Acordo ortográfico

369 views
319 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
369
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Acordo ortográfico

  1. 1. acordo ortográfico Introdução O AcordoOrtográficovisaa elaboraçãode um conjuntode regrascomuns a váriospaísesque partilhemamesmalínguaoficial,de formaa haverum modeloúnicode ortografia,que crie um padrãode usoda língua,quer falada querescrita,que facilite asuacompreensãoentre todos. No caso da línguaportuguesa,umavezque é uma língua faladaemváriospaíses – Angola, Brasil,CaboVerde,Guiné-Bissau,Moçambique,Portugal,SãoTomé e Príncipe e Timor – sentiu-se anecessidadede criaracordosentre as duas principaisortografiasoficiaisdo português – a europeiae a brasileira–de forma a unificaralíngua elaborandoojá acima faladomodeloortográfico.Nesse sentido,foramváriasastentativasde unificare simplificara línguaportuguesaao longodoséculoXX,de que se destacamas seguintesdatas:1931, 1943, 1945, 1971, 1973, 1975, 1986 e 1990. Este últimosujeitoaváriaspolémicasque atrasaramem maisde umadécada a sua aprovaçãodefinitiva,que veioaacontecerem 2008. Históriada OrtografiaPortuguesa Nosseusprimeirosséculosde existência,alínguaportuguesatinhaumaortografiamuito variável.Este factoficavaa dever-se adoisfactores,de importâncianaturalmentevariável ao longodo tempo:porum lado, o estatutosecundáriodoportuguêsemrelaçãoaolatimfazia com que o ensinodalínguavernáculafosse comparativamente descuradoe ospróprios gramáticosnão se ocupassemmuitodela;poroutro,não haviauma entidade reguladoraque promovesse auniformizaçãodaescrita.De resto,as disparidadesortográficassãoum fenómenonormal dosprocessosde formaçãodaslínguas. De qualquerforma,járenascentistascomoJoãode Barrose Duarte Nunesde Leão - numa épocaem que o latimiaperdendooseuestatutoprivilegiadoe,aomesmotempo,o portuguêssurgiacomoum doselementosdefinidoresdaconsciêncianacional - constatavam as inconstânciasdagrafiae se preocupavamcomelas. Foi ao longodo séculoXIXque surgiramváriosprojectosde reformaortográfica, masnenhum chegoua ser postoemprática. Entretanto,eraóbvioque a própriaevoluçãodasociedade (coma institucionalizaçãodoensinoe adivulgaçãodaimprensa) iapropiciandoumaredução da variação ortográfica. Mas o próprioempenhodoEstadonaregularizaçãoda ortografia- o factor que poderiafazera diferença,impondoinstitucionalmente umanorma,nomeadamenteatravésdoensinopúblico
  2. 2. - tardoua manifestar-se.Foi somente em1911 que foi decretadaumareforma,como resultadodotrabalhode uma comissãointegradaporCarolinaMichaëlisde Vasconcelos, AnicetoGonçalvesViana,AdolfoCoelho,José Leitede Vasconcelos,Cândidode Figueiredoe outrosestudiososde grande craveira,emque oy foi eliminado,assimcomogruposph,ll e th. O Brasil aderiua estareformanumaprimeirafase,masem1915 revogaa suaadesão,uma vez que não foi consideradaaevoluçãoautónomadoportuguêsnoBrasil nemoshábitosde escritaque aí se tinhamconsagrado.Quatro anosmaistarde,a Academiade Ciênciasde Lisboa e a AcademiaBrasileirade Letrasiniciamumtrabalhoconjuntoparachegar a uma grafia comum.Os esforçosconjugadosderamlugarà assinaturade umacordo em 1931, mas que, contudo,nuncafoi postoem prática.Como,porém, as divergênciaspermaneciam, foi assinada uma ConvençãoOrtográficaLuso-Brasileiraem1943, com a publicaçãode umformulário.Dois anos maistarde,em1945, foi lançadoum AcordoOrtográfico,que nuncafoi ratificadopelo Brasil,que continuouareger-se porumvocabulárioanterior,de 1943. Assimsendo,Portugal passoua reger-se peloacordode 1945, enquantooBrasil continuoua aplicara convençãode 1943. Em 1947, foi publicadoemPortugal oTratado de Ortografiada Língua Portuguesade Rebelo Gonçalves,onde constamasalteraçõesa terem consideraçãodoacordode 1945, não tendo sidoesquecidasasalusõesàsdivergênciaslinguísticascomo Brasil.Domesmoautor,saiuem 1966 o VocabulárioOrtográficodaLíngua Portuguesa. Em 1971, no Brasil,foi possível proceder-seaumareformade âmbitolimitado,incidindo fundamentalmente sobre aacentuação,que foi simplificada,como,porexemplo,asupressão do acentonas palavrasterminadasem –mente,casoque foi assumidotambémemPortugal