O livro dos médiuns -  Sistemas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

O livro dos médiuns - Sistemas

  • 1,826 views
Uploaded on

Itens finais do capítulo de sistemas

Itens finais do capítulo de sistemas

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,826
On Slideshare
1,826
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
23
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. O LIVRO DOSMÉDIUNSCAPÍTULO IVDOS SISTEMASParte FinalItens 46 a 51Ana Cláudia M. Leal
  • 2. 46. Sistema pessimista, diabólico ou demoníaco.(...)Segundo essas pessoas, só o diabo, ou os demônios, podemcomunicar-se. Conquanto fraco eco encontre hoje este sistema, éinegável que gozou, por algum tempo, de certo crédito, devidomesmo ao caráter dos que tentaram fazer que ele prevalecesse.Faremos, entretanto, notar que os partidários do sistema demoníaconão devem ser classificados entre os adversários do Espiritismo: aocontrario. Sejam demônios ou anjos, os seres que se comunicam sãosempre seres incorpóreos.Ora, admitir a manifestação dos demônios é admitir a possibilidadeda comunicação do mundo visível com o mundo invisível, ou, pelomenos, com uma parte deste último.(...)
  • 3. Site:www.catolicismo.com.brA Palavra do Sacerdote – Cônego José Luiz VillacPergunta –– No artigo que o Sr. escreveu para Catolicismo, publicado na ediçãode dezembro do ano passado, o Sr. coloca em pé de igualdade a macumba --que explicitamente recorre ao demônio -- e o espiritismo. Entretanto, fiquei nadúvida se o espiritismo tem parte com o demônio, pois em muitas sessõesespíritas se reza o Pai Nosso e a Ave Maria antes de começar. O Sr. poderia daruma explicação a respeito?Resposta –– Hoje em dia, infelizmente, esse tipo de dúvida ocorre com certafrequência. Assim, sua consulta foi muito oportuna, pois ela me dá aoportunidade de esclarecer tal ponto que causa compreensível perplexidade atantos católicos.Muitos espíritas se apresentam como cristãos e julgam erroneamente quepodem conciliar o espiritismo e o Catolicismo. Daí rezarem nas sessões espíritase, às vezes, colocarem imagens de Nosso Senhor, de Nossa Senhora ou deSantos no recinto em que elas se realizam.Porém, seja logo dito que qualquer mistura de elementos de várias religiões -- ochamado sincretismo religioso -- não pode em hipótese alguma ser aceito porum católico. Pois vai diretamente contra a Fé, que é Una, Vera e Imaculada!
  • 4. O que Pensar do Espiritismo? – Continuação• Trata-se de uma superstição. Ou seja, de um arremedo indigno do verdadeiro culto a Deus, por empregar fórmulas e ritos estranhos ou sincretistas, e neles confiar, na tentativa de forçar Deus a atender ao que Lhe é pedido, ou a desvendar o futuro. Chama-se também superstição a veneração de caráter religioso prestada a "forças" reais ou imaginárias, em lugar de Deus.• Por que o espiritismo é uma superstição?• Trata-se de superstição porque os espíritas recorrem de modo indevido às almas das pessoas que morreram e estão sob a guarda de Deus, não podendo por isso entrar em comunicação com os vivos, a não ser por uma permissão especial e muitíssimo raramente concedida por Ele.• Ora, os espíritas querem utilizar meios puramente naturais -- como a ação de outros homens, os tais médiuns -- para obter que essas almas apareçam ou se manifestem. Há então aqui uma desproporção entre os meios empregados, meios naturais, e uma ação sobrenatural, como é a aparição ou manifestação das almas dos defuntos.• Digo que se trata de algo sobrenatural no sentido de que está acima da natureza humana fazer com que as almas dos fiéis defuntos se manifestem ou não aos vivos, o que depende exclusivamente de Deus.
  • 5. Opinião dos Protestantes http://solascriptura-tt.org/Seitas/Espiritismo-planetaEv.htm • O espiritismo é, sem dúvida, uma das heresias que mais cresce no mundo hoje. O Brasil, particularmente, detém o triste recorde de ser o maior reduto espiritista do mundo. O seu crescimento se dá, em grande parte devido ao fascínio que os seus ensinos exercem sobre as mentes das pessoas desprovidas do verdadeiro conhecimento, e alienadas de Deus. Alheio a Palavra de Deus, e divorciado de toda a verdade, o espiritismo tem se constituído numa espécie de "profundezas de Satanás", pronto a tragar pessoas incautas que estão a buscar a Deus em todos os lugares e por todos os meios. (...) • Conclusão: • O aumento do espiritismo e da atividade demoníaca que se observa hoje em dia é um dos sinais dos últimos tempos. Para combater esse crescente satanismo, a Igreja deve se posicionar, renovando sua disposição para o estudo sistemático da Palavra de Deus, incentivando as crianças jovens e adultos, enfim toda a Igreja a se comprometer com a Escola Dominical e estudos doutrinários. Esse conhecimento que vem através do estudo da Palavra é a melhor arma para se refutar uma doutrina falsa, principalmente o espiritismo com todas as suas ramificações. O Espírito Santo lhe capacitará para isso.
