• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Introdução ao Design Thinking
 

Introdução ao Design Thinking

on

  • 1,710 views

- Introdução ao Design Thinking - Adaptação de apresentação utilizada em treinamento corporativo ...

- Introdução ao Design Thinking - Adaptação de apresentação utilizada em treinamento corporativo
- Conceitos de Design Thinking, negócios e inovação
- Para mais informações, entre em contato: ana.ufabc@gmail.com

Statistics

Views

Total Views
1,710
Views on SlideShare
1,707
Embed Views
3

Actions

Likes
5
Downloads
94
Comments
0

1 Embed 3

http://www.linkedin.com 3

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Introdução ao Design Thinking Introdução ao Design Thinking Presentation Transcript

    • Introdução ao Design Thinking photo by sebaerazo on Flickr Treinamento Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Introdução Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Introdução • Este treinamento tem como objetivo a introdução aos conceitos do Design Thinking 3 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Introdução: Inovação O que é inovar? photo by farnea on Flickr • ‒ Recriar modelos de negócios e construir mercados inteiramente novos, atendendo a necessidades humanas, trazendo ideias certas para o mercado em tempo recorde ‒ Evolução do mercado de consumo: Consumidor passivo 4 De acordo com pesquisa de 2007, apenas 4% dos novos produtos lançados nos EUA eram bemsucedidos Consumidor ativo Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Introdução: Negócios • Ferramentas tradicionais: de pesquisa de mercado ‒ Melhorias incrementais • Meta: Atender às necessidades expressas apresentadas pelos clientes? ‒ Também, porém mais importante: ajudar as pessoas a articularem necessidades latentes que podem nem saber que têm Esse é o desafio do Design Thinking 5 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Introdução: Negócios • Curva de adoção de novas tecnologias: (Fonte: The New York Times, http://www.nytimes.com/2008/02/10/opinion/10cox.html) 6 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Introdução: Negócios • Consumo de um produto ou serviço não é apenas uma atividade, mas uma experiência  Produto/Serviço mal projetado •  Experiência ruim Design da experiência ‒ “Quando nossas necessidades mais básicas são satisfeitas - como já é o caso da maioria das pessoas nas sociedades ocidentais afluentes -, tendemos a partir em busca de experiências significativas e emocionalmente satisfatórias.”, Daniel Pink • Vivência do mundo do “funcional” para o “emocional”: consumidor ativo 7 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Introdução: Negócios • Industrialização em escala  padronização de produtos e serviços ‒ Preços mais baixos ‒ Maior qualidade ‒ Padrões de vida mais elevados ‒ Consumidor passivo •     Ou seja: ‒ Satisfação ligada ao consumidor ativo ‒ Industrialização tornando-o passivo Consumidor parcialmente satisfeito • Conseguir manter os benefícios da industrialização em escala, porém fazendo com que o consumidor seja ativo no consumo de seus produtos/serviços pode representar uma vantagem competitiva 8 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Introdução: Criatividade • Mitos sobre a criatividade: Se a criatividade está trazendo à existência algo que não existia antes, então o domínio da ideia ou o produto final pouco importam ‒ Apenas alguns tipos de ideias são criativas • 9 Se pensarmos na dinâmica com a qual as mudanças acontecem, podemos perceber que TODOS os tipos de ideia são necessárias, desde as mais evolucionárias às mais revolucionárias Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013 photo by Peter Hellberg on Flickr ‒ Apenas algumas pessoas são criativas
    • Introdução: Criatividade Modelo da Diversidade Criativa (Kirton, Sternberg, Amabile) ‒ Todas as pessoas são criativas: Qualquer pessoa, de qualquer idade, em qualquer profissão ‒ A criatividade é diversa ‒ A diversidade criativa é definida por 4 variáveis: • Nível criativo • Estilo criativo • Razão • Oportunidade ‒ Não existe tipo ideal de criatividade 10 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013 photo by Fighting Tiger on Flickr •
