e aluno. Por fim, a última etapa constitui-se pela Didáctica do plurilinguismo, que se torna uma disciplina exterior à sala de aula e mobilizadora dos recursos do meio e da actualidade. Note-se que esta didáctica surge inerente às características sociais e multiculturais que se vincam na sociedade de hoje. Face à diversidade cultural presente nas escolas da actualidade, é fundamental que se modifiquem estratégias no âmbito da Didáctica do Português no sentido em que esta língua já não é aprendida exclusivamente como língua materna, mas também como língua segunda. Assim, a didáctica do plurilinguismo torna-se fundamental na aprendizagem do português visto que abrange perspectivas comuns no processo ensino-aprendizagem das línguas, tornando-as próximas, o que possibilita uma melhor aprendizagem. Em suma, as didácticas pressupõem metodologias que visam um melhor aproveitamento das capacidades do aluno e dos conhecimentos do mesmo, a fim de concretizar melhores aprendizagens, valorizando o que o aluno já traz para a escola. 7
  • 8. Referências Bibliográficas: DUARTE, Inês (2001). “A formação em Língua Portuguesa na dupla perspectiva do formando com utilizador e como futuro docente da língua materna”. in Inês Sim-Sim (org) A Formação para o Ensino da Língua Portuguesa na Educação Pré-Escolar e no 1º Ciclo do Ensino Básico, Cadernos de Formação de Professores, nº2 ,pp 27-34. FERRÃO TAVARES, Clara (2007). Didáctica do Português língua materna e não materna no Ensino Básico. Porto: Porto Editora. GOUVEIA, Adelina; SOLLA, Luísa. Português Língua do País de Acolhimento – Educação Intercultural. ACIME – Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas. ISBN: 972 – 99316 – 0 – 7 MATEUS, Maria Helena Mira; VILLALVA, Alina (2006). O Essencial sobre Linguística. Editorial Caminho. Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas: Aprendizagem Ensino e Avaliação. Ministério da Educação. Conselho Europeu. SEQUEIRA, Fátima; SIM-SIM, Inês (1989). Maturidade linguística e aprendizagem da leitura. Volume 1. Universidade do Minho: Instituto de Educação. ISBN: 972 – 21 – 1777 – 7. SIM-SIM, Inês (1998). Desenvolvimento da Linguagem. Universidade Aberta. Lisboa. ISBN: 978 – 972 – 674 – 240 – 1. 8