doisanosdepois. Depoisdoprocessode Descolonização,cinconovosEstadossurgiramcomonegociadorese, em1986, no Riode Janeiro,José Sarneypromoveumencontrodascomunidadesde língua oficial portuguesa–Angola,Brasil,CaboVerde,Guiné-Bissau,Moçambique,Portugal e São Tomé e Príncipe -,onde é apresentadooMemorandosobre o AcordoOrtográficoda Língua Portuguesarealizadopelasduasacademias.Omovimentode uniformizaçãodaortografia portuguesacontoucom elesnopassoseguinte,em1990. Nessaaltura,foi celebradoum acordo entre a AcademiadasCiênciasde Lisboa,aAcademiaBrasileirade Letrase representantesdospaísesafricanosde línguaportuguesa,acordoque deveriaserratificado pelasautoridadesoficiaisdossete paíseslusófonos(Portugalaprovou-onoParlamentoe promulgou-oem1991). Todavia,o acordosuscitougrande polémicaentre oslinguistase na populaçãoemgeral.Em 1996 foi ratificadoporPortugal,Brasil e CaboVerde.Doisanosmais tarde,emCabo Verde,naCidade daPraia,foi celebradooPrimeiroProtocoloModificativoao AcordoOrtográfico,que eliminaadata concreta para a elaboraçãode um vocabuláriocomum e o prazoestabelecidode ratificaçãodoAcordoOrtográficode 1990. A faltade coesãoentre os paíseslusófonos,pelafaltade ratificaçãodoacordo porparte de alguns,levouàcelebração de um SegundoProtocoloModificativo,em2004, emque constavaque bastavaa assinatura de três paísespara a entrada emvigordo Acordode 1990. Em 2008, apesardos protestose polémicaslevantadas,foi aprovadooSegundo ProtocoloModificativopeloConselhode
  3. 3. Ministrosportuguês,que depoisfoi ratificadopeloPresidentedaRepública,possibilitando, destaforma,a entrada emvigordo NovoAcordoOrtográficode 1990. Síntese doAcordoOrtográficode 1990 O AcordoOrtográficovisaacabar comalgumasdas divergênciasque existementre asduas ortografias,ado portuguêseuropeue ado portuguêsdoBrasil,assimcomopermitirque algumasdessasdivergênciaspossamcoexistir,atribuindo-se-lhesonome de duplasgrafias. Este acordo é acima de tudouma tentativade criação de uma normaortográficaúnica, privilegiandoafonéticae,assimsendo,aproximandoalínguafaladada línguaescrita. Principaisalteraçõesateremconta com a entradaem vigordonovo acordo: 1. Alfabetodalínguaportuguesa: O alfabetodalínguaportuguesapassaa ter 26 letrascom a inclusãode k (capa),w (dáblio) e y (ípsilon). Essas letrassãousadas noscasos seguintes: - emantropónimosestrangeiros,istoé,emnomesde pessoasde origemestrangeira,assim como nosseusderivados:Kafka –kafkiano; - emtopónimosde origemestrangeirae seusderivados:Kosovo –kosovar. Nota:Nos casosem que já existaumaformaaportuguesada(vernácula) estadeve serdada como preferencial,comoé ocaso da substituiçãode New YorkporNova Iorque. - nas siglas,símbolose unidadesde medidainternacionais,comoé o caso de WWW (World Wide Web) e de km(quilómetro); - empalavrasde origem estrangeirade usocorrente,comoosexemplosseguintes:web, software,hobby,etc.
  4. 4. 2. Alteraçõesnaacentuaçãode palavras: Supressãodoacentoagudo - palavrasgravescom ditongotónicoói:jibóia>jiboia;jóia> joia Nota:No Brasil,o acentoagudo será aindaeliminadoem: - palavrasgravescom ditongotónicoéi:idéia>ideia; - palavrasgravescom í e ú tónicos,quandoprecedidasde ditongo:feiúra> feiura. Supressãodoacentocircunflexo - formasverbaisgravesterminadasemêemda3.ª pessoadoplural dopresente doindicativo ou do conjuntivo:lêem>leem;vêem>veem;crêem>creem;dêem> deem. Nota:No Brasil,seráeliminadooacentocircunflexonaspalavrasgravesterminadasemo duplo(enjôo>enjoo;vôo> voo). Supressãodotrema O trema,que não é usadoemPortugal desde 1945, desaparece navariante brasileiraem palavrascomo: frequência>frequência;tranqüilo>tranquilo.Noentanto,otremacontinuará a ser usado,querno portuguêseuropeuquernobrasileiro,emvocábulosde origem estrangeirae seusderivados:mülleriano. Acentodiferencial A diferenciaçãoentre palavrasgraveshomógrafasproclíticasdeixade serfeitaatravésda acentuaçãoaguda ou circunflexae passaa ser dada pelocontexto,comonosseguintes exemplos: pára (presente doindicativoe imperativodoverboparar) e para (preposição): O automobilistaparano sinal vermelho. A passadeiraé para os peõesatravessarememsegurança.