    • Introdução: Design Thinking • Design Thinking: É um conjunto de métodos e processos não lineares utilizadas na resolução de problemas com foco em inovação • Diversas abordagens para o Design Thinking, que se diferenciam no modo como dividem e/ou nomeiam as etapas e nos métodos e/ou características dos métodos propostos. À parte isso, algumas características estão presentes em todas as abordagens 11 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Introdução: Design Thinking • 3 Elementos que se complementam mutuamente: photo by fdecomite on Flickr ‒ Insight: Aprender com a vida alheia a partir da observação de comportamentos observados dos envolvidos diretamente em um problema, que podem nos dar dicas sobre suas necessidades não atendidas ‒ Observação: Ver o que as pessoas fazem e não fazem, escutar o que dizem e não dizem para se mergulhar mais profundamente no problema a partir de diferentes técnicas dependendo do contexto. O importante é: qualidade, não quantidade ‒ Empatia: Ver o mundo através dos olhos dos outros. É o hábito mental que nos leva a pensar nas pessoas como pessoas, e não como ratos de laboratório ou desvios-padrão 12 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Introdução: Design Thinking • Pensamento Convergente e Divergente: Divergente: multiplicar opções para criar escolhas as Convergente: forma prática de decidir entre alternativas existentes ‒ Testar ideias concorrentes: maiores chances de o resultado ser mais ousado, mais criativo e mais atraente ‒ Tendência natural das empresas: restringir problemas e escolhas a favor do óbvio incremental ‒ Incremental: mais eficiente no curto prazo, mas no longo prazo torna a organização mais conservadora, inflexível e vulnerável a ideias revolucionárias dos concorrentes 13 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Introdução: Design Thinking • Mindset do Design Thinker ‒ O Design como disciplina tem por objetivo máximo promover bem-estar na vida das pessoas. O designer enxerga como um problema tudo aquilo que prejudica ou impede a experiência (emocional, cognitiva, estética) e o bem-estar na vida das pessoas (considerando todos os aspectos da vida, como trabalho, lazer, relacionamentos, cultura, etc). Isso faz com que sua principal tarefa seja identificar problemas e gerar soluções ‒ As principais características do mindset do Design Thinker são mostradas a seguir 14 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Introdução: Design Thinking Mostre, não diga ‒ Comunique sua visão de maneira impactante e significativa criando experiências, utilizando ilustrações visuais e contando boas histórias 15 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Introdução: Design Thinking Foque nos valores humanos ‒ Empatia com as pessoas para as quais está projetando e feedback desses usuários é fundamental para um bom design 16 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Introdução: Design Thinking Seja claro ‒ Produza uma visão coerente de todo o caos do problema. Emoldure-a de maneira a inspirar outras pessoas a terem ideias 17 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Introdução: Design Thinking Abrace a experimentação ‒ Prototipar não é apenas uma maneira de validar suas ideias, mas uma parte integral do processo de inovação. Nós construímos para pensar e aprender 18 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Introdução: Design Thinking Esteja atento aos processos ‒ Saiba onde você está no processo de Design Thinking, que métodos utilizar nesta etapa e quais seus objetivos 19 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Introdução: Design Thinking Direcione-se para a ação ‒ O termo “Design Thinking” é um equívoco; trata-se mais de fazer do que de pensar. Direcione-se à ação e construção em vez de pensar e realizar reuniões 20 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Introdução: Design Thinking Colaboração radical ‒ Reúna inovadores com backgrounds e pontos de vista variados. Permita que soluções e insights emerjam da diversidade “Todos nós somos mais inteligentes do que qualquer um de nós” 21 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Introdução: Design Thinking photo by mr.beaver on Flickr • Com base nos 3 elementos essenciais, no pensamento convergente e divergente, e em um mindset específico, o Design Thinking combina processos e métodos de inovação já anteriormente conhecidos ou não para gerar soluções com foco em inovação 22 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Design Thinking na SAP Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Design Thinking na SAP • Veja como o Design Thinking foi aplicado na SAP: ‒ Deployment Cockpit: Ferramenta fruto da aplicação de Design Thinking, em Janeiro/13 encontravase em fase piloto. Ferramenta colaborativa que fornece aos clientes que compraram SAP Rapid Deployment Solution (RDS) acesso imediato a implementações oportunas. Além de guias de passoa-passo, eles têm acesso aos consultores da equipe da SAP. Eles podem ver quem está trabalhando em qual tarefa ‒ Fonte: http://www.sap.com/brazil/press.epx?pressid=20612 ‒ Mais informações sobre Deployment Cockpit: https://rapid.sap.com/static/flipbook/index.html#/page/5 24 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Etapas do Design Thinking Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Etapas do Design Thinking • Na principal abordagem que seguiremos (Stanford University), o Design Thinking tem as seguintes fases: ‒ Empatia ‒ Definição ‒ Ideação ‒ Prototipação ‒ Testes • A essas etapas, acrescenta-se um passo anterior, que não é considerado uma etapa em si, trata-se do Briefing • É importante lembrar que um projeto não necessariamente utiliza todas as etapas do Design Thinking e que as etapas não necessariamente devem ser seguidas de forma linear 26 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Briefing Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Etapas do Design Thinking: Briefing Briefing ‒ Conjunto de restrições mentais que proporcionam à equipe de projeto uma referência a partir da qual começar, benchmarks por meio dos quais será possível mensurar o progresso e um conjunto de objetivos a serem atingidos: nível de preços, tecnologia disponível, segmento de mercado e assim por diante ‒ Assim como uma hipótese científica, um briefing de projeto não é um conjunto de instruções ou uma tentativa de responder a uma pergunta antes de ela ser elaborada. O briefing fornece um ponto de partida para a elaboração do projeto, mas diversas outras variáveis influenciam no produto final, como imprevisibilidade e sorte 28 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013 photo by Michel Tronchetti •
    • Etapas do Design Thinking: Briefing • As restrições para boas ideias podem ser visualizadas em função de 3 critérios sobrepostos: ‒ Praticabilidade: O que é funcionalmente possível num futuro próximo? ‒ Viabilidade: O que provavelmente se tornará parte de um modelo de negócios sustentável? ‒ Desejabilidade: O que faz sentido para as pessoas? • 29 É necessário manter um equilíbrio harmonioso entre esses 3 fatores e, além disso, repensá-los ao longo da vida do projeto. Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Empatia Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Etapas do Design Thinking: Empatia • Empatia ‒ O processo de empatia é a base para um processo de design centrado no ser humano. Para empatizar, é preciso: photo by oxcnpxo on Flickr • Observar: observar os usuários e seus comportamentos no contexto de suas vidas • Engajar-se: interagir com os usuários e entrevistá-los, através de encontros agendados ou não • Mergulhar: Sentir a experiência que os usuários têm 31 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Etapas do Design Thinking: Empatia • Pontos importantes da Empatia: ‒ Aplicação do pensamento divergente ‒ Você precisa entender as pessoas para as quais você está projetando photo by oxcnpxo on Flickr ‒ Observar o que as pessoas fazem e como fazem auxilia no entendimento do que elas pensam e sentem ‒ É preciso aprender a observar as coisas com olhos de turista ‒ Adicionalmente, pode-se criar experiências imersivas para a própria equipe, a fim de entender melhor a situação que os usuários enfrentam 32 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Etapas do Design Thinking: Empatia • Diferentes métodos 33 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Empatia: Entrevista • O que é? photo by Gerhard Suster ‒ Método que procura, em uma conversa com o entrevistado, obter informações através de perguntas, cartões de evocação cultural, dentre outras técnicas. As informações buscadas permeiam o assunto pesquisado e os temas centrais da vida dos entrevistados • Quando usar? ‒ Para obter a história por trás das experiências de vida do entrevistado: • Entrevistador estimula o entrevistado a explicar os porquês para entender os significados do que está sendo dito • É possível expandir o conhecimento, descobrir exceções à regra, mapear casos extremos, suas origens e consequências 34 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Empatia: Entrevista • Como aplicar? photo by Gerhard Suster ‒ Entrevistador vai ao encontro do entrevistado em sua casa, trabalho ou ambiente relacionado ao tema do projeto ‒ Conversa sobre assuntos relevantes seguindo um protocolo prederteminado que pode ser flexibilizado em função da conversa ‒ Prepare um roteiro prévio: • Faça um brainstorm de questões com sua equipe • Tente aprimorar as perguntas para que sejam o mais significativas possível • Identifique e ordene os temas • Refine as questões • Garanta que você tenha muitas perguntas com “Por quê?”, “Conte-me sobre a última vez em que você…” 35 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Empatia: Entrevista • Dicas: ‒ Faça perguntas que estimulem a contação de histórias ‒ Observe