Your SlideShare is downloading. ×
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Cerâmica de Cunha   -  SP
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Cerâmica de Cunha - SP

1,620

Published on

Produzido por Anna Castelo Branco

Produzido por Anna Castelo Branco

Published in: Education, Travel, Business
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,620
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
8
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. CERÂMICA DE CUNHA - SP
  • 2. Localizada no Alto Paraíba, o município de Cunha ocupa 1410 km² de colinas e montanhas aninhadas entre as serras do Quebra-Cangalha, da Bocaina e do Mar. Limita-se com Ubatuba, São Luiz do Paraitinga, Lagoinha, Guaratinguetá, Lorena, Silveiras, Areias, São José do Barreiro no estado de São Paulo, e a Paraty no estado do Rio de Janeiro. A altitude media é de 1.100 metros e os pontos mais altos são o Pico da Macela (1.840 metros) e o Pico do Cume (1.630 metros). O clima é temperado e seco, com variações de temperatura de –3 a 15ºC no inverno e de 15 a 25ºC no verão.
  • 3. O estopim para que esta semente germinasse foi a decisão de um grupo de ceramistas (portugueses, brasileiros e japoneses), alguns com especialização no Japão, em se associar e criar ateliê comum na cidade, em 1975.   Entre os fatores que pesaram na opção por Cunha estão a qualidade e a variedade da argila, o clima ameno ideal para o trato com a argila e a beleza da paisagem, própria para atividade criativa. A existência de lenha de eucalipto reflorestado para utilização nos fornos, evitando a destruição da mata natural, foi outro fator considerado pelos artistas ao optar pela cidade. Além disto, o município se situa entre as duas maiores metrópoles brasileiras, São Paulo e Rio de Janeiro.
  • 4. A prefeitura cedeu o prédio desativado do Matadouro Municipal para a instalação do ateliê, que funcionou no local até 83 (cinco anos depois ali seria instalada a Casa do Artesão, que funciona no mesmo local até hoje).   O grupo original era liderado pelo arquiteto e ceramista português Alberto Cidraes e pelo casal de ceramistas japoneses Toshiyuki e Mieko Ukeseki. O casal de ceramistas Gilberto Jardineiro e Kimiko Suenaga se incorporou ao núcleo em 1985. Alguns jovens cunhenses se entusiasmaram e viraram aprendizes. Hoje, são os ceramistas profissionais Leí Galvão e Augusto Almada (que trabalham juntos) e Luiz Toledo.
  • 5. Desde então muita coisa aconteceu. Os ceramistas , seus ateliers e trabalho são hoje elemento fundamental do patrimônio cultural local. Cunha ocupa um lugar único no panorama e na história da cerâmica contemporânea brasileira. Pólo singular de cerâmica de autor, serve de referência como projeto pioneiro bem sucedido e que continua evoluindo.
  • 6. 30 anos depois da construção do forno do matadouro temos na cidade 5 fornos Noborigama, cobrindo 2 gerações de ceramistas. Soma-se a isso a multiplicação de ateliers de cerâmica usando outros tipos de fornos, em anos mais recentes.
  • 7.  
  • 8. Em 75 se começou com um espírito de pesquisa, num contexto de intercâmbio cultural pluricontinental. Graças à liberdade de criação e experimentação os ceramistas de Cunha se desenvolveram de forma independente. A diversidade de resultados e abordagens é um dos atrativos do trabalho aqui desenvolvido. Cunha tem também funcionado como escola de cerâmica pela relação aberta existente entre ceramista e aprendiz ou estagiário e também pelas inúmeras pessoas que de passagem aqui colheram subsídios para o que viria a ser a sua vida como ceramistas. Poderemos esforçar-nos para que Cunha para além da pedagogia espontânea ou eventual venha a tornar-se um centro de estudos de cerâmica de forma mais efetiva em parceria com universidades e outras instituições dedicadas à produção de cultura.
  • 9. Ceramistas e Suas Obras:
  • 10.  
  • 11.  
  • 12.  
  • 13.  
  • 14.  
  • 15.  
  • 16.  
  • 17.  
  • 18.  
  • 19.  
  • 20.  
  • 21.  
  • 22.  
  • 23.  
  • 24.  
  • 25.  
  • 26.  
  • 27.  
  • 28.  
  • 29.  
  • 30.  
  • 31. Ana Patrícia Castelo Branco Heringer 3º Período – Educação Artística

×