  • 6. Crença de que todos os espíritos são demônios(...)“Mas, desde que se sabe que os Espíritos são simplesmente asalmas dos que hão vivido, ela perdeu todo o seu prestígio e pode-sedizer que toda a verossimilhança, porquanto, admitida, o que seseguiria é que todas essas almas eram demônios, embora fossem asde um pai, de um filho, ou de um amigo e que nós mesmos,morrendo, nos tomaríamos demônios, doutrina pouco lisonjeira enada consoladora para muita gente. Bem difícil será persuadir a umamãe de que o filho querido, que ela perdeu e que lhe vem dar, depoisda morte, provas de sua afeição e de sua identidade, é um supostosatanás. Sem dúvida, entre os Espíritos, há-os muito maus e que nãovalem mais do que os chamados demônios, por uma razão bemsimples: a de que há homens muito maus que, pelo fato demorrerem, não se tomam bons. (...)
  • 7. 47. Sistema otimista.“Ao lado dos que nestes fenômenos unicamente veem aação do demônio, estão outros que tão-somente hão visto ados bons Espíritos.Supuseram que, estando liberta da matéria a alma, nenhumvéu mais lhe encobre coisa alguma, devendo ela, portanto,possuir a ciência e a sabedoria supremas. A confiança cega,nessa superioridade absoluta dos seres do mundo invisível,tem sido, para muitos,a causa de não poucas decepções. Esses aprenderão à suacusta a desconfiar de certos Espíritos, quanto de certoshomens.”
  • 8. 48. Sistema unispírita, ou mono-espírita“Como variedade do sistema otimista, temos o que se baseia nacrença de que um único Espírito se comunica com os homens,sendo esse Espírito o Cristo, que é o protetor da Terra. (...)Porém, não nos dizem por que motivo os outros Espíritos não se podemcomunicar, com que fim o Espírito da Verdade nos viria enganar,apresentando-se sob falsas aparências, iludir uma pobre mãe, fazendo-lhe crer que tem ao seu lado o filho por quem derrama lágrimas. A razãose nega a admitir que o Espírito, entre todos santo, desça a representarsemelhante comédia. Demais, negar a possibilidade de qualquer outracomunicação não importa em subtrair ao Espiritismo o que este tem demais suave: a consolação dos aflitos? Digamos, pura e simplesmente,que tal sistema é irracional e não suporta exame sério.”
  • 9. 49. Sistema multispírita ou polispíritaEis aqui as consequências gerais deduzidas de uma observação completa e que agoraformam a crença, pode-se dizer, da universalidade dos espíritas, visto que os sistemasrestritivos ano passam de opiniões insuladas:1º Os fenômenos espíritas são produzidos por inteligências extracorpóreas, às quaistambém se dá o nome de Espíritos; Por isso dizemos que quem deseje estudar estaciência deve observar muito e durante muito tempo. Só o tempo lhe permitirá apreender ospormenores, notar os matizes delicados, observar uma imensidade de fatoscaracterísticos, que lhe serão outros tantos raios de luz. Se, porém, se detiver nasuperfície, expõe-se a formular juízo prematuro e, conseguintemente, errôneo.2º Os Espíritos constituem o mundo invisível; estão em toda parte; povoam infinitamenteos espaços; temos muitos, de contínuo, em torno de nós, com os quais nos achamos emcontato;3º Os Espíritos reagem incessantemente sobre o mundo físico e sobre o mundo moral esão uma das potências da Natureza;4º Os Espíritos não são seres à parte, dentro da criação, mas as almas dos que hão vividona Terra, ou em outros mundos, e que despiram o invólucro corpóreo; donde se segue queas almas dos homens são Espíritos encarnados e que nós, morrendo, nostomamos Espíritos;
  • 10. • 5º Há Espíritos de todos os graus de bondade e de malícia, de saber e de ignorância;• 6º Todos estão submetidos à lei do progresso e podem todos chegar à perfeição; mas, como têm livre-arbítrio, lá chegam em tempo mais ou menos longo, conforme seus esforços e vontade;• 7º São felizes ou infelizes, de acordo com o bem ou o mal que praticaram durante a vida e com o grau de adiantamento que alcançaram. A felicidade perfeita e sem mescla é partilha unicamente dos Espíritos que atingiram o grau supremo da• perfeição;• 8º Todos os Espíritos, em dadas circunstâncias, podem manifestar-se aos homens; indefinido é o número dos que podem comunicar-se;• 9º Os Espíritos se comunicam por médiuns, que lhes servem de instrumentos e intérpretes;• 10º Reconhecem-se a superioridade ou a inferioridade dos Espíritos pela linguagem de que usam; os bons sé aconselham o bem e só dizem coisas proveitosas; tudo neles lhes atesta a elevação; os maus enganam e todas as suas palavras trazem o cunho da imperfeição e da ignorância.