as inconsistências ‒ Preste atenção nos sinais não-verbais ‒ Não tema o silêncio ‒ Não sugira as respostas para suas perguntas ‒ Evite perguntas binárias ‒ Perguntas curtas ‒ Uma pessoa por vez, uma questão por vez ‒ Garanta estar preparado para capturar 36 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Empatia: Pesquisa bibliográfica • O que é? photo by Vicki's Pics on Flickr ‒ Busca de informações sobre o tema do problema/projeto em fontes diversas, como websites, livros, revistas, blogs, artigos, entre outros 37 • Quando usar? ‒ Para obter informações de outras fontes que não os usuários e os atores envolvidos diretamente com o problema/projeto, identificando tendências acerca do tema ou de assuntos análogos. Pode acontecer ao longo de todo o projeto quando se identificam questões que precisam ser aprofundadas, mas é especialmente útil no início para ajudar a equipe a compreender melhor as fronteiras e perspectivas do tema em questão Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Empatia: Pesquisa bibliográfica • Como aplicar? ‒ A partir do assunto do projeto, cria-se uma árvore de temas relacionados para dar início à pesquisa photo by Vicki's Pics on Flickr ‒ A quantidade de pode aumentar conforme o andamento do projeto 38 ‒ As referências são registradas em Cartões de Insights com: • Título: que resume a informação • Breve descritivo da informação • Fonte da pesquisa • Data da pesquisa ‒ A restrição de espaço do cartão induz à objetividade. Os cartões podem ser impressos e organizados no espaço do projeto. O cruzamento desses dados com aqueles que coletados posteriormente permitem a identificação de padrões e oportunidades para serem exploradas Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Empatia: Exemplos • Empathize: https://www.youtube.com/watch?v=soqA0UM22as 39 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Empatia: Exemplos • Anar Foundation against child abuse: http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=6zoCDyQSH0o 40 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Definição Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Etapas do Design Thinking: Definição • Definição photo by Kelmon on Flickr ‒ Sintetizar descobertas da Empatia em necessidades e insights, abrangendo desafios significativos e específicos. Definir enunciado do problema a partir do seu ponto de vista • Pontos importantes da Definição: ‒ Pensamento convergente ‒ Focar em usuários específicos e insights e necessidades descobertos durante a Empatia ‒ Enunciado genérico ‒ Um bom ponto de vista fornece o foco do problema, inspira a equipe, providencia referencial para avaliar alternativas de solução, empodera a equipe a tomar decisões em paralelo, te protege da impossível tarefa de desenvolver conceitos que são “tudo” para “todos” 42 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Etapas do Design Thinking: Definição • Diferentes métodos 43 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Definição: Mapa de Empatia • O que é? ‒ Método para sintetizar as observações e extrair insights inesperados • Quando usar? ‒ Para concretizar o pensamento convergente, sintetizando informações obtidas na fase de Empatia 44 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Definição: Mapa de Empatia • Como aplicar? ‒ Crie um quadro com as seções a seguir e preencha-o a partir da revisão do material coletado na etapa de Empatia. Deve ser criado um mapa para cada entrevistado. A primeira parte do mapa trata do que seu entrevistado Diz, Faz, Pensa e Sente 45 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Definição: Mapa de Empatia ‒ STAKEHOLDER: Descreva seu stakeholder de forma genérica. Utilize adjetivos que descrevam a pessoa para alguém que não a conhece ‒ SAY: Transcreva citações da entrevista que chamaram sua atenção. Seja o mais literal ‒ DO (opcional): Se você observou a pessoa em ação, descreva os comportamentos que você observou ‒ THINK: Faça inferências sobre os significados por trás do que a pessoa disse. Escreva suposições sobre o que a pessoa pensa baseado no que ela diz faz. No que essa pessoa parece acreditar? ‒ FEEL: Faça inferências sobre os significados por trás do que a pessoa disse. Escreva suposições sobre o que a pessoa sente baseado no que ela diz faz. Que sentimentos seu usuário parece estar sentindo? 