  5. 5. pelo(presentedoindicativode verbopelar),pêlo(nome) e pelo(contracçãodapreposiçãopor + artigoo): Eu peloumacastanha. O gato temo pelomacio. Andei apassearpeloPorto. Uso facultativodoacento - formasverbaisterminadasem -ámosdopretéritoperfeitodoindicativona1.ª pessoado plural:amámosou amamos;passámosoupassamos; - formaverbal grave do presente doconjuntivodoverbodar:dêmosoudemos; - nome femininoformacomsentidode molde:fôrmaouforma. Duplaacentuação - emcasos como as palavrasgravesouesdrúxulascomé e ó tónicos,seguidasdasconsoantes nasaism ou n,com as quaisnão formamsílaba: ténise tênis;fenómenoe fenômeno; - emcasos como as palavrasagudascom é e ó tónicos,geralmente provenientesdofrancês, emque há oscilaçãode pronúncia:bebé e bebê;guiché e guiché;cocóe cocô; - nas palavrasagudasterminadasemo:judoe judô;metroe metrô; - formasverbaiscomu tónicona raiz,precedidode g ouq e seguidode e oui podemperdera acentuaçãográfica emú (masnão a tónica) ou seracentuados(tónicae graficamente) nas vogaisa e i radicais:averigúe >averigúe ouaverígue . 3. Supressãodassequênciasconsonânticas As consoantesmudasounãoarticuladassão suprimidase mantêm-seasduasgrafiasquando há oscilaçãode pronúncia. Algunsexemplosde supressãodaconsoante emcasos emque não há dúvidasquantoà sua não articulação: accionar > acionar colecção> coleção
  6. 6. actual > atual decepcionar>dececionar assumpcionista>assuncionista adopção> adoção assumpção> assunção adoptar > adotar Egipto> Egito óptimo> ótimo sumptuoso>suntuoso Algunsexemplosemque asequênciaconsonânticaé pronunciadae,porisso,nãoé eliminada: ficcional convicção bactéria egípcio corrupção adepto Exemplosde casosde oscilaçãoda pronúnciaemque é aceite a grafiadupla: carácter ou caráter infeciosoouinfeccioso infeçãoouinfecção dececionaroudecepcionar conceçãoou concepção receçãoou recepção corrupto oucorruto perentórioouperemptório
  7. 7. súbditoousúdito subtil ousutil amígdalaou amídala amnistiaouanistia 4. Supressão dohífen - noscompostosemque se perdeuanoção de composiçãocomonos seguintescasos: mandachuvae paraquedas; - duplicaçãodor nas formasderivadasquandooprefixoterminaemvogal e osegundo elementocomeçaporr ous, como são oscasos seguintes: contra-relógio>contrarrelógio ultra-sónico>ultrassónico - quandoo prefixoterminaemvogal e o segundoelementocomeçacomuma vogal diferente, como é o caso seguinte: auto-estrada> autoestrada - com o prefixoco-,mesmoquandoosegundoelemento comece como,comoé o caso seguinte: co-ocorrência> coocorrência - na maiorparte daslocuções:cartão-de-visita>cartão de visita;fim-de-semana>fimde semana - na conjugaçãodo verbohavercom a preposiçãode: hei-de >hei de hás-de > hás de há-de > há de heis-de >heisde hão-de > hão de 5. Uso dohífen - emcompostosque designamespécieszoológicasoubotânicas,comooscasos seguintes: couve-flore galinha-da-índia.
  8. 8. - com os prefixoscircum- e pan-,quandoosegundoelementocomeçaporvogal, h,m ou n, como emcircum-navegaçãoe pan-africano. - com os prefixoshiper-,inter- e super-,quandoosegundoelementocomeçaporr, comoem hiper-realistae super-resistente. - com os prefixospré-,pró- e pós-:pré-fabricaçãoe pré-fabricar. - quandoo segundoelementocomeçapelamesmavogal comque terminaoprefixo,como, por exemplo,infra-axilare micro-ondas. 6. Simplificaçãodousodasmaiúsculase minúsculas - usode minúsculasnoscasosseguintes: Mesesdo ano: janeiro,fevereiro,março,abril,maio,junho,julho,agosto,setembro,outubro,novembro, dezembro Estaçõesdo ano: primavera,verão,outono,inverno Pontoscardeais,colateraise subcolaterais: norte,sul,este,oeste,nordeste,noroeste,sudeste,sueste,sudoeste,és-nordeste, és-sudeste, és-sueste,nor-noroeste,nor-nordeste,oés-noroeste,oés-sudoeste,su-sudeste,su-sueste,su- sudoeste. Nota:Exceptose estesnomescorrespondemaumaregiãoe são usadosno seuvalorabsoluto (*),ou quandose usam as correspondentesabreviaturas. (*) VivonoSul (porsul de Portugal) Designaçõesusadasparamencionaralguémcujonome se desconhece: fulano,sicranoe beltrano - usofacultativodaminúsculae da maiúscula: Disciplinasescolares,cursose domíniosde saber:
  9. 9. portuguêsouPortuguês Nomesde viasoulugarespúblicos: Rua da Restauraçãoou rua da Restauração Formasde tratamento: SenhorDoutorou senhordoutor Nomesde livrosouobras,exceptooprimeiroelementoe osnomesprópriosque se grafam com maiúsculainicial: O Retratode RicardinaouO retrato de Ricardina

×