  • 11. 50. Sistema da alma material.“Consiste apenas numa opinião particular sobre a natureza íntima da alma. Segundoesta opinião, a alma e o perispírito não seriam distintos uma do outro, ou, melhor, operispírito seria a própria alma, a se depurar gradualmente por meio de transmigraçõesdiversas, como o álcool se depura por meio de diversas destilações, aopasso que a Doutrina Espírita considera o perispírito simplesmente como o envoltóriofluídico da alma, ou do Espírito. Sendo matéria o perispírito, se bem que muito etérea, aalma seria de uma natureza material mais ou menos essencial, de acordo com o grau dasua purificação.(...)Fora mister, além disso, admitir-se que esta matéria, que pode ser percebidapelos nossos sentidos, é, ela própria, o principio inteligente, o que não nos parece maisracional do que confundir o corpo com a alma, ou a roupa com o corpo. Quanto ànatureza intima da alma, essa desconhecemo-la. Quando se diz que a alma é immaterial, deve-se entendê-lo em sentido relativo, não em sentido absoluto, por isso que aimaterialidade absoluta seria o nada. Ora, a alma, ou o Espírito, são alguma coisa.Qualificando-a de imaterial, quer-se dizer que sua essência é de tal modo superior, quenenhuma analogia tem com o que chamamos matéria e que, assim, para nós, ela éimaterial. (O Livro dos Espíritos, ns. 23 e 82).”
  • 12. 51. Eis aqui a resposta que, sobre esteassunto, deu um Espírito:"O que uns chamam perispírito não é senão o que outros chamamenvoltório material fluídico. Direi, de modo mais lógico, para me fazercompreendido, que esse fluido é a perfectibilidade dos sentidos, a extensãoda vista e das ideias. Falo aqui dos Espíritos elevados. Quanto aos Espíritosinferiores, os fluidos terrestres ainda lhes são de todo inerentes; logo, são,como vedes, matéria. Daí os sofrimentos da fome, do frio, etc., sofrimentosque os Espíritos superiores não podem experimentar, visto que os fluidosterrestres se acham depurados em torno do pensamento, isto é, daalma(...)“ Agora o ponto de vista científico, ou seja: a essência mesma doperispírito. Isso é outra questão. Compreendei primeiro moralmente. Restaapenas uma discussão sobre a natureza dos fluidos, coisa por orainexplicável. A ciência ainda não sabe bastante, porém lá chegará, se quisercaminhar com o Espiritismo. O perispírito pode variar e mudar ao infinito. Aalma é o pensamento: não muda de natureza. Não vades mais longe, poreste lado; trata-se de um ponto que não pode ser explicado. Supondes que,como vós, também eu não perquiro? Vós pesquisais o perispírito; nósoutros, agora, pesquisamos a alma. Esperai, pois." - Lamennais
  • 13. “Pretender esquadrinhar, com o auxílio do Espiritismo, o que escapa àalçada da humanidade, é desviá-lo do seu verdadeiro objetivo, é fazercomo a criança que quisesse saber tanto quanto o velho. Aplique ohomem o Espiritismo em aperfeiçoar-se moralmente, eis o essencial. Omais não passa de curiosidade estéril e muitas vezes orgulhosa, cujasatisfação não o faria adiantar um passo. O único meio de nosadiantarmos consiste em nos tornarmos melhores. Os Espíritos queditaram o livro que lhes traz o nome demonstraram a sua sabedoria,mantendo-se, pelo que concerne ao princípio das coisas, dentro doslimites que Deus não permite sejam ultrapassados e deixando aosEspíritos sistemáticos e presunçosos a responsabilidade das teoriasprematuras e errôneas, mais sedutoras do que sólidas, e que um diavirão a cair, ante a razão, como tantas outras surgidas dos cérebroshumanos. Eles, ao justo, só disseram o que era preciso para que ohomem compreendesse o futuro que o aguarda e para, por essamaneira, animá-lo à prática do bem. (Vede, aqui, adiante, na 2ª parte, ocap. 1º: Da ação dos Espíritos sobre a matéria.)”
  • 14. Fontes de consulta:• O livro dos Médiuns• http://www.youtube.com/watch?v=RpoZKR3jhEk&list=PL18E7A92B50C11AC6&index= 8&feature=plpp_video • Site:www.catolicismo.com.br• http://solascriptura-tt.org/Seitas/Espiritismo-PlanetaEv.htm