46 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Definição: Mapa de Empatia ‒ A segunda parte do Mapa de Empatia é o Enunciado do Problema, que encapsula o problema relacionado à pessoa que você está entrevistando, para que na próxima etapa você possa criar alternativas de resolução ‒ É importante que ele não seja: nem tão específico que acabe por limitar a abrangência da solução (soluções incrementais) e nem tão amplo que não dê direcionamentos suficientes para a solução ‒ A terceira parte do Mapa de Empatia é a coluna de Insights. Nesta parte você fornecerá justificativas para o problema que enunciou. Como você chegou a esta conclusão? O insight é frequentemente um resultado de ligar os pontos entre as diferentes partes do mapa 47 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Definição: Exemplo • Define: https://www.youtube.com/watch?v=GfPkHb0QFDk 48 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Ideação Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Etapas do Design Thinking: Ideação • Ideação ‒ É o momento de gerar ideias. Seu objetivo é explorar um vasto espaço de soluções photo by Britta Bohlinger on Flickr • Pontos importantes da Ideação: ‒ Aplicação do pensamento divergente ‒ Uma boa ideação: • Vai além das soluções óbvias e, assim, aumenta o potencial inovador do conjunto de soluções • Aproveita os pontos fortes e perspectivas coletivas das equipes • Descobre áreas de exploração inesperadas • Cria fluência (volume) e flexibilidade (variedade) de opções de inovação • Conduz a equipe além das soluções óbvias 50 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Etapas do Design Thinking: Ideação • Diferentes métodos 51 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Ideação: Brainstorming • O que é? photo by Britta Bohlinger on Flickr ‒ Técnica para estimular a geração de um grande número de ideias em um curto espaço de tempo. Geralmente realizado em grupo e conduzido por um moderador, responsável por deixar os participantes à vontade e estimular a criatividade sem deixar que o grupo perca o foco • Quando usar? ‒ Quando for necessário um grande volume de ideias. No processo de Ideação, o Brainstorming possibilita uma abordagem rica para gerar ideias em cima de questões relevantes que nasceram em etapas anteriores 52 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Ideação: Brainstorming • Como aplicar? ‒ Regras do Brainstorming: • Qualidade por meio de quantidade • Combine e aprimore ideias photo by Britta Bohlinger on Flickr • Ideias ousadas são bem-vindas • Evite julgar as ideias ‒ O facilitador do importante. Dicas: Brainstorming tem papel • Energia: A tarefa do facilitador é manter o fluxo de ideias. Mantenha a energia do grupo, faça ajustes para que as ideias não parem, provoque sua equipe. • Restrições: Adicione restrições para estimular novas ideias. “Como sua avó faria isso?”, “Como você faria isso 100 anos atrás?”, “Como o Superman faria isso?” 53 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Ideação: Exercício • 20 circles challenge https://www.youtube.com/watch?v=aTicPwh0BdA 54 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Ideação: Exemplos • Generating Ideas. What gets in the way? https://www.youtube.com/watch?v=rlJfcr5jw0c 55 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Ideação: Exemplos • Defer judgement: https://www.youtube.com/watch?v=1xlHob7bLwU 56 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Ideação: Exemplos • Build your creative confidence: https://www.youtube.com/watch?v=HkJS9MtsrNk 57 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Prototipação Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Etapas do Design Thinking: Prototipação • Prototipação photo by Tze Meng Tan ‒ Etapa responsável por tirar as ideias do mundo abstrato e trazê-las para o mundo físico. Um protótipo pode ser qualquer coisa que adquira uma forma física, seja um mural de post-its, uma encenação, um espaço, um objeto, uma interface ou um storyboard 59 • A resolução do protótipo deve ser medida conforme o progresso do projeto, os aprendizados de cada iteração podem auxiliar no aumento da empatia, assim como a construção de protótipos mais adequados à solução Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Etapas do Design Thinking: Prototipação ‒ Benefícios da prototipação: • Ganhar empatia: entender melhor o espaço do projeto e seus usuários • Explorar: construir para pensar. Desenvolver múltiplas opções de solução • Testar: testar e refinar a solução com seus usuários photo by Tze Meng Tan • Inspirar: inspirar os outros a exporem suas visões ‒ A prototipação é utilizada para: • Aprender: se uma imagem vale mais do que mil palavras, um protótipo vale mais do que mil imagens • Solucionar discordâncias: elimina ambiguidades, auxilia na ideação e reduz falhas de comunicação • Falhar rapidamente e de forma barata: criar protótipos rápidos e simples lhe permite testar inúmeras ideias sem investir muito tempo e dinheiro • Gerenciar o processo de construção da solução: identificar variáveis que lhe encoraje a quebrar um grande problema em pedaços menores testáveis. 60 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Etapas do Design Thinking: Prototipação • Diferentes métodos 61 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Prototipação: Protótipo Mágico de Oz photo by marie-ll on Flickr • O que é? 62 ‒ Método para simular funcionalidades que você deseja testar com os usuários. Protótipos Mágico de Oz são frequentemente utilizados para sistemas digitais, em que os usuários pensam que a resposta é dada de maneira “automática”, quando na verdade, é controlada manualmente • Quando usar? ‒ Para evitar produzir a funcionalidade, economizando tempo e recursos de efetivamente criá-la antes de refinar a solução por meio de testes (aprendizado) Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Prototipação: Protótipo Mágico de Oz • Como aplicar? photo by marie-ll on Flickr ‒ Determine o que você deseja testar ou explorar 63 ‒ Imagine uma forma de simular a funcionalidade de modo a propiciar uma experiência autêntica do ponto de vista do usuário. PowerPoint para simular um site, projetores e telas de computadores reaproveitados sob uma nova roupagem. Combine ferramentas com intervenção humana por detrás da cena e tenha um protótipo realístico. Por exemplo, você poderia criar uma vending machine sem de fato criar a parte mecânica, utilizando uma pessoa escondida para fornecer o produto Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Prototipação: Storytelling • O que é? ‒ Método para comunicar certa ideia através de uma história photo by Éole on Flickr • Quando usar? 64 ‒ Quando se deseja detectar aspectos em aberto no produto ou refinar um serviço final Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Prototipação: Storytelling • Como aplicar? photo by Éole on Flickr ‒ Saiba o que você deseja transmitir: Tanto em relação à narrativa quanto em relação a emoções ‒ Seja autêntico: Histórias são mais poderosas quando contém um pouco de você. Expressões honestas são mais fortes e ressonantes do que clichês ‒ Foque em um personagem: Personagens são um ótimo meio para expressar necessidades humanas e gerar empatia e interesse ‒ Ação dramática: componentes: Sua história deve ter 3 • Ação: O que o personagem quer? Que ações ele está tomando para alcançar seu objetivo? • Conflito: O que há no caminho dele? Quais são suas dúvidas? • Transformação: Qual o grande insight? Como a ação e o conflito se resolvem? 65 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Prototipação: Exemplos • Caine’s Arcade: http://www.youtube.com/watch?v=faIFNkdq96U 66 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Testes Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Etapas do Design Thinking: Testes • Testes photo by Éole on Flickr ‒ É a oportunidade de refinar soluções para tornálas mais adequadas. Construa protótipos como se você soubesse que você está certo, mas teste como se você soubesse que está errado ‒ É um processo iterativo em que dispomos nossos protótipos no contexto do cotidiano do usuário ‒ Realizamos testes para: • Refinar protótipos e soluções • Pode significar um retorno à fase de ideação • Aprender mais sobre os usuários • Testar e refinar nosso ponto de vista ‒ Não influencie os resultados dos testes, esteja aberto para ver o que funciona ou não 68 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Etapas do Design Thinking: Testes • Procedimentos: ‒ Deixe seu usuário experimentar o protótipo: Mostre, não fale ‒ Mantenha-o falando sobre a experiência enquanto testa enquanto testa photo by Éole on Flickr ‒ Observe ativamente 69 ‒ Acompanhe com perguntas: “Por que isso funcionaria para você?”, “Você pode me dizer como isso o faz se sentir?”, “Por quê?”. Responda perguntas com “Bem, o que você acha que esse botão faz?” Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Etapas do Design Thinking: Testes • Diferentes métodos 70 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Testes: Grade captura de feedback • O que é? ‒ Método para sintetizar o feedback de um usuário após o teste de uma solução. Auxilia na sistematização do feedback, aumentando a intencionalidade de capturar feedback em todas as quatro diferentes áreas • Quando usar? ‒ Após testes para fornecer feedback progressivo 71 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Testes: Grade de captura de feedback • Como aplicar? ‒ Preencha os quatro quadrantes com os feedbacks adquiridos na fase de testes: • Do que as pessoas mais gostaram? • O que as pessoas acham que poderia ser melhorado ou não estavam tão bom assim? • O que gerou dúvidas? • Novas ideias a se considerar 72 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Testes: Exemplos • Test: https://www.youtube.com/watch?v=uKny65lvqf4 73 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Outras Ferramentas de inovação Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Outras ferramentas de inovação • 90 Na mesma linha do Design Thinking, existem outras abordagens e ferramentas que já estão sendo utilizadas para inovação. Veja exemplos a seguir Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Business Model Generation • Abordagem estruturada para entender, desenhar e inovar em modelos de negócios • A principal ferramenta apresentada é o Business Model Canvas, em que é possível visualizar um modelo de negócios de forma macro em um único quadro • Mais informações: http://www.businessmodelgeneration.com/ 76 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Lean Startup • Aplicação da Ciência ao caos e à incerteza de uma startup, tendo trazido valiosos insights para todos os tipos de empreendedores (tanto os de suas próprias empresas, quanto para funcionários empreendedores) • Mostra como impor organização no caminho até o sucesso no desenvolvimento de um novo produto, entendendo como produto qualquer resultado da interação de um cliente com a empresa • Essa abordagem conta com conceitos importantes advindos, por exemplo, da manufatura enxuta e do desenvolvimento ágil • Site: http://theleanstartup.com/ 77 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Gamification • Estratégia de interação entre pessoas e empresas com base no oferecimento de incentivos que estimulem o engajamento do público com as marcas de maneira lúdica • Na prática, as empresas oferecem recompensas a participantes que realizam tarefas pré-determinadas, voltadas para a recomendação, a divulgação, a avaliação ou a captação de novos clientes para a marca • Fonte: http://exame.abril.com.br/pme/dicasde-especialista/noticias/o-que-e-gamification 78 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Pra onde ir Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Pra onde ir • Gostou do assunto e deseja explorar mais? Veja onde encontrar mais sobre Design Thinking e inovação: ‒ [Curso] Lean Startup (Self-paced): • Build. Measure. Learn. Lean Startup SXSW 2012 – Pelo autor do livro, Eric Ries e 4 outros: https://www.udemy.com/lean-startup-sxsw-2012-videos-and-presentations/ ‒ [Palestra] sobre Business Model Generation – Pelo autor do livro, Alexander Osterwalder: http://www.youtube.com/watch?v=5qiVgGA9kwo ‒ [Vídeo] Tim Brown no TED Talks: http://www.ted.com/talks/tim_brown_urges_designers_to_think_big.html 96 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Pra onde ir • [Reportagem] Globo, “Entenda como o Design pode ser empregado de forma estratégica”: http://redeglobo.globo.com/globouniversidade/noticia/2012/12/conheca-o-design-thinking-metodo-empregado-paracriacao-coletiva.html • [Reportagem] Design Thinking para educadores: http://designthinkingforeducators.com/ • [Reportagem] Design Thinking na Citrix: http://www.mixprize.org/comment/27586 • [Reportagem] Podcast Harvard, “Why Design Thinking is the next competitive advantage?”: http://www.cbsnews.com/8301-505125_162-28043540/why-design-thinking-is-the-nextcompetitive-advantage--harvard-ideacast/ ‒ Ferramentas grátis para mind maps: • [OFFLINE] Xmind: http://www.xmind.net/ • [ONLINE] Text 2 Mind Map: https://www.text2mindmap.com/ • Veja mais dicas de livros e sites no capítulo de referências a seguir 96 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Referências Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Referências • Design Thinking Action Lab - Stanford University, curso online (NovoED) e Site https://novoed.com/designthinking http://dschool.stanford.edu/use-our-methods/ • [LIVRO] Design Thinking - Inovação em Negócios - MJV Press, livro brasileiro sobre Design Thinking (Download grátis) http://livrodesignthinking.com.br • [LIVRO] Design Thinking - Editora Elsevier, livro do CEO da IDEO sobre Design Thinking http://www.skoob.com.br/livro/115265-design-thinking • Creativity, Innovation, and Change - Pennsylvania State University, curso online (Coursera) https://www.coursera.org/instructor/jmatson • 98 Imagens: www.google.com, http://creativecommons.org.br/ Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Contato Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Contato • Para mais informações, entre em contato: Ana Carolina Barbosa Silva Analista de negócios de TI na Deloitte – São Paulo, Brasil E-mail: ana.ufabc@gmail.com LinkedIn: http://br.linkedin.com/in/anacarolinabarbosasilva/ 85 Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013
    • Obrigada! Ana Carolina Barbosa Silva - ana.ufabc@gmail.